Posts Tagged ‘Celula’

Ciclo Vital das Células: Oscilação do Núcleo

segunda-feira, setembro 11th, 2017

xxxx

http://www.alphr.com/science/1006968/internal-clock-is-discovered-in-a-living-human-cell

Internal clock is discovered in a living human cell

Sugestao da Matrix/DNA = Ele é produzido pelo circular de informação no circuito. Tal como acontece com uma onda de luz (a qual é a primeira ocorrência deste fenômeno no universo e desde o qual o fenômeno é repetido em todos os sistemas naturais), a vibração ou intensidade dos flashes cintilantes começa forte, na maior intensidade do circuito, e continua forte em crescente ate a F4, quando começa a decair porque começa a entropia.)

Matrix/DNA suggestion – It is produced by the flux of information in the circuit. As it happens with a light wave (which is the first occurrence of this phenomena in the Universe and from which the phenomena is repeated at natural systems), the vibration or intensity of the scintillating flashes starts strong at the highest intensity of the circuit and continues strong in increasing to the F4, when it begins to decay because entropy begins.)

The discovery may give insights into how and when diseases start – 11 Sep 2017

Cells dramatically change their shape and size during a lifetime. But this is the first time the changes have been seen over short time periods.

O ritmo da  cintilacao num  precise point of a cell in its life cycle…. During the lifetime of the cell, the amount the cell changes in shape during these ‘flickers’ also gets smaller. This means measuring the fluctuations can give away the age of the cell.

“However, with this discovery, which shows that the nucleus exhibits rapid fluctuations that decrease during the life cycle of the cell, we can enhance our knowledge of both healthy and diseased human cells.”

the nucleus of the living cells, and saw a part of it, known as the nuclear envelope, flickering over a period of a few seconds. 

(Este mecanismo de oscilacao do nucleo das celululas foi projetado nos organismos? De que forma os corpos de organismos sinalizariam estas pulsacoes?)

“This process can serve as an internal clock of the cell, telling you at what stage in the cell cycle the cell is,”

“We know that structural and functional errors of the nuclear envelope lead to a large number of developmental and inherited disorders, such as cardiomyopathy, muscular dystrophy, and cancer,” she said. “Illuminating the mechanics of nuclear shape fluctuations might contribute to efforts to understand the nuclear envelope in health and disease.”

xxxx

A proposito, eu postei esta resposta num debate:

God of War – Q1. what are the type of mathematical equations that describe the growth of organisms?

Matrix/DNA : – Lol, good! I am just coming back from reading the best scientific news today, it is related to “grow of organisms”, which is related to life’s cycles and here you have a little idea how the knowledge of Matrix/DNA models and formula works in parallel with official science and offers different interpretation for natural phenomena. The news is in the link:
http://www.alphr.com/science/1006968/internal-clock-is-discovered-in-a-living-human-cell
Please, read the article and come back to this post….
I never knew that cells’ nucleus are flickering. But, missing this knowledge was my fault, because my formula predicted it 30 years ago. My fault is due no enough time for analyzing all predictions from the formula, which must be millions. So, look what Matrix/DNA says now:
” This internal clock is produced by the flux of information in the systemic circuit. As it happens with a light wave (which is the first occurrence of this phenomena in the Universe and from which the phenomena is repeated at natural systems like cells), the vibration or intensity of the scintillating flashes starts strong at the highest intensity of the circuit and continues strong in increasing to the F4, when it begins to decay because entropy begins. It is merely the life’s cycle pathway.”
Since you don’t know how to analyzing the formula, I think you will not understand this says from Matrix/DNA, but my long time doing it ( 30 years), I am very practical doing it.
Where and when the researchers would have this interpretation, linking a reductive detail of a phenomena to the whole Cosmos, linking it with the first waves of light emitted at the Big Bang? When they will linking thermodynamics like entropy to this phenomena for having new glimpses how to control it and finding ways for avoiding the diseases they are looking for? That’s why I am here alerting that the current scientific method and scientists world view must be amplified for inserting the systemic method upon the reductive method, and how is the new kind of lab we are in needs just now.
Organisms grow and decay are very well represented by Matrix/DNA formula, which is not showed as mathematical equation but by software’s diagram because the dynamics of life are based on codes, genetics codes, and computational codes are not writing with mathematical equations. Now I will take my beer in commemoration of more one victory of my theory… Cheers…

Diferença entre célula procariota e célula eucariota

sexta-feira, setembro 8th, 2017

xxxx

Fazer desenho para dar ibope.

Celula procariota:

Monografias.com

A Morte: Cientista Revela Informacoes Ineditas

segunda-feira, março 13th, 2017

xxxxx

https://www.nytimes.com/2017/03/13/opinion/what-our-cells-teach-us-about-a-natural-death.html?mwrsm=Facebook&_r=0

Copia do original

What Our Cells Teach Us About a ‘Natural’ Death

Every Thursday morning on the heart transplant service, our medical team would get a front-row seat to witness an epic battle raging under a microscope. Tiny pieces of heart tissue taken from patients with newly transplanted hearts would be broadcast onto a gigantic screen, showing static images of pink heart cells being attacked by varying amounts of blue immune cells. The more blue cells there were, the more voraciously they were chomping away the pink cells, the more evidence that the patient’s inherently xenophobic immune system was rejecting the foreign, transplanted heart.

MINHA TRADUCAO

Todas as manhas de quinta-feira no servivo de transplante de coracao, nossa equipe medica obtinha um assento na primeria fila para assistir uma batalha epica acontecendo sob um microscopio.

xxxxxxxxxxx

Microsoft:

O que nossas células nos ensinam sobre uma morte ‘Natural’

Todas as manhãs de quinta-feira sobre o serviço de transplante de coração, nossa equipe médica iria obter um assento na primeira fila para assistir a uma batalha épica fúria sob um microscópio. Pequenos pedaços de tecido do coração retirado pacientes com corações recém transplantados iria ser transmitidos em uma tela gigante, mostrando imagens estáticas das células do coração rosa sendo atacadas por quantidades variáveis de células do sistema imunológico azuis. As células mais azuis que havia, mais vorazmente eles estavam mastigando embora as células-de-rosa, a mais evidências de que o sistema do paciente inerentemente xenófobos imunológico estava rejeitando a coração transplantada, estrangeira.

xxxxx

Google

Toda quinta-feira de manhã no serviço de transplante de coração, nossa equipe médica teria um lugar na primeira fila para testemunhar uma batalha épica fúria sob um microscópio. pequenos pedaços de tecido cardíaco retiradas de pacientes com corações recém-transplantados seria transmitido em uma tela gigante, mostrando imagens estáticas de células do coração-de-rosa que está sendo atacado por diferentes quantidades de células do sistema imunológico azuis. As células mais azuis havia, mais vorazmente eles estavam mastigando as células rosa, o mais evidências de que o sistema imunológico inerentemente xenófobo do paciente estava rejeitando o coração estrangeiro, transplantado.

xxxx

There was so much beauty to be found in the infinitesimal push and pull between life and death those slides depicted that I would fantasize about having them framed and put up in my house. Yet the more I studied those cells, the more I realized that they might have the answers to one of the most difficult subjects of our time.

Throughout our history, particularly recently, the human race has looked far and wide to answer a complex question — what is a good death? With so many life-sustaining technologies now able to keep us alive almost indefinitely, many believe that a “natural” death is a good one. With technology now invading almost every aspect of our lives, the desire for a natural death experience mirrors trends noted in how we wish to experience birth, travel and food these days.

When we picture a natural death, we conjure a man or woman lying in bed at home surrounded by loved ones. Taking one’s last breath in one’s own bed, a sight ubiquitous in literature, was the modus operandi for death in ancient times. In the book “Western Attitudes Toward Death,” Philippe Ariès wrote that the deathbed scene was “organized by the dying person himself, who presided over it and knew its protocol” and that it was a public ceremony at which “it was essential that parents, friends and neighbors be present.” While such resplendent representations of death continue to be pervasive in both modern literature and pop culture, they are mostly fiction at best.

Continue reading the main story

This vision of a natural death, however, is limited since it represents how we used to die before the development of modern resuscitative technologies and is merely a reflection of the social and scientific context of the time that death took place in. The desire for “natural” in almost every aspect of modern life represents a revolt against technology — when people say they want a natural death, they are alluding to the end’s being as technology-free as possible. Physicians too use this vocabulary, and frequently when they want to intimate to a family that more medical treatment may be futile, they encourage families to “let nature take its course.”

Yet, defining death by how medically involved it is might be shortsighted. The reason there are no life-sustaining devices in our romantic musings of death is that there just weren’t any available. Furthermore, our narratives of medical technology are derived largely from the outcomes they achieve. When death is unexpectedly averted through the use of drugs, devices or procedures, technology is considered miraculous; when death occurs regardless, its application is considered undignified. Therefore, defining a natural death is important because it forms the basis of what most people will thus consider a good death.

Perhaps we need to observe something even more elemental to understand what death is like when it is stripped bare of social context. Perhaps the answer to what can be considered a truly natural death can be found in the very cells that form the building blocks of all living things, humans included.

Though we have known for more than a century how cells are created, it is only recently that we have discovered how they die. Cells die via three main mechanisms. The ugliest and least elegant form of cell death is necrosis, in which because of either a lack of food or some other toxic injury, cells burst open, releasing their contents into the serums. Necrosis, which occurs in a transplanted heart undergoing rejection, causes a very powerful activation of the body’s immune system. Necrosis, then, is the cellular version of a “bad death.”

The second form of cell death is autophagy, in which the cell turns on itself, changing its defective or redundant components into nutrients, which can be used by other cells. This form of cell death occurs when food supply is limited but not entirely cut off, such as in heart failure.

The most sophisticated form of cell death, however, is unlike the other two types. Apoptosis, a Greek word used to describe falling leaves, is a programmed form of cell death. When a cell becomes old or disrepair sets in, it is nudged, usually by signaling molecules, to undergo a form of controlled self-demolition. Unlike in necrosis, the cell doesn’t burst, doesn’t tax the immune system, but quietly dissolves. Apoptosis is the reason our bone marrow doesn’t weigh two tons or our intestines don’t grow indefinitely.

As important as apoptosis is to death, it is essential for life. While as humans, we often consciously or unconsciously hope to achieve immortality, immortality has a very real existence in the cellular world — it’s called cancer. In fact, most cancers occur because of defects in apoptosis, and most novel cancer therapies are designed to allow cell death to occur as it normally would.

In many ways, therefore, life and death at a cellular level are much more socially conscious than how we interface with these phenomena at a human level. For cells, what is good for the organism is best for the cell. Even though cells are designed entirely to survive, an appropriate death is central to the survival of the organism, which itself has to die in a similar fashion for the sake of the society and ecosystem it inhabits.

We humans spend much of our lives denying death. Death, however, is not the enemy. If there is an enemy, it is the fear that death arouses. The fear of death often induces us to make choices that defy the biological constraints of our existence. Such choices often lead us to a fate that more closely resembles necrosis, involving the futile activation of innumerable resources eventually resulting in a cataclysmic outcome, rather than apoptosis. Furthermore, even as we hope to defy our mortality, our cells show the devastation that can occur for the organism if even one cell among billions achieves immortality.

When I asked Robert Horvitz, the Nobel Prize-winning biologist at the Massachusetts Institute of Technology who was part of the group that discovered apoptosis, what lessons we could learn from cell death, his answer demonstrated exactly why we have failed to understand death in the context of our lives: “Only once before has someone approached me to discuss the existential questions that might relate what is known about cell death to human existence.”

The question for us, then, is: What is the human equivalent of apoptosis in the context of our society? One way to approach that question is to look at what the human equivalent of necrosis is. To me, if a human being is in the hospital with intensive, life-sustaining therapies such as artificial respiration, nutrition or dialysis sustaining them with little hope of recovering reasonable brain function, such a state could be considered necrosis. Almost any other alternative, whether one dies in the hospital having rescinded resuscitation or intubation (DNR/DNI), at home with hospice services or with the aid of a physician’s prescription, has much more in common with apoptosis.

We have striven endlessly to answer some of our most crucial questions, yet somehow we haven’t tried to find them in the basic machinery of our biology. Apoptosis represents a pure vision of death as it occurs in nature, and that vision is something we might aspire to in our own deaths: A cell never dies in isolation, but in clear view of its peers; it rarely dies of its own volition; a greater force that is in touch with the larger organism understands when a cell is more likely to harm itself and those around it by carrying on. Apoptosis represents the ultimate paradox — for the organism to survive, the cells must die, and they must die well. “There are many disorders in which there is too little apoptotic death,” Dr. Horvitz said, “and in those cases it is activating apoptosis that could increase longevity.”

And finally, a cell also understands better than we humans do the consequences of outlasting one’s welcome. For though humanity aspires to achieve immortality, our cells teach us that a life without death is the most unnatural fate of all.

xxxxxxxxxxx

Traducao pelo Microsoft

O que nossas células nos ensinam sobre uma morte ‘Natural’

Todas as manhãs de quinta-feira sobre o serviço de transplante de coração, nossa equipe médica iria obter um assento na primeira fila para assistir a uma batalha épica fúria sob um microscópio. Pequenos pedaços de tecido do coração retirado pacientes com corações recém transplantados iria ser transmitidos em uma tela gigante, mostrando imagens estáticas das células do coração rosa sendo atacadas por quantidades variáveis de células do sistema imunológico azuis. As células mais azuis que havia, mais vorazmente eles estavam mastigando embora as células-de-rosa, a mais evidências de que o sistema do paciente inerentemente xenófobos imunológico estava rejeitando a coração transplantada, estrangeira.

Havia tanta beleza para ser encontrado no impulso infinitesimal e puxe entre vida e morte os slides retratados que fantasio sobre tê-los enquadrado e acondicionados em minha casa. Ainda mais eu estudei essas células, mais percebia que tenham as respostas a um dos temas mais difíceis do nosso tempo.

Ao longo da nossa história, particularmente recentemente, a raça humana tem olhado longe para responder a uma pergunta complexa — o que é uma boa morte? Com tantas tecnologias sustentam a vida agora é capazes de nos manter vivos quase indefinidamente, muitos acreditam que uma morte “natural” é uma boa. Com tecnologia agora invadindo quase todos os aspectos de nossas vidas, o desejo de uma experiência de morte natural espelha tendências observadas em como desejamos experimentar nascimento, viagens e comida nos dias de hoje.

Quando nós Imagine uma morte natural, podemos invocar um homem ou uma mulher deitada na cama em casa rodeado de entes queridos. Tomar o último suspiro na própria cama, uma visão onipresente na literatura, foi o modus operandi para morte em tempos antigos. No livro “atitudes ocidentais para morte,” Philippe Ariès escreveu que a cena do leito de morte foi “organizada pela pessoa morrendo, que presidiu e sabia que seu protocolo” e que era uma cerimônia pública na qual “era essencial que os pais, amigos e vizinhos estar presente.” Enquanto tais representações resplandecentes da morte continuam a ser difundida na literatura moderna e cultura pop, eles são principalmente de ficção na melhor das hipóteses.

Esta visão de uma morte natural, no entanto, é limitada, desde que ele representa como costumávamos morrer antes do desenvolvimento de tecnologias modernas de cristaloides e é apenas um reflexo do social e contexto científico da época que morte teve lugar em. O desejo de “natural” em quase todos os aspectos da vida moderna representa uma revolta contra a tecnologia — quando as pessoas dizem que querem uma morte natural, eles estão aludindo a extremidade ser como tecnologia-livre quanto possível. Os médicos também usam este vocabulário, e frequentemente quando querem íntima para uma família que mais tratamento pode ser inútil, eles incentivam as famílias para “deixar a natureza seguir seu curso.”

Ainda, a definição de morte como medicamente envolvido é poder ser míope. A razão lá são nenhum dispositivo de manutenção da vida em nossas reflexões romântico da morte é que simplesmente não havia nada disponível. Além disso, nossas narrativas da tecnologia médica são derivados em grande parte os resultados conseguidos. Quando a morte inesperadamente é evitada com o uso de drogas, dispositivos ou procedimentos, tecnologia é considerada milagrosa; Quando a morte ocorre de qualquer maneira, sua aplicação é considerada indigno. Portanto, definir uma morte natural é importante porque forma a base do que a maioria das pessoas, portanto, irá considerar uma boa morte.

Talvez precisamos observar algo ainda mais elementar para entender o que a morte é quando ele é despojado próprias de contexto social. Talvez a resposta para o que pode ser considerado que uma morte verdadeiramente natural pode ser encontrada em muito células que formam os blocos de construção de todos os seres vivos, os seres humanos incluídos.

Embora já há mais de um século como células são criadas, só muito recentemente é que descobrimos como eles morreram. Células morrem através de três principais mecanismos. A mais feia e menos elegante forma de morte celular é uma necrose, em que por causa de uma falta de comida ou alguma outra lesão tóxica, as células se abrem, liberando o seu conteúdo para os soros. Necrose, que ocorre em um coração transplantado, passando por rejeição, provoca uma ativação muito poderosa do sistema imunológico do corpo. Necrose, então, é a versão de celular de uma “morte ruim.”

A segunda forma de morte celular é autofagia, em que a célula ativa em si, transformando seus componentes defeituosos ou redundantes em nutrientes, que podem ser usados por outras células. Esta forma de morte celular ocorre quando o suprimento de alimentos é limitado, mas não inteiramente cortado, tais como na insuficiência cardíaca.

A forma mais sofisticada de morte celular, no entanto, é ao contrário dos outros dois tipos. Apoptose, uma palavra grega usada para descrever as folhas caindo, é uma forma programada de morte celular. Quando uma célula torna-se velho ou ruína define em, isso é cutucou, geralmente por sinalização moléculas, submeter-se a uma forma de auto de demolição controlada. Ao contrário em necrose, a célula não estourou, não imposto o sistema imunológico, mas dissolve-se em silêncio. Apoptose é a razão pela qual nossa medula óssea não pesa duas toneladas ou nossos intestinos não crescem indefinidamente.

Tão importante como apoptose é a morte, é essencial para a vida. Enquanto como seres humanos, muitas vezes consciente ou inconscientemente esperamos alcançar a imortalidade, imortalidade tem uma existência muito real no mundo celular — é chamado câncer. Na verdade, a maioria dos cânceres ocorrem por causa de defeitos na apoptose, e mais novas terapias de câncer são projetadas para permitir que a morte celular ocorrem como normalmente faria.

Em muitos aspectos, portanto, vida e morte em um nível celular são muito mais socialmente consciente do que como nós interface com estes fenómenos à escala humana. Para as células, o que é bom para o organismo é melhor para a célula. Embora as células são projetadas inteiramente para sobreviver, uma morte apropriada é fundamental para a sobrevivência do organismo, que em si tem que morrer de forma semelhante para o bem da sociedade e o ecossistema habita.

Nós, seres humanos passar grande parte de nossas vidas, negando a morte. Morte, no entanto, não é o inimigo. Se há um inimigo, é o medo que morte desperta. O medo da morte muitas vezes induz-na fazer escolhas que desafiam as limitações biológicas da nossa existência. Tais escolhas, muitas vezes, levam-nos para um destino que se assemelha mais a necrose, envolvendo a ativação fútil de inúmeros recursos eventualmente resultando em um resultado cataclísmico, ao invés de apoptose. Além disso, enquanto esperamos a desafiar nossa mortalidade, nossas células mostram a devastação que pode ocorrer para o organismo se sequer uma célula entre bilhões atinge a imortalidade.

Quando perguntei a Robert Horvitz, o Prêmio Nobel-ganhando biólogo no Instituto de tecnologia de Massachusetts, que fazia parte do grupo que descobriu apoptose, que lições podemos aprender com a morte celular, a resposta dele demonstrou exatamente porque falhamos em entender a morte no contexto de nossas vidas: “Somente uma vez antes alguém se aproximou de mim para discutir questões existenciais que me relaciono o que é conhecido sobre a morte de célula a existência humana.”

A questão para nós, então, é: o que é o equivalente humano da apoptose no contexto da nossa sociedade? Uma maneira de abordar essa questão é olhar para o que é o equivalente humano de necrose. Para mim, se um ser humano está no hospital com terapias intensivas, manutenção da vida como respiração artificial, nutrição ou diálise, sustentando-os com poucas chances de recuperar a função cerebral razoável, tal estado pode ser considerado necrose. Quase qualquer outra alternativa, se um morre no hospital tendo rescindido ressuscitação ou intubação (DNR/DNI), em casa com serviços de cuidados paliativos ou com o auxílio de prescrição de um médico, tem muito mais em comum com a apoptose.

Lutamos incessantemente responder a algumas das nossas perguntas mais cruciais, no entanto, de alguma forma nós não tentamos encontrá-los da maquinaria básica da nossa biologia. Apoptose representa uma visão pura da morte, como ocorre na natureza, e essa visão é algo que pode aspirar em nossa própria morte: uma célula morre nunca isoladamente, mas em uma visão clara dos seus pares; raramente morre por sua própria vontade; uma força maior que está em contacto com o organismo maior entende que quando uma célula é mais susceptível de prejudicar a si e aqueles ao seu redor por continuar. Apoptose representa o paradoxo final — para o organismo sobreviver, as células devem morrer, e eles devem morrer bem. “Há muitas doenças em que há pouca morte apoptotic”, disse Dr. Horvitz, “e nesses casos ele está ativando a apoptose que pode aumentar a longevidade”.

E, finalmente, uma célula também entende melhor do que nós, seres humanos as consequências de um superando é bem-vindo. Pois embora a humanidade aspira a alcançar a imortalidade, nossas células ensinam-nos que uma vida sem morte é o destino mais natural de todos.

Haider Javed Mara é fellow em medicina cardiovascular na Duke University Medical Center e autor de “morte moderna: como a medicina mudou o final da vida.”

xxxxxx

Traducao do Google

xxx

Havia tanta beleza a ser encontrada no impulso infinitesimal e puxe entre a vida ea morte dessas lâminas ilustradas que eu iria fantasiar sobre tê-los moldado e colocar-se em minha casa. No entanto, o mais eu estudava essas células, mais eu percebia que eles possam ter as respostas a um dos temas mais difíceis do nosso tempo.

Ao longo da nossa história, em especial recentemente, a raça humana tem olhou longe para responder a uma questão complexa – o que é uma boa morte? Com tantas tecnologias que sustentam a vida agora capaz de nos manter vivos quase indefinidamente, muitos acreditam que uma morte “natural” é uma boa. Com a tecnologia agora invadindo quase todos os aspectos de nossas vidas, o desejo de uma morte natural experiência espelhos tendências observadas na forma como desejam experimentar o nascimento, viagens e alimentos nos dias de hoje.

Quando nós imaginar uma morte natural, que evocam um homem ou uma mulher deitada na cama em casa, cercado pelos seus entes queridos. Tomando sua última respiração em sua própria cama, uma visão onipresente na literatura, foi o modus operandi para a morte nos tempos antigos. No livro “Atitudes ocidentais em direção à morte “, escreveu Philippe Ariès que a cena leito de morte foi “organizada pela própria pessoa morrendo, que presidiu e sabia seu protocolo” e que era uma cerimônia pública em que “era essencial que os pais , amigos e vizinhos estar presente. “Embora tais representações resplandecentes de morte continuam a ser difundido tanto na cultura literatura e pop moderna, eles são na sua maioria ficção na melhor das hipóteses.

Temos lutado incessantemente para responder a algumas das perguntas mais cruciais, mas de alguma forma nós não tentou encontrá-los na máquina de base de nossa biologia. Apoptose representa uma visão pura da morte como ocorre na natureza, e que a visão é algo que pode aspirar na nossa própria morte: Uma célula não morre nunca isoladamente, mas na visão clara de seus pares; raramente morre por sua própria vontade; uma força maior que está em contato com o organismo maior entende quando uma célula é mais susceptíveis de prejudicar a si mesmo e aqueles em torno dele, levando por diante. Apoptose representa um paradoxo – para o organismo para sobreviver, as células devem morrer, e eles devem morrer bem. “Existem muitas doenças em que há muito pouco a morte por apoptose”, disse Horvitz, “e nesses casos é ativar a apoptose que poderia aumentar a longevidade.”

E, finalmente, uma célula também compreende melhor do que nós, seres humanos fazem as consequências de superando sua bem-vindo. Para que a humanidade aspira a alcançar a imortalidade, as nossas células nos ensinam que uma vida sem a morte é o destino mais antinatural de todos.

Origens da Vida: Teoria Academica Atualizada e Bem Detalhada

quinta-feira, fevereiro 9th, 2017

xxxxx

fonte: http://simbiotica.org/origemvida.htm

xxxx

Matrix/DNA – Acompanhamos com atenção esta síntese de varias teorias e torcendo para que mais dados sejam obtidos. A principal diferença entre esta Teoria Oficial Academica (TOA), e a Teoria da Matrix/DNA (TMD), sobre as origens da Vida acontece no tocante `a interpretação do significado da origem da vida. No caso da TOA, cada passo evolutivo ocorreu ao acaso pela sorte de encontrar-se em exatos momentos certas forças naturais, certos elementos materiais, e tanto estas forças como estes elementos estariam no exato estado físico, produzindo uma novidade pela primeira vez na historia do planeta e talvez do universo, e esta novidade teria sido arrolada no processo geral evolucionário por algo denominado seleção natural. Portanto o agente catalizador, diretor, deste evento teria sido simples o acaso. Creio que isto seja possível, não tenho como refutar esta hipótese, porem, vejo outra alternativa como mais logica ( infelizmente apenas eu conheço e aposto nesta alternativa). Na Teoria da Matrix/DNA existe um modelo anatômico do que teria sido o elo entre a evolução cosmológica desde a origem do Universo ate momentos antes da origem da vida e a evolução biológica, que começou com os primeiros compostos orgânicos. Este elo pode ser transcrito como uma formula que esta justamente no estagio evolucionário entre as mesma formulas dos sistemas astronômicos e dos sistemas celulares. Portanto, para mim, o agente catalizador, diretor deste processo que culminou com o advento do primeiro sistema celular, dito “vivo”, não foi a seleção natural entendida como o meio-ambiente e sim esta seleção natural foi executada por uma formula que esta detectada em ondas de luz natural como emitidas no Big bang e que e’ a formula estrutural de todos os sistemas naturais conhecidos. Mas também nem eu nem qualquer conhecimento humano de qualquer fenômeno natural pode refutar esta teoria, nem comprova-la por enquanto.

Na TOA, o principio que deflagrou todas as transformações entre especies foram mutações genéticas ao acaso, e por erro de transcrição. Na TMD a maioria das mutações foram provocadas pela evolução e assentamento da formula, e uma menor quantidade delas foram mutações ao acaso que foram selecionadas e mantidas por que antecipavam as informações que viriam da formula.

A TOA apresenta brechas inegáveis e claras. Por exemplo, podemos ver nos quadros da TOA e segundo seus métodos, que a forma de pre’-vida, ou pre-célula, chamada procarionte, permaneceu por 2 bilhões de anos inalterada como a forma ápice dessa evolução. E’ tempo demasiado, pensar que uma forma de pre-vida dominou a evolução por 2 bilhões de anos, inalterada, principalmente considerando que durante este período a Geologia enforma que o ambiente terrestre teve dezenas de mudanças drásticas. Mas tido dependera’ de mais dados, que vença aquela interpretação ou visão do mundo que nos leve `a verdade.

xxxx

Abiogênese

A Vida na Terra terá surgido há cerca de 3400 M.a., como o parecem demonstrar os fósseis de procariontes encontrados na África do Sul. As células eucarióticas terăo surgido há cerca de 2000 a 1400 M.a., seguidas dos organismos multicelulares há cerca de 700 M.a. Neste espaço de tempo os fósseis săo abundantes, indicando um processo evolutivo rápido.

Todas as evidęncias parecem apontar para que os seres eucariontes terăo tido origem em seres procariontes. A principal teoria actual considera  que alguns dos  organitos característicos das células eucarióticas tiveram origem em procariontes que se adaptaram ŕ vida intracelular por endossimbiose.

Até ao século XIX considerava-se que todos os seres vivos existentes se apresentavam como sempre tinham sido. Toda a Vida era obra de uma entidade toda poderosa, facto que apenas revelava năo existirem conhecimentos suficientes para se criar uma explicaçăo racional.

Esta explicaçăo, o Criacionismo, no entanto, já no tempo da Grécia antiga năo era satisfatória. De modo a contornar a necessidade de intervençăo divina na criaçăo das espécies, surgem várias teorias alternativas, baseadas na observaçăo de fenómenos naturais, tanto quanto os conhecimentos da época o permitiam.

Aristóteles elaborou uma dessas teorias, cuja aceitaçăo se manteve durante séculos, com a ajuda da Igreja Católica, que a adoptou. Esta teoria considerava que a Vida era o resultado da acçăo de um princípio activo sobre a matéria inanimada, a qual se tornava, entăo, animada. Deste modo, năo haveria intervençăo sobrenatural no surgimento dos organismos vivos, apenas um fenómeno natural, a geraçăo espontânea.

Estas ideias perduraram até ŕ era moderna, pois Van Helmont (1577 – 1644) ainda considerava que os “cheiros dos pântanos geravam răs e que a roupa suja gerava ratos, adultos e completamente formados”. Também era considerado acertado pelos naturalistas que os intestinos produzissem espontaneamente vermes e que a carne putrefacta gerasse moscas.

Todas estas teorias consideravam possível o surgimento de Vida a partir de matéria inanimada, fosse qual fosse o agente catalisador dessa transformaçăo, daí o estarem englobadas na designaçăo geral de Abiogénese.

Biogênese

No século XVII Francisco Redi, naturalista e poeta, pôs em causa as ideias de Aristóteles, negando a existęncia do princípio activo e defendendo que todos os organismos vivos surgiam a partir de inseminaçăo por ovos e nunca por geraçăo espontânea.

Para demonstrar a veracidade da sua teoria, Redi realizou uma experięncia que se tornou célebre pelo facto de ser a primeira, registada, a utilizar um controlo. Colocou carne em 8 frascos. Selou 4 deles e deixou os restantes 4 abertos, em contacto com o ar.

Em poucos dias verificou que os frascos abertos estavam cheios de moscas e de outros vermes, enquanto que os frascos selados se encontravam livres de contaminaçăo.

Esta experięncia parecia negar, inequivocamente a abiogénese de organismos macroscópicos, tendo sido aceite pelos naturalistas da época.

No entanto, a descoberta do microscópio veio levantar a questăo novamente. A teoria da abiogénese foi parcialmente reabilitada pois parecia a única capaz de explicar o desenvolvimento de microrganismos visíveis apenas ao microscópio.

Esta situaçăo manteve-se até ao final do século XVIII, quando o assunto foi novamente debatido por dois famosos cientistas da época, Needham e Spallanzani.

Needham utilizou várias infusőes, que colocou em frascos. Esses frascos foram aquecidos e deixados ao ar durante alguns dias. Observou que as infusőes rapidamente eram invadidas por uma multitude de microrganismos. Interpretou estes resultados pela geraçăo espontânea de microrganismos, por acçăo do princípio activo de Aristóteles.

Spallanzani usou nas suas experięncias 16 frascos. Ferveu durante uma hora diversas infusőes e colocou-as em frascos. Dos 16 frascos, 4 foram selados, 4 fortemente rolhados, 4 tapados com algodăo e 4 deixados abertos ao ar. Verificou que a proliferaçăo de microrganismos era proporcional ao contacto com o ar. Interpretou estes resultados com o facto de o ar conter ovos desses organismos, logo toda a Vida proviria de outra, preexistente.

No entanto, Needham năo aceitou estes resultados, alegando que a excessiva fervura teria destruído o principio activo presente nas infusőes.

A polémica manteve-se até 1862, quando o francęs Louis Pasteur, pôs definitivamente termo ŕ ideia de geraçăo espontânea com uma série de experięncias conservadas para a posteridade pelos museus franceses.

Pasteur colocou diversas infusőes em balőes de vidro, em contacto com o ar. Alongou os pescoços dos balőes á chama, de modo a que fizessem várias curvas. Ferveu os líquidos até que o vapor saísse livremente das extremidades estreitas dos balőes. Verificou que, após o arrefecimento dos líquidos, estes permaneciam inalterados , tanto em odor como em sabor. No entanto, năo se apresentavam contaminados por microrganismos.

Para eliminar o argumento de Needham, quebrou alguns pescoços de balőes, verificando que imediatamente os líquidos ficavam infestados de organismos. Concluiu, assim, que todos os microrganismos se formavam a partir de um qualquer tipo de partícula sólida, transportada pelo ar. Nos balőes intactos, a entrada lenta do ar pelos pescoços estreitos e encurvados provocava a deposiçăo dessas partículas, impedindo a contaminaçăo das infusőes.

Ficou definitivamente provado que, nas condiçőes actuais, a Vida surge sempre de outra Vida, preexistente.

Mas, como surgiu a Vida pela primeira vez ?

Panspermia ou Teoria Cosmozóica

No final do século XIX vários cientistas alemăes, nomeadamente Liebig, Richter e Helmholtz, tentaram explicar o aparecimento da Vida na Terra com a hipótese de que esta tivesse sido trazida doutro ponto do Universo sob a forma de esporos resistentes, nos meteoritos – teoria Cosmozóica.

A presença de matéria orgânica em meteoritos encontrados na Terra tem sido usada como argumento a favor desta teoria, o que năo invalida a possibilidade de contaminaçăo terrestre, após a queda do meteorito.

Actualmente já foi comprovada a existęncia de moléculas orgânicas no espaço, como o formaldeído, álcool etílico e alguns aminoácidos. No entanto, estas moléculas parecem formar-se espontaneamente, sem intervençăo biológica.

O físico sueco Arrhenius propôs uma teoria semelhante, segundo a qual a Vida se teria originado em esporos impelidos por energia luminosa, vindos numa “onda” do espaço exterior. Chamou a esta teoria Panspermia (sementes por todo o lado).

Actualmente estas ideias caíram em descrédito pois é difícil aceitar que qualquer esporo resista á radiaçăo do espaço, ao aquecimento da entrada na atmosfera, etc.

Apesar disso, na década de 80 deste século, Crick (um dos descobridores da estrutura do DNA) e Orgel sugeriram uma teoria de Panspermia dirigida, em que o agente inicial da Vida na Terra passaria a ser colónias de microrganismos, transportadas numa nave espacial năo tripulada, lançada por uma qualquer civilizaçăo muito avançada. A Vida na Terra teria surgido a partir da multiplicaçăo desses organismos no oceano primitivo.

Apesar de toda a boa vontade envolvida, nenhuma destas teorias avança verdadeiramente no esclarecimento do problema pois apenas desloca a questăo para outro local, năo respondendo ŕ questăo fundamental:

Como surgiu a Vida ?

Teoria de Oparin

No entanto, um ponto de viragem fundamental ocorreu com o as teorias de Pasteur e de Darwin, permitindo abordar o problema sob uma perspectiva diferente.

Dados obtidos a partir de diversos campos da cięncia permitiram ao russo Alexander Oparin formular uma teoria revolucionária, que tentava explicar a origem da Vida na Terra, sem recorrer a fenómenos sobrenaturais ou extraterrestres:

  • o Sol e os planetas do Sistema Solar formaram-se simultaneamente, a partir da mesma nuvem de gás e poeiras cósmicas, há cerca de 4700 M.a.;
  • a análise espectral de estrelas permitiu a conclusăo de que as leis químicas săo universais. As estrelas tęm vários estádios de desenvolvimento, encontrando-se o Sol numa fase intermédia da sua “vida”. Estes factos permitem deduzir que os constituintes dos outros planetas e do Sol, dada a sua origem comum, devem ser os mesmos que a Terra primitiva conteve. A atmosfera primitiva da Terra deve ter contido H2 , CH4 e NH3, como Júpiter ou Saturno, cuja gravidade impediu a dissipaçăo desses gases para o espaço;
  • a Terra apresenta diversas superfícies de descontinuidade, separando zonas bem definidas provavelmente devidas a, na formaçăo do planeta, os elementos mais pesados (Fe, Ni) se terem acumulado no centro, os intermédios (Al, Si) na crusta e os mais leves (H, N, C) na camada gasosa externa;
  • os vulcőes lançam gases para a atmosfera;
  • as rochas sedimentares com mais de 2300 M.a. em África e na América do Norte săo menos oxidadas que as mais recentes, revelando uma atmosfera pobre em oxigénio molecular. Este facto observa-se pela presença de grande quantidade pechblenda, um mineral de urânio facilmente oxidável. Por outro lado, o óxido de ferro apenas surge em depósitos com menos de 2000 M.a., altura em que se considera que a quantidade de oxigénio na atmosfera rondaria 1% da actual;
  • o mundo biológico reflecte uma unidade de origem e constituiçăo;
  • os elementos fundamentais dos seres vivos săo C, H, O, N, P e S, vulgarmente abreviado para CHNOPS;
  • os compostos orgânicos básicos săo os aminoácidos, bases púricas e pirimídicas, oses e ácidos gordos;
  • as provas da evoluçăo săo irrefutáveis, demonstrando que as condiçőes e os organismos nem sempre foram o que săo actualmente;
  • muitos compostos orgânicos já foram sintetizados em laboratório, como a insulina e a ureia;
  • pode-se criar em laboratório agregados de moléculas sob a forma de coacervados;
    • existem fósseis de organismos com 3000 M.A., os estromatólitos, estruturas resultantes da deposiçăo de CaCO3 , retido e segregado por comunidades de cianobactérias, presentes em água doce e salgada;
    • os raios U.V. podem promover reacçőes entre compostos e degradar moléculas orgânicas;
    • a Vida na Terra, como a conhecemos, só é possível devido ŕ filtragem dos U.V. pela camada de ozono (O3) da atmosfera superior.

Quando a comunidade científica aceitou, finalmente, a ideia da lenta evoluçăo das espécies, estava o terreno propício para o surgimento da primeira explicaçăo racional para a origem da Vida e esta surgiu em 1924.

Oparin considerou que as condiçőes para a origem da Vida surgiram como uma etapa natural, incluída no constante movimento da matéria.

Tendo por base dados fornecidos por várias cięncias, como anteriormente referido, Oparin desenvolveu a sua teoria baseada no princípio: as condiçőes existentes na Terra primitiva eram diferentes das de hoje.

Particularmente, a atmosfera seria redutora, ou seja, sem oxigénio mas rica em hidrogénio. Este facto teria como consequęncia directa a falta de ozono nas camadas superiores da atmosfera e o bombardeamento constante da superfície da Terra com raios U.V. Nessa atmosfera, o H2, seu principal constituinte, tenderia a reduzir as outras moléculas. Seria, também, uma atmosfera sem azoto e sem dióxido de carbono.

A sua constituiçăo segundo Oparin, resultante da reacçăo dos gases provenientes da actividade vulcânica, seria: hidrogénio (H2), metano (CH4), amoníaco (NH3) e vapor de água. Estudos posteriores indicam que a atmosfera primitiva conteria ainda dióxido de carbono (CO2), azoto (N2), monóxido de carbono (CO) e sulfureto de hidrogénio (H2S).

A temperatura ŕ superfície seria superior ao ponto de fusăo do gelo mas inferior ao seu ponto de ebuliçăo (0 – 100şC). Parte da água terá sido decomposta, a quente, em hidrogénio, que se escapou para o espaço, e oxigénio, que se incorporou nas rochas. O restante vapor de água ter-se-á condensado, originando os oceanos, enquanto as chuvas intensas, correndo sobre os continentes, lhes extraíam o cálcio. Este ter-se-á acumulado em espessas camadas de sedimentos, que foram reincorporadas pelo manto. Este facto libertou a atmosfera de dióxido de carbono, evitando o desenvolvimento do efeito de estufa que existe em Vénus.

Esta mistura de gases, sujeita ŕ acçăo de U.V., do calor da crusta em fase de arrefecimento, da radioactividade natural dos compostos recém-formados e da actividade vulcânica, teria dado origem a compostos  orgânicos simples em soluçăo – sopa primitiva.

Esta explicaçăo permitia ultrapassar a dificuldade da formaçăo das primeiras biomoléculas (aminoácidos, oses, bases azotadas e ácidos gordos) pois estas teriam tido uma origem em moléculas inorgânicas.

A existęncia de certas rochas contendo minerais assimétricos, como as argilas, teriam facilitado a estruturaçăo desses monómeros em polímeros, funcionando como catalisadores inorgânicos.

Segundo Oparin, os conjuntos moleculares ter-se-iam agregado numa estrutura rodeada por uma espécie de “membrana” de cadeias simples hidrocarbonadas, que a isolava do meio – coacervado.

Os coacervados derivam de um processo natural nas soluçőes de polímeros fortemente hidratados. Há uma separaçăo espontânea de uma soluçăo aquosa, inicialmente homogénea, em duas fases, uma rica em polímeros e outra quase exclusivamente água. Esta situaçăo deve-se ŕ atracçăo entre moléculas polares e repulsăo entre moléculas polares e apolares.

O coacervado é uma gotícula coloidal (formada por partículas muito pequenas mas maiores que as moléculas com polaridade) rica em polímeros em suspensăo num meio aquoso. A membrana do coacervado é formada por moléculas de água dispostas em redor dos polímeros. O coacervado pode interagir com o meio, incorporando moléculas na sua estrutura, crescer e dividir-se. Ŕ medida que novas moléculas se iam agregando, se a nova combinaçăo molecular năo fosse estável, o coacervado destruía-se. Se fosse estável o coacervado aumentava de tamanho, até que se dividia em dois.

No interior do coacervado, algumas moléculas catalisavam novas combinaçőes, enquanto outras, autoreplicáveis, começavam a controlar as reacçőes metabólicas. Deste modo, este conjunto de moléculas funcionaria como uma pré-célula, constituindo uma primeira manifestaçăo de Vida.

Estudos recentes apontam para a importância dos ácidos nucleicos no processo inicial do desenvolvimento da Vida.

O RNA terá sido a primeira molécula a surgir, já que este ácido nucleico forma curtas cadeias espontaneamente em ambientes semelhantes aos propostos nesta teoria. Além disso, o RNA liga-se temporariamente a locais específicos de outras moléculas, catalisando reacçőes na célula viva na ausęncia de enzimas, funcionando simultaneamente como DNA e proteína durante a evoluçăo celular.

Obter-se-iam assim, os pilares moleculares da Vida, os ácidos nucleicos e as proteínas: sem ácidos nucleicos năo há proteínas, ou seja, năo há estrutura e controlo das reacçőes (enzimas) e sem proteínas (estruturais como as histonas e enzimáticas) năo há replicaçăo de DNA. Esta pré-célula, provavelmente semelhante a uma bactéria, seria heterotrófica, alimentando-se do “caldo orgânico” abiótico do meio.

Nos milhőes de anos seguintes, a selecçăo natural terá conduzido esta evoluçăo química, favorecendo conjuntos moleculares bem adaptados e eliminando outros, devido ŕ rarefacçăo dos nutrientes nos oceanos.

Assim, para sobreviverem, estas células poderăo ter evoluído para uma situaçăo de autotrofia, necessitando de grande quantidade de electrőes, como por exemplo o hidrogénio, dióxido de carbono ou moléculas sulfurosas. Năo parece coincidęncia que a grande maioria de bactérias autotróficas actuais pertencerem ao grupo das bactérias sulfurosas.

Com o surgimento das cianobactérias fotossintéticas a acumulaçăo de oxigénio molecular criou a necessidade do surgimento de estruturas protectoras contra esse gás altamente agressivo.

O oxigénio molecular é um verdadeiro veneno para os organismos que năo disponham de mecanismos enzimáticos protectores (catalase ou peroxidase, por exemplo) capazes de reduzir os subprodutos altamente nocivos do metabolismo oxidativo (peróxido e superóxido de hidrogénio).

Os dados geofísicos indicam que o oxigénio molecular surgiu gradualmente na atmosfera há cerca de 2000 M.a.

O oxigénio teve um papel fundamental no desenvolvimento e complexificaçăo das estruturas biológicas, como se pode constatar pelos exemplos seguintes:

  • capacidade de divisăo celular depende da formaçăo do complexo actina-miosina, impossível sem oxigénio;
  • síntese de esteróis, ácidos gordos e colagénio é impossível sem oxigénio;
  • metabolismo aeróbio fornece mais de 15 vezes mais energia que o anaeróbio;
  • camada de ozono permitiu a vida em terra.

Experięncias de outros investigadores

Esta teoria explicativa do aparecimento do primeiro ser vivo necessitava, no entanto, de provas factuais que a apoiasse.

Para isso, diversos cientistas simularam em laboratório as condiçőes que o seu autor considerava terem existido na Terra primitiva, entre eles Stanley Miller, cuja experięncia se tornou célebre.

Esta experięncia foi concebida para testar a possibilidade da formaçăo de monómeros abioticamente, nas condiçőes da teoria de Oparin.

Em 1953, Miller introduziu num balăo uma mistura de metano, amoníaco, hidrogénio e água.

Essa mistura era constantemente bombardeada por descargas eléctricas de 60000 V e mantida a circular no aparelho pelo vapor de água criado pela ebuliçăo da água.

Este procedimento foi mantido durante uma semana, após a qual se recolhem amostras que săo analisadas por cromatografia.

As análises mostraram que o líquido amarelado que se tinha formado continha vários tipos de aminoácidos (alanina, ácido aspártico e glutamato) e ácidos orgânicos simples (fórmico, acético, propiónico, láctico e succínico) usuais nos seres vivos.

Juan Oro, outro investigador, demonstrou que era possível obter abioticamente as bases púricas e pirimídicas que compőem os ácidos nucleicos, aquecendo ácido cianídrico e amoníaco, por sua vez obtidos abioticamente de hidrogénio, monóxido de carbono e azoto molecular.

Saliente-se que uma das bases, a adenina, năo só faz parte dos ácidos nucleicos mas também é fundamental para a formaçăo de coenzimas como o NAD+ e o NADP+ e do ATP.

Sidney Fox testou a etapa seguinte, a formaçăo abiótica de polímeros a partir dos monómeros.

Dado que a concentraçăo de monómeros nos oceanos primitivos deveria ser baixa e que as reacçőes de polimerizaçăo săo reacçőes de desidrataçăo, estas năo seriam fáceis de obter em condiçőes naturais.

Assim, foi proposto que as polimerizaçőes teriam ocorrido apenas em condiçőes especiais, que aumentavam artificialmente a concentraçăo de monómeros e catalisavam as reacçőes.

É sabido que as argilas săo rochas formadas por camadas aluminossilicatos hidratados com grande quantidade de cargas positivas e negativas. Por este motivo estas rochas captam moléculas carregadas com grande facilidade pelo processo de adsorçăo. Este poderia ser um meio de facilitar a polimerizaçăo, tal como a congelaçăo, evaporaçăo, calor, etc.

Fox testou esta possibilidade aquecendo a 200şC misturas de aminoácidos obtidos abioticamente sobre pedaços de rocha. Obteve cadeias polipeptídicas, que designou proteinóides, e que podiam ser usadas como alimento por bactérias e podiam apresentar capacidade catalítica (uma pré-enzima).

Com estes proteinóides, Fox obteve ainda o passo seguinte da teoria de Oparin, a formaçăo de coacervados, estruturas que Fox designou microsferas, por aquecimento ŕ ebuliçăo seguido de arrefecimento.

As microsferas aparentavam ter propriedades osmóticas através da sua membrana de moléculas de água, comportando-se como uma pré-célula.

Condiçőes da Terra primitiva (ver quadro no link acima)

Críticas `a  Teoria de Oparin

  • o hidrogénio é muito leve e escapa-se ŕ gravidade da Terra com muita facilidade (quanto mais elevada a temperatura da atmosfera superior, mais facilmente se escapa) logo talvez năo tenha predominado na atmosfera primitiva;
  • o oxigénio poderia existir em maior quantidade pois as enormes quantidades de vapor de água produzidas podiam ser decompostas em hidrogénio e oxigénio pelos U.V., tendo-se o hidrogénio escapado e o oxigénio acumulado na atmosfera. Se este processo fosse em grande escala, a atmosfera ter-se-ia tornado rica em oxigénio;
  •  a atmosfera interage permanentemente com as rochas logo a análise destas poderia dar uma ideia aproximada da constituiçăo daquela. Algumas rochas sedimentares foram formadas em condiçőes redutoras, factor tido como argumento a favor da teoria de Oparin. No entanto, actualmente ainda é possível a formaçăo dessas rochas, apesar da atmosfera rica em oxigénio, nomeadamente em pântanos. Essas rochas formam-se em condiçőes de decomposiçăo anaeróbia de matéria orgânica no lodo.

Por este motivo considera-se que, se tomadas no seu conjunto, as rochas de um dado período evidenciam que a atmosfera primitiva seria muito semelhante ŕ de hoje. A dificuldade deste argumento é o facto de apenas existirem rochas com 3200 M.a., logo a atmosfera dessa época năo ser redutora năo invalida os pressupostos de Oparin pois considera-se que os primeiros organismos fotossintéticos teriam surgido há cerca de 3600 M.a. Outro aspecto a considerar é que, mesmo com atmosfera oxidante, tal como na actualidade, era possível a presença de locais com condiçőes redutoras (sob rochas ou no fundo de lagos ou oceanos) com elevadas concentraçőes moleculares, permitindo a evoluçăo química proposta por Oparin;

  •  como terăo surgido as moléculas reguladoras e autoreplicáveis ?

Năo foi possível esclarecer devidamente se foi a proteína ou o ácido nucleico a primeira molécula a surgir na evoluçăo química, ou se ambos surgiram simultaneamente. As proteínas e os ácidos nucleicos săo as moléculas básicas de todos os organismos vivos. As proteínas tęm uma funçăo estrutural e enzimática e os ácidos nucleicos contęm a informaçăo hereditária e os “programas” que controlam, pelas enzimas, todas as reacçőes dos seres vivos. Sem ácidos nucleicos năo existe um plano de formaçăo das proteínas, e sem enzimas năo se realiza a cópia dos ácidos nucleicos.

Actualmente considera-se que o RNA terá sido a primeira molécula a surgir, seguido de uma forma simplificada de síntese proteica. Os fosfatos e a ribose seriam moléculas comuns e a adenina pode ter sido formada espontaneamente, tal como demonstrado por diversas experięncias. Obter-se-ia, assim, uma molécula capaz de replicaçăo devido ŕ facilidade de emparelhamento de bases. No entanto, apesar de o RNA ser uma molécula mais reactiva que o DNA, tal năo seria suficiente para catalisar reacçőes mais complexas, daí a necessidade do surgimento de uma outra molécula para realizar essas funçőes, as proteínas enzimáticas. As enzimas primitivas devem ter sido pequenos péptidos năo específicos. Fox demonstrou nas suas experięncias que alguns proteinóides tinham actividade catalítica mas verdadeiras enzimas apenas podem surgir após haver maneira de se conseguir reproduzir a sua sequęncia polipeptídica. Sabe-se que em condiçőes pré-bióticas alguns polinucleótidos podem servir de matriz para a síntese de năo enzimática de polinucleótidos complementares.

Apesar destes factos, facilmente se deduz que a grande maioria destas sequęncias năo teria qualquer significado.

Estará a árvore da Vida de cabeça para baixo?

Ora aqui está uma pergunta com intrigantes respostas, segundo as mais recentes investigaçőes (1998).

Temos sempre referido que a chamada árvore da Vida tem na sua base os seres procariontes (bactérias e arqueobactérias), organismos simples com uma única cópia de cromossomas circulares, tendo os restantes grupos (eucariontes) surgido quando conjuntos dessas bactérias se agruparam para formar células complexas, ditas eucarióticas.

Actualmente considera-se que o inverso tenha sido muito mais provável!! Os primeiros organismos năo teriam sido do tipo bactéria, năo vivendo em fontes termais ou aberturas vulcânicas no fundo do mar. Deverăo, pelo contrário, ter sido muito mais semelhantes a protozoários, com genomas fragmentados (em vários pequenos cromossomas lineares) e poliplóides (com várias cópias do mesmo gene para impedir que “erros” na transcriçăo impedissem a sua sobrevivęncia). Teriam, também, preferido os locais mais frios.

Tal como Patrick Forterre, entre outros cientistas, tem referido, as bactérias terăo aparecido mais tarde, năo sendo primitivas mas altamente especializadas. Esta alteraçăo tăo radical no tipo celular teria sido o resultado da adaptaçăo a locais quentes, onde as temperaturas até 170şC tendem a causar mutaçőes nos processos hereditários.

Assim “simplificadas”, as bactérias tornaram-se altamente competitivas em nichos onde a rapidez de reproduçăo é uma vantagem (parasitismo e necrofagia, por exemplo).

Os restantes organismos, pelos habitats ocupados, nunca sofreram uma tamanha pressăo selectiva para se tornarem simples e rápidos, pelo que retiveram o maior número de genes possível, em vez da simplicidade de utilizaçăo.

Teorias da Origem da Vida: Coletanea das Existentes

terça-feira, janeiro 3rd, 2017

xxxx

( Artigo ainda em construção. Falta organizar os assuntos, correção ortográfica, etc.)

Inspirado no artigo:

As teorias para o surgimento das primeiras células – e da vida na Terra

http://www.bbc.com/portuguese/vert-earth-38205665?ocid=socialflow_facebook

xxxx

Todas estas teorias erraram e todas erraram pelo mesmo motivo. Trata-se de uma falha de processamento no cérebro humano, não vejo outra explicação. O motivo e’ a arbitrária separação dos sistemas naturais ditos vivos dos sistemas naturais ditos “nao-vivos”. O primeiro ser vivo realmente digno deste nome, completo, funcional, era um sistema, o sistema celular. Mas antes dele ja’ existiam outros sistemas, completos, funcionais. Se os humanos quiseram inventar a palavra “vida” e com ela denominar o sistema completo, funcional, denominado celular, teriam obrigatoriamente que aceitar que os outros sistemas naturais, completos, funcionais, que ja’ existiam, tambem sejam “vivos”. Ao contrario, decidiram definir o celular de “animado”, e os outros de “inanimados”. Mas como inanimados se apresentam uma parafernalia de movimentos internos e da mesma forma realizam trocas com o exterior, etc? A arbitraria e absurda separacao continuou. Assim separaram a História Natural Universal em dois blocos – o da Evolucao Cosmologica, desde o Big Bang ate’ os 10 bilhões de anos do Universo, e o da Evolução Biológica, desde aquela data ate os dias atuais. Dividiram a História Universal da Evolução do Sistema Natural que surgiu logo apos o ato fecundador do Big Bang e hoje se encontra aqui nestes tempos e região universal na forma nascente de Sistema Natural Autoconsciente, em dois blocos, sem nenhum elo evolutivo entre eles, sem a forma-elo, criando um abismo negro e sem fundo entre os dois grandes blocos. Como resultado so’ poderiam concluir que a forma de sistema biologico nao teria seguido a lei natural da transformação, portanto, teria surgido de algum lugar e fonte fora da longa cadeia natural de causas e efeitos que vem desde o Big Bang.

Nesse momento desviaram-se do pensamento racional puro, construido por esta Natureza, e sairam a vagar no mundo das fantasias imaginarias, onde surge a mistica, o pensamento magico. Mas a causa e’ compreensível, o deslize pode ser perdoado, nao foi culpa dos humanos. Como disse acima, existe uma nova forma emergindo daquele sistema natural universal, mais exatamente emergindo desde esta forma atual de sistema humano, o cerebro. Esta forma apareceu ainda nos ultimos segundos do tempo astronomico, e se ja passou do estagio fetal nao sabemos, mas com certeza ainda nao alcancou o estagio de baby nascido, pois nem seus olhos propios abriu ainda, nem sabe qual a substancia e a forma de seu proprio corpo. E todos sabemos que quando os humanos passam da fase de babies para a fase de criancas, sua consciencia ainda nada tem de racional, para ela todos os objetos a sua volta sao brinquedos, ela vive num mundo encantado, ate tem amigos fantasmas com quem conversa. Ora, a humanidade tambem surgiu muito recentemente em relacao a escala de tempo do sistema universal, para este, a humanidade e’ uma crianca. A psique individual se projeta na psigue coletiva, claro: a humanidade vai se organizando num tipo de sistema, num sistema individual, a imagem e semelhanca de seu building block, que ‘e o individuo. Entao nao poderia ter acontecido de forma diferente: a mentalidade do coletivo humano esta na fase do pensamento magico, do mundo encantado, que não existe de fato. E a historia do mundo sera uma fabula locupleta de magicas, monstros, mitos. Justamente mitos preenchendo o abismo negro imaginariamente criado entre os dois blocos, que na verdade e’ apenas um.

E surgiram dois mitos, diferentes na narrativa, na forma de imaginar o mundo encantado, eregidos por uma parte da humanidade-crianca num continente, e oitra parte de humanidade-crianca sob efeitos do ambiente diferente de outro continente. Surgiu o deismo e o materialismo, ou ateismo. Um acredita realmente no amigo fantasma e deram-lhe o nome de Deus. Outro acredita que os objetos respondem a ele magicamente, pois ele tem conseguido sobreviver com privilégios so’ observados em jogos da sorte, ;oterias, e assim deram o nome ao grande criador do mundo encantado de Acaso. O que existe de mais comum entre os dois mitos e’ que ambos sao magicos, ambos vem de fora da longa cadeia natural de causas e efeitos que vem desde o Big Bang. Ambos seriam nao-naturais, ou seja, sobrenaturais.

O primeiro grupo aceita sorrindo a critica de que creem no sobrenatural. O segundo grupo resiste irracionalmente, pois nao querem entender que se a “vida”, ou melhor, a forma de sistemas biologicos, surgiu, e’ porque ela foi erigida pelas forcas e elementos que vinham rolando na longa cadeia de causas e efeitos. Ora entao ela era previsivel e nao produto do acaso. Basta identificar todas as forcas e elementos que vem rolando, mais o calculo da consistencia do espaco em que vem rolando, e nao tem como nao ver a certo momento a vida formada e rolando no meio. Entao existem uma geracao mais moderna ou envelhecida da humanidade ainda crianca que ja preseente este fato, e comecam a suspeitar que o Universo estava “tunelado” para produzir a vida, ou melhor, a forma de sistemas biologicos. E e’ desta geracao que sairam os autores das teorias arroladas neste artigo da BBC. Mas eles continuam ainda com o pensamento impregnado com resquicios do mito e por isto, eles mantem a malfadada separacoa, e por isto estao nos caminhos errados.

As criancas inevitavelmente se enveredam pelos primordios do pensamento magico porque nascem como ovos mantido dentro e protegidos, alimentados ate a maturidade. Uma caracteristica dos mamiferos, que foi um passo evolutivo adiante dos ancestrais repteis, que botavam os ovos fora abandonando a prole `a propria sorte. Mas o que aconteceria se uma crianca nascesse como ovo botado fora? Instantaneamente atacada pelas intemperies ao relento, pelos predadores e sem alimentos? Sera que ela tambem manteria pelo mesmo tempo o pensamento magico? Ela veria o mundo encantado? Certamente ela nao teria ninguem com quem falar ou aprender a falar, nao conversaria com amigos fantasmas. E como ela interpretaria o mundo se conseguisse ir sobrevivendo por extrema sorte os primeiros anos? E mais: imaginado-se que ela nascesse geneticamente com o dom ou tendencia a filosofar, a questionar a existencia das coisas que ve e ate mesmo a sua existencia, iria ela separar o mundo em dois blocos, iria ela criar im mito para preencher o vacuo entre os dois blocos? Quando na noite ao relento mantendo um olho vigilante na terra e outro levantado prescrutando o ceu e as estrelas, ela se sentiria separada ou conectada a extensao da natureza que se perde no firmamento?

Eu sei a resposta porque eu vivi esta terrivel e odiadamente experiencia. Pior, por duas vezes. Uma realmente logo ao nascer sem familia e teto, e outra quando ja adulto, escapei da escravidao na civilizacao e me embrenhei como fugitivo na selva amazonica. A qual me deu um banho de mundo real, da verdadeira natureza, a ponto de executar uma lavagem cerebral de toda a cultura hmana adquirida ate aquela idade e reduzir o espectro ao estagio de semi-macaco. Sem a s habilidades dos macacos na sobrecvivencia naquele unferno caotico, eu fui um macaco-crianca no meio deles, ja nem mais um humano-crianca como os que existiam la fora, na civilizacao. Digo que nao foi um regresso ao estagio fetal, pois sai no outro lado, antes da fecundacao. Porem com mais uma anomalia ironica: um macaco crianca filosofo. Como nao pderia deixar de acontecer, o filosofo no macaco construiu sua cosmovisao, sua maneira peculiar de interpretar o mundo real. E nao vi a separacao. Nao vi a divisao entre vida e nao-vida. E assim sai a procurar o bicho que me teria feito. A mim, aos meus vizinhos silenciosos que chamam de palntas e aos ruidosos e importunos que chama de animais. Com um olho abaixado procurando na terra e outro levantado procurando na extensao do meu mundo que se perdia no azul do firmamento.

Claro que seria impossivel a tal misero e semi-selvagem individuo, mesmo conseguindo sobreviver e crescendo, encontrar o que a civilizacao milhares de anos mais avancada intelectualmente e com poderosos instrumentos invadindo as profundezas dos invisiveis micro e macrocosmos, encontrar o que nao encontraram. Mas seu sobrevivi e ate me curei do primeiro ataque da malaria, do segundo jamais teria passado. Quis a sorte mais uma vez que humanos nativos da selva que ja pressentiam minha existencia nos arredores de seu territorio,  me encontrassem moribundo e decidissem me salvar como fizeram com os quackers moribundos do Mayflower. E quis o azar que esees nativos selvagens decidram me catequisar nos seus mitos, pegando um cerebro recentemente lavado com esfregao de espinhos das palmeiras e que poderia ter se reerguido e se levantado como uma pagna em branco a ser escrita pela razao pura natural, e desviando-o para o reino dos mitos de sua tambem consciencia crianca. Porem, do azar se levantou a tremenda sorte que o reino dos mitos a que fui apresentado nao era o mito criado pelos predadores de humanos bem nutridos a 10.000 anos atras  a falar com a voz mais alta e possante em volta da fogueira `as ovelhas mansas e temerosas, como eles eram filhos de deuses poderosos, os quais lhes teriam passado a forca. Nao foi o reino originario dos dois mitos se levantando da mentalidade ocidental. Me levaram a um novo retrocesso, muito mais profundo no tempo e no cerebro, ao estado da psique antes do humano-crianca, a forma mesma do embriao. de onde comeca e se forma a imaginacao. Me levaram ao outro continente onde surgiram os mitos orientais. A ouvir a descricao das imagens visionarias de dragoes aflorando das aguas do lago e soltando fogo pela boca como viu o filosofo chines. Mas ao inves de reiventar o simbolo do I-Ching pela mesma visão, e a partir daí desenhar a aura e seus chacras, as aulas de biologia em que eu havia visto o DNA me afloraram na mente na memória que resistira a lavagem e ao invés de dragão e aura eu vi o DNA, dançando no azul do firmamento com um eixo central na forma de um buraco cônico negro e os astros em volta na forma de moléculas, mais tarde identificadas como a timina, a citozina,…

Nao, na aurora da pre-humanidade nao houve uma imediata incursao na mitologia. Aqueles semi-humanos tiveram visoes do micro e do macrocosmo reais. Ou melhor, nao foram visoes vistas por olhos de ver, mas sim recordacoes vindas da memoria primitiva, que ainda nao havia sido poluida pela cultura dos predadores em volta da fogueira. Memorias construidas geneticamente, herdadas dos ancestrais… nao-vivos. Das nossas formas ancestrais quando estavamos na forma de atomos e galaxias. Ou quando estavamos se formando na forma de biologicos, quando fomos os primeiros nucleotideos, que aos pares, formam um sistema completo e funcional e sao um dos elos evolucionarios que foram ocultados do humano-crianca quando ele criou a separacao.

Os nativos tomam uma beberagem feita de raizes e ervas selvagens parecido com o que se chama de Santo Daime. Caem no chao ou em cima de esteiras e ficam balbuciando incoerencias com um largo sorriso que as vezes tornam-se gargalhadas, felizes da vida. Neste momento nasce osseus mitos dos deuses e demonios espiritos da selva. Mas para um filosofo abusado de perguntador ao lado observando-os, descrevem as visoes que suas imaginacoes alteradas pela beberagem produzem. Mas o filosofo que saber como funciona o cerebro, o que a droga produz, e isto nao se aprende fazendo a exoeriencia, ingerindo a droga, e sim mantendo seu cerebro vigilante e racional e arrancando do cerebro alterado o que ele esta produzindo. Assim se descobre que o naticvo reconta fielmente a fabula de Adao e Eva e desceve fielmente o Paraiso do Eden. Que?!

Eu disse que me levaram nao ao tempo das origens dos mitos, nao a fase etaria da crianca humana portadora do pensamento magico, mas antes desta fase, no estagio da consciencia fetal. O paraiso com Adao e Eva se ve antes e somente depois de muito pensar, de muito interpretar, e’ que se forma um quadro e pode-se pegar a pena e escreve-lo. Ele foi visto muito antes de se escrever a Biblia. Por um tal de Schimeon Ben Jochai, se a russa Helena Blavastic conseguiu a informacao correta no seu prologo da doutrina secreta. Porque o paraiso, Adao e Eva, realmente existiram. Nao o paraiso, nao o Adao e Eva que foram escritos, mas sim o que se levantou da memoria da humanidade fetal vindo das profundezas de neuronios em cujos nucleos numa fita biologica denominada DNA o nosso passado muito remoto foi registrado. Naquela epoca, uma galaxia era um verdadeiro paraiso para os dois principios ativos que formavam seu corpo, um com tendencias que hoje identicamos como masculinas e outro com tendencias que hoje identificamos como femininas. Ai estao o Adao e a Eva que foram malversados, contorcidos, mascarados, numa interpretacao eivada de auto-projecao do humano, antropomorfica. Os nativos selvagens da Amazonia nao estao no estagio intelectual que estavam as nacoes ja oorganizadas e ja com a psique da humanidade crianca que escreveram a Biblia. Eles estao no nivel intelectual das tribos de barbaros. Mas foi a estes que a Natureza revelou o paraiso e Adao e Eva. Foun a psique do humano crianca, que inventa amigos fantasmas com quem conversam e que tratam todos os objetos como brinquedos magicos, que tambem deu um banho de sua imaginacao numa imagem real que ela havia visto na forma embrionaria e dela se recordava na fase de humano crianca. Desua experiencia aprendi que num cerebro lavado da cultura humana, ainda limpido e puramente natural, a memoria ve-se a su mesma e assim comeca a consciencia de sua existencia. E quand a memoria ve-se a sui mesma, ve o que ela realmente e’. Ela nao ve uma grande parte sua como memoria-lixo como se tem visto a memoria moderna. No lugar de lixo ela ve o passado do que ela realmente foi, o passado do sistema natural universal que se formou nos idos do Big Bang. Ela recorda suas formas e suas experiencias quando foi um sistema atômico, quando foi um sistema galactico, porque todas estas experiencias estao nela registradas. Ela jamais iria sequer pensar que sua forma atual foi trazida pela cegonha por acaso ou por mágica divina, porque ela enxerga a forma de seus pais, de seus avos e bisavos, ate os ultimos ancestrais emergindo do Big bang… na forma de simples onda de luz. Simples na aparência porque sao mais complexas que nos desde que elas ja contem a formula para fazer-se a si mesma, como entidade viva.

Então como todos sabemos, seria impossível ao semi-macaco na selva encontrar o que este exército super bem aparelhado e milhares de anos mais avançado ainda não encontrou. A tal criatura acredita que encontrou, certamente ele caiu na mesma armadilha, ele enveredou-se no reino infantil dos mitos. Porém o que ele encontrou – o nosso DNA em suas formas evolucionárias mais primitivas existindo nos corpos de átomos e galáxias – e’ totalmente natural, está previsto na longa cadeia, não existe qualquer menção ao supernatural. Nao existem deuses nem acasos magicos. Entao onde esta o mito? Possivelmente nos seus modelos teóricos de átomos e galáxias, na sua interpretação diferente do DNA, de seus building blocks, no propósito do universo tunelado por um processo de simples reprodução genética de universos. Mas este ” provavelmente” e’ imediatamente balbuciado sem pensar, por quem tem o cérebro configurado por conexões neuronais modeladas pela visão dos mundos separados. realmente este cerebro nao conseguiria processar esta informacao. Entao o que me resta e’ testar cientificamente os modelos. Ou que alguma nova descoberta comprove-os. A teoria da Relatividade teve que esperar por um eclipse para comecar a ser vista com alguma seriedade. A Teoria do Big bang esperou por um defeito nos cabos telefônicos para a descoberta da radiação de fundo cósmica e guinda-la ao patamar de teoria plausivel. Nos aqui tambem estamos esperando. Algo que a levante ou a derrube para sempre. Ninguem mandou um filósofo se vestir de macaco, viver sete anos na selva no meio de macacos e retornar para contar esta historia macaquica. Que se f… o filosofo!

Ainda hoje esse  Se esquecem de que antes da vida surgir na Terra a matéria deste Universo já vinha em evolução, desde átomos para sistemas estelares para siste demas galácticos – e o primeiro ser vivo surgiu formado pelos mesmos átomos e dentro destes sistemas astronomicos. Entao como separa-los evolucionariamente?

Pela evolução, sistemas naturais mais simples se transformam em sistemas naturais mais complexos, não existe outra origem conhecida e muito menos comprovada cientificamente para sistemas naturais. Supor que tenha surgido um sistema natural fora dessa linhagem evolucionária por transformações e’ supor que este novo sistema tenha vindo de algum lugar fora da longa cadeia de causas e efeitos que começou no Big Bang. Teria que ter vindo de um lugar nao-natural, em relacao a esta natureza total a que damos o nome de Universo. de algum lugar sobrenatural, mas nenhum fato conhecido e comprovado prova que exista o sobrenatural, de onde tiraram essa ideia então? Falha de processamento nos circuitos neuronais.

Então vem com essa ideia absurda outra ideia que e’ uma aberração, uma heresia cientifica e contra a razao pura naturalista: a palavra “origens” e o conceito que a define. Quando e como alguém viu a origem de algum sistema natural que nunca tenha existido antes? Quando e como alguém viu um sistema natural qualquer que nao tenha vindo de outro sistema pré-existente?! Quando alguém viu assistiu os primeiros passos e o desenvolvimento de um sistema natural que nao tenha sido elaborada por um ambiente natural cuja complexidade nao se assemelhe `a complexidade do sistema? Isto de fato seria uma origem, a emergencia de algo totalmente novo, inédito, para o qual a Natureza nao tinha em si nenhuma informação. A palavra origem imediatamente nos leva a pensar num evento espontâneo ocorrendo no meio da longa cadeia de causas e efeitos mas que nao tenha sido produzido pelo fluxo normal das forças e elementos que vinham rolando nessa cadeia. Nao existem origens de universos nem de vida como eventos espontâneos, únicos, seja ao acaso ou por um entidade sobrenatural, nunca ninguém viu tal evento ocorrer. Isto seria mágica e nunca ninguém viu mágicas, apenas truques ilusorios. No entanto a literatura cientifica e por consequencia a escolar está repleta de teorias de origem espontanea do universo, d planeta, da galaxia, da vida… Raios, o que esta acontecendo com o racional humano?!

Então uma falha leva a outra: separando erradamente a evolução universal em evolucao cosmologica e evolução biológica em dois blocos de evolução sem nenhum elo, nenhuma conexão racional, natural, entre os dois blocos, nao resta outra alternativa senão apelar ao imaginário e acreditar em origens de coisas complexas, seja espontaneamente ou a longo prazo. Sem nenhuma razão inteligível, sem nenhum processo natural conhecido, a certa altura da longa cadeia de causas e efeitos, átomos terrestres comecaram a se comportarem de maneira nunca existido antes e a fazerem inéditas combinações que nunca fizeram antes. Ora, então o que de nao-natural atuou sobre estes atomos? Ninguém sabe responder porque esta pergunta nao faz sentido racional porque baseada numa premissa nao-existente de fato.

O primeiro ser vivo, que se pode chamar como tal, completo e funcionando, foi o primeiro sistema celular. Nao foi um novo sistema vindo de fora da natureza, ou feito por um processo nunca aplicado antes pela natureza. Nunca ninguem viu e comprovou que existam tais coisas. Era um sistema mais complexo ( e muito) que todos os outros sistemas naturais que existiam naquela época, ou entao, nao muito mais complexo que um sistema ja existente mas ainda desconhecido pela humanidade. O fato de ter sido elaborado muito mais complexo se explica pela complexidade maior existente na superficie da Terra que as complexidades existentes antes nos ambientes onde foram elaborados os sistemas ancestrais, atomicos e astronomicos. Aqui existia o estado liquido da materia, uma novidade que na sua embriogenese os atomicos e astronomicos nao tiveram. O estado liquido “transformou” a quimica inorganica na mais complexa quimica organica, mas o estado liquido tambem nao teve uma origem espontanea, ele veio das transformacoes dos estados gasosos e solidos ( talvez incluindo-se o estado eletromagnetico, etc.). Aagua produziu uma mutacao espetacular na embriogenese da primeira celula. Houve um espetacular salto evolutivo, mas apenas em relacao a sistema celular/sistema pré-existente, pois este salto teve uma duracao de milhoes ou bilhoes de anos enquanto ocorriam transformacoes no meio ambiente.

Nao houve abiogenese. Nao houve materia inanimada dando ” origem” a sistemas animados, vivos. Atomos e galaxias nao sao sistemas inanimados, eles funcionam internamente. Mas entao surge o terceiro erro ainda como consequencia do erro da imaginaria separacao: comparam um sistema completo, funcional, com pedacos, partes, ou mesmo dejetos, de outros sistemas. Ora, sistema tem que ser comparado a sistema! Ficam comparando moléculas que nao sao sistemas em si com processos vitais e mesmo sistemas vivos procurando encontrar o fio evolucionario entre eles! As moleculas (aminoacidos,proteinas,RNA e DNA) nao sao sistemas em si, sao partes de sistemas que reconstroem sistemas assim como os tecidos diferenciados na embriogenese humana reconstrou o sistema “corpo humano”. Se Oparin e …. queriam reconstruir o estado do mundo momentos antes da vida e ver dele surgir um elemento vivo, teriam que antes conectar a amonia, o hifgdrogenio, o metano, com as faiscas eletricas formando um sistema funcional. Jogaram partes ao leu dentro do tubo, conseguiram partes do sistema celular, mas nunca conseguriam um sistema celular, nem mesmo conectar os aminoacidos obtidos compondo uma proteina.

O sistema celular veio do sistema nucleotideo, ou seja que outro nome deem ao building block, o fundamental bits-informacao, que compoem as pilhas de nucleotideos que sao o RNA e o DNA. Mas a falha no processamento cerebral nem mesmo os permitem descobrir que um par lateral horizontal e vertical de nucleotideos funciona como um sistema completo. E este sistema nucleotideo serve exatamente para explicar como foram os building blocks que formaram as galaxias. Entao ai esta o elo evolutivo que manda ao inferno a imaginaria e impossivel separacao. O sistema celular teve uma embriogenese ( e nao abiogenese) de milhoes ou bilhoes de anos porque seu criador, o sistema menos complexo que foi transformado, era astronomico e na astronomia os tempos sao muito mais longos que na escala praticada por humanos.

Este erro abismatico conduz os pesquisadores auma busca atabalhoada, fora de foco. E entao surgem as teorias, fora de foco. vamos ver neste artigo da BBC uma bela coletanea destas teorias e vamos ver a analise de cada uma delas por essa teoria que nao cometeu esso erro imaginario, denominada Matrix/DNA. Para tanto tive que copiar o artigo aqui, aproveitando a exelente ajuda do website Bio+, que ou ele ou a propria BBC traduziu para o portugues:

As teorias para o surgimento das primeiras células – e da vida na Terra

http://www.bbc.com/portuguese/vert-earth-38205665?ocid=socialflow_facebook

A Celula Viva E Seu Complexo Circuito Eletrico

terça-feira, novembro 15th, 2016

xxxx

THE LIVING CELL A COMPLEX ELECTRICAL CIRCUIT

http://www.spiritualgenome.com/index.php/articles/47-the-living-cell-a-complex-electrical-circuit

Teoria e artigo de:

Bradley York Bartholomew initially trained as a lawyer in Queensland, Australia. He subsequently came across the works of Sigmund Freud and experienced a profound realization that Freud’s Unconscious Mind and the Hindu Inner Self were one and the same. From then on he has devoted his life to tracking the Inner Self. After spending considerable time in an Ashram in India he wrote several articles about Hindu Philosophy in the 1990s that were published in prestigious philosophical journals in India including the Indian Philosophical Quarterly. His revelations that the Hindu Upanishads have a Quantum Mechanical interpretation led him back to University to formally study Physics and Genetics where he made a pivotal discovery how the DNA acts as a Quantum Computer. This discovery has brought Hinduism into the information age.

Artigo copiado para traduzir e pesquisar:

In an article in New Scientist (8/29/15) entitled Power from within it has been announced that for the first time scientists have been able to harvest the energy from inside the body. They have done this by implanting thin layers of metal in the living cells. Essentially what they are harvesting is our Orgone energy (or life force).

At this point they have simply managed to generate 3.73 volts which is about enough to run a pacemaker but as this technology develops, and with the use of amplifiers etc, there would appear to be no limit to the amount of Orgone energy that can be collected. So let’s see just exactly what is this “life force.”

There is a well-known theory of consciousness advanced by Hameroff & Penrose more than 20 years ago, to the effect that the microtubules in the neuron are responsible for generating our consciousness.

I deal with their theory in my book. Briefly, to quote Hameroff: “Consciousness depends on anharmonic vibrations of microtubules inside neurons, similar to certain kinds of Indian music, but unlike Western music which is harmonic.” These quantum vibrational computations in microtubules are “orchestrated” by synaptic inputs and memory stored in the microtubules. Essentially then quantum computing is occurring in these microtubules.

So what is a microtubule. For a start, they are not just found in neurons. They are pretty much everywhere in the cells of animals and plants, in the cytoskeleton where they are responsible for the structure of the cell, the cytoplasm were they connect various organelles inside the cell, and in the genome where they play important roles in various genetic processes including mitosis, meiosis and gene expression. We are told that they are tubular in shape and principally composed of the protein tubulin. We are also told that microtubules have a polarity, that is to say they have a positively charged end and a negatively charged end. Two microtubules can join with the positive end of one attached to the negative end of the other. Similarly the positive end of a microtubule will attach to a negatively charged area in an organelle in the cell.

There are a group of scientists who are trying to establish consciousness and intelligence in plants. I wrote about them in my article Plant Consciousness and the Networked Intelligence (on this website). Essentially they used to call themselves The Society for Neurobiology in Plants, but after stinging criticism from some of their colleagues they were forced to change the name to the Society for Plant Signaling and Behavior in Plants. The criticisms centered around the fact that plants do not have neurons and therefore to talk about neurobiology in plants was an oxymoron. Furthermore, because plants don’t have neurons it was therefore impossible for them to have intelligence or consciousness.

A member of this society, Dr Peter Barlow, from the University of Bristol in the UK wrote to me and told me that he was working on a paper with the title The Natural History of Consciousness, and the Question of whether Plants are Conscious, in Relation to the Hameroff-Penrose Quantum-Physical ‘Orch OR’ Theory of Universal Consciousness. He even sent me a copy of the abstract and introduction to this paper. Essentially he is arguing that although it is true that plants do not have neurons, they do have microtubules in abundance in the cell and therefore if Hameroff & Penrose are right with their hypothesis that quantum computing in the microtubules of neurons were responsible for our consciousness, then it could well be the case that these cytoskeletal microtubules in plants were responsible for plant consciousness as well. I applauded his work and told him that although I had dealt with the Hameroff & Penrose theory in my book I had not tipped to this point that in fact there is a plethora of microtubules in all eukaryotic cells, plants included. He had ordered a copy of my book, and I referred him to the relevant pages where I assert that the microtubules in the neurons act merely as a conduit for electromagnetic activity emanating from the genome, i.e. the nucleus of the neuron. I also told him that his observation about microtubules in the cells of plants was a vital piece of information for me, because any theory about consciousness or intelligence in the DNA would be inadequate if it did not also account for the plant kingdom.

Just by chance I received a spam email about a mitochondrial antioxidant supplement. This spam email contained the following statements:

Not many people know that they have tiny power plants in almost every cell in their body. These power plants are called mitochondria. They take the air that we breathe and the food that we eat and produce ATP – the energy molecule that provides the power to every one of our cells.

Mitochondrial function peaks around the age of 28 and then starts to decline. We start to feel this as we head into our 40s and beyond. We have less energy, we start to slow down, we feel tired, we don’t recover from illness or injury as quickly and we start to see health problems emerging.

As a by-product of the energy production process mitochondria generate free radicals. To protect themselves mitochondria have very strong natural antioxidant protection systems. One of the key antioxidants mitochondria use is CoQ10 (also known as CoenzymeQ10 or ubiquinone).

CoQ10 levels decline as we age leaving mitochondria increasingly susceptible to free-radical damage. This damage reduces mitochondrial function leading to less energy being available to your cell. With less CoQ10 available we also see increasing levels of free radicals leak into the cell causing damage to cell contents and DNA.

It makes sense that we should supplement with CoQ10 to replace levels lost as we age. It’s a reasonable line of thought but with one serious flaw. CoQ10 is a very oily sticky molecule that doesn’t cross into the mitochondria easily. Mitochondria make their own CoQ10 for this very reason. The reality is that whilst you might get a small benefit from taking CoQ10 very little of your supplement is actually getting to where it needs to get to.

A breakthrough. 

Scientists at the University of Otago, Dunedin, New Zealand were studying mitochondrial dysfunction and its link to diseases of the brain, heart, liver and kidneys. They stumbled upon a way to get CoQ10 into the mitochondria by simply adding a positive charge. This simple change caused CoQ10 to flood the mitochondria – a significant breakthrough as no one had ever been able to deliver antioxidants to the mitochondria before.

Umm! I thought about this for awhile. This random spam email was trying to tell me something. The things that caught my eye were the statement that the release of this ConenzymeQ10 from mitochondria was involved in the protection of the DNA from free-radicals, and the fact that simply adding a positive charge to the mitochondria resulted in a CoQ10 “flood.” I decided to look into it, and lo and behold the first thing I found was that the mitochondria are connected by microtubules. Microtubules that have a positively charged end and a negatively charged end. The simple fact of adding a positive charge to the mitochondria can only mean one thing – the microtubules are conducting electricity.

Once I came to this realization, then it became crystal clear to me that the living cell in animals and plants are actually an incredibly sophisticated, complex and compact electrical circuit. These microtubules run everywhere through the cytoskeleton and the cytoplasm. And not just microtubules. There are also many other connections like microfilaments and intermediate filaments that are all conducting electricity. In addition the mictrotubules that play a key role in genetic processes, like the mitotic spindles that pull the chromosomes apart, must also be conducting electricity. No wonder Hameroff and Penrose were able to detect “quantum fluctuations” in the microtubules of neurons. Quantum processes were at work, namely the passage of electrons as an electrical current.

Hameroff and Penrose have introduced a new argument in favor of their theory. The underlying origins of EEG rhythms (brain waves) remains a mystery even after a century of clinical use, and they now assert that quantum vibrations (e.g. in megahertz) appear to interfere and produce much slower EEG “beat frequencies.” We are therefore in a position to put this question to rest once and for all. It is not the quantum microtubule fluctuations in the microtubules of the neurons that are causing the brain waves. It is simply the electrical currents flowing all through the cell in the microtubules, the microfilaments and the intermediate filaments that are combining into certain characteristic frequencies as different groups of cells are turned on in the various states of consciousness, that is responsible for the EEG. What else would you expect now that you realize that the living cell is not a chemical unit at all, but is actually an exquisitely complex unit of electrical circuitry. A pulsating ball of electromagnetic energy of incomparable sophistication. And there are trillions of them in every living creature, each cell being orchestrated and directed by quantum computing processes in the DNA.

xxxxx

Criando um comentario:

 – then quantum computing is occurring in these microtubules.

  • We are also told that microtubules have a polarity, that is to say they have a positively charged end and a negatively charged end.

Autofagia Celular: A Auto-Reciclagem da Galaxia Projetada na Célula Viva

sábado, outubro 8th, 2016

xxxx

(Artigo/tese em construcao)

Na célula vao se juntando materiais que nao funcionam mais, como organelas, proteinas, etc. Se isto continuar pode tornar a celula inoperante e leva-la a destruicao. Mas no microscopico mundo dos atomos e moleculas, surgiu um mecanismo de extraordinaria engenharia para salvar a celula. Os materiais desgastados sao reunidos, em volta deles se forma uma membrana e como um bolido este saco de materiais degradados e’ conduzido `a usina de destruicao de lixo da celula, o lisosomo. Daqui esse corpo e’ expulso para fora. Este mecanismo e’ denomainado ” autofagia” e foi descoberto pelo cientista japones Oshumi, o qual ainda descobriu 15 genes envolvidos no processo. Acontece que as vezes este mecanismo nao funciona bem e isto e’ causa de mortais doencas, como Parkinsons, diabetes, cancer, etc. Por isto Oshumi ganhou o Premio Nobel para Fisiologia e Medicina de 2016.

Tudo bem… Assim como esta escrito acima, a Ciência Academica faz seu trabalho, que e’ observar um fenomeno existente, tentar repeti-lo ou imita-lo tecnologicamente, tentar manipula-lo experimentalmente para corrigir erros, transmitir a descricao do fenomeno aos estudantes.

Porem, eu trabalho com filosofia naturalista, a qual busca se informar sobre estas informacoes que vem da Ciencia Academica ou empiricamente, tenta conectar os fenomenos num quadro para buscar uma visao de conjunto geral da Natureza. Mas nao e’ apenas conecta-los em termos de espaco, e sim, tambem conecta-los em termos de tempo, de sequencia de eventos, buscando conhecer a evolucao universal. Para isso, o filosofo naturalista, ao ler esta informacao, imediatamente se faz a pergunta: “Qual a causa”? Ou seja: como, porque e de onde a Natureza obteve forcas, recursos e informacoes, para construir este fenomeno – que no caso acima, e’ um mecanismo, ou um processo?

A Ciencia Academica descreve o que esta acontecendo no presente, pois ela apenas pode lidar com fatos existentes aqui e agora. Existe uma area derivada desta Ciencia que tenta conectar os fatos atuais com resquicios, fosseis, de teorizados fatos ou eventos ocorridos no passado, tambem buscando uma visao de conjunto, que e’ a area da teoria evolucionista.

Mas para conectar fatos entre si, no tempo, e’ preciso imaginar um mecanismo ou processo universal guiando estas conexoes. Se uma pessoa torna-se um suicida atrelando ao corpo uma bomba, imediatamente nossa mente conecta o evento da explosao com algum grupo ideologico/religioso, e esta conexao e’ o processo imaginado que explica a ocorrencia. Sendo um animal pragmatico, que busca acima de tudo sua sobrevivencia, o ser humano normalmente nao se suicida, ao menos, nao dessa maneira. Nao existe uma explicacao naturalista, materialista, racionalista, para tal processo. Somos obrigados a recorrer a abstracao e aceita-la como sendo uma forca real dirigindo tal processo.

Assim nasceram as religioes. Inventamos imaginariamente uma entidade abstrata, um mecanismo ou processo abstrato, para explicar os fatos sem conhecimento de causas que presenciamos na vida real. A teoria evolucionista nao poderia ser diferente, e o processo ou mecanismo abstrato que ela encontrou para satisfazer sua necessidade de explicacoes foi uma entidade abstrata – o Acaso Absoluto Construtor de Complexidade. Entao, como no texto da organizacao do Premio Nobel explicando o trabalho de Oshumi ( copiado abaixo para ser traduzido e rememorado), e como no texto do Professor de Biologia – PZ Myers (tambem copiado aqui abaixo), descreve-se o fato descoberto e para-se nesta descricao. Diz-se que a celula tem um mecanismo chamado autofagia… e so’. O mecanismo foi inicialmente descoberto na celula de um micro-organismo – o yeast – e depois Oshumi verificou que celulas humanas tambem apresentam o mecanismo. Se a teoria evolucionaria se ocupasse de tambem estudar as evolucoes dos mecanismos, iria investigar a diferenca entre o processo na celula do micro-organismo e o processo na celula humana, mas com certeza, as diferencias seriam imputadas a mutacoes nos genes que dirigem o processo e estas mutacoes, como acreditam, ocorrem por acaso, ou mais literalmente, por erros de transcricao na reprodução. Alguns erros -segundo esta teoria – coincidem de providenciarem melhorias ao organismo, e por isso são mantidos hereditariamente. A causa fundamental sera’ sempre o tal do acaso.

Em vista disso, o que a humanidade vai fazer na tentativa de combater as mortais doencas? Primeiro – e ja comecou a corrida entre competidores – sera descobrir drogas que inibam a proteina tal que faz tal coisa, etc. Ou seja, atuar depois do mal instalado e nao para elimina-lo de vez e sim para atenuar seus efeitos danosos. Num segundo caso e numa investigacao mais profunda, tentar-se-a’ eliminar estes genes mutados inserindo os genes originais. mas isto nao tem funcionado com estas doencas milenares mortais, elas continuam existindo.

Entao, nesta altura dos acontcimentos, entra em cena o filosofo naturalista. Ao inves de ir ao laboratorio procurar as drogas e os genes mutados, ele parou antes, ao receber a informacao da existencia do mecanismo, justo no momento que o texto diz: a celula tem um mecanismo…

Como?… a celula tem um mecanismo? Celula ‘e um amontoado de atomos que com a evolicao de junaram em moleculas, algumas se juntaram formando organelas, o DNA e o RNA, etc. Cada um destes elementos, que sao os resultados finais das diferentes combinacoes de diferentes atomos, tem sua historia evolutiva. Mas qual a historia evolutiva deste mecanismo? Como a natureza bruta e cega produziu isto, e dentro de um sistema celular?

Aqui comeca o trabalho do filosofo naturalista, e apesar de ser desprezado e, muitas vezes, motivo de ironias por parte dos investigadores cientistas que atuam com “as mãos na massa”, eu penso que a maioria dos seres humanos iriam preferir botar o guarda-po branco e correr para a mesa do laboratorio do que escrever estas perguntas no papel e começar a raciocinar buscando as respostas apenas mentalmente.  Como, porque, de onde a natureza bruta e cega obteve informacoes para criar isto?!

E entao, primeiro o filosofo tenta se concenrar na essencia, no conceito do que ele esta buscando. Neste caso o conceito e’ denominado”mecanismo”. O que e’ mecanismo? E logo vem a mente de como o homem faz um projeto no papel “criando” um mecanismo:

Assim esta desenhado um mecanismo pela inteligencia humana. Mas este desenho e’ semelhante ao desenho de um mecanismo criado pela Natureza. A celula, os organismos, contem milhares de mecanismos similares. Desde que refutei a teoria religiosa e a teoria do acaso, tive que procurar uma outra teoria para explicar como este desenho existe naturalmente. A minha teoria se inicia correndo em paralelo a teoria do acaso, porque ambas rebuscam um processo imaginario, que ‘e a evolucao. Porem o paralelismo termina ai’. Na teoria do acaso, este desenho acima teria comecado num sistema biologico, ou ainda num amontoado de atomos chamado de molecula, com uma das suas pecas, digamos, a peca numero um. Uma barra feita de atomos alinhados e’ movida como um pendulo e seu movimento de vai-e-vem por alguma forca externa, como o vento, ou a corente de fluxo sanguineo, etc. Ao assim se mover ela vai atritando com outra peca proxima – outro montoado de atomos – de maneira que vai gerando dentes nas duas pecas e assim surge uma engrenagem. na teoria do acaso o acaso estaria na existencia desta primeira barra, ela surgiu porque aomos foram empurrados para um mesmo ponto no espaco e no mesmo tempo, etc. Os acontecimentos seguintes foram nao mais por acaso e sim um mero e normal desenrolar de movimentos e seus efeitos. Ate a coisa toda culminar com o desenho acima completo. Na minha teoria, se quebrar-mos uma onda de luz natural em sete pedacos – cada qual contendo uma de suas sete vibracoes/frequencias – e solta-las livre em um mesmo ponto do espaco/tempo, elas se misturam com a substancia espacial, geram eletricidade e depois se juntam na mesma sequencia que estavam antes, e como resultado final surge um mecanismo igual ao do desenho. Mas isto nunca foi feito, e nem a natureza o fez, com uma onda de luz natural. A natureza fez este mecanismo usando sistemas que resultaram da evolucao de sistemas anteriores de maneira que regredindo no tempo, so assim entao, vamos chegar a onde de luz primordial. Entao para produzir isto na celula a natureza antes produziu-o de forma menos complexa no sistema astronimico que oriduziu a celula, e antes aindam nos atomos que produziram o sistema astronomico, e antes ainda, nas particulas… de maneira que todas estas fases da evolucao podem ser desenhadas na forma de uma formula, e nest formula se ve claramente o desenho deste mecanismo. Assim a natureza bruta e cega teria produzido esta obra de engenharia na celula vital. O problma esta na “engenharia”. Naturezas brutas e cegas nao geram engenharias. esta engenharia esta na onda de luz natural a qual veio com o Big Bang de algum lugar antes e acima do Big bang, de um lemento que produziu o Big Bang. O qual deve ser um elemento natural, porem, extra-universal, e considerando-se o seu produto, deve tratar de uma natureza mais complexa que a que vemos dentro deste Universo.

Acontece que no meu caso em particular, em que ja se conta 50 anos trabalhando este metodo, fui obtendo respostas racionais porem ainda teoricas, que explicam como a natureza criou todos os elementos envolvidos neste mecanismo, desde as organlas, as proteinas ao Dna. E acontece ainda que todas estas respostas desembocaram numa resposta universal, a qual e’ um novo processo imaginado que substitue os imaginados pelas religioes e pela Cencia Academica. Mas nao apenas os elemtnos factuais, visuas, palpaveis, chegaram na mesma resposta universal; tambem os mecanismos e processos naturais sao explicados na mesma resposta. E ela foi denominada ” Formula da Matrix/DNA”.

( Pausa: busca da definicao de “mecanismo”

Significado de Mecanismo

Dicionario portugues: Combinação de órgãos ou de peças dispostos de maneira que se obtenha um resultado determinado.Conjunto de órgãos, cuja atividade é interdependente: o mecanismo do corpo humano.[Figurado] Modo de funcionamento: o mecanismo do raciocínio ou da linguagem.

Mecanismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Mecanismo em movimento

Mecanismo é um conjunto de elementos rígidos, móveis uns relativamente a outros, unidos entre si mediante diferentes tipos de junções chamadas pares cinemáticos (pernas, uniões de contato, passadores, etc.), cujo propósito é a transmissão e/ou transformação de movimentos e forças. São, portanto, as abstrações teóricas do funcionamento das máquinas, e de seu estudo se ocupa a Teoria de Mecanismos.

Baseando-se em princípios da álgebra linear e física, se criam esqueletos vetoriais, com os quais se formam sistemas de equações. A diferença de um problema de cinemática oudinâmica básico, um mecanismo não é considerado como uma massa pontual e, devido a que os elementos que conformam a um mecanismo apresentam combinações de movimentos relativos de rotação e translação, é necessário levar em conta conceitos como centro de gravidade, momento de inércia, velocidade angular, etc.

 

 

 

Autophagy wins a Nobel

http://scienceblogs.com/pharyngula/2016/10/03/autophagy-wins-a-nobel/

Posted by PZ Myers on October 3, 2016

Well, actually, Yoshinori Ohsumi has won the prize for his work on autophagy, a cellular process you may have never heard of before. The word means “self eating”, and it’s an important pathway that takes chunks of the internal content of the cell and throws them into the cell’s incinerator, the lysosome, where enzymes and reactive chemicals shred them down into their constituent amino acids and other organic compounds for reuse. What makes it interesting is that the cell doesn’t want to just indiscriminately trash internal components; there are proteins that recognize damaged organelles and malfunctioning bits and packages them up in a tidy little double membrane bound vesicle that fuses with the lysosome and destroys them.

At least, most of the time it’s selective. It was first characterized by Ohsumi in yeast, where, if you starve the cells, they start self-cannibalizing to survive. If you use mutant yeast that lack some of the degradative enzymes, they are unable to break down the materials being dumped into the lysosome, and the vacuoles just get larger and larger, making it relatively easy to screen for changes in the machinery for autophagy.

Autophagy in yeast. In starvation-induced (non-selective) autophagy,  the isolation membrane mainly non-selectively engulfs cytosolic constituents and organelles to form the autophagosome. The inner membrane-bound structure of the autophagosome (the autophagic body) is released into the vacuolar lumen following fusion of the outer membrane with the vacuolar membrane, and is disintegrated to allow degradation of the contents by resident hydrolyases. In selective autophagy, specific cargoes (protein complexes or organelles) are enwrapped by membrane vesicles that are similar to autophagosomes, and are delivered to the vacuole for degradation. Although the Cvt (cytoplasm-to-vacuole targeting) pathway mediates the biosynthetic transport of vacuolar enzymes, its membrane dynamics and mechanism are almost the same as those of selective autophagy (see the main text).

Autophagy in yeast. In starvation-induced (non-selective) autophagy, the isolation membrane mainly non-selectively engulfs cytosolic constituents and organelles to form the autophagosome. The inner membrane-bound structure of the autophagosome (the autophagic body) is released into the vacuolar lumen following fusion of the outer membrane with the vacuolar membrane, and is disintegrated to allow degradation of the contents by resident hydrolyases. In selective autophagy, specific cargoes (protein complexes or organelles) are enwrapped by membrane vesicles that are similar to autophagosomes, and are delivered to the vacuole for degradation. Although the Cvt (cytoplasm-to-vacuole targeting) pathway mediates the biosynthetic transport of vacuolar enzymes, its membrane dynamics and mechanism are almost the same as those of selective autophagy (see the main text)

Taking out the trash is a vital procedure for cells, as well as for maintenance of your household, and there are cases where autophagy is implicated in human diseases. For instance, mitochondria are intensely active metabolically, and experience a lot of wear and tear. Your cells take old, busted mitochondria, tag them with proteins, and recycle them with a specific subset of autophagy called mitophagy, or mitochondria-eating. Some forms of Parkinson’s disease seem to be caused by defects in the mitophagy machinery, causing defective mitochondria to accumulate in the cell and impairing normal function.

Autophagy also seems to have some complex roles in cancer. It can be a good thing, in that early on if defective proteins and organelles accumulate, they can be sensed and destroyed, so autophagy in that case is a defense against cancer. However, cancer can also subvert that machinery and route the cell’s defenses right into the trash.

But also, autophagy seems to be involved in every step in cancer metastasis. This shouldn’t be a surprise, since autophagy is used to regulate the activity of the cell in all kinds of behaviors.

Schematic illustrating roles of autophagy in the metastatic cascade. Autophagy increases as tumor cells progress to invasiveness and this in turn is linked to increased cell motility, EMT, a stem cell phenotype, secretion of pro-migratory factors, release of MMPs, drug resistance and escape from immune surveillance at the primary site in some tumors. Many aspects of these autophagy-dependent changes during acquisition of invasiveness also likely contribute to the ability of disseminating tumor cells to intravasate, survive and migrate in the circulation before extravasating at secondary site. At the secondary site, autophagy is required to maintain tumor cells in a dormant state, possibly through its ability to promote quiescence and a stem cell phenotype, that in turn is linked to tumor cell survival and drug resistance. Emerging functions for autophagy in metastasis include a role in establishing the pre-metastatic niche as well as promoting tumor cell survival, escape from immune surveillance and other aspects required to ultimately grow out an overt metastasis.

Schematic illustrating roles of autophagy in the metastatic cascade. Autophagy increases as tumor cells progress to invasiveness and this in turn is linked to increased cell motility, EMT, a stem cell phenotype, secretion of pro-migratory factors, release of MMPs, drug resistance and escape from immune surveillance at the primary site in some tumors. Many aspects of these autophagy-dependent changes during acquisition of invasiveness also likely contribute to the ability of disseminating tumor cells to intravasate, survive and migrate in the circulation before extravasating at secondary site. At the secondary site, autophagy is required to maintain tumor cells in a dormant state, possibly through its ability to promote quiescence and a stem cell phenotype, that in turn is linked to tumor cell survival and drug resistance. Emerging functions for autophagy in metastasis include a role in establishing the pre-metastatic niche as well as promoting tumor cell survival, escape from immune surveillance and other aspects required to ultimately grow out an overt metastasis.

It may also affect Crohn’s disease and other inflammatory syndromes. There are mutated proteins associated with Crohn’s that are part of the autophagy pathway; macrophages carrying these mutations deliver bigger doses of inflammatory cytokines when stimulated. Selective autophagy plays a role in regulating the balance of exports from the cell.

Those are the mild diseases caused by defects in this pathway. Look up Vici syndrome, a heritable disorder that causes devastating problems for those afflicted. It’s caused by mutations in the EPG5 gene, which is an important regulator of autophagy.

It’s not just about human diseases, though. Autophagy is universal in eukaryotes: yeast have it, plants have it, animals have it. Genes in the pathway are studied in yeast and nematodes and flies and mice, so this is a common mechanism of regulating the internal traffic of the cell.

Procurar estas referencias:

Jiang P, Mizushima N (2014) Autophagy and human diseases. Cell Res 24(1):69-79.

Nakatogawa H, Suzuki K, Kamada Y, Ohsumi Y (2009) Dynamics and diversity in autophagy mechanisms: lessons from yeast. Nat Rev Mol Cell Biol 10(7):458-67.

Mowers EE, Sharifi MN, Macleod KF (2016) Autophagy in cancer metastasis. Oncogene doi: 10.1038/onc.2016.333.

xxxx

Nobel Prize Org.

The Nobel Prize in Physiology or Medicine 2016
Yoshinori Ohsumi

http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/medicine/laureates/2016/press.html

Press Release

2016-10-03

The Nobel Assembly at Karolinska Institutet has today decided to award

the 2016 Nobel Prize in Physiology or Medicine

to

Yoshinori Ohsumi

for his discoveries of mechanisms for autophagy

Summary

This year’s Nobel Laureate discovered and elucidated mechanisms underlying autophagy, a fundamental process for degrading and recycling cellular components.

The word autophagy originates from the Greek words auto-, meaning “self”, and phagein, meaning “to eat”. Thus,autophagy denotes “self eating”. This concept emerged during the 1960’s, when researchers first observed that the cell could destroy its own contents by enclosing it in membranes, forming sack-like vesicles that were transported to a recycling compartment, called the lysosome, for degradation. Difficulties in studying the phenomenon meant that little was known until, in a series of brilliant experiments in the early 1990’s, Yoshinori Ohsumi used baker’s yeast to identify genes essential for autophagy. He then went on to elucidate the underlying mechanisms for autophagy in yeast and showed that similar sophisticated machinery is used in our cells.

Ohsumi’s discoveries led to a new paradigm in our understanding of how the cell recycles its content. His discoveries opened the path to understanding the fundamental importance of autophagy in many physiological processes, such as in the adaptation to starvation or response to infection. Mutations in autophagy genes can cause disease, and the autophagic process is involved in several conditions including cancer and neurological disease.

Degradation – a central function in all living cells

In the mid 1950’s scientists observed a new specialized cellular compartment, called an organelle, containing enzymes that digest proteins, carbohydrates and lipids. This specialized compartment is referred to as a “lysosome” and functions as a workstation for degradation of cellular constituents. The Belgian scientist Christian de Duve was awarded the Nobel Prize in Physiology or Medicine in 1974 for the discovery of the lysosome. New observations during the 1960’s showed that large amounts of cellular content, and even whole organelles, could sometimes be found inside lysosomes. The cell therefore appeared to have a strategy for delivering large cargo to the lysosome. Further biochemical and microscopic analysis revealed a new type of vesicle transporting cellular cargo to the lysosome for degradation (Figure 1). Christian de Duve, the scientist behind the discovery of the lysosome, coined the term autophagy, “self-eating”, to describe this process. The new vesicles were named autophagosomes.

Autophagosome.

Figure 1: Our cells have different specialized compartments. Lysosomes constitute one such compartment and contain enzymes for digestion of cellular contents. A new type of vesicle called autophagosome was observed within the cell. As the autophagosome forms, it engulfs cellular contents, such as damaged proteins and organelles. Finally, it fuses with the lysosome, where the contents are degraded into smaller constituents. This process provides the cell with nutrients and building blocks for renewal.

During the 1970’s and 1980’s researchers focused on elucidating another system used to degrade proteins, namely the “proteasome”. Within this research field Aaron Ciechanover, Avram Hershko and Irwin Rose were awarded the 2004 Nobel Prize in Chemistry for “the discovery of ubiquitin-mediated protein degradation”. The proteasome efficiently degrades proteins one-by-one, but this mechanism did not explain how the cell got rid of larger protein complexes and worn-out organelles. Could the process of autophagy be the answer and, if so, what were the mechanisms?

A groundbreaking experiment

Yoshinori Ohsumi had been active in various research areas, but upon starting his own lab in 1988, he focused his efforts on protein degradation in the vacuole, an organelle that corresponds to the lysosome in human cells. Yeast cells are relatively easy to study and consequently they are often used as a model for human cells. They are particularly useful for the identification of genes that are important in complex cellular pathways. But Ohsumi faced a major challenge; yeast cells are small and their inner structures are not easily distinguished under the microscope and thus he was uncertain whether autophagy even existed in this organism. Ohsumi reasoned that if he could disrupt the degradation process in the vacuole while the process of autophagy was active, then autophagosomes should accumulate within the vacuole and become visible under the microscope. He therefore cultured mutated yeast lacking vacuolar degradation enzymes and simultaneously stimulated autophagy by starving the cells. The results were striking! Within hours, the vacuoles were filled with small vesicles that had not been degraded (Figure 2). The vesicles were autophagosomes and Ohsumi’s experiment proved that authophagy exists in yeast cells. But even more importantly, he now had a method to identify and characterize key genes involved this process. This was a major break-through and Ohsumi published the results in 1992.

Yeast.

Figure 2: In yeast (left panel) a large compartment called the vacuole corresponds to the lysosome in mammalian cells. Ohsumi generated yeast lacking vacuolar degradation enzymes. When these yeast cells were starved, autophagosomes rapidly accumulated in the vacuole (middle panel). His experiment demonstrated that autophagy exists in yeast. As a next step, Ohsumi studied thousands of yeast mutants (right panel) and identified 15 genes that are essential for autophagy.

Autophagy genes are discovered

Ohsumi now took advantage of his engineered yeast strains in which autophagosomes accumulated during starvation. This accumulation should not occur if genes important for autophagy were inactivated. Ohsumi exposed the yeast cells to a chemical that randomly introduced mutations in many genes, and then he induced autophagy. His strategy worked! Within a year of his discovery of autophagy in yeast, Ohsumi had identified the first genes essential for autophagy. In his subsequent series of elegant studies, the proteins encoded by these genes were functionally characterized. The results showed that autophagy is controlled by a cascade of proteins and protein complexes, each regulating a distinct stage of autophagosome initiation and formation (Figure 3).

Stages of autophagosome formation

Figure 3: Ohsumi studied the function of the proteins encoded by key autophagy genes. He delineated how stress signals initiate autophagy and the mechanism by which proteins and protein complexes promote distinct stages of autophagosome formation.

Autophagy – an essential mechanism in our cells

After the identification of the machinery for autophagy in yeast, a key question remained. Was there a corresponding mechanism to control this process in other organisms? Soon it became clear that virtually identical mechanisms operate in our own cells. The research tools required to investigate the importance of autophagy in humans were now available.

Thanks to Ohsumi and others following in his footsteps, we now know that autophagy controls important physiological functions where cellular components need to be degraded and recycled. Autophagy can rapidly provide fuel for energy and building blocks for renewal of cellular components, and is therefore essential for the cellular response to starvation and other types of stress. After infection, autophagy can eliminate invading intracellular bacteria and viruses. Autophagy contributes to embryo development and cell differentiation. Cells also use autophagy to eliminate damaged proteins and organelles, a quality control mechanism that is critical for counteracting the negative consequences of aging.

Disrupted autophagy has been linked to Parkinson’s disease, type 2 diabetes and other disorders that appear in the elderly. Mutations in autophagy genes can cause genetic disease. Disturbances in the autophagic machinery have also been linked to cancer. Intense research is now ongoing to develop drugs that can target autophagy in various diseases.

Autophagy has been known for over 50 years but its fundamental importance in physiology and medicine was only recognized after Yoshinori Ohsumi’s paradigm-shifting research in the 1990’s. For his discoveries, he is awarded this year’s Nobel Prize in physiology or medicine.

Key publications

Takeshige, K., Baba, M., Tsuboi, S., Noda, T. and Ohsumi, Y. (1992). Autophagy in yeast demonstrated with proteinase-deficient mutants and conditions for its induction. Journal of Cell Biology 119, 301-311

Tsukada, M. and Ohsumi, Y. (1993). Isolation and characterization of autophagy-defective mutants of Saccharomyces cervisiae. FEBS Letters 333, 169-174

Mizushima, N., Noda, T., Yoshimori, T., Tanaka, Y., Ishii, T., George, M.D., Klionsky, D.J., Ohsumi, M. and Ohsumi, Y. (1998). A protein conjugation system essential for autophagy. Nature 395, 395-398

Ichimura, Y., Kirisako T., Takao, T., Satomi, Y., Shimonishi, Y., Ishihara, N., Mizushima, N., Tanida, I., Kominami, E., Ohsumi, M., Noda, T. and Ohsumi, Y. (2000). A ubiquitin-like system mediates protein lipidation. Nature, 408, 488-492

 

Yoshinori Ohsumi was born 1945 in Fukuoka, Japan. He received a Ph.D. from University of Tokyo in 1974. After spending three years at Rockefeller University, New York, USA, he returned to the University of Tokyo where he established his research group in 1988. He is since 2009 a professor at the Tokyo Institute of Technology.

 

The Nobel Assembly, consisting of 50 professors at Karolinska Institutet, awards the Nobel Prize in Physiology or Medicine. Its Nobel Committee evaluates the nominations. Since 1901 the Nobel Prize has been awarded to scientists who have made the most important discoveries for the benefit of mankind.

 

 

666 Decodificado ! E’ o Numero do Carbono no Centro dos Humanos e da Formula da MatrixLight/DNA!

terça-feira, abril 19th, 2016

xxxx

Veja bem a figura abaixo e recorde-se do que e’ o Carbono:

666 Decodificado ! O Carbono, o Atomo Mais Fiel`a Matrix Fechada

666 Decodificado ! O Carbono, o Atomo Mais Fiel`a Matrix Fechada

Agora veja bem a formula da Natureza para todos os sistemas naturais, como organismos, galaxias, células, arvores, etc., porem tenha em nota que esta ‘e a face da formula como sistema fechado em si mesmo:

The Universal Formula of MatrixDNA as Software/Closed System

The Universal Formula of MatrixDNA as Software/Closed System

E esta ‘e outra maneira de representar a mesma formula no seu aspecto de fechada em si mesmo e quando construiu os building blocks dos sistemas astronomicos:

Matriz DNA Universal E a Forma dos Sistemas Naturais

Matriz DNA Universal E a Forma dos Sistemas Naturais

E agora então vamos para o tópico.

Os autores da Bíblia iniciaram esta longa e incansavelmente repetida historia mistica sobre o numero 666.Segundo o que escreveram, ” 

666 e sua origem mistica

666 e sua origem mistica

” Deixe ao que tem entendimento reconhecer o numero da besta, pois ele e’ um numero humano, e este numero e’ 666 “

Qual a minha interpretação disto tudo, quando consulto a formula da MatrixLight/DNA?

A formula da Matrix foi obtida de pois de dezenas de anos pensando e calculando o que teria criado o primeiro ser vivo na Terra, que foi o primeiro sistema celular completo. A minha intuição me conduzia a crer que o seu criador tinha que ser um “sistema” ainda, um “sistema funcional”, acima de tudo. Pois observando tudo o que se vê de fenômenos vivos depois daquela célula, é que cada nova criatura sempre imita a estrutura física de seu produtor. Não poderia ter sido diferente com a primeira célula, pois a Natureza funciona como uma longa cadeia de 13,7 bilhões de anos que vem rolando naturalmente pelo processo de causas e efeitos.

Então naquela sopa primordial, teorizada por Oparin e experimentada tantas vezes a começar por Miller/Urey, e ainda acreditada no meio cientifico moderno, tinha que ter existido o sistema criador procurado. Mas como? Se naquela sopa, o único tipo de sistema que havia com certeza, era o átomo? E o átomo não pode ter sido o sistema criador porque a diferença entre a cria – a primeira célula viva – e um átomo é brutal, a Natureza não pode dar estes tipos de saltos mágicos. Então como aquele sistema estava ali e quem foi ele?

Ora, a inteligencia sempre avança e assim sempre encontra uma maneira de continuar suas investigações. Então me surgiu um método plausível para identificar o sistema. Anatomia comparada entre o sistema celular e o atômico. Mas quando experimentava este método me lembrava que na historia da evolução existe um outro sistema que é mais evoluído que um átomo e menos involuído que uma célula: o sistema astronomico, seja o estelar, o galáctico, o universal, etc. Então este parecia o mais indicado para se fazer a anatomia comparada.

Para encurtar tudo e resumir dez anos de buscas, no final cheguei ao que deve ter sido o elo entre os sistemas dito inanimados e os sistemas animados, ou vivos: os building blocks dos sistemas astronômicos, que são uma forma mais evoluída dos building blocks dos sistemas atômicos. Os átomos da Terra teriam tomado um banho fotônico solar de organização sistêmica galáctica e com esse banho e naquela sopa, se organizaram de forma inédita apenas obedecendo os mecanismos da genética e seus processos de auto-reprodução, constituindo os primeiros aminoácidos já contendo os próximos passos de sua evolução. E estes building blocks podiam ser representados por uma formula que torna mais fácil seu entendimento, principalmente se for o estado mais evoluído e perfeito desta formula, o estado de sistema fechado em si mesmo. Eis a razão da formula da MatrixLight/DNA. Light esta’ aqui inserido porque mais tarde, acabei descobrindo que antes de ser o building block de átomos e galaxias, esta formula já estava codificada na primeira onda de luz que emanou do Big Bang, ou de qualquer onda de luz natural hoje em dia.

Desde a a descoberta da formula, e agora tentando trilhar o segundo passo da investigação, que e’ tentar provar ou desaprovar a existência da formula, e enquanto não se consegue isto, vai se reunindo todas as evidencias a favor da existência da formula ( pois um so’ fato provando que a formula esteja errada seria o suficiente para jogar a a formula no lixo),  todos os dias sou maravilhado pela descoberta de mais evidencias e um mais profundo entendimento dos fenômenos e eventos naturais que de outra forma nenhum humano conseguiria. Mas um destes acontecimentos que me causam grandes surpresas foi o de um dia, quando de repente notei que a formula estava como base primordial de todos os mitos básicos das grandes religiões. Basta trocar os nomes e símbolos nas descrições dos mitos, por uma linguagem naturalista cientifica, e tudo se encaixa como uma luva! Seja a figura descritiva do Eden no Paraíso, seja o simbolo do I Ching, ou seja as sete rodas de espíritos em volta do turbilhão ígneo da doutrina secreta ocultista,… é sempre outra maneira metafórica de descrever a formula!

Apenas para ilustrar, observe na formula que o fluxo de energia/informação que se inicia em F1, faz um circuito esférico e termina em F1 para se auto-reciclar, pode ser desenhado da mesma maneira como uma serpente engolindo a própria cauda. Que é o simbolo mistico de Oroboro. Mas na verdade, a formula acima não é  assim esférica, ela é uma espiral, apenas a fiz assim porque ficaria confusa a espiral desenhada num papel em duas dimensões. E quando a vemos na forma espiral ela se parece uma arvore, com tronco, galhos, folhas e frutos, exatamente na forma da Via láctea que foi quem criou a arvore, mas ai você tem a arvore, a serpente, a fruta, etc. E quando inseres F4 e F1 tens a exata função dos cromossomas X e Y, ou seja, Adão e Eva. Assim por diante, a formula é como o bau de Pandora, onde sen encaixam todos s mitos criados pela Humanidade.

Atônito e surpreso por esta descoberta, a primeira pergunta logica é:” Raios! Eu pensei que tinha sido o primeiro a descobrir a formula, mas antigos analfabetos de milhares de anos atras já tinham conhecimento dela! Mas como se não sabiam de DNA, de galaxias, etc.?!

A conclusão logica por ora, e racional, é de que a causa desse conhecimento consiste no fato de que esta formula ser a mesma formula dos building blocks do DNA que esta nos centros dos neurônios do cérebro, tornando-os também o building block do cérebro que produz a mente, que envia a visão da formula ao cérebro. Não da formula em si, mas dos objetos reais, os sistemas, criados por ela. Os antigos – tendo uma mente muito mais fresca do que a nossa hoje, e portanto uma memoria mais próxima da historia de nossos ancestrais, inclusive os não-vivos, tinham flashes dessa visão. Ou ao menos alguns deles, em algum estado de cérebro alterado, por alguma droga química, ou algum fator estressante, etc.

Então o 666 coincide surpreendentemente com o numero que e se extrai de um átomo de carbono, que é o building block atômico essencial dos corpos vivos como o humano, e o carbono é o átomo essencial dos sistemas biológicos porque é o átomo que melhor imita e completa sem exceder o numero de seis funções sistêmicas da formula, dando a entender que cada partícula no átomo esta’ desempenhando uma função sistêmica.  Apenas lhe falta uma função, a de numero cinco ( F5) porque na verdade esta função é externa ao sistema, apenas existe em potencial latente da formula, já que ela so’ entra em ação nos eventos de auto-reprodução do sistema.

E assim explicamos mitos, religiões, galaxias, átomos e até a mente humana… por uma razão que ainda esta na sua infância, mas ao que ao menos fica temporariamente satisfeita com tal explicação.

 

 

 

 

Mais Uma Importante Descoberta Sobre como e porque apareceram os Acessórios de seu Corpo: Bracos, Nariz, Pernas, Olhos, etc.

sábado, março 26th, 2016

xxxx

O primeiro ser vivo, realmente completo e funcional, foi um sistema celular, uma unica célula, com núcleo e todas as organelas. Mas esta célula era meio arrendondada, uma especie de bolota fechada dentro de uma capa membranosa. 3 ou 4 bilhões de anos depois esta célula se tornou um sistema humano. A forma arredondada se tornou alongada, surgiram os membros como braços, pernas, e os sensores primitivos da célula para sentir o mundo externo se exteriorizaram, tornando-se olhos, nariz, ouvidos…

Quando eu vivia isolado como ermitão no meio da selva amazônica, eu pensava muito nisso, depois que o Sol se punha, com os olhos ora indo da biosfera que me rodeava, ora ao céu límpido e mais estrelado do mundo. Não tinha tv, Internet, nem uma pessoa com quem conversar, nada a fazer, então tinha tempo para, literalmente, deixar meu corpo na rede e me imiscuir no meio destas duas tão diferentes dimensões do mundo externo, tentando senti-los por dentro para desvendar seus segredos, principalmente buscando o que havia no meio da matéria perceptível aos meus sentidos, daquele céu estrelado, que realizou esta fantastica façanha, de transformar um mundo de estrelas e planetas em uma célula viva, e depois num ser humano, como era meu corpo la’ embaixo.

Sentia que a coisa mais importante destes dois mundos estava escapando por entre minhas mãos, e se não a encontrasse, minha vida se esvairia sem sentido, inútil, como era a vida dos animais que me rodeavam na selva. Tinha que ter algo dentro da Natureza, no meio daquela matéria toda, que fosse dinâmica, imbatível, e com um proposito nos seus movimentos, um sentido, uma meta, para sua existência, senão, seria impossível explicar racionalmente este mundo. Mas o que poderia ser?!!

Então, numa destas ocasiões me imaginei pondo em cima da mesma mesa de laboratorio, o desenho do céu de estrelas, mais a primeira célula viva, e a seu lado, um corpo humano. E cheguei mesmo a quebrar um galho de arvore, fazer uma placa com uma folha de palmeira, colar um pedaço de cartolina na folha e escrever algo em letras grandes. O talo da placa foi amarrado `a mesa de maneira que em cima do corpo humano escrevi: “isto aqui…”, e em cima da célula escrevi ” veio daqui…”, enquanto em cima do céu estrelado escrevi: “… que veio daqui!

E mais embaixo em letras garrafais: ” Agora descubra como… o que fez isto!”

Claro que a resposta não poderia ser simplesmente, o DNA. Este era um efeito, e não a causa, o motor ou agente universal. Nem o acaso. Nem Deus. Não existe Magica. Ali estava a prova que não tem Evolução Cega, pois a vontade, os desejos, que estavam dentro daquela célula eram os mesmos desejos do mundo externo e seus meios-ambientes que se modelarem na mesma direcao da célula, justamente para um se encaixar no outro que o envolveria.

Bem que antes tentei todas estas hipóteses, mas descobri que para cada uma delas havia mais evidencias negativas que positivas. A resposta tinha que ser outra coisa, e esta coisa continuava oculta no meio das estrelas no alto, sussurrando no meio da escuridão da selva, pulsando e se movendo dentro da célula e do corpo humano. Mas o que e’ essa coisa oculta e tao misteriosa?

Em cima da mesa estavam os desenhos de uma célula primitiva, de uma galaxia, de um corpo humano, e as palavras de um mistério a resolver .

Sete anos depois o mistério estava resolvido. A força natural misteriosa foi detectada, e vindo não apenas das estrelas, mas dos momentos iniciais desde o Big Bang. Nunca vou poder provar a mim mesmo, que a coisa que encontrei foi a mesma que dirigiu aquela historia evolutiva de 13,7 bilhões de anos. Mas não importa. Porque e’ uma coisa que eu posso construir, e com ela eu posso começar de um Big Bang e depois de 13,7 bilhões de anos ter um universo e um corpo humano igualzinho aquele que representava o final atual da historia. Se foi Deus, se foi o acaso, se foi outro método, seja quem for, não me importa porque eu posso fazer o mesmo com esta formula, e ponto final.

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Então como a partir daquela célula primitiva foram aparecendo seus acessórios exteriorizados, se ela não era magica, e de fora dela tambem nada magico interviu?

Existe uma formula simples, natural, concreta. Mas nela já estão todos os requisitos necessários para projetar sua própria evolução ate’ chegar ao corpo humano, pois quando realizei mentalmente a construção da Historia, nada faltou nela para fazer cada detalhe do que existe hoje. Ela esta’ sob o processo da própria evolução. E sua vontade de evolução se explica porque ela quer retornar a forma de sua fonte, que e’ complexa. Assim como um espermatozoide quer voltar a forma de sua fonte originaria, que foi um ser humano, e trabalha incansavelmente com este proposito ate’ consegui-lo.

Esta formula chegou na superfície da Terra e construiu inicialmente para si, como ferramenta material projetando-se a si mesma, uma forma de átomos simples chamada ” molécula”. Ela começou tentando, experimentando e foi fazendo sua ferramenta pouco a pouco, a partir de moléculas que denominamos ” aminoacidos”. Ate’ que essa embriogênese de si mesma como forma materializada na Terra ficou pronta: era uma molécula composta de quatro nucleotídeos emparelhados lateralmente, horizontal e verticalmente, lado a lado, de maneira que, quando acionada pela luz ou energia solar… se punha a trabalhar como um robot faz-de-tudo. Este foi o building block que mais tarde iria se tornar todos os seres vivos e seus acessórios. Porque e’ a própria formula universal que já tinha construído os sistemas atômicos e astronômicos.

Nucleotideos e a Fórmula da MatrixDNA 2

A Fórmula da Matrix como "O Código Cósmico Humano" que veio através do DNA, do Sistema Celular e do Sistema Astronômico

A Fórmula da Matrix como “O Código Cósmico Humano” que veio através do DNA, do Sistema Celular e do Sistema Astronômico

Então quando um ser vivo, tal como aquele primitivo sistema unicelular quase arrendondado, oculto dentro de uma bolota simples e microscópica, precisa de um acessório qualquer para alcançar um objetivo para sobreviver e evoluir, não tem outro jeito de fazer este acessório senão o DNA fazer mais um novo building block e adiciona-lo `a pilha de nucleotídeos já existentes. Qualquer coisa que vai iniciar a ser feita, primeiro tem que fazer a formula e pô-la a trabalhar como sempre trabalhou, assim como quando queremos fazer um novo ser humano, primeiro precisamos fazer a sua formula, que e’ o genoma. Ela vai faze-lo automaticamente porem vai modelar o novo acessório, pelo mesmo motivo que a forma primeira no Universo desta formula começou a se modelar em diferentes formas e funções: uma onda de luz se expandindo, se infiltrando na substancia inerte e escura espacial, e como um rio, modelando-se em curvas, voltas, o que for necessário, para suas águas continuar fluindo, se expandindo.

Vamos então ver como surgiu o primeiro acessório naquela célula primitiva, que foi um cílio. O antepassado primeiro de bracos, pernas, rabos, pelos, cabelos, mãos de agarrar, etc. A célula precisava se mover na direcao de um grupo de átomos próximos que estavam formando um composto que continha o tipo de energia e massa que ela precisava para repor o que gastava na sua respiração, etc. Mas como bolota não tinha jeito de se mover e alcançar o ” alimento”. O lado da bolota mais próximo do composto de átomos sentiu extrema necessidade, extremo desejo, de se aproximar do composto. Toda a forca e energia da célula foi para ali, naquela região do seu corpo, canalizada. Por este canal chegou a formula projetada pelo nucleotídeo que o desejo criou. Na formula tem todos os requisitos para se fazer qualquer coisa neste universo.  Todos os mecanismos, todas as funções, e a capacidade para transformar estes mecanismos em tecnologia concreta, em aparelhos e instrumentos materiais. Assim como os humanos fazem hoje a tecnologia iniciada por um desejo, um imperativo de sobrevivência, de evolução, ou de bem estar.

Então era preciso uma extensão que ajudasse a célula se mover, Era preciso uma especie de tentáculo auto-movente, dirigido pleo nucleotídeo que era o cérebro primitivo da célula. E na formula, no nucleotídeo já existia o mecanismo, a função sistêmica para isso. E’ o próprio ” fio” desenvolvido por aquela onda inicial de luz, o leito por onde se esvai a água de um rio. Que na formula chamamos de circuito, o canal por onde passa o fluxo de energia/informação. Bastava alongar a membrana naquela região, mas não apenas isso, era preciso dotar a alongação de movimento próprio. Precisava então fazer uma especie de motor rotativo. E assim apareceu o que hoje conhecemos muito bem de motor ciliar. Porque na formula já existia a função de motor, ela já tinha feito este motor nas galaxias, constituído de um vórtice rotacional no núcleo da galaxia, um vórtice que mistura matéria com energia e ejecta tudo na forma de bolotas, as primeiras sementes do universo, que no caso eram sementes de novos astros celestes, planetas e estrelas.

ATP Sintase - How it Came From LUCA

ATP Sintase – How it Came From LUCA

Mas a formula contem sete partes, sub-ferramentas, porque ela e’ em si um sistema funcional completo, e estes precisam ter materializados as sete funções sistêmicas universais. Ora, para fazer aquele primeiro apêndice transportador e agarrador, um cílio, so’ precisava de aplicar duas das sete funções.

Mas e’ assim que a formula funciona. Ela tem que sempre ser a primeira coisa a se materializar quando um sistema, vivo ou não precisa de algum acessório ou sensor para se manter funcionando. Ela se materializa e se situa na região e onde deve sair o acessório. A partir dai ela começa a trabalhar, dirigida pela vontade do novo par de nucleotídeo que e’ ela mesma no centro do sistema. O cérebro. Se quando usou apenas duas de funções, o desejo se satisfez, a necessidade foi satisfeita, ela para de trabalhar. Como que recolhendo as ferramentas que ela levou para o trabalho mas que não precisaram serem usadas. E foi assim ao fazer os bracos, as mãos, as pernas… As vezes o novo acessório necessário e’ muito complexo. Como são os olhos, o sistema da visão. nestes casos ela talvez tenha que usar e aplicar todas suas funções, mas não apenas isso, ela tem que ,misturar, somar funções para criar ferramentas intermediarias. Assim como para tirar o pneu de um carro e’ preciso o macaco para levantar, a chave de roda para os parafusos, etc. Misturando suas sete funções, ou apenas duas, três, ela consegue o que chamamos de “fuzzy logics”, ela faz tudo o que precisa ser feito.

Então assim se explica o DNA como sendo uma ” pilha” de nucleotídeos, que dependendo do tipo de ser vivo, pode crescer infinitamente. Na verdade o DNA e’ uma pilha de unidades de uma formula. Por ser mais primitivo que o cérebro, o DNA não pode usar uma so’ unidade da formula para controlar todos os acessórios, como o cérebro faz com o corpo todo; o DNA precisa de uma unidade de “cérebro” para controlar cada detalhe do corpo.

Se eu não tivesse descoberto esta formula, nunca teria resolvido o mistério naquela naquelas noites que via ou pensava nas diferenças entre as mãos do macaco, as patas da capivara e as minha próprias mãos. Como foi a evolução daquele cilio inicial e porque se derivou em tantas formas diferentes? Com a formula na cabeça pela primeira vez na vida botei minhas mãos perante meus olhos e pela primeira vez na vida percebi que a palma da mão imitava – no sentido da evolução e no trabalho da formula – a minha mãe gravida, o dedo mindinho representava a minha forma quando era um baby, depois o dedo seguinte era o adolescente… ate’ ver no polegar encurvado e desajeitado como sera’ a ultima forma do meu corpo. Ali nas minhas mãos estava a historia da minha vida, do meu ciclo vital. Porque a formula foi montada assim. Cada peça, cada função foi surgindo do aprimoramento de uma forma anterior, ela toda e’ uma a historia de um cilo vital Assim ela contem o código que imprime vida na matéria inerte. Assim ela fez meus braços, minhas pernas, assim ela fez de mim, uma nova e ultima forma do universo, mas um universo que agora caminha… esvaindo-se pelas frestas dentre os obstáculos rumo ao retorno `a fonte paterna e materna que me gerou desde aquela primeira onda de luz. E quando pensei na luz, voltei a olhar para minhas mãos para agora descobrir que ela conta nao apenas a historia da minha vida, mas tambem a historia da vida inteira do Universo, como esta delineado na figura a seguir. Sagrado seja o cérebro humano que foi o primeiro nesta historia a despertar este universo como auto-consciente de sua própria existência.

Maos Pela Formula da MatrixDNA

Os Insights que Fizeram a Historia da Matrix/DNA Theory

quinta-feira, junho 4th, 2015

xxxx

Matrix/DNA: O template para todos os sistemas naturais, de átomos a nucleotideos a galáxias e células. O circuíto energético padrão.

Matrix/DNA: O template para todos os sistemas naturais, de átomos a nucleotideos a galáxias e células. O circuíto energético padrão.

Este desenho rude e tosco porque foi feito com lápis e papel sentado num tronco de arvore caído a beira de um pântano na selva amazônica em 1983 foi o corolário da minha investigação como filosofo naturalista na selva. Para chegar a esse desenho houve um método com vários passos;
1) A firme intuição de que o primeiro ser vivo completo e funcional ( a primeira célula viva) a aparecer na Terra foi produzido por um sistema natural porque a célula já e’ em si mesma um sistema completo e funcional e com a capacidade de reproduzir-se em copias.
2) O sistema misterioso porque desconhecido que gerou o primeiro sistema celular tinha que ter estado naquela sopa primordial na Terra onde apareceram os primeiros aminoácidos. Mas os sistemas existentes e conhecidos antes da célula eram o átomo, o sistema solar, e as galáxias. Todos não-vivos, não-biológicos, a não ser que ainda não conhecemos totalmente o que são aqueles sistemas. E nenhum preenchia os requisitos necessários para ser o ancestral gerador da célula. Então teria que ter existido um outro sistema que seria evolucionariamente um meio termo entre o vivo e o não-vivo, ou seja, um elo entre o mundo inorgânico e o mundo orgânico. Como procurar este sistema…
3) Colocando sobre uma mesa ( no caso foi um tronco de arvore e algumas pedras da selva) todos os sistemas não-vivos e todos os sistemas vivos na linha evolucionaria que sugere a teoria darwiniana, notei que a Historia Universal da Evolução estava quebrada em dois blocos – a Evolução Cosmológica, desde o Big Bang, as partículas, os átomos, as galáxias, os sistemas estelares – e no segundo bloco  – iniciando com aminoácidos, vírus, células, plantas, animais, homens e auto-consciência – e não havia nenhum elo entre estes dois blocos, então ali devia estar localizado o sistema misterioso que procurava, meio-vivo e meio-não-vivo.
4) Calculando a evolução total na direção certa do tempo ( Do Big Bang aos dias de hoje) e ao mesmo tempo a evolução no sentido inverso ( de hoje regredindo ate o Big Bang; aplicando o método da anatomia comparada entre todos estes sistemas, projetando numa folha as similaridades e noutras as diferenças, a o mesmo tempo ainda aplicando o relativismo onde se enxerta no sistema maior o que vemos na superfície do menor para calcular a superfície não vista do maior, e vice-versa para se calcular o que não vemos no interior dos menores, com tudo isso obtive num quadro a parte a anatomia do sistema elo desaparecido, ou seja, o retrato falado do procurado. Mas muito tempo procurando na biosfera amazônica ou tentando detecta-lo na dimensão astronômica e o resultado parecia impossível.
5) Retornando aos desenhos no tronco da arvore e refazendo tudo para ver se havia errado em algum calculo fui notando que um padrão se repetia em todos os sistemas. Era o circuito interno de energia/informação que conectava todas suas partes. Ele tinha a mesma forma em todos os sistemas – a forma igual o símbolo chinês do I Ching, aquela esfera cortada ao meio por uma linha curva, sendo que a metade esquerda e’ preta com uma bolinha branca num lado, e a outra metade e’ branca com uma bolinha preta no outro lado. Extrai fora este circuito e notei que a medida que o  fluxo de energia/informação avançava, as partes iam se transformando… exatamente igual ao corpo humano quando avança o seu tempo medido em suas idades, seu corpo vai se transformando. Esta peculiaridade dos sistemas vivos ocorre devido a uma forca que denomino de ciclo vital e aquela constatação sugeriu que também os sistemas não-vivos estão sob a ação da mesma forca. Isto significava que não fazia sentido separar os sistemas naturais em vivos e não-vivos pois era apenas um caso de evolução da complexidade da vida desde o Big Bang.
6) Retornando ao retrato falado remexi-o aplicando a forca do ciclo vital no seu circuito e numa destas tentativas os sete tipos de astros conhecidos se encaixaram perfeitamente numa sequencia racional que bateu com o retrato falado. Então o sistema misterioso era uma galáxia completa com todos os seus tipos de astros e funcional, no sentido que ela “vive” e se reproduz. Mas o modelo de galáxia que tinha em mãos não era o modelo oficial acadêmico. Estudando a diferença entre os dois notei que a mesma configuração do retrato falado também se aplicava a um par lateral de nucleotídeos que e’ a unidade fundamental de informação do DNA, ou seja, os seus building blocks. Então o que eu tinha em mãos não era uma galáxia mas sim os seus building blocks, e o DNA não era uma exclusividade dos vivos pois suas formas ancestrais vinha desde o Big Bang estando presente de átomos a galáxias. Já não fazia mais sentido denomina-lo DNA como uma entidade biológica, porque ele era apenas a face biológica de algo universal, uma matriz, por isso denominei a formula de Matrix/DNA.
7) Nos últimos 30 anos tenho estado a testar os modelos desta teoria com os novos dados científicos que vão sendo obtidos no dia a dia e registrados como papers, e como a maioria destes novos dados já estavam previstos na formula ( já são cerca de 1600 previsões corretas) achei que devia vir a publico pedindo ajuda porque estava com uma bomba atômica nas mãos e não sabia o que fazer com ela…
Ainda existe a possibilidade de que talvez seja uma bomba falsa e um dia desapareça no ar num mero “puf”. Mas naquela madrugada e sob a luz da fogueira quando identifiquei o retrato falado neste desenho com algo que pressenti existir no meio daquele céu exuberante estrelado que só da selva se pode ver, eu gritei ” Eureka” e pus-me a chorar como uma criança. Ninguem pode imaginar aquela sensação onde a historia de 13,7 bilhões de anos do universo inteiro se desenrola da frente para trás e de trás para a frente na sua mente a’ velocidade da luz…

xxxxx

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Esta e’ a primeira vez na historia da Humanidade que se sugere existir uma formula universal que a Natureza sempre usa quando desenvolve uma nova forma de sistema natural, de qualquer acessório para sistemas existentes, e quando move elementos pelas regras dos ciclos vitais. Ela foi descoberta ao notar-se um padrão repetitivo do circuito interno dos sistemas naturais e seus acessórios – tais como células, cérebros, galáxias, átomos, mãos humanas e ciclos como uma vida humana ou o ciclo do colesterol, etc. –  por onde corre o fluxo de energia/informação que forma as partes do sistema e depois torna-se a entidade do sistema. Trata-se de um diagrama algorítmico de software do tipo mais simples, porem que contem em si os princípios das propriedades mais complexas desenvolvidas na Natureza. Por exemplo, quando esta formula forma o buildingblock dos sistemas astronômicos galácticos, as sete funções tornam-se os sete tipos de astros conhecidos e com um funcionamento mecânico simples executa um sistema reprodutor sexual, onde o astro na F4 torna-se o elemento macho, o astro na F5 torna-se o transportador das informações em F4 levando-as a F1 que executa as funções femininas da procriação, e assim o sistema se auto-recicla perpetuamente. O primeiro estado desta formula detectado no Universo foi como uma onda de luz emitida pelo Big Bang para penetrar a substancia inerte do espaço e nele inserir os  movimentos e o código dos sistemas que e’ o mesmo código da Vida.

xxxxx

( Inserir aqui a figura da onda de luz)

Após as descobertas da formula universal para sistemas naturais e ciclos vitais, e a configuração de cada sistema natural por essa formula, percebi que suas origens remontavam as origens do Universo. Também havia notado que a própria formula esteve sujeita ao processo da evolução, tendo surgida na sua forma mais simples e desde então evoluída para formas cada vez mais complexas, como e’ o caso agora desta nova forma do sistema universal que estamos denominando de auto-consciencia. Procurando dentre todos os elementos e forcas naturais que deviam existir nas origens do Universo, o que poderia ser e como seria o estado desta formula, acabei por descobri-lo numa simples onda de luz natural. Desde a fonte da onda ‘a esquerda do desenho, passando por gamma-ray, X-ray,…ate a onda se fragmentar em fótons depois de radio, a sua intensidade e estado de energia se transforma na mesma sequencia que um corpo humano sofre suas transformações de forma desde a fonte que e’ o útero materno, passando pelas formas de bebe, criança,… ate o cadáver se fragmentando em pó . Ora, já havia antes percebido que a Natureza cria um novo sistema natural apenas aplicando o processo do ciclo vital sobre um corpo inerte existente. O avançar do fluxo de energia/informação no circuito interno do sistema e’ o mesmo avançar do tempo de um corpo biológico,  o que significa que todos os sistemas naturais são construídos pela forca do ciclo vital. Se uma simples onda de luz natural avança pela mesma sequencia, significa que ela também esta sob a forca do principio vital, ou então, ela e’ a criadora e transportadora do ciclo vital. Transportar o ciclo vital e’ transportar o código genético da Vida e ao penetrar a substancia de matéria escura do espaço universal a onda de luz imprime nesta a propriedade dos movimentos e da Vida. Portanto, a luz foi a primeira manifestação da formula da Matrix/DNA no Universo. O Big Bang deve ter emitido uma intensa onda de luz que se expandiu levando a semente dos sistemas naturais e da vida a todo o espaço sideral. Assim como o encontro entre os genomas masculino e feminino deflagra uma rápida multiplicação de células que leva uma nova vida a todo espaço ocupado pelo oceano amniótico dentro do útero materno. E assim, assistindo a cena do momento inicial da origem de um novo corpo humano, estamos assistindo a forma mais complexa que reduzida aos seus princípios e’ a mesma cena da origem do Universo.