Posts Tagged ‘Cassiopeia A’

Cassiopeia: Uma Supernova que Explodiu ou Implodiu?

sábado, janeiro 31st, 2015

xxxx

Cassiopeia A: The Surprise Inside an Exploding Star

Cassiopeia A: A Surpresa Dentro de Uma Estrêla Explosiva

http://abcnews.go.com/Technology/cassiopeia-surprise-inside-exploding-star/story?id=28605895

PHOTO: Exploding Stars - New study sheds light on how stars blow up

Exploding Stars – New study sheds light on how stars blow up (NASA)

 

Supernovas, the violent explosions of massive stars after they have exhausted their nuclear fuel, have long been one of the most fascinating mysteries of the universe.

Supernovas, as violentas explosões de estrelas massivas depois que elas tem exaurido seu combustível nuclear, tem a muito tempo sido um dos mais fascinantes mistérios do Universo.

Now, a new 3-D map of one of the most well-known supernovas, Cassiopeia A, reveals a bubbly interior, which could shed new light on the spectacular way these stars die, according to research published today in the journal “Science.”

Agora, um novo mapa em 3-D de uma das mais conhecidas supernovas, Cassiopeia A, revela um “espumante” interior, o qual trás nova luz sobre a espetacular maneira como estas estrelas morrem, de acôrdo com uma pesquisa publicada hoje no jornal “Science”.

Rather than having uniform layers of ejected material, the new 3-D map found the supernova remnant has frothy cavities that were possibly created by radioactive nickel during the explosion that decays to form iron. In a star that is massive enough, the star explodes in a supernova when it runs out of nuclear fuel, combining lighter elements through fusion reactions until it reaches iron, at which point the star’s inner core collapses. Elements heavier than iron are thought to be formed during the explosion.

Mais do que ter apenas camadas uniformes de material ejetado, o novo mapa em 3-D encontrou que os despojos da supernova tem superficial cavidades que foram possivelmente criadas por níquel radioativo durante a explosão que decaiu para formar ferro. Numa estrela que tenha massa suficiente, a estrela explode formando uma supernova quando ela gasta todo seu combustível nuclear, combinando elementos mais leves ( átomos gasosos como hidrogênio, hélio, etc.) através de reações de fusão, até alcançar o nível de elementos mais pesados como o ferro, em cujo ponto o núcleo interior da estrêla colapsa. Elementos mais pesados que o ferro são suspeitos de serem formados durante estas explosões.

A supernova is so violent and bright that many can be observed with the naked eye and are a common occurrence in our universe. Having exploded some 340 years ago, Cassiopeia A is relatively young and close to Earth, making it an ideal case study, researchers said.

A supernova é tão violenta e luminosa que pode ser vista a olho nu e são comuns no Universo. Tendo explodido a cêrca de 340 anos atrás, Cassiopeia A é relativamente jovem e próxima da Terra, tornando-a um caso ideal para estudos.

“We’re sort of like bomb squad investigators. We examine the debris to learn what blew up and how it blew up,” Dan Milisavljevic of the Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics toldSmithsonian Science. “Our study represents a major step forward in our understanding of how stars actually explode.”

“Nós somos uma espécie de esquadrão de investigadores de bombas. Nós examinamos os despojos para aprender o que explodiu e como explodiu,” disse Dan Milisavljevic do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics. “Nosso estudo representa um passo maior adiante no nosso entendimento de como estr6elas realmente explodem”.

Moving forward, scientists hope technological advances in telescopes will allow them to better study the bubbly interior — including the presence of iron.

Em adiantamento, os cientistas esperam que avanços tecnológicos dos telescópios permitirão a eles melhor estudarem o borbulhante interior destas estrêlas – inclusive a presença de ferro.

E o meu comentário postado no artigo da ABC NEWS: 

Avatar

There are no explosions of stars, nobody never saw such thing. Astronomical dimensions is an ordered state, not chaotic like ours microscopic dimension.

Não existem explosões de estrêlas, ninguem nunca viu tal evento. A dimensão astronômica é um estado de ordem, não caótico como nossa dimensão microscópica.

These theories are anthropomorphizing the Cosmos and this is wrong.

Estas teorias estão antropomorfizando o Cosmos e isto está errado.

The astronomical models of Matrix/DNA Theory makes sense and it suggests that astronomical bodies obeys the same process of life’s cycle, like biological bodies.

O modelo astronomico da Matrix/DNA Theory faz mais sentido e sugere que os astros obedecem o mesmo processo dos ciclos vitais, como os nossos corpos biológicos.

Then, they are born, grows, maturate, degenerates and dies, like us.

Então, eles nascem, crescem, amadurecem, degeneram e morrem, como nós.

Astronomical bodies have a nucleus that works like the germ of a plant’s seed.

Corpos astronomicos tem um nucleo que funciona como o germe de uma semente vegetal.

Think of a corn’s seed. The nucleus is that white germ, the geological layers is the yellow matter surrounding the white, which will server as food for germ flourishing.

Pense numa semente como o grão de milho. O nucleo é o germe branco, as camadas geológicas são a matéria amarela envolvendo o germe, a qual servirá como alimento para o germe brotar, florescer.

While the nucleus is eating the external mantles, the internal pressure builds volcanoes as valves.

Enquanto o núcleo estiver “comendo” as camadas externas, a pressão interna produz os vulcões como válvulas de escape.

When the external mantle becomes so tiny like a piel, the whole thing collapses internally and the energy of the nucleus gets the space.

Quando o manto externo se torna tão fino como uma pele, a superfície inteira colapsa internamente e a energia do nucleo é emitida para o espaço (  isto parece ao observador menos avisado uma explosão, mas na verdade é uma implosão ).

This is a supernova. When a star dies it is fragmented into dust, and the dust plus energy launched by pulsars creates central vortexes, which creates new astronomical bodies. So, astronomical systems are recycled… almost eternally.

Isto é uma nova supernova. Quando uma estrêla morre, que fica sem combustível, ela é fragmentada tornando-se poeira estelar, e essa poeira mais a energia emitida por pulsares criam um rodamoinho central, o qual gera novas sementes de astros. Assim, sistemas astronômicos são auto-reciclados… quase eternamente.