Posts com Tags ‘black holes’

Por favor, olhem para isto, para entender o que significa o meu trabalho…

sábado, novembro | 29 | 2014

…. apenas no nível astronomico, e não nos outros níveis biológicos, químicos, neurológicos, etc., que estou atuando.

Veja o vídeo que a NASA publicou agora e veja o debate a seguir ao vídeo, onde participo. Eu jamais imaginaria na vida que isto poderia acontecer comigo. A NASA apresenta um filme feito por simulação de computador e cálculos matemáticos baseados na atual teoria cientifica astronômica. Veja esta imagem ( não se esqueça que ela não é a foto de um evento real, apenas é uma simulação do computador):

Black Hole Eats Away a Star for 1920x1080

http://www.pickywallpapers.com/space/black-hole-eats-away-a-star-picture/

Eu olho esta primeira imagem do vídeo e imediatamente me vem à cabeça a imagem de um vírus inserindo seu material genético dentro de uma célula. O modelo astronomico que construí dentro da teoria da Matrix/DNA em tudo diz que é isto que está acontecendo entre a estrela e o núcleo de poeira estelar – o qual não é um buraco negro porque a teoria diz que isto não existe.

A estrela do filme seria o vírus, enquanto o buraco negro seria a célula. Mas acontece que o filme está “afirmando” que o buraco negro está atraindo a estrela e comendo-a. Seria o mesmo que dizer que é a célula quem atrai o vírus e come-o começando pelo seu DNA. É totalmente o contrario!

Então? Como ficamos? É claro que um recém-chegado semi-macaco da selva amazônica nunca poderia enfrentar o pessoal da NASA e todo mundo dirá que o macaca está louco, e vão dar gargalhadas. Porem, se esquecem de uma coisa. Qualquer evento no céu toma tempo na escala astronômica, ou seja, milhões, ou bilhões de anos. Portanto, jamais a Humanidade vai poder assistir por completo este evento retratado no filme. A imagem não tem nada garantindo que aquela massa da estrela está sendo inserida ou que está sendo absorvida. Não se pode saber quem é o emissor e quem é o receptor. Eu sei que a estrela não está exercendo uma força de emissão de fragmentos de seu próprio corpo, mas o contexto espacial gravitacional pode estar conduzindo este material, assim como aqui na Terra vemos o vento levando , conduzindo, as cinzas de um cadáver cremado. Pois é isto o que aquela estrela é agora: um cadáver estelar ( segundo a teoria da Matrix/DNA).

E assim acontece com todos os detalhes entre as duas teorias. É tudo exatamente ao contrario. Quando a teoria acadêmica dia que uma estrela está nascendo, a minha teoria diz que ela está morrendo, e quando a acadêmica diz que ela está morrendo, a Matrix/DNA diz que ela está nascendo.  Mas isto já aconteceu uma vez na História Humana, quando a cúpula das universidades, todas da Igreja, afirmava que o Sol gira em torno da Terra e veio um tonto chamado Copérnico dizer que não, que é a Terra que gira em torno do Sol. Bem… apenas deram boas gargalhadas às custas daquele zé-ninguém e ignoraram-no, pois ele não tinha voz para alcançar a multidão, a qual tambem iria rir-se dele. Copérnico morreu, e séculos depois Galileo apontou uma luneta para o céu e provou que o certo era Copérnico, o mundo todo estivera errado por milhares de anos! Será possível que no estado adiantado que a astronomia humana está hoje, ainda vai acontecer novas revoluções virando tudo de cabeça para baixo?!

Longe de ter a pretensão de ser um gênio como Copérnico, mas ao menos eu mereço um ponto: fiz uma teoria exatamente ao contrario da teoria correntemente acreditada mostrando que é possível esta revolução e a Humanidade só vai poder provar que é o meu mundo que está de cabeça para baixo daqui a alguns milhões de anos… ki… ki… ki…

Mas assim fiz tambem com a teoria da origem da Vida, da origem do Universo… tudo ao contrario. O problema para a academia é que eu tenho a mesma quantidade de evidencias a favor das minhas teorias que eles tem a favor das deles… E agora, José?

O meu modelo astronomico é tão desastrado que acabei de descobrir que a Terra e todos os outros planetas deste sistema não são planetas… e sim, luas do Sol. Agora prove que estou errado…. Porque é que os astrônomos dizem que os astros que giram em torno de Júpiter são “as luas de Júpiter” enquanto dizem que os astros que giram em torno do Sol não são as luas do Sol?!

Bem… eu não sei como é que a NASA vai provar que estou errado. Eu mesmo não sei se estou certo ou errado, quem está dizendo isso é o Frankenstein que criei na selva, essa tal de Matrix/DNA cosmovisão.  Acho que vamos ter de esperar alguns milhões de anos, assistir um evento igual através de milhares de gerações de humanos… e se eu estiver errado pago a conta da cerveja para o pessoal da NASA…

NASA

Shared publicly  -  Yesterday 7:46 PM

https://plus.google.com/u/0/102371865054310418159/posts/3qK3seBG9we?pid=6086921914089388258&oid=102371865054310418159

NASA: “Thank you for joining us as we shared images & information about black holes. We’ll keep hunting for black holes and studying them.

How? Spotting black holes is tricky. Because they don’t give off light, astronomers have a difficult time pinpointing their location. But when a black hole gets close enough to an object, like a star, for example, and begins consuming the object’s mass, the matter that pours into its gravitational clutches can get so hot that it glows and releases energy in the form of X-ray light. The most powerful X-rays are emitted from the hottest material swirling just outside the edge of the black hole. By observing this light with space telescopes, scientists can determine where black holes are hiding in the cosmos.”

Discussão:

Louis Charles Morelli

Yesterday 10:07 PM
Why “a black hole consuming a star mass” and why not “a dying star is being fragmented into dust and creating a normal vortex” as suggested by Matrix/DNA model? Which are real proved facts and theories about a non visible fact?
+Louis Charles Morelli
U CONFUSE THEORY & ‘PROVEN FACT’
+Tom Davis This is the same image of a virus inserting its genetic stuff inside a cell. Viruses do that reproducing into new viruses and the cell dyes. In the sky, we see the stuff of a star entering inside the nucleus of a system and we can suppose that from here will born new stars while the “black hole”will disappears, like the cell dies. So, the rational conclusion is: considering that astronomical systems are ancestors of cells systems and viruses, this image is the ancestor image of a cell infected by a virus. But, either The Standard Model end Matrix/DNA models are mere theories, yet. You chose what is more rational for you…
You, Tom, need to understand that this image can be interpreted as “there is a black hole and it is a predator of a star” or, “there is a star which is the predator of a central vortex of an astronomical system”… There is no scientific proof about what is the thru…

Sir Marc Nasa

Yesterday 10:20 PM
this is Nasa Actual. ah, … I think … micro gravity … rgr
 Humm..  are you smiling due “microgravity” between viruses and cells? Nature goes from nanotechnology to giantology, all the time. Nature put a big adult man inside a microscopic chromosome and turns on the chromosome into a big man. Why Nature couldn’t reduce astronomic macrogravity into biological microgravity, and vice-versa?!  What’s the force of attraction of the cell’s receptor to the virus emissor?Maybe both have magnetic fields? Ok, it is a weird idea, but… makes sense… Do you have any explanation for where is the phenomena of gravity at the ancestor astronomical system that created biological systems, if it is not here? Such father, such son…  

Daniel Joyce

1:28 AM
Jesus peats. Not all viruses insert their DNA into the nucleus. And those that do, from microscopy, it looks nothing like this.

+Daniel Joyce Yes, Daniel, but viruses inserts RNA or DNA into cells, some reaches the nucleus. I have seen an experiment where a non-organic mass with iron “eats” a powerful magneto, so we have one evidence here that NASA’s theory could be the right one. But, there is no scientific proved fact or evidence that the reverse way, as suggested by Matrix/DNA method, is wrong. Do you know one?And Matrix/DNA says that there are no black holes, because never and nowhere matter could go back to the initial singularity ( there are several causes against this impossible event). Instead black holes what is there is merely central vortexes built by interstellar dust under galactic rotation. Of course… every tornado has a central empty hole, but due the centrifugation of dust and energy, it is more white than black and emits light, radiation. Ok, if I am wrong I will pay the beer…

xxxx

A publicação no Google+ da NASA veio desta pagina, se voce quiser mais informação:

Black Holes

http://science.nasa.gov/astrophysics/focus-areas/black-holes/

Tanto nós como os astros viemos de poeira estelar. Onde estavam os Principios da Vida naquela poeira?

domingo, abril | 15 | 2012

( Artigo em construção)

ABC NEWS – TECHNOLOGY

Dust in black hole winds helped form early stars

http://abcnews.go.com/Technology/story?id=3725906&page=1

Astronomers have taken a baby step in trying to answer the cosmic question of where we come from.

Planets and much on them, including humans, come from dust — mostly from dying stars. But where did the dust that helped form those early stars come from?

A NASA telescope may have spotted one of the answers. It’s in the wind bursting out of super-massive black holes.

Matrix/DNA: “Esta crença da comunidade de astronomos em um fantasma que foi criado imaginativamente pelo excesso da masturbação intelectual matematica atrapalha tôdas suas subsequentes interpretações das imagens e dados que estão sendo colhidos por estas maravilhosas máquinas espiãs da genialidade humana. Nêste caso desta noticia em particular, o pensamento lógico que deveria ser imediato perante a questão “de onde veio a poeira que formou as primeiras estrêlas?”, seria repensar  mentalmente num retrospecto da evolução cosmológica, da História Universal, e localizar a causa formadora da poeira.  Mas ao invés disso, o fantasma buraco negro está tão arraigado na mente que o pensamento lógico é entorpecido para ceder o lugar ao fantasma dominante. De qualquer maneira o fantasma tem que ser inserido numa interpretação, assim como para os religiosos de qualquer maneira Deus tem que ser inserido na resposta. E assim como quando se pergunta aos religiosos “e de onde veio Deus?”, ao perguntar de onde veio o primeiro buraco negro, o crente se atrapalha tôdo.

Esta pergunta tem a ver com outra pergunta: Qual o processo/mecanismo que a Natureza tem aplicado para organizar a matéria disforme em corpos e sistemas, ao menos, aos que conhecemos?

Uma morula é uma massa de matéria disforme que depois se torna um corpo e um sistema. Sabemos qual o processo: dentro daquela matéria disforme haviam particulas treinadas a se combinarem de certa maneira que refizeram um sistema existente anterior, geralmente um grau menos complexo. Mas teria algo a ver a formação de corpos/sistemas biológicos com a formação de corpos/sistemas astronomicos? O denominador comum entre estes dois fenômenos é que ambos são produzidos pela Natureza. E porque não teria algo a ver? É o mesmo criador, o mesmo artista, portanto é de se inferir que trata-se do mesmo método. Porque uma força construtora iria ser mutada no meio de duas ações? Desfigurar o que temos de conhecido para imaginar o que acontece no que desconhecemos não é sabedoria.

The Spitzer Space Telescope identified large quantities of freshly made space dust in a quasar about 8 billion light years from here.

Astronomers used the telescope to break down the wavelengths of light in the quasar to figure out what was in the space dust. They found signs of glass, sand, crystal, marble, rubies and sapphires, said Ciska Markwick-Kemper of the University of Manchester in England. She is the lead author of a study that will be published later this month in Astrophysical Journal Letters.

Dust is important in the cooling process to make stars, which are predominantly gas. The leftover dust tends to clump together to make planets, comets and asteroids, said astronomer Sarah Gallagher, a study co-author at the University of California Los Angeles.

“In the end, everything comes from space dust,” Markwick-Kemper said. “It’s putting all the pieces of the puzzle together to figure out where we came from.”

Astronomers figure that the planets that formed in the past several billion years — and those away from quasars — came from dust that was belched from dying stars. That’s what happened with Earth.

That still leaves a question about where the dust from the first couple billion years of the universe came from, which helped form early generations of star systems.

“It’s formed in the wind,” of the black holes, Markwick-Kemper said. Gas molecules collide in the searing heat of the quasar, which is thousands of degrees Fahrenheit, and form clusters.

“These clusters grow bigger and bigger until you can call them dust grains,” she said.

Scientists who weren’t part of the study hailed the work.

Cornell University astronomer Dan Weedman, the former director of NASA’s astrophysics division, said the study was an important step in answering a fundamental mystery of the early universe.


U.S.A: Copyright Washington n. 000998487/2001-02-20 | Brasil: Reg. Dir. Autorais - Brasília n. 106.158/11-12-1995 | Louis Charles Morelli