Posts Tagged ‘Fóton’

Fototerapia: Uma Forte Area para Pesquisa pela Matrix/DNA

quarta-feira, janeiro 22nd, 2014

http://medical-dictionary.thefreedictionary.com/phototherapy

Phototherapy

Definition

Phototherapy, or light therapy, is the administration of doses of bright light in order to normalize the body’s internal clock and/or relieve depression.

Purpose

Phototherapy is prescribed primarily to treat seasonal affective disorder (SAD), a mood disorder characterized by depression in the winter months, and is occasionally employed to treat insomnia and jet lag. The exact mechanisms by which the treatment works are not known, but the bright light employed in phototherapy may act to readjust the body’s circadian (daily) rhythms, or internal clock. Other popular theories are that light triggers the production of serotonin, a neurotransmitter believed to be related to depressive disorders, or that it influences the body’s production of melatonin, a hormone derived from serotonin that may be related to circadian rhythms.

Description

Phototherapy is generally administered at home. The most commonly used phototherapy equipment is a portable lighting device known as a light box. The box may be mounted upright to a wall, or slanted downwards towards a table. The patient sits in front of the box for a prescribed period of time (anywhere from 15 minutes to several hours). Some patients with SAD undergo phototherapy sessions two or three times a day, others only once. The time of day and number of times treatment is administered depend on the physical needs and lifestyle of the individual patient. If phototherapy has been prescribed for the treatment of SAD, it typically begins in the fall months as the days begin to shorten, and continues throughout the winter and possibly the early spring.
The light from a slanted light box is designed to focus on the table it sits upon, so patients may look down to read or do other sedentary activities during therapy. Patients using an upright light box must face the light source (although they need not look directly into the light). The light sources in these light boxes typically range from 2,500-10,000 lux. (In contrast, average indoor lighting is 300-500 lux; a sunny summer day is about 100,000 lux).

Normal results

Patients with SAD typically report an alleviation of depressive symptoms within two to 14 days after beginning phototherapy.

Resources

Organizations

National Institute of Mental Health. Mental Health Public Inquiries, 5600 Fishers Lane, Room 15C-05, Rockville, MD 20857. (888) 826-9438. http://www.nimh.nih.gov.
Society for Light Treatment and Biological Rhythms. P.O. Box 591687, 174 Cook St., San Francisco, CA 94159-1687. http://www.websciences.org/sltbr.

Key terms

Circadian rhythm — The rhythmic repetition of certain phenomena in living organisms at about the same time each day.
Lux — A standard unit of measure for illumination.
Neurotransmitter — A chemical in the brain that transmits messages between neurons, or nerve cells.
Photosensitivity — An abnormally heightened reaction to light.
Seasonal affective disorder (SAD) — Amooddisorder characterized by depression during the winter months. An estimated 11 million Americans experience SAD.

Afrodisiaco Larva/Fungo Seria Fluxo Sexual Pulsar/Estrela?

quarta-feira, janeiro 15th, 2014

Ophiocordyceps sinensis

Afrodisiaco fungo lagarta kira jari ou yakasumba

Ao tomar conhecimento da existencia desta estranha criatura, imediatamente me veio a mente a formula da Matrix/DNA, como a fonte que explica tudo. Fungo e’ um vegetal e lagarta e’ um animal. A diferenca entre os dois comecou nos seres unicelulares, quando o software da galaxia comecou a organizar atomos terrestres. Num processo a celula viva imitou o inteiro sistema galactico, no outro, a celula saiu a caminhar sem estar complete, faltando os cloroplastos que faz a fotossintese e que corresponde a F6, estrela. Sendo que F4 e’ na formula o elemento masculino e que emite F5 como um ramo sexual reprodutivo lateral, tenho deduzido que na celula animal foi misturado fotons desta funcao misturados com um pouco de fotons da funcao F6, o que resultou na mitochondria. Por outro lado, na formula da Matrix/DNA, F6 e’ predador de F4, e se pudesse agarrar o ramo lateral F5, tambem o faria de presa. Agora temos este fenomeno entre um vegetal que e’ predador de um animal, no sentido de paratisismo ( e’ predador porque se alimenta do cerebro do animal). Como o fungo e’ um vegetal muito primitivo, ele deve estar a procura de informacoes das funcoes a esquerda e a direita de onde mais se expressa seu circuito (F6), ou seja, de F4 e F7. E a lagarta como animal mais expressa justamente uma mistura F4+F5.

O fato e’ que estou sentindo o cheiro aqui de mais uma das bombasticas descobertas possibiltadas pela Matrix/DNA. Tenho que ver a fundo o que ‘e fungo, sua constituicao anatomica, ao mesmo tempo que esta lagarta. portanto fica aberto mais este capitulo para pesquisa.

Wikipedia – Ophiocordyceps sinensis is a fungus that parasitizes larvae of ghost moths and produces a fruiting body valued as an herbal remedy. The fungus germinates in the living larva, kills and mummifies it, and then the stalk-like fruiting body emerges from the corpse. It is known in English colloquially as caterpillar fungus, or by its more prominent foreign names (see below): yartsa gunbu or yatsa gunbu (Tibetan), or Dōng chóng xià cǎo (Chinese: 冬虫夏草; literally “winter worm, summer grass”).

The moths in which O. sinensis grows are ambiguously referred to as “ghost moth”, which identifies either a single species or the genus Thitarodes, and the species parasitized by O. sinensis may be one of several Thitarodes that live on the Tibetan Plateau (Tibet, Qinghai, West-Sichuan, SW-Gansu & NW Yunnan), and the Himalayas (India, Nepal, Bhutan).

O. sinensis is known in the West as a medicinal mushroom, and its use has a long history in Traditional Chinese medicine as well as Traditional Tibetan medicine.[2] The hand-collected fungus-caterpillar combination is valued by herbalists and as a status symbol;[3] it is used as an aphrodisiac and treatment for ailments such as fatigue and cancer, although such use is mainly based on traditional Chinese medicine and anecdote. Recent research however seems to indicate a variety of beneficial effects in animal testing, including increased physical endurance through heightened ATP production in rats ( continuar a ler)

Fótons: Síntese Geral p/ o Livro

sexta-feira, janeiro 3rd, 2014

INTRODUÇÃO

O que seria um fóton? Antes de expor todos os dados conhecidos a respeito de fótons, adianto especulações que tenho feito ultimamente na tentativa de entender o fóton. Toda minha cosmovisão está sugerindo que se resume a definição de um fóton como sendo um “bit-informação”. Mas a aparência que imaginamos do fóton é a de uma mera esfera de luz, e mais nada. Então como uma “massa” homogênea de luz pode conter uma informação, seja lá sobre o que fôr?!  E pior ainda: suspeito que um fóton é, em si mesmo, a informação. Ou seja, a informação produz-se como fóton, ou melhor ainda, quando uma informação se move, ela se torna um sinal, e quando chega a um destino, o sinal volta a ser a informação.  Mas como um sinal, na forma de mera esfera de luz, contem uma informação?!

Bem…, com esse raciocínio, descemos um pouco da inicial abstração e começamos a tocar o mundo real. Pois é sobejamente conhecido que existem sinais nas transmissões, existem emissores e receptores, e quando os sinais chegam nos receptores, a informação da fonte é reproduzida. Sinais podem ser elétrons, fótons…? Não temos como inteligentemente explicar e entender isto, mas o fato acontece, é real.

Seria o fóton uma espécie de espelho, no qual se grava uma cena? Imaginemos vendo nossa imagem num espelho. Depois pegamos o espelho, transportamo-lo de carro até outra casa, olhamos o espelho de lado, e não veremos nossa imagem que estava lá na outra casa, claro. Mas se fosse um fóton como espelho, veríamos a mesma imagem…? E nenhum outro objeto conseguirá aparecer naquele espelho, ele já foi tomado, para sempre, por uma informação, uma imagem.

O pior que o fóton não apenas gravaria a minha imagem, mas minha inteira pessoa, inclusive, na sua capacidade dinâmica de auto-mover-se seguindo uma auto-tendencia. O fóton assim se tornaria algo “vivo”! Pois está sugerindo a Matrix/DNA que fótons vindos de qualquer parte da galaxia, do sistema solar, penetram átomos terrestres e assumem a maquinaria interna do átomo, e o move segundo uma tendencia, a se conectar com outros átomos. A tendencia do fóton é determinada pela direção e sentido de existência do bit da galaxia que o modelou.  Por isso teriam conseguido fazer um sistema celular aqui com átomos da Terra, uma cópia terrestre da galaxia.

Bem… esse mistério do fóton, contem a informação do que era, ou é, o sistema que criou o Universo. Da fonte externa ao Universo, que emitiu as ondas de luz aqui. Por isso acho é o mistério supremo. Por isso não acredito que nosso cérebro conseguiria um dia entender como o fóton é ou carrega uma informação. Temos que nos resignar a observar seus comportamentos, suas propriedades, seus efeitos externos, e tentar usar isto tecnologicamente.  O fóton continuará mais misterioso ainda do que é na verdade a gravidade, a corrente elétrica… nós sabemos que existem, nós mexemos com elas, mas não temos a minima idéia do que sejam.

Uma informação importante para a Matrix/DNA:

( De Wikipedia) – Fótons têm um momento proporcional a sua frequência (ou inversamente proporcional ao seu comprimento de onda), e seu momento pode ser transferido quando um fóton colide com a matéria (como uma bola de bilhar em movimento transfere seu momento para outra bola).  Levando isto para a teoria da Matrix/DNA, isto a que os físicos chamam de “momento”, seria o que a Matrix/DNA denomina de “forma, temporária de ciclo vital”. Cada frequência dá ao fóton uma forma distinta e especifica. Que seu momento possa ser transferido para um corpo material, viria a confirmar a sugestão de Matrix/DNA de que os fótons irradiados pela entropia da galaxia aplicam suas especificas “tendencias” para os atomos terrestres. Mas temos aí um problema: õ que é “momento”, para os fisicos? Vejamos: ” Em física, o momento (ou simplesmente momento físico, embora existam outras grandezas com esse nome tais como o momento de inércia), é uma grandeza que representa a magnitude da força aplicada a um sistema rotacional a uma determinada distância de um eixo de rotação. O princípio dos momentos é derivado da descoberta de Arquimedes dos princípios operacionais das alavancas. Na alavanca aplica-se uma força, em seu tempo frequentemente por músculos humanos, por um braço, um feixe de algum tipo. Arquimedes notou que a quantidade de força aplicada ao objeto, o momento de força, é definido como  M = F \cdot r \,\! , onde F é a força aplicada, e r é a distância da força aplicada ao objeto.  Bem, então o que os fisicos notam nos fótons e chamam de “seu momento” é a fôrça que um fóton passa para a matéria. Na teoria  da Matrix/DNA, de fato, cada forma tem uma fôrça diferente, assim como na analogia com o corpo humano, um baby tem uma fôrça diferente de um adulto.

Para isso este capitulo: ficará sempre aberto para ir-mos registrando toda qualquer nova informação sobre os fótons… gulp… toda nova informação sobre… a informação…

XXXXXXXXX

Wikipedia: Fotão – http://pt.wikipedia.org/wiki/F%C3%B3ton

fotão (português europeu) ou fóton (português brasileiro) é a partícula elementar mediadora da força eletromagnética.

+ Pesquisa – ( Força Eletromagnética – força eletromagnética, ou força coulombiana, resulta da ação das atrações e repulsões elétricas e magnéticas de corpos distantes entre si. As raízes da noção de força eletromagnética: Isaac Newton foi quem estabeleceu uma concepção causal do Universo. Segundo esta todo o efeitos observados são causados por forças exercidas por objetos situados a uma determinada distância. A partir desta visão se iniciou a busca pela causa final de todas as forças através de uma analogia com a massa gravitacional. Os estudos dos efeitos da força eletromagnética no final do século XVIII se ampliaram e houve a tentativa de explicar os mecanismos de interação entre os corpos. Charles Augustin de Coulomb e Henry Cavendish observaram as substâncias eletricamente carregadas e os ímãs, estabelecendo, assim, as leis empíricas que regiam seu comportamento e que indicavam uma possível relação entre aquelas forças. (continuar a ler) )

O fóton também é o quantum da radiação eletromagnética

+ Pesquisa – ( A radiação eletromagnética é uma oscilação em fase dos campos elétricos e magnéticos, que, autossustentando-se, encontram-se desacoplados das cargas elétricas que lhe deram origem. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos são perpendiculares entre si e podem ser entendidas como a propagação de uma onda transversal, cujas oscilações são perpendiculares à direção do movimento da onda (como as ondas da superficie de uma lâmina de água), que pode se deslocar através do vácuo. Dentro do ponto de vista da Mecânica Quântica, podem ser entendidas, ainda, como o deslocamento de pequenas partículas, os fótons. O espectro visível, ou simplesmente luz visível, é apenas uma pequena parte de todo o espectro da radiação eletromagnética possível, que vai desde as ondas de rádio aos raios gama. A existência de ondas eletromagnéticas foi prevista por James Clerk Maxwell e confirmada experimentalmente por Heinrich Hertz. A radiação eletromagnética encontra aplicações como a radiotransmissão, seu emprego no aquecimento de alimentos (fornos de microondas), em lasers para corte de materiais ou mesmo na simples lâmpada incandescente (continuar a ler)

( Fig 1) – Eletromagnetismo – Representação do vetor campo elétrico de uma onda eletromagnética circularmente polarizada.

Circular.Polarization.Circularly.Polarized.Light Right.Handed.Animation.305x190.255Colors.gif

 

(incluindo a luz). O termo fóton foi cunhado por Gilbert N. Lewis em 19261. Fótons são bósons e possuem Spin igual a um. A troca de fótons (virtuais1) entre as partículas como os elétrons e os prótons é descrita pela eletrodinâmica quântica

+ Pesquisa –Eletrodinâmica quântica (EDQ), ou QED, de Quantum electrodynamics, é uma teoria quântica de campos do eletromagnetismo. A EDQ descreve todos os fenômenos envolvendo partículas eletricamente carregadas interagindo por meio da força eletromagnética. Sua capacidade de predição de grandezas como o momento magnético anômalo do múon e o desvio de Lamb dos níveis de energia do hidrogênio a tornou uma teoria renomada. História: A eletrodinâmica foi a evolução natural das teorias da antigamente denominada segunda quantização, isto é, quantização dos campos, ao ramo da eletrodinâmica. As teorias de campo são necessariamente relativísticas, já que admitindo-se que haja partículas mensageiras na troca de energia e momento mediados pelo campo, essas mesmas partículas, a exemplo do fóton (que historicamente precedeu a descoberta das teorias de quantização do campo) devem se deslocar a velocidades próximas ou igual à da luz no vácuo (c = 299 792 458 m/s). A eletrodinâmica quântica se desenvolveu a partir dos trabalhos de Sin-Itiro TomonagaJulian Schwinger e Richard Feynman. Pelos seus trabalhos, eles ganharam o prêmio Nobel em 1965. (continuar a ler)

, a qual é a parte mais antiga do Modelo Padrão

+ Pesquisa – (O Modelo Padrão da física de partículas é uma teoria que descreve as forças fundamentais forte, fraca e eletromagnética, bem como as partículas fundamentais que constituem toda a matéria. Desenvolvida entre 1970 e 1973, é uma teoria quântica de campos, consistente com a mecânica quântica e a relatividade especial. Para demonstrar sua importância, quase todos os testes experimentais das três forças descritas pelo Modelo Padrão concordaram com as suas predições. Entretanto, o Modelo Padrão não é uma teoria completa das interações fundamentais, primeiramente porque não descreve a gravidade (continuar a ler)

da física de partículas.

 

+ Pesquisa – ( A Física de partículas é um ramo da Física que estuda os constituintes elementares da matéria e da radiação, e a interação entre eles e suas aplicações. É também chamada de Física de altas energias, porque muitas partículas elementares só podem ser criadas a energias elevadas, logo a detecção destas também é possível apenas a altas energias de aceleração. O elétron e o próton foram as únicas partículas aceleradas até os dias de hoje, outras nunca foram detectadas (como o gráviton) e as restantes foram detectadas através da radiação cósmica (como o méson pi e o méson mu). A Física de partículas, estudada pela Mecânica Quântica (parte da Física Moderna), busca o fundamental, o nível mais básico da matéria e da Natureza. Todo o nosso mundo visível se fundamenta nesse nível invisível das partículas elementares. Podemos chamar de partículas elementares toda a porção indivisível da matéria, como os elétrons, os prótons, os nêutrons e outras. ( continuar a ler)

Ele ( o fóton) interage com os elétrons e núcleo atômico sendo responsável por muitas das propriedades da matéria, tais como a existência e estabilidades dos átomosmoléculas, e sólidos.

Em alguns aspectos um fóton atua como uma partícula, por exemplo quando registrado por um mecanismo sensível à luz como uma câmera. Em outras ocasiões, um fóton se comporta como uma onda, tal como quando passa através de uma lente ótica. De acordo com a conhecida dualidade partícula-onda

+ Pesquisa – ( A dualidade onda-partícula, também denominada dualidade onda-corpúsculo ou dualidade matéria-energia, constitui uma propriedade básica dos entes físicos em dimensões atômicas – e por tal descritos pela mecânica quântica – que consiste na capacidade dos entes físicos subatômicos de se comportarem ou terem propriedades tanto de partículas como de ondas 1 . A dualidade partícula-onda foi enunciada pela primeira vez, em 1924, pelo físico francês Louis-Victor de Broglie, que anunciou que os elétrons apresentavam características tanto ondulatórias como corpusculares, comportando-se de um ou outro modo dependendo do experimento específico. A experiência de Young (experiência da dupla fenda) exemplifica de maneira sensível o comportamento ondulatório do elétron; e pelo que já se conhecia do mesmo como partícula – a citarem-se os experimentos realizados com o tubo de Crookes, e outros – a dualidade onda partícula deste ente: difração em fenda dupla é uma propriedade notoriamente ondulatória (continuar a ler)

da mecânica quântica, é natural para um fóton apresentar ambos aspectos na sua natureza, de acordo com as circunstâncias que se encontra. Normalmente, a luz é formada por um grande número de fótons, tendo a sua intensidade ou brilho ligada ao número deles. Para baixas intensidades, são necessários equipamentos muito sensíveis, como os usados em astronomia, para detectar fótons individuais.

Propriedades dos fótons

Os fótons são comumente associados com a luz visível,

 

+ Pesquisa – ( Luz vísivel, Espectro visível (ou espectro óptico) é a porção do espectro eletromagnético cuja radiação é composta por fótons capazes de sensibilizar o olho humano de uma pessoa normal. Identifica-se a correspondente faixa de radiação por luz visível, ou simplesmente luz. A faixa visível do espectro eletromagnético é delimitada junto à mais baixa frequência oticamente estimulante – percebida como vermelha – pela sugestivamente nomeada faixa de radiação infravermelha, e pelo lado da mais alta frequência perceptível – entendida como violeta – pela nomeada de forma igualmente sugestiva faixa de radiação ultravioleta. Para cada frequência pertencente à faixa de luz visível encontra-se associada a percepção de uma cor. ( continuar a ler)

o que só é verdade para uma parte muito limitada do espectro eletromagnético.

 

+ Pesquisa – ( O espectro (ou espetroeletromagnético é o intervalo completo de todas as possíveis frequências da radiação eletromagnética. O Espectro Eletromagnético se estende desde frequências abaixo das frequências de baixa frequência até a radiação gama. O Espectro Eletromagnético é muito usado em ciências como a Física e a Química, através da espectroscopia é possível estudar e caracterizar materiais. ( continuar a ler)

Fig 2 _ Espectro Eletromagnético

Toda a radiação eletromagnética é quantizada em fótons: isto é, a menor porção de radiação eletromagnética que pode existir é um fóton, qualquer que seja seu comprimento de ondafrequênciaenergia ou momento. Fótons são partículas fundamentais que podem ser criados e destruídos quando interagem com outras partículas, mas é conhecido que decaiam por conta própria. [carece de fontes]

Diferente da maioria das partículas, fótons não tem uma massa intrínseca detectável, ou “massa restante” (que se opõem a massa relativística). Fótons estão sempre se movendo a velocidade da luz (a qual varia de acordo com o meio no qual ela viaja) em relação a todos os observadores. A despeito da sua ausência de massa, fótons têm um momento proporcional a sua frequência (ou inversamente proporcional ao seu comprimento de onda), e seu momento pode ser transferido quando um fóton colide com a matéria (como uma bola de bilhar em movimento transfere seu momento para outra bola). Isto é conhecido como pressão de radiação a qual deve ser algum dia usada como propulsão como um veleiro solar.

Fótons são desviados por um campo gravitacional duas vezes mais que as predições da mecânica Newtoniana predisse para uma massa viajando a velocidade da luz com o mesmo momento de um fóton. Esta observação é comumente citada como uma evidência que daria suporte a relatividade geral, uma teoria da gravidade de muito sucesso publicada em 1915 por Albert Einstein. Na relatividade geral, os fótons sempre viajam a velocidade da luz em uma linha “reta”, depois de se levar em conta a curvatura do espaço-tempo. (Em um espaço curvo, isto é chamado de geodésica). ( continuar a ler… definição de Fótão – e depois ver o texto em Inglês) 

 

Luz & Fótons: Informação Sobre Tecnologias para Observar Fluxos de Fótons e Ondas de Luz

quinta-feira, janeiro 2nd, 2014

A comprovação de que a fórmula Matrix/DNA seja realmente existente dependeria de se constatar que natural fluxos de fótons tendem a tomarem as mesmas direções e transformações de formas/propriedades do circuito da fórmula. Por isso abro este capitulo, para acompanhar e registrar o avanço de tecnologias que poderiam ser utilizadas com esta meta.

 1) BRUNEL INTERNATIONAL : Patent Application Titled “Method and Device for Adjusting the Bias Voltage of a Spad Photodiode” Published Online (01/02/2014)

http://www.4-traders.com/BRUNEL-INTERNATIONAL-6320/news/BRUNEL-INTERNATIONAL–Patent-Application-Titled-Method-and-Device-for-Adjusting-the-Bias-Voltage-o-17745065/

Cópia do Artigo para pesquisa pela Matrix/DNA:

By a News Reporter-Staff News Editor at Electronics Newsweekly — According to news reporting originating from Washington, D.C., by VerticalNews journalists, a patent application by the inventors Brunel, John (Grenoble, FR); Tubert, Cedric (Sassenage, FR), filed on May 16, 2013, was made available online on December 26, 2013.

No assignee for this patent application has been made.

Reporters obtained the following quote from the background information supplied by the inventors: “The present disclosure relates to photodetectors, and in particular to single-photon avalanche photodiodes (SPAD).

+ Pesquisa – ( Google search for photodetectors and photodiodes (SPAD):

http://en.wikipedia.org/wiki/Photodetector – Photosensors or photodetectors are sensors of light or other electromagnetic energy. There are several varieties… ( continuar a ler)

 

( Retorno ao texto da Brunel International)

“Photodetectors capable of detecting a single photon are used in many applications such as detecting an object and measuring distances, analyzing DNA or proteins, time-resolved spectroscopy such as fluorescence correlation spectroscopy and fluorescence life-time imaging, as well as inspecting VLSI high-density integrated circuits. Distance measurement can be carried out based on a propagation time of a beam of photons emitted in the form of pulses and reflected on the object.

“One well-known method involves using photodiodes

+ Pesquisa – ( Photodiodes – Google search:

Wikipedia = A photodiode is a type of photodetector capable of converting light into either current or voltage, depending upon the mode of operation.[1] The common, traditional solar cell used to generate electric solar power is a large area photodiode. Photodiodes are similar to regular semiconductor diodes except that they may be either exposed (to detect vacuum UV or X-rays) or packaged with a window or optical fiber connection to allow light to reach the sensitive part of the device. Many diodes designed for use specifically as a photodiode use a PIN junction rather than a p-n junction, to increase the speed of response. A photodiode is designed to operate in reverse bias . Principle of operation = A photodiode is a p-n junction or PIN structure. When a photon of sufficient energy strikes the diode, it creates an electronhole pair. This mechanism is also known as the innerphotoelectric effect. If the absorption occurs in the junction’s depletion region, or one diffusion length away from it, these carriers are swept from the junction by the built-in electric field of the depletion region. Thus holes move toward the anode, and electrons toward the cathode, and a photocurrent is produced. The total current through the photodiode is the sum of the dark current (current that flows with or without light) and the photocurrent, so the dark current must be minimized to maximize the sensitivity of the device. (continuar a ler)

Fig … Symbol for photodiode.

Fig… Three Si and one Ge (bottom) photodiodes

File:Fotodio.jpg

( Retorno ao texto da Brunel International)

 as detection and distance measurement elements, by using an avalanche phenomenon which may occur in the pn junction of photodiodes. An avalanche phenomenon can be triggered in a diode pn junction when the diode is reverse-biased in the vicinity of the breakdown voltage of the junction. This phenomenon can be used in two ways in an avalanche photodiode. If the avalanche photodiode is reverse-biased just below the breakdown voltage, the photodiode then generates an electric current proportional to the intensity of the flow of photons received by the photodiode, with a gain of a few hundred with a semiconductor such as silicon.

“To detect low-intensity flows of photons, one well-known method involves using photodiodes which can be reverse-biased above the breakdown voltage. Such photodiodes are referred to as SPAD photodiodes or Single-Photon Avalanche Diodes or diodes operating in ‘Geiger’ mode. Every time such a photodiode receives a photon, an avalanche phenomenon occurs in the pn junction of the photodiode, thus generating a relatively intense current. To prevent the photodiode from being destroyed by this intense current, the photodiode is connected to a quenching circuit enabling the avalanche process to be stopped a few nanoseconds after it occurred.

“To perform a distance measurement, one well-known method involves lighting a detection zone with a pulsed light source such as a pulsed laser source, and detecting photons reflected by an object present in the detection zone using a detector comprising several SPAD photodiodes, for example disposed according to a matrix configuration. The distance of the object present in the detection zone is assessed on the basis of the propagation time or time of flight (TOF) between the instant a light pulse is emitted and the instant a pulse appears at the terminals of a photodiode, resulting from the avalanche triggering of the photodiode. The measurement accuracy depends particularly on the duration of the light pulses emitted by the source, and the shorter these pulses are, the more accurate the measurement can be.

“In a CMOS-type integrated circuit, powered by a voltage in the order of 3 to 5V, the reverse bias of the SPAD photodiodes at a voltage higher than the breakdown voltage, requires a bias voltage of about 14V. Such a voltage is produced by a high voltage generating circuit, for example using a charge pump enabling the supply voltage to be increased.

“It transpires that the breakdown voltage of a SPAD photodiode can vary greatly from one photodiode to another depending on the manufacturing conditions of the photodiodes. The breakdown voltage may also vary greatly over time particularly depending on the ambient temperature. Now, knowledge of this breakdown voltage is important to determine a minimum bias voltage enabling a SPAD photodiode to be put in condition for detecting a photon. Furthermore, the bias voltage of SPAD photodiodes must not be too high to avoid generating an excessively high so-called ‘dark current’. In addition, the higher this bias voltage is, the more leakage currents there will be in the circuits, and the more difficult the design of these circuits is.

“In certain applications, it can also be desirable to place one or more SPAD photodiodes of a detector in a state in which they will not avalanche trigger under the effect of a photon. Now, cutting off a high voltage such as the bias voltage of SPAD photodiodes requires relatively large transistors that, on the other hand, have a relatively slow switch speed. If the detector comprises a large number of SPAD photodiodes that must be selectively biased, it is hardly conceivable to associate such a transistor with each SPAD photodiode. However, the bias voltage applied to each SPAD photodiode can be lowered below the breakdown voltage using small and fast transistors. However, this solution requires the breakdown voltage of each SPAD photodiode of the detector to be accurately known.

“FIG. 1 represents a characteristic curve of current according to the bias voltage of a SPAD photodiode. The part of this characteristic curve corresponding to a negative bias voltage (reverse bias), comprises two parts C1, C2, respectively before and after the breakdown voltage Vbd of the SPAD photodiode. In the part C1 between 0V and the voltage Vbd, a reverse current substantially constant at a low value passes through the photodiode. In the part C2, beyond the voltage Vbd, the reverse current increases rapidly. FIG. 1 also represents a portion of curve C3 extending from the value of the current at the voltage Vbd to the negative currents and corresponding to the leakage currents in the SPAD photodiode. FIG. 1 also represents the bias voltage Vhv of the SPAD photodiode, the difference between the voltage Vhv and the breakdown voltage Vbd is noted Veb. The difference between the voltage Vhv and a voltage lower than the voltage Vbd, to ensure that the SPAD photodiode cannot avalanche trigger, is noted Vsd. The application of the voltage difference Vsd to the bias voltage Vhv prevents the SPAD photodiode from avalanche triggering.”

In addition to obtaining background information on this patent application, VerticalNews editors also obtained the inventors’ summary information for this patent application: “To limit the leakage currents and the dark current, it is desirable for the voltage Vhv to be as low as possible. For a fast switch between active and inactive states of a SPAD photodiode, it is desirable for the voltage difference Vsd to be as low as possible. As a result, it is desirable to monitor with sufficient precision the breakdown voltage Vbd of a SPAD photodiode to adjust the bias voltage Vhv of the photodiode. It is also desirable to be capable of performing such an adjustment sufficiently often to monitor any variations in the voltage Vbd.

“Some embodiments relate to a method for adjusting a bias voltage of a SPAD single-photon avalanche photodiode, comprising successive steps of: applying to a photodiode a first test bias voltage lower than a normal bias voltage applied to the photodiode in a normal operating mode, subjecting the photodiode to photons, reading a first avalanche triggering signal of the photodiode, applying to the photodiode a second test bias voltage, different from the first test bias voltage, subjecting the photodiode to photons, reading a second avalanche triggering signal of the photodiode, increasing the normal bias voltage if the first and second signals indicate that the photodiode did not avalanche trigger, and reducing the normal bias voltage if the first and second signals indicate that the photodiode did avalanche trigger.

“According to one embodiment, several SPAD photodiodes receive the normal bias voltage and the first and second test bias voltages, and supply avalanche triggering signals, the normal bias voltage being increased if the numbers of photodiodes subjected to the first and second bias voltages, that avalanche triggered, are below a threshold value, and reduced if these numbers are higher than or equal to the threshold value.

“According to one embodiment, the threshold value is set to 1.

“According to one embodiment, the method comprises a step of selecting in a set of SPAD photodiodes one or more photodiodes due to receive the first and second test bias voltages.

“According to one embodiment, photodiodes are selected by applying to the selected photodiodes the first and second test bias voltages and to the non-selected photodiodes, the first and second bias voltages reduced by a deactivation voltage.

“According to one embodiment, the first and second test bias voltages are chosen between the normal bias voltage and the normal bias voltage reduced by the deactivation voltage.

“According to one embodiment, the deactivation voltage is set to a value lower than the difference between minimum and maximum breakdown voltages of the photodiodes of the set of photodiodes, such that at the normal bias voltage, the number of inactive photodiodes of the set of photodiodes remains below a threshold value.

“According to one embodiment, the normal bias voltage is adjusted in constant steps.

“According to one embodiment, the normal bias voltage is adjusted periodically or when a temperature difference since a previous adjustment of the normal bias voltage is higher than a temperature threshold value.

“According to one embodiment, the deactivation voltage is set to a minimum value to minimize the size of transistors enabling the deactivation voltage to be generated and applied to the photodiodes to be deactivated.

“Some embodiments also relate to a measuring device comprising a SPAD photodiode and a bias circuit supplying the photodiode with a normal bias voltage in a normal operating mode of the device, the measuring device comprising a calibration circuit configured to implement the method defined above.

“According to one embodiment, the device comprises a set of SPAD photodiodes biased by the bias circuit, and a measuring circuit configured to develop a measurement signal according to avalanche triggering signals coming from the photodiodes of the set of photodiodes.

“According to one embodiment, each photodiode comprises a cathode receiving the normal bias voltage or a test bias voltage and an anode receiving a non-zero deactivation voltage if the photodiode is to be deactivated, and linked to the ground through a resistor.

BRIEF DESCRIPTION OF THE SEVERAL VIEWS OF THE DRAWINGS

“Some examples of embodiments of the present disclosure will be described below in relation with, but not limited to, the following figures, in which:

“FIG. 1 described above represents a characteristic curve of a current passing through a SPAD photodiode according to the bias voltage of the photodiode,

“FIG. 2 represents a SPAD photodiode and a bias and control circuit for biasing and controlling the photodiode, according to one embodiment,

“FIG. 3 schematically represents a device for adjusting the bias voltage of SPAD photodiodes, according to one embodiment,

“FIG. 4 represents a sequence of steps of adjusting the bias voltage of a photodiode, according to one embodiment,

“FIG. 5 represents a distribution curve of breakdown voltages of photodiodes coming from a manufacturing line, according to a number of SPAD photodiodes.”

XXXXXXXXXX

http://www.intel.com/content/www/us/en/research/intel-labs-avalanche-photodetector.html

As announced in Nature Photonics, Intel has collaborated with industry, academic, and government partners to develop a silicon-based avalanche photodetector (APD). APDs are light sensors that process optical communications to electrical signals. Intel’s APD has a gain-bandwidth product of 340GHz, the best result ever reported for an APD.

Learn more about Intel’s APD breakthrough by reading the Nature journal article, or view the explanatory animation.

Veja animation here: http://www.intel.com/content/www/us/en/research/intel-labs-silicon-photonics-demo.html

Avalanche Photodetector

Colloidal Suspensions: Principios na Formaçao dos Sistemas Terrestres, Frequencias da Luz, etc., a Pesquisar

quinta-feira, dezembro 19th, 2013

Na formação de processos e sistemas na Terra, vieram os princípios, forças e elementos ancestrais. Tendo ou não os fótons da Matrix, preciso entender esta evolução.

Colloidal suspensions of microspheres in a liquid may not be simple systems

Colloidal suspensions of microspheres in a liquid may not be simple systems

The static structure factor of the microsphere suspension (left panel) and the effective inverse diffusion constant of microspheres (right panel) show similar dependency on scattering vector, which suggests that the lowest free-energy configuration in the static case also has a long lifetime.

Read more at: http://phys.org/news/2013-12-colloidal-suspensions-microspheres-liquid-simple.html#jCp

Itens: Brownian Motion, polystyrene,

Importantes textos:

Colloidal suspensions and the related gels (solid colloidal systems) are of interest because many of them have fundamentally useful properties. Natural systems such as milk, the interior of cells, even atmospheric fog are colloidal systems. Synthetic colloids exist in coatings, cosmetics, and elsewhere.Understanding colloids could lead to a deeper understanding of complex soft matter, with implications for new or improved materials and polymer science, but we have only an incomplete picture of the structure and dynamics of colloidal suspensions.(Etc…)

Working with high-brightness x-rays from the U.S. Department of Energy Office of Science’s Advanced Photon Source (APS) at Argonne, the research team used the new synchrotron x-ray technique called ultra-small-angle x-ray scattering (USAXS)–x-ray photon correlation spectroscopy (XPCS) to help them see through colloidal systems in order to reveal inner secrets. This new technique, implemented on the dedicated USAXS beamline (initially the X-ray Science Division 32-ID beamline, and later the ChemMatCARS 15-ID beamline) at the APS, overcomes the problem of attempting to use light to study such opaque systems because the wavelengths of x-rays are so much shorter than that of visible light and so can resolve details of the  involved and their behavior on concomitantly shorter length scales.

Rather than the apparently simple Brownian motion taking place in this , it seems that the microspheres move collectively, whereby buffeted particles pull along their neighbors. Such behavior implies that, compared with expectations, the suspended particles spend much longer times in close proximity without touching. Potentially, this behavior could be exploited in cases where suspended particles serve as centers for chemical reactions.

Grande Intuição Neste Momento: The LightWaves-Photons Field e o “The Morelli’s Field” !!!

segunda-feira, dezembro 2nd, 2013

photons seen

Acho que todo mundo sabe da historia e alvoroço causado no mundo nas Ciências pela epopeia dos Higgs bosons. Bilhões de dólares gastos, milhares de cientistas envolvidos, a construção do super-tunel acelerador na Europa, tudo em busca de uma porcaria de uma particulazinha que pode ser pequena no tamanho, mas incomensurável no significado, por isso o maior nome de todos os tempos: A Partícula de Deus!

Protesto! Tomaram meu lugar! Eu pensava que eu sou a partícula de Deus! Mas não, é outra… Nem superar uma partícula eu consigo. Sou menos que uma particula…buáááááá….

Mais ou menos, e a grosso modo, para os tão leigos em Física quanto eu, a história pode ser resumida popularmente no seguinte:  Essa partícula foi teorizada, ou seja, imaginada sua existência quando um físico, de nome Higgs, achou que existe um campo quase etéreo que faz manifestar a massa no Universo, e desse campo tinha que emanar uma partícula, portanto, se fosse encontrada tal partícula, sua teoria estaria confirmada. E essa Higgs’ theory preenchia uma buraco ainda existente na grande Standard Theory da Física moderna que pretende explicar o Universo inteiro, desde suas origens. Por isso os cabras lá do CERN e a comunidade dos físicos estão comemorando o evento com tanto estardalhaço.

Ok. Pode ser que resolvemos o grande mistério da origem da massa, que dá consistência concreta aos objetos existentes no nosso mundo, nestas dimensões do Universo que podemos captar com nossos ainda grosseiros cinco sentidos. Mas… e as origens da outra metade da matéria, que se chama “energia”?! É sobre isso que tive agora  essa inicial intuição, a qual deverá ser desenvolvida e pensada à exaustão.

A formula da Matrix/DNA sugeriu uma coisa fantastica mostrando a tela onde aparece um espectro de uma onda eletromagnética (veja a figura abaixo):  ela diz que as diferentes sete frequências da onda de luz são a causa criadora da Vida, porque assim as ondas de luz imprimem a dinâmica do processo vital, ou melhor, do ciclo vital, à matéria inerte, à massa. Em outras palavras a onda de luz contem o código da vida, que, com a evolução, se tornou aqui o DNA. Na figura, a Matrix/DNA defende sua teoria de que todos os sistemas naturais são peças conectadas entre si pelo fio do ciclo vital. Então, existe uma fonte qualquer de ondas de luz, a qual é ao mesmo, uma fonte de um novo ciclo vital. No caso do ciclo vital do corpo humano, a fonte externa seriam os pais. Na luz, a onda começa na sua mais alta intensidade de vibração, o chamado “raio gama”, que é responsável pelo período de 9 meses de gestação do novo corpo. Por isso talvez existe a incrível aceleração de reprodução de células, formando a mórula, a blástula, e na continuidade, a grande velocidade com que os mais complexos órgãos do corpo vão tomando forma. A seguir, na luz, diminue um pouco a intensidade, vem o que se chama “Raio X”, que corresponde, no ciclo vital humano, à forma de bebê. E assim por diante.

 

Light - The Electric-Magnetic Spectrum by Matrix/DNA

Mas as ondas de luz se quebram formando também sua partícula, que é o fóton. Estas partículas, ainda segundo a Matrix/DNA é que entram nos átomos terrestres, assumem o comando de sua maquinaria, e os conduzem a formarem aminoacidos, depois as proteínas, a vida enfim. Mas para isso o fóton teria que ser energia e o pior, uma fonte de energia por si mesma, pois no seu trabalho ela consome energia como nos humanos, e nos somos fontes de energia quando imprimimos mais energia no mundo externo depois que se esgotou a reserva de energia da nossa refeição anterior. Ora, nada nem ninguém poderia produzir energia por si mesmo, isso seria milagre, e milagres não existem. Então como o fóton consegue ser uma permanente fonte de energia?

Solução: ora o foto também come. Ele também se alimenta, faz suas refeições. Mas onde ele obtêm, qual é o alimento dos fótons?!

Todo mundo já ouviu falar na “Cosmic Radiation Background”, o som de fundo que pervade o Universo e que parece ser o eco do Big Bang ate hoje, segundo as mais prováveis teorias na praça. Porem, na Matrix/DNA cosmovisão, esse som é devido a passagem e expansão de ondas de luz que continuam a ser emitidas pela fonte criadora do Universo, que, portanto, é uma fonte pulsante (lembre-se do som das ondas do mar?). Então, num nível mais profundo da matéria, existe esse oceano dessa substancia que chamamos de luz, movendo-se como as ondas das águas dos mares. E os fótons que dessas ondas surgem como a espuma que vemos nas ondas do mar, se alimentam… dessa substancia da luz original.

Então estamos no caminho oposto ao de Higgs. Ele tinha o campo, o field, faltava comprovar a existência da partícula produzida por esse campo. Nos temos a partícula, que é o fóton, falta comprovar o campo, o field, que produz essa partícula. Não sei nem como começar a fazer experiencias testando essa teoria que me despontou no cocuruto agora… mas vou pensar muito a respeito, pois, para mim, a coisa faz sentido. Talvez um dia, muito depois que eu morrer, construam algo como o super-túnel para buscar  este campo. Não vou reclamar se derem o nome a isso tudo de “The Morelli’s Field”.

(Obs.: Obviamente este artigo escrito na correria deve estar cheio de erros no aspecto técnico em relação a detalhes da Física e do Higgs, mas voltarei aqui com tempo para a devida pesquisa e consertar, melhorar o artigo. E para quem quer se lembrar do nosso gráfico sobre onda de luz, veja a figura a seguir:)

Fótons Realmente Vistos? Muitas Informações a Pesquisar Aqui

segunda-feira, dezembro 2nd, 2013

Photons Seen Without Being Destroyed For First Time Ever

http://www.huffingtonpost.com/2013/11/25/photons-seen-not-destroyed-first_n_4337029.html

HUFF POST SCIENCE

LiveScience  |  By Jesse Emspak – Posted: 11/25/2013 8:50 am EST

photons seen

Scientists have used a single atom trapped in an optical resonator to detect the presence of a reflected photon without destroying that packet of light. | MPQ, Quantum Dynamics Division

Eliminar todas as doenças que torturam humanos: Método Acadêmico e Método da Matrix/DNA

quinta-feira, novembro 28th, 2013

Tema baseado no seguinte artigo:

BBC. Com Future

Preventative genetics: The ultimate way to halt disease

http://www.bbc.com/future/story/20131107-predict-illness-before-it-strikes – (clique na figura do artigo e veja interessante video)

Se você entendesse o que estou querendo dizer aqui, certamente se juntaria comigo nesta luta. O mundo cientifico acadêmico, vem, desde Hipócrates a 2,000 anos atras, gastando o tempo de milhões de cientistas e profissionais e bilhões de dólares na tentativa de eliminar doenças mortais, como câncer, diabetes, Alzheimer, etc., mas ainda não conseguiram, as doenças continuam ai e podem pegar qualquer um de nos desprevenido… A pergunta que faço é: porque não conseguem? Doenças não são algo sobrenatural, elas são produtos dos movimentos na Natureza, portanto, isto significa que não entendemos ainda o que é e como funciona a Natureza. Ninguem esta autorizado a afirmar que estas doenças mortíferas tradicionais são produtos de disfunções dentro dos corpos humanos ou afirmar que doenças são produzidas por forcas e elementos naturais externos aos corpos, vindos do meio-ambiente. Se tivessem certeza… porque ainda não as eliminaram?

No presente artigo com link acima, um cientista que sabemos estar honestamente empenhado nessa luta, sugere que se invista mais no método aplicado pelas ciências acadêmicas, a qual, nas ultimas desadas passou a acreditar que todas as causas estão nos genes. Assim ele resume sua sugestão: “A grande ideia é genética preventiva: observando nosso genoma desde a infância de maneira que possamos evitar que a doença se instale, ao vez de atuar sobre a doença depois que ela se instalou no corpo”.

Mas as doenças continuam aparecendo, isto significa que ainda não aplicaram o método correto, e se não o aplicaram, não se pode saber de antemão se este realmente é o método correto. E se não for? Entes queridos nossos, familiares ou não, e talvez nos mesmos, continuaremos a ser torturados e morrer porque o método correto não foi aplicado…

Então faço outra pergunta: “Se tiver algum ser humano sugerindo que se experimente outro diferente método, que ele esta convencido que vai funcionar, que não vai custar tao caro, que pode ser feito,… porque não tentar?” Existe outro tema mais importante hoje para os seres humanos? Va ao hospital e pergunte para os que la estão.

O pensamento acadêmico sobre as doenças esta cegamente centrado nos genes. De repente passaram a acreditar que aqueles amontoados de átomos formando diferentes moléculas atuam por conta própria, parecem ter personalidade própria, força autônoma própria. Gastaram bilhões de dol ares na busca de mapear o genoma porque acreditavam piamente no celebre axioma que emergiu deste tipo de crença: “Cada gene, cada doença!” Ao fim do projeto, tendo o mapa total em mãos, o Craig Venter e seus correlegionários caíram sentados em suas cadeiras desanimados: não era assim, são muitos e vários genes envolvidos em cada doença. Praticamente voltamos a estaca zero. Mas a obsessão em cima da genética não foi curada tambem. Prova disso é a própria sugestão do cientista neste artigo.

O método diferente que estou sugerindo resulta da minha pessoal leitura e interpretação dos modelos, formulas e mapas da Matrix/DNA Theory. Pois ali se deduz que tudo o que existe no corpo humano pertence a sistemas, os quais, as centenas ou milhares, se juntam formando um ultimo sistema final: o corpo humano. Acontece que temos a formula para um sistema natural perfeito, funcionando perfeitamente, sem qualquer disfunção, como são os casos das doenças. E esta formula é aplicada pela Natureza para organizar a matéria em sistemas, funcionais. Ora… então basta identificar-mos todos os sub-sistemas do corpo humano e compara-los com a formula para detectar onde esta o ponto diferente no sistema doente. Assim como fiz com o caso do ciclo do colesterol cuja figura esta na primeira pagina deste website.

A formula da Matrix/DNA esta sugerindo que doenças não tem como causa fundamental os genes. Não! Estes são apenas marionetes manipulados ao sabor de uma força muito maior que eles. Esta força é gerada nos atritos entre dois poderosos elementos: o sistema planetário dentro do solar em que tudo funciona como um relógio, um sistema perfeito, fechado em si mesmo, e suas crias, sistemas biológicos que funcionam diferente, são sistemas abertos e,  se movimentam por direções contrarias entrando em choque com os eflúvios do sistema estrutural. É este atrito que atua no genoma causando erros nas operações do DNA e defeitos nos genes que eram “saudáveis”. Vou tentar explicar isso pois pé muito fácil de entender. Não tem nada de astrologia, superstição, metafisica, aqui, tudo é muito simples resultado do trabalho de um filosofo naturalista cuja missão é buscar conhecimento das informações obtidas pelas Ciências Oficiais com seu método reducionista e ficar tentando conectar todas estas informações para tentar obter um grande quadro, e assim entender o significado, o motivo, da existência dos fenômenos que compõem a totalidade da Natureza, o Universo.

Porque é que de repente um sistema natural atrela a si mesmo, bombas, vai a uma praça publica e se explode?! Ora, a principio, a meta suprema de todo sistema natural, de átomos a galaxias a lagartixas a células, é conseguir o estado confortável e eterno do equilíbrio termodinâmico. O sistema corpo humano, assim como formigas e abelhas, dedica a vida a luta para conseguir um palácio, depois o mais vasto território em volta deste palácio, onde tudo funcione como num paraíso e ele é o senhor ou a rainha absoluta.  Bilhões de anos de evolução desde a primordial nebulosa de átomos não mudaram essa meta suprema, ela continua no ultimo sistema ápice desta evolução aqui nestas regiões do Universo, que é o ser humano. Então porque de repente um sistema sai totalmente fora desta longa cadeia de causas e efeitos que vem desde o Big Bang e faz algo totalmente sem sentido? A resposta esta na existência de um sistema, invisível, denominado sistema religioso cultural. Ele manipula seus sub-sistemas como marionetes. Assim como os genes são manipulados. O terrorista não atua mais por si mesmo, independente, ele é conduzido, pois caso contrario todas suas atividades visariam sobreviver e enriquecer.

Ate os 30 anos eu tive varias perigosas doenças. Aos sete anos peguei uma que não sei o nome ouvido na infância (tufo, tifo?), que fecha a garganta e se não correr ao hospital morre em 24 horas. Depois tive ulcera gástrica com cirurgia aos 28 anos. Depois duas malarias na selva aos 30 anos. Mas na selva elaborei as formulas da Matrix/DNA, resultou uma visão diferente de um quadro geral diferente, conclui que a vida surgiu aqui pela aca o de fótons-genes formando um software emitido pela galaxia, estas loucuras todas, que sugeriam que com meu cérebro apenas eu poderia captar certas parti culas de fótons-energia voando no espaço a minha volta, e que podia conduzir mentalmente estes fótons por canais de um complicado desenho do corpo humano… e passei a experimentar isso, sessões de 15 ou 60 minutos diários. Nunca mais, nos outros 30 anos precisei tomar nenhum comprimido para nada. Uma saúde e energia de ferro! Voltei a selva temendo pegar a terceira malaria que poderia ser fatal, mas que nada, gozei na cara dos mosquitos transmissores. Mera coincidência? Tambem as vezes penso que sim, mas… por via das duvidas, continuo de vez em quando praticando o método, pois em time que esta ganhando, não se mexe, por mais estupido e desmiolado que pareça ser o técnico do time. Eu estou com a mente cegamente centrada em “SISTEMAS”, uma grande diferença do meio acadêmico centrado cegamente em genes, nos estamos abordando este assunto das doenças vindos por caminhos diferentes.

O corpo humano é um sistema natural, produto de uma evolução que começou com o primeiro sistema celular, a qual foi produzida num longo processo de embriogênese e não abiogeneses, pelo sistema astronômico que nos envolve. Ou se encaixa nele… e tenha uma vida saudável,… ou não se encaixe nele, que sistemas equivocados pairando no ar te agarram, te inocula suas errôneas tendencias, e te leva a se explodir em praça publica, ou melhor, levam seus genes a aniquilar seu corpo inteiro.

O grande intelectual que foi uma antena da nossa especie, o ex-presidente da Checoslováquia, Vaclav Havel, uma vez disse: “Hoje entendemos os fundamentos da matéria em nosso corpo, nos mais microscópicos níveis. Sabemos tudo sobre nossos a tomos, nossas moléculas, nossas células. O método reducionista realizou um heroico e brilhante trabalho. Mas no entanto alguma coisa esta nos escapando. prova disso são as doenças milenares, cujas causas primeiras e suas curas continuam desconhecidas. Penso que esta coisa desconhecida esta numa outra dimensão, mais difícil de enxergar: a dimensão dos sistemas, mais exatamente, do corpo humano como sistema”. Na selva eu acho que entendi melhor o que ele quis dizer. Mas o problema é que o meio cientifico acadêmico, nossa cultura geral, esta se esquecendo, ignorando, a existência dos sistemas naturais. Tivemos a décadas atras algumas iniciativas tímidas, com Fritjof Capra tateando os sistemas na escuridão sem conseguir vê-los direito, no seu “O Tao da Física”. Tivemos a Margullis sondando as origens da célula sob uma tentativa de perspectiva sistêmica, em sua teoria simbiôntica. Depois um longo período de recesso ate que Bertalanffy surgiu com uma gigante obra, “A Teoria Geral dos Sistemas”. Uma grande quantidade de argumentos e evidencias, porem sem ainda explicar ou mostrar o que realmente é um sistema natural. Então alguns físicos e matemáticos como Rosemberg, Wiener, descobriram a cibernética, e desviaram a teoria dos sistemas naturais para a teoria dos sistemas artificiais. E neste ponto estão parados ate hoje. Se as doenças forem realmente produzidas pelo contexto das operações de sistemas, não esperem ajuda nos hospitais para doenças mortais por muito tempo ainda. A unica tímida tentativa que conheço estar militando no momento com uma proposta nova mostrando o que realmente é e como funcionam os sistemas naturais, esta vindo com um semi-macaco do meio da selva amazônica, num calhamaço de papeis sujos para embrulhar pão…  O macaco esta sozinho gritando nas ruas de New York e tentando mostrar os papeis para os transeuntes, mas ninguém para e ouve. Mas… é pegar ou largar… e aceitar a convivência com estes terroristas malignos dentre nos, porque o método da academia oficial não vai funcionar. Raios! Genes são punhados de átomos! O Richard Dawkins e sua turma ficaram malucos, perderam o controle de suas faculdades mentais, acreditando em coisas como “o objetivo supremo dos genes é se reproduzirem”. Átomos, moléculas, não podem possuir objetivos a serem alcançados no futuro por acoes deles aplicadas aqui e agora. Estão loucos?!!! E nos vamos ficar passivos, pagando caríssimo o preço desta loucura?! Por favor, de uma oportunidade ao macaco, ele não quer e não precisa de palácios, o que ele sonha é ver que as futuras gerações cantarão o nosso sucesso ao invés de chorarem o nosso fracasso! mexam-se comigo! Agora! Ja! Cada voz ecoando um pequeno murmurio inicial faz o murmurio se tornar conhecido! tens duvidas? Claro, eu tenho mais ainda! não acredito na Matrix/DNA, sou um filosofo, como Sao Tome, quero ver, apalpar, para acreditar. mas a coisa faz sentido. basta tentar conhece-la e entende-la.

Temos muito trabalho a fazer em equipe, mas a base de tudo é colocar os mapas da Matrix/DNA sobre a mesa e do lado os mapas de todos os sub-sistemas do corpo humano. Dentre os mapas da Matrix esta a formula da infra-estrutura de tudo isso que aqui esta, que é esta galaxia, por inteiro. A qual é a formula de um sistema perfeito fechado em si mesmo. E podemos consertar qualquer defeito em qualquer sub-sistema defeituosos tendo ao lado o desenho para um sistema funcionar perfeitamente. vamos assim identificar os pontos das disfunções, vamos rastrear os elementos externos que chegam aqueles pontos, vamos chegar a causa primeira, a raiz de tudo, e mandar para o inferno de uma vez por todas estes inimigos terroristas que tanto tem flagelado nossos irmãos de especie, aos quais damos os nomes de câncer, Alzheimer, diabetes, etc. Porque não participar desta causa, lutar por ela, convencer os que estão no controle dos instrumentos científicos, a apontarem-nos nesta outra direção? Se o método der certo, prometo que pago cerveja pra todo mundo!

( Obs: Devo continuar isto comentando cada item do artigo da BBC)

 

 

Ultima Descoberta Baseada Na Matrix/DNA: Você Vive Porque Pegou Carona Numa Onda de Luz Sagrada

quinta-feira, novembro 7th, 2013

Para entender isto, antes de mais nada é preciso ver como o computador capta o espectro de uma onda de luz e como re-interpretei esta imagem na tela do computador ao descobrir que aí está o segredo máximo da Vida, ou seja, como a primeira manifestação de Vida neste Universo veio na forma de ondas de luz contendo o código que hoje está encriptado em cada par lateral de nucleotídeos, ou seja, em cada unidade fundamental de informação do DNA ( podes clicar na imagem para lê-la melhor) :

Light - The Electric-Magnetic Spectrum by Matrix/DNA

 

Bem, nesta figura acrescentei nomes (em azul e vermelho) quando descobrí que uma onda de luz natural apresenta a mesma ordem, a mesma sequencia, de variações, vibrações, frequências, que as variações da energia de um corpo humano nos mostra ao longo de sua vida. Antes dessa descoberta, eu estava calculando algumas coisas aplicando a formula da Matrix/DNA e percebí que a sequencia e funcionalidades de uma onda de luz se encaixava perfeitamente no lugar do circuito energético de todos os sistemas naturais, desde sistemas atômicos a sistemas galácticos e por fim, ao sistema-corpo humano. Se esta teoria estiver correta, as ondas de luz natural imprimem movimento, dinâmica, na matéria inerte, e ao fazer isto, cria o fenômeno do ciclo vital, esta força natural que faz um corpo material se transformar em varias formas diferentes ao longo de uma existência, desde a forma de mórula, blástula, até a do cadáver sendo decomposto em fragmentos (toda onda de luz se decompõe em seus fragmentos denominados “fótons”) .

Em outras palavras, antes do DNA, antes dos seres vivos na Terra, e antes mesmo das galáxias, a Vida já existia na sua forma mais simples, as ondas de luz natural. Desta forma, a Luz contem o código da Vida que mais tarde evoluiu para a forma de DNA. Mas não se entusiasme por enquanto: isto por enquanto é apenas uma teoria na cabeça de um humano filosofo naturalista que se tornou quase macaco vivendo isolado na selva e voltou para a civilização com estas ideias esquisitas. Também não descarte esta teoria por enquanto: talvez seja a Natureza, na sua forma primitiva e selvagem, que imprimiu estas coisas na cabeça do semi-macaco com a intenção de recuperar suas criaturas humanas, as quais estão cada vez mais se distanciando dela. A Natureza quer de volta suas criaturas em seus braços, e sempre seremos conduzidos a este retorno se tomar-mos um banho de Natureza na selva ainda virgem para limpar de nós o artificialismo que vivemos na cidade.

Se ao invés de registrar o avanço de uma onda de luz no gráfico acima, registrar-mos no mesmo gráfico o avanço da energia de um corpo humano, obtemos a mesma exata senoide, aquela linha serpenteante e ondulatória que vemos ali, nos mesmos comprimentos de onda e frequências de vibrações. O inicio da onda de luz – logo apos emitida por uma fonte – é de intensa vibração . E o que acontece no inicio de uma forma de vida perante os nossos olhos? Ora, logo após o momento da fecundação de um ovulo, vemos na embriogênese que a matéria ali dentro entra num processo de transformações e crescimento rapidíssimo. Uma célula inicial começa a se dividir, multiplicar, chegando a bilhões delas em pouco tempo, formando a morula, a blástula… Como analogia, pense no que vês quando lanças uma pedra na água parada de um lago: do ponto onde bateu a pedra emanam em profusão e rapidamente ondas concêntricas que se tornam maiores e diminuem seu ritmo de reprodução.

Interessante é notar que ali naqueles nove meses parece que toda a Historia de 13,7 bilhões de anos do Universo é narrada, contada, imitada em formas e imagens muito semelhantes. A morula lembra constelações, a blástula lembra galaxias, depois vem a forma de peixinho, réptil, mamífero quadrupede… e por ultimo a forma humana. Mera coincidência?! Eu particularmente suspeito que não, porque se fosse apenas uma forma imitada, nada queria dizer, mas todas, e na mesma sequencia? Me engana que eu gosto…

Então, parece que 13,7 bilhões de anos e um imenso espaço sideral são resumidos, comprimidos, em apenas 9 meses, e microscopicamente! Tudo começa com o mais intenso estado vibratório… quando a onda de luz apresenta no gráfico, a frequência “gamma”.  Logo após o período intra-fetal nasce um bebe humano, enquanto após a vibração gamma vem a do Raio-X. Que agitação! Que alegria! Quanta energia! Quanta vibração! Estariam os bebes no estado energético do raio-X? (Obs.: não se ligue para os nomes que os humanos dão as coisas – isso desvirtua o pensamento – preste atenção na senoide do gráfico e lembre-se que o gráfico é apenas o mapa, você tem que mentalizar e se concentrar na tentativa de ver o território real, nas dimensões da luz ). O bebê se torna criança, que parece um mosquito elétrico ou um serelepe. Quem tem que manter a casa arrumada, como as mamães, que o digam! Seria o correspondente à fase ultra-violeta?

E assim o corpo humano continua se transformando, chegando à velhice, que coincidiria com a senoide em fraca vibração, quase se tornando uma reta, na faixa entre micro-ondas e Radio. E depois o corpo humano desfalece totalmente, fragmenta-se em pó e retorna a Terra que o gerou. Mas a mesma teoria da luz sugeriu que toda onda avança ate alcançar um limite, quando então se enfraquece tanto que é fragmentada, em… fótons.

Supor que os fótons devem retornar ao reino que gerou a onda de luz… não seria ilógico. Alias, a nova maneira de interpretar a luz natural que está emergindo da formula da Matrix/DNA tem me levado a suspeitas incríveis. Por exemplo, tenho outro gráfico onde calculo o que acontece quando essa onda retorna, iniciando na forma de fótons fragmentados e retornando até o Big Bang inicial. Neste ponto os resultados sugerem que existe a luz escura, com energia negativa, que parece executar as mesmas funções da força da gravidade, essa coisa invisível que ninguém ainda entendeu direito. Assim meus métodos de investigação muito simples e naturalistas estão chegando ao mesmo caminho que estão chegando vários físicos modernos falando numa “energia negativa com luz escura”!

É preciso entender o que é luz original, natural, e sua diferença com, por exemplo, a luz emitida por estrelas como o Sol. A Luz original veio como ondas da grande explosão inicial (o Big Bang) ou ainda continua sendo emitidas estas ondas se o Universo for pulsante devido a repetidos micro-big-bangs. O Big Bang interpretado pelos cientistas materialistas é diferente da minha interpretação. Enquanto eles acreditam que o Big Bang foi um evento ao acaso, mecânico, regido pelas puras e brutas forças físicas, eu me baseio no fato que observo aqui e agora quando o primeiro instante de uma nova vida começa exatamente quando ocorre uma “explosão” da membrana de um espermatozóide no centro de um óvulo. Talvez você nunca notou isto, mas o primeiro instante do seu corpo surgiu com um Big Bang, à imagem e semelhança de como nasceu este Universo.  para ver isto, basta se imaginar como um microscópico ser posicionado dentro de um óvulo não fecundado e assistindo o momento da chegada de um espermatozoide. Portanto, para mim, o Big Bang é mais Biologia e linguagem dos sentimentos que Física e sua linguagem Matemática, é mais vida que mecânica.

A Fórmula da Matrix/DNA que descobrí na selva estudando todos os sistemas naturais e tentando descobrir as origens daquela biosfera, está sugerindo como foi não apenas as origens da Vida aqui, mas tambem como foi as origens deste Universo. Ela está apontando para alem das fronteiras do Universo e dizendo que lé existe uma espécie de “sistema natural auto-consciente”, cujos braços e mãos são estas ondas de luz… Mas como sou pragmático e preciso de resultados aqui e agora para resolver milhares de problemas que estão torturando a vida humana, deixo isto para o reino da metafisica e não procuro seguir o que a fórmula está apontando para alem da matéria.

Essa luz natural que vem de uma fonte geradora deste universo se expande, se agrega na matéria-massa inerte, perde sua intensidade e passa a morar nesta matéria na forma de seus fragmentos, os fótons, os quais, cada um é uma reprodução completa de uma onda total. Estes fótons adentram os átomos, adentram suas partículas como os elétrons, prótons, e passam a dirigir estes átomos a se conectarem com outros de uma forma especial, criando assim a matéria orgânica e desta as primeiras moléculas da Vida, continuando até chegar hoje aos seres humanos, nesta nossa região e neste nosso tempo. Mas antes de formarem a matéria orgânica aqui estas ondas de luz que se enfraqueciam construíram estações realimentadoras e repetidoras que são as estrelas, quasares, etc. Então a luz que vemos das estrelas é de segunda geração, não é mais a luz original natural. Esta luz original é tão intensa que nos cega os olhos, por isso o mundo celeste nos parece escuro, e por isso precisamos das estações repetidoras, as estrelas, que emitem a luz na frequência que nossos olhos aguentam e podemos ver. O fundo do Universo, deste mundo, é luminoso, de intensa luz e não esta escuridão que nos parece ser a norma. Comecei a pensar nisto quando assistia e ouvia as palavras do velho amigo, curandeiro e xamã nativo do Amazonas – o Sêo Pedro, como era chamado quando chegava nas vilas de brancos – e estava em estado de transe por ingerir aquelas beberagens feitas com raízes e ervas semelhante ao que conhecemos como “Santo Daime”.  Nas suas descrições do que ele estava vendo em transe, todo o espaço em volta de nós era luminoso, principalmente porque o espaço sera povoado pelas “coisinhas”, como ele dizia. Quando ele descreveu estas coisinhas e eu as desenhei num papel, fui descobrir surpreso que o resultado final do desenho era o mesmo modelo que os físicos colocavam nos livros universitários como sendo os diagramas das mais fundamentais partículas como os fótons. E hoje quando assisto videos e leio livros como daquela cientista-neurologista americana que teve derrame cerebral apenas do hemisfério esquerdo e diz que de repente via o mundo todo como luz… fico pensando que estou no caminho certo. Mas como todo filósofo naturalista sou cético incorrigível, não acredito em nada enquanto não puder ver e tocar o fato real, por isso trato tudo isto no âmbito de hipóteses reunidas numa teoria geral sujeitas a testes e mais investigações.

Você já ouviu falar na filosofia oriental que mostra figuras do que chamam “chacras”, não é? Repararam que as sete cores que eles deram aos chacras são as mesmas cores no espectro acima? Mas – mais curioso ainda – eles fizeram suas figuras dos chacras colocando as cores na mesma sequencia do espectro da onda de luz! Raios… aqueles autores chineses e indianos de 4 ou 5.000 anos atrás nem óculos tinham para se comparar com nossos poderosos microscópios eletrônicos, sabiam tanto sobre luz como uma criança de 5 anos de hoje, sabe. Novamente pergunto: foi mera coincidência essa semelhança entre uma hipotética aura energética humana e o que hoje vemos na tela de um computador? Bem, alguém poderia alegar que os filósofos viam arco-iris, que, por “coincidência” tem as mesmas cores e na mesma sequencia – e só poderia ter sido assim porque o arco-iris mostra na atmosfera o que a onda de luz mostra na tela do computador… Pode ser, mas quem viu como eu, pessoas nativas tao ignorantes como nossas crianças, descreverem as mesmas visões… vai se perguntar porque diabos os primitivos separados entre si pelos quatro cantos do mundo, da Ásia à América antes de sua descoberta, tiveram a mesma idéia de imaginar as cores do arco-iris dentro do corpo humano.

Enfim, a formula da Matrix/DNA esta me levando a pensar numa imagem. A existência de uma Vida, o movimento, a trajetória que a Vida segue, se parece com o passar de uma onda de luz por um ponto qualquer do espaço/tempo! Isto se ver-mos o tempo da luz com os olhos humanos,  pois assim a passagem de uma onda por um ponto qualquer demora 70 ou 80 anos, em media, que é a média do ciclo vital humano. Seria como se você se sentasse na frente da tela e ficasse assistindo durante 80 anos aquela senoide nascer, se expandir, e desaparecer – enquanto, ao mesmo tempo, numa tela ao lado mostrasse as transformações durante a vida de um corpo humano. Mera coincidência?!

Pode ser. Sou um cético inveterado, teimoso, à 30 anos estou sendo cutucado diariamente pela formula da Matrix/DNA mas ainda não acredito nela, quero vê-la como São Tomé. Mas não sou um preguiçoso mental, por isso, vou manter esta teoria registrada na memoria e vou buscar incansávelmente evidencias contra e/ou a favor dela… ate o meu ultimo suspiro, que vai levar meu ultimo fóton de luz da minha aura para o lado luminoso, e não massificante, do Universo… assim espero… porque a teoria geral está sugerindo que é isso que vai acontecer.

Se isto for verdade, todos somos surfistas por natureza, todos vivemos pegando uma onda e flutuando ao sabor dela, porem, são ondas de luz natural. Mais alem de onde se levantam as ondas sempre existe a praia, o continente, onde as espumas das ondas se assentam e os surfistas ancoram… retornando ao seu mundo real. Aqui estamos nestes corpos “humanos”.

Para finalizar, como sempre acontece a cada nova descoberta, imediatamente procuro quais seriam as utilidades praticas que poderíamos obter de tal conhecimento. A primeira ideia que me ocorre é: se se conseguisse ampliar a duração da onda de luz natural… ampliaríamos a nossa própria, dando um empurrãozinho mais para a frente, e, ao invés de 80, viveríamos 200 anos…? Se podemos modular ondas sonoras, ondas hertzianas, nos equipamentos que fabricamos, aplicando agora a sequencia do ciclo vital nestas ondas, qual seria o resultado? E outra…: cada planeta está numa faixa orbital ao redor de uma estrela que é a fonte de emissão das ondas de um campo magnético… a Terra me parece que está na faixa entre infra-vermelho e ultra-violeta das ondas luminosas solares… então, porque estas faixas são ideal para a Vida na sua forma biológica? E etc.

Trad.: Last Discovery Based On Matrix / DNA: You Live Because You Got a Ride In a Holy Light Wave 

Como as células regulam e controlam seus comportamentos? A formula da Matrix/DNA é a unica que explica.

sexta-feira, julho 19th, 2013
Baseado no artigo:

Unraveling bacterial behavior

Michael Laub studies the complex interactions that underlie cells’ responses to their environment.
That’s the classic problem I’m most interested in: How do cells regulate their own behavior?” says Laub, an associate professor of biology.
E meu comentario postado no Facebook MIT News:
Cells has no nervous system integrating and sensing the whole, then cells does not regulate its behavior. If Michael Laub see the matrix formula of all natural systems, he will understand how behavior is controlled. I will help a little bit how the formula do it. The two proteins, kinases, represents two different slice of its circuit system. One is the left and other is the right side of the Matrix. As any other slices, they have an energetic flow which naturally absorbs the bits-informations that are sequential continuation for building the whole circuity. Then, when the kinases detects any sequential bits at the external environment, the bits is aggregated into the line. The movement is towards re-building the whole circuit.These bits are photons as particles of sun’s energy and Earth nucleus emitted radiation which are inside atoms and spaces of organic elements. The entire cell keeps the absorbed elements by the same mechanisms that the womb keeps regulated the fetus and embryos. Those bits from Sun and Earth’s nucleus fits as sequential information because they are the informations flowing among the elements of these stellar and galactic systems, which are made by the same natural formula. I know that nobody will understand this because it is very complex and without seeing the formula, and written in this poor English, it is impossible