Posts Tagged ‘’

Linguistica : Suas origens, segundo a Matriz

quarta-feira, abril 7th, 2010

As origens da Linguagem é um tema de controvérsia entre ateísmo e criacionismo, cada qual tendo uma versão diferente, enquanto os modêlos da Matriz sugerem uma terceira versão, a qual ainda não nos tomou o tempo necessario para elucida-la à luz dos estudos dos mapas mas que já temos um conceito geral formado. Não vejo muita utilidade agora nêste estudo sôbre origens da linguagem, porém, como os modelos da Matriz/DNA estão sugerindo que existe uma “linguagem do Universo”, que esta linguagem pode ser conhecida através do sistema de códigos no DNA, e como apoio a idéia de que a Humanidade deve fazer um esforço para elaborar uma linguagem nova e unica para tôda a Humanidade (como foi tentado com o esperanto), nada mais sensato que esta seja a linguagem do Universo.  

Li em um livro de Teologia da História, mas que no momento não está em minhas mãos, uma versão religiosa. Então vou tentar expor de memória o raciocínio.
“Os materialistas/evolucionistas negam que haja Deus, ou ao menos que Deus tenha se manifestado na História. Dizem também que o homem é o resultado de um processo evolutivo, pois veio de um símio qualquer, etc. Ora, o aparecimento da linguagem é um tremendo desmentido a essa tese. Porque o homem, privado da linguagem, senão é totalmente incapaz de pensar (e eu acho que é, pois pensamos com palavras), é incapaz de produzir qualquer obra abstrata. Ora, a linguagem é uma coisa 100% abstrata. Imagine quanto abstração, quanta sutileza, quanta criatividade e inteligência são necessárias para criar um substantivo e um adjetivo e depois uni-los com um verbo! Hoje tentamos estudar latim ou uma língua viva qualquer e percebemos o quanto é difícil (ao menos para mim, que ainda estou engatinhando no inglês). Quanta operação mental teve que fazer aquele antigo troglodita para criar o mais básico de todos os verbos, isto é, o verbo ser! Portanto, homem nenhum, por si só, seria capaz de inventar uma linguagem, se não partisse de uma linguagem já existente. Logo, o homem não inventou a primeira linguagem. Esta só pode ter sido dada ao homem por um elemento extra-histórico (Deus). Assim, Deus, pelo seu Verbo (Palavra), criou o homem e já lhe incutiu a linguagem. Do contrário os evolucionistas teriam que admitir que esse troglodita das cavernas era muito mais evoluído do que qualquer um de nós. Mas admitir isso é inverter a própria teoria da evolução.
Sei que esse argumento não prova que o episódio da torre de babel aconteceu mesmo. Mas creio que ele prova que no princípio só havia um idioma, que era falado por Adão e Eva e por seus descendentes. E assim faz sentido que num determinado momento, por castigo, Deus tenha confundido os homens com outros idiomas, pois que eles também não seriam capazes de inventar do nada esses novos idiomas.”

Comentário baseado numa precipitada consulta aos modêlos da Matriz/DNA:

Penso que o autor chegou no velho problema: o que apareceu primeiro, o ovo ou a galinha? A abstração necessária para produzir a linguagem ou a linguagem necessária para suportar um processo de abstração?

A sugestão da Matriz/DNA é: a linguagem humana é produto da evolução da linguagem genética. A genética é uma produção ex-machine, dentro da idéia de que este Universo é uma produção genética. Portanto, se a origem da linguagem retorna no tempo ultrapassando o tempo deste Universo, nós não podemos saber sua fonte.

Nosso código genético é montado em cima de cinco variaveis (as bases nitrogenadas do genótipo) mais as duas cumulativas ( os dois acucares de um base-par de nucleotideos – fenótipo), as quais compõem algo que pode ser comparado a letras (genes), estas letras se combinam formando frases ( grupos de genes para uma proteína específica) e no total surge um texto (o genoma). Isto para mim é uma linguagem encriptada no DNA, o qual está no nucleo dos neuronios, o qual produzem os pensamentos abstratos. Se essa linguagem passou pelos animais anteriores sem ser expressada, ou se expressou em alguns casos, não importa. O fato é que no cérebro humano ela se expressou e foi imitada pelo homem na forma simbólica das letras. Portanto, a linguagem vem antes da abstração.