Posts Tagged ‘Darwin’

Porque Evolucao nao existe – Extenso e completo relatorio por criacionistas

domingo, fevereiro 25th, 2018

xxxx

A teoria da Matrix/DNA tem sugerindo que a teoria da evolucao e’ mais correta do que a teoria religiosa da biblia, apesar de que a Matrix faz uma complete reformulacao da teoria da evolucao sugerindo que a teoria de Darwin e mesmo o modern darwininismo esta muito incompleto. Aqui vai um texto escrito por pastores criacionistas para mostrar o que pensam da evolucao. Bom sera ver os comentarios a seguir que sao um alerta contra a impressao causada pelo artigo.

http://www.cornswalled.com/2014/02/the-wasted-career-of-charles-darwin.html#more

E-bbok na Amazon:

https://www.amazon.com/The-Wasted-Career-Charles-Darwin-ebook/dp/B00ICSZ5N4/

Friday, February 7, 2014

The wasted career of Charles Darwin

 Update by Peter Cornswalled:

Pursuant to the wishes of my late brother, Alexander, his extensive body of writing will be published. This article is now available for your Kindle in both English and Spanish

The original author of this article has granted me permission to publish it, but has asked that his name not be connected to it, do to left leaning ideologies that have subsequently infected his thinking.

In the late 1800’s Charles Darwin introduced his now infamous book, The Origin of Species. This work introduced what is now known as Darwinian evolution. Evolution however was nothing new, “The Greeks believed in a form of evolution,” centuries before the birth of Jesus Christ. (Ham, 100) The Origin of Species was destined to change the course of history and cause the re-evaluation of Victorian morality. It would be said that the evolutionary model “Helped make atheism respectable.” (Ham, 85) The assumptions necessary to support the evolutionary model would weaken science and result in the bias of a scientist and not the facts determining the results of experiments and field research. It would compel Cesare Lombroso to form a criteria for the identification of the criminal element based upon physical characteristics such as the subject’s brow ridge and eye shape. Darwin’s model would be applied to the business world to justify ruthless business tactics and excuse, even glorify, maltreatment of the lower classes. It would penetrate the religious community and result in the formation of the theocratic evolutionists. Finally, it would allow society to remove God and his moral absolutes. This final result would cause the persecution of Christian values and beliefs and the formation of numerous misconceptions about Christianity. The resulting removal of moral absolutes would legitimize abortion and prompt so-called “mercy killings” and provide a new basis for racial prejudice. The Evolutionary model of origins would impact not only science, but criminology, business, religion, and basic morality.

When The Origin of Species was published in 1859, it was not the only incident of importance. Japan had unwillingly ended it’s self imposed isolation only five years earlier. A war between Great Britain and Persia Had been over for three years. France went to war against Austria, and won that war the same year. The construction of the Suez Canal began, and the first American oil wells were drilled. The American Civil War was a mere two years away. It was far from being an inactive period in world history.

To truly comprehend the consequences of the evolutionary model one must first see the misinformation and false trails that lead Darwin to construct this model of origins. Darwin’s education included study in the department of Theology at Cambridge University, from which he graduated in 1831. The dogma taught at this university included several erroneous interpretations of Biblical data and concepts contrary to both the Bible and science. One fallacy Darwin was taught as fact was the idea that the Genesis account of Creation stated that reproduction within the created types, or baramins, was comparable to “Pennies from a mint.” (Marsh, 136) This theory was discarded around 1400 AD., when the more accurate variation within created types was realized from both science and the Biblical record. Despite the dethroned status of this theory it was taught as fact to Darwin. Needless to say, he would find it to be inaccurate as he proceeded to examine the scientific data. Frank Marsh records the second fallacy in his paper, The Genesis Kinds in the Modern World. “At Cambridge, Darwin was also taught that all modern forms of plants and animals had been created and set down in the very pattern of geographical distribution in which we find them today. Actually there is no scriptural ground for this latter teaching.” (Marsh, 138) Not only does this concept find no support in scripture, but it is in direct opposition to the story of Noah’s flood. Darwin found nature to completely disprove the theories he had been taught at Cambridge regarding the origin of the Earth and thought the Bible disproven as well. This led him to conclude that life had arisen by natural processes without the aid of God. He then constructed a model of the most likely way this could of occurred, a model he recorded in The Origin of Species. The great tragedy of this is Darwin’s failure to examine the Bible for himself. Not until his declining years did he study the Bible he had thought disproven. Not until then did he realize the delusions that he had disproven were not in the Bible at all. For more information on Darwin’s later rejection of his own model see “Did Charles Darwin Become a Christian?” by John W. Klotz, and Wilbert H. Rusch, Sr. Volume 29, Number 2 of the Creation Research Society Quarterly (CRSQ in Bibliography) contains updated information.

The flawed origin of the evolutionary model gives rise to difficulties. Anyone who attempts to account for the numerous flaws present in the model must realize that Darwin himself later recanted of his own accord. One must also realize these flaws are presented only in the highest levels of the current education system, and information on them is made available only to those who go to great lengths to find literature dealing with these flaws. This brings us to the first flaw of the model. Modern educators present the Evolutionary model as a proven fact, as a law of nature. This is both misleading and inaccurate. The two current models of the Earth’s origin are Creationism and Evolutionism, neither of which is directly subject to the scientific method. In order for something to become a “fact” or a “Law of nature” it must be subjected to the scientific method. This requires the formation of a hypothesis that is tested. As both origin models are belief systems about past events they cannot be tested, and thus can be neither proven or disproven. They are models, a system of beliefs from which predictions can be made and tested. These predictions can then be used to determine which model fits the observed data better. They are both models, not facts or laws.

Another one of the flaws involved in the evolutionary model entails the mechanism of evolution, the driving force behind this “onward and upward” process. Darwin originally attributed this function to use and disuse. The idea was simple, a man exercises, building up his muscles. These enlarged muscles would be passed on to that man’s children. The problem with this is easy to see in the light of modern genetics. No mater how much he could bench press, the man could not change his DNA. “Traits acquired by use and disuse just don’t affect heredity.” (Morris and Parker, 94) Those who still clung to this outmoded concept were subsequently dubbed Darwinists, and those who accepted the next proposed mechanism of evolution were called Neo-Darwinists. Under use and disuse natural selection served only to weed out the weak and maintain the status quo, the same position assigned natural selection since Creationists first described it fifty years before Darwin; use and disuse were relied upon to provide the upgrades.

The mechanism proposed by Neo-Darwinists upgraded natural selection to a more prominent role. Random mutations in the germ cells provided the raw material for evolution and natural selection chose the most beneficial ones. However this provides no true method of betterment. Random chance was the only way to produce an upgrade and provided the only material natural selection had to work with. The major flaw with this is the lack of time. Even the billions of years postulated by evolutionists is not enough time to evolve a Hydra, let alone a human being. This allowed the formation of the Post-Neo-Darwinists. This group accepts the basic arguments of the Neo-Darwinists with a few changes. Essentially, as this new group postulates, evolution is not the slow, painstaking process that was previously thought, but a rapid process taking place in isolated populations. The accelerated pace of this most recent development explains the absence of transitional forms in the fossil record, and allows an age in accordance with Creationist’s research. Numerous Post-Neo-Darwinists are also young-earth evolutionists, individuals that accept Earth ages as young as 10,000 years, while supporting evolution. This level of fluctuation is sadly typical of proponents of the evolution model.

To further illustrate the negative effect of Darwin’s model on science witness the example of the Monera classification. In order for evolution to take place there must be an organism to evolve. One of the major problems of the evolution model is, and will remain, the origin of the first living organism. Such an organism must come from non-living mater, a process known as abiogenesis that was disproven by Louis Pasteur. In 1868 one of Darwin’s strongest supporters, Ernest Haeckel wrote a lengthy paper about organisms he classified under the family name Monera, these organisms were later reclassified as Protisa. The Monera classification was originally created to bridge the gap between living and non-living matter. In 1868 Thomas Henry Huxley wrote an extensive paper entitled On Some Organisms Living at Great Depths in the North Atlantic Ocean the paper was as long-winded as the title. These “Organisms” consisted of mud dredged from the bottom of the North Atlantic Ocean and preserved in alcohol. Huxley classified the protoplasm-like substance as two distinct species and declared them the “missing link” between living and non-living matter. This status for Huxley’s organisms continued to be accepted as the first solid proof of evolution until 1872, when a scientific expedition revealed the material Huxley and numerous supporters had hailed as living to be lifeless mud. The appearance of protoplasm had arisen from a chemical reaction that occurred when the dredged mud was placed in a strong alcohol solution. The gelatinous mass was a precipitate of lime. The first conclusive evidence of this was provided by J. Y. Buchanan and is recorded in volume 24 of the Proceedings of the Royal Society of London, 1876. (Rupke, 182) It does not take much knowledge or wisdom to see the incredible error that takes place when lime is mistaken for a living organism. The involvement of the evolutionary model can be clearly seen upon the examination of Huxley’s goals. He was nicknamed “Darwin’s Bulldog” because of the extreme methods he used when supporting the evolutionary model. The organisms described in Huxley’s paper was the end result of a long and torturous search for the missing link the Monera classification would of provided.

A more modern, and more disheartening example of the model’s influence on science can be seen in the hunt for the ancestor of man. Note Nebraska man, built from one solitary tooth. When the jawbone that fit the tooth was discovered, the jawbone and the tooth were revealed to of come from an extinct species of pig. (Gish, 187-188) Piltdown man was a hoax, there is no existing fossils of Peking man, and Nethanderal man was re-classified as fully human in the mid-1960’s. As J. Hawkes stated in volume 204 of Nature magazine, “It still comes as a shock to discover how often preconceived notions have affected the investigation of human origins.” (Gish, 189) Not only does it effect the “investigation of human origins” but all aspects of science, no matter if the harmful bias is admitted or if it is concealed. The integrity of the scientific community has also been weakened by the irrational assumptions made by scientists in support of the evolutionary model. Varves, for example, are generally used as a method of determining the ages of the rocks containing them. “A varve is generally defined as a sedimentary lamina or sequence of lamina deposited in a still body of water in one year’s time.” (Oard, 72) In other words, the layers of sediment that form at the bottom of a lake or pond. These layers are alternately light and dark in color. The light layer is supposedly put down in summer, and the dark layer in Winter. One set of layers equals one varve. The assumption made is that one varve has been put down in one year, and there are no gaps in the record. The error in this conjecture becomes apparent when we see examples of multiple varve deposition per year. 360 varves were deposited in a 160 year time span in Lake Walensee, Switzerland and 42 were deposited in a 30 year time span in a Norwegian Glacial lake. (Oard, 76) This is illustrative of the type of difficulties faced by this method. Floods, droughts, and temporary isolation of still bodies of water can also play havoc with varve chronology.

Another example of unreasonable assumptions made by evolutionists is the various methods of determining the age of rocks. The most common method is determining the ratio of parent atoms to daughter atoms in radioactive decay. “The use of radioactive decay as a basis for absolute age determination involves the premise that a parent element decays at a known rate, which remains constant, into a daughter element.” (Acrey, 73) Scientists also assume the sample contained no atoms of the daughter element at formation, or at least a known ratio of parent atoms to daughter atoms. The various methods of ratio measurement are generally identified by the elements measured. The Lead:Thorium and Lead:Uranium methods (Both Uranium and Thorium decay to form lead) are invalidated by “Selective uranium leaching by acid waters” and the fact that “Most radioactive minerals contained some lead when they formed.” (Acrey, 73) The Lead:Alpfa method is unreliable because “So many of the Earth’s minerals have unknown proportions of thorium and uranium.” (Acrey, 73) This pattern holds true for all the lead, uranium, Carbon-14, and Fluorine methods that exist today. It is worthy of note however that the Fluorine method is useful in determining the order in which fossils were deposited at individual sights. The Carbon-14 method is considered accurate to a maximum age of 10,000 years when used on organic material. This is a theoretical maximum that arises from the fact that the amount of Carbon-14 that would be present in older samples would be so minute that the test’s margin of error would exceed the remaining sample.

Efforts to support evolution have been the source of numerous problems. For example the theory of atavism. According to this theory “some individual animals, including humans, at times revert back to an earlier evolutionary type”. (Bergman, 33) This theory is known as the human atavism theory when applied to H. Sapiens. “A tragic example of the use of evolution by another field was its uncritical acceptance into the field of criminology.” because of its “tragic consequences for multi-thousands of persons.” (Bergman, 33) The human atavism theory was applied to criminology by Cesare Lombroso, the first person to apply science to the field of criminology. Lombroso was conducting an autopsy on a famous criminal when he decided the subject bore a striking resemblance to an ape. In 1878, two years after experimentation put the Monera fallacy to rest, he published an interesting theory in a book he entitled The Criminal Man. The theory was simple, Lombroso postulated that criminals were evolutionary throwbacks to the savage state. This concept would have been relatively harmless if it were not for the manner in which Lombroso had it implemented. He encouraged a modification of the legal system that would dispense punishment based not upon the severity of the crime, but the “advanced” or “primitive” status of the criminal. Lombroso’s theories were used to create the descriptions of the basic criminal type. An enlarged brow for example, or pointed as opposed to curved earlobes designated an individual as savage and unreliable. Lombroso proudly relates instances where his analysis and testimony determined the verdict of trials, and laments the instances in which he failed to make a difference. He wanted those who had no characteristics that could be traced to atavism to be spared punishment for crimes as severe as murder because of their innately good nature, while those who displayed evidence of being throwbacks should be disposed of for the most trivial offenses. In essence, Lombroso would have a “modern” man who murdered his wife fined and released; while a “primitive” man would be executed for shoplifting. This is not an exaggeration, this is the kind of reform Lombroso and his supporters wanted. The connection between physical and behavioral characteristics was central to Lombroso’s theories, yet this assumption was contradictory to basic genetics. The concept of atavism has since been discarded, as an atavism could occur only if the mutations that supposedly cause evolution replicated genetic data previously purged from the gene pool by natural selection, as there is not enough DNA to encode discarded traits. Such a mutation, were it to occur, would subsequently be classified as a harmful mutation, and not an atavism. Despite the demise of the atavism theory Lombroso’s concepts live on. Whenever one hears about “The criminal face” or a defense lawyer asks a jury if “That is the face of a murderer”, Lombroso, and his disproven concepts, are being glorified.

The theory of human atavism is not the only portion of evolutionary thought to escape the confines of science. “Application of the principal of ‘survival of the fittest’ to human affairs came to be known as social Darwinism.” (Davidheiser, 338) Essentially the poor were regarded as weak and deserving of death. This was also used as the justification for unfair and cruel business practices. The stronger businessman would have a job when it was over, and the unfit one would be unemployed. James J. Hill in an explanation of his motives said, “The fortunes of the railroad companies is determined by the law of survival of the fittest.” (Hofstadter, 45) Robert E. D. Clark was speaking of Social Darwinism when he said, “Evolution, in short, gave the doer of evil a respite from his conscience. The most unscrupulous behavior towards a competitor could now be rationalized; evil could be called good.” (Davidheiser, 339) Therein lies the true evil of Social Darwinism, not only did it excuse evil, but glorified it.

The application of pseudo-science had other repercussions in society. It provided a new excuse for racism. Terms such as “White man’s burden”, pan-Slavism, and pan-Germanism came into being, each one praising the superiority evolved status of the respective races. Pan-Germanism was used by Hitler to build support for his political agenda. It has been rumored that Hitler died claiming the Slavic peoples had proven themselves stronger in World War Two, nearly a century after Darwin published The Origin of Species. Evolution, and its removal of God was one of the major supports for Marx and Stalin in their removal of God from their communist nation. The final mockery of Social Darwinism was Darwin’s apparent rejection of it. Social Darwinists were further mortified by the embarrassment they caused to responsible scientists. (Davisheiser, 338 and 342)

The force with which evolution was touted as truth with the weight of men such as Lombroso and Huxley behind it soon forced the population to conclude that evolution was true, and blinded them to it’s status as an alternate interpretation of the existing data. This resulted in an attempt by religious leaders to mesh the science of God with the science of atheism, to conform to secular ideals. This is akin to mixing oil with water. As a result non-theistic Christians and theistic evolutionists developed from the Creationists. Non-theistic Christians reject the divinity of Christ and the existence of God, regarding the Bible as a quaint collection of advice. Jesus Christ is called a “good teacher”. The problem with this is Jesus claims to be God. A reading of the Gospels will reveal Jesus is one of three things. He is either a liar, a lunatic, or he is exactly who he claims to be. There are no other options. Theistic evolutionists attempt to blend evolution and the Bible by claiming God used evolution to Create the Earth, the first 11 chapters of Genesis are regarded as poetry. This group eventually finds itself unable to trust the Bible. The final group are the Creationists, of which the author is a member. We recognize that evolution is an attempt to explain the universe from an atheistic viewpoint. It is not “Religion vs. Science” as some would have us believe, but “The science of one religion vs. the science of another religion.” These definitions are independent of other denominational separations. All three groups are represented in each of the subdivisions that make up the Christian faith. Remember, evolution is the science of atheism, and atheism is a religion that denies the existence of God.

Earlier on I mentioned that “Evolution helped make atheism respectable.” (Ham, 85) This is an accurate statement. Not only did it make evolution respectable, but it made theism detestable. The separation of Church and state, originally intended to prevent the government from regulating religion, has since been twisted to ban the teaching of the Christian values upon which this nation was founded. The founding fathers must be rolling over in their graves. Biblical values are not tolerated, they are despised and ridiculed. The Church has come under fire for refusing to permit gays to become ministers, despite the fact that the Bible strictly forbids homosexuality. “Do not lie with a man as one lies with a woman; that is detestable.” Leviticus 18:22. Chapter 20, verse 18 of the same book orders all homosexuals be put to death! Remember, in the early days of the government, when the founding fathers were still alive, and for decades after their deaths, the supreme court cited the Bible as a precedent in court decisions! The debasement of the Bible was the direct result of the evolutionary model of origins. Once people believed there was no God, the Bible lost its authority. When the Bible lost its authority, the moral absolutes it contains lost relevance. The removal of Christianity and the values it represents from schools has resulted in entire generations growing up knowing nothing about Christianity. This has resulted in the formation of numerous misconceptions about the Christian faith. Not only does the school system arrogantly, and inaccurately proclaim the Bible disproven, but has reduced the Christian to a “goody two shoes” trying to earn salvation. Christians do not earn salvation. No amount of good works can save a human soul. “For all have sinned and fall short of the Glory of God.” Romans 3:23. Salvation is a gift from God. We are saved by grace, not our actions. It is not what you do, but what you believe.

There have of course been repercussions in the secular society. The removal of God and his moral absolutes has resulted in an increase in numerous social ills. Evolution regards humans as nothing more that animals, and as we kill an unwanted animal, and put suffering animals to death, why not do the same to humans? If there is no Creation to be the pinnacle of, then we are not the pinnacle of God’s Creation. This has resulted in the debasement of human life. Life is no longer considered sacred by society, and this has resulted in two great evils, abortion and assisted suicide. Before Darwin the only moral issue that arose when someone considered an abortion was what the Bible says. The Bible makes it very clear that a fetus is not potential life or a non-viable tissue mass, but a living human being with a soul. “If the fetus is human life, that trumps any argument you can make about the individual rights of the mother.” (Limbaugh, 55) Once the status of the fetus was up for grabs, the result of the rejection of Biblical law, such asinine arguments as “freedom of privacy” were used to allow this wholesale slaughter to take place. The same thought processes apply to those with painful illnesses. If we are no more than animals, and we put animals to sleep, then why not put people to sleep? Jack Kevorkian, AKA “Jack the Dripper” (Limbaugh, 60), has applied this logic to humanity. It may be against the values of the majority, but it is in perfect harmony with the evolutionary model. Another result of Darwin’s coup has been a new foundation for racism. Before Darwin those intent upon discrimination read questionable justification into Biblical text. After Darwin the claim was made that whites were the most evolved race and all others were seen as inferior, lower on the evolutionary scale. It was Lombroso’s discrimination all over again, and was strongly influenced by Social Darwinism. Non-whites are now described as lower life forms, not yet evolved to the point of being fully human. The problem with this logic is, if we are all animals anyway, how can we say that one group is more evolved then the other? Moreover, what special treatment does being human earn us in the animal world? The implications of such logic are staggering.

Evolution, the most influential concept in the modern world truly has influenced us far beyond the realm of science. Darwin’s atheistic model of origins has had serious repercussions. The methods used to guess the age of the Earth, and the very formation of the model itself display the negative effect it has had on science. Lombroso and his work show the damage the model has done to criminology. The fruits of Social Darwinism were truly bitter, including communism, nazism, and monstrous business tactics. Religion has been ridiculed and defamed by the misconceptions its isolation has produced. Abortion is evidence of the feel-good attitudes spawned by Darwin’s model, and Dr. Death displays the disregard with which human life is held. Finally, Darwin has produced a new basis for racial hatred.

To all those who still think Darwin’s great coup has been a force for good, there is one final quote: “Well, if you are a product of chance, your brain is a product of chance. Therefore, the thought patterns that determine your logic are also the products of chance. If your logic is the result of chance processes, you can’t be sure it evolved properly. You can’t trust your own logic.” (Ham, 26) Remember, one of the most basic tenants of evolution is that all life it the product of chance.

Bibliography

Acrey, D. O. Problems in Absolute Age Determination. Creation Research Society Books. Kansas City. 1990

Bergman, Jerry. The Biological Theory of Atavism: A History and Evaluation. CRSQ. June 1992, vol.29 No. 1 Pages 33-44.

Darwin, Charles. The Darwin Reader. Charles Scribner’s Sons, New York. 1956

Farb, Peter. Humankind. Houghton Mifflin Co. Boston Mass. 1978

Farrington, Benjamin. What Darwin Really Said. Schocken Books, New York. 1982

Gish, Duane T. Ph.D. Evolution: The Challenge of the Fossil Record. Master Books, El Cajon. 1985

God. The Holy Bible. Concordia Publishing House, St. Louis MO. 1984

Ham, Ken The Lie: Evolution. Master Books, El Cajon CA. 1987

Hardin, Garrett. Science, Conflict, and Society. W. H. Freeman and Co. San Francisco. 1969

Hofstadter, Richard. Social Darwinism in American Thought. George Braziller inc. 1969

Klotz, John W. and Rusch, Wilbert H. Sr. Did Charles Darwin Become a Christian? Creation Research Society Books, Norcross. 1988.

Lammerts, Walter E. Scientific Studies in Special Creation. Creation Research Society Quarterly Books. Kansas City. 1990

Limbaugh, Rush. The Way Things Ought to Be. Pocket Books, New York. 1992

Marsh, Frank Lewis. The Genesis Kinds in the Modern World. Creation Research Society Books. Kansas City. 1990

Morris, Henry M. and Parker, Gary E.. What is Creation Science? Master Books, El Cajon, CA. 1987

Newman, Robert C. The Darwin Conversion Story. CRSQ. September 1992, vol.29 No. 2 Pages 70-72

Oard, Michael J. Varves-The First “Absolute” Chronology. CRSQ. September 1992, vol.29 No. 2 Pages 72-80

Roth, Charles E. The Most Dangerous Animal in the World. Addison Press, Reading Mass. 1971

Rupke, N. A. A Summary of the Monera Fallacy. Creation Research Society Books. Kansas City. 1990

von Fange, Erich A. Ph.D. Genesis and the Dinosaur. Living World Services, Syracuse, IN. 1990

Webster, Noah LL.D. New Concise Webster’s Dictionary. Unisystems Inc. New York. 1984

Zimmerman, Paul A. The Spontaneous Generation of Life. Creation Research Society Books. Kansas City. 1990

 

Corny’s biggest fan said…
good post but one thing…

where’s the continued venom about Distorted View and TIm Henson ?

me thinks you’d get more exposure by taking on DV again

C.B. Walker said…
“Evolution helped make atheism respectable”?

This is just my opinion, but I believe that most Christians would respect a “saved” child molester more than a harmless atheist. Atheists seem have very little respect in general, and in my experience, touting evolution hurts that even more. Wouldn’t evolution make God more respectable? The notion that He set events in motion billions of years ago, in such a way as to achieve the universe as it is now, is beyond incredible. To simply “create” the final product would be like playing a video game with all of the cheat codes on hand.

Aside from that, the evolution versus creation debate just seems to distract us from a bigger problem anyway—government schools. Everybody who pays property tax funds the government school system. Creationists dislike evolution because they would rather not fund the teaching of evolution and vice versa. As a creationist, you should not be forced to fund a system that would teach your children evolution. Just as someone without children should not be forced to pay for another’s child’s education.

Anonymous said…
Wow, I can not believe how well he completely disproved evolution using science based in the 1800’s and without listing a reference written in the last 10 years. That quite a feat sir. I tip my white cone hat to you.

lolcornswalled said…
I just lost brain cells!!!!! T-T!!!! Reading this made me feel mental! I…I…I can’t even say anything!!! Except, ZOMG! It’s C.B.! Keep at it bud! “I’m a mummy! Raar!” -C.B. Walker

ObesityKing said…
Darwin’s career was NOT a wasted one. Contributing possibly the most important scientific ideas ever deduced does NOT make the origin of species INFAMOUS.
Darwin did NOT recount his claims.
Science is NOT a belief system, and the theory of evolution is NOT about EARTH’S origin!
Building up muscles to pass to your offspring is NOT darwinian evolution, that is LAMARCKIAN and is known by science to be ridiculous.
Punctuated equilibrium occurs ALONGSIDE phyletic gradualism over BILLIONS of years.
What creationist research?
Atavisms have NOT been discarded
HITLER!?!? We are not talking about biology anymore?
Abortion has NOTHING to do with evolution
Darwin did NOT produce a new basis for racism
Evolution is NOT an ‘onward and upward process’
Evolution is NOT about chance
IDIOT 
40KEndgame said…
Why did Darwin waste his career? I could see evolution being God’s method of creating every living thing, since the big bang seems to coincide with God saying “Let there be light!”. God may not experience the same speed of which time flows as we do. His 7 days could be our 13.7 billion years. 

Peter Cornswalled said…
The Wasted Career of Charles Darwin is now available for your Kindle in both English and Spanish

O que é o fenômeno natural que denominamos “evolução” e qual sua diferença com a Teoria Darwinista da Evolução

quarta-feira, janeiro 3rd, 2018

Sistemas naturais se auto-reciclam ( como os astronômicos) ou se reproduzem, como os biológicos. Enfim, podemos dizer que nos dois casos, se reproduzem. Nos eventos de reproduções podem ocorrer mutações, por erros, ou pela inserção de partículas estranhas, etc. Algumas destas mutações tornam o reproduzido mais fraco que o reprodutor, o que vai ameaçar sua capacidade de deixar descendentes, e sua linhagem pode desaparecer. Outras mutações ( principalmente com a intromissão de elementos estranhos, que podem inclusive vir de outros sistemas e talvez, mais complexos) podem tornar o reproduzido mais adaptável ou mais forte que o reprodutor, e portanto que toda a geração anterior de sua especie, e este pode deixar mais descendentes robustos. Nesse segundo caso vemos surgir de dentro da linhagem evolutiva do sistema, um novo grau de complexidade, que nunca existiu antes. Isto vai de acordo com uma suspeita bem elaborada de que no Universo, os sistemas tem se transformado desde o mais simples ao cada vez mais complexo. E este processo do simples tornar-se mais complexo é o que denominamos de “evolução”.

Podemos então definitivamente inserir nos cânones científicos que a evolução, de acordo com a definição acima, é um fato real, comprovado, portanto cientifico?

Acho que ainda não. Na verdade não temos captado os tais elementos estranhos se inserindo durante a transcrição genética ou mesmo durante a embriogênese. Penso que somos tendenciosos a fortalecer esta hipótese porque apenas ela encontramos para explicar a segunda hipótese – a de que no Universo as coisas simples estavam no inicio e vem se tornando cada vez mais complexas. Pois esta segunda hipótese também é apenas isso, uma hipótese, já que não podemos por o Universo sobre a bancada do laboratorio e ver essas origens na simplicidade.

Mas existe um argumento que coloca essa hipótese na porta de entrada dos postulados científicos. Trata-se de um fato real, observado e comprovado onde vemos esse aumento de simplicidade para complexidade ocorrendo: a própria embriogênese. Então isso demonstra que a não só a Natureza é capaz de fazer acontecer este processo do simples ao complexo como demonstra que ela realmente o faz. Ja não se trata da necessidade de por o Universo sobre a bancada, podemos observar a embriogênese, a hipótese pode aqui ser comprovada, existe o processo do simples para o complexo, a este processo damos o nome de “evolução” e então, neste tratamento puramente humano dos conceitos e da natureza, a evolução de fato existe.

Quanto ao trabalho de Darwin e seus prosseguimentos posteriores, como a moderna Nova Síntese ou neo-Darwinismo, trata-se de uma teoria, mas não de uma teoria sobre a existência da evolução, nos não precisamos dela para ver que a evolução existe. Trata-se de uma teoria sobre como ocorre o processo da evolução biológica, este sim, é um processo de 3 bilhões de anos que portanto não podemos observar, e portanto não podemos ainda afirmar como ele ocorre, cientificamente. Na embriogênese existe um elemento invisível a olho nu – o código genético, ou DNA – que esta produzindo a passagem do simples ao complexo, porem no evento da história biológica não podemos ver um elemento produzindo-a. Darwin sugere que esse elemento é composto de três variáveis naturais ( VSI = Variação,selecao natural e hereditariedade), o qual substituiria a nível da vida em geral o que o código genético faz na embriogênese individual) Nesse sentido o darwinismo é uma teoria. Não a evolução.

A Matrix/DNA sugere outra teoria, ou seja, ela mantem as três variáveis de Darwin porem acrescenta mais 4 variáveis, e por fim, a formula teórica de um sistema natural no qual existem as sete variáveis compiladas num só elemento. Como o Darwinismo, ela também ainda é uma teoria sobre o fenômeno natural definido por nos como “evolução”.

Teoria da Evolução Feita por Darwin Paraíso e a Teoria da Evolução feita por mim no inferno

sexta-feira, dezembro 1st, 2017

xxxx

Incrível como a classe social  que pertencem os pensadores e pesquisadores determinam a interpretação dos fatos observados e a espécie de valores morais extraidos. E’ impossivel ao humano elaborar uma teoria, seja cientifica ou filosofica, impessoal, sem projetar a sua psyche humana sobre os fatos modelando o quadro imaginado final.

Neste artigo com link abaixo, se tem a certeza que Darwin sempre pertenceu `a nobreza rica, a qual tem seus valores morais torcidos para que se encaixem nos seus privilegios sociais e os justifiquem. Entao para eles o mundo tem que ser regido por leis que captam dentre uma populacao ou dentre as especies os individuos “nobres”, que os levantem para reinarem sobre os nao-nobres, e este reinar e’ seu sagrado compromisso com seu deus intimo que foi quem permitiu o mundo ser assim. Por isso a teroia darwinista e’ cheia de expressoes manifestando os valores do mais forte, mais adaptado, mais astuto, mais agressivo, etc., e tudo isso sacramentado por uma tal de “selecao natural”, abstrata, sem agente conhecido, mas nao precisa porque Deus e’ sempre abstrato. Nunca lhes ocorrem observar que a imagem da Natureza na superficie da Terra nao e’ igual a imagem da Natureza que vemos nas estrelas. Aqui e’ o reino do caos, la’ se ve ordem, harmonia. Mas ver isso seria um choque incomodo ao seu status social e comportamento na vida, entao, nunca vao executar o servico mental de aplicar a propria evolucao `a natureza e perceber que se no inicio e’ o caos, ele esta errado e vai ser transformado em ordem. mas num estado de ordem nao haveria “mais fortes” e nao haveria privilegios sociais, entao, cega-se convenientemente para os ceus e abaixam os olhos para seus territorios na Terra. Veja-se no artigo como Darwin viveu como um nababo. O elitista Darwin fez a teoria para servir aos interesses dos elitistas.

Por meu lado, pequei justamente pelo motivo oposto ao mesmo erro, ou seja, o outro lado de uma moeda falsa. Porque projetei o meu status social e ausencia de beneficios nos modelos teoricos que elaborei. Um dos indicios e’ que todas as partes do modelo de “sistema perfeito” sao zumbis escravizadas controladas pela entidade abstrata do sistema. Tal como nasci e sempre fui na vida real, ou seja, projetei a minha condicao na interpretacao e maneira de conectar os fatos reais numa grande figura final. Ainda nao identifiquei outros indicios mas sei que deve have-los, o problema e’ que eu sou o menos indicado para encontra-los pois e’ muito dificil alguem ver o veneno oculto em suas proprias crencas. mas vou continuar essa pesquisa indigesta porque tenho que purificar a teoria da influencia humana, ja que o que me interessa nao e’ minha obra diminuta e sim a Verdade.

Diriam que Einstein nao se auto-projetou nas suas teorias sobre a luz? Ora, depois que descobri que na luz existe muitos mais segredos do que Einstein captou e que nao podem serem captados pelo exercicio da matematica `a exaustao – percebi que tambem Eisntein se auto-projetou na interpretacao e modelacao da sua teoria quando reduziu a luz ao ambito matematico o qual e’ uma criacao humana.

Mansão de Darwin revela lado sociável do naturalista inglês

http://www1.folha.uol.com.br/turismo/2015/05/1631362-mansao-de-darwin-revela-lado-sociavel-do-naturalista-ingles.shtml?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=compfb

Darwin no Rio assiste as torturas praticadas pelos cristaos

sábado, novembro 18th, 2017

xxxx

Charles Darwin sobre a escravidão.

Ao chegar no Brasil e ver de perto a escravidão, Darwin escreveu esse relato:

“Perto do Rio de Janeiro, minha vizinha da frente era uma velha senhora que tinha umas tarraxas com que esmagava os dedos de suas escravas. Em uma casa onde estive antes, um jovem criado mulato era, todos os dias e a todo momento, insultado, golpeado e perseguido com um furor capaz de desencorajar até o mais inferior dos animais. Vi como um garotinho de seis ou sete anos de idade foi golpeado na cabeça com um chicote (antes que eu pudesse intervir) porque me havia servido um copo de água um pouco turva… E essas são coisas feitas por homens que afirmam amar ao próximo como a si mesmos, que acreditam em Deus, e que rezam para que Sua vontade seja feita na terra! O sangue ferve em nossas veias e nosso coração bate mais forte, ao pensarmos que nós, ingleses, e nossos descendentes americanos, com seu jactancioso grito em favor da liberdade, fomos e somos culpados desse enorme crime.”

Darwin no Rio assiste as torturas praticadas pelos cristaos

Diferenças no trabalho entre Darwin e o autor da Matrix/DNA Theory

segunda-feira, setembro 11th, 2017

xxxx

Tem pessoas adiantando que estou me comparando a Darwin. Entao copio abaixo uma resposta que enviei a um destes criticos ( e a registro aqui porque com certeza tereii que envia-la a outros mais):
There are differences:
1) We both applied comparative anatomy, but, he applied the reductive method, working details, I applied systemic method, searching the division, location and relationships among systems, starting with the whole biosphere as unique system and calculated the reverse of evolution, arriving to a point. Then the point pointed out to the solar system, so, from the point I went to the whole Universe, applying now comparative anatomy and reverse mechanisms of evolution between living and non-living systems (atoms and astronomic systems): Here I discovered the mechanisms of cosmological evolution and that these mechanisms continuing to driven biological evolution. Darwin did not perceive it. So, I re-calculated evolution applying the Darwinian mechanisms plus the cosmological mechanisms. The final results explained all gaps in Darwinian theory.
2) The idea of evolution was existing before Darwin’s travel to the field, at the tropics. He went to confirm the idea. The idea about an evolutionary link between cosmological evolution and biological evolution, and the idea that those non-biological systems linked evolutionary to biological system must be formed by the same biological formula (an ancestor of DNA); the idea that the building blocks of galactic systems has expressed or not the seven properties of life; and the final idea that in fact, there is no evolution, but, merely, a universal process of reproduction of the thing that triggered the Big Bang… these ideas were nowhere at my time, never existed before, and till now I am the unique human being with these ideas and formulas, models, supporting them. plus 1.600 evidences enrolled at my website and lots more at home, and hundred of previous predictions from 30 years ago confirmed by data obtained by official Science. Neither I had these ideas before going to the field, it was the pure nature never touched by human beings that suggested them. My unique idea before was that the first cell system was the first complete and real living thing, systems only comes from prior systems, less evolved or not, biological or not, and nobody in any time has searched a system when searching the cause of life’s origins. I went searching such system that, probable, was inside the primordial soup.
3) Darwin worked limited to the planet Earth and stood in the field 4 years: he discovered micro-evolution, 3,5 billion years old, because biological evolution is micro: I stood in the field 7 years, putting all time the whole universe on the table when drawing and calculating my models, i worked with universal macro-evolution which is 13,8 billion years old;
4) There are ideas that you suspects it is real, you work hard on it, sometimes given your life for it, you build a new theory, but, reality approves one idea and not approve others. Biological evolution is approved already, Darwin was lucky. Universal evolution still is not approved and can be debunked ( I am almost convinced that it will not, but, not sure yet), I will lose. Still I will leave my contribution: nobody will do the same mistake again.

Evolucao: Texto Atualizado e Bem Informado

sábado, fevereiro 11th, 2017

xxxx

Creio que ninguém racionalmente possa negar a existência do processo da evolução natural. Eu posso vê-la com meus olhos aqui e agora em 9 meses observando como uma pequena bolota de células se transforma – evoluindo do mais simples para o mais complexo – para a forma de feto, embrião, etc. Observar o acervo de milhões de fosseis alinhados numa sequencia evolucionaria e’ outra maneira de inclinar-se a aceitar a evolução como fato.

O problema humano se refere `as diferentes interpretações do que se vê, porque a evolução natural se estende a dimensões no tempo e espaço que não podemo ver, então temos que elaborar teorias e esta teorias indicam significados, um sentido ou falta de sentido neste fenômeno da evolução natural. Isto nos afeta sobremaneira porque o sentido ou falta de sentido da evolução implica diretamente no sentido da nossa existência como humanos. E outra forma muito importante de nos afetar e’ que cada interpretação, cada sentido encontrado, e’ a fonte dos valores morais, os quais vão modelar nossos sistemas sociais, nossas inter-relações entre humanos e nosso comportamento perante o mundo externo.

A mais influenciável teoria da evolução natural vem do meio acadêmico. Digamos que seja a Teoria Academica da Evolução (TAE). No tocante restritamente particular `a minha pessoa, tenho também em consideração outra teoria, minha própria, a teoria universal da Matrix/DNA, digamos aqui, Teoria da Matrix/DNA da Evolucao (TME).

O estado de espirito da Academia se projeta tanto nas suas teorias da origem do Universo, da origem da vida, como da evolução natural. A mesma visão de mundo vê o mesmo significado de existência nestes três eventos. Isto também ocorre com a TME. Com uma importante diferença:

A TAE baseia-se na existência produzida por Acaso. Com isto, o processo da origem do Universo não e’ o mesmo processo da origem da vida e não e’ o mesmo processo de nenhum destes dois eventos que  dirige a evolução. Claro, se os três eventos, ou mesmo apenas dois deles fossem executados pelo mesmo processo naos seria acaso, seria uma regra, uma lei natural. Por seu lado, a TME sugere e apresenta o processo que produz a embriogênese e evolução de um sistema biológico como sendo o mesmo processo que teria produzido a origem do universo e da vida e que dirige a evolução universal. Enfim, as duas visões do mundo sugerem um sentido da vida e valores morais totalmente diferentes.

No texto a seguir ( obtido no link abaixo) vamos ver uma ótima sintetização da historia, evolução e estado atual da TAE:

http://simbiotica.org/teorias.htm

Unidade na Diversidade

Aparentemente a diversidade é a regra no mundo biológico, sendo, até ao final do século XIX, considerada a sua característica principal. Os biólogos calculam que existam, atualmente, entre 30 a 50 milhões de espécies, das quais apenas  2 milhões foram descritas e denominadas.

No entanto, a partir do início do século XX os estudos bioquímicos fizeram ressaltar as semelhanças estruturais e fisiológicas dos indivíduos. Todos estes factos parecem apontar para uma origem comum para todos os seres vivos actuais, seguida de uma enorme diversificação.

As explicações para estes factos foram surgindo ao longo dos séculos, sempre baseadas em princípios religiosos, filosóficos e culturais, podendo ser atualmente classificadas  em dois grandes grupos:

  • Hipóteses fixistas – aceites sem discussão até ao século XVIII, consideram que as espécies, uma vez surgidas, se mantiveram inalteradas ao longo do tempo;
  • Hipóteses evolucionistas – também conhecidas por transformistas, surgiram no século XIX e consideram as espécies atuais o resultado de lentas e sucessivas transformações sofridas por espécies que já existiam no passado.

Fixismo

Existiram numerosas hipóteses fixistas ao longo da história da Biologia, umas mais duradouras que outras, umas mais fundamentadas que outras. Considerando-se que as espécies permaneceram imutáveis ao longo das eras, surge novamente a necessidade de identificar a causa do surgimento das espécies ancestrais.

Dessas hipóteses salientam-se as mais conhecidas:

  • Hipótese da geração espontânea – originalmente apresentada por Aristóteles, por sua vez influenciado por Platão (que referia que os seres vivos eram cópias imperfeitas de formas perfeitas de uma ideia – essencialismo) , considerava que os seres vivos seriam constantemente formados, a partir de matéria não-viva como o pó e a sujidade. Os seres vivos estariam organizados num plano, designado Scala Naturae, eterna e imutável, pelo que os organismos assim formados não teriam a possibilidade de alterar as suas características;
  • Hipótese Criacionista – baseada na reunião de escritos bíblicos e das teorias universalmente aceites de Aristóteles, considera que Deus terá criado todas as espécies, animais e vegetais, num único ato. Após esse momento, as espécies permaneceriam imutáveis, sendo qualquer imperfeição resultante das condições ambientais.

Evolucionismo

Durante a segunda metade do século XVIII começaram a surgir as primeiras ideias transformistas, contrariando o dogma criacionista-essencialista, que dominava firmemente o pensamento ocidental á muitos séculos. O centro da polêmica deixou de ser o facto de existir ou não evolução, passando a ser o mecanismo dessa evolução.

Duas novas áreas de conhecimento vieram revolucionar a visão da ciência relativamente ao mecanismo de formação das espécies:

  • Sistemática – esta ciência teve um desenvolvimento extraordinário durante o século XVIII, tendo como ponto alto o trabalho de Lineu, botânico sueco que estabeleceu o sistema hierárquico de classificação dos organismos, ainda hoje utilizado. Os estudos de Lineu, cujo objectivo era revelar o plano de Deus, permitiram a outros cientistas identificar semelhanças e diferenças entre seres vivos e uma possível origem comum a todos eles, originando terreno fértil para as ideias evolucionistas;
  • Paleontologia – no século XVIII, o estudo dos fósseis revelou a presença de espécies, distintas em cada estrato geológico, que não existiam na atualidade, contrariando a imutabilidade defendida pelo fixismo.

Novamente, numerosos cientistas conceituados propuseram teorias tentando esclarecer estes fenómenos, nomeadamente:

  • Erros – teoria proposta por Pierre Maupertuis no início do século XVIII, considerava que todos os organismos derivavam de uma mesma fonte original, apresentando ligeiras alterações em relação aos progenitores ao longo das gerações, devido a acasos e erros na reprodução. Estes erros eram devidos ao facto de o descendente resultar da união de uma “semente” masculina e de uma “semente” feminina, formadas por partes que se organizavam no embrião  graças a uma “memória” que podia ser errada. Deste modo, a partir de uma única espécie, poderiam obter-se numerosas outras aparentadas entre si, devido a diversos graus de “erro”;
  • Variações geográficas – teoria da autoria de Georges Leclerc, Conde de Buffon, intendente do Jardim do Rei em Paris em 1739, referia a existência de variações geográficas entre indivíduos da mesma espécie. O povoamento inicial teria sido feito por um certo número de espécies, as quais teriam sofrido uma sucessão de variações geográficas adaptativas, de acordo com as condições geográficas e alimentação do local para onde teriam migrado. Esta variação seria devida a sucessivas degenerações da espécie inicial, indicando já uma visão transformista do mundo natural. Buffon foi, também, o primeiro a questionar a idade da Terra, tendo proposto que a sua verdadeira idade seria de cerca de 70000 anos;
  • Hipótese catastrofista – teoria da autoria de Cuvier, naturalista muito conceituado na época (1799), que considerava que cataclismos locais (glaciações, dilúvios, terramotos, etc.) sucessivos teriam aniquilado as formas de vida preexistentes nessa zona, sobrevindo a cada um desses cataclismos um novo povoamento com novas espécies, vindas de outros locais. Deste modo explicava a descontinuidade entre estratos geológicos. Seguidores de Cuvier levaram esta teoria ao extremo de catástrofes globais destruírem a totalidade das espécies da Terra, sendo depois repostas por novos actos de criação divina (teoria das criações sucessivas). Esta teoria, portanto, tenta encontrar um meio termo entre o fixismo, que considera correto, e as evidências fósseis encontradas.

Apenas no século XIX as ciências em geral abandonam a visão estática do mundo, até então prevalecente:

  • Newton apresenta explicações matemáticas para o movimento dos planetas e objetos na Terra;
  • Descobrimentos revelam grande diversidade de organismos, até então desconhecidos;
  • Hutton, geólogo, indica uma idade da Terra muito superior ao até então aceite;
  • Lyell, em 1830, apresenta uma explicação para a descontinuidade biológica entre os diversos estratos geológicos. Este geólogo considerou a ação erosiva da chuva e dos ventos a responsável pela eliminação dos estratos em falta, provocando a ilusão de descontinuidade entre eles. Esta teoria ficou conhecida como  Lei do uniformismo, que inclui o Principio das causas atuais, segundo o qual os fenômenos que provocaram determinadas alterações geológicas no passado são iguais aos que provocam os mesmos acontecimentos no presente.

Um aspecto é de salientar na análise de todas estas teorias, é que nenhuma delas propõe um mecanismo de evolução.

As verdadeiras teorias explicativas do mecanismo da evolução só surgiram após da avaliação da idade da Terra em milhares de milhões de anos, por oposição á idade considerada desde o tempo de Aristóteles, que era de cerca de 6000 anos. Este facto permitiu a existência de uma evolução muito lenta, ao longo de incontáveis gerações de indivíduos.

Jean-Baptiste de Monet, cavaleiro de Lamarck é considerado o verdadeiro fundador do evolucionismo, elaborando uma teoria que considera a ação evolutiva das circunstâncias ambientais a causa da variabilidade existente nos organismos vivos. No entanto, como não conseguiu apresentar provas concretas para a sua teoria e como não tinha amigos e relações importantes no meio científico, as suas ideias não foram levadas a sério, apesar de alguns dos seus discípulos terem continuado a defender as suas ideias, como Saint-Hilaire, que realizou importantes estudos de anatomia comparada. Lamarck é, também, o autor do termo Biologia, que baptiza em 1802.

Teoria de Lamarck

Lamarck era um botânico reconhecido e estreito colaborador de Buffon no Museu de História Natural de Paris. No entanto, tal não o impediu de ser severamente criticado pelas suas ideias transformistas, principalmente por Cuvier, tendo as suas teorias sucumbido ao fixismo da época.

A propósito dos seus trabalhos de sistemática, Lamarck enunciou a Lei da gradação, segundo a qual os seres vivos não foram produzidos simultaneamente, num curto período de tempo, mas sim começando pelo mais simples até ao mais complexo. Esta lei traduz a ideia de uma evolução geral e progressiva.

Lamarck defendia a evolução como causa da variabilidade mas admitia a geração espontânea das formas mais simples.

Observando os seres vivos à sua volta, Lamarck considerava que, por exemplo, o desenvolvimento da membrana interdigital de alguns vertebrados aquáticos era devida ao “esforço” que estes faziam para se deslocar na água.

Assim, as alterações dos indivíduos de uma dada espécie eram explicadas por uma acção do meio, pois os organismos, passando a viver em condições diferentes iriam sofrer alterações das suas características.

Estas ideias levaram ao enunciado da Lei da transformação das espécies, que considera que o ambiente afecta a forma e a organização dos animais logo quando o ambiente se altera produz, no decorrer do tempo, as correspondentes modificações na forma do animal.

O corolário desta lei é o princípio do uso e desuso, que refere que o uso de um dado órgão leva ao seu desenvolvimento e o desuso de outro conduz á sua atrofia e, eventual, desaparecimento.

Todas estas modificações seriam depois transmitidas às gerações seguintes – Lei da transmissão dos caracteres adquiridos.

O mecanismo evolutivo proposto por Lamarck pode ser assim resumido:

  • variações do meio ambiente levam o indivíduo a sentir necessidade de se lhe adaptar (busca da perfeição);
  • o uso de um órgão desenvolve-o e o seu desuso atrofia-o (lei do uso e desuso);
  • modificações adquiridas pelo uso e desuso são transmitidas aos descendentes (lei da transmissão dos caracteres adquiridos).

Deste modo, a evolução, segundo Lamarck, ocorre por ação do ambiente sobre as espécies, que sofrem alterações na direção desejada num espaço de tempo relativamente curto.

Alguns aspectos desta teoria são válidos e comprováveis, como ocaso do uso e desuso de estruturas. É sabido que a atividade física desenvolve os músculos e que um organismo sujeito a infecções desenvolve imunidade. Do mesmo modo, uma pessoa que fique paralisada, sofre atrofia dos membros que não utiliza.

No entanto, também existem numerosas críticas ao Lamarquismo:

  • a necessidade de adaptação, a “busca de perfeição” pelos organismos, não pode ser provada;
  • modificações devidas ao uso e desuso são adaptações individuais somáticas (fenotípicas), não são transmissíveis, não devendo ser confundidas com adaptações evolutivas, as quais implicam sempre uma modificação genética. Este facto foi comprovado por uma famosa experiência realizada por Weissman em 1880, que cortou caudas a sucessivas gerações de ratos e estes sempre nasceram com cauda;
  • Lamarck afirmava que a função determinava a estrutura mas tal não é verdade pois os caracteres surgem independentemente da ação do meio (como os caracteres inconvenientes ou nefastos). Actualmente considera-se a relação função/estrutura como biunívoca.

Pode-se concluir daqui que a teoria de Lamarck foi um importante marco na história da Biologia mas não foi capaz de explicar convenientemente o mecanismo da evolução.

No entanto, deve ser referida a existência dos chamados neo-lamarckistas, uma minoria no panorama actual da Biologia, mas que defendem que o meio realmente modela o organismo. Consideram possível a presença de proteínas citoplasmáticas que alteram o DNA, tentando explicar à luz da genética molecular os fundamentos lamarckistas. Reconhecem, no entanto, que apenas alterações nos gâmetas podem ser transmitidas á descendência.

Os anos seguintes foram férteis na recolha de dados de anatomia comparada, geologia e paleontologia, de tal modo que a teoria evolutiva de Darwin (1859) teve um impacto muito maior.

Desde essa data que a teoria da seleção natural de Darwin e Wallace se tornou um dos grandes princípios unificadores da Biologia, juntamente com a teoria celular e a dupla hélice do DNA.

Teoria de Darwin

Darwin era um médico sem vocação, filho de uma família abastada e com enorme interesse na natureza, tendo por esse motivo feito uma viagem de 5 anos no navio cartográfico Beagle, aos 22 anos. No início da sua longa viagem, Darwin acreditava que todas as plantas e animais tinham sido criadas por Deus tal como se encontravam, mas os dados que recolheu permitiram-lhe questionar as suas crenças até à altura.

Darwin sofreu várias influências, as quais permitiram a criação da sua teoria sobre a evolução dos organismos:

  • Charles Lyell, devido à sua lei do uniformismo e à idade da Terra, terá mostrado a Darwin que o mundo vivo poderia ter tido tempo para sofrer alterações muito graduais. Igualmente, devido a essa mesma lei, a falta de fósseis não mais poderia ser argumento contra a evolução;
  • Diversidade dos organismos de zona para zona e dentro da mesma espécie, embora pudessem ser notadas semelhanças, talvez devido a uma origem comum. Esta diversidade parecia relacionada com variações ambientais. Tal facto tornou-se aparente na sua viagem às Galápagos;
  • Selecção artificial, um aspecto do qual Darwin tinha experiência pessoal, devido a ser um criador de pombos conceituado. A escolha de certos cruzamentos leva a que características dos descendentes sejam muito diferentes das dos seus ancestrais, o que considerou poder ser uma pista para o modo como a natureza actuava (selecção natural, por oposição á selecção artificial ,devida ao Homem);
  •  Thomas Malthus, no seu trabalho Essai sur la population, considerou que a população humana cresce muito mais rapidamente que os meios de subsistência pois a população cresce geometricamente (2n) e os alimentos crescem aritmeticamente (2n). Deste modo, a Terra estaria rapidamente superpovoada pois a sua população duplicaria a cada 25 anos e os homens sofreriam a acção da selecção natural (fome, doenças, miséria, desemprego, etc.), que eliminaria as famílias pobres e de poucos recursos, os indivíduos de classe baixa, de modo geral. Darwin, abstraindo-se dos conceitos racistas e de classes implícitos na teoria de Malthus, transpô-la para as populações naturais, onde existiria uma “luta pela vida”: um ambiente finito, com recursos finitos, não pode sustentar um número infinito de indivíduos.

O crescimento das populações naturais faz-se segundo uma curva sigmóide, em que após uma fase inicial de crescimento exponencial (a natalidade é superior á mortalidade pois há muito alimento disponível), a população entra numa fase de desaceleração do crescimento (quando a mortalidade é superior à natalidade devido á escassez de alimento), a população estabiliza (quando a mortalidade e a natalidade são iguais).

Este “patamar” é bastante estável, mantendo-se a população nesse ponto durante gerações, se não surgirem alterações importantes no meio ambiente ou outro tipo de intervenções externas.

Darwin não se satisfez com o facto de as populações naturais funcionarem desse modo, quis, também, descobrir o modo como esse equilíbrio é atingido e mantido.

Dado que o ambiente não fornece os meios de subsistência a todos os indivíduos que nascem, é necessário que ocorra uma luta pela sobrevivência, sendo eliminados os indivíduos excedentes, mantendo-se a população num estado estacionário á volta de um valor mais ou menos constante.

Deste modo, é necessário conhecer os fenómenos que regulam o número de indivíduos numa população, ou seja, os factores que afectam as taxas de mortalidade e natalidade.

Os principais factores desse tipo são:

  • Abastecimento de alimento – depende dos autotróficos existentes e do fornecimento de energia radiante;
  • Predação – afecta a grandeza das populações de presas e de predadores;
  • Parasitismo – afecta o crescimento da população de hospedeiros;
  • Competição – intra ou interspecífica, pelo alimento, nicho ecológico, fêmea, etc., afecta o crescimento populacional;
  • Cooperação – favorece o crescimento populacional das espécies envolvidas.

Nas populações naturais existe variabilidade, mas como avaliá-la numericamente ?

O estudo dos caracteres quantitativos é fácil pois estes podem ser traduzir-se em valores numéricos e gráficos. Verifica-se que todas as características das populações apresentam uma distribuição quantitativa que, em gráfico, segue uma curva em forma de sino, simétrica em relação a um ponto médio e máximo, ou seja, uma curva normal.

Esse ponto médio (ponto de ajuste ou de aferição) varia com as populações e deve corresponder, teoricamente, ao ideal para a característica considerada, nesse momento e nesse ambiente.

Com base nos dados que foi recolhendo, Darwin formou a sua teoria sobre o mecanismo da evolução mas decidiu não a publicar, instruindo a sua mulher para o fazer após a sua morte. No entanto,  por insistência de alguns amigos e da mulher, começou a preparar a sua publicação, em 4 volumes, em 1856.

Em 1858, recebeu uma inesperada carta de um naturalista, Alfred Wallace, que descrevia resumidamente as mesmas ideias sobre a evolução. Mesmo assim, publicou a sua A origem das espécies em 1859, onde descrevia a teoria da seleção natural, a qual pode ser resumida da seguinte forma:

  • existe variação entre os indivíduos de uma dada população;
  • cada população tem tendência para crescer exponencialmente, se o meio o permitir, levando à superprodução de descendentes;
  • o meio não suporta tantos descendentes logo desencadeia-se uma luta pela sobrevivência entre os membros da população;
  • indivíduos com caracteres que lhes confiram uma vantagem competitiva num dado meio e tempo são mantidos por selecção e produzem mais descendentes – reprodução diferencial -, enquanto os restantes são eliminados, não se reproduzindo – sobrevivência do mais apto;
  • por reprodução diferencial, as características da população vão mudando num espaço de tempo mais ou menos alargado.

A teoria de Darwin considera que o ambiente faz uma escolha dos indivíduos, tal como o Homem faz na domesticação. Saliente-se, ainda, o facto que Darwin considerava possível a herança dos caracteres adquiridos, tal como Lamarck.

No entanto, para Darwin as forças responsáveis pela variação e pela selecção são diferentes: a variação ocorre ao acaso, sem qualquer orientação evolutiva, enquanto a selecção muda a população conferindo maior êxito reprodutivo às variantes vantajosas.

O vigor, a força, a duração da vida de um dado indivíduo apenas são significativos em termos da população na medida em que podem afectar o número de descendentes que lhe sobrevivem.

O ser mais apto é, deste modo, um conceito relativo (uma característica pode não ser favorável mas ter pouco significado no conjunto de muitas outras características favoráveis que constituem o genoma do indivíduo) e temporal (uma característica favorável num dado momento pode ser altamente desfavorável noutro, como o exemplo das borboletas Biston betularia bem o demonstra).

Existem dois tipos principais de selecção: a selecção artificial e a selecção natural.

A selecção artificial, como o nome indica, é devida á intervenção humana nos ecossistemas e na reprodução dos organismos, sejam eles animais ou vegetais. O papel do Homem corresponde ao da competição e da luta pela sobrevivência na natureza, “escolhendo” os indivíduos que sobrevivem e os que são eliminados. Deste modo, controlando os indivíduos que se reproduzem, condiciona-se o património genético das gerações futuras, bem como a sua evolução.

A seleção natural é definida como um conjunto de forças ambientais que atuam nas populações, tanto no sentido positivo (sobrevivência diferencial e capacidade reprodutora diferencial), como no sentido negativo (mortalidade diferencial).

Neodarwinismo

O principal problema, ou ponto fraco, da teoria de Darwin era a origem e a transmissão das variações que se verificam entre os indivíduos de uma mesma espécie.

Apenas em 1930 e 1940 os investigadores combinaram as ideias de Darwin com os dados, entretanto surgidos, de genética, etologia e outros.O resultado foi o surgimento de uma teoria denominada teoria sintética da evolução ou Neodarwinismo, que combina as causas da variabilidade com a selecção natural.

Estudos genéticos demonstraram que os fenótipos dos indivíduos resultam da acção do meio sobre os respectivos genótipos. Um genótipo é, potencialmente, capaz de originar uma multiplicidade de fenótipos, os quais se podem concretizar, se o ambiente necessário para as suas potencialidades se manifestarem existir.

Existem dois tipos de variação fenotípica: variações não hereditárias ou flutuações , devidas á influência do meio sobre o genótipo, e as variações hereditárias resultantes da expressão fenotípica de diferentes genótipos. Estas últimas são as únicas com interesse evolutivo.

Weissman considerou nos indivíduos a existência de duas linhas celulares independentes, que designou o soma e o gérmen. O gérmen, formado pelas células sexuais, era considerado imortal pois era transmissível. Deste modo, apenas as alterações que envolvam as células sexuais são hereditárias e têm influência evolutiva.

É certo que é pela reprodução que são transmitidos os caracteres das espécies de geração em geração. No entanto, se a reprodução assexuada tende a manter as características, a reprodução sexuada tende a aumentar a variabilidade dessas populações e das espécies.

De que modo isso acontece ?

  • Meiose, processo de produção de células haplóides – gâmetas -, apresenta alguns aspectos particulares que favorecem o aumento da variabilidade nos descendentes, nomeadamente:
  • separação ao acaso dos homólogos – cada ser diplóide apresenta pares de cromossomas homólogos, metade de origem paterna e metade de origem materna. Durante a meiose (processo fundamental para a formação das células sexuais, devido á redução cromossómica) dá-se a recombinação génica. As células haplóides resultantes do processo apresentam os cromossomas resultantes da separação ao acaso dos homólogos. Considerando uma célula com apenas 4 cromossomas (2 pares), as células-filhas podem ficar uma de quatro combinações possíveis de dois cromossomas. Este facto resulta de o número de combinações ser 2n, em que n é o número de pares de cromossomas (no caso humano será 223 =  8388608 possibilidades);
  • crossing-over – o sobrecruzamento dos cromossomas durante a meiose I pode fazer aumentar a variabilidade genética dos gâmetas. O cross-over permite a recombinação de genes localizados em cromossomas homólogos. Dado que cada cromossoma contém milhares de pares de bases e  que o cross-over pode ocorrer entre qualquer delas, as combinações são incalculáveis.

A fecundação, o fenómeno que permite transmitir ao novo indivíduo a constituição genética dos dois gâmetas. A união de dois dos gâmetas, entre milhares deles formados ou possíveis, faz com que a constituição genética de um novo indivíduo seja totalmente imprevisível.

Resumindo, a reprodução sexuada pode contribuir para a variabilidade das populações por  três vias: distribuição ao acaso dos cromossomas homólogos, sobrecruzamento e união ao acaso dos gâmetas formados. No entanto, a reprodução sexuada não cria nada de novo, apenas rearranja o que já existe nos progenitores.

O mesmo não se pode dizer das:

  • Mutações – as mutações, génicas e cromossómicas, alteram, respectivamente, a sequência nucleotídica (estrutura) e o arranjo dos genes ao longo do cromossoma. As mutações génicas podem ser delecções (perda de um ou mais nucleótidos), duplicações (acrescento de um ou mais nucleótidos) ou inversões (troca de posição entre nucleótidos). As alterações no número de cromossomas são geralmente devidas á não disjunção na meiose, por altura da separação os homólogos, levando á falta ou ao excesso de cromossomas de um dado par nos gâmetas produzidos. De um modo ou de outro, a mensagem é alterada, reflectindo-se na sequência de aminoácidos das proteínas sintetizadas, nas suas propriedades e, finalmente, nas características evidenciadas pelos organismos.

Por esta ordem de ideias, as mutações eliminam certos genes e originam outros. A maioria das mutações produz alterações tão profundas que os indivíduos delas portadores não são viáveis mas existem casos em que a mutação pode ser favorável, conduzindo á sua fixação. Deste modo, as mutações podem ser um importante factor de variabilidade e criação de novas espécies. É o caso das chamadas mutações tandem, duplicações de genes inteiros, que permitem a  libertação de um dos genes duplicados para a evolução para outra função, sem impedir o desenrolar da função.  Saliente-se, por último, que as mutações, tal como qualquer característica, também apresentam um valor relativo e temporal.

Um bom exemplo do efeito de uma pequena mutação nas características evidenciadas pelo indivíduo é o caso da hemoglobina S, a qual se forma por uma troca de um nucleótido na posição 6 da cadeia b da molécula:

DNA                 … C A T…                                             …C T T…

RNA                 … G U A…         em vez de                      …G A A…

aminoácido        … Val …                                               … Glu …

 

ou seja

 

hemoglobina S                   em vez de                  hemoglobina normal

Esta mutação provoca a doença anemia falciforme pois a hemoglobina mutante precipita nos glóbulos vermelhos, deformando-os. Este facto faz com que os glóbulos vermelhos, vistos ao M.O.C. apresentem um aspecto de foice.

A hemoglobina mutante não é eficiente no transporte de O2, logo os indivíduos portadores deste gene modificado apresentam uma menor capacidade respiratória, morrendo jovens em casos de homozigotia.

Esta situação potencialmente incapacitante é, no entanto, mantida em certas populações africanas particularmente sujeitas á malária, pois os glóbulos vermelhos falciformes não permitem a infecção pelo parasita causador da malária. Deste modo os indivíduos heterozigóticos para a anemia falciforme são seleccionados, pois a sua incapacidade respiratória não é dramática e são menos sujeitos á morte por malária.

Este exemplo apenas reforça a ideia de que é a população e não o indivíduo a unidade de evolução pois estes não são heterozigóticos por opção, atendendo ás vantagens fisiológicas que tal facto lhes permite em termos de adaptação ao meio, tal como não podem escolher se os seus descendentes o podem ser.

No que se refere á sua  constituição genética, cada população é como um sistema aberto, em que existe um contínuo fluxo de genes: negativo pela morte e positivo pela reprodução.

Outros importantes factores de variabilidade são:

  • Selecção natural – a recombinação genética e a mutação, referidas anteriormente, originam a variabilidade e a selecção natural “escolhe” entre os indivíduos portadores dessa variabilidade os que irão sobreviver, exercendo a sua acção continuamente, favorecendo os melhor adaptados. Conclui-se daí que a selecção natural diminui a variabilidade;
  • Isolamento – também diminui a variabilidade pois preserva e diferencia a população isolada em relação ás suas parentes mais diretas.

Considerando todas estas contribuições, bem como a intervenção directa de cientistas como Huxley, Dobzhansky e Simpson, a teoria sintética da evolução, ou Neodarwinismo, pode ser resumida da seguinte forma:

  • nas células, são os cromossomas que transportam os genes responsáveis pelo desenvolvimento dos caracteres de um indivíduo;
  • os gâmetas, formados por meiose, transportam metade da constituição cromossómica da espécie, devido á separação dos homólogos;
  • durante a meiose pode ocorrer cross-over, formando novas combinações genéticas;
  • mutações aumentam a variabilidade;
  • após a fecundação refaz-se o número diplóide da espécie, resultando uma descendência com diferentes possibilidades de combinações;
  • o potencial reprodutor das espécies é enorme, logo é sobre a variedade de descendentes que a selecção vai actuar, pois o meio não os pode manter a todos;
  • indivíduos melhor adaptados a um dado meio têm maior probabilidade de atingir a idade adulta – ser mais apto;
  • seres melhor adaptados reproduzem-se mais e transmitem os seus genes à geração seguinte – reprodução diferencial;
  • a população, formada agora por um novo conjunto genético (alguns genes surgiram e outros foram eliminados), pode, por isolamento, preservá-lo e evoluir.

Críticas às teorias darwinistas da evolução

As maiores críticas às teorias darwinistas estão relacionadas com a dificuldade em explicar o surgimento de estruturas complexas, que dificilmente teriam origem em apenas um acontecimento, por ação da seleção natural, como o olho, o cérebro, etc.

Um exemplo dessa dificuldade está na explicação da origem das asas dos insectos. As asas dos insectos são expansões do tegumento dorsal, não resultando de membros modificados.

Dada a complexidade da estrutura actual, é razoável considerar que inicialmente teriam surgido pequenas saliências dorsais no corpo dos indivíduos.

Porque teriam sido seleccionadas ?

Experiências demonstraram que as proto-asas trariam mais dificuldades que vantagens, pois não permitiam que o indivíduo planasse de modo controlado. Considerar que a selecção natural sabia antecipadamente a vantagem que o indivíduo teria com as asas plenamente desenvolvidas é tão absurdo como considerar que estas teriam surgido por uma única mutação, prontas a usar.

Novas experiências permitiram esclarecer, de algum modo, essa dificuldade pois revelaram que as proto-asas são excelentes termorreguladores, o que pode justificar a sua selecção. Actualmente as asas dos insectos desempenham essas duas funções.

Os principais críticos às teorias darwinistas consideram que estas não permitem explicar a macroevolução (diversificação dos grandes grupos), apenas explicando a microevolução (diversificação das espécies).

Deste modo, foram surgindo teorias alternativas, ainda não comprovadas, baseadas na teoria de Darwin mas com algumas alterações:

  • Neolamarckismo – o motor para a evolução seria a intervenção do meio sobre o genótipo, fazendo aparecer novos genes ou alelos. Este facto seria possível por acção de mutagénios, que aumentariam a taxa de mutação. No entanto, a principal dificuldade desta teoria é o facto de um aumento do número de mutações não conduzir a uma evolução direccionada pois as mutações continuam a ser aleatórias;
  • Teoria neutralista – esta teoria considera que o papel da selecção natural se reduz ao de eliminar as mutações negativas. Segundo esta teoria a maioria das mutações seria neutra do ponto de vista adaptativo, podendo fixar-se na população sem qualquer vantagem para os indivíduos delas portadores;
  • Teoria do equilíbrio pontuado – segundo esta teoria, a evolução decorreria em curtos períodos de alterações bruscas e radicais, em que se formariam numerosas espécies (a maioria das quais acabaria por se extinguir), intervalados por longos períodos de calma e de evolução muito lenta das espécies sobreviventes. As espécies novas seriam formadas por pequenas populações marginais da espécie-mãe, onde as mutações se espalhariam rapidamente. Neste caso, a sobrevivência da espécie não se deve exclusivamente à “sobrevivência do mais apto” mas também um pouco ao acaso.

Vejam Como esta se Levantando a maior Religião de Todos os Tempos por Crenças como “A Evolução é Inteligente” Passando no Peer-Review e Dominando Universidades

domingo, julho 10th, 2016

xxxx

Estamos tendo oportunidade de assistir ao vivo como surge uma das grandes religiões. Agora a novidade e` que, tal como no caso das outras anteriores, os protagonistas que estão criando a religião estão inconscientes do que estão fazendo, mas ao contrario dos outros que desejavam erigir uma religião, estes agora são notórios combatentes de todas as religiões e qualquer pensamento mistico.

Uma religião começa animada pela curiosidade humana elevada quando existe um motivador desesperante devido a uma interrupção na ambição humana de progresso, material e intelectual. os objetos e eventos do ambiente estão escapando ao controle porque ha’ falhas no conhecimento de causas e características destes eventos e objetos, e estas falhas começam a sugerir a existência de algo sobrenatural influenciando-os. O próximo passo é identificar objetos conhecidos como imagens porem, dota-los de poderes mágicos. E assim foram criados o Deus Sol, o Deus Touro, o Deus Dragão, o Deus Homem Barbudo, etc.

Agora três destes objetos ainda desconhecidos – os genes, a evolução e o vácuo total – estão adquirindo personalidade inteligente e estão sendo adornados com poderes mágicos. Nao vou aqui me alongar no assunto dos genes, pois quem leu os livros do Papa dos Ateus, Richard Dawkins, como o  “Gene Egoísta” sabe o que é personalizar com intenções humanas inteligentes um mero montículo disforme de átomos. Mas depois que o Projeto Genoma mostrou a Craig Venter que individualmente os genes são indefiníveis porque os resultados do conjunto deles e’que realmente causam uma doença, etc., escapando da desesperada necessidade de controle deles e consumindo bilhões de dólares, o reconhecimento de que falta conhecimento dos genes a nível material deve seguir o segundo passo, que é adorna-los de poderes mágicos. Tambem não vou me alongar no assunto do vácuo total, pois todos os que leram o livro “Do Nada veio Tudo” do Papa dos Cosmólogos, Lawrence Krauss, já perceberam que o Nada foi dotado de poderes mágicos. Vou aqui mencionar como anda o processo sobre a “evolução” devido mais um artigo publicado demonstrando mais um passo na direcao desta religião.

O artigo foi primeiro publicado pela universidade no intuito de vangloriar o sucesso de seus professores

Is evolution more intelligent than we thought?

https://www.southampton.ac.uk/news/2015/12/evolution-learning-theory-study.page

O qual provem de um ^paper^ ( não preciso dizer aqui que a religião não admite que se aplique a ela o sistema do peer review, como deveria ser aplicado)

How Can Evolution Learn?

  Richard A. Watson , Eörs Szathmáry

http://www.cell.com/trends/ecology-evolution/abstract/S0169-5347(15)00293-1

Resumindo muito, os pesquisadores uniram duas teorias – a teoria Darwinista da evolução mais as teorias da aprendizagem – e conseguiram uma mais eficiente explicação do porque e como a evolução consegue produzir efeitos e arquiteturas fantásticas que nos parecem produtos de um inteligente planejador. Unificando a teoria da evolução ( a qual mostra – segundo a crença desta teoria – que mutações ao acaso e seleção são suficientes para prover incrementada adaptação) com teorias da aprendizagem ( a qual mostra como incrementadas adaptações são suficientes para um sistema exibir inteligentes comportamentos), esta pesquisa diz o pesquisador – mostra que é possível para a evolução exibir alguns dos mesmos inteligentes comportamentos como sistemas aprendizes ( incluindo redes neurais)…

Professor Watson diz > “A Teoria da Evolução de Darwin descreve o processo diretor, mas a teoria da aprendizagem não é apenas outra maneira de explicar apenas o que Darwin já disse para nos. Ela expande o que nos pensamos sobre o que a evolução é capaz de fazer. Ela mostra que a seleção natural é suficiente para produzir características de inteligente solucionadora de problemas. Por exemplo, uma especial característica da inteligencia é a habilidade de antecipar comportamentos que podem levar a benefícios no futuro. Convencionalmente – continua o professor – evolução, sendo dependente de variações ao acaso, tem sido considerada “cega ou ao menos, míope”, incapaz de exibir tal antecipação. Mas mostrando que sistemas evolutivos podem aprender de experiencias passadas significa que a evolução tem o potencial para antecipar o que e~ para adaptar a futuros meio-ambientes da mesma maneira que sistemas aprendizes fazem”…

Professor Richard Watson

Richard Watson, Parece mas não é mais um daqueles pares de mórmons que levam as boas novas de sua religião aos quatro cantos do mundo. Watson é o novo sacerdote das universidades modernas.

Estas palavras, de acordo com a super-naturalista visão de mundo que encontrei na selva, são de um absurdo total. Próprio de quem esta’ perdendo o controle das suas faculdades mentais devido estar sucumbindo ao germe de uma nova religião.

Para começar, evolução é um nome criado por humanos para nomear um conceito abstrato que não tem representação palpável e visível no nosso mundo sensorial. Peixes se transformam em lagartos que se transformam em mamíferos… isto é a coisa concreta, palpável ( mesmo assim, não muito). O que se vê de real são transformações atras de transformações e uma sequencia indo do mais simples para o mais complexo. Para se resumir estas palavras descritivas todas criou-se um nome, evolução, e isto é o que evolução é. Houve aplicação de inteligencia na transformação de peixes para lagartos? Claro que não. Ah… mas quando você começa a mentalizar com insistência um nome bonito, na moda, apesar de abstrato de tal maneira que esse nome passa a ocupar sua mente, você começa a projetar nele uma personalidade quase humana, e de repente você esta não apenas vendo o nome como visão real, você esta inclusive vendo a visão ser inteligente. Agora que você transpôs uma entidade sobrenatural sobre o processo da transformação de peixes em lagartos, mas como você não pode dizer que a transformação em si foi inteligente porque serias expulso do meio acadêmico como um criacionista acreditando em outra velha religião, em intelligent design, você se salva colocando o “inteligente” sobre o nome abstrato. Não foi assim que se inventou Thor e depois o colocou como produtor de raios e trovoes ?

Não existe evolução, como uma coisa de per se. O que existem são micro-ciclos evolutivos dentro de um grande processo de reprodução universal. E para ilustrar isto me permitam recorrer a uma historiazinha, a qual gostaria que chegasse aos ouvidos destes misticos.

Certa vez existia um microbio nadador tao pequeno que morava dentro de um ovulo não fecundado. Chamava-se Ernesto e era inteligente, já tinha até fabricado umas lunetas, etc. A vida ia calma para o Ernesto sempre nadando naquele imenso oceano amniótico até que um dia… tudo mudou. Apareceu no centro do oceano uma nave alienígena. Ele esperou impaciente as portas da nave se abrirem para ver a cara dos alienígenas, porem, de repente a nave explodiu, num espalhafatoso big bang, e os alienígenas saíram a nadar. ( Estes caras devem ser portugueses pois não sabem fazer portas e para saírem precisam explodir o carro – pensou Ernesto, mas na verdade ele não sabia que o que tinha visto era o mero romper repentino da membrana de um espermatozoide). E cada alienígena que tinha a forma de sereio agarrou uma das sereias do lugar e começou um grande baile. Quando acordou no dia seguinte sereios e sereias tinham desaparecido e no lugar havia uma bolota disforme. A bolota continuou crescendo, depois tomou a forma de um sapinho, de um peixe, de uma lagartixa, de um feto e no fim de uma forma que Ernesto nunca tinha visto. E num belo dia a nova forma se foi, deixando Ernesto a pensar com seus botoes. “Acabei de assistir a uma historia, a qual vou chamar de Evolução”. Mas intrigado Ernesto tudo fez para tambem sair daquele lugar que não tinha mais seu doce oceano e quando chegou num lugar novo, la viu a forma  que tinha visto evoluir, e junto com inúmeras outras formas da mesma especie, e que dominavam um planeta para os quais estavam perfeitamente adaptados. E Ernesto pensou. “Caramba! Todo aquele trabalho, aquelas sucessivas transformações, tinham uma meta final, um plano inteligente, que era o de fazer uma criatura fantastica adaptada a um mundo fantástico que a esperava no futuro! Então a Evolução era inteligente e não apenas isso, podia prever o futuro!”

Meu Deus do Céu, eu não sei se tu existe, mas de qualquer forma, pare o mundo que eu quero descer!

Estes misticos modernos o são porque não conhecem aquele que foi nosso criador e dentro de cujo ventre ainda estamos sendo forjados. A foto do bicho esta’ no meu website, mas o ilusionismo da’ valor as imagens visionarias e não vê mais as imagens reais. Se eu conseguisse pô-los numa sala de aula e começasse a descrever um novo mundo no quadro negro, é certo que em poucos minutos iriam saindo um por um da sala, pois aquilo lhes seria insuportável. Como foi para o clero cristão quando um Copérnico os chamou e começou a dizer que não era a Terra o centro do mundo, etc. Ou da outra vez quando Darwin os chamou e começou a dizer que Deus não esteve aqui criando formas uma a uma. Não quiseram e não puderam ouvir, claro, passaram a vida creditando numa mentira, sobre essa mentira estava alicerçada seus privilégios como status social, etc. O desmascaramento dessa mentira seria suas ruínas.

Ao sair da sala algum poderia sair rindo ( toda vez que eu explicava alguma tecnologia da civilização para os índios, eles se riam a vontade, eu não entendia o porque, mas depois aprendi que é a reação instintiva espontânea a qualquer ameaça perturbadora que ainda esteja `a distancia).  Rindo e dizendo algo como. “Ora, nos temos 200 anos trabalhando com afinco em cima de um fenômeno natural super-complexo e você vem agora nos fazer perder empo descrevendo um mero processo de embriogênese:  E você quer dizer que isto é evolução! Não tem nada a ver. Evolução se da’ em termos de populações e não em termos individuais como ocorre com um feto na embriogênese.”

Se eu tivesse tempo imediatamente pediria: “Ok, então por favor me mostre o fato cientifico observado da evolução sobre populações ou algum outro evento no Cosmos que seja semelhante a teoria da evolução por populações que vocês elaboraram.

Não tem. Pela logica ela existe, eles devem estarem certo falando que houve um processo evolucionário baseado na transmissão de genes mutados entre gerações de populações, mas este processo nunca sera’ um fato cientifico comprovado porque, se na teoria todas as transformações começaram por uma mutação ao acaso, e acasos são impossíveis de se repetirem em laboratórios – pois se algum dia alguém repetir um acaso ele deixara’ de se-lo e se entendera’ que ele sempre foi uma lei – … Mas não é nisto que esta errando feio. Mutações por acaso devem ocorrer a todo instante, o processo de transcrição do DNA é muito complexo e depende de todas as demais condições inalteráveis, mas quando ocorre uma mutação por acaso, se a Evolução pudesse falar ela diria: ” Ora, seja bem vinda, você me poupou um bocado de trabalho. Podes ficar porque de qualquer maneira eu iria ter de faze-la mesmo…” Ou então: ” Você nada tem a fazer aqui, vieste bagunçar o meu projeto? Estas descartada para sempre!”

O motivo do erro é outro, muito mais complexo. Eles separaram a Historia Universal em dois blocos – a Evolução Cosmológica e a Evolução Biológica – sem nenhum elo evolucionário entre os blocos, e este abismo criado só pode ser preenchido com a mistica. Para se explicar a existência do segundo bloco da Historia, com suas origens da vida, é preciso inventar um deus magico, e este se chamou Deus Acaso Absoluto, produtor das mutações ao acaso, milagrosas.

O Universo é uma especie de ovo cósmico, as galaxias são as células de uma placenta, e dentro deste Universo esta ocorrendo um processo de reprodução genética daquilo ou daquele que carrega este ovo cósmico no ventre. Este universal macro-processo de reprodução é um fractal que vai se dividindo em fractais menores, ou seja, micro-ciclos deste processo, do qual a evolução biológica, a evolução de nove meses de uma embriogênese são meros fractais, mas como tais se dão pelo mesmo processo universal. Por isso, temos que observar e prestar atenção na projeção deste processo universal que esta aqui, na frente de nossos olhos, para tentar-mos entender o que esta ocorrendo a nível universal. Por isso a historinha do Ernesto. Uma historia que tem sangue nas veias de sua racionalidade, mas rejeitada porque as mentes em fase religiosa só apreciam os contos mágicos de fadas.

A evolução é inteligente! So faltava essa… Assim resolvem um mistério que estavam tentando entender: como a evolução cega pode produzir algo tao fantástico como um corpo humano?!

Ora, quem fez meu corpo foi o DNA dos meus pais sem que tivessem aplicado qualquer naco de inteligencia para me fazerem, tudo ocorreu naturalmente. Meus pais nunca vieram me dizer que para me fazer contrataram uma arquiteta inteligente chamada Evolução.

A Pergunta-Bomba que Materialistas Vão Temer Ouvir ?

quarta-feira, janeiro 6th, 2016

xxx

Quando não existia nenhum macaco, qual foi o animal que se transformou nos primeiros macacos?!

A capivara? Um boi? O canguru?…

E’enorme na Internet e nas escolas a discussão sobre o não-elo ou o elo que teria saído dos macacos e se tornado humano. Mas antes de pensar nesta questão, deveriam pensar no mamífero-elo que teria saído dos mamíferos e se tornado macaco. Certo? Pois a pergunta sobre o elo macaco-humano e’ efeito da causa anterior, a pergunta sobre o elo mamífero-macaco.

São como guardas de transito que estão parando os automóveis numa blitz e não estão vendo passar as carretas… Coando agulhas e deixando passar camelos?

Image result for repteis

Repteis

 >>>>>…… 

Mamiferos

 

 

 

 

 

 

 

 

>>>>…..

Image result for macacos

Macacos

Vou procurar um tempo livre e vasculhar a teoria evolucionista se eles já responderam esta questão. Talvez eu esteja seculos atrasado… mas… nas centenas de discussão que assisti, não vi nem tocar neste assunto. Você sabe a resposta e vai me fazer o favor de me ajudar a economizar meu tempo e energia do meu cocuruto?

Tempos atras eu pensei em outra questão: como e porque uma réptil quase sem cérebro, de sangue frio e botando os ovos fora, resolveu por si mesma, fazer forca para segurar os ovos dentro e escolher a opção de todas as desvantagens da gravidez  Quando ela tem vontade de urinar ou defecar ela simplesmente libera a coisa, não prende os intestinos. Para que?! Sofrer sem um motivo logico qualquer?

Mas, a sagrada escritura de Darwin diz que isto aconteceu assim, os materialistas aceitaram a narração pura sem refletir nela. Como os religiosos aceitam uma narração de ” … e Deus mandou passar ao fio da espada todas as crianças, mulheres e homens daquela tribo..” sem refletir no evento em si. E os poucos que questionaram e refletiram se basearam em fantasias de suas imaginações sem evidencia alguma. Como e porque alguns repteis conquistaram a sua transcendência para mamíferos? Ou que seja peixes, sapos, pássaros?!

Bem, como os outros humanos eu escolhi e votei numa hipótese, com  o detalhe de ser uma hipótese diferente de todas as criadas pelos outros humanos em todos os tempos e lugares, uma hipótese que eu mesmo achei e conclui que ela não somente e’ possível, ms e’ a mais racional que conheço. Eu antes fiz um modelo teórico astronomico que acho mais racional do que os outros existentes, e nesse modelo, já esta la, a bilhões de anos muito antes das origens dos rapteis, um objeto botando seus ovos fora e depois, ele mesmo, mantendo os ovos dentro. Então de la veio a força natural que obrigou aquela réptil a se comportar daquela maneira ilógica e anti-darwinico-evolucionista para ela. Pois tal réptil jamais teria sido selecionado pela seleção natural de Darwin. Para esta, mesmo o protótipo da fêmea gravida  – uma fêmea mais pesada e desajeitada devido os ovos dentro – e’ uma doente mais frágil e e menos capaz que a outra réptil que se livrou dos ovos, não adaptada a luta para defesa e sobrevivência. Assim como não posso aceitar racionalmente que um deus tenha eleito um povo em detrimento dos outros, não posso aceitar que a seleção tenha escolhido o pior em detrimento do melhor.

– ” Ah… foi um evento ao acaso produzindo uma mutação, assim como a queda de uma montanha cria uma parde represando as águas de um rio.” – responderia algum materialista. Engraçado! Eu nunca tinha pensado nas origens da virgindade dessa maneira! A película da virgindade ‘e igual uma represa? Não, não, isso nada tem a ver! Então qual foi a forca natural que segurou, represou, os ovos dentro? Ou melhor, qual foi o elemento feito por acaso que emergiu de átomos e começou a segurar os ovos dentro? Como foi o evento ao acaso, o acidente, que produziu esta mutação dentro do DNA?

Claro que ninguem e nunca vai responder esta questão, pois não existe maquina do tempo para voltar ao passado e ninguém vai reproduzir o evento em laboratorio, pois se conseguir reproduzir um evento então ele não foi por acaso, e’ uma regra. Mas a minha teoria ainda e’ a unica que tem chance de provar como aconteceu, se localizar no céu um sistema astronomico igualzinho o meu modelo teórico. Eu sou o único humano que continua vivo e correndo nesta maratona. Olhando pra o céu com uma luneta do tempo do Galileo e procurando o objeto dos meus sonhos. Cada louco com sua mania…

E agora meu cérebro volta ao ataque me fustigando com esta nova pergunta.

– ” Quando não existia nenhum macaco, qual foi o animal que se transformou nos primeiros macacos?! “

E se existirem teorias, e se as teorias existentes não satisfazerem meu raciocínio, vou ter que pegar o pequeno microscópio do tempo do Pasteur e voltar na selva procurando outra… ou então passar dias debruçados em cima da formula da Matrix ate ver algum astro deixando de se mover com quatro patas e passando a usar so duas. Pondo-se de pe’. Mas como por se de pe’, se todos são redondos? Que ideia mais maluca!

Não vai ser por ai. Tem que ter algum outro detalhe diferenciador entre os mamíferos existentes naquela época, e os macacos. E tal detalhe deve estar explicito na formula. Não tenho outra alternativa senão procura-lo. Talvez esteja na configuração do DNA?

Epa! Uma explicação simples que teria sido apontada por um evolucionista seria: ” Tire um mamífero de seu habitat normal, leve-o para outro diferente, e você vera a transformação m macaco.

Ok. Vou levar alguns bois e vacas para o polo norte.E tirar algumas especies marinhas e traze-las para o continente. Bem, se os evolucionistas no estilo de Darwin afirmarem que isto ocorreu, eles devem ter pelos fosseis para provar isso. Vou indaga-los.

 

Epigenetica: E a evolução dos passarinhos de Darwin

domingo, maio 3rd, 2015

xxx

Para ler:

Epigenetics and the Evolution of Darwin’s Finches

http://www.thethirdwayofevolution.com/related-reading

 

Primeiro Livro Brasileiro Sôbre Evolução Humana: “Assim caminhou a humanidade”

sexta-feira, abril 17th, 2015
xxxxx
 
Veja artigo sobre o livro no link:
 
http://darwinedeus.blogfolha.uol.com.br/2015/04/16/assim-caminhou-a-humanidade/#comentarios
 
Image result for from monkey to humans

O passado que nunca vamos contar aos extra-terrestres

 
Interessante tambem é ver como todo artigo cientifico sobre evolução deflagra uma torrente de discussão entre religiosos e ateus nos comentarios. O que me prejudica quando preciso comentar, debater, mas me limitando aos fatos reais e cientificamente conhecidos. A seguir meu comentário enviado ao artigo:
(aguardando moderação)
 
Louis Morelli – Friday, April, 17/2015 
“… a obra de Darwin, deu-nos os “óculos” conceituais mais apropriados para enxergar nossa humanidade…”Discordo. Foi um gigantesco passo do conhecimento humano mas um pequenino passo do conhecimento do tudo. Mesmo o mais atualizado conhecimento de Darwin à Moderna Síntese ainda é quase nada porque: 2) As forças e elementos naturais que carregam a evolução não podem terem sido inventadas pela natureza aqui neste planetinha e devem vir da Natureza do Universo, desde o Big Bang. Apenas a teoria da Matrix/DNA, desenvolvida por um brasileiro na selva amazônica sobre as origens da Vida conseguiu até hoje apresentar uma lógica e racional sugestão onde e como estiveram estas forças e elementos constituindo os ancestrais sistemas naturais como átomos e galaxias. Mas ela aponta 7 mecanismos para a evolução acontecer enquanto o neo-darwinismo ainda só conhece 3. 3) Cresce o numero de cientistas descontentes com essa teoria. E etc.

the universal  matrix

“Parem de me seguir, pôxa!”