Posts Tagged ‘exoplanetas’

ASTRONOMIA: Novo Planeta Anima a Velha luta entre Copérnico (agora Matrix/DNA) e o Modêlo Geocentrico das Universidades no Séc. XV

quinta-feira, janeiro 10th, 2013

ZME Science

Most earth-like planet detected orbiting sun-like star: extraterrestrial life likely

http://www.zmescience.com/space/earth-like-planet-koi-10012013/

Planet KOI 172.02 ( Kepler Object of Interest) Compared to Earth

Planet KOI 172.02 ( Kepler Object of Interest) Compared to Earth

Unglamorously named KOI 172.02 (Kepler Object of Interest), the planet is some 50% larger than Earth, orbiting its star on an orbit which would make its surface habitable. Well, to be more precise, it has a 242-day long year instead of our 365.25 day, and its mass rather makes it a super-Earth than an Earth, but the differences are small when put into the larger picture.

(Ver resto do artigo)

A seguir, comentário postado por nós no artigo:

Avatar

TheMatrixDNA1:47 PM – Jan – 10 – 2013

It is arriving the time when the modern big conflict inside Astronomy will be solved: which is the right cosmological model? The Physics based model of current official Astronomy or the Biological based model of Matrix/DNA Theory? Remember that once time Copernicus was alone with his model against the academic establishment. More proved data about these different shapes of astronomical bodies that we are discovering day after day will be the final judge. The problem for Matrix/DNA interpreting this few initial data is about the question about the age of this system, for knowing which from two methods nature used for this star formation. If it is an old system (generated by symbiosis) the star must be turning cooler and the planet hotter (there is transference of energy from the star to the planet), bigger, with less weight. The planet must be getting more giants volcanoes, which eruptions will make it seems a pulsar, and he must go far away from the star orbit, for becoming a star itself. If he was able to produce life, it must be a older life than Earth, becoming non-habitable, its population more evolved than humans must be re-located to other place. Bit, if this systems is a modern one, its formation was by the method of replication, self-recycling from a died system. We have not calculated the development of such modern systems yet.

Descoberta de Mais 18 Planetas Muda a Teoria Acadêmica sôbre a Formação dos Planetas.

sexta-feira, dezembro 2nd, 2011

xxxx

Aos poucos a teoria astronômica acadêmica vai evoluindo e imitando o mesmo roteiro que aconteceu com a teoria da origem da vida. As duas começaram com a insustentável idéia da “geração espontanea” e ao acaso. Sendo mais velha, a teoria da origem da vida foi descobrindo que o “espontaneo” não foi tão espontaneo assim, ou seja, ao invés de mosquitos surgirem de trapos suados largados num canto, o processo foi muito mais complicado e gastou bilhões de anos. A teoria astronômica por sua vez, que no inicio acreditou que de uma nebulosa de poeira surgiam já prontos uma estrêla e os planetas à volta, agora está descobrindo que o processo é mais longo e complicado.

isto é o que deduzo do artigo publicado hoje:

This artist's image shows a newly formed planet swimming through the gas and dust surrounding the star. Such a planet might scoop up gas and dust to build an atmosphere, which it could lose as it moves closer to its sun. Thus it could shift from a gas planet to a terrestrial planet.

Astronomers discover 18 new alien planets—and they’re huge
Bounty should help us learn how giant planets form and grow in nascent solar systems

Space.com
http://www.msnbc.msn.com/id/45529940/ns/technology_and_science-space/

Antes de iniciar a leitura e analise do texto, já chamo a atenção para o que está escrito abaixo da figura:

“Esta imagem artistica mostra um recente formado planeta “nadando” através do gás e poeira da estrêla. Tal planeta poderia (scoop up) gás e poeira para construir uma atmosfera, a qual perderia enquanto êle move próximo de seu sol. Assim êle poderia mudar de um planeta gasoso para um planeta terrestre (solidificado).

Estás percebendo como o “espontaneo” está se elasticando cada vez mais?

Para a Teoria da Matrix/DNA, na sua tímida inserção em cosmologia, a qual não era nossa intenção inicial mas os resultados aqui na Terra nos empurraram para as estrêlas tambem, esta noticia de inicio tem dois aspectos:

1) A constatação de que o processo de formação foi mais complexo e duradouro coincide com nossos modêlos que preveem ainda maior complexidade e duração;

2) A informação ajuda-nos a desenvolver os calculos sôbre a diferença entre formação astronomica primordial e formação por reciclagem. Não muito porque ainda fica a questão se êstes planetas são velhas reminicências de uma formação primordial ou se são planetas novos formados por reciclagem.

Texto do artigo traduzido e comentado a seguir:

Planet-formation theories
In addition to boosting the ever-growing alien planet tally, the new finds lend support to one of two theories that attempt to explain the formation and evolution of planets, researchers said.

This theory, called core accretion, posits that planets grow as gas and dust glom onto seed particles in a protoplanetary disk. Core accretion predicts that the characteristics of a planetary system — the number and size of planets, for example — depend strongly on the mass of the star.

The main competing theory, called gravitational collapse, holds that planets form when big clouds of gas and dust in the disk spontaneously collapse into clumps that become planets. According to this idea, stellar mass should have little impact on planet size, number and other characteristics.

(Tenho que interromper isto agora, mas seria bom ler-mos o artigo e retornar para a nossa análise completa)

xxxx

Meu comentário postado no Space.com:

Louis Morelli – #17 – Fri Dec 2, 2011 8:40 PM EST

I have a question: How the observable results from universal
evolution we have here today were produced if these two theories was right?!

There is a third theory about astronomical formations based on facts we have
here and now, called “The Matrix/DNA Theory”. And about this news the theory is
suggesting that:

Gradually the stronomical academic theory is evolving and imitating the same route that happened to the theory of the origin of life. The two started with the
unsustainable idea of ​​”spontaneous generation” and by chance alone. Being older,
the theory of the origin of life was discovering that the “spontaneous” was not as spontaneous as well, i.e., instead of mosquitoes emerge sweaty rags lying in a corner, the process was much more complicated and has spent billions of years. The astronomical theory in turn, believed that at the beginning of a cloud of dust appeared ready a star and planets around it, is now discovering that the process is long and
complicated.

To the Theory of Matrix / DNA, in its tentative inclusion in cosmology, which was not our original intention but the biological results here on earth has pushed us towards the stars also, this news has two starting points:

1) The finding that the formation process was more complex and enduring coincides with our model that predicts even greater complexity and duration;

2) The information helps us to develop the math on the difference between the early and first astronomical systems formation and the late modern formation by astronomical recycling. Not much because it still remains the question whether these planets are old reminiscences formation of a primary galaxy or they are new planets formed by recycling.

xxxx

Meu ” reply” para o seguinte comentário:

Claus Hackenberger – #5 – Fri Dec 2, 2011 7:31 PM EST

Why do they call these planets “New Worlds”? And why doesn’t anyone say how far they are away from us? Posibly impossible to ever get there even with robots only.

I cannot help feeling that those scientists have large EGOS needing to be fed by speculations upon speculations.

We have AIDS and Cancer and in a few years we will be out of food and water, We should work on those issues, work on keeping us, you and me alive. Claus

Reply from: Louis Morelli

#5.8 – Fri Dec 2, 2011 9:09 PM EST

Claus, you are right we have a lot of problems to solve here for to improve the life of our loved species, but think in these issues:

1) We discovered a new approach for understanding viruses because we study the Cosmos. Viruses are the systemic biological and biospheric counterpart that mimics the functions of comets in astronomical systems. Then, starting
here, we found that RNA performs the same function at cell’s systems. And the nitrogenous base called “uracil” do the same at nucleotide systems. Now we have a new vision about cells, DNA, genetics, etc. Maybe this approach can produce the
cure for such diseases caused by viruses.

2) Humanity is suffering also because it has made wrong things, like our disastrous relationship with our mother planet. Maybe AIDS, cancer are results from these mistakes. But, Humanity is a new phenomenon in Nature and our self-consciousness woke up only minutes ago in relation to the universal time. We are like children without a better and correct t world vision. This is our principal problem: wrong worldviews, like I think are still wrong the theories of core accretion and gravitational collapse. And how we can have a better more real world view if we do not understand the Cosmos that created us?! I support NASA the way I can because I believe it is in the right track.

Astronomia: Kepler Telescope descobre mais cinco exo-planets e a Matriz/DNA sobrevive

terça-feira, janeiro 5th, 2010

nasa-arte-sobre-exoplanetas.jpg 

Nesta semana o web-site da NASA (em  http://www.nasa.gov/mission_pages/kepler/news/kepler-5-exoplanets.html ) anuncia sob o titulo  NASA’s Kepler Space Telescope Discovers its First Five Exoplanets” que o telescópio Kepler detectou 5 desconhecidos corpos astronômicos “maiores e mais quentes que Jupiter”.

 

Por um momento meu coração veio à bôca pois pareceu claro que havia chegado o momento de pôr meus 30 anos de trabalho na Matriz/DNA no lixo e aposentar-me.

 Pois se houvesse 5 astros nestas condições em volta de uma estrela significaria que meus modelos estão todos errados e que a Teoria Nebular se fixaria como vitoriosa. Cinco Astros com elevado volume de massa (mesmo com pouco peso ou densidade), maior que um planeta como Jupiter, e com a elevada temperatura de 2.000 a 3.000 graus Fahrenheit, num só sistema estelar é praticamente impossivel segundo os modelos da Matriz/DNA pois o fluxo de massa e energia do circuito sistêmico não poderia se aglomerar num ponto unico. Considerando que a Matriz/DNA sugere um ciclo vital para os Astros, seria o mesmo que dizer que numa familia de sete ou mais  pessoas ( o casal e 5 ou mais filhos) existam 5 filhos adultos com a mesma idade de 22 anos…

(- – – – – – – – – – – – – -)

Mas…ufa!… de repente, duas linhas da noticia a mais lidas e…a Matriz se salvou! Os cinco Astros não foram descobertas em volta de uma unica estrela, mas sim em cinco sistemas estelares diferentes, dentre as 150.000 estrelas que o Kepler está observando. Agora ao invés de ameaçá-la, a Teoria da Matriz/DNA se coloca numa posição mais confortável e olha acusadora e inquiridora para a Teoria Nebular, pois esta sim, terá que fazer exercicios extras para explicar e encaixar estas descobertas em seus modelos. Segundo meus modelos, no céu existe a mesma regra que existe para as familias humanas, ou seja, se existe um filho não-gêmeo com 22 anos, os outros tem que ter pelo menos 9 meses de diferença.

(- – – – – – – – – – – – – – – – – -) 

Breve resumo da Notícia:

1)      Kepler foi desenhado para procurar e achar planetas do tamanho da Terra em zonas presumivelmente habitáveis de estrelas semelhantes ao Sol.2)      O Kepler tem alta sensibilidade para detectar tanto os pequenos quanto os grandes planetas, cujos instrumentos o capacitaram para descobrir estes planetas for a do nosso sistema estelar.3)      Diz Borucki, o chefe da equipe da missão Kepler: “ Estas observações contribuem para nosso entendimento de como os sistemas planetários se formam e evoluem desde os discos de gas e poeira que que dão forma tanto para as estrelas e seus planetas. Estas descobertas também mostram  que nossos  instrumentos cientificos ( para enfatizar o que ele disse em inglês: our science instrument) estão trabalhando muito bem. Indicações são de que Kepler vai cumprir todos seus objetivos científicos ( Kepler will meet all its science goals). 

                                (- – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – ) 

Nota da Teoria da Matriz/DNA:   

    . O destaque que dei à palavra “Science” duas vezes mencionadas acima por Borucki foi proposital para que entendam o que sinto. Pense bem: por que ele teria que lembrar que a Ciência está envolvida nisto, por duas vezes? Ele poderia simplesmente ter ditto que o Kepler está indo muito bem conforme planejado, os instrumentos técnicos trabalham perfeito e acredita que o plano que levou à sua construção será coroado de êxito. Não precisava, em têrmos claros, em nenhuma vez lembrar que a Ciência está por tras disto. Então aqui vai minha suspeita: Ele tem medo que as muitas pessoas que são contra o gasto de dinheiro na pesquisa espacial, ao lerem tal noticia reinforce suas conjecturas se perguntando qual a utilidade disto e para que ficar sustentando estas pessoas que mais parecem estar brincando de aventuras nas estrelas. Pondo a palavra Ciência na noticia, enfatizando ela, ele desvia o pensamento ou ao menos o nascimento do pensamento sobre brincadeira para algo sério que ninguem tem coragem de contestar. Estou certo, errado, ou pode ser que sim, que não? Nem eu sei.

Mas este ponto é muito importante pois envolve muito dinheiro e de um certo modo, o destino da Humanidade. Por isso merece ser aqui melhor discutido. Eu não vejo como a Ciência está tão implicada nisto. Os instrumentos de observação acoplados ao Kepler são mais produtos da evolução da tecnologia “per se” do que por acréscimos de formulas, modelos teóricos, e teoremas matematicos advindos da Ciência. Os dados que serão obtidos por estes instrumentos sim, estes são dados que se tornam apoderados pela Ciência os quais servem para a evolução da Ciencia ( raios, alguem precisa fazer urgentemente este trabalho: estudar a história de nossa evolução separando a tecnologia criada pela  Ciência da tecnologia surgida por acaso ou empiricamente desenvolvida por ela mesma). A busca do aumento da capacidade das lentes, por exemplo, acho que não envolveu Ciência e sim foi trabalho manual de teste e experimentos. O que você acha?

(- – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – -)

Eu vejo “Ciência”por tras destas noticia quando ele diz: “Estas observações contribuem para nosso entendimento de como os sistemas planetários se formam e evoluem desde os discos de gas e poeira que que dão forma tanto para as estrelas e seus planetas.” Pois bem: acontece que os cinco Astros observados e mais suas estrelas observadas não podem serem cientificamente denominados nem estrelas nem planetas de acordo com a classificação taxonomica dada pela Teoria Nebular. E não é cientifico dizer que os discos de gazes e poeiras dão as origens à planetas e estrelas. Pois é possivel que haja muito mais coisas importantes ( sem as quais não ocorreriam estas formações) nestes ambientes, coisas que ainda não conheçamos. Tais como os processos e mecanismos sugeridos pela Teoria da Matriz/DNA. Antes de finalizar vejamos algo mais constante no texto desta noticia:

         (- – – – – – – – – – – – – – – – – -)

4)      O Kepler procura por sinais de planetas através de medição mergulhando profundamente na luminosidade da estrela. Quando planetas atravessam em frente dela, ou orbitam suas estrelas como são vistas desde a Terra, eles periodicamente bloqueiam a luz da estrela. O tamanho do planeta pode ser derivado ou calculado tendo por base o tamanho do mergulho. A temperatura pode ser estimada desde as caracteristicas da estrela que o planeta orbita e desde o periodo orbital do planeta.

(- – – – – – – – – – – – – – – – – -)

Comentário Da Teoria da Matriz/DNA:

(- – – – – –  – – – – – – – -)

Portanto podemos ver o alto nivel hipotético e teórico que ainda envolve nossas interpretações, o que aconselha não se tirar daí ainda, conclusões. As medidas destes tão distantes astros não são como colocar o termometro embaixo do braço de um paciente –  e nem mesmo como enviar o termometro para próximo do astro: nossas noções de temperaturas, tamanhos, etc., são ainda meras conjecturas extraídas de calculos das manifestações e efeitos dos astros em suas redondezas. Ora, quando estudávamos os átomos a tempos atrás sem os atuais poderosos instrumentos cientificos,  apenas conjecturando do que víamos em suas redondezas, tínhamos e acreditamos por muito tempo aqueles  modelos teóricos de atomos que hoje sabemos estar longe da realidade. E quem acreditou piamente, quem fechou a mente naquela época en torno do modelo de atomo de Dalton, foi mal conselheiro de como aplicar as próximas pesquisas, o que não teria ocorrido se já houvesse e considerassem os modelos de Rutherford e Niehls Bohr ( para não falar dos novos modelos sugeridos pela quantica atual). Portanto, a afirmação de Borucki não é boa Ciencia, enquanto existem outros modelos alem da Teoria Nebular ( damos um desconto a ele porque a ele ainda não foi apresentado os Modelos da Matriz/DNA).   

5)      Lamçado em 06 de Março de 2009, a missão Kepler continuamente e simultaneamente observa mais de 150.000 estrelas. O instrumento cientifico do Kepler, o photometer, já tem medido centenas de possiveis sinais de planetas que estão sendo analizados.

 

6)      Enquanto muitos destes sinais são possiveis de serem algo mais do que planetas, tanto como pequenas estrelas orbitando estrelas maiores, observatorios baseados na Terra tem confirmado a existência dos cinco exoplanetas.

 

 

       7)      Disse Jon Morse, director da Astrophysics Division at NASA Headquarters in Washington: “ É gratificante ver as primeiras descobertas do Kepler emergindo desde a linha de montagem. Nós esperamos planetas do tamanho de Jupiter em órbitas curtas a serem os primeiros planetas que o Kepler poderia detectar. Trata-se apenas de uma questão de tempo antes que as observações do Kepler levem aos planetas menores com longos periodos de orbitas, chegando cada vez mais perto da descoberta do primeiro planeta analogo à Terra.” Nota da Teoria da Matriz/DNA:

Que Deus te ouça!… (ooops… que vacilada feia para um agnóstico!). Que seus sonhos, os quais são os mesmos meus, se realizem. Mas é tempo de lembrar de algo que venho insistindo a tempos:

Na Teoria da Evolução, tempos atras desenhou-se aquela arvore genealógica darwiniana que todos nós aprendemos na escola, e ali se presumia que dos répteis vieram logo a seguir os mamiferos. De uma espécie se pulava logo para outra. Hoje em dia existe uma lista de centenas de espécies que não cabem mais naquela classificação, pois umas tem tudo para parecer um  réptil porém tem muitas caracteristicas emergentes dos mamiferos, outros parecem mamiferos mas tem algumas coisas dos repteis. Isto mostra que a transformação foi muito lenta e detalhada, gerando muitas especies-elos que não se encaixam nas duas faixas e por isso talvez precise-se dar outros nomes a estas especies que não sejam répteis nem mamiferos.

 

A mesma coisa, segundo meus modelos teóricos,  terá que ocorrer com a classificação dos Astros pela Astronomia. Estes Astros descobertos por Kepler, realmente merecem ser chamados de planetas? Nos meus modelos aparecem mais próximos dos pulsares. Com uma lógica: as primeiras investidas do Kepler com tais instrumentos e suas capacidades limitadas ainda devem detectar Astros mais proeminentes como pulsares, por enquanto. Eles estão naquela faixa entre a F3 e a F6 no diagram do software da Matriz.

De fato, como diz Borukci, as descobertas de tantos novos tipos de Astros, com tantas novas possibilidades de periodos de orbitas, temperaturas, tamanhos. etc., são uteis para nos levar a um dia finalmente entender o quadro todo de como se originam os sistemas astronomicos. Só espero que as novas descobertas venham sempre mais a favor de meus modelos do que do modelo adversário… claro. Mas que o mérito esteja com a Verdade, e sómente com ela, pois está em jogo a saúde da Humanidade, a qual depende que ela se sintonize o mais possivel com a Natureza da qual ela depende mortalmente e que escolha os caminhos mais felizes na sua busca do conhecimento.