Posts Tagged ‘estrela de neutron’

Astronomia: Estudo questiona teoria sobre evolução das estrelas

sábado, setembro 11th, 2010
A descoberta de uma estrela de nêutrons com um forte campo magnético gerado pelo colapso de um astro com grande massa, que deveria ter criado um buraco negro, está intrigando os astrônomos, por questionar a teoria sobre a evolução das estrelas, segundo um trabalho publicado nesta quarta-feira (18) pela revista Astronomy and Astrophysics. Uma estrela de nêutrons, cuja densidade pode alcançar cem milhões de toneladas por centímetro cúbico, nasce do colapso de algumas estrelas de grande tamanho ao alcançar o fim de sua vida e as de maior massa engendram um buraco negro. Um magnetar, um tipo particular de estrela de nêutrons com campo magnético um bilhão de vezes maior que o da Terra, foi detectado no cúmulo estelar de Westerlund 1, a 16 mil anos-luz da Terra, graças ao VLT (“Telescópio Muito Grande”, na sigla em inglês) instalado no Chile, segundo informações do ESO (Observatório Europeu Austral) em um comunicado.

Quanto mais maciça é uma estrela, mais curta é sua vida. As estrelas do cúmulo, todas relativamente jovens, têm a mesma idade, entre 3,5 e 5 milhões de anos, segundo as estimativas. A estrela que se transformou num magnetar teve vida mais curta que suas companheiras ainda “vivas”, portanto “deve ter sido muito mais maciça”, explica Simon Clark, da Open University (Reino Unido), chefe da equipe e coautor do artigo.

Depois de determinar, graças a seus movimentos, a massa de estrelas que evoluíram em par dentro do cúmulo, os astrônomos calcularam que o magnetar provinha de uma estrela tão maciça quanto 40 sóis juntos.

Segundo a teoria sobre a evolução das estrelas vigente até agora, esses astros luminosos cuja massa inicial está entre 10 e 25 massas solares formam estrelas de nêutrons, e os que têm massa superior a 25 massas solares devem produzir um buraco negro.

“Essas estrelas devem desprender-se de mais de nove décimos de sua massa antes de explodir em uma supernova, caso contrário formarão um buraco negro”, afirma Ignacio Negueruela, da Universidade de Alicante (Espanha), que participou nas pesquisas.

A estrela que se converteu em magnetar pode ter possuído uma companheira estelar, que teria absorvido uma parte de sua matéria, em uma espécie de regime de emagrecimento gigantesco, o que explicaria o fato de não ter se convertido num buraco negro.

Mas os astrônomos se questionam: se uma estrela com mais de 40 massas solares consegue não evoluir até um buraco negro, qual é a massa da qual realmente necessita uma estrela para entrar em colapso e formar um buraco negro?

Teoria Oficial sobre a Evolucao das Estrelas

sábado, abril 25th, 2009

A Teoria Oficial, academica, ensinada nas escolas e constante dos textos dos livros escolares, sugere algumas contradicoes com a Teoria da Matriz. Obviamente, devemos todos aceitar mais a versao da Teoria Oficial. No entanto sempre se deve lembrar que ninguem pode afirmar que sabe a verdade, basta ver abaixo na Teoria Oficial os textos que dizem ” neste estado a estrela permanece por 100 milhoes de anos…), o que demonstra que o topico e’ teorico, nao pode ser confirmado cientificamente, pois nao pode ser observado nem repetido experimentalmente em laboratorio, ja que nao existimos por 100 milhoes de anos para ver de fato a estrela neste estado.  Quanto `a evolucao estrelar existe poucas diferencas, mas a principal e’:

1) A Teoria Oficial, dentro do escopo denominado Teoria Nebular, inicia a evolucao estrelar com a ideia de que havia “uma grande nuvem fria de moleculas de hidrogenio. Entao, algum evento desconhecido, mas supostamente a influencia de uma supernova nas proximidades emitiu forca gravitacional que deu inicio ao colapso e condensacao da nuvem”. Bem… como voces sabem, a versao da Matriz e’ totalmente diferente. Segundo ela, ” a morte e fragmentacao de uma ou mais estrelas velhas produz uma nuvem de gaz e poeira num ponto da galaxia. Desde que a galaxia esta’ em rotacao, esta nuvem comeca a girar em torno de um eixo proprio, criando uma especie de ciclone. O ciclone engole as particulas, debris, meteoros, etc, partes maiores da poeira, material que vai pesando no centro interior do ciclone. Neste momento o ciclone representa a funcao de um ovulo, nao-fecundado. Em seguida chegam, espiralando, os cometas, bolidos de energia nova emitida pelos pulsares, que fecundam o ovulo e sustentam o movimento rotacional como prosseguimento de seus movimentos espiralados. Dentro deste “buraco negro” se formam as sementes de novos astros, os quais sao abortados no horizonte de eventos. para resumir, eles se tornam os nucleos de planetas, os quais se transformam em pulsares, e apenas depois que os pulsares comeram os elementos mais pesados de suas crostras, se explodem como estrelas, supernovas. Portanto, pela Teoria da Matriz, a estrela inicial nao tem apenas moleculas de hidrogenio e e’ muito mais complexa que a estrela inicial da Teoria Oficial.        

O Material abaixo foi muito mal traduzido de um artigo em:

Universe Today

http://www.universetoday.com/guide-to-space/stars/star-evolution/

 

Evolução estelar


Embora elas sejam apenas quentes bolas de hidrogênio e hélio,
estrelas  estão constantemente a mudar ao longo do tempo. Estudar evolução estrelar é um ramo todo da astronomia, e os cientistas estão a aprender coisas novas o tempo todo.

Para compreender realmente a evolução estrelar, você tem que comecar do inicio. Todas as estrelas que vemos hoje começaram como grandes nuvens de frio molecular hidrogénio. Algum evento, como uma supernova nas proximidades, transmitido através da nuvem de gás  lhe deu o pontapé que precisava para começar o colapso. A gravidade da nuvem  puxa desigualmente e portanto ela se divide em nuvens menores, cada uma das quais irà formar uma nova estrela.Em uma nuvem, o material transmitido em conjunto para formar uma bola crescente de hidrogênio e hélio. Esta protostar foi constituida de gás e poeira e seria efectivamente invisível da nossa terra -baseado telescópios . Como a bola cresceu, material mais e mais entrou, causando a protostar a rotação e lançando jactos de material de seus pólos. Esta acumulação de material leva cerca de 100.000 anos.Depois de todo o material foi acumulado, a pre-star se tornou quente e brilhante; quase como uma estrela real. Mas ela não foi aquecida por reações de fusão em seu núcleo, mas graças a energia gravitacional do material recolhido continuamente. Este objeto quente, jovem, é conhecido como uma estrela  T Tauri e continua neste estado por cerca de 100 milhões de anos.Por último, a temperatura e pressão no cerne da estrela foram suficientes para permitir o inicio da fusão nuclear. Agora, a estrela se tornaria uma estrela de verdade na seqüência principal , convertendo hidrogênio em hélio em seu núcleo. Uma estrela com a massa de nosso Sol poderia estar na fase de seqüência principal por mais de 12 bilhões de anos. Estrelas mais macicas podem durar por mais curtos períodos de tempo, enquanto as estrelas  minúsculas anãs vermelhas  podem durar centenas de milhares de milhões e até mesmo bilhões de anos.Eventualmente, a estrela extingue o combustível de hidrogénio em seu núcleo. Sem a externa pressão desde  as reações da fusão, a estrela começa a contrair-se, criar mais temperatura e pressão no núcleo. Uma aureola de hidrogénio em torno do núcleo agora pode ser submetidos a fusão nuclear, e assim faz, aumentando a luminosidade da estrela centenas e até mesmo milhares de vezes. E no núcleo da estrela, Hélio é fundido em elementos ainda mais pesados. Isso faz com que a estrela se expanda para se tornar uma  gigante de vermelha . Estrelas regulares como nosso Sol expandirá para o ponto que consomem os planetas interiores: Mercurio, Vénus e mesmo a Terra. Estrelas com mais de 20 vezes a massa do sol tornam-se supergiants vermelhos, expansão fora mais de 1500 vezes o raio do sol . Imagine uma estrela tão grande que é consumida a órbita de Saturno !Este combustível extra se esgota e portanto a estrela colapsa em si mesmo novamente. Estrelas mais maciças seráo capazes de fazer esse truque várias vezes, queimando novas aureolas e fundindo elementos mais pesados e mais pesados. Eventualmente todas as estrelas atingem seu limite. As estrelas mais maciças, aquelas com mais de 20 vezes a massa do sol, vão detonar como supernovas. Estrelas menos maciças irão ejectar suas camadas mais externas e, em seguida, recolher dentro formando uma Anã branca , Estrela de nêutron ou um buraco negro. Nosso Sol constituira’ uma Anã branca; um resto do tamanho da Terra com 60 % da sua massa original. Embora inicialmente quente, este Anã branca irá lentamente arrefecer ao longo do tempo, acabando por tornar-se a temperatura de fundo do universo.E’ isso a evolução estrelar, de nuvens de gás a Anã branca.