O instinto de auto-defesa na identidade dos sistemas fechados e abertos

xxxxx

 

Sistema Imunologico um Anticorpo amarelo e uma bacteria antrax

Sistema-Imunologico-um-Anticorpo-amarelo-e-uma-bacteria-antrax.jpg

( Um neutrófilo (a amarelo) envolve uma bactéria de antraz (a laranja),)

Quando um corpo humano morre, nos seus intestinos fica o ultimo alimento ingerido, sendo comido pelas bacterias. As bacteria nao devem ter menor nocao de que o corpo morreu. O que vai acontecer com elas?

Presumo que quando comecarem a sentir falta de novo alimento, vao ficar desesperadas, e tentar digerir a materia organica `a volta, das paredes do intestino, se e’ que elas tem dispositivos, acidos, para essa materia. Tambem deve comecar a mudar a temperatura la dentro, uma temperatura tendendo a um frio nunca sentido antes pelas bacterias. O mais provavel e’ que elas se movam cada vez mais rapido `a medida que a fome vai aumentando, e podem chegar ao estomago, vias urinarias, anus, etc. E talvez ai, encontrando outra materia comestivel que nao haveria nas paredes intestinais, voltem a se alimentarem.

O fato ‘e que dentro do caixao funerario esteril, nao entram bacterias. Entao de onde vem as que digerem o corpo? So pode ser de dentro do corpo mesmo.

Mas se estas bacterias capazes de digerirem o corpo, ja estavam dentro do corpo enquanto era vivo, porque nao digerem ao menos alguma parte interna, quando falta alimento ou o alimento ‘e intragavel? Imaginemos alguma bacteria perdida que de repente sai do tubo intestinal, ou que o tubo tenha sofrido um rompimento. Ela vai atacar a carne, o sangue `a sua volta.

Se isso acontecer – pelo pouco que sei – de repente vao aparecer ao seu lado, umas moléculas grandes que agem como animais predadores, vao se encostarem nela e abraca-la, soltando um liquido mortal para ela, que a vai desfazer. Estas moleculas são os anti-corpos. Mas de onde viram se não estavam ali, domo elas surgem, quem as manda ali?!

Como e’ de nosso costume, quando não sabemos uma coia por completo, arrumamos um nome, uma palavra, um simbolo, para a quela coisa e pronto. Assim inventamos o nome ” sistema auto-imune de defesa”. Pronto, respondeu-se todas as questões – como se originam, de onde vieram, porque sao daquele jeito, etc. Para mim, um elemento perdido para a civilizacao, nao educado por ela e sim pela selvageria primitiva presente e tocante a todo momento, mas com uma estranha propriedade, a de um animal pensante com o com o instinto de filosofia naturalista, que quando esta descansando, observa as coisas ao redor com curiosidade, pega-as com as maos e fica se perguntando o que e’ o significado, a realidade daquela coisa e porque ela esta ali existindo naquele mundo complexo ao redor… estas palavras, estes nomes, nao dizem nada. Permanece o fato de que são moléculas que surgem de alguma maneira bem ao lado da bactéria, como se fossem fantasmas, que se materializam e se tornam vampiros. O nome, a palavra, nao vai – como costuma acontecer ao estudante sentado na sala de aula com ar condicionado – evitar que o meu pensamento tente se infiltrar no corpo e procurar ali naquele meio, a fonte daquelas moleculas. Esta postura me levou a imaginar toda a teoria da Matrix/DNA que produziu um modelo de sistema no qual o corpo humano deve se encaixar e daquela formula de sistema deduzi o que e’ e de onde vem o sistema de auto-defesa, e seus produtos, como os anti-corpos. Porem se quero transmitir esta teoria aos humanos da civilizacao tenho problemas em traduzir imagens mentais em nomes e palavras na linguagem deles. Alem disso, eu sai da selva e voltei `a civilizacao, onde fiquei sabendo que ela tem um conhcimento muito avancado sobre sistema imunologico. Entao tenho que estudar este conhecimento para comparar com meu suposto conhecimento e ajeitar as coisas de maneira que reste a verdade e apenas a verdade. Porque o conhecimento de um novo detalhe qualquer da ” verdade” nos da’ um novo poder – ao contrario do poder que vem da mentira, da ilusao, e da fantasia – para produzir produtos tenologicos sintonizados com a realidade da natureza envolvente, portanto, um produto saudavel que nao aciona o instinto de defesa do sistema planetario contra nos.

Nesta comparacao entre o conhecimento de fato, cientifico, e o meu suposto conhecimento auferido de calculos racionais, aprendo o seguinte.

Wikipedia: sistema imunitário ou sistema imunológico ou ainda sistema imune é um sistema de estruturas e processos biológicos que protege o organismo contra doenças. De modo a funcionar corretamente, o sistema imunitário deve detectar uma imensa variedade de agentes, desde os vírus aos parasitas, e distingui-los do tecido saudável do próprio corpo” 

E logo penso: ” Tudo bem, mas o organismo e’ um conjunto de estruturas e processos que surgem `as cegas `a medida que o objeto ” organismo” vai fluindo no meio da matéria envolvente e vai movendo-se porque ou e’ expulso pela energia oposta do ambiente ou e’ atraído pela energia similar do mesmo ambiente. Sendo um objeto as cegas, ele nao poderia mover-se, transformar-se visando propositos futuros, nao-imediatos. E o que chamam de ” doenca” so acontece depois do agente instalado e atuante. Entao o organismo nao protege contra doencas, mas sim reage a uma perturbacao no seu circuito funcional. Assim como a energia oposta do meio-ambiente. Entao e’ daqui – do fato que a nergia oposta ja existir muito tempo antes do aparecimento de organismos – que vem a fonte que prozuz esta esturtura e estes processos que englobados, chamam de sistema imunologico. A coisa se reduz a Fisica, ao eletromagnetismo, fisica das particulas, etc., portanto, vem la’ dos átomos e das galaxias. E nao vejo o conhecimento desta civilizacao continuar neste niveis da realidade buscando o entendimento completo deste sistema. Eu o fiz, imaginativamente, apenas guiado pela razao natural. Mas como vou testar os resultados que encontrei teoricamente? O conhecimento da civilizacao nao ajuda em nada aqui, apenas me faz pular um salto gigantesco e ir para a sua area de conheicmento chamado de Fisica. Raios eu nao vou conseguir isto tudo antes da morte do meu corpo… se pudesse manipular o cerebro destas bacterias que vão ultrapassar a minha morte a continuarem essa busca… de alguma maneira, mais um pequeno detalhe da ” verdade” seria agarrada pela Terra. Meu supremo objetivo. Eu morro vencido, porem dixo minha marca nas pegadas de quem chegou no agente que possui a verdade e a fonte da minha criacao, para desmascara-lo e exigir todas as explicacoes. Poque deixaste a mim e a meus irmaos, as minhas criancas, o meus velhos, serem torturados na minha frente? Es tu o torturador? Se sim, estamos em guerra mortal.

( não tem jeito… de segurar o meu “eu” existencial e suas dores, enquanto estou de mangas arregaçadas revirando a lama destes pântanos e procurando mais nacos dessa ” verdade”). Voltemos ao assunto que interessa.

O sistema imunológico – enquanto uma estrutura física –  não e’ uma coisa que possua inteligencia própria, portanto ele não pode ter o proposito inteligente de “detectar uma imensa varieade de agentes, desde virus a parasitas, e distingui-los do tecido saudavel”. Ele nem mesmo pode saber o que seja ou nao seja tecido saudavel. Se ele de fato faz isso, tem mais coisas invisíveis ou não envolvidas ai. Vejamos se o conhecimento da civilizacao ja as descobriu ( na minha mente ela ja foi descoberta, e trat-se da formula da matriz que vem desde osn niveis de ondas de luz… mas devo esqueer isto para testar meu conhecimento e aprender de fato o que interessa agora).

O problema e’ que não da’ para isolar no laboratorio o sistema imunológico completo e estuda-lo separado do organismo. Não tem onde cortar seus tentáculos que vão penetrando as células e substancias dos outros sistemas, assim como os tentáculos dos outros sistemas que o penetram. Vamos cair dentro do cérebro, dai para dentro de neurônios, dai para dentro do DNA e outras moléculas, dai para dentro de átomos e partículas… e la vem a Química e a Fisica de novo, e mesmo assim não sabemos se chegamos nos limites últimos do organismo, onde esse sistema ainda se estende, pois talvez o organismo tenha um campo magnético, ainda não detectado, algo como uma aura, etc. Parece ser esta uma causa perdida.

Mas não podemos desistir, temos que continuar contra todo o cansaço e resistência de nossos cérebros, pois senão nunca vamos acabar de uma vez por todas com o câncer, etc. Se o conhecimento da civilização – que e’ baseado no método reducionista – ainda não acabou com o câncer e’ porque sua causa se refere a sistemas, uma tarefa para o método sistêmico – meu método possível de ser abordado apenas com meus parcos recursos. Vamos continuar por enquanto a buscar o que o conhecimento da civilização já sabe, para não ficar reinventando a roda.

Wijkipedia: ” Os agentes patogénicos podem rapidamente evoluir e adaptar-se de modo a evitar a detecção e neutralização por parte do sistema imunitário, pelo que os vários mecanismos de defesa também evoluíram no sentido de os reconhecer e neutralizar…”

Raios, esta leitura continua a causar-me um instintivo desconforto. A moderna Biologia esta tendendo a emprestar traços da personalidade humana, inclusive de sua inteligencia, a pacotinhos de átomos como genes e moléculas e vírus! O que tiraram de Deus – a sua fantasmagórica inteligencia – estão transferindo para moléculas?! Esta a tendencia dos papas biológicos modernos como PZ Myers, Richard Dawkins e seus genes ” egoístas”. Eles passam a ideia aqui que acreditam que agentes patogênicos, como virus, tendem a evitar os radares do sistema imunológico e se esconderem ou lutarem contra os policiais enviados pelo sistema! Um mero bloquinho composto por alguns átomos, isto e’ um vírus. Com alguma complexidade, como estes átomos conectados de uma maneira que denominam de RNA, proteínas, mas no fundo não deixa de ser um objeto de átomos, microscópico, esta coisa não pode ter a inteligencia de saber ou evitar ou lutar contra coisas como outros grupinhos de átomos denominados de sensores e anticorpos. Ou isso tudo e’ um simples jogo de forças físicas ou tem algum elemento escondido ai que ainda não estamos vendo. Porque não a formula da Matrix/DNA e sua invisível identidade dos sistemas? Esta também não e’ dotada de inteligencia, mas ela organizaria estes átomos em conexões que se reagem ou se conectam. E o faria porque essa função vem de sua forma primeira, uma onda de luz, a qual tambem nada tem de inteligencia própria, porem ela vem de um lugar desconhecido, onde pode ter algum tipo de inteligencia que cria estas coisas funcionais sem inteligencia assim como fazemos robots. Mas o conhecimento da civilização não quer nem ouvir falar desta formula teórica… apesar de que estão sucumbindo a crença mistica de que um mero pacote de átomo tenha ” propósitos” que vão alem de seus limites, inclusive em relacao ao futuro deles… Naão…: estes agentes patogênicos se movem porque tem necessidades de elétrons em outros átomos e quando os absorvem se tornam mais fortes o que provoca a obrigação do sistema imunológico se mover buscando outros elétrons que o torne mais forte que os agentes, e quando faz isso, atua como feed-back sobre os agentes patogênicos, que se movem… e’ isso que querem dizer com as palavras ” evolução” e ” adaptação”…? E’ um jogo de mare’ e contra-mare’, ventos do sul contra ventos do norte…

Wikipedia: ‘ Até mesmo os simples organismos unicelulares possuem um sistema imunitário rudimentar, na forma de enzimas que os protegem de infecções por bacteriófagos.’ ( Enzimas são grupos de substâncias orgânicas de natureza normalmente proteica (existem também enzimas constituídas de RNA [1] , as ribozimas), com atividade intra ou extracelularque têm funções catalisadoras, catalisando reações químicas que, sem a sua presença, dificilmente aconteceriam. Isso é conseguido através do abaixamento da energia de ativaçãonecessária para que se dê uma reação química, resultando no aumento da velocidade da reação e possibilitando o metabolismo dos seres vivos. A capacidade catalítica das enzimastorna-as adequadas para aplicações industriais, como na indústria farmacêutica ou na alimentar.

 

Em sistemas vivos, a maioria das reacções bioquímicas dá-se em vias metabólicas, que são sequências de reacções em que o produto de uma reacção é utilizado como reagente na reacção seguinte. Diferentes enzimas catalisam diferentes passos de vias metabólicas, agindo de forma concertada de modo a não interromper o fluxo nessas vias. Cada enzima pode sofrer regulação da sua actividade, aumentando-a, diminuindo-a ou mesmo interrompendo-a, de modo a modular o fluxo da via metabólica em que se insere.)

Hummm… agora tocaram de cheio na formula da Matrix/DNA. Via metabólica e’ o circuito esférico sistêmico dentro do qual flui o fluxo de informações do sistema, cuja totalidade gera a entidade invisível do sistema. Exatamente, a medida que o fluxo avança, vai produzindo ações que provocam as reações seguintes e estas são simbolizadas na formula como F1, F2, etc.

( a continuar)