Do “Quantum Entanglement” a Homens Contendo Cromossomas Y Contendo Homens

Por favor, que ninguem leia isso aqui porque é nocivo à saúde mental. Apenas está escrito aqui porque assim tem que ser, assim aplico um método sobre estranhas intuições, misturando tudo, e a cada tempo retorno pondo ordem na casa até elaborar mais uma tese. Tem muita coisa errada aqui ainda e você não entenderia nada.

De onde veio este fenômeno onde um homem está dentro de um cromossoma Y e o cromossoma Y está dentro do Homem?

Veio do entanglement ( entrelaçamento) quantico… (?!) …

Vamos recapitular o que é entanglement quântico.

O cientista pega um par composto de uma particula positiva que gira para a direita e outra partícula negativa que gira para a esquerda. Põe a positiva numa caixa em New York e a negativa numa caixa em London. Então, faz com que a partícula positiva de New York mude seu sentido de rotação, ao invés de girar para a direita, faz ela girar para a esquerda. Quando ele observa a partícula em Londres, ao invés de ela continuar a girar para a esquerda como ele a deixou, vê que ela mudou tambem, está girando para a direita.

Não encontraram explicação racional, comprovada, do porque isto acontece. Mas pensando neste problema, acho que achei a solução, ou ao menos, o principio da solução. Parece tratar-se de questões relativísticas, ou seja, dependem de qual a posição do observador no seu ponto do tempo/espaço. vamos buscar alguns exemplos:

xxx

a) O problema dos tamanhos;

O corpo do homem é grande e contem o corpo do cromossoma Y, que é pequenino. Mas o corpo do cromossoma Y contem o corpo do homem dentro dele. O corpo do homem foi feito pelo corpo do cromossoma Y, mas o corpo do cromossoma Y foi feito pelo homem. Por isso, dois micróbios de mesma espécie, mas um vivendo dentro do corpo do homem, e outro vivendo no liquido dentro do corpo do cromossoma, estão brigando ha muito tempo, numa discussão que não tem fim.  O microbio no corpo do homem telefona ao microbio no cromossoma gozando dele e jactando-se que vive num universo muito maior quer o universo cromossômico do outro microbio. E outro microbio pergunta como é e qual é o nome do seu Universo, e recebe como resposta a descrição do corpo de um homem e a noticia de que este corpo chama-se “homem”. Então o microbio dentro do cromossoma, no meio do liquido, olha para baixo e vê o corpo do homem pequenino, muito menor que seu universo. E retruca: “Bah… você diz isso porque nunca viajou, nunca saiu do seu mundinho, nunca veio aqui. Pois em verdade te digo que estou agora caminhando, pisando sobre seu universo inteiro e ele é muito pequenino.”

Enquanto não  chegam a um acordo, o telefonador alimenta sua arrogância e diz ter certeza que o seu universo, o corpo do homem, existe ha muito mais tempo que o universo do ouvinte, inclusive, foi o seu corpo de homem que fez, criou, o Universo do ouvinte. O ouvinte retruca dizendo isso ser impossível porque ele sabe que o homem foi criado pelo seu Universo.  lembra-nos a velha discussão entre humanos: quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?

Mas imaginando essa situação somos levados novamente aos mistérios das partículas no nível quântico. Se um observador situado na Terra olhar para outro planeta do mesmo tamanho, a olho nu, claro, saberá com certeza que o imenso planeta que ele vê aqui é muito maior que aquela pequena bola no céu. O mesmo aconteceria a um observador sentado no outro planeta, seu planeta seria muito maior que o outro. É apenas quando juntamos os dois corpos num mesmo ponto do espaço, ou aproximamo-los muito, que um terceiro observador, fora dos dois, pode certificar-se que  ambos tem o mesmo tamanho…?

Se o cientista está em New York observando a partícula, não enxergará a partícula em Londres. Mas e se enxergasse? Claro, a de Londres seria para ele muito menor. Porem, ele antes de separa-las, viu as duas partículas próximas uma outra, e o que concluiu? Que as duas tem o mesmo tamanho? Esta pergunta só será respondida quando eu souber como é que os cientistas veem estas partículas. É quase certeza que não veem, apenas veem seus efeitos ao redor. E como então podem saber a respeito de tamanhos? Existem outras maneiras de medição, como por exemplo, do peso das partículas, etc. Pesos iguais, efeitos iguais, as duas devem serem do mesmo tamanho.  E quanto á idade das duas? Bem, me parece que podem ver ambas se formando, como em uma colisão de super-partículas. Então tem a mesma idade. Mas… e se não? E se as duas não existem ao mesmo tempo, porem como tudo no mundo delas funcionam quase à velocidade da luz, não vemos que uma existe dentro da outra, mas que a menor contem a maior, … como o corpo do homem contem o cromossoma que o contem? Que na verdade possuem pesos tao diferentes quanto a diferença de pesos entre um homem e um cromossoma, mas como uma se transforma na outra à velocidade da luz, sempre só conseguimos pesa-las quando ambas estão em meia vida? Isto seria o fundamento nos princípios do Universo que mais tarde chegaria ao fenômeno que vemos hoje entre o homem e seu cromossoma.

Bem,… esse primeiro problema relativístico para entender-mos a evolução desde o nível quântico para o nível macroscópico fica parado por aqui, por enquanto… vamos ao segundo:

xxxx

b) O problema dos spins conectados

Vamos pensar num homem e um cromossoma Y que está dentro de seu corpo. Vamos por esse homem de olhos vendados dentro de uma sala com vácuo total e em cima de uma plataforma pequena, redonda, que gira para a direita. De maneira que o homem não tem como saber que está girando. Dentro do homem tem um saquinho microscópico, cheio de liquido, e no meio do liquido, o cromossoma Y. Na mesma posição vertical que o Homem está. Se o homem gira e o saquinho não, o liquido está parado. Se o liquido está parado, o cromossoma no meio dele está parado.

Você está viajando num trem, olhando a paisagem através da janela. Se o trem for extremamente suave e com velocidade sempre igual, com o tempo seus sentidos não percebem mais que você está sendo movido. tal como o homem em cima da roda girante. mas seus olhos estão vendo o mundo lá fora que “parece estar-se movendo e rápido, passando na frente de seus olhos. Você está indo na direção oposta que o mundo está seguindo. O mundo está indo de B para A, voando para a frente, enquanto o resto dele vem vindo atras. Agora a coisa mudou: o mundo é o trem com seus vagões, passando os primeiros vagões primeiro, e depois vem passando os outros de trás. Se o mundo tivesse olhos e consciência, ele estaria pensando que você está indo ao contrario dele, de A para B. O mundo está indo para o seu futuro, enquanto você está indo para o passado do mundo, ou seja, os vagões dele que ficaram para trás.

Em relação às partículas, o que é que autoriza o cientista dizer que a positiva está girando para a direita? Se o mundo que o cientista está é redondo, qual o ponto fixo ele está usando para dizer que algo está à direita, ou à esquerda? E se o mundo em que o cientista está, está girando, portanto o cientista também, quem garante a ele que a partícula não está parada? Quem garante ao homem vendado dentro da sala hermética, que não é seu cromossoma que está girando para a esquerda, e sim que ele está girando para a direita, enquanto o cromossoma está na realidade, parado?

O que importa aqui ( antes das inquirições filosóficas), é que encontramos duas situações exatamente iguais, porem, uma acontecendo no nível dos humanos, e a outra acontecendo no nível das partículas. E como acreditamos que o mundo humano é resultado de um processo de evolução que teve no seu passado o mundo das partículas ( e não o contrario: ou seja, sabemos que no passado não estavam os humanos e hoje não estão compondo as partículas), as características complexas que formam o mundo humano são evoluções destas mesmas características, na sua forma mais simples,  que formam o mundo das partículas. Pois as partículas são como os répteis, no sentido de que os répteis são uma espécie ancestral dos humanos, e as partículas tambem são uma espécie ancestral dos humanos, apenas mais distante no passado que os répteis. Então, a explicação da estranheza e desentendimento que acontece com o homem no trem e o mundo fora do trem, que acontece com o homem na sala e seu cromossoma Y, e acontece com a partícula em New York e outra partícula em Londres, tem que ser a mesma e unica explicação.

Mas é realmente difícil para nossa inteligencia, digerir isso. O motivo é que enquanto no caso do homem no trem e o mundo la fora, nós conseguimos nos colocar nas duas posições, ora no lugar do homem observando o mundo, e ora no lugar do mundo observando o homem, e tambem no caso do homem e do cromossoma Y nos conseguimos colocar nas duas posições, ora lugar no lugar do homem, ora no lugar do cromossoma Y, no caso das partículas, não conseguimos nos colocar em nenhuma das duas posições: o cientista é um terceiro observador. Fico imaginando como um alienígena que nada entende de motores e trens, estando situado num ponto do espaço onde apenas vê o planeta Terra mas não vê o sistema solar, concluiria do que estivesse vendo. Ele estaria vendo o planeta girando, o homem girando junto com o planeta, ou seja, na mesma direção do planeta, e ao mesmo tempo o cromossoma Y dentro do homem, tambem girando, mas no sentido contrario. Penso eu. Ou não? Ainda penso que sim…

Ele estaria sofrendo de ilusão de ótica? Dentro do liquido parado, o cromossoma está parado em relação ao seu mundo externo imediato. Não tem como contestar isto. Realmente isto é “de fundir a cuca” mas o problema maior para o alienígena é identificar qual movimento é um real movimento e qual é falso. Sem saber que a Terra gira movida por forças externas ( que vem do sistema solar, e/ou da galaxia, e/ou do Universo) ele acharia que ela tem uma força própria que a faz girar. Mas então o trem não poderia ter força própria fazendo-o se mover. Como poderia achar que o homem na sala é quem está parado porque não tem força própria ou externa fazendo-o se mover… mas então o cromossoma e a água em volta dele teria que ter uma fôrça fazendo-os moverem-se. É possível que a Terra realmente tenha sua força própria, como a mais recente teoria sugerindo que galaxias giram devido serem dipoles, onde o núcleo tem carga elétrica positiva e a periferia, negativa, e o jogo entre estas duas cargas faria o corpo girar sobre seu eixo. Mesmo assim, o homem na Terra tambem estaria girando aos olhos do alienígena. Seria fácil para ele perceber que a força está no planeta e não no homem, mas isto porque tanto o planeta e o homem giram na mesma direção. E se o homem estiver indo no sentido contrario? E se ele tiver a força e o planeta não? O alienígena iria suspeitar que o planeta está parado e o homem se movendo?

Se o cientista correr para Londres e observar a partícula girando à esquerda, ele não verá a partícula em New York. Se ele se colocar no meio do caminho, não verá nenhuma das duas. Mas ele pode aproxima-las um metro uma da outra e ver as duas. É como alguem num helicóptero vendo o trem e o mundo externo ao mesmo tempo. Os dois girantes, ou moventes, tem força própria, e os dois tem tendencias de direção opostas. Mas… o trem pode fazer uma curva de 180 graus e mover-se na mesma direção do mundo externo… bem, essa linha de raciocínio não nos leva a nada, Einstein já pensou nisso exaustivamente. Apenas ele não pensou em comparar o que acontece com o mundo ao nível quântico com o mundo ao nível humano para tentar entender como foi a evolução.

Se imaginar que a Terra está girando no sentido leste>oeste, e o trem, dando uma volta na Terra no sentido contrario, o que aconteceria se parar a Terra, e faze-la girar ao contrario, de oeste para leste, com o trem? Ele agora estaria movendo-se no mesmo sentido da Terra, nunca mudaria a direção de seu movimento. Mas como não? Ele vinha de oeste para leste, a terra agora tambem está de oeste para leste…  Em relação ao passado da terra, um planeta que girava numa direção e o trem na direção oposta, agora no presente da terra, o trem está girando não ao oposto, mas igual, então o trem mudou sua direção. Isto significa que se mudar o spin da Terra, muda o spin de um corpo dentro dela. Da mesma forma, se mudar o spin de uma partícula positiva, muda o spin da sua parceira negativa. O problema é que o trem está dentro da terra, enquanto as duas partículas estão separadas no espaço. O problema é que se imaginar-mos o planeta e o trem separados no espaço, vemos os dois girando na mesma direção. E as duas partículas nunca giram na mesma direção.  Mas ponha uma partícula parada e a outra a girar, separadas. Veremos as duas girando, uma ao contrario da outra?

Pinte as duas partículas, metade preta e metade branca. Ponha uma parada aqui, com  e a outra girando sobre si mesma mais acolá. Agora ponha um microbio dentro da partícula girante, na face preta. O microbio não sabe que sua partícula está girando. Quando a face preta estiver de frente para a partícula parada, o microbio vê a partícula branca. Quando a face branca estiver de frente para a partícula parada, o microbio não vê a partícula. Ele tem certeza que sua partícula não está girando ( o homem antigo tinha certeza que a Terra estava parada).  O que o micróbio vai pensar? Acho que ele terá duas alternativas. a) se o horizonte de sua partícula for cobrindo a parte visível da outra partícula, ele terá a impressão que a outra partícula está se movendo em órbita ao redor de sua partícula; se o horizonte de sua partícula não vier cobrindo a outra partícula, ele terá a impressão que a outra partícula pulsa, ou seja, ora existe ou se ilumina, ora não existe, ou se apaga. Como dizia minha avó: levante-se antes do Sol aparecer e durma depois que o Sol desaparecer.

Raios! E agora? Quem pode afirmar que planetas estão rodando em volta do Sol, ou que o Sol esteja rodando em volta dos planetas, como diziam os antigos? Quem foi fora do sistema solar e olhou-o de lá, para ter certeza que existe corpos aqui se movendo em órbitas? Somos micróbios na superfície de uma partícula. Temos certeza que a terra está girando em seu eixo… ou é o sistema solar que esta parado como a água, a Terra parada dentro dele, e quem está girando é a galaxia? Ou que a galaxia tambem está parada e quem gira é o Universo?

Claro que estou falando besteira. E o faço porque não estudei o que a Ciência sabe sobre astronomia. Pois hoje, baseado no conhecimento da Ciência, mandamos um robot para Marte, supondo que os planetas estão se movendo em órbitas, e com velocidades desiguais, e tudo isso foi calculado detalhadamente para que o robot acertasse pousar em Marte. A não ser que… o espaço é mais curvo do que pensam, que é o espaço que gira sobre seu próprio eixo e… acertamos errando!

Bem,… esse segundo problema relativístico para entender-mos a evolução desde o nível quântico para o nível macroscópico fica tambem parado por aqui, por enquanto…

Tudo aqui é muito esquisito e maçante, mas vou tentar avançar nesta linha. Antes vou ter que fazer algumas perguntas aos experts em astronomia e quântica. Então… até mais tarde… se a minha cuca não fundir antes…

 

Tags: , , , , , , ,