Posts Tagged ‘educação’

Evolução: Problemas na teoria e a educação escolar da teoria

domingo, setembro 3rd, 2017

xxxx

Por James Tour:

https://www.jmtour.com/personal-topics/evolution-creation/

” Evolution is both about the mechanism by which change occurs over time, and the theory of universal common descent. But the mechanismsare unknown and the theory of universal common descent is confronted by issues of uncommonness through ENCODE and orphan gene research. And each year the evidence for uncommonness is escalating.”

Evolution/Creation

About schollar education regarding evolution:

So what should be taught in schools regarding evolution, in my opinion? As I wrote, I am not a proponent of intelligent design for the reasons I state above: I cannot prove it using my tools of chemistry to which I am bound in the chemistry classroom; the same tools to which I commensurately bind my evolutionist colleagues. A better approach would include more teaching about common descent using basic genetics arguments. But there should also be coverage of legitimate scientific puzzles such as macroevolution’s weak underpinning for the origin of body plans, the unexplainable functional differences between the modern human brain and that of other hominids, the ENCODE and orphan gene findings and disagreements, the huge difficulties regarding the theories on the origin of first life, and the mystery of information’s origin in the sequence of the nucleic acids. Such deliberations would be exciting and scientifically enlightening to students, and they would be changing with time as more data becomes available. In a secular classroom, one need not include an intelligent designer in order to provide the students with an appreciation for the science or an overview of the theories’ shortcomings. I think that, upon this approach, diverse camps could respectfully agree and lawsuits would be unnecessary.

Buscando o Publico Alvo: Desinteresse dos estudantes por ciências – por disciplinas e países

sexta-feira, agosto 11th, 2017

xxxxx

Pesquisa em PDF. Ver principalmente as conclusões finais (pag 144)

http://roseproject.no/network/countries/brazil/bra-caldeira-tolentino-neto.pdf

Existe uma organização internacional que faz a pesquisa em 40 países:

http://www.ils.uio.no/english/rose/

Sobre o Ensino Escolar

segunda-feira, janeiro 2nd, 2017

xxxxx

Penso que nossas escolas estão todas erradas, e tenho militado na tentativa de influenciar mudanças. Agora vejo um texto onde tem boas informações academicas – ensinadas por essa escola – as quais posso precisar mais adiante e por isso registro link para o artigo aqui. Porém, também acho que o artigo está fora de foco e por isso publiquei um comentário, o qual vai abaixo copiado. Já começa com este título muito estranho:

5 coisas terríveis sobre as escolas que você jamais pensou antes

E meu comentario:
Louis Charles Morelli · Fritador de batatas fritas na empresa Self employed – 1/1/2017
Excelente argumentacao e coletanea de fatos. Porem, nao entendo o porque de denunciar algo de forma inutil. O que a autora pretendeu com este texto? Chegar a voz aos pais para ensinarem suas criancas a questionarem? Jamais fariam isto pois eles seriam os primeiros a serem questionados. E nao saberiam como ensinar isto.
E qual o objetivo de uma critica que todo mundo sabe, sem apresentar uma solucao? No caso, o povo mudar a mentalidade dos funcionarios da educacao?
Nao sera’ este tipo de pratica jornalista em si mesmo um efeito da escola, da selecao da midia, tudo vindo da aristocracia dominante?
Creio que eu estou aplicando uma correta solucao, alias a unica que vejo no momento. Procuro questionar o pessoal (alunos e educadores) sobre a veracidade do que aprenderam. Porem, para isso, tenho que estar bem informado sobre os fatos que estudam e tenho que ter em mente uma visao de mundo que de outras explicacoes para estes fatos. A escola e’ a moderna projecao da cultura de 10.000 anos criada pelos humanos com instinto a predadores para manterem seus territorios e suas presas em ordem. Tem-se que combater este instinto e desconstruir esta cultura. Observe meu website e veja como tudo e’ questionado mas para tudo e’ oferecido uma diferente razao. Abracos, e’ bom ter este tema em pauta

Educação: O Curriculum Controlado pelos Predadores

sábado, janeiro 16th, 2016

xxxxx

Abaixo uma carta publicada por um professor. ( link: https://www.facebook.com/notes/elton-rivas/fui-demitido/1230057047008617

Alem dos problemas que ele aponta, outro mais serio preocupa a Matrix/DNA. Os grupos como esse desta universidade, que critérios aplicam na escolha do que vai ser ensinado alem do profissionalismo técnico? Quais tipos de palestras ou eventos externos vão deixar entrar nas suas escolas? Ora, claro, apenas o que ‘e atraente e interessa `a cultura predadora. Uma visão de mundo como a da Matrix/DNA jamais teria espaço para se divulgar nestas escolas. O enorme leque de sugestões para pesquisas e empreendimentos científicos e sociais que emerge da Matrix/DNA fica ai inutilizado. Os valores morais passado aos estudantes são aqueles que conduzem ao Admirável Mundo Novo sob o Big Brother. A total estupidez intelectual, a morte definitiva da alma, o interrompimento da gestação embrionaria da propriedade da auto-consciência.

Se não tiver-mos alguma ajuda de fora – seja de extraterrestres, espíritos, deuses, ou sei la’ mais o que – acho que não vamos escapar do mesmo destino da fabula de Adão e Eva, e vira’ a segunda Queda.

xxxx A CARTA xxxx
No próximo semestre não estarei mais lecionando na Anhanguera. Essa é a resposta às perguntas de qual matéria “eu darei” nesse semestre.
Publiquei artigos. Sou bem avaliado pelos alunos. Não falto, sou pontual e nunca tive maiores problemas com colegas ou alunos.
Mas sou Doutor.
O que acontece quando a educação vira mercadoria?
Vejamos nos trechos do texto que disponibilizo na íntegra, no rodapé da página
“A Anhanguera Educacional tornou-se uma empresa S.A., com ações na bolsa de valores e uma agressiva política de compra de outras instituições. Depois de gastar R$ 800 milhões com a compra de 12 redes de ensino, o grupo tornou-se a maior rede de ensino do país.
Segundo dados da Federação dos Professores de São Paulo (Fepesp), o Grupo Anhanguera demitiu apenas no Estado de São Paulo 1.497 professores. E esse número deve ser ainda maior, uma vez que há relatos de demissão em outros estados, como Rio Grande do Sul, Goiás e Mato Grosso do Sul.
Especula-se que a Anhanguera deseja reformular seu quadro com professores de titulação mais baixa. Segundo professores da Anhanguera, a instituição paga a um mestre o valor de R$ 38,00 por hora-aula e, agora, deverá pagar R$ 26,00 aos novos contratados”
Imagina o que ocorreu com os doutores, que ganhávamos quase R$ 60,00.
Mas nem tudo está perdido. Nos oferecem o feliz retorno em seis meses, desde que aceitemos ganhar o novo piso. E o que faço com os 6 anos de formação para obtenção dos títulos de mestre e doutor? Ah, muda de cidade e vai dar aula numa universidade pública, já me disseram.
A questão não deveria ser essa. Negar a titulação e a remuneração decorrente dela, seria incoerência de quem passa a maior parte do tempo repetindo como um mantra aos alunos a importância da qualificação, da formação acadêmica.
Espero nunca precisar passar por isso, nunca ceder a essa lógica. Lamento pelos colegas que não tem escolha, lamento pela política de ensino superior do Ministério da Educação. Desejo voltar a lecionar lá ou em qualquer outro lugar. Não peço nada além do óbvio. Não quero fechar portas. Quero escancarar as portas, janelas e derrubar os muros. Por isso escolhi ser professor.
Para o sociólogo Wilson Mesquita de Almeida, existe a consolidação de um modelo de Ensino Superior que prioriza o lucro em detrimento da qualidade. “Hoje, os fundos de investimento de educação reestruturam as instituições, reduzindo custos, com o corte de professores e outras medidas que influenciam na qualidade”, afirma o sociólogo. A lógica da política de ensino superior no Brasil, construído para suprir a baixa oferta de vagas em universidades públicas, tem reflexos diretos no modelo e na qualidade do ensino universitário brasileiro.

O que é Vida? Conceito da Ciência Humana Sendo Ensinado em Biologia e Diferenças com o Conceito da Matrix/DNA

terça-feira, abril 7th, 2015

xxxx

Por uma abordagem relacional ao conceito de vida no ensino de biologia (PDF)

Towards a relational concept of life in Biology teaching (PDF)

http://revistas.if.usp.br/rbpec/article/viewFile/349/407

Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências Vol. 14, No 3, 2014

Anotações da Matrix/DNA

1) Pag.  139 que é a primeira pagina deste PDF na revista  – Abstrato – Reconhecendo limitações nos três modos de compreensão e a importância do conceito das vida para a educação em biologia, propomos um referencial teórico que mescla a biossemiótica, construção de nicho e coevolução. Nossa hipótese é a de que tal referencial servirá como base para ações pedagógicas que garantirão um entendimento de vida mais duradouro e produtivo para a aprendizagem de biologia ao longo do percurso acadêmico dos estudantes, deste o ensino fundamental.

Pesquisa da Matrix/DNA:

biossemiótica – Wikipedia – Biossemiótica (do grego bios que significa “vida” e semion significando “signo / sinal”), é um campo crescente que estuda a produção de ação e interpretação dos sinais do reino biológico, em uma tentativa de integrar as descobertas científicas da biologia e da semiótica para formar uma Nova visão da vida e do significado de imanentes elementos do mundo natural. O termo “biossemiótica” foi pela primeira vez utilizado por F.S. Rothschild, em 1962, mas Thomas Sebeoktem feito muito para popularizar o termo e o campo.

Semiótica: 

A semiótica é um saber muito antigo, que estuda os modos como o homem significa o que o rodeia. 
Ciência que estuda como o ser humano interpreta os vários elementos da linguagem utilizando seus sentidos e quais reações esses elementos provocam. É a ciência geral dos símbolos e da semiose que estuda todos os fenômenos culturais como se fossem sistemas sígnicos, isto é, sistemas de significação. Ambos os termos são derivados da palavra grega σημεῖον (sēmeion), que significa “signo”, havendo, desde a antiguidade, uma disciplina médica chamada de “semiologia” que é o sinônimo de Semiótica, a ciência geral dos signos que estuda todos os fenômenos de significação e foi usada pela primeira vez em Inglês por Henry Stubbes (1670), em um sentido muito preciso, para indicar o ramo da ciência médica dedicado ao estudo da interpretação de sinais. 

É importante dizer que o saber foi estudado, inicialmente, constituído por uma dupla face. A face semiológica (relativa ao fato real, o significante) e a epistemológica (referente ao significado das palavras).

A semiótica tem, assim, a sua origem na mesma época que a filosofia e disciplinas afeitas. Da Grécia antiga até os nossos dias tem vindo a desenvolver-se continuamente. Porém, posteriormente, há cerca de dois ou três séculos, é que se começaram a manifestar aqueles que seriam apelidados pais da semiótica (ou semiologia).

Os problemas concernentes à semiologia e à semiótica, assim, podem retroceder a pensadores como Platão e Santo Agostinho, por exemplo. Entretanto, somente no início do século XX com os trabalhos paralelos de Ferdinand de Saussure e C. S. Peirce, o estudo geral dos signos começa a adquirir autonomia e o status de ciência. ( ver mais em Wikipedia)

– Pag  140

Biologia é a ciência dedicada ao estudo da vida. Porém, o que é vida? Corre um dito jocoso, segundo o qual enquanto a filosofia procura o sentido da vida, a biologia o descobriu há muito: 5’  3’. Este é o sentido em que a leitura da fita de DNA é feita, por ocasião da transcrição para RNA. Valendo-se da polissemia de ”sentido”, essa piada deixa escapar a concepção de que compreender fenômenos orgânicos é redutível a entender o que se chama “programa genético”: um algoritmo que supostamente conteria toda a informação necessária para a construção de um ser vivo. No século XX, esta noção ficou conhecida como “visão molecular da vida” (KAY, 1996). Nessa concepção, a prioridade cognitiva sobre os fenômenos vivos é a de se referir a processos moleculares subjacentes.

Matrix/DNA: Este é o problema da visão de mundo acadêmica. Reduz-se a Vida ao que se observa na Terra como  fenomenos biológicos. E mais exatamente ao DNA. Ora, a biologia é mero produto de uma evolução de um sistema natural que começou a 13,7 bilhões de anos. Este sistema tem mudado de formas assim como um sistema-corpo humano muda de formas varias vêzes durante seu periodo de vida. O que nos leva a deduzir que tanto o corpo humano quanto este sistema universal estão sujeitos ao processo do ciclo vital. E adiciona a isso a possibilidade sugerida pela Matrix/DNA Theory de que todas as propriedades da vida biológica já existem, apenas em estado potencial ou expressadas, nas formas anteriores do sistema universal, de átomos a galaxias. Não existem fronteiras separando sistemas naturais vivos de não-vivos pelo mesmo motivo que não existem fronteiras separando num humano a criança, o jovem, o adulto. Reduzir a Vida para o que seconhece aqui na Terra é ficar totalmente sem conhecer os seus fundamentos, suas causas, seus alicerces básicos. 

Pag 141 – faz-se necessário que os fenômenos associados aos seres vivos sejam compreendidos, para além de sua organização molecular. Isto porque grande parte das questões em biologia situam-se no âmbito da evolução e da ecologia.

( Parei leitura na pag 152 – Coevolução)

 

 

 

Tema de Hoje: A Urgente e Necessária Mudança nas Escolas Brasileiras

sexta-feira, fevereiro 6th, 2015

xxxx

Meu comentário postado no artigo com link abaixo:

LUIZ C. MORELLO, 

AUTONOMO, 

Eu não aceito a proposta pedagógica nacional para a escola brasileira que eu sustento e como cidadão sou sócio-proprietário e responsável. Ela falha na formação técnica e mental dos meus filhos para enfrentarem o mundo real. Mais da metade do conteúdo do curriculum educacional tem que ser trocado. Meus filhos estão sendo traídos por uma cultura milenar fabricada por predadores para continuidade de dominação social e o resultado são jovens alienados, interpretando equivocadamente os reais fenômenos naturais e inaptos a dirigirem seus hábitos e comportamentos na busca de melhores condições de vida. Fico pasmo com pais e mães ignorando os males existentes onde estão mandando seus filhos!

Artigo:

Por uma educação mais comprometida

http://www.jornaldelondrina.com.br/opiniao/ponto-de-vista/conteudo.phtml?tl=1&id=1527589&tit=Por-uma-educacao-mais-comprometida

  • *Andrea Pizaia Ornellas
  • 22/01/2015 00:42

Qual sua opinião?

Educação: Falta de Alfabetização Financeira e de Habilidades Técnicas “Domésticas”

quinta-feira, janeiro 22nd, 2015

xxxxx

Why financial literacy should be made mandatory in schools

https://www.linkedin.com/pulse/why-financial-literacy-should-made-mandatory-schools-varadachari

Educação: Tem como “interessar” os estudantes desinteresados?

terça-feira, janeiro 20th, 2015

Assim de chofre eu sugiro a hipótese de que o desinteresse pelo conhecimento intelectual é produto da genética do individuo. Mas acredito que sem indivíduos apaixonados pela busca do conhecimento intelectual a Humanidade fica como um barco à deriva sem ter controle do seu destino. Os humanos imitam os vírus malignos dentro de um corpo humano, que comem e se reproduzem  matando as células até matar o corpo inteiro e com ele desaparecerem tambem. Assim será o destino da Humanidade aniquilando a vida deste planeta sem o guia que  vem do conhecimento intelectual. E quando a grande maioria é composta por estes indivíduos e eles tem o poder físico, os intelectuais sucumbem e acaba-se o auto-controle da espécie. Então é meu urgente interesse estudar este problema dos humanos que nascem com a tendencia a negar a busca do conhecimento intelectual.

Vou abrir este capitulo para estudar este problema.

Primeiro vamos registrar um artigo relacionado ao assunto, para posterior análise:

The Laws of Science Teaching at Community Colleges.

http://www.science20.com/quantum_gravity/blog/the_laws_of_science_teaching_at_community_colleges-152379

By Hontas Farmer | January 17th 2015 11:36 AM

User pic.

Hontas Farmer – The Laws of Science Teaching at Community Colleges.

 

Educação no Brasil: Assunto Sério e Triste. Como Consertar?

sábado, janeiro 17th, 2015

xxxx

Enem: por que tantos zeros na prova de redação?

http://abecedario.blogfolha.uol.com.br/2015/01/15/enem-por-que-tantos-zeros-na-prova-de-redacao/#comentarios

 

xxxx

Meu comentário postado no artigo: 

Os brasileiros caíram numa armadilha do destino, e se não acordarem a tempo, não existirá retorno. Enquanto europeus nativos, primitivos, enfrentaram dificuldades para sobrevivência e foram obrigados a se concentrarem nos fenômenos naturais, fatos e eventos reais, exercitando o cérebro na busca de soluções, os nativos brasileiros saíram da selva e caíram num mundo tecnologizado pelos europeus onde tudo é mais fácil e já está pronto. Não houve o passo natural exigido pela evolução do cérebro. Um cérebro não exercitado na juventude de um pessoa ou de um povo, quando adulto não tem mais jeito. Junte-se a isso a colonização portuguesa que por 500 anos tem mantido o Brasil como sua fazenda e o povo como escravos agricultores ou nos serviços brutos, e para manter assim não pode permitir que esse povo aprenda a pensar e criar. Os jovens caem nessa porque se não houver o carrasco da necessidade empurrando para a ação, não resistem à preguiça mental.

xxxx

Willians Bru

Eu que já prestei na vida muitos vestibulares e esse ano acompanhei um filho em alguns, observei que muitos estudantes usaram o tempo mínimo pra se fazer a prova. Abria-se o portão e lá vinha uma leva de estudantes pra fora dos locais de prova. Como professor, sei bem que embora se tente conciliar o tempo da prova com sua dificuldade e necessidade, NUNCA em minha vida vi uma prova cujo tempo era folgado, pelo contrário, pra se fazê-la de forma completa (ou quase), usaria sim todo o tempo disponível. Repetiu-se no ENEM um fenômeno comum, já conhecido dos docentes: o aluno faz um mínimo que sabe, chuta um monte de questões, e nem se dedica muito às demais, e tb nem à redação! Parecem estar alheios às consequências de não aprender, não estudar, não se dedicar. Reproduzem no ENEM o que já estão acostumados a fazer no dia-dia de sala..

Minha resposta a Willian Bru: 

Exames de conhecimento onde se apresentam alternativas para a resposta é um absurdo. Cada questão tem apenas uma resposta possível e o estudante tem que sabe-la e escreve-la, explica-la. Cada questão deve ser seguida com o espaço em branco a ser preenchido pelo estudante. Ou sabe ou não sabe e volta para a escola para saber. Estes educadores aceitando esse método absurdo não estão comprometidos com a responsabilidade exigida pela educação.Vão pagar o árduo preço de envelhecerem vendo esse pais cada vez mais regredindo na evolução cientifica, tecnológica, social e econômica, em relação ao primeiro mundo.

Quântica e Picaretagem Quântica: Um Conselho para a Matrix/DNA

sexta-feira, novembro 21st, 2014

Interessante vídeo de debates com link e titulo abaixo, nos lembra e informa que do ponto de vista da Física, todas as teorias esotéricas, como estas de auto-ajuda, se querem serem consideras Ciência, que não usem a quântica, pois a Física quântica mostra que ela trata do nível abaixo dos átomos apenas, nada vê em relação a consciência, medicina, etc.

O vídeo suscitou a postagem do nosso seguinte comentário:

PSEUDOCIÊNCIAS E PICARETAGEM QUANTICA

http://universoracionalista.org/2-hangout-do-universo-racionalista-pseudociencias-picaretagem-quantica/#comments

Avatar

Para começar, a Natureza não é propriedade nem dos picaretas mencionados e nem das atuais Ciências Humanas, como a Fisica e a Matematica. A palavra “quantica” é meramente um nome dado por humanos quando se referem a uma dimensão ou ordem de fenômenos naturais, ou seja, essa parte da Natureza é “quantica” para os humanos, não para a Natureza. Ocorre que os sensores do cérebro humano, limitados, não conseguiram captar esta dimensão, e a tecnologia produziu instrumentos que são extensões tecnológicas destes sensores, os quais não estão disponiveis a todas as pessoas, foram entregues pelos governos e corporações aos Fisicos, e não aos biólogos, neurologistas, etc. Por isso esta dimensão ainda está sendo estudada apenas pela perspectiva dos Fisicos e sua linguagem, a Matematica. É preciso democratizar o uso destes instrumentos de observação e medições, para que maior numero de diferentes perspectivas enriqueçam o conhecimento. E assim dê-os aos tais picaretas quanticos para que eles mesmos se destruam se constatarem que suas teorias não tem fundamento. O certo é que vão tentar experiencias e abordagens que os Fisicos não admitem.

Pela perspectiva da Matrix/DNA Theory, a Fisica faz um necessario trabalho de desvendar o “esqueleto” do Universo, formado de átomos, galáxias e forças, mas quem prova que este Universo que produziu o corpo humano, começa e termina nesse esqueleto? Não existirá na dimensão macrocósmica niveis de organização da matéria mais complexos, como o corpo humano possui alem do esqueleto, a parte carnal, mental? Se existir nunca será o método cientifico usado pelos Fisicos que os descobrirá, e nem a lógica matematica que se aplicará. Nem os atuais instrumentos que amplificam os sensores humanos, pois eles são compostos e desenhados mecanicamente.

A dimensão dos fenômenos abaixo dos átomos certamente toca os limites materiais deste Universo para baixo e os limites do seu passado nas suas origens. Assim como o estudo da embriogênese chega ao limite espacial microscópico do DNA e ao limite temporal no momento da fecundação de um óvulo. Mas de onde veio o DNA daquele embrião e de onde veio a causa da origem daquele embrião? Estão fora do “universo” estudado. Se na embriogênese ultrapassamos estes limites, ao invés de chegar-mos ao NADA ou a Deus, vamos chegar a pais humanos, ver que o mundo se abre numa complexidade muito maior do que a embriogênese, pois vamos ver os pais, e o mundo alem deles. Vamos ver que a consciência no embrião já existia antes das origens do embrião. Assim são os limites do Universo quando estudados pelos métodos da Física e da Matemática.

Por estas coisas que defendo as tentativas de se aproveitar do conhecimento destes limites – que se convêm chamar “quânticos” por biologistas, neurologistas, psicólogos, etc. Uma complexidade maior e ainda desconhecida é uma possibilidade racional, o mais baixo nível microscópico da Natureza pode ser uma janela aberta para se ver esta complexidade, mas esta janela tem um vidro muito escuro que só permite se ver sombras do outro lado, ou não ver nada, e tem pessoas que estão fazendo teorias sobre o outro lado, inclusive algumas acreditam tanto em suas teorias, como o Chopra, que as afirmam como se fossem verdades comprovadas… e incautos compram teorias. Como é teoria a afirmação que da dimensão quântica não se aufere um conhecimento que possa explicar algo da consciência. Se a Natureza é um corpo só, o seu “pé” não pode estar separado de sua “cabeça”.