Posts Tagged ‘Fóton’

Foton: Forma Fisica?

sábado, agosto 5th, 2017

xxxx

ler este pdf:

Physical Model of a Real Photon with Substructure and Mass by Kenneth D. Oglesby 25 September 2016

http://vixra.org/pdf/1609.0359v1.pdf

Evidencia de Influencia de Universos Paralelos Sobre Nosso Universo

sábado, janeiro 7th, 2017

xxxx

Humanos são quase cegos e insensíveis. Qualquer objeto natural neste nosso mundo – seja uma pedra, a lua, um corpo humano – contem em si as substancias de sete universos paralelos, porem nos apenas captamos nestes objetos uma dimensão, um universo. Para entender isso sera’ melhor observar a figura do espectro eletromagnético abaixo.

Nos vemos apenas o que uma faixa de onda da radiação cósmica (a qual denominamos de luz e produz sete tipos diferentes de energia) nos revela, e sentimos apenas esta faixa dos objetos quando os pegamos com nossas mãos. Não é difícil entender isto se lembrar-mos que a Física descobriu que no minimo 95% do nosso sistema solar é vazio, apenas 5% e’ matéria tal como a captamos. Estes 95% de espaço vazio esta’ sendo suspeito de conter massa e energia escura ( segundo nossa perspectiva de quase cegos). Mas o sistema solar é uma especie de edifício que tem como tijolinhos fundamentais os átomos. Novamente quando se observa um átomo, ele aparece no minimo 95% vazio, sendo apenas cinco por cento constituído de matéria na forma de partículas. Acontece que quando vemos mais a fundo estas partículas (prótons, elétrons, neutrons) novamente volta o nosso pesadelo: elas são apenas 5% constituídas de partículas menores, os quarks, fermions, léptons. E quando vamos ver estas…

Enfim, o nosso mundo se resume, se reduz ao vazio. Parece que a matéria que percebemos de fato não existe, ela seria criacao da nossa visão e nossos outros sentidos sensoriais. Isto porque nossa visão e nossos sentidos são feitos com esse mesmo tipo de matéria. Então também nossa visão e nossos sentidos não existiria, … sobrando então apenas a mente, ou alma, como queiram chamar isso. Todas estas sete dimensões, ou universos, seriam construídos pelos fótons que resultam no final da propagação de uma onda (observe na figura abaixo a faixa F7, na extrema margem `a esquerda, quando o espectro da onda se decompõem em fótons), cujos fótons caem dispersos na substancia espacial e tentam desesperadamente retornarem a se comporem como uma unica onda e assim fazem o caminho reverso da onda, começando por construir o universo de F6, depois o de F5, etc, até chegar a fonte, que deve ser extra-universal, antes e alem do nosso Big Bang. Nesta situação estes fótons seriam escuros e negativos, contrastando com os luminosos e positivos que vinham na onda. Voltando a fonte significa que o filho prodigo perdido e vivendo no chiqueiro faz o caminho de retorno `a casa de seus pais… metaforicamente falando.

Eu descobri esta analogia com o mito cristão ( e as religiões orientais dizem mais ou menos a mesma coisa) quando botei os dois baloes de Yukawa nas origens do nosso Universo a rolarem num gráfico cartesiano ao sabor do tempo e do espaço mas dirigidos pelo mecanismo da evolução cosmológica. Os baloes se tornaram átomos, depois galaxias, etc., ate chegarem a forma de autoconsciência, mas neste ponto, o final da historia chega ao mesmo ponto de sua partida, mostrando que foi uma historia vazia, como e’ o nosso universo ( o gráfico chama-se ” Do Big bang ao Big Birth” foi feito na selva a 30 anos atras e não me lembro se o trouxe para este website ou se ainda esta no fundo de alguma gaveta esquecido. Ou se foi perdido na selva naquela vez que estava atravessando um igarapé quando notamos que tinha aqueles jacarés gigantes na água – o jacaré-acanga – e tive que jogar longe na água a pesada mochila para poder correr e me salvar. Perdi muitos desenhos e cálculos para conhecer o mundo em nome de salvar minha vida, uai! … Eu nunca concordei com a ideia de ter vindo ao mundo para ser apenas um almoço de jacaré).

No final o gráfico mostrou que a forma do nosso universo é a forma do DNA. Então percebi que meus neurônios – que foram realmente quem estava fazendo a experiencia – se auto-projetaram na pesquisa e assim, antropomorficamente, viram o universo a sua imagem e semelhança. Guiado por outra cosmovisão, Einstein morreu acreditando que o universo teria a forma cilíndrica. Bem, cilíndrico é a aparência de um filamento do DNA visto a distancia, então, de alguma forma, Einstein também não conseguiu evitar o danado do antropomorfismo, projetando a realidade humana, o próprio umbigo, como sendo a fonte de onde se projetaria a realidade do mundo. Dando prosseguimento ao vicio dos autores da Bíblia que se viram na face de seu criador. Então cheguei a conclusão que o Universo é relativo, ou seja, ele pode ter mil faces diferentes, cada uma para satisfazer o gosto de um observador. Ele se veste de acordo com o sabor do fregues que o observa. No gráfico vemos sete possibilidades de sete formas diferentes e isso veio mais tarde bater quando aprendi sobre o espectro eletromagnético com suas sete faixas visionarias. No fim, todas estas faces relativísticas que são reais nos seus pontos do tempo e espaço, formam um oitava face final… a face do nosso real criador, ou da fonte primeira destes sete universos.

Na minha cosmovisão da Matrix/DNA, este nosso mundo nada mais é que as coisas fabricadas por fótons misturados `a substancia do espaço – que pode ser essa dark matter e energia – fótons estes que escapam (devido a entropia da luz) das ondas de luz ( ou radiação cósmica), natural, e escapam do trecho da onda que chamamos de luz visível. Então nosso universo exprime ou expressa esta faixa com sua especifica frequência/vibração. Não temos ideia de onde vem essa separação por frequências/vibrações e porque é assim, pois isso vem de antes do Big Bang, do alem do nosso universo.

Mas cada uma das outras seis faixas da luz cria um universo especifico. E seus tijolinhos fundamentais não devem ser átomos como os nossos, são coisas que não conseguimos imaginar. Assim se levantam edifícios ate mesmo ocupando o mesmo espaço onde estamos, sem que tenhamos a menor percepção de sua existência. Eles devem serem constituídos também de apenas 5% de sua substancia fundamental e no fim devem serem vazios também. Mas não são os 5% que ocupamos e sim outros 5%. Então quando pegamos uma pedra, ela pode ter uma aureola de “matéria” deste outro universo, a qual atravessa nossas mãos, ou nossas mãos a atravessa, sem que a percebemos e sem que a vemos.

Mas não creio que estamos fadados eternamente a essa cegueira e insensibilidade. Na figura do espectro vemos que não existe faixa isolada, cada uma depende de todas as outras para existir, e elas se interagem, se conectam. Creio que com a evolução vamos desenvolver mais estes sensores limitados que temos no cérebro e inclusive desenvolver novos tipos de sensores que ainda nem conseguimos imaginar o que sejam. E esta evolução continuara’ a ser movida pelo feed-back entre luz e dark matter, melhorando nossos hardwares os quais por sua vez vão facilitando o retorno de nossos fótons que compõem nosso software/consciência. Com melhores hardwares nos impulsionamos o desenvolvimento da nossa consciência a qual parece ser a substancia fonte da luz natural. A nossa consciência ainda esta’ no estado embrionário ou de baby recém-nascido, pois ela nem sequer abriu os seus próprios olhos, para ver a forma de seu corpo e a substancia de que é feita. Tendo em vista nossa teoria, vamos agora ao artigo que como sempre, são as descobertas e avanços científicos e tecnológicos que estão nos proporcionando elementos para cada vez mais desenvolver-mos nossa cosmovisão. E este artigo apresenta novidades as quais já estariam previstas pelas bases da nossa cosmovisão, portanto, seria mais uma previsão acertada previamente, ou no minimo, mais uma evidencia arrolada para reforçar nossa cosmovisão. ( Não se desanime pelo artigo em inglês não ter sido ainda traduzido mas observe que no meio do inglês tem as nossas analises em português):

https://www.newscientist.com/article/2112537-smallest-sliver-of-time-yet-measured-sees-electrons-fleeing-atom/

Smallest sliver of time yet measured sees electrons fleeing atom

(traduzir)

It’s like catching light in action.

Matrix/DNA: Comecou bem. O que faz diferentes universos são as sete diferentes frequências/vibrações da onda de luz.

For the first time, physicists have measured changes in an atom to the level of zeptoseconds, or trillionths of a billionth of a second – the smallest division of time yet observed.

Matrix/DNA: Hummm… isto quase elimina o tempo do nosso Universo, ou seja, a linha que conecta varias formas diferentes de um único ciclo vital – em outras palavras, isto e’ isolamento e separação dos eventos, ou movimentos. Isto tornaria mais fácil para forças de um universo paralelo entrar no nosso universo através das brechas criadas por esta separação. Mais explicitamente dizendo, seria fótons escapados de uma frequência vizinha invadindo nosso espaço e ao penetrar nossos elétrons, ajuda-os a escaparem também.

In this case, the speed demon was an electron escaping the bonds of its parent atom. When light strikes electrons, they get excited and can break free from their atoms. The photon’s energy is either entirely consumed by one electron or divided among several. This electron ejection is known as the photoelectric effect, and was described by Albert Einstein in 1905.

Previous experiments studying this effect could only measure what happened after the electron was kicked out of an atom, says Martin Schultze at the Max Planck Institute of Quantum Optics in Garching, Germany.

 Now, he and his colleagues have seen the other end of the process. They measured the entire ejection of electrons from a helium atom from start to finish with zeptosecond precision (10-21 seconds), marking the smallest time slot ever measured.

Quick getaway

In a series of experiments, the team fired an unspeakably brief, extremely ultraviolet laser pulse at a helium atom to start exciting its pair of electrons. This pulse lasted just 100 to 200 attoseconds, or 10-18 seconds. But by making many readings and calculating their statistical spread, they were able to measure events at a rate of 850 zeptoseconds.

They also fired a near-infrared laser pulse, lasting just four femtoseconds (1 femtosecond is 10-15 seconds). This pulse was able to detect an escaping electron as soon as it was freed from the helium atom. Depending on the electromagnetic field of the laser pulse, the electron either accelerated or decelerated.

Matrix/DNA: Ok, então eles teriam feito dois universos paralelos (um formado por infravermelho e outro por ultravioleta) emitirem seus fótons e invadirem nosso universo. Cabe-nos agora puxar para cá o espectro e analisar a posição destes universos em relacao ao nosso.

 

Light - The Electro-Magnetic Spectrum as The Code for Systems and Vital Cycles

Light – The Electro-Magnetic Spectrum as The Code for Systems and Vital Cycles

Matrix/DNA: EXATAMENTE! Este tipo de satisfação nos propicia quando nossa visão de mundo acerta nossas previsões com os fatos reais! Temos o infravermelho como nosso primeiro vizinho universo paralelo `a nossa esquerda, e o ultravioleta como nosso primeiro vizinho `a direita. Pelo que deduzo da figura, o ultravioleta (onda mais curta, tempo mais acelerado) tende a acelerar o elétron, enquanto o infravermelho tende a desacelera-lo, e tornaria nosso mundo mais lento. 

“Using this information, we can measure the time it takes the electron to change its quantum state from the very constricted, bound state around the atom to the free state,” says Marcus Ossiander at the Max Planck Institute.

Matrix/DNA: Quando alcançamos o quantum state estamos atingindo o limite microscópico do nosso universo, o que significa que estamos nas fronteiras entre nosso universo e nossos dois vizinhos, `a esquerda ou `a direita. E’ compreensível que nesta fronteira, os fótons aprisionados em nossos elétrons tentem escapar para o lado de la da fronteira e montar o tipo de matéria que existe la’ ( que não deve ser uma matéria baseada em átomos como seus tijolinhos fundamentais).

The ejections took between 7 and 20 attoseconds, according to Schultze, depending on how the electron interacted with the nucleus and the other electron.

“We only need to know the time centre of the pulses very precisely, and our technique allows us to measure this to very high precision,” Ossiander says. “An even shorter pulse would give better time resolution, but the resolution can far exceed the pulse duration. We can confirm this by doing statistics for a lot of measurements and calculate the statistical standard error of the mean, which in our case is 850 zeptoseconds.”

The researchers were also able to measure how the electrons divided up the laser’s energy, taking an even or uneven share. In some cases, one of the two electrons grabbed all of the energy. Several factors influenced this energy split, from the quantum correlation between the electrons to the electromagnetic state of the laser field, Schultze says.

Two’s company

One reason for choosing helium is because it has just two electrons, allowing direct measurement of their quantum mechanical behaviour. For an atom with more electrons, some assumptions would be needed about how the energy was divided and the time taken for ejection.

The results are an important window into the quantum behaviour of atoms, especially how their electrons work, Schultze says. Understanding that could lead to insights into phenomena like superconductivity or quantum computing.

“There is always more than one electron. They always interact. They will always feel each other, even at great distances,” he says. “Many things are rooted in the interactions of individual electrons, but we handle them as a collective thing. If you really want to develop a microscopic understanding of atoms, on the most basic level, you need to understand how electrons deal with each other.”

Matrix/DNA: Porque um humano interage com outro humano? Não por causa de seus corpos brutos, materiais, os quais são insensíveis e cegos perante a presença de outros corpos. Nós interagimos devido ao software que temos em nossos corpos, aos quais chamamos de mente. Este software, seja no seu estado primitivo totalmente inconsciente ou no estado mais evoluído com um embrião de consciência como e’ o caso humano, e’ constituído de luz e o que interage são as suas diferentes frequências, de preferência na sequência de seu ciclo vital, como esta demonstrado na figura. Elétrons são os corpos-objetos cegos e insensíveis, não são eles que se interagem, mas sim os fótons de luz que estão dentro deles.

Visualisation of electron leaving atom

An electron makes its escape Schultze/Ossiander

Pesquisa:

extremely ultraviolet laser pulse

Vide: Cheap lasers could capture electrons in motion

https://www.newscientist.com/article/dn19255-cheap-lasers-could-capture-electrons-in-motion/

 

Fotons: Importante Fenômeno Natural da Luz para a Matrix/DNA

sexta-feira, novembro 11th, 2016

xxxx

1 – Extraido de https://pt.wikipedia.org/wiki/Radia%C3%A7%C3%A3o_eletromagn%C3%A9tica

Wiki –  Um feixe luminoso é composto por pacotes discretos de energia, caracterizados por consistirem em partículas denominadas fótons. A frequência da onda é proporcional à magnitude da energia da partícula. Como os fótons são emitidos e absorvidos por partículas, eles actuam como transportadores de energia. A energia de um fóton é calculada pela equação de PlanckEinstein:

{\displaystyle \displaystyle E=hf}\displaystyle E=hf.

Nesta equação, E é a energia, h é a constante de Planck, e f é a frequência.

Se um fóton for absorvido por um átomo, ele excita um elétron, elevando-o a um alto nível de energia. Se o nível de energia é suficiente, ele pula para outro nível maior de energia, podendo escapar da atração do núcleo e ser liberado em um processo conhecido como fotoionização. Um elétron que descer ao nível de energia menor emite um fóton de luz igual a diferença de energia. Como os níveis de energia em um átomo são discretos, cada elemento tem suas próprias características de emissão e absorção

Depois da Diversificação da Vida, Agora Ocorre a Diversificação da Auto-Consciência. E a Matrix/DNA Procura na Terra a Fonte da Auto-Consciência

quinta-feira, setembro 11th, 2014

Pensamento do Dia: Porque os Humanos São Diferenciados Pelos Seus Interesses Se os Animais Possuem Um Unico e Mesmo Interesse?!

Um grande segredo do sucesso da espécie humana sobre os outros animais é a impressionante e enorme diversificação dos focos fundamentais de interesses. Todos os indivíduos de uma espécie animal – sejam cavalos, vacas, gatos, etc. – possuem os mesmos poucos e limitados interesses dirigindo seus atos e movimentos, e isto não tem mudado em amplos espaços de tempo. Os animais são bitolados, dirigidos, para uns poucos focos de interesses. Pode acontecer os fenômenos mais estranhos, aparecerem as imagens mais estranhas, que eles não se  interessam e esquecem o fato imediatamente. Pela primeira vez na vida de uma vaca criada numa fazenda, passa um veículo na estrada, e a vaca, indiferente, nem levanta os olhos para vê-lo, não se faz nenhuma pergunta a respeito, não existe a menor curiosidade, focada que está comendo a grama.

Macacos na selva já prestam alguma atenção a um avião passando acima, mas se pegam a espingarda de um caçador, tentam dar-lhe uma dentada para ver se é de comer, e não sendo, dispensam-na para o lado como se fosse um galho seco, sem interesse.

Queres ter uma prova? Veja a figura abaixo, e depois de gozar da nossa classe de filósofos distraídos, responda à pergunta abaixo:

O Cumulo do Distraído

O Cumulo do Distraído – “Desculpe-me senhor… arrrgh… Com licença…Mas o que diabos estás fazendo?!”

Pergunta: “Como o leão vai matar o filósofo distraído? Vai pegar o rifle e dar-lhe uns tiros ou vai morder seu pescoço?”

Claro, o leão, como todos animais nem viu o rifle, pois deste não emana cheiro de alimento, e comida é apenas o que lhes interessa.

Mas dentro da espécie humana houve uma novidade no meio dos seres vivos, que já havia ocorrido antes, nas origens da enorme diversificação das espécies. Uma incrível diversificação de interesses, gerando uma nova diferenciação interna de “personalidades mentais”, e interesses por quaisquer coisas que a Natureza produza, mesmo que este interesse não lhes propicie retorno imediato com algum tipo de recompensa. Ao contrario, em muitos tipos de interesses os indivíduos sacrificam seu bem-estar sem obter nenhuma vantagem imediata, e sem ter certeza de que venha a obter vantagens futuras. É o caso por exemplo do porque humanos consomem tempo e recursos se interessando por astronomia, matemática, geografia de outras terras, doenças que afetam a outros, etc. Eu mesmo tenho um interesse pela suprema busca de conhecimentos, emprego a vida e quase toda energia nesse objetivo, mas até hoje na verdade só colhi desvantagens na luta pela competição com isso, e não tenho a menor ideia se isso algum dia me trará alguma recompensa. No entanto, sem este vico, a vida não me teria sentido. Do ponto de vista biológico, animal, isto não é racional. Então… porque? Qual a causa por trás disso?

A meu ver isto vem a confirmar uma sugestão da Matrix/DNA: dentro de cada ser humano surgiu uma nova forma, uma nova espécie evolutiva do sistema natural universal que vem evoluindo desde o Big Bang, e esta nova forma de sistema, ao qual damos o nome de mente ou auto-consciência, está se diversificando em sub-espécies a ponto de já contar com milhares ou milhões delas. temos que fazer o enorme esforço de visualizar as mentes invisíveis dentro das cabeças humanas como elas são: tão diferentes entre si como existem tantas espécies de animais diferentes entre si. Então deve existir um individuo portando a mente-corvo, outro a mente-elefante, o alentejano de Portugal deve ser quase igual ao baiano do Brasil com uma forma de mente-tartaruga… e assim por diante. Deve ter o mente-hipopótamo, o mente-polvo, o mente-leão… ( Eu, particularmente, que sinto eternamente uma espécie de insustentável leveza do ser desconfio que sou um mente-borboleta. E você?…

Mas estou percebendo agora que esta nova intuição pode nos levar a desfechos fantásticos. Parece-me mesmo que estamos tocando numa nova dimensão do mundo que ainda não a tínhamos percebido, mas que tem enorme influencia na nossa vida no dia a dia.

Tem algumas diferenças entre a diversificação da vida e a da mente, que precisam serem estudadas. A diversificação das espécies biológicas se deu por  grupos distanciando-se entre si no tempo e espaço, e daí cada qual adquirindo uma nova forma, estas foram passadas hereditariamente, mantendo os hábitos dentro dos grupos fechados. No caso da diversificação mental, ela não tem surgido dentro de linhagens e assim canalizadas a se reproduzirem dentro destas linhagens. Uma nova espécie mental surge dentro de famílias, e não é passada hereditariamente, mas esta espécie brota em muitas famílias diferentes, e tendem a se separarem dos focos de suas famílias para se juntarem em seus grupos. É como se a origem da ddiversificaçãodas especies mentais viessem do mesmo processo que produziu a diversificação biológica: seus genes não vem encerrados dentro de uma membrana formando o cromossoma, mas sim vem espalhados no tempo e no espaço. Interessante desenvolver mais isto.

Para desenvolver isto vamos precisar recapitular aqui a teoria da Matrix/DNA sobre como esta galaxia Milk Way gerou dentro dela esta vida biológica. Vamos a um desfecho intrigante. Na geração da vida neste planeta havia uma fonte emissora das partículas bits-informação – que foram os genes semi-vivos na transição entre a matéria inorgânica e o primeiro sistema celular vivo. Sabemos como e porque, ao invés nesta mera reprodução de uma forma existente, ao invés dos “filhotes” nascerem todos na mesma forma e espécie, nasceram em formas muito diferentes entre si. Basta pensar nas sete diferentes organelas da célula, nas mais de 30.000 espécies de proteínas, de enzimas,  ácidos, etc..

Sobre as  origens da vida na Terra já sabemos qual foi a “fonte criadora”. A fonte emissora de todos os bits-informação, foi o “building block dos sistemas astronomicos”, por trás do qual está a fórmula da Matrix, feita com pura luz.

Sabemos que os pensamentos humanos são produzidos nas sinapses entre neurônios, compostas por fluxos sanguíneos e descargas elétricas. O conjunto dos pensamentos de um cérebro é o que denominamos, abstratamente, de “mente”, ou “auto-consciência”. No estado atual da nossa pesquisa estamos suspeitando que essa mente é uma forma fetal, embrionaria, e está sendo modelada na mesma configuração do cérebro, o qual é apenas mais um derivado do sistema natural cuja fórmula modeladora é a Matrix/DNA.Temos a suspeita de que quanto mais pensamentos maiores são as descargas elétricas que produzem relâmpagos numa nuvem plasmática e com o final assentamento destas descargas contínuas se gera um todo luminoso, numa frequência da luz imperceptível aos nossos sentidos. Se a Matrix emerge neste Universo na forma de ondas de luz e vem de uma consciência extra-universal, e se a mente humana está se tornando a mesma forma de luz, vemos então aqui mais um óbvio simples processo de reprodução genética. Então a substancia e os bits e inclusive as estações retransmissoras devem ser compostas de luz num estado imperceptível ainda aos nossos sensores cerebrais. Ou melhor: eles podem ser perceptíveis por alguns sensores – como a glândula pineal – mas não são ainda perceptíveis para o embrião mental.  Me pergunto: não há nada que possamos fazer para acelerar o desenvolvimento deste embrião e nos salvar com sabedoria antes que a espécie humana seja extinta? Eu, ao menos, vou empreender esforços no máximo que a vida e o tempo me permitir, nesta busca de aceleração. ( Óbviamente não vou tentar técnicas arcaicas, como a de enfiar o dedo nos ouvidos tentando tocar a glândula pineal para desperta-la, ou puxar a ponta dela para estica-la e recompô-la como ela era no passado, na forma da antena dos insetos…Tenho ideias mais inteligencias e cientificas para desperta-la, como bater a cabeça com força e insistentemente numa parede, para acorda-la…Mas, brincadeiras sem graça à parte, penso que na meditação dirigida pela fórmula da Matrix, está o segredo)

Sabemos tambem que os “bits” não precisam vir direto da fonte inicial, pois  os “bits-fótons”  que alcançam a superfície da Terra vem de estações retransmissoras daquela fonte, que são as estrelas, e a radiação cósmica trazendo bits de quasares, pulsares, buracos negros, etc. E sabemos tambem que estes bits povoam a atmosfera e camada atômica da superfície terrestre, acessíveis às espécies que os aceitam e às que os buscam.

Se agora estamos assistindo um repetir daquele evento, ao assistir a diversificação dos tipos mentais, vem imediatamente as intrigantes perguntas:

“QUAL A FONTE EMISSORA DA AUTO-CONSCIÊNCIA,  NO MUNDO ?!

“QUAL A ESTAÇÃO RETRANSMISSORA DE BITS DE AUTO-CONSCIÊNCIA ALCANÇANDO OS SERES HUMANOS?!

” O QUE SÃO OS BITS-INFORMAÇÃO DE AUTO-CONSCIÊNCIAS? COMO SÃO? DE QUE SUBSTANCIA?

” COMO ESTES BITS ESTÃO AFETANDO NOSSAS VIDAS, NOSSOS SISTEMAS SOCIAIS, ECONOMIA, POLITICA, ETC.? INFLUENCIAM NA SAUDE OU NA AUSÊNCIA DELA?” 

” COMO DEVEMOS ATUAR PARA NOS TORNAR-MOS MAIS RECEPTIVOS A CADA VEZ MAIORES QUANTIDADES DESTES BITS DE AUTO-CONSCIÊNCIA? COMO BUSCA-LOS?

“SE A MAIOR QUANTIDADE E DIVERSIDADE DESTES  BITS SIGNIFICA MAIOR INTELIGENCIA E SABEDORIA, EXISTE UMA TÉCNICA A DESENVOLVER ( TALVEZ NO NÍVEL MENTAL), HÁBITOS A OBSERVAR, ETC., PARA ADQUIRIR MAIS BITS?

Bem… com isso estamos abrindo mais um enorme campo de pesquisas dentro os já centenas, ou milhares abertos pela Matrix/DNA. E como sempre temos dado alguns passos nestas pesquisas, neste tambem deveremos em breve descobrir mais algumas novidades…

( Repetir aqui a teoria das origens da vida pela Matrix/DNA, com enfase na maneira como os fótons estelares se juntaram em pacotes-informação, para ter um quadro mais claro deste assunto)

 

Sobre Luz e Fotons

quinta-feira, setembro 4th, 2014

Cientista diz frase de interesse para a Matrix/DNA:

no video: http://tedxtalks.ted.com/video/Intelligent-Robots-and-the-Story;Featured-Talks

“A luz que vem das estrelas e eventos no Cosmos, atinge nossos olhos e nossos telescópios, na forma de fótons, que são pequenos pacotes de energia. Isto é maravilhoso, pois faz da Astronomia um fenômeno único dentre os vários campos das Ciências,  pois nós podemos viajar até estes objetos, assistir estes eventos. A luz nos traz estas informações, em pequenos pacotes, os pequenos preciosos fótons, cada um deles com uma história para contar, e é o trabalho dos astronomos decifrar estas histórias, e expandir o banco de reserva de dados para o nosso conhecimento do Universo…”

Matrix/DNA:  ‘Mas existe muito mais nestes fótons que os astrônomos não perceberam ainda. Eles não apenas carregam ou transportam informações, mas eles tambem executam estas informações, eles são a informação em si mesmas, a informação que ganha um corpo pelo qual interagir com o meio material.

Informar é dar forma a…  Estes fótons são partículas de um onda de luz, a qual é fragmentada em fótons, num processo semelhante a de uma fêmea quando gera uma ninhada de filhotes. Cada fragmento, ou filhote, é à imagem e semelhança da mãe, ou seja, se uma onda se expande composta por sete tipos de vibrações/frequências, cada fóton tambem é composto em miniaturas com estas sete frequencias. Se um fóton viveu longo tempo dentro de um átomo formador de um corpo/sistema-astronomico, certamente ele aprendeu, foi educado, a executar uma função especifica naquele sistema, e esta função remodelou seu comportamento.  Se antes o fóton era apenas a informação sobre sua mãe, agora ele é um pacote de informação sobre a mãe e mais a função treinado a executar.

Bem vindo ao mundo dos ancestrais “não-vivos” dos genes biológicos. E entenda como o sistema astronômico criador da Vida na Terra gerou os sistemas biológicos à sua imagem e semelhança – o mais próximo que o permitiu as novas condições ambientais e materiais disponíveis. Transmitindo a energia estelar que aqui chega quebrada em minúsculos fótons executores de uma informação.

As Causas Antes das Origens da Vida, do ID, da Libido,do Ego, e da Consciência

quinta-feira, agosto 28th, 2014

Freud, o pai da psicanalise, foi quem melhor identificou os efeitos de certas fôrças naturais que vem desde o Big Bang entrando na formação e evolução dos sistemas biológicos, ou seja, seres vivos. Descobriu ele que uma criança recém nascida não tem ainda uma psique, e nesse estado ele a chamou de ID. Ela é apenas uma energia, que tem como único objetivo, o prazer, à qual ele chamou de “libido” . Mas os demais indivíduos existentes não podem absorver um individuo assim, então eles impõem limitações à criança. O conjunto destes indivíduos, Freud disse, chama-se “a civilização”. Assim está criado um ponto de tensão entre a energia do prazer e a civilização. Ora, a civilização é mais forte que o individuo, então ele terá que se imiscuir no meio da civilização auto-controlando-se na sua pratica de prazer toda vez que pressentir que haverá contra-reação, punição. Assim o que não tinha psique, cria internamente um conjunto de medições, comparações, balanceamentos, avanços e regressos, etc. , o qual será sua psique, que Freud chamou de “Ego”. O Ego é força centrípeta ou seja, redutora do amplo a um ponto ( um ponto de poder sobre o externo a este ponto para usar o externo ao seu prazer) , e tambem centrifuga, ou seja, parte de um ponto para ampliar-se no espaço ( para conquistar mais prazer). O Ego é sua inteligencia, seu conhecimento, sua opinião, suas preferencias, ou seja, é tudo o que você pensa.

Não sei ou não me lembro quando lia algo de Freud, como ele tratou a questão da consciência, qual o nome que lhe deu. Então o que vou dizer da consciência aqui é minha opinião. Repare que o Ego não possui a propriedade da empatia, ou seja, ele é incapaz de se colocar no lugar do outro e sentir o que o outro sente, pois isso não lhe trás prazer algum. Então a consciência começou a surgir quando sobre o Ego começou a aparecer a empatia. Consciência é aquela energia que não precisa da civilização limitadora, pois ela própria entende a necessidade de limites e se impõe seus limites.

Sabendo-se que a matéria, o Universo inteiro é composto de massa e energia, pergunto: “Porque esta energia que é a criança recém-nascida não é a energia do Universo?” A pergunta não faz muito sentido, parece óbvio que a criança recém nascida é ainda a mesma energia que compõe o Universo. Então, se é assim, pergunto: “O que fez essa energia sedenta de prazer e que tem como único objetivo o prazer, antes das origens da Vida?”

A resposta sensata só pode ser uma: avançou sempre buscando mais e mais prazer.

Mas sabemos que a anergia mais a massa do Universo construíram os chamados sistemas naturais. Primeiro as partículas ( que já são sistemas em si), depois os átomos, as galaxias… Mas sabemos tambem que a energia é o elemento movente, ativo, enquanto a massa é o elemento inerte, passivo. Ora se a energia é o elemento movente, ela sozinha tinha a tendencia que viria a construir sistemas. A energia, sozinha, sem a massa, foi quem inventou a Evolução, a qual nada mais é que sucessivas transformações de um sistema inicial em sistemas cada vez mais complexos ( para obter cada vez mais prazer). Tanto que não existe sistema que não tenha dinâmica interna, um fluxo ou circuito de energia. Partes sem energia as conectando são coisas separadas, não são sistemas.

Porque a energia então construiu sistemas? A resposta só pode ser uma: porque usa os sistemas para obter mais e maior prazer.

Mas sabemos tambem que a tendencia da massa é se eternizar no estado de repouso absoluto. E quanto aos sistemas naturais – segundo a Teoria da Termodinâmica – o objetivo supremo é alcançar o estado de equilíbrio termodinâmico, onde massa e energia cedem 50% cada e recebem 50% cada, numa espécie de contrato social.

Ora, nós descobrimos a fórmula para sistema fechado em si mesmo, o qual é o sistema mais perfeito possível. E depois descobrimos que todos os sistemas naturais tem essa fórmula como template, considerando que a própria fórmula veio evoluindo junto com a evolução do sistema inicial. Mas quando fomos ver como seria a contraparte materializada desta fórmula no seu estado de perfeição ultima, descobrimos que o resultado é exatamente o modelo das galaxias originais. Simples: quando a energia e a massa encontraram o jeito de realizar seu contrato social, quando entraram em equilíbrio termodinâmico que estaria destino a permanecer assim por toda a eternidade, massa e energia estava dentro de uma galaxia, elas se modelaram como uma galaxia.

A forma de sistema fechado em si mesmo é a suprema manifestação do egoísmo – o que imediatamente nos lembra o nome “ego” de Freud. Então a pergunta agora é: “Sabendo-se que a forma de sistema biológico foi criada dentro da galaxia e pela galaxia, ( pois se alguém souber de algum elemento ou força que constitui um ser vivo que tenha vindo de fora da galaxia, traga-o e ganhará o Premio Nobel) , porque um sistema que chegou ao máximo da perfeição e tinha a pretensão de se eternizar nessa forma, criou ou se transformou, num novo sistema?! E ainda mais complexo que ele mesmo? A energia traiu a massa e rompeu o contrato social? Ou vice-versa…

E porque o ego da galaxia reapareceu na forma do sistema chamado “humano”?

Bem… esta pergunta me deixou na selva muitas noites sem dormir, tinha que partir atrás da resposta. O mesmo modelo do building block das galaxias é o meno modelo do building block do DNA – um par lateral de nucleotídeos. Mas antes ainda do DNA, o modelo da face esquerda do building block da galaxia é o mesmo modelo do nucleotídeo solteiro que faz a pilha do RNA. E depois o mesmo modelo emerge em seu resplendor como template, fôrma, do primeiro sistema celular funcional e completo, ou seja, o primeiro de fato ser vivo. Esta constatação indica obviamente que houve novamente a presença do processo da evolução, ou seja, uma continuidade evolutiva entre evolução cosmológica e evolução biológica. E quem gosta da evolução é a energia, não a massa.

Por isso passei a observar inquiridoramente a energia do sol batendo nos átomos inertes da lama dos pântanos na superfície da Terra. Afinal de contas é uma energia que vem de um sistema astronômico sem a qual a Vida não existiria, não daria um passo sequer. Assim cheguei aos fótons, e destes, à “Luz”, para descobrir que, antes das galaxias, antes dos átomos e das partículas, uma onda de luz original emitida por um Big bang já continha em si, a fórmula para sistemas naturais.

Os fótons do Sol, da radiação cósmica e dos que vem do núcleo da Terra, são bits-informação do sistema galáctico original, e como tal, trabalham como genes. A maior diferença com os genes biológicos é apenas uma causa no processo evolutivo: enquanto os genes biológicos são transmitidos do criador para a cria encerrados dentro de um envelope cromossômico, e assim produzem apenas uma forma de sistema, à imagem e semelhança do criador – os genes astronômicos são dispersos livres no tempo e no espaço, e juntam-se aos pedaços, em múltiplas diferentes combinações, o que produz a enorme diversidade de formas das crias.

Ora, estes genes astronômicos estão aqui com o propósito ultimo de reproduzir o sistema celeste de onde vieram. E aquele sistema celeste foi a máxima expressão do… Ego.  O ego da energia somado ao ego da massa que pode ser resumido no Ego Material.

Mas o Ego que reinou um dia dentro do Universo, foi atacado por uma força externa, não se sabe vinda de onde. Uma força que se mede pela entropia e que é o principio da degeneração, que leva à morte dos sistemas. Por isso o sistema perfeito celeste que se auto-prometeu eternidade, de repente caiu, e foi obrigado a produzir mais um novo sistema, o biológico, o qual, tinha que emergir como sistema aberto, para reencetar a evolução. Não houve traição entre eles, não houve quebra do contrato social. O que me parece é que houve uma traição da energia em relação à luz original. Pois nela a fórmula não admite uma interrupção da evolução enquanto… a própria luz não se auto-reproduzir, ou reproduzir quem a emitiu, … na forma de auto-consciência. Daqui veio aquela fôrça da entropia, que acabou com a festa orgíaca nos céus. O Ego humano é tão autentico filho do ego celeste que chega a ter lapsos de memória vendo imagens do passado naquela espécie de paraíso celeste, e devido a estas miragens escreve metáforas como a Queda do Paraíso, Adão ( energia) e Eva ( massa), e etc. Estás entendendo agora o que é essa auto-consciência ainda embrionaria que está gestando em sua cabeça-ovo?

Mil aplausos para o Freud… ele foi realmente genial. E ele me ajudou a montar este quebra-cabeças que é maior que o Universo!

Acupuntura: O que é? É verdade ou não? Funciona ou não? – Sugestão da Matrix/DNA

sábado, agosto 23rd, 2014

xxxxx

Obs: Para esta pesquisa, ler as pesquisas em PDF sobre energias no corpo humano e campos eletro-magneticos do coração, sua relação com acupuntura, etc., no website:

http://www.heartmath.org/research/research-library/research-library.html

ver o item :

  • Energetics Research:

    The heart produces the body’s most powerful rhythmic electromagnetic field, which carries emotional information and mediates bioelectromagnetic communication, within and outside the body. This field affects one’s environment in fascinating ways not previously understood.

 

xxxx

Acupuntura: Realidade ou Mistica?

xxxxx

Ainda na selva, minha investigação me levava a deparar com varios indicios sugerindo que dentro dos nossos corpos, existiria uma rede de conexões produzida por fótons estelares dentro de nossos atomos e eletrons, numa dimensão que nem nossos olhos e nem nossos atuais instrumentos cientificos podem captar ainda, pois trata-se de luz pura original. Esta rede de conexões estaria configurada baseada na fórmula da Matrix, o que significaria que nosso corpo consiste de bilhões de cópias de DNA materializadas, prestando culto a um enorme DNA de luz que vai dos quadrís ao topo do cérebro. Depois da selva tenho me deparado com muitos fatos que parecem serem evidencias da real existencia desta oculta dimensão, por isso continuo considerando esta teoria como possivel e continuo testando-a e buscando seus efeitos no corpo, e mais evidencias, ou então, algum fato real que desminta a teoria. Nessa busca me deparei com uma existente antiga crença, ou filosofia, que apresenta um desenho de “aura humana”, e até uma pratica medicinal, chamada acupuntura. Devido aos muitos pontos que coincidem com esta teoria, mantenho tambem o estudo e acompanhamento dos avanços desta crença. Aqui abro um capitulo dedicado então a este estudo da acupuntura, assim como um registro das criticas dos grupos contrarios a esta crença.

xxxxxx

Artigos Relacionados

Richard Dawkins Foundation – Old website

https://richarddawkins.net/2014/06/acupuncture-for-macular-degeneration-why-i-reject-the-evidence/

Acupuncture for Macular Degeneration: Why I Reject the Evidence

Meu comentario postado no artigo: 

Yours article does not shows a real fact  as evidence  for rejecting acupuncture here. The real fact most be yours data about each patient, before the treatment and after it. Real Science is focusing on the object, here you are talking about theories. Then, there is a rational theory suggesting that acupuncture can works, and the human experience also suggests it, because there are 5 thousands years and people from all countries believing and/or practicing it.  The rational theory is “The Universal Matrix/DNA for Natural Systems and Life’s Cycles Theory”. Applying unusual methods ( comparative anatomy between living and non-living natural systems, reverse calculations of cosmological evolution, starting at human beings and going back to the Big Bang, etc), this theory found that a horizontal base-pair of nucleotides has the same configuration and functioning as have a model of original astronomical systems. Same configuration and functioning of systemic “pieces” were found at cell’s systems, atoms systems, brain as a system, etc. If really there is  this phenomenon, it means that not only biological systems have a common essence, called DNA, and so, all natural systems have its shape of “DNA”, so, DNA must be merely a biological shape of a universal “Matrix”. Which is shown as a formula, at Matrix/DNA website.

But… why this theory found something real in the “acupuncture world view”? Searching how an astronomical system that created here biological systems, could do that “creation”, I found that the genetic transmission process could do it, if the genes-bits-information from a decaying astronomical system due entropy, are transmitted, spreaded into space, in shape of photons by stellar radiation. These photons could penetrate terrestrial atoms, penetrating their particles as electrons, assuming the control of the atoms’ machinery and then, driving these atoms to perform a new kind of connections, which should reproduce the astronomical system microscopically and with new materials/ environment. The final result should be the first complete cell’s system, the first real living being.

If this theory will be proved the right one for explaining life’s origins here, it means that the whole human body is based over the Matrix formula, composed by photons connecting all electrons of all atoms pertaining to a human body. So, it it is correctly, must have a kind of light field/circuit which can not be grasped by our modern scientific instruments, yet, but as ever happened in Science evolution, we can grasp its side’s effects. There are evidences, theoretical evidences yet, and I am alone carrying this enterprise for searching more evidences. It is not merely human imaginations, faith ( Matrix/DNA was made by the most extremely materialistic view point) that must have something like the maps suggested by acupuncture apologists: it is a rational imperative. By another hand, the theory of abiogenesis and biological evolution that has been the foundation of yours “western modern temporary scientific world view”, seems to me not all rational.  Bring on real facts, go after the patients, the statements of doctors before and after the acupuncture treatment, then, maybe you will have real reason for rejecting it… or not. This kind of criticism is prejudice for Science, since that till today “yours” method have not solved the causes of the big millenar diseases.

Rãs Congeladas e Mortas Como Pedra, Retornam à Vida Miraculosamente… A Matrix/DNA Explica que é a Luz do Sol

quinta-feira, março 20th, 2014

A neve faz rãs congelarem até todos seus órgãos tornarem-se totalmente parados, inertes, quando ela fica dura como uma pedra. Você poderia atirar aquela rã-pedra na parede, soca-la de toda maneira, e ela continuará assim, morta. Mas então começa a primavera, a neve derrete, a luz do Sol invade a Terra… de repente a rã se move e sai saltitando, viva!

O que mais incomoda os cientistas que não conseguem entender o fenômeno ( pois isto seria a chave para se conseguir congelar corpos humanos e ressuscita-los mil anos depois), é que o coração não pode ressuscitar primeiro pois faltaria oxigênio ao cérebro, e o cérebro não pode ressuscitar primeiro que o coração, não haveria como a rã se tornar viva por partes. Tudo ( dos átomos às células aos órgãos) tem que ser ressuscitado ao mesmo exato momento! Como isto é possível?

A tempos venho acumulando evidencias reforçando que a minha teoria sobre a luz natural é real: veja no gráfico abaixo, a minha teoria de que a luz natural contem o código da vida, ou seja, ela ( as ondas de luz emitidas com o Big Bang),  foi o elemento criador da vida e todos os sistemas naturais. E o que eu tinha descrito como sendo o processo pelo qual a luz transformou matéria inerte em sistemas,  e sistemas funcionais, é exatamente a forma como descreveríamos a ressurreição espontânea da rã quando atingida pela luz natural do sol. Mais um fantástico ponto para a Matrix/DNA? Ou mera coincidência? Vamos ter muita pesquisa e testes pela frente…

A seguir está o link para um artigo com excelente vídeo mostrando o fenômeno das rãs. E a seguir está a explicação que postei naquele artigo, e depois, o gráfico da luz. E depois começa os registros da pesquisa que farei, com links para scientific papers, definições de termos técnicos e outras informações  

I Can’t Believe What I’m Seeing: A Springtime (Froggy) Miracle

http://www.npr.org/blogs/krulwich/2014/03/20/292137753/i-cant-believe-what-im-seeing-a-springtime-froggy-miracle?utm_medium=facebook&utm_source=npr&utm_campaign=nprnews&utm_content=03222014&uidt=1395497517#commentBlock?provider=Facebook

Robert Krulwich – March 22, 2014 5:03 AM

From Louis Morelli:

The explanation is: the Sun’s light has the code for life. You can know how the code for life is encrypted into any natural light wave seeing the electromagnetic spectrum’s graphic at “The Universal Matrix of Natural Systems and Life’s Cycle”. Any light wave is shared into different frequencies or vibrations following a determined sequence, the sequence of life’s cycle. Penetrating at inertial mass ( like dark matter) light breaks the mass into slices, each one with a specific state of vibration. Then, these pieces free in the space are attract one to another in the same sequence, reproducing what was a light wave into a material working system. The frozen frog is the inertial mass which already contains its body assembled as a system. It is composed of sub-systems inside super-systems like fractals, all systems are reproduction from the initial light wave. What connects and give motion to the atoms, the particles into atoms, the atoms into molecules, molecules into DNA, etc., are photons, particles of light. The spontaneous invasion of a light wave coming from the sun connects all them immediately, leading them to move. It happens with any astronomical body: they are born as spheres of hot iron, these spheres falls into frozen space, the frozen stellar dust covers them, but when they gets int a star orbit, the stars light reaches the nucleus and the nucleus resuscitates as a germ of a new star ( going before that to the shape of pulsars). Its the light that wake up the inertial germ inside a grain of corn and bring it to life. Thanks by the information, I will research this phenomena with frogs, trying to improve the theory.

Light - The Electric-Magnetic Spectrum by Matrix/DNA

Nota:  Excelente post no artigo acima:

william cooper • 9 hours ago

“How else to explain the frogs awakening?”. Well yeah, if you look at a frog, or any expression of Nature, as a mechanistic bucket of bolts or separate things, it is downright confounding, huh?, how could such an amazingly complicated thing be orchestrated so perfectly? Science as yet does not have the answers, and the far reaches of Nature remain a mystery. Science has landed us on Mars and allowed us to walk on the Moon, but stop and realize this: it cannot make one blade of grass — and imagine how much more complex a frog is than that! Yes, Life IS a miracle, any way you slice it. Nature is full of wonders and mysteries which we thankfully cannot fathom, and perhaps never will, and an intelligent person will be humbled by the fact that we may never understand the Whole. I love people of science who were/are able to keep this awe, wonder, and humility about the miracle of life and Nature alive in thier work, such as Rachel Carson and Albert Einstein.

xxxxx

Icing Organs  – ( Longo artigo, terminar de ler)

http://www.the-scientist.com/?articles.view/articleNo/34190/title/Icing-Organs/

Why scientists are so near and yet so far from being able to cryopreserve organs

antifreeze proteins (AFPs)

xxxxx

Antifreeze-Like Blood Lets Frogs Freeze and Thaw With Winter’s Whims

http://news.nationalgeographic.com/news/2007/02/070220-frog-antifreeze.html

In nature the frogs consistently go through freeze-thaw cycles

Freezing organs isn’t an option, as the cells dehydrate.

Special proteins in their blood, called nucleating proteins, cause the water in the blood to freeze first. This ice, in turn, sucks most of the water out of the frog’s cells. At the same time the frog’s liver starts making large amounts of glucose—a type of sugar—which packs into cells and props them up. The concentrated sugar solution helps prevent additional water from being pulled out of the frog’s cells, which can destroy them. “Inside the cells there’s no ice,” Storey explained. “It’s just really, really, really dehydrated, all shrunk down osmotically and full of massive amounts of sugar.” Humans lack these nucleating proteins. So when our skin freezes, we get frostbite, which lethally sucks all the water out of our cells and causes them to collapse. “Even if you take the ice away, it’s way too late,” Storey said. “All the cells are broken because you haven’t made all that sugar. The frogs, however, enter a state of suspended animation. Inside the cells there’s thick sugary syrup, while outside the cells all the water is frozen. “It can stay like that apparently, no beating heart or brain activity or anything, until you decide to thaw it,” When temperatures warm and the ice melts, the frogs thaw. Water slowly flows back into the cells, blood starts flowing again, and the frog revives. In the lab, Storey said, ice thaws in about 20 minutes and the heart takes another 20 or 30 minutes to start. “Once the heart starts, it pumps the blood around the animal and the animal starts to revive, then it starts to gulp, then it starts to breathe, then it starts to hop away. So it takes a little while to reactivate after you’ve been frozen down,” he said.

xxxxx

Post postado no artigo acima: 

Ok,… thanks to Robert, the Matrix/DNA has opened new charter for research. The scientific knowledge about this phenomena and its useful practices will not be reached without the knowledge about the formula for natural systems and the graphic about living light waves, both pictured by Matrix/DNA Theory. Reading more accurate scientific articles, we learn that the re-animation is not from all organs suddenly and before frozen the liver produces “anti-freezing proteins- AFPs”. That’s a confirmation of my first suggestion described at the post below here, about the sun’s energy. It is missing to researchers working this issue the knowledge about natural systems, the formula for systems described by Matrix/DNA. I have discovered that proteins are the representative at biological level of the flow of informations contained in the energy that runs inside the systemic circuit performing the waves of time, while organelles and organs are representative of this flow in state of particles expressed in space. So, now it makes sense: the liver produces a copy of the whole systemic circuit, packed it in cells, and as this circuit is the same sequence of frequencies of light waves coming from the sun or from the Earth’s nucleus, the light waves fits as super-position over those proteins, waking up the system. But, as we can see at Matrix/DNA formula, the pieces of systems obeys the chronological time of life’s cycle sequences. The first piece at this sequence is the pump that replicates the anterior circuit, then, that’s why the heart of the frog begins to work first. To human bodies, the systemic circuit as waves of time is performed by the circular blood flow, that’s why the blood begins working after the heart. The problem for those researches is that they still are believing ( as said Willian Cooper in his post below) that natural systems as the human body as a mechanistic bucket of bolts or separate things. That’s why they need to know the first real and complete model of natural system pictured by matrix/DNA as a diagram’s software. Now I will studying each of those proteins, etc.

 

 

 

Fototerapia: Uma Forte Area para Pesquisa pela Matrix/DNA

quarta-feira, janeiro 22nd, 2014

http://medical-dictionary.thefreedictionary.com/phototherapy

Phototherapy

Definition

Phototherapy, or light therapy, is the administration of doses of bright light in order to normalize the body’s internal clock and/or relieve depression.

Purpose

Phototherapy is prescribed primarily to treat seasonal affective disorder (SAD), a mood disorder characterized by depression in the winter months, and is occasionally employed to treat insomnia and jet lag. The exact mechanisms by which the treatment works are not known, but the bright light employed in phototherapy may act to readjust the body’s circadian (daily) rhythms, or internal clock. Other popular theories are that light triggers the production of serotonin, a neurotransmitter believed to be related to depressive disorders, or that it influences the body’s production of melatonin, a hormone derived from serotonin that may be related to circadian rhythms.

Description

Phototherapy is generally administered at home. The most commonly used phototherapy equipment is a portable lighting device known as a light box. The box may be mounted upright to a wall, or slanted downwards towards a table. The patient sits in front of the box for a prescribed period of time (anywhere from 15 minutes to several hours). Some patients with SAD undergo phototherapy sessions two or three times a day, others only once. The time of day and number of times treatment is administered depend on the physical needs and lifestyle of the individual patient. If phototherapy has been prescribed for the treatment of SAD, it typically begins in the fall months as the days begin to shorten, and continues throughout the winter and possibly the early spring.
The light from a slanted light box is designed to focus on the table it sits upon, so patients may look down to read or do other sedentary activities during therapy. Patients using an upright light box must face the light source (although they need not look directly into the light). The light sources in these light boxes typically range from 2,500-10,000 lux. (In contrast, average indoor lighting is 300-500 lux; a sunny summer day is about 100,000 lux).

Normal results

Patients with SAD typically report an alleviation of depressive symptoms within two to 14 days after beginning phototherapy.

Resources

Organizations

National Institute of Mental Health. Mental Health Public Inquiries, 5600 Fishers Lane, Room 15C-05, Rockville, MD 20857. (888) 826-9438. http://www.nimh.nih.gov.
Society for Light Treatment and Biological Rhythms. P.O. Box 591687, 174 Cook St., San Francisco, CA 94159-1687. http://www.websciences.org/sltbr.

Key terms

Circadian rhythm — The rhythmic repetition of certain phenomena in living organisms at about the same time each day.
Lux — A standard unit of measure for illumination.
Neurotransmitter — A chemical in the brain that transmits messages between neurons, or nerve cells.
Photosensitivity — An abnormally heightened reaction to light.
Seasonal affective disorder (SAD) — Amooddisorder characterized by depression during the winter months. An estimated 11 million Americans experience SAD.

Afrodisiaco Larva/Fungo Seria Fluxo Sexual Pulsar/Estrela?

quarta-feira, janeiro 15th, 2014

Ophiocordyceps sinensis

Afrodisiaco fungo lagarta kira jari ou yakasumba

Ao tomar conhecimento da existencia desta estranha criatura, imediatamente me veio a mente a formula da Matrix/DNA, como a fonte que explica tudo. Fungo e’ um vegetal e lagarta e’ um animal. A diferenca entre os dois comecou nos seres unicelulares, quando o software da galaxia comecou a organizar atomos terrestres. Num processo a celula viva imitou o inteiro sistema galactico, no outro, a celula saiu a caminhar sem estar complete, faltando os cloroplastos que faz a fotossintese e que corresponde a F6, estrela. Sendo que F4 e’ na formula o elemento masculino e que emite F5 como um ramo sexual reprodutivo lateral, tenho deduzido que na celula animal foi misturado fotons desta funcao misturados com um pouco de fotons da funcao F6, o que resultou na mitochondria. Por outro lado, na formula da Matrix/DNA, F6 e’ predador de F4, e se pudesse agarrar o ramo lateral F5, tambem o faria de presa. Agora temos este fenomeno entre um vegetal que e’ predador de um animal, no sentido de paratisismo ( e’ predador porque se alimenta do cerebro do animal). Como o fungo e’ um vegetal muito primitivo, ele deve estar a procura de informacoes das funcoes a esquerda e a direita de onde mais se expressa seu circuito (F6), ou seja, de F4 e F7. E a lagarta como animal mais expressa justamente uma mistura F4+F5.

O fato e’ que estou sentindo o cheiro aqui de mais uma das bombasticas descobertas possibiltadas pela Matrix/DNA. Tenho que ver a fundo o que ‘e fungo, sua constituicao anatomica, ao mesmo tempo que esta lagarta. portanto fica aberto mais este capitulo para pesquisa.

Wikipedia – Ophiocordyceps sinensis is a fungus that parasitizes larvae of ghost moths and produces a fruiting body valued as an herbal remedy. The fungus germinates in the living larva, kills and mummifies it, and then the stalk-like fruiting body emerges from the corpse. It is known in English colloquially as caterpillar fungus, or by its more prominent foreign names (see below): yartsa gunbu or yatsa gunbu (Tibetan), or Dōng chóng xià cǎo (Chinese: 冬虫夏草; literally “winter worm, summer grass”).

The moths in which O. sinensis grows are ambiguously referred to as “ghost moth”, which identifies either a single species or the genus Thitarodes, and the species parasitized by O. sinensis may be one of several Thitarodes that live on the Tibetan Plateau (Tibet, Qinghai, West-Sichuan, SW-Gansu & NW Yunnan), and the Himalayas (India, Nepal, Bhutan).

O. sinensis is known in the West as a medicinal mushroom, and its use has a long history in Traditional Chinese medicine as well as Traditional Tibetan medicine.[2] The hand-collected fungus-caterpillar combination is valued by herbalists and as a status symbol;[3] it is used as an aphrodisiac and treatment for ailments such as fatigue and cancer, although such use is mainly based on traditional Chinese medicine and anecdote. Recent research however seems to indicate a variety of beneficial effects in animal testing, including increased physical endurance through heightened ATP production in rats ( continuar a ler)