Posts Tagged ‘Genética’

Como os 9.000 anos de trabalho humano e a manipulação genética transformaram as plantas

sábado, maio 9th, 2015

xxxx

Fá 7.000 anos atrás havia apenas o milho selvagem, que parecia uma pequenina espiga com apenas 19 milímetros e hoje alcança 190 milímetros ( 100 vezes maior volume!). Que tinha o mal sabor de batata sêca e hoje é suculento, doce e refrescante. Tinha uma pele externa tão dura que era preciso quebra-la com pancadas e hoje sua capa sai facilmente. Só existia na América Central e hoje está espalhado por 69 países. E tudo isso mantendo praticamente os mesmos teores químicos nutritivos.  Toda essa transformação foi obtida por 7.000 anos de árduo e inteligente trabalho humano. Observe o quadro abaixo:

Mas isto é só parte da história do homem como o agente ativo e oculto da seleção natural. Veja outros quadros sobre o melão, a pêra, no link abaixo:

Here’s what 9,000 years of breeding has done to corn, peaches, and other crops

http://www.vox.com/2014/10/15/6982053/selective-breeding-farming-evolution-corn-watermelon-peaches

Impressionante,… não?

Minhas objeções às manipulações genéticas são quando produzem mudanças que tornam uma plantação mais toxica ( isto é, resistente a pestes) ou capaz de acumular massivas quantias de venenos químicos. A primeira forma de manipulação é irresponsável e gananciosa, porque é zero os testes feitos para verificar seus efeitos na cadeia da alimentação humana, passando pelos animais, etc.; a segunda forma de manipulação é perigosa, enquanto os químicos tem um forte importante impacto na qualidade da propriedade agrícola e na biodiversidade do meio-ambiente nas suas redondezas ( por exemplo a aniquilação de abelhas e pássaros polinizadores).

O nosso problema está dentro da raça humana, nos maus caráters aspirantes a grandes predadores dos próprios humanos, e  que tudo fazem para se enriquecerem, e não na nobre atividade humana de influir na diversidade do DNA dentro da biosfera terrestre, a qual surgiu e cresceu num estado caótico e selvagem da Natureza e está sendo apressada a alcançar o harmônico estado de ordem pela atividade cientifica humana.

Agir como muitos vem fazendo, atacando e criticando os transgênicos e todas as modificações causadas pelo homem? Eu falho em ver como o arroz dourado e o trigo com elevados níveis de proteínas são malignos, ou como desenvolvendo grãos hábeis a sobreviver nos solos inóspitos e marginais são uma ameaça à existência humana. O outro grande problema nosso é que a maioria dos homens e mulheres são egoístas sem consideração pelo social e pelos próprios filhos que não controlam seus aparelhos reprodutivos e causam esta superpopulação, apenas salva pela incrível e laboriosa capacidade cientifica humana.

Portanto, antes de se ficar revoltado, indignado, ao ler esta avalancha de noticias das patrulhas ideológicas retrógradas contra os alimentos cientificamente modificados, devemos apontar a eles os dados presentes neste artigo, pois certamente só conhecem uma meia-face do problema. Mesmo os fazendeiros que hoje se esforçam em produzir sem o uso de químicos, estão plantando o milho de hoje – genéticamente alterado pelo homem – e não aquela frutinha dura e sem sabor que emergiu na natureza selvagem, pois aquilo ninguem iria querer plantar.

O DNA Disperso das Bactérias… Estava Escrito nas Estrêlas

segunda-feira, janeiro 26th, 2015

Você sabia que seu corpo não é… bem… não é seu? Vocé só é dono/dona de 10% de seu corpo. Os outros 90% não lhe pertencem.

Calma, não fique alarmado/a porque não vou denunciar mais uma dessas teorias da conspiração, dizendo que alguma companhia ou governo se apossou do titulo de propriedade de 90% do seu corpo.

Acontece que seu corpo é formado por bilhões ou trilhões de células, mas 90% destas células pertencem a outros seres vivos, chamadas “bactérias”. Você é um eco-sistema ambulante! Portanto louco daquele que negligencia, ignora o conhecimento sobre o que é, como vivem, o que precisam, quem é, uma bactéria. Estará ignorando a maior parte de si mesmo. Vamos então aprender algo muito importante sôbre as bactérias.

Observe a estrutura básica de uma bactéria

 

As bactérias são dos seres vivos mais primitivos que apareceram na Terra, consistem apenas de uma célula, a qual está incompleta em relação as células mais modernas, como as que compõem 10% dos nossos corpos. Elas não possuem uma membrana separando o núcleo do resto da célula. Sem uma membrana nuclear, o seu DNA fica disperso, nadando, no liquido da célula, o citoplasma. Ora, isto nos leva a pensar que o ser ainda mais  primitivo que existia antes e evoluiu para bactéria, também não tinha membrana nuclear, que seu DNA tambem estava livre da cela nuclear. E é justamente isso que descobrimos depois da fórmula da Matrix/DNA. Acontece que esse ancestral da bactéria não estava na superfície da Terra e o seu corpo inteiro nada mais era que o próprio DNA. As organelas que hoje temos em nossas células – como ribossomos, mitocôndrias, lisossomos, etc. – estavam “dentro” do DNA! Eram as bases nitrogenadas e açucares que hoje constituem os nucleotídeos. Coisa de louco… mas totalmente racional.

Sugere a fórmula, que os sistemas astronômicos como os estrelares e galácticos, tiveram uma unidade fundamental comum a todos eles, assim como o DNA é hoje aqui na Terra, a unidade fundamental comum a todos os seres vivos. Essa unidade fundamental é como um tijolo, um bloco de uma construção, mas como esse nome no idioma português fica meio esquisito,vamos usar o nome em inglês: “building block”. Portanto, os sistemas astronômicos tiveram seu building block, mas a grande surpresa é que, ao montar a anatomia desse building block astronomico, a Matrix/DNA nos levou a perceber que se ele for miniaturizado – ou seja, reduzido seu tamanho astronomico para o tamanho microscópico – ele tem a mesma figura e funcionalidade de um par lateral de nucleotídeos… que é o building block do DNA! Imediatamente gritamos “Heureka!!!”… ao descobrir que o DNA nada mais é que o atual produto evolucionário de um building block universal, uma “Matriz”, que vem desde antes da formação dos primeiros astros e galaxias!

 

Mas tínhamos um problema: como é que o building block astronomico veio parar na superficie da Terra e levantar-se, sair caminhando como um ser vivo?!

Tem que ter sido por um mecanismo parecido com o processo genético: memória registrada de um corpo-sistema adulto, duplicação dessa memória e separação entre as duas duplicatas, transmissão dessa segunda cópia para um novo ambiente externo, construção de outro corpo-sistema obedecendo a ordem cronológica de como os dados foram registrados na memória, nova duplicação dessa memória, e assim se dá o ciclo da Vida que denominamos “genética”. Porque denominamos os dados registrados nessa memória, de “genes”.

Mas porque o processo genético tem que ter sido o mesmo aplicado na passagem do building block astronomico, para o building block dos seres vivos? Ora… pura dedução racionalista: não conhecemos outro processo natural que faça isso, todas as passagens posteriores dos building blocks biológicos foram por este processo, seria ilógico inventar imaginariamente outro processo por achar que antes os building blocks se moviam, se transmitiam, de modo diferente.

Então o que descobrimos quando aplicamos o processo genético para calcular como uma galaxia caiu na Terra e diminuiu tanto de tamanho e saiu por aí engatinhando atrás de comida?!

Não posso aqui descrever completamente como foi esse calculo,  pois isto demandaria um livro. Então vamos resumir.

O building block astronomico é um sistema e dinamico, funcional, quase assim como é o corpo de um ser vivo. Com uma importante diferença: enquanto o building block do DNA e todos os seres vivos são sistemas abertos – interagem com as coisas do mundo externo a eles, evoluem, etc. – o building block astronomico é um sistema fechado em si mesmo, não interagindo com nada desse mundo e pretendendo ser eterno, sem se transformar e evoluir. Tais sistemas seriam uma espécie de moto continuo, um motor perpétuo, se não existisse a lei natural da degeneração e morte, a qual pode ser medida por nós. A unidade de medição dessa degeneração não é o metro nem o quilo, ela se chama “entropia”. E quando  a entropia ataca o building block astronomico ela não começa pelo centro nuclear do sistema, mas sim pela superficie, pela periferia do sistema. Nos sistemas abertos, a degeneração e morte já está determinada no DNA, ela vem de dentro para fora; no sistema fechado ela vem de fora para dentro, como ocorre nas erosões das rochas. Parece até que Deus ou o Universo tem um propósito para as coisas que existem dentro do Universo formando a Natureza, esse propósito determina que haja evolução, que ninguem fique parado e eternizado numa forma provisória dessa evolução, por isso todas as formas são  provisórias, todas tem que serem transformadas e as antigas desaparecem, e se alguem tentar o contrario, não adianta, pois o Universo tem uma carta escondida nas mangas e aciona-a: “A Morte!” Brrrrr….

Começando de fora para dentro, a degeneração vai fazendo com que as menores particulas de um corpo saiam fora do seus canais e fluxos normais, de suas posições anteriores, e como o sistema é fechado não permitindo que nada entre nem saia dele, estas particulas degradadas de massa e energia se interiorizam, indo direto para o centro do sistema. Voces já ouviram falar nos temidos e nocivos radicais livres que se movem dentro dos nossos corpos? Pois são as tais partículas entrópicas, com a diferença que nossos corpos são sistemas abertos e podem expulsa-los.

Assim um sistema termodinâmico em equilíbrio começa a desmoronar e colapsa-se sobre si mesmo. Mas em se tratando de sistema astronomico, esse colapso demora milhões ou bilhões de anos humanos. Graças a esse tempo gigantesco, seres vivos podem surgirem dentro de um sistema em colapso, tem tempo para evoluírem e emigrarem para fora de um sistema solar e de galaxias antes que caiam sobre suas cabeças. Ora, quando os radicais -livres, que são as menores particulas de um sistema, e por isso vamos chama-las de bits-informação de um sistema, caem em direção a um centro nuclear, eles podem encontrarem no caminho um obstaculo, tal como um planeta, e assim se quedam e se agregam ao planeta. Ao continuarem caindo se juntam em certos locais. Acontece que cada particula imita o tôdo, é o todo miniaturizado, e se o todo é um sistema funcional, como são os sistemas vivos, estas particulas parecem e se comportam como “vivas”. Ao se encontrarem com suas antigas vizinhas vão se conectando e depois se conectam com as que eram vizinhas mais distantes… e acabam por recriar o sistema de onde vieram… em miniatura! Isso é o mesmo que… genética! Esta era a forma não-viva, cosmológica, da genética, antes dela chegar a nós. Um corpo humano adulto, medindo 2 metros e pesando 80 quilos, é reduzido a um microscópico óvulo ou espermatozóide, transmitido para um novo ambiente, e dali, um corpo humano é formado com 30 centimetros e 3 quilos, para crescer e ter as mesmas medidas do corpo do qual veio! Nanotecnologia e giantologia naturais! Esse mundo não é mesmo… bonito ?!

E fica ainda mais bonito quando percebemos como agora… que tudo já estava escrito nas estrêlas!

Mas notamos que existe uma diferença na transmissão genética entre um buiding block astronomico para um building block do DNA, e na transmissão da memória de um corpo humano adulto para um bebê: enquanto no caso humano o genoma vai encerrado dentro de um pacotinho, uma membrana nuclear ( como é o espermatozóide, o óvulo), no caso astronomico ele vai “disperso”, com seus bits separados, no tempo e no espaço.

Êpa!… Êpa! Pera aí… Você disse “disperso”? Mas já ouvi essa palavra hoje e aqui… onde foi mesmo?

Dissemos que o DNA da bactéria está disperso no citoplasma. Ele tambem não tem uma membrana como nos espermatozóides ou nas células modernas. Mas o DNA das bactérias já apresentas um grande avanço evolutivo em relação a seu ancestral que paira nos céus: ao menos, ele não tem seus bits, seus genes dispersos.

Você percebeu como fica bonita a História do Mundo quando conseguimos entender mais coisas e começamos a juntar os palitinhos? A conetar os elos evolucionários? A bactéria é uma forma intermediaria entre o ancestral celeste e a primeira célula realmente completa na Terra. Antes era a dispersão total, dos genes separados entre si e das cópias da “Matriz/DNA” tambem separadas entre si. Depois os genes conseguiram se unir e formar um todo coeso, mas esse todo ainda era disperso no ocano de citoplasma. Depois se gerou uma membrana para separar o todo coeso do resto da matéria externa, nada mais é disperso agora. Assim caminha a evolução: passo a passo, degrau por degrau, os building blocks vão construindo um edifício cada vez mais sólido, perfeito. Uma bolinha inicial no meio de um oceano – uma mórula no meio amniótico – se torna um forte e belo edifício… glup… quero dizer… um belo bebê!

Mas parece mesmo que tem alguma inteligencia fantástica por trás disso tudo! Essa diferença entre transmissão de dados dispersos ou empacotados causa um resultado tambem bem diferente: se os genes chegam num ambiente dispersos, se juntam meio caoticamente e formam sistemas incompletos, de muitas formas diferentes; se os genes chegam todos unidos dentro de uma nave ou capsula membranosa, só existe uma forma possível a ser gerada, que é a cópia exata do sistema de onde vieram. Por isso que os genes vindos do céu criaram na terra essa enorme diversidade de formas de seres vivos…, enquanto os genes que vieram de nossos pais só poderiam criar uma unica forma de ser vivo… à imagem e semelhança de nossos pais. Entendeu agora de onde surgiu essa diversidade das espécies? E o mundo não é mesmo uma belezura?

Devido o mundo e suas criações – como os corpos humanos – serem belos, é que eu queria ser o dono único do meu corpo total. Estou mesmo decidido a botar estes 90% de bactérias para fora…

Glup… Mas aí vou ficar com apenas 18 centimetros de altura, 8 quilos, e não acho que meu corpo vai funcionar mais direito. Está decidido! Podem ficar aí… donas bactérias.

Campos Magnéticos Astronomicos x Sinalizações Entre Genes? – Mais Dados

terça-feira, novembro 25th, 2014

xxxx

Introdução:

Aqui na Terra, e mais precisamente no nível genético, observamos  o admirável fenômeno de genes sendo expressados ou inertes devido sinais elétricos percorrendo moléculas e ligando ou desligando genes. De onde veio esta extraordinária engenharia, este funcional mecanismo, evolutivamente? Onde estavam e como eram os princípios deste mecanismo quando a evolução tinha como tôpo os sistemas astronômicos, ancestrais dos modernos sistemas celulares? Claro estas perguntas parecem ao leitor sem sentido, e apenas dentro da Matrix/DNA Theory uma mente humana faz a si mesma estas perguntas. Porque para mim isto é o que faz sentido, e não o contrario, como todos estão pensando, nas três hipóteses que apresentam e as quais impedem-nos de pensar em se fazer perguntas como estas:

1) Tem o grupo que não as faz porque “um Deus mágico criou tudo o que aqui está por mágica”;

2) Tem o grupo que não as faz porque “emergiu aqui a Vida vindo da matéria inorgânica que era a estupida matéria deste minusculo planeta perdido na imensidão cósmica e se desenvolveu pela evolução Darwiniana portanto antes das origens da Vida era o Cosmos e seus sistemas astronômicos os quais nada tinham deste mecanismo;

3) Tem o grupo do grosso da população não-pensante em coisas que seus olhos não vêem e suas mãos não tocam, por serem tão práticos na vida como seus recentes ancestrais animais.

Não! Eu nunca vi nenhuma mágica e nenhum deus nunca falou comigo ( portanto se me ignoram não são meus deuses); eu não posso admitir que esta matéria bruta deste planeta inventou estas coisas e portanto tudo aqui deve ser resultado de uma evolução continua que vem desde as origens deste universo material, e me recuso a ser mero animal portanto penso exigindo explicações visando forçar a minha transcendência alem dos meus ancestrais animais. Tem sentido sim as perguntas que a Matrix/DNA Theory me inspiram a fazer.

Campos Eletro-magnéticos dos Astros x Campos Eletromagéticos do DNA

Vários indícios vindos dos desenvolvimentos das teses dentro da Matrix/DNA  tem apontado que o fato cientificamente comprovado que astros como o Sol e a Terra mudam seus campos magnéticos, ora carregando e descarregando energéticamente seus polos norte e sul, seriam a nível astronomico o ancestral do mecanismo que evoluiu biológicamente para o fato tambem comprovado que genes mudam seu estado energético, estando carregados e se expressando, ou não. Como tem sido impossível visualizar e conhecer este mecanismo muitíssimo importante para nossa saúde física, a nível de genes, se conhecer-mos sua procedência, sua funcionalidade em outros sistemas maiores onde podemos ver mecanismos, podemo avançar muito na busca desse conhecimento. Infelizmente eu não tenho tempo para desenvolver esta tese e sou o único homem no mundo que se aventurou por este caminho que talvez seja um caminho todo errado, mas se estiver certo, estamos perdendo uma grande oportunidade de diminuir as torturas das doenças por mal funções genéticas que caem sobre nós, humanos. O que posso fazer por enquanto é vir registrando tudo o que sou informado e tem alguma relação com o tema. Portanto,…

 

Enceladus – Saturno-y-mas-7- Ice Geysers on a Distant Moon-Saturn’s Moon – Cryogeysers erupt from the south pole of the tiny moon Enceladus..jpg

https://plus.google.com/u/0/105302493912761395251/posts/JDcSgFTogUj

Comentario da Matrix/DNA Theory postado no artigo:

 

 

The Matrix/DNA Theory is the unique researching evolutionary relations between astronomical magnetic firlds and DNA magnetic field due the possibility that the phenomena of tthe mechanisms of genes switched on or off are evolutionary developments from the flips between poles of astronomical bodies. So, thanks for Saturn community by this useful information that was enrolled into our investigations. We need to consider that both phenomena ( at astronomical and genetic level) are still not known and if there is an evolutionary link between them, the study of one can help to elucidate the other, and vice-versa.

Comentarios interessantes:

“During the August 11, 2008 flyby, Cassini’s plasma sensors found ion and electron beams propagating from Saturn’s northern hemisphere.  Their variability was something of a puzzle until it was noted that time-variable emissions from Enceladus’ south polar vents could correspond with the footprint’s brightness variations in Saturn’s aurora.”

– from https://www.thunderbolts.info/wp/2011/10/19/electric-enceladus/

Note that none of our observations of Enceladus were predicted by theorists.  Even the presence of water in the liquid state was a tremendous surprise, given the fact that this was thought to be a cold pole on a dead moon turned out to be the hottest region of this active body.

We’d be wise to check in with other ideas on this, and there is one emerging explanation which can wipe out a dozen anomalies in the planetary sciences.  I am trying to raise awareness of this issue because none of the missions which are currently being planned to these outer moons have taken this other explanation into account.

Please learn what electrical discharge machining is …

https://plus.google.com/+ChrisReeveOnlineScientificDiscourseIsBroken/posts/5Bpk1oRbEec?pid=6072112183139059010&oid=108466508041843226480

xxxx

+Emanuel Marshall​ even more rudimentary than that. Every spinning orb has an electromagnetic field. Its analogous to people and static electricity. Regardless of size shape or density. Put on some tube socks on and rub your feet across a fur carpet like you are going to shock your mom.
xxxxx
Just goes to show negative gravity can be just as powerful as positive gravity.
Although heat and cold are common by products of gravity. They don’t have to be a part of the process. We find this to be true in magnetism and atom smashing
xxxx
Those are not “ice geysers”, they are electric discharges.
xxxxx
It may also be a form of sublimation from ice formations. I am not sure though, now that I take a closer look. There appears to be light in that geyser. which suggest positive gravity transitioning out of a negative gravity field. The cold version of a solar flare. Even better yet . The light is a result of fluorescent gas escaping from the ice. The transition in gravity causing it to light up
+Rodney Miller What’s the difference between “positive gravity” and positive electric charge of a magnetic field pole?
+Rodney Miller
Or it’s just sunlight on ice particles. Good old Occam

De Onde a Natureza Obteve Essa Idéia de Ligar ou Desligar um Gene no DNA?! Veja a Surpreendente Explicação da Matrix/DNA

sexta-feira, novembro 7th, 2014

Genes: Qual a Origem da Expressão dos Genes? Uma Hipótese pela Matrix/DNA

Pensando no fenômeno da mudança ou reversão dos campos magnéticos da Terra e do Sol, tive esta intuição: este mecanismo que operava nos sistemas astronômicos, tornou-se no sistema DNA o mecanismo que  “liga e desliga” um gene. Quando liga, faz um gene vir à ativa, sair do estado de dormência, inércia, ou seja, o gene se expressa. O Sol a cada 11 anos muda seu campo magnético dando uma virada total, fenômeno que ainda não foi explicado cientificamente. Observando a fórmula Matrix/DNA obtenho uma explicação racional para esta mudança, pois ela tambem é bipolar e o movimento da energia vai de um polo a outro, alternadamente. Mas esta alternância me levou a perceber mais um detalhe: enquanto o fluxo de energia está num polo, digamos, o Polo Sul, o outro polo não existe de fato, apenas existe como potencia latente, ou existe em potencial. À medida que o fluxo avança e chega ao outro polo, digamos, o Polo Norte, agora é o Polo Sul que não existe, ou seja, existe apenas em potencial. Vai daí que suponho que este mecanismo evoluiu quando o building block dos sistemas astronômicos evoluiu para a forma de nucleotídeos, tornando-se a base do fenômeno da expressão dos genes.

E isto é espetacular, tendo em vista a nossa busca desesperada para eliminar doenças mortais tradicionais que parecem estarem relacionadas com a genética, que parecem ter como causas as erradas sinalizações dentro do DNA fazendo expressarem genes errados em momentos errados. Alem disso este assunto nos conduz ao avanço na busca do conhecimento e entendimento da Vida.

Tendo isto em mente, tentarei arrumar tempo para desenvolver mais esta hipótese, começando por trazer a fórmula da Matrix/DNA e a seguir “gogglando” a busca “expressão de genes” para obter todas as informações que as Ciências já coletaram.

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Mas tambem temos que nos lembrar que esta figura acima é a fórmula no seu estado de building block de sistemas astronomicos, que esta fórmula tambem está sob evolução, portanto ela muda de forma, desde a mais simples a cada vez mais complexa. A sua forma mais simples é a de um vortex quantico ( que pipocavam no espaço nas origens do Universo), o qual se desfaz no meio da substancia espacial adquirindo a forma de ondas de luz, por isso vamos tambem trazer para cá a figura de uma onda de luz segundo a minha interpretação do que é uma onda de luz me baseando na fórmula da Matrix/DNA. Pois está me parecendo que a expressão dos genes ocorre porque cada trecho do DNA pulsa, ou vibra, numa frequência especifica, e energia move-se nas hastes da mesma forma que as ondas de luz. Então um gene ou grupos de genes se expressa quando a energia chega na frequência X no trecho do DNA sob a frequência X, e não se expressa quando a energia passa pelo trecho em outra diferente frequência.

Light - The Electro-Magnetic Spectrum

 

E gogglando “gene expressão”:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gene ( ler isto)

Gene expression : http://en.wikipedia.org/wiki/Gene#Gene_expression ( ler isto) 

“Mutação Genética” Está Para Cientistas Modernos como “Deus” Está Para Religiosos: Retardando o Avanço do Conhecimento

domingo, setembro 7th, 2014

Cada vez mais encontramos explicações vindas do meio acadêmico para os eventos da evolução na simples e taxativa resposta: mutação genética. Em relação ao meio-ambiente, as mutações não acontecem todas por acaso, são meros resultados de convergências de forças e elementos naturais ao mesmo ponto no tempo/espaço. Em relação ao ser vivo em que ocorreu a mutação, ela foi produzida pelo acaso, ou seja, não foi produzida por um desejo, uma vontade, e uma direção do ser vivo.

Pergunte por exemplo a uma mente formada e treinada nas universidades, como e porque fêmeas répteis se transformaram em mamíferas.  Porque passaram do estado do “botar os ovos foras abandonando a prole à própria sorte”, para “o estado do manter os ovos dentro, aguentando a gravidez, nutrindo -os até o  nascimento da prole”.  Certamente esta mente vai trazer para mesa as evidencias que a Ciência tem. Temos aqui o fóssil e até uma analise da parte mole do organismo de um réptil botando os ovos fora. Temos aqui outro fóssil de um réptil com uma pequena mudança no formato dos “quadris”, indicando retardamento na abertura do canal por onde saem os ovos. E assim por diante, está racionalmente, incontestavelmente descrito como o evento todo, da transformação de réptil em mamífero ( na verdade a descrição se desdobra trazendo para a mesa fósseis de outros tipos, como animais aquáticos, pássaros, etc., mas isso não importa agora). Com essa descrição, e mais a evidencia trazida à mesa de que ocorrem mutações genéticas, encerra-se a questão. Como aconteceu tudo isso? Ora, os fósseis responderam. Porque aconteceu tudo isso? Ora, mutações genéticas responderam. Porque aconteceram estas mutações genéticas? Ora, existem as mudanças ou mutações no meio-ambiente. E porque existem mutações no meio ambiente? Devido ao livre fluir de simples fôrças físicas.

Eu respeito estas respostas. Elas fazem sentido racional e não tenho evidencias para refuta-las. Tenho argumentos racionais contra elas, mas não respaldados em provas. Poer exemplo, refuto que uma súbita mutação estreitando o canal da saída dos ovos iria manter ovos no meio de uma massa celular dentro do organismo que seria um incomodo e depois quando destes ovos brotassem os filhotes, eles iriam comer essa massa celular, e quiça o organismo, por dentro. jamais a seleção natural teria selecionado o ser alvo dessa mutação. Ao contrario, o organismo todo responderia com um esforço para expulsar os ovos, recuperando a antiga capacidade de abrir o canal. O animal seria totalmente contrario a essa mutação, todo seu esforço seria contra ela, e ela teria sido imposta de fora para dentro rompendo todos os bloqueios do organismo. Nunca vi outra situação semelhante.

Respeito as evidencias, porem, não gosto desta “visão do mundo”, que começa e termina no livre fluir das forças físicas. Não existem evidencias de que as forças universais são livres, ou estariam canalizadas para produzir um resultado ultimo, como em todo evento de reprodução, forças externas aos ovos já determinaram um caminho para as forças internas.  Bem… quando inseri aqui a palavra “gosto”, saímos do reino da Ciência e do mundo acadêmico moderno. O Universo não dá a minima para os gostos de um humano, não se deixa dirigir por eles. Mas tambem o Universo não deixaria livre suas forças só porque o pessoal do meio acadêmico “gosta” disso. E não gosto dessa visão de mundo tambem porque eu conheço uma outra visão de mundo que elas não conhecem, a qual penso que é mais racional. Na qual, as forças internas do Universo são canalizadas para um objetivo determinado pelas fôrças externas do Universo. Ou seja, eu apresento como evidencia um fato real, natural, provado e conhecido por todos – o que acontece com os ovos aqui e agora, para defender a minha interpretação do que acontece com o Universo, que nesse caso, funcionaria tambem como um ovo.

Não gosto tambem porque vejo nesse nome, nessa dupla de palavras criadas por humanos – mutações genéticas – o mesmo que sinto quando os misticos proferem a palavra criada tambem por eles – milagres supernaturais – e nesta outra dupla – fôrças físicas – o mesmo que sinto quando os misticos proferem a palavra “Deus”. A crença em Deus e milagres como resposta absoluta interrompeu, retardou o avanço do conhecimento sobre a Natureza por quase dois mil anos, e a crença no absolutismo das forças físicas e mutações genéticas deflagradas por elas está desviando a atenção do humano do real caminho a ser trilhado na busca de mais conhecimento da Natureza.

A minha interpretação do mundo se apóia nas mesmas evidencias trazidas à mesa pelo pensamento acadêmico moderno. Se apoia em mesmas leis e processos comprovados pela Física e pela Biologia. Apresento um modelo astronomico – certamente “teórico”, ainda – mostrando que antes de aparecerem répteis e mesmo a vida na Terra, o criador da vida na Terra, que foi o sistema a que ela pertence,  já tinha em si estas duas fases da evolução de todas as formas de sistemas naturais, estes dois processos – o dos ovos botados fora e o dos ovos mantido dentro. E já anda adiantado o modelo teórico sugerindo que isso acontecia já antes do aparecimento das galaxias, dentro dos sistemas atômicos que compunham a primordial nebulosa de átomos. E que as informações para os dois processos estão registradas no DNA desde seu aparecimento na Terra, localizadas na região chamada de “DNA-Lixo”.

Se a Natureza já fazia isto antes, para que iria precisar de mutações ao acaso para repeti-lo? Se algo ocorre mais que uma vez, não é mais acaso, existe um padrão por trás disso. Se as forças físicas repetem uma tarefa, coloca-se em duvida de que elas sejam realmente livres.

Mas… tenho que reconhecer que ei caí na mesma armadilha dos meus adversários de interpretações do mundo.  Se para uns a palavra Deus resolve tudo, para outros a crença de que “do Nada veio Tudo” resolve tudo, para mim a cada dia mais está crescendo uma odiada crença: a de que a Matrix resolve tudo. Certamente eu estou errado, em algum ponto na minha investigação cometi um erro de calculo, e tenho que procurar este erro antes que seja tarde demais, antes que a crença se apodere do meu raciocínio e minha racionalidade seja interrompida na sua evolução, como acontece com meus dois adversários. penas que eles não estão abrindo sua alma e trazendo-a para a mesa para tentarem se consertarem também ( para quem quiser uma explicação detalhada sobre como e porque o réptil se transformou em mamifero, sugiro dar uma olhada num artigo aqui neste website ” Como e porque um reptil se transformou em mamifero! – See more at:  http://theuniversalmatrix.com/pt-br/artigos/?p=10

As Causas Antes das Origens da Vida, do ID, da Libido,do Ego, e da Consciência

quinta-feira, agosto 28th, 2014

Freud, o pai da psicanalise, foi quem melhor identificou os efeitos de certas fôrças naturais que vem desde o Big Bang entrando na formação e evolução dos sistemas biológicos, ou seja, seres vivos. Descobriu ele que uma criança recém nascida não tem ainda uma psique, e nesse estado ele a chamou de ID. Ela é apenas uma energia, que tem como único objetivo, o prazer, à qual ele chamou de “libido” . Mas os demais indivíduos existentes não podem absorver um individuo assim, então eles impõem limitações à criança. O conjunto destes indivíduos, Freud disse, chama-se “a civilização”. Assim está criado um ponto de tensão entre a energia do prazer e a civilização. Ora, a civilização é mais forte que o individuo, então ele terá que se imiscuir no meio da civilização auto-controlando-se na sua pratica de prazer toda vez que pressentir que haverá contra-reação, punição. Assim o que não tinha psique, cria internamente um conjunto de medições, comparações, balanceamentos, avanços e regressos, etc. , o qual será sua psique, que Freud chamou de “Ego”. O Ego é força centrípeta ou seja, redutora do amplo a um ponto ( um ponto de poder sobre o externo a este ponto para usar o externo ao seu prazer) , e tambem centrifuga, ou seja, parte de um ponto para ampliar-se no espaço ( para conquistar mais prazer). O Ego é sua inteligencia, seu conhecimento, sua opinião, suas preferencias, ou seja, é tudo o que você pensa.

Não sei ou não me lembro quando lia algo de Freud, como ele tratou a questão da consciência, qual o nome que lhe deu. Então o que vou dizer da consciência aqui é minha opinião. Repare que o Ego não possui a propriedade da empatia, ou seja, ele é incapaz de se colocar no lugar do outro e sentir o que o outro sente, pois isso não lhe trás prazer algum. Então a consciência começou a surgir quando sobre o Ego começou a aparecer a empatia. Consciência é aquela energia que não precisa da civilização limitadora, pois ela própria entende a necessidade de limites e se impõe seus limites.

Sabendo-se que a matéria, o Universo inteiro é composto de massa e energia, pergunto: “Porque esta energia que é a criança recém-nascida não é a energia do Universo?” A pergunta não faz muito sentido, parece óbvio que a criança recém nascida é ainda a mesma energia que compõe o Universo. Então, se é assim, pergunto: “O que fez essa energia sedenta de prazer e que tem como único objetivo o prazer, antes das origens da Vida?”

A resposta sensata só pode ser uma: avançou sempre buscando mais e mais prazer.

Mas sabemos que a anergia mais a massa do Universo construíram os chamados sistemas naturais. Primeiro as partículas ( que já são sistemas em si), depois os átomos, as galaxias… Mas sabemos tambem que a energia é o elemento movente, ativo, enquanto a massa é o elemento inerte, passivo. Ora se a energia é o elemento movente, ela sozinha tinha a tendencia que viria a construir sistemas. A energia, sozinha, sem a massa, foi quem inventou a Evolução, a qual nada mais é que sucessivas transformações de um sistema inicial em sistemas cada vez mais complexos ( para obter cada vez mais prazer). Tanto que não existe sistema que não tenha dinâmica interna, um fluxo ou circuito de energia. Partes sem energia as conectando são coisas separadas, não são sistemas.

Porque a energia então construiu sistemas? A resposta só pode ser uma: porque usa os sistemas para obter mais e maior prazer.

Mas sabemos tambem que a tendencia da massa é se eternizar no estado de repouso absoluto. E quanto aos sistemas naturais – segundo a Teoria da Termodinâmica – o objetivo supremo é alcançar o estado de equilíbrio termodinâmico, onde massa e energia cedem 50% cada e recebem 50% cada, numa espécie de contrato social.

Ora, nós descobrimos a fórmula para sistema fechado em si mesmo, o qual é o sistema mais perfeito possível. E depois descobrimos que todos os sistemas naturais tem essa fórmula como template, considerando que a própria fórmula veio evoluindo junto com a evolução do sistema inicial. Mas quando fomos ver como seria a contraparte materializada desta fórmula no seu estado de perfeição ultima, descobrimos que o resultado é exatamente o modelo das galaxias originais. Simples: quando a energia e a massa encontraram o jeito de realizar seu contrato social, quando entraram em equilíbrio termodinâmico que estaria destino a permanecer assim por toda a eternidade, massa e energia estava dentro de uma galaxia, elas se modelaram como uma galaxia.

A forma de sistema fechado em si mesmo é a suprema manifestação do egoísmo – o que imediatamente nos lembra o nome “ego” de Freud. Então a pergunta agora é: “Sabendo-se que a forma de sistema biológico foi criada dentro da galaxia e pela galaxia, ( pois se alguém souber de algum elemento ou força que constitui um ser vivo que tenha vindo de fora da galaxia, traga-o e ganhará o Premio Nobel) , porque um sistema que chegou ao máximo da perfeição e tinha a pretensão de se eternizar nessa forma, criou ou se transformou, num novo sistema?! E ainda mais complexo que ele mesmo? A energia traiu a massa e rompeu o contrato social? Ou vice-versa…

E porque o ego da galaxia reapareceu na forma do sistema chamado “humano”?

Bem… esta pergunta me deixou na selva muitas noites sem dormir, tinha que partir atrás da resposta. O mesmo modelo do building block das galaxias é o meno modelo do building block do DNA – um par lateral de nucleotídeos. Mas antes ainda do DNA, o modelo da face esquerda do building block da galaxia é o mesmo modelo do nucleotídeo solteiro que faz a pilha do RNA. E depois o mesmo modelo emerge em seu resplendor como template, fôrma, do primeiro sistema celular funcional e completo, ou seja, o primeiro de fato ser vivo. Esta constatação indica obviamente que houve novamente a presença do processo da evolução, ou seja, uma continuidade evolutiva entre evolução cosmológica e evolução biológica. E quem gosta da evolução é a energia, não a massa.

Por isso passei a observar inquiridoramente a energia do sol batendo nos átomos inertes da lama dos pântanos na superfície da Terra. Afinal de contas é uma energia que vem de um sistema astronômico sem a qual a Vida não existiria, não daria um passo sequer. Assim cheguei aos fótons, e destes, à “Luz”, para descobrir que, antes das galaxias, antes dos átomos e das partículas, uma onda de luz original emitida por um Big bang já continha em si, a fórmula para sistemas naturais.

Os fótons do Sol, da radiação cósmica e dos que vem do núcleo da Terra, são bits-informação do sistema galáctico original, e como tal, trabalham como genes. A maior diferença com os genes biológicos é apenas uma causa no processo evolutivo: enquanto os genes biológicos são transmitidos do criador para a cria encerrados dentro de um envelope cromossômico, e assim produzem apenas uma forma de sistema, à imagem e semelhança do criador – os genes astronômicos são dispersos livres no tempo e no espaço, e juntam-se aos pedaços, em múltiplas diferentes combinações, o que produz a enorme diversidade de formas das crias.

Ora, estes genes astronômicos estão aqui com o propósito ultimo de reproduzir o sistema celeste de onde vieram. E aquele sistema celeste foi a máxima expressão do… Ego.  O ego da energia somado ao ego da massa que pode ser resumido no Ego Material.

Mas o Ego que reinou um dia dentro do Universo, foi atacado por uma força externa, não se sabe vinda de onde. Uma força que se mede pela entropia e que é o principio da degeneração, que leva à morte dos sistemas. Por isso o sistema perfeito celeste que se auto-prometeu eternidade, de repente caiu, e foi obrigado a produzir mais um novo sistema, o biológico, o qual, tinha que emergir como sistema aberto, para reencetar a evolução. Não houve traição entre eles, não houve quebra do contrato social. O que me parece é que houve uma traição da energia em relação à luz original. Pois nela a fórmula não admite uma interrupção da evolução enquanto… a própria luz não se auto-reproduzir, ou reproduzir quem a emitiu, … na forma de auto-consciência. Daqui veio aquela fôrça da entropia, que acabou com a festa orgíaca nos céus. O Ego humano é tão autentico filho do ego celeste que chega a ter lapsos de memória vendo imagens do passado naquela espécie de paraíso celeste, e devido a estas miragens escreve metáforas como a Queda do Paraíso, Adão ( energia) e Eva ( massa), e etc. Estás entendendo agora o que é essa auto-consciência ainda embrionaria que está gestando em sua cabeça-ovo?

Mil aplausos para o Freud… ele foi realmente genial. E ele me ajudou a montar este quebra-cabeças que é maior que o Universo!

Mais Uma Descoberta da Matrix/DNA: O que é e como acontece a Expressão dos Genes

quinta-feira, março 20th, 2014

A expressão de genes ( a ativação funcional dos genes dentro de uma célula) é um processo fundamental para a vida. Um importante passo neste processo é a síntese de proteínas, onde os amino-ácidos, os building blocks que compõem o filamento da proteína, são conectados juntos como as pérolas num colar. Mesmo pensando que este mecanismo tem previamente sido descrito detalhadamente, alguns “estocásticos” aspectos tem sido negligenciados: na cadeia de eventos que caracterizam a síntese de proteínas há um certo componente de acaso, que influencia o tempo que é utilizado para a proteína ser montada. No link a seguir, foi publicado uma oportuna novidade sobre este assunto:

Science Codex

Protein synthesis and chance

http://www.sciencecodex.com/protein_synthesis_and_chance-126951

posted by news on january 29, 2014 – 4:01pm

Recentemente foi publicado no jornal Physical Review E um estudo de uma equipe do SISSA que tem investigado este aspecto e que descreveu o processo de translação de proteínas com um modelo matemático. No meu entender, estes cientistas desconfiaram que o processo seja apenas casuístico, que talvez existiria uma maneira de controla-lo, e o método escolhido foi a Matemática. Mas antes de lê-lo, permita-me informar que a leitura do artigo me induziu a observar a fórmula que denominei “Matrix/DNA” e que penso ser a fórmula que a Natureza tem usado para criar todos os sistemas naturais, desde átomos a galáxias a corpos humanos… e agora para desenvolver este novo sistema que denominamos de mente ou auto-consciência.  E dessa observação concluí que existe uma causa inteligível para o processo, que ele pode ser entendido e controlável, mas não aplicando-se a Matemática, e sim, a própria biologia da vida, com seus mecanismos e processos.

Eu já sabia qual o significado das proteínas para os sistemas biológicos (ditos “sistemas vivos”): proteínas representam – na organização biológica da matéria – o circuito sistêmico esférico da Matrix, nos trechos em que o corpo que rola no circuito porque animado pelo ciclo vital, salta de uma forma para a outra, sem estacionar ou apresentar completas as formas intermediarias. Portanto, proteínas representam o aspecto das ondas do tempo no circuito, enquanto os corpos ou partículas representam objetos no espaço do circuito. Para clarear esta definição, pense no álbum de fotografias da sua vida onde tem apenas seis ou sete fotos, cada uma representando seu corpo nas varias formas etárias, desde uma foto na sua forma de baby, depois de criança, adolescente, etc. Seu corpo muda de forma a cada minuto pois células morrem e são substituídas por outras sempre diferentes em algum minimo detalhe, mas no seu álbum não estão todas as milhares destas diferentes formas. Estes espaços de tempo entre uma forma e outra é representada na formula da Matrix por setas curvas, as quais representam a onda do tempo transcorrido entre duas formas. Quando a Matrix se tornou biológica, muitos das suas arquiteturas foram feitas com algumas formas fixas, como no seu álbum de fotografias. Assim são os diferentes genes: cada gene representa uma forma do corpo que rola no circuito, seria impossível ou desnecessário representar as milhões de formas diferentes do corpo do sistema no DNA.

Mas para isso ficar melhor entendido vamos trazer para cá a fórmula da Matrix:

 

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Observando a fórmula acima, vemos que o circuito sistêmico externo é formado de setas e corpos denominados “funções”. Quando esta fórmula está operando no nível genético das células, as setas são substituídas pelas proteínas, e as figuras das funções, que representam formas do corpo em determinadas faixas etárias, por genes. O sistema inteiro, pelo DNA. Isto nos conduz a notar algo muito interessante, a fazer uma pergunta, por exemplo: “Quem foi o senhor Joaquim que morreu ontem? Acho que o conheci a 20 anos atras quando morei nesta cidade, Como era a aparência dele?” Ora o Joaquim morreu velho e já corcunda e se quisermos responder ao forasteiro teremos que calcular como era sua aparência a 20 anos atrás. Na verdade nós não somos apenas uma pessoa, se levar-mos em conta as transformações efetuadas pelo ciclo vital, nós somos milhares em um. Tanto que se fossemos apresenta o que fomos em vida numa foto seria impossível, teríamos que apresentar um filme com duração de 80 anos. Mas por incrível que pareça, o DNA é isto: uma foto apenas contendo todas as milhares de formas diferentes de um organismo, na forma de genes.  Por isso que quando chega a hora certa ele leva-o a envelhecer: ele esta apenas expressando uma forma sua futura que ele já continha desde seu nascimento! De fato, a Matrix é sempre uma traquinas nos aprontando estas peças, nos fazendo notar coisas que nunca havíamos pensado antes, apesar de existirem sob nossos narizes.

Em cada etapa de sua vida você tem mudado não apenas a forma de seu corpo, mas também a sua função como individuo, principalmente dentro das duas novas formas de sistemas que criamos: o familiar e o social. Enquanto baby a sua função é garantir a perpetuação da espécie apesar de não realizares nenhum trabalho útil, e enquanto adulto sua função de pai, mãe, traz consigo a sua função produtiva no sistema social. Por isso, na fórmula da Matrix, apesar de estar representando um corpo sendo transformado pelo ciclo vital, eu achei melhor colocar nas sete formas fixadas, não os nomes de baby, criança, adulto, etc., e sim o nome de função seguido de um numero. Pois a Matrix vale para todos os sistemas, e muitos sistemas, como átomos e galaxias, teria que ser explicado que adolescente é o elétron na terceira camada eletrônica, ou o planeta na galaxia, ou ainda o ribossomo na célula, etc. Vamos trazer para cá mais uma figura representando a fórmula, agora com as funções trocadas por formas reais produzidas pelo ciclo vital, num corpo humano e num corpo astronomico:

Human and Earth Life Cycle by MatrixDNA

Human and Earth Life Cycle by MatrixDNA

Mas se o jovem tem uma função e o adulto tem outra, esta mudança de função não ocorre de um momento para outro, ela vai mudando lentamente, tomando talvez uma década. E o DNA não precisa esperar essa década, ele faz um novo gene representando a forma adulta dando um certo salto no tempo depois que fez os genes representando as formas do jovem. Porem aí ele tem um problema: quando chega o RNA trazendo uma mensagem de que a célula ou o organismo necessita urgente realizar uma operação, e o responsável por essa operação é um dos genes da forma adulta, como ele pode acionar apenas aquele gene sem ter que fazer um gene inicial na forma de mórula e leva-lo por todas as fases até atingir a forma requerida? Eu ainda não refleti o suficiente sobre essa questão, mas sei que aí entram as proteínas. Uma determinada proteína representa o trecho do circuito, digamos, da seta entre a F2 e F3. Se ela continuar alem da F3 ela se tornaria uma partícula, a ferramenta fixa executando a F3. Mas para isso existe o Gene F3, ela apenas representa todas as formas anteriores e por isso ela vai direto executar a função daquele gene e não de qualquer outro. Entendeu? Nem eu que já estou escolado em pensar na Matrix  ainda não entendi muito bem, mas sei que é por aí.

É difícil de entender e necessita mais estudo porque realmente a coisa é complexa. Por exemplo, suponha que me viesse alguém agora que estou velho, me pedindo para resolver um problema que precisa aplicar raiz quadrada e função trinomial. Eu iria desejar estar na minha forma adolescente quando estudava no ginásio e tinha estas formulas frescas na memória, agora já não consigo me lembrar delas. É ilusão pensar que quanto mais madura uma pessoa se torna mais capaz de realizar qualquer tarefa, pois tem tarefas que podíamos fazer quando mais novos e quando velhos, já não somo mais capazes. Então imagine este problema no nível do DNA, quando tem que rapidamente expressar os genes certos para produzirem as proteínas certas para uma determinada operação. Talvez a operação exija uma tarefa inicial que é executada pelo gene da F3, uma tarefa seguinte que só pode ser feita pelo F1 e a seguinte tarefa novamente pelo F3… Isto nos tomará muitos anos de estudo.

Mas os diversos e quase infinito números de funções que existem intermediarias às sete fixadas na fórmula também têm seu ponto fixo no circuito, cada uma delas. Digamos que o organismo requer uma operação que seria executada no ponto F3 – 0,1674965… E em seguida outra função no ponto F3 – 0,85328543… Ora, a proteína emitida pelo gene em F3 para executar a primeira operação seria mais curta que a outra, e sua tradução demoraria menos que a outra. Uma tomaria menos tempo para ser montada que a outra. Claro! Mas para um observador que nada sabe da Matrix, e portanto não interpreta a existência de proteínas pelo mesmo significado que penso ver nelas, não existe razão lógica para essa variação de tempo, por isso o texto acadêmico diz que “a diferença de tempo contem uma certa dose de acaso”, e isso “afeta a tradução podendo produzir mutações ao acaso”. Eu concordo que numa tarefa mais demorada, existe muito mais chances de ocorrer erros que numa tarefa mais curta. Principalmente porque à medida que aumenta o numero do ponto no circuito, aumenta a complexidade da função, e complexidade envolve mais erros que tarefas simples. Então, à primeira vista, fico com o pressentimento de que o conhecimento fornecido pela Matrix seria inútil, algo como uma cultura inútil. Os acadêmicos simplesmente observaram uma parte de um evento e concluíram pelo óbvio, passando a navalha de Occam no problema. E seguindo sempre a orientação do método reducionista cientifico, perdidamente baseado na Física e Matemática, vão aplicar a Matemática para tentar abordar o problema das doenças humanas. Eu tive que dar uma volta por todos os sistemas do Universo, pensar em átomos, galaxias, ondas do tempo e partículas do espaço, etc, perdidamente baseado no método sistêmico, para chegar à mesma conclusão. Mas será isso mesmo? Já disse alguém que o acaso é desconhecimento de causas. Qual a diferença entre um pesquisador que acredita na mutação pelo acaso buscando a cura para uma doença e outro pesquisador que sabe qual a causa da mutação? Esta resposta só a teremos quando alguém de dentro da Academia descobrir a fórmula da Matrix e os pesquisadores imbuídos do conhecimento da Matrix atacarem estas doenças tradicionais que continuam torturando e matando humanos por milênios, sem que até agora se tenha encontrado suas curas. A resposta virá se estes pesquisadores encontrarem ou não as curas.

A seguir copio o artigo aqui ( os grifos são meus), pois necessito ler e reler e fazer a pesquisa de cada detalhe, alem de tentar entender este trabalho e técnica destes autores, os quais, para mim, são os verdadeiros e maior heróis da Humanidade, pois dedicam suas vidas buscando o beneficio para todo ser humano, alem de serem os fornecedores de dados nos quais tenho me apoiado para a elaboração das minhas teorias.  A Matrix/DNA se apóia sobre os ombros de gigantes, a verdade tem que ser sempre lembrada.

In mathematics, a stochastic system refers to a process that is subject to random changes, which fluctuate, however, around an average value. For the sake of simplicity, the system can be described considering only the average value, i.e., in a “deterministic” manner, where, given the conditions, the variable can assume only a single definite value. In actual fact, however – and this is true for many biological processes – the “cloud of values” that a variable can assume when the process is repeated over time can affect the efficiency of the process.

A group of scientists at SISSA has analyzed the stochastic nature of the protein translation process, testing it with computer simulations. “We considered a specific aspect of translation: the distribution of binding times (BT) that is the time needed for tRNA (a molecule capable of transporting amino acids) to carry the proper amino acid to the ‘matrix’ (mRNA) which ‘prints’ the proteins according to a specific code”, explains Pierangelo Lombardo, who carried out the research together with Luca Caniparoli – both from SISSA. “This time interval is not always the same, but it varies in a more or less random manner”.

“Imagine you know there is an average BT value, for example 1, which can be used conventionally when describing the system. In actual fact, however, each time we observe the process the value may be 1.1, 0.9, 0.7, 1.3 and so on. The value assumed each time by the BT changes in a stochastic, though not completely random, manner because it distributes into a cloud with a specific shape around the mean”, continues Lombardo. “The shape of this cloud is not indifferent, as it has an effect on the time needed for process of protein synthesis. What we found in our study is that the BT fluctuates more (i.e., the cloud is more spread out) than previously thought and consequently so does the time needed for protein translation”.

“Observations like this extend our knowledge on protein synthesis processes”, he concludes. “Knowing how translation times decrease and increase may also be useful to understand under which conditions these mechanism can fail”.

More in detail…

Gene expression consists in building proteins (or other macromolecules) starting from the genetic information contained in the DNA. The process occurs inside the cells. The original matrix of proteins are genes, small parts of DNA contained in the cell nucleus. The sequence of elements (nucleotides) making up the DNA contains the information needed for building proteins.

Simplifying the process greatly, we can say that first a sort of carbon copy is made of the sequences encoded in the gene. This first step is called “transcription”: a portion of DNA is copied into a small RNA molecule, termed mRNA or messenger RNA. This portion travels to the parts of the cell where the second step, translation (or protein synthesis), takes place with the help of structures called ribosomes which “read” the mRNA sequence and collect the material needed to build the protein.

Proteins, in fact, are made up of long chains of amino acids, the tiny building blocks normally found dissolved in the cytoplasmic fluid. Some small RNA molecules, called tRNA and different from mRNA, bind specifically to amino acids giving rise to tRNA-amino acid complexes. These complexes then go and interlock, like the teeth of a zipper, with the chain of mRNA, one after the other into the proper sequence of amino acids, which bind to each other to form the strand of protein.

Source: International School of Advanced Studies (SISSA)

xxxxx

Pesquisa da Matrix/DNA:

Stochastic – ( From Wikipedia )

In probability theory, a purely stochastic system is one whose state is non-deterministic  (i.e., “random”) so that the subsequent state of the system is determined probabilistically. Any system or process that must be analyzed using probability theory is stochastic at least in part. Stochastic systems and processes play a fundamental role in mathematical models of phenomena in many fields of science, engineering, and economics.

Stochastic comes from the Greek word στόχος, which means “aim”. It also denotes a target stick; the pattern of arrows around a target stick stuck in a hillside is representative of what is stochastic.

Biology

In biological systems, introducing stochastic “noise” has been found[by whom?] to help improve the signal strength of the internal feedback loops for balance and other vestibular communication. It has been found to help diabetic and stroke patients with balance control.[6] Many biochemical events also lend themselves to stochastic analysis. Gene expression, for example, has a stochastic component through the molecular collisions — as during binding and unbinding of RNA polymerase to agene promoter — via the solution’s Brownian motion. ( continuar a ler)

 

Cancer: Entropia do Sistema?

quinta-feira, março 13th, 2014

Observe na figura abaixo dois fluxos correndo em paralelo e isso lembra os dois fluxos do circuito na face esquerda da fórmula da Matrix/DNA. Uma possibilidade é que o fluxo maligno acontece devido quando o fluxo benigno vem da esquerda, ao invés de se tornar F5 e ir para F1, segue adiante indo para F6 e face direita. Se for isso, a figura estaria se referindo a face direita, o que suscita suspeita que entropia esteja envolvida como causa cancerigena.

 

Unfortunately we are unable to provide accessible alternative text for this. If you require assistance to access this image, please contact help@nature.com or the author

(A) Hmga2 acts as a natural microRNA sponge for the let-7 family, which also targets Tgfbr3. An increase in Hmga2 transcript levels and hence ceRNA activity results in a concomitant increase in Tgfbr3 levels. (B) Hmga2 also regulates the expression of five other target genes via ceRNA crosstalk as well as through Tgfbr3/TGF-β-mediated transcriptional control.

Aberrant ceRNA activity drives lung cancer

Cell Research (2014) 24:259–260. doi:10.1038/cr.2014.21; published online 14 February 2014

http://www.nature.com/cr/journal/v24/n3/full/cr201421a.html

E a formula da Matrix/DNA:

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Sensacional Para o Entendimento da Vida: Cientistas Descobrem Duplo Significado, Dupla Personalidade, no Código Genético!

sexta-feira, fevereiro 7th, 2014

Scientists discover double meaning in genetic code

http://www.washington.edu/news/2013/12/12/scientists-discover-double-meaning-in-genetic-code/

Sem tempo para ler o artigo, a minha primeira impressão é que este segundo código expressa a identidade de sistemas, enquanto o primeiro código, que apenas produz proteinas, expressa as atividades das partes do sistema.

Artigo copiado aqui para analise e pesquisa pela Matrix/DNA: 

Scientists have discovered a second code hiding within DNA. This second code contains information that changes how scientists read the instructions contained in DNA and interpret mutations to make sense of health and disease.

A research team led by Dr. John Stamatoyannopoulos, University of Washington associate professor of genome sciences and of medicine, made the discovery. The findings are reported in the Dec. 13 issue of Science.

Read the research paper.  Also see commentary in Science“The Hidden Codes that Shape Protein Evolution.

The work is part of the Encyclopedia of DNA Elements Project, also known as ENCODE. The National Human Genome Research Institute funded the multi-year, international effort. ENCODE aims to discover where and how the directions for biological functions are stored in the human genome.

Since the genetic code was deciphered in the 1960s, scientists have assumed that it was used exclusively to write information about proteins. UW scientists were stunned to discover that genomes use the genetic code to write two separate languages. One describes how proteins are made, and the other instructs the cell on how genes are controlled. One language is written on top of the other, which is why the second language remained hidden for so long.

“For over 40 years we have assumed that DNA changes affecting the genetic code solely impact how proteins are made,” said Stamatoyannopoulos. “Now we know that this basic assumption about reading the human genome missed half of the picture. These new findings highlight that DNA is an incredibly powerful information storage device, which nature has fully exploited in unexpected ways.”

The genetic code uses a 64-letter alphabet called codons. The UW team discovered that some codons, which they called duons, can have two meanings, one related to protein sequence, and one related to gene control. These two meanings seem to have evolved in concert with each other. The gene control instructions appear to help stabilize certain beneficial features of proteins and how they are made.

The discovery of duons has major implications for how scientists and physicians interpret a patient’s genome and will open new doors to the diagnosis and treatment of disease.

“The fact that the genetic code can simultaneously write two kinds of information means that many DNA changes that appear to alter protein sequences may actually cause disease by disrupting gene control programs or even both mechanisms simultaneously,” said Stamatoyannopoulos.

Grants from the National Institutes of Health U54HG004592, U54HG007010, and UO1E51156 and National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases FDK095678A funded the research.

In addition to Stamatoyannopoulos, the research team included Andrew B. Stergachis, Eric Haugen, Anthony Shafer, Wenqing Fu, Benjamin Vernot, Alex Reynolds, and Joshua M. Akey, all from the UW Department of Genome Sciences, Anthony Raubitschek of the UW Department of Immunology and Benaroya Research Institute, Steven Ziegler of Benaroya Research Institute, and Emily M. LeProust, formerly of Agilent Technologists and now with Twist Bioscience.

Stephanie H. Seiler heads the communications agency Gemini BioProjects LLC.

Morra, Gene Egoísta, Morra! Debate Sobre a Teoria do Gene Egoísta versus Teoria do Genoma Social versus Teoria da Matrix/DNA

sexta-feira, fevereiro 7th, 2014
Baseado no artigo: ” Die, Selfish Gene, Die “

Why it’s time to lay the selfish gene to rest – David Dobbs – Aeon. co

The selfish gene is one of the most successful science metaphors ever invented. Unfortunately it’s wrong
http://aeon.co/magazine/nature-and-cosmos/why-its-time-to-lay-the-selfish-gene-to-rest/

E a oposição materialista respondeu a David Dobbs com o artigo no Pharyngula: 

Higher order thinking

by PZ MYERS

http://freethoughtblogs.com/pharyngula/2013/12/03/higher-order-thinking/

No artigo do Pharyngula está ocorrendo um debate com nossa participação, sendo meu ultimo comentario o seguinte:

louismorelli

9 February 2014 at 2:26 pm (UTC -6) Link to this comment

To: a_ray_in_dilbert_space

You said: Louis, I also take offense at your suggestion that science has failed humans on a moral scale.”

500 millions humans slaves at 400 years ago; 7 billions (90% of the world population?) humans slaves today. Against numbers, there are no minded produced arguments.

I will not remember the evidences that our planet is sick, changing climate, due we are not sure of it is man made illness.

But… accordingly to the results of my investigation, the worst thing that human science is doing is leading Humanity towards the Admirable New World, under the rules of a Big Brother. It will be the premature abortion of this new natural system being generated here, called “consciousness”, for to be eternal zombie.

There are three fundamentals problems with human science in the last 400 years:

1) The supreme, honest, altruistic, goal of the founding fathers at the Illuminism, was denied by the disciples and science sold its soul to the dominant class of human predators, feeding the selfish gene. All science’s production has been delivered gratefully to these predators, giving them power, feeding a monster, becoming anti-human;

2) While the founding fathers were fighting the mysticism and its prejudices to human kind, the disciples built another mystical world view, changing the magical God by the magical blind Universe and science lost the right way. But, like the ancient deist mysticism was based on memory registered at our genetics, this new mysticism is also based on it. It is a genetic process coming from our creator, which is described by Newtonian mechanics, then, science is driven to grasp the mechanical aspect of every natural phenomena, while every phenomena has lots of another kind of matter organization, others invisible natural systems acting here due the hierarchy of systems, etc. That’s why science is driving us, our youngers today, towards a mechanical state of human society;

3) Science must be a feed-back process between the reductionist method and the systemic method. Reductionism gets data about details and systemic approach try to connect these data into big pictures, building good theories that feeds the search for reductionism. But, systemic method does not provides profit in money, nobody is funding it. Systemic thinking was born with Margullis ( the symbiotic theory), Fritjof Capra (The Tao of Physics) and others, till Bertalanffy making what francis bacon did with reductionism, collecting every dispersive data into a General Systems Theory. Bertalanffy could not advance because no human being was discovered yet what is a real natural system, the unique tentative today is my suggestion called “The Universal Matrix/DNA for Natural Systems”. So, The general theory about natural systems was killed and Wiener, Rosenberg, who were mathematicians/physicians took the control and deviate it from natural to artificial systems, creating cybernetics and this whole scientific enterprise today dominated by the electro-mechanical brain of computers.

Nope, my friend. There are 7 billions human beings being tortured today at this absurd human condition of existence, the planet is dying… to the hell with this kind of science! Go back to the intentions of the founding fathers, do what I am doing, alone, paying it with my hard work, not being a traitor.

 

xxxx

Meu primeiro comentario postado no Facebook:

Louis Charles Morelli partilhou uma ligação.

Metamorfose de Homem para Macaco é possível. Basta um comando do cérebro para o DNA mudar os genes dominantes. Eu fazia isso na selva para enganar os macacos e aprender a vida deles… E pela mesma técnica voltava a forma humana. Ate namorei uma orangotanga, a doce Marilyn. Mas de repente o despertador despertou e acordei do sonho…Acontece que fui dormir lendo um artigo  sobre a capacidade de alguns bichinhos se transformarem de repente em outros e voltarem a forma antiga. Gafanhotos se transformam em cigarras e se quiserem, as cigarras voltam a serem gafanhotos! Impressionante! Quem poderia imaginar uma coisa destas?! O que mais a Natureza tem escondido de nos, e vai assim, de choque em choque, revelando aos nossos pobres e combalidos corações?
E o autor do artigo pretende com isso derrubar o ateu guru da juventude moderna, Richard Dawkins. Veja “Die, selfish gene, die” em
http://aeon.co/magazine/nature-and-cosmos/why-its-time-to-lay-the-selfish-gene-to-rest/ . Este artigo gerou um debate acirrado entre feras no primeiro mundo e estou ansioso para ler tudo e depois entrar no meio com a voz alienígena da Matrix/DNA. Ela sempre confirmou a existência do gene egoísta, ela buscou suas origens nas galaxias e tem uma versão muito racional. Mas minha versão é mil vezes mais complexa do que Dawkins pensa. Vamos ver no que isso vai dar…
Gosto ·  · Promover · Partilhar

O gafanhoto

Grasshopper (Acrididae), Barbilla National Park, Costa Rica. Photo by Piotr Naskrecki/Minden Pictures/Corbis    se transforma numa cigarra Shapeshifter; The Locust. Photo by Ocean/Corbis

Preciso aprender urgente esta técnica para transformar notas de 1 dólar  em notas de 100 dólares…

E a seguir meu comentario postado no artigo acima:

  • Avatar
    TheMatrixDNA

    Social genome?! Good, you are arriving next to the world view of Matrix/DNA Theory. But, still far away. It is not a genomic society that drives evolution. It is the system that contains all genomes. Like human societies, its destiny is driven by the ideology that was created by the social system, an ideology executed by the government. This ideology is the system itself, it arises from the sum of informations of all parts plus the new informations generated by internal fuzzy logics that emerges from parts interactions, which generates new informations. So, there is no individual with same ideology as the system.
    Then, all genomes obeys a more deep and invisible commander, from who comes the instructions, rules, etc. This commander is a system, beyond the social genome. Its a phenotype and not genes the driver of biological evolution, this phenotype is the system, but, which system? The universal formula for natural systems and life’s cycles, which is shown at my website, is suggesting which system, and which “ideology” is driven biological evolution at Earth. It is the source of all forces and elements interacting at Earth’s surface, included cosmic radiation with their informations: it is the Milky Way. Its ideology is the tendency to be closed system, the dominance of selfishness. But, biological evolution is not the whole History. And the current theoretical model of galaxies is far away from reality. At our models, every natural system, from atoms to galaxies, have the properties of life and a kind of DNA, wich we call “Matrix”, as must have all ancestrals of biological systems.
    Biological evolution is merely a micro-cycle of a bigger evolution, the cosmological evolution of a unique system that is coming evolving since the Big Bang. Above this galaxy and its “ideology”, there is a powerful agent, at the level of the Universe, with its different ideology ( tendency to be opened system). Then, biological evolution is at the middle of a conflict between two powers, with two different goals. This powerful agent has inserted here its novelty, which we call “consciousness”. Evolutionary biologists need to know the Matrix/DNA formula and knows that there are seven variables acting over evolution here, not only the three variables discovered by Darwin. And we will not have a Theory of Everything if Biologists do not joins with Physics, because the Universe obeys also biological rules. But, we will not understand in full biological evolution if Biologists does not considers the Physics that rules this creator of life here, which is the Milky Way and its thermodynamics variables. At Matrix/DNA Theory we are doing just it.

    We are now discovering that the foundations of Matrix/DNA formula are lightwaves, they have the code for life when any light wave is composed by vibrations running with the same sequence as our bodies runs and change shapes under the process of life’s cycles. Things are far, far more complex than we were thinking…

    XXXXXXX

    Meu comentario em: http://freethoughtblogs.com/pharyngula/2013/12/03/higher-order-thinking/comment-page-1/#comment-723665

    louismorelli

    8 December 2013 at 11:19 am (UTC -6) Link to this comment

     

    Coming from Amazon jungle I can’t understand the mindset running at Western Sciences, principally, this debate about evolution and biogenesis. Who drives the evolution of my body ( from blastula to adult) is the body of my parents because they are my creator, they are the phenotype driven my genes. Then, logically, who drives the evolution of biological systems at Earth surface must be the creator of this planet, all its elements, included all biological systems. It is the phenotype that created and rules the genes. Its name? The Milky Way. But, then, Western Sciences does not have a model of galaxies that fits as the creator and ancestor and phenotype of the first cell system. That’s the problem. It is merely a job of connecting the seven kinds of astronomical bodies in a working system that you will understanding every step of evolution here. I did it and the face of LUCA (the Last Universal Common Ancestor e creator of life here) is shown in a theoretical model at my website, called “The Universal Matrix/DNA of natural Systems and Life’s Cycles”. Ok, I understand that a half-monkey from Amazon jungle can not teach evolutionary biology here, but, maybe I can tell something about natural logics.

    xxxxxx

    1. 74
      ChasCPeterson

      8 December 2013 at 11:31 am (UTC -6) Link to this comment

       

      I can’t understand the mindset running at Western Sciences

      I have a strong suspicion that it’s mutual.

    xxxxxx

    Kagehi

    8 December 2013 at 11:05 pm (UTC -6) Link to this comment

     

    Coming from Amazon jungle I can’t understand the mindset running at Western Sciences, principally, this debate about evolution and biogenesis. Who drives the evolution of my body ( from blastula to adult) is the body of my parents because they are my creator, they are the phenotype driven my genes. Then, logically, who drives the evolution of biological systems at Earth surface must be the creator of this planet…

    Congradulations, you just graduated to the sort of thinking that people had 500 years ago in the “Western Mindset” as well. The problem is, some where in the process, people realized that it just didn’t make any damn sense as an explanation. You had to keep making excuses for all the stuff that didn’t work in any sort of way close to what any intelligent creator might have come up with. And, it doesn’t help, at all, to just wave vaguely and proclaim that we just don’t, somehow, understand his genius (which would be 100% completely Western too, as long as you are religious, and looking for excuses for why “god” made things that contradict each other, don’t work rationally, or make no sense as part of a “grand plan”.)

    This is a purely human conceit, the idea that there is some creator some place, that is like us, and therefor, because *we* make things, he “makes things”. I say human conceit because, evolution doesn’t have a plan, but humans can plan. We don’t change with the environment, we change the environment to fit us. Every other animal is subject to the whims of the nature, living or dying, without one bit of say, at all, in when, or how. If the world changes too much for them, they neither adapt, nor can they adapt the world to save themselves. We, mere humans, at least once we learn the “basics” of changing things to fit us, can. The more we know, the more we can change. But, even we have limitations. We get better and better at it. 2,000 years ago, we had no idea how to deal with earthquakes. It was pure luck if building still stood, and a whole island of people was lost, due to them not seeing the signs they needed to leave. Today, we know what it means, and how dangerous it is to stay, even if, in the end, we can’t prevent it from happening. 1,000 years ago, a simple disease could wipe out 90% of the population of a whole continent. Now.. maybe it could still happen, if it really was nasty enough, but it would to be *far* nastier than the ones from back then, for us to have **no** way to deal with it, or contain it, or figure out how it spreads, etc. Even 20 years ago, people would have died from things we can either treat, repair, or control, well enough to keep them alive today.

    We shape our world, and every bloody conceited, hubris filled, fool, since the first day someone made a mud hut, because there wasn’t a cave nearby to live in, has been claiming that there must be some “bigger, invisible, creator, who, like us, made a giant mud hunt, lit fires on it, and thus created the sky!”

    You “insight” isn’t one. Its making unfounded assumptions about what might have “made” the world, based on the totally absurd hubris that there must be something out there, at least a bit, like yourself, who “made” the world. An idea based on the equally silly concept that, without the knowledge, no matter how basic, passed from your parents, and others, to you, about how to do those things, you would have any higher survival rate than any other monkey, if the world suddenly changed too much for you to keep living in it.

    xxxxxxx

    1. 76
      louismorelli

      9 December 2013 at 2:29 am (UTC -6) Link to this comment

      Kagehi, I can bring real natural facts as evidence for debunking every assertion you made in yours post. First of all you have read only the first sentence of my post and fast went answering it, then, you made a big mistake with yours unfounded saying that I am a believer in supernatural creators and a mystical. You can not show to us a document at any library of the world that my world view is a “sort of thinking that people had 500 years ago in the “Western Mindset”. I am based in modern Astronomy, Physics, Biology, Chemistry, which were not known at yesterday. Yes my insight, called “The Universal matrix/DNA of natural Systems and Life’s Cycles” is one, never produced before. You said that because you have no idea what’s my world view. Peterson, i his post above said the right short thing: While I can’t understand the causes that produced yours world view, it is mutual”. We live at different habitats.

      Yours says about “there is some creator some place, that is like us”, or “any intelligent creator might have come up with” or ” why “god” made things”, makes no sense as answer to my post. You are saying that, not me. But when you say “some where in the process, people realized that it just didn’t make any damn sense as an explanation” I can tell you that earlier in my young times, I realized that the gene centric view ( a bunch of atoms organized as chemical molecules) just didn’t make any sense as an explanation. This is mystical, this is no different from the existent religions, wake up man!
      There is no creator since there is no life’s origins, merely a long chain of causes and effects since the Big Bang, which produces the transformation of a unique natural system increasing its complexity, from atoms to galaxies to cell’s systems, to brain systems. If there is some supernatural agent, it is existing before the Big Bang and beyond this Universe, it is not my issue. Let’s go back to real facts here and now.

      You said “evolution doesn’t have a plan, but humans can plan”. I am seeing no human planning of yours social system. I am seeing only that humans are mimicking the rules among animals that I am seeing here in the jungle, the division between few predators and a larger number of preys. Tomorrow in the morning I will wake up and going out I will see infinities directions that I can choose one accordingly to my freedom for choice; you will wake up and be driven to yours local work, you have no choice. What kind of plan is that? A plan against yourself ?!

      Evolution doesn’t have a plan?! What’s the real fact you can bring over the table for proving that? Different from yours gene centric view, I agree that anything material inside this material Universe is the carrier of the evolution process, so, there is no evolution with a plan. Dawkins is the one saying that genes has a plan, previewing the future, when trying to reproduce and spreading themselves. What absurdity! But, as a salvage man living among the salvage Nature, I learned to ask nature for answering my questions about existences. I don’t believe that nature plays dice with her creatures, so, I ask only to her. And about evolution or no evolution, Nature shows to me the evolution process that occurs at my face observing the 9 months of embryogenesis. Anything inside the womb has a plan, anything is able to preview what is coming next, bit there is evolution occurring there. because evolution is not the whole history, it is merely the several micro-steps of a real bigger process: reproduction. So, my Universe is merely a process of genetic reproduction, I don’t know what is being reproduced, it could be yours small atom that triggered the Big Bang, or a natural system too much complex. Reproduction is a plan in itself. And I can bring over the table my real fact as evidence: any pregnant woman. When you see evolution happening here, but believes that evolution have no plan, you are creating a mystical supernatural god called “Absolute Magical Chance”.

      In the jungle I can’t preview earthquakes because I have no scientific tools for pointing them to the right directions. You have the tools but you I can’t do it because you don’t know the right directions. Our difference is about the interpretations of the real known facts about this planet and the system surrounding it. We have a very different theoretical models. Of course, the two are no complete, but, since yours facts are the same of mine, it is an issue about interpretations.

      You said: “You would have any higher survival rate than any other monkey, if the world suddenly changed too much for you to keep living in it.” Do you believe that you and yours western stuff could have any higher survival rate than any other ancient native of Europe, if the world suddenly changed too much?! can you survive long time at the international space station? Have you built any bunker at Mars? Ok. My theoretical astronomical models are suggesting that this planet obeys a process of life cycle, the one that produced the life cycle that acts over yours own body. So, this planet is changing its shape, like yours body changed from blastula to baby. Bacterias existing inside babies can not exists inside blastula and vice-versa. I am waiting the day that you will prove that you are not a bacteria in relation to this planet and the evolving Cosmos. And I am surviving here more than any monkey did, due my knowledge. You can not coming here because you couldn’t survive more than a few weeks, because the the malaria gets you, not me.

      We should debating details about genes, but you went far away from the topic.

      a_ray_in_dilbert_space

      8 February 2014 at 7:54 am (UTC -6) Link to this comment

       

      Louis, I also take offense at your suggestion that science has failed humans on a moral scale. Do you have any idea where we would be if not for antibiotics, if not for antimalarials–hell if not for cell phones. Science has done far more for the poor of the world in its 400 short years than all of the religion or philosophy of the previous 5000 years, and it continues to do more than all the mystics, shamans, politicians, priests and philanthropists combined.

      a_ray_in_dilbert_space

      You said: Louis, I also take offense at your suggestion that science has failed humans on a moral scale.

      500 millions humans slaves at 400 years ago; 7 billions (90% of the world population?) humans slaves today. Against numbers, there are no minded produced arguments. I will not remember the evidences that our planet is sick, changing climate, due we are not sure of it is man made illness. But… accordingly to the results of my investigation, the worst thing that human science is doing is leading Humanity towards the Admirable New World, under the rules of a Big Brother. It will be the premature abortion of this new natural system being generated here, called “consciousness”, for to be eternal zombie.

      There are three fundamentals problems with human science in the last 400 years: 1) The supreme, honest, altruistic, goal of the founding fathers at the Illuminism, was denied by the disciples and science sold its soul to the dominant class of human predators, feeding the selfish gene. All science’s production has been delivered gratefully to these predators, giving them power, feeding a monster, becoming anti-human; 2) While the founding fathers were fighting the mysticism and its prejudices to human kind, the disciples built another mystical world view, changing the magical God by the magical blind Universe and science lost the right way. But, like the ancient deist mysticism was based on memory registered at our genetics, this new mysticism is also based on it. It is a genetic process coming from our creator, which is described by Newtonian mechanics, then, science is driven to grasp the mechanical aspect of every natural phenomena, while every phenomena has lots of another kind of matter organization, others invisible natural systems acting here due the hierarchy of systems, etc. That’s why science is driving us, our youngers today, towards a mechanical state of human society;  3) Science must be a feed-back process between the reductionist method and the systemic method. Reductionism gets data about details and systemic approach try to connect these data into big pictures, building good theories that feeds the search for reductionism. But, systemic method does not provides profit in money, nobody is funding it. Systemic thinking was born with Margullis ( the symbiotic theory), Fritjof Capra (The Tao of Physics) and others, till Bertalanffy making what francis bacon did with reductionism, collecting every dispersive data into a General Systems Theory. Bertalanffy could not advance because no human being was discovered yet what is a real natural system, the unique tentative today is my suggestion called “The Universal Matrix/DNA for Natural Systems”. So, The general theory about natural systems was killed and Wiener, Rosenberg, who were mathematicians/physicians took the control and deviate it from natural to artificial systems, creating cybernetics and this whole scientific enterprise today dominated by the electro-mechanical brain of computers.

      Nope,  my friend. There are 7 billions human beings being tortured today at this absurd human condition of existence, the planet is dying… to the hell with this kind of science! Go back to the intentions of the founding fathers, do what I am doing, alone, paying it with my hard work, not being a traitor.

       

    XXXXXXXX

    Outro artigo no debate: PHARYNGULA

    http://scienceblogs.com/pharyngula/2013/12/07/the-reification-of-the-gene/

    The reification of the gene

    Posted by PZ Myers on December 7, 2013
    XXXXXXXX
    Debate pelo Twitter – Storify.com

    Talking about genes

    A conversation about David Dobb’s controversial article

    http://storify.com/pzmyers/talking-about-genes

    XXXXXXX

    Mais contribuição de PZ Myers: 

    Higher order thinking