Posts Tagged ‘Matemática’

Quer ser Bom em Filosofia? Estude Ciencias e Matematica

sábado, outubro 7th, 2017

xxxx

Porque esta tendencia do homem moderno para a matematica, enquanto a minha tendencia e’ se afastar dela? A matematica e’ a logica e a linguagem da organizacao da materia por processos mecanicos. Entao esta explicado: deixando-se conduzir pela natureza imediata, devido ao intelecto e conciencia ainda embrionarios, fracos, o homem deixa-se ser a reproducao desta maquina celeste que se impoe e impede a ascencao das organizacoes biologicas e neurologicas da material, as quais dominam meu intelecto.

Mas nao adianta eu ficar falando de outras dimensoes influents em nossas vidas e ambiente enquanto o resto dos humanos so podem captar a dimensao iluminada pela luz visivel. Tenho que estudar a logica e linguagem deles para saber como puxa-las para estas dimensoes. Entao,… vamos la’… 

Want to Be Good at Philosophy? Study Maths and Science

http://www.philosophersmag.com/essays/131-want-to-be-good-at-philosophy-study-maths-and-science

( Limpar o google, puxar este link no google, copiar o artigo sem os defeitos do edge, delectar esta copia abaixo, e traduzi-lo)

” One key role for philosophers is to help science ask the right questions and make contextual sense out of the answers it obtains.”

” In On the Origin of Species, for example, there are no equations, but it abounds with observations and inferences.”

(Spinoza, Descartes and others, for example, are known for using the “Geometric Method” in philosophy.) > Pesquisar “geometric method”

Peter Boghossian and James Lindsay argue that philosophers must be scientifically informed.

If you want to be a good philosopher, don’t rely on intuition or comfort. Study maths and science. They’ll allow you access the best methods we have for knowing the world while teaching you to think clearly and analytically. Mathematics is the philosophical language nature prefers, and science is the only truly effective means we have for connecting our philosophy to reality. Thus maths and science are crucial for good philosophy – for getting things right.

Truth is not always intuitive or comfortable. As a quirk of our base-ten number system, for example, the number 0.999…, the one that is an infinite concatenation of nines, happens to equal 1. That is, 0.999… is 1, and the two expressions, 0.999… and 1, are simply two ways to express the same thing. The proofs of this fact are numerous, easy, and accessible to people without a background in mathematics (the easiest being to add one third, 0.333…, to two thirds, 0.666…, and see what you get). This result isn’t intuitive, and – as anyone who has taught it can attest – not everyone is comfortable with it at first blush.

The sciences, which were largely born out of philosophy, are also replete with nonintuitive, and even uncomfortable truths. The most extreme examples of this are found in quantum mechanics, with interpretations of double slit experiments, quantum entanglement, and the Heisenberg Uncertainty Principle confounding essentially everyone. But even sciences investigating scales more familiar to us, like biological evolution, are nonintuitive and uncomfortable to the point of being rejected by surprising numbers of people despite overwhelming scientific consensus spanning nearly a century and a half.

Thinking philosophically requires the capacity to logically and rigorously engage ideas and then either accept the results or reject our assumptions – no matter how nonintuitive or how uncomfortable those assumptions may be. Mathematics is an ideal tool for teaching this as it is deeply abstract and simplifies reality nearly to the point of ignoring it. This does not mean that mathematics qua mathematics is always important for good philosophy, though it certainly can be. It does mean that learning to organise, think, and denote like a mathematician reaps enormous benefits for clear philosophical thought. Philosophers who can think like mathematicians are better at clear thinking, and thus philosophy.

For instance, consider the application of basic set theory to linguistics. Set-theoretic thinking – particularly, the applications of subset relations, intersections and unions, set inclusion, and even the relevant mathematical notation to modifiers such as adjectives, adverbs, and participial phrases – has proven fruitful in helping linguists clarify the relationships between words and the classes of ideas they represent. This application has allowed a more precise, deeper understanding of the ways that different uses of words create meaning in sentences and thus a capacity for clearer and richer expressions of ideas, including philosophical propositions. It has done so despite the fact that linguistics is not nearly as mathematically dependent as fields like physics.

Even philosophical efforts on desperately difficult topics like ethics – the apparently subjective nature of which serves quite reasonably something of a cordon sanitaire against the intrusion of too much objective empiricism into the provinces of philosophy – benefit from the habits of mathematical thought. For example, take Sam Harris’s controversial 2010 contribution to the field in his bestselling book, The Moral Landscape. He argued for determining human values scientifically. The metaphorical moral landscape itself is most easily comprehended by picturing multidimensional topographies in which some measure of flourishing and suffering ranges in the vertical and peaks and troughs can be visualised as local maxima and minima. Further, Harris’s entire argument rests in part upon his ability to articulate an objective nadir, an absolute minimum, in that space – the maximum possible suffering of every sentient creature. The entire moral landscape can be thus thought of as a partially ordered set of moral positions together with their resultant consequences as measured on hypothetical metric related to well-being and suffering.

Of course, mathematics is most clearly applicable to philosophy where it intersects with the mathematically hard sciences, like physics. Much in physics, for example, depends upon clearly understanding the scope, power, and impact of Noether’s (first) theorem, named for Emmy Noether. Her theorem, proved a century ago and published in 1918, was truly revolutionary for physics because it completely changed how we understand conservation laws, revealing that conservation laws follow automatically from certain assumptions of invariance of physical laws (for example, if the laws of physics do not vary with locations in space, conservation of momentum automatically follows). Whether Noether’s theorem is best classified as a result in abstract mathematics or theoretical physics isn’t important, but that philosophers need to understand it is, at least if they want to work competently on ideas related to that which it pertains. Fully understanding and appreciating Noether’s theorem, however, requires a solid grasp of abstract algebra, at the least at an advanced undergraduate level. Cosmological metaphysicians don’t have much choice, then, but to learn enough mathematics to understand such ideas.

However, philosophy in general, and metaphysics in particular, isn’t as ‎puro‎ as mathematics because it must engage with the messiness of the world to help us ‎verificar‎ its truths. It therefore does not have the luxury of being purely abstract. Metaphysics attempts to extract truths about the world and articulate those truths in propositional format. It does this by examining the logical consequences of assumptions about reality which are based as closely as possible on reality, almost exactly like mathematics (counting and geometrical figures are empirical starting places for much of our mathematical reasoning) – and so metaphysics must begin with the recognition that the sciences are the only legitimate way to ‎gancho‎ our ideas to reality. Even a powerful result like Noether’s theorem is of no real application if we don’t have good, data-supported reasons to think that conservation laws apply to the universe. Metaphysical pursuits that become too tangential to the world by being ‎alheado‎ to science are little more than academic hobbyhorses.

One might contest that some branches of philosophy, like ethics, don’t need to articulate truths about the world, or even that no branch of philosophy does because the ‎alçada‎ of philosophy is inherently abstract. Whatever merit resides in this objection is lost to the fact that even if philosophy simply works out the logical consequences of various assumptions, the real-world worth of those assumptions comes down to being based upon observations of reality. Further, if philosophical inquiry is to have real-world significance – which has been the goal of every ethicist since Socrates – the results of one’s inquiry must be capable of being applied. Peter Singer’s eloquent adjurations against eating animals, for example, may be logical consequences of his assumptions, but both his assumptions and his conclusions are immediately tied to reality – don’t eat animals, a real applicable behaviour, because of the real suffering of real animals.

Moreover, the sub-disciplines of ethics in particular require tremendous insight into the nature of complicated real-world systems and a sincere willingness to revise beliefs in light of new discoveries – both of which are fostered by understanding science, the scientific methods, and the manner of scientific thought. Ethics plays out on the constrained system of human and other sentient psychology, which is a set of in-principle determinable facts about the world. (John Rawls, one of the most influential philosophers of the last century, explicitly acknowledged this in The Theory of Justice, as did Robert Nozick, one of Rawls’ principal detractors.) These facts are unlikely to be neat and clean in the same way as calculating ballistics for a rocket going to Jupiter, but they still represent a hypothetically knowable set of facts about the world. Poignantly, much within that set of facts is not arbitrary. Everything in that set depends entirely upon the realities of minds that perceive pain and pleasure, joy and despair, pity and schadenfreude. (Further, varied as we are, we’re not that varied, so normative statements are remarkably powerful, for all that they may miss in the particulars.) Ethicists, therefore, should be scientifically informed in multiple domains of thought, like psychology, neuroscience, sociology, and the particulars of any science applicable to their specific projects, such as medicine, biology, and genetics.

In having contributed to the development of the scientific method, philosophy can be said to be a cart that brought forth and hitched its own horse. It can hardly escape notice that both science and philosophy begrudge the hitching. Scientists, not unfairly, often criticise philosophers for making speculations that are untethered to reality and for failing to make substantive progress. Philosophers, not unfairly, tend to disparage scientists for a lack of philosophical savvy, whether that savvy is relevant to working in the sciences or not. Science, however, unambiguously gets exactly what philosophy is after: correct answers relevant to the world. At times, those correct answers are the desired outputs of the philosophical process, and at other times, they are necessary inputs since one key role for philosophers is to help science ask the right questions and make contextual sense out of the answers it obtains.

As a necessary result of this arrangement, no matter how much grumbling it stirs in the philosophically inclined, the fact is that good philosophy should be scientifically informed – the cart must be hitched to the horse to be of much use. Fortunately, the idea that philosophy should be more mathematical and scientific has a strong precedent in the history of the discipline. (Spinoza, Descartes and others, for example, are known for using the “Geometric Method” in philosophy.) And eminent philosophers recognize both the historical significance of maths and science on the discipline of philosophy and the consequences of its absence. Take, for instance, Daniel Dennett, who likened many philosophical projects to exploring the logical universes of a fictional and irrelevant variant on chess, and the harsher Peter Unger, whose Empty Ideas is devastating to enormous swaths of philosophical pursuit, especially those that are scientifically uninformed. If philosophy hopes to achieve its truth seeking epistemological and metaphysical ambitions, and thus have “abiding significance,” it must be rooted in science.

Still, just as good philosophers gain competence by being scientifically informed, good theoretical scientists gain competence by knowing more and deeper mathematics. This does not imply that all good science is heavily mathematical, as biology is a conspicuous example of good science that isn’t primarily mathematical. In On the Origin of Species, for example, there are no equations, but it abounds with observations and inferences. Even evolutionary biology, however, is deepened by the ideas in graph theory (the “tree of life,” for example), set-subset relationships (taxonomy), probability and combinatorics (gene inheritance), dynamic modelling (differential growth rates of populations to describe effects of environmental pressures, say as modelled by the Lotka-Volterra equations and others), stochastic processes (random variation of traits), and the combinatorial approach to thinking about DNA as “mathematical words” in a four-letter alphabet. No discipline is better than mathematics for tuning an intellect to think in such a manner.

Some may object that the onus to develop mathematical competence and habits of thought lays upon theoretical scientists more than on philosophers, but this sells short the capabilities of good philosophers and the demands of good philosophy. The lines that divide theoretical science and good philosophy of the sciences are both blurred and thin, and hence many branches of philosophy necessitate that philosophers are in fact theoreticians. In that case, just as theoretical scientists are ultimately beholden to the data, no matter the elegance of their models, so too are good philosophers. Therefore, it’s necessary that philosophers are scientifically informed and it would be worthwhile for philosophers to be mathematically adept.

When the conclusions of sound argumentation proceeding from evidence conflict with common sense, it should be the latter that we dismiss and not the former. Good philosophers don’t rely on intuition or comfort. They use maths and science to clarify and inform their philosophy. Maths helps hone skills of clear, rigorous thinking, and science is unparalleled at determining facts and explanatory theories describing reality. Maths and science are therefore crucial for philosophy to make contributions of enduring worth, and so those who wish to be good at philosophy should study both.

xxxx

Teorema de Noether: Matematica Necessaria aos Filosofos

Of course, mathematics is most clearly applicable to philosophy where it intersects with the mathematically hard sciences, like physics. Much in physics, for example, depends upon clearly understanding the scope, power, and impact of Noether’s (first) theorem, named for Emmy Noether. Her theorem, proved a century ago and published in 1918, was truly revolutionary for physics because it completely changed how we understand conservation laws, revealing that conservation laws follow automatically from certain assumptions of invariance of physical laws (for example, if the laws of physics do not vary with locations in space, conservation of momentum automatically follows). Whether Noether’s theorem is best classified as a result in abstract mathematics or theoretical physics isn’t important, but that philosophers need to understand it is, at least if they want to work competently on ideas related to that which it pertains. Fully understanding and appreciating Noether’s theorem, however, requires a solid grasp of abstract algebra, at the least at an advanced undergraduate level. Cosmological metaphysicians don’t have much choice, then, but to learn enough mathematics to understand such ideas

xxxx

Pesquisa:

Origem: Wikipédia

O teorema de Noether é um resultado da teoria de sistemas dinâmicos. A primeira versão do teorema foi demonstrada em 1918 por Emmy Noether.

Ela provou que toda grandeza física conservativa corresponde a um grupo contínuo de simetrias das equações. Simetria aqui é entendida como uma transformação matemática que deixa as equações inalteradas em sua essência, sendo que todas as simetrias possíveis formam um grupo (no sentido matemático do termo). Um grupo contínuo é um grupo de simetrias definidas por um número que pertence ao conjunto dos Reais.

Pesquisar “Algebra Abstrata”

xxxx

Pesquisar “geometric method”

xxxx

Inserir e pesquisar artigo do “Universo Racionalista” sobre o filósofo espanhol Jesus Mosterim (Musterim?), que foi lutador pela filosofia com base na ciência e tem muitos links para outros filósofos nesta linha… 

Matemática: Porque não é a logica da Natureza

sexta-feira, outubro 6th, 2017

xxxx

Muitos acadêmicos estão me cobrando a matemática que apliquei para desenvolver a Matrix/DNA Theory, alegando que sem matemática não tem valor cientifico. muitos não-acadêmicos mas intelectuais curiosos por Natureza ficam de olhos arregalados me perguntando de onde tirei estas ideias. ” Nunca houve origens da vida neste Universo”, ou ” não existe código genético”, ou na galaxia tem astros executando funções de machos e de fêmeas”, ou ” uma onda de luz contem o código da vida”, etc., realmente são frases nunca proferidas por outro ser humano. E nas explicações do porque destas frases, os ouvintes ficam boiando. E eu não tenho palavras para responder a resposta pois é algo relacionado ao funcionamento da psique que ainda não entendemos. Apenas sei dizer que os sete anos na selva me fez uma lavagem cerebral da cultura da civilização humana e neste estado regredido de mente vazia a selva com sua natureza bruta tratou de preenche-la. Eu não usei matemática, apenas me deitava na terra e ficava com os ouvidos colados nela tentando ouvi-la. Assim fiz com as arvores, com animais, a atmosfera, os rios e tudo o mais. Captei com o coração, não com a logica acadêmica. E como não tenho certeza se captei certo ou errado… fica tudo para o tempo responder a estes acadêmicos e intelectuais. Mas tenho a impressão que o mundo se explica por um segredo que não conhecemos ainda, e não pela logica matemática.

Vamos começar com um exemplo.

Desenhe uma esfera. Divida a esfera em 3 partes iguais. Para cada parte os humanos recorrem ao que eles inventaram e chamam de matemática, e dizem que vale 1/3, ou 0,333… Mas se você somar três vezes 1/3, obtém, 3/9. A esfera toda dizem que vale 1 inteiro. Ora, 3/9 não é 1. Ou então dizem que cada parte vale 0,333…. Some três vezes 0,333. Obtem 0.999…. O que não é 1.  Podes dizer que o pedacinho da esfera que ficou faltando vai aparecer quando você estender o numero, como 0,33333333… e por diante por todo o infinito. Não adianta, você sempre vai obter o 0,99999999…. Então, onde esta’ o pedacinho faltante?

Não tem pedacinho faltante, a Natureza não faz desaparecer pedacinhos no nada. Foi você que começou tudo errado, não a Natureza. Ela não fala matemática, não funciona pela logica matemática e não quer saber de matemática, ela é o que ela é, e a logica dela, ou ausência de logica alguma, não é a logica da matemática do cérebro humano.

Mas então como vamos resolver este problema de fazer 3 partes iguais ser igual a 1? Continuas errando. Ja disse que a Natureza, que é a inventora de esferas, não fala, não calcula com números e logica matemática. Você insistiu em dizer 3, 1, assim não vai a lugar algum. Tem que existir uma outra maneira de fazer o cérebro se sincronizar com a figura da esfera,  e com uma esfera dividida em 3… ( epa, olha eu escorregando na manteiga também), quer dizer, uma esfera dividida do jeito que você dividiu no desenho e exprimir isso com outro simbolo, outra logica que não matemática.

Um outro exemplo, se refere ao interessante fenômeno natural de muitas estruturas apresentarem uma bi-lateral simetria, o que produz o que denominamos de “beleza”. Procurando o segredo por tras disso, humanos perceberam nestas arquiteturas existe um padrao repititivo com uma razao proporcional e medindo este padrao com base na matematica encontraram o numero 1,618. Assim surgiu o mistico numero Phi e toda vez que os academicos observam o fenomeno suas mentes correm imediatamente para o Phi e pensam o fenomeno matematicamente. Sabe qual o resultado? Se cegam assim para um dos mais belos segredos da Natureza. Observando este fenomeno na selva e sem pensar com logica matematica mas sentindo-o como natural selvagem eu acabei descobrindo que aquele padrao e’ o mesmo que se repete toda vez que existe na Natureza um processo de reproducao de alguma coisa. Por exemplo, a meia haste esquerda do DNA se reproduz confeccionando a outra meia face `a direita. Mas quem executa todas estas reproducoes ‘e um flusxo de energia/informacao que corre dentro do cirtcuito dos suistemas. Quando ele nao esta ativo fica parado sempre num mesmo local. E sem usar matematica, mas curioso do porque humanos veem matematica onde nao existe matematica e sim um simples frnomeno vital, olhei o ponto de repouso dpo elemento em relacao ao tamanho da esfera do cirdcuito e vi o numero 1,618. Incomodado pequei reguas, medidores, desenhei o circuito da formiula e medi tudo. Agora tinha a certeza matematica de que, para os matematicos, aquele ponto e’ um numeo, o 1,618. Para mim sempre que ver tal fenomeno vou pensar em funcionamento sustemico, principio vital, o mecanismo das reproducoes, nunca num numero. Assim, temos duas diferentes visoes do mundo, com dois significados opostos entre si.

” Ora, mas é claro que a Natureza tem a ver com matemática. Nos colocamos um satélite em orbita de Marte, fizemos um robot descer na atmosfera no angulo corretíssimo para não ser queimado, tudo baseado na matemática.”

” Errado! A prova disso é que a tecnologia produzida pela humanidade esta’ se tornando cada vez mais desumana e anti-natural, confrontando, trombando com a Natureza.  Agora você vai ter lixo de ferro e borracha em Marte, para não dizer outros efeitos negativos para Marte. Existe outra maneira de obter conhecimento sobre Marte, que se sintoniza com o significado ultimo da Natureza. Existe outra forma de fazer tecnologia de maneira que um objeto levantar voo com sua própria energia, voe na ausência de gravidade ao senti-la e procurar o jeito, e entre na atmosfera atravessando-a, acompanhando as ondas do campo eletromagnético ou orbitando de acordo com as camadas de densidades da atmosfera até pousar no solo,… sem usar matemática, apenas os seus sensores de sentir a Natureza e se adaptar a cada lugar ou composição dela. Mas sabe porque mesmo esta’ errado? Quando você vai representar matematicamente cada uma das três partes de uma esfera, você cai numa dizima periódica que tende ao infinito. Então esta’ errado, porque a esfera não tem nada de se estender ao infinito, ela é um fenômeno que surgiu agora feita por você e continua aqui e agora, ela começa aqui e termina aqui,  nada tem a ver com infinito. Isto quer dizer que a continuação da dizima não pode se estender ao infinito, ela tem que parar antes de alguma forma. E como ela para? Não para,… ela se transforma.

Você vai dividindo uma coisa, um fenômeno natural concreto do aqui e agora, digamos, um átomo. Começa dividindo em duas partes. Depois das duas você faz 4. Das 4 faz 8… e continua. Chega a um ponto que não tem mais massa para dividir, você estará dividindo energia, o objeto não é mais um átomo. E nesse ponto você caiu na dimensão submicroscópica que é estudada pela mecânica quântica, onde as leis não são as leis do nosso mundo aqui e agora. Não sabemos ainda entender esse mundo de outras leis, mas de uma coisa temos certeza: ele é o suporte, é a base, a infraestrutura do mundo dos fenômenos aqui e agora. Estes fenômenos aqui e agora são construídos em cima daquela base, mas como não obedecem as leis da base, ele é um edifício como um castelo de areia, não tem apoio na realidade ultima.

“São nestes fenômenos irreais do aqui e agora, na construção do castelo de areia sobre areia movediça, que a matemática acerta. A matemática é uma logica errada em relacao ao mundo real ao mesmo tempo que é uma logica certa em relacao a um mundo ilusório. Se você quiser captar a logica do mundo real, procure a logica do mundo do mundo real. A matemática não nos fornece o sentido, o significado ultimo, a visão correta do mundo na sua totalidade, apenas uma visão desta nossa efêmera e imediata parte do mundo. Por isso a visão de mundo da Matrix/DNA se aproximou mais da tradução correta das verdadeiras leis, descobriu os mecanismos e amplos processos: por não ter usado a logica matemática e sim, ao observar a esfera dividida daquele jeito, apenas a memorizou daquele jeito, evitando a tentação de julga-la matematicamente como os humanos fazem normalmente.”

Como a Matemática salta entre os diferentes estados da luz

segunda-feira, fevereiro 27th, 2017

xxxx

Antes, os fenômenos pertinentes a relatividade geral de Einstein eram vistos separadamente dos fenômenos pertinentes ao electromagnetismo. Então Kaluza teve uma ideia. Experimentou adicionar uma nova dimensão imaginada (falava-se apenas em três dimensões, Einstein sugeriu que o tempo seria uma quarta dimensão. Então se e’, Kaluza adicionou a quinta dimensão pensando que era a quarta e sem ter ideia do que ela significaria), para calcular as equações de Einstein. E para sua surpresa, surgiram espontaneamente as equações de Maxwell, que descreviam o magnetismo (ver historia de Kaluza no link abaixo). Kaluza escreveu para Einstein que incentivou-o a publicar sua teoria, em 1921.

Quando eu calculei num gráfico cartesiano os passos dados pela evolução universal, desde o instante zero do Big Bang até o momento presente e aqui, deu como resultado que a evolução é curva, e não linear. Isto é logico e racional, pois a evolução de um tipo de sistema, partindo de um ponto, encurvando-se ate retornar ao ponto de partida, significa que o sistema evolui até seu máximo e se transformou, transcendendo-se. Então, o sistema universal que começou como uma partícula, se tornou átomo, depois galaxia, depois célula, depois cérebro, depois embrião de super consciência, e esta’ indo para seu fim, significa que todas estas formas materiais do sistema funcionaram como a placenta que se descarta e dela nasce uma transcendente forma: a superconsciência.

Suspeitei também que se a evolução for realmente curva – se os resultados no meu gráfico estiverem corretos – e sabendo-se que a evolução da matemática é linear, então chegaria a um ponto que a matemática sairia fora do caminho da realidade para se perder no reino da imaginação. Assim como a imaginação sai da realidade quando produz as misticas religiosas. Pois enquanto a linha da evolução vai se encurvando, a linha da matemática que começou paralela a essa linha, continua reta e assim, perde o bonde da realidade. De fato – penso eu que não sou matemático – acho que os matemáticos tem produzido toneladas de cálculos e equações que se tornam papeis amassados e jogados no lixo porque não encontram aplicação pratica.

Mas acontece em muitos casos que um calculo e equações que não encontram tradição pratica agora, passado um tempo, despontam acertando com a realidade. exemplos clássicos pode ser a teoria na matemática da curvatura da luz, de Einstein, que depois mais tarde foi comprovada por um experimento, a ideia da antimatéria de Dirac, até a quântica de Plank. Isto significa que a reta linear da matemática que saiu momentaneamente da sintonia com a linha curva da evolução, de alguma maneira, também se encurvou e retornou a se emparelhar com a evolução, re-embarcando no bonde la na frente.

Esquisito! Porque isso acontece? Como? Como encurvar a logica linear da matemática? A resposta esta na… luz!

Nos somos quase cegos, mudos, surdos, insensíveis. Pois o mundo total se expressa na sua inteireza apenas quando e’ observado por uma visão que vê as sete frequências do espectro eletromagnético, cujo conjunto eu digo que é ( mas posso estar errado) uma onda de luz natural. Não luz estelar, que é uma segunda forma mais grosseira da luz, e sim aquela ou aquelas ondas de luz emitidas com o Big Bang. E nesta figura esta a interpretação de uma onda de luz segundo a Matrix/DNA:

Light-The-Electro-Magnetic-Spectrum by MatrixDNA THeory

São sete faixas de luz necessárias para se ver qualquer objeto material na sua inteireza, mesmo que seja uma pedra. Porem, nos só vemos uma faixa – a chamada faixa da luz visível – por enquanto. Ajudados por alguns instrumentos tecnológicos que funcionam como extensões da nossa visão biológica, vemos sombras, contornos, de algumas coisas, mostradas pelas duas faixas vizinhas, a da direita e a da esquerda. Mas não percebemos esta alguma coisa apenas em relacao a visão, estes objetos nos estão ajudando a sentir o tato, a ouvir estas coisas também. Estamos percebendo diferentes estados vibratórios dos objetos, ainda ocultos aos nossos cinco sentidos. Então nossa inteligencia se ocupa destas sombras e contornos e elabora teorias. Sobre o que existe nas dimensões das faixas vizinhas.

Um dos métodos de elaborar estas teorias avançadas é justamente a matemática. Existem outros, tal como o que apliquei para elaborar a teoria geral da Matrix/DNA, que é uma tateação cega dos aspectos biológicos invisíveis dos objetos. Se estas teorias não alcançam a evolução do conhecimento humano até chegar onde elas chegaram, la’ na frente, os autores morrem sem saber se são validas ou não. Se algum novo conhecimento prova que os cálculos da teoria estão errados, ela vai para o lixo. Mas se algum experimento ou descoberta nova lembra equações teóricas, a matemática retorna a pauta do dia. Então, de alguma maneira, o autor da equação adicionou algo novo na sua teoria, algo inusitado, fora da linha normal do pensamento escolar, algo que encurvou a matemática. Acho que a ideia maluca do Dirac sobre raiz quadrada negativa, ou do Einstein de que a energia é apenas massa acelerada, deve ser exemplos destas adições encurvadoras, que fazem a matemática dar um salto saindo da realidade aqui e agora, mas entrando no reino abstrato da imaginação humana, para se retornar a realidade anos, ou seculos depois,

Então, a ideia do Kaluza seria mais um exemplo disso. Quando ele publicou suas equações, ninguém lhe prestou muita atenção, principalmente porque na época as cabeças pensantes do ramo estavam interessadas na teoria quântica. As equações de Kazula foram retiradas das prateleiras dos porões empoeirados das bibliotecas quando emergiu a teoria das cordas. Pois aqui Kazula se encaixava na realidade – ao menos na realidade provável sugerida pela teoria das cordas. mas o que acho mais admirável em Kaluza é que ele foi o primeiro humano a pensar – ao menos o primeiro a publicar este pensamento – que o nosso mundo seja composto de mais dimensões do que as três que ordinariamente percebemos. Ora, ele estava prevendo o que agora descubro estar embutido na onda original da luz.

A ideia de Kaluza era arrojada e bizarra na época, mas apenas isso, pois parecia não ter nada a ver com o mundo em volta de nos. Mas esta particular ideia – embora ainda não sabemos se esta certa ou errada – teve um enorme impacto na Física do ultimo seculo e continua a guiar muito da pesquisa de ponta.

Dentro destas sete faixas da luz, existe a divisão em sete micro-faixas, penso eu. Então, a percepção de fenômenos como a gravitação universal, a curvatura da luz, etc., mais atinentes a relatividade geral, seria uma destas microfaixas.  E o electromagnetismo estaria numa outra microfaixa, não vizinha da relatividade. O que Kaluza fez foram as equações pertinentes a microfaixa situada como elo entre as duas. Sensacional. Assim como o meu método me levou a produzir o modelo teórico do elo entre a evolução cosmológica e a biológica.

Nos temos que fazer todos os esforços possíveis para acelerar o desenvolvimento dos nossos cinco sensores naturais e fazer emergir mais alguns. Exemplo clássico é a antena externas dos insetos capaz de detectar algo dos campos magnéticos que no nosso cérebro esta atrofiada no interior do cérebro a ponto de se tornar um mero caroco – a glândula pineal. Temos que continuar a forçar o desenvolvimento tecnológico dos instrumento s de percepção, como Galileo fez ao pegar o instrumento óptico mais potente da época – uma simples luneta – e ficar polindo, engrossando, experimentando, na tentativa de aumentar o poder da lente. A recompensa vem, como veio para ele, ao ser o primeiro homem da historia a ver coisas no céu que seus vizinhos jamais imaginaram. E temos que respeitar e guardar qualquer nova equação, por mais absurda que seja, nunca deita-la ao lixo, pois ela pode estar cem anos a nossa frente, e com ela, podemos reduzir estes cem a cinquenta. As vezes a matemática rígida é tao saltitante como uma cabrita. Mas estes saltos são ótimos para acelerar a evolução da nossa vindoura superconsciência.

https://en.wikipedia.org/wiki/Theodor_Kaluza

 

 

Os Inconvenientes da Matemática Invadindo a Biologia

sábado, setembro 10th, 2016

xxxx

A Ciência ‘e como este cão: no seu estado furioso e’ Matemática, no seu estado fofinho, e’ Biologia…

Publicado por:

https://www.facebook.com/Soubiomais/photos/

E meu comentário postado no debate:

Louis Charles MorelliLouis Charles Morelli – Set/10/2016
Me desculpem invadir aqui como leigo, apenas estudante autodidata ficcionado em Biologia. Porem minha visão da Biologia e’ muito diferente de vocês pois sou filosofo que viveu sete anos na selva amazônica estudando aquela biosfera com uma abordagem empírica. Porque e como a Matemática (um exercício pela logica natural da razão humana)se relaciona com Biologia (uma forma mais complexa de organização da matéria em sistemas naturais)? Porque o produtor da vida biológica foi um sistema ancestral bio-mecânico. Esta mecânica se tornou a estrutura, o esqueleto da parte mole biológica, e a mecânica de esqueletos se estuda pela Física aplicando a logica Matemática. O criador foi este sistema astronomico descrito pela mecânica Newtoniana e suas propriedades mecânicas foram o principio do qual evoluiu as propriedades vitais. Acho que falta no curriculum escolar de Biologia o estudo deste ancestral onde envolve muita matemática, porem a química começou o desvio para um outro tipo de logica e a biologia prosseguiu este desvio, para desembocar onde a Matemática desaparece por completo, a neurologia e seu estudo da consciência. O ser humano tem uma tendencia mecanicista o que e’ um retrocesso evolucionário e não deixem a matemática invadir muito sua área porque ela impedira perceber sentidos e significados da vida, o que e’ essencial para os próximos passos evolutivos. Mas posso estar errado. Se alguém quiser ver a anatomia mecânica do ancestral, vá’ ao meu website, http://the universalmatrix.com

 

A Matemática do DNA – Regeneração de Trechos Perdidos

sexta-feira, maio 27th, 2016

xxxxx

http://cosmicfingerprints.com/mathematics-of-dna/

The Mathematics of DNA

(em fase de traducao e pesquisa) 

Imagine that someone gives you a mystery novel with an entire page ripped out.

Imagine que alguem lhe de um livro sobre uma novela de mistério com uma pagina cortada fora..

page_ripped_out2

And let’s suppose someone else comes up with a computer program that reconstructs the missing page, by assembling sentences and paragraphs lifted from other places in the book.

E vamos supor que outra pessoa venha com um programa de computador que reconstrua a pagina faltante, montando sentencas e frases obtidas nas outras paginas do livro.

Imagine that this computer program does such a beautiful job that most people can’t tell the page was ever missing.

 

DNA does that.

In the 1940’s, the eminent scientist Barbara McClintock damaged parts of the DNA in corn maize. To her amazement,

the plants could reconstruct the damaged section. They did so by copying other parts of the DNA strand, then pasting them into the damaged area.

This discovery was so radical at the time, hardly anyone believed her reports. (40 years later she won the Nobel Prize for this work.)

And we still wonder: How does a tiny cell possibly know how to do…. that???

A French HIV researcher and computer scientist has now found part of the answer. Hint: The instructions in DNA are not only linguistic, they’re beautifully mathematical. There is an Evolutionary Matrix that governs the structure of DNA.

 

xxxxx

Pesquisa:

Checksum – Pela Matrix/DNA sugestão, checksum e’ quando se pega o fio inteiro do circuito esférico externo de um sistema na forma da Matrix e costa-se-o em pedaços, para utilizar um pedaco no reparo de outro circuito amalogo que tenha sido danificado justo no trecho daquele pedaço.

Mas em termos acadêmicos checksum tem uma definição:

https://en.wikipedia.org/wiki/Checksum

A checksum or hash sum is a small-size datum from a block of digital data for the purpose of detecting errors which may have been introduced during its transmission or storage. It is usually applied to an installation file after it is received from the download server. By themselves checksums are often used to verify data integrity, but should not be relied upon to also verify data authenticity. ( ver mais)

xxxxxx

Phi : a Formula da Matrix/DNA Revela a Causa dos Seus Segrêdos.

sábado, abril 30th, 2016

xxxx

Veja abaixo o espetacular vídeo sôbre as presenças do numero phi na Natureza

xxxx

Phi Number

Phi Number

Porque desde a antiguidade os seres humanos tem encontrado muitas coincidências nos fenômenos naturais relacionados a um numero, 1,618…, denominado numero Pi ou Phi? Existe alguma manifestação supernatural por trás dêste numero? A Natureza obedeceria a uma “sagrada geometria”? Seria um indicio de que o nosso mundo teria sido o produto de um plano muito inteligente, tanto que o Universo todo estaria “tunelado” desde antes de suas origens para produzir a Vida, a auto-consciência,  e quem sabe mais o quê? Estaria o aparente caos sem sentido do nosso mundo sustentado e determinado por uma fórmula oculta no meio da matéria?

A letra Phi

A letra Phi

Bem, pode ser que Deus não usa nenhuma formula para criar universos, mas o Universo em que existimos poderia ser reproduzido em outro lugar aplicando-se uma fórmula que o Homem descobriu. Se Deus continua por aí criando universos e está tendo muito trabalho porque usa métodos antiquados, êle pode telefonar para nós que lhe cedemos a fórmula, a qual trabalha sózinha enquanto êle pode ficar sentado assistindo. Nós simplesmente primeiro descobrimos que no Big Bang apareceu um sistema muito simples que vem  evoluindo durante estes 13,7 bilhões de anos. No inicio era apenas vórtice qiantico contendo as sete fôrças brutas naturais, isto evoluiu para o sistema atômico, depois o estelar, depois o galáctico, depois o sistema celular vivo, e agora está surgindo mais uma sua nova forma que chamamos “sistema auto-consciência” . Em seguida desenhamos todos êstes sistemas sôbre uma mesa e ficamos observando-os. Logo notamos que havia algo em comum, presente em todos êles. Assim como no sistema “corpo humano” existe as veias e o sangue conectando tôdas suas partes, tambem em todos os sistemas existe um fluxo de energia/massa conectando todas as partes. Acontece que se desenhar-mos ao lado todos os fluxos de todos os sistemas, obtemos uma unica figura! Êste é o fator comum a todos os sistemas naturais. Se quiser-mos construir um sistema artigficial imitando os naturais basta assentá-lo sôbre esta fórmula

Bem, isto é o que diz a teoria em cima da mesa. Mas já se vão 30 anos e todos os dias encontrando evidencias desta fórmula na Natureza que, raios… parece que a teoria está certa. São eviidencias assombrosas porque explicam cada coisa com uma explicação qie nos faz viajar longe no tempo e no espaço, indo e voltando do Big Bang… Uma destas estonteantes explicações foi a que agora descobrí quando media o circuito da formula com regua e compassos. Quando marquei um numero em cima de uma das sete finções da formula, escreví distraidamente o numero 1,6. Mas daí me perguntei: “Todas as outras funções tem numeros inteiros, porque só essa tem numero quebrado?! Que função é essa? A de numero 5. O que ela faz? É responsavel pela reprodução e perpetuação dos sistemas. Ela tem uns tr6es métodos diferentes para reproduzir um sistema, isto depende do meio-ambiente em que o sistema se encontrar. Um dos métodos é dividir o sistema em duas metades, introduzir estas duas metades na matéria, cada uma reconstrói sua metade faltante e assim se tem dois sistemas. É o processo da meiose, no DNA. Olhando bem esta formula, esta função é responsavel pela bela simetria bi-lateral que muito aparece na natureza, até nos nossos rostos, quando está evidente a face esquerda é reprodução da direita e vice-versa…

Mas quando pensei em bela simetria bi-lateral… sentí um arrepio e parece que mais uma vez uma luzinha acendeu lá dentro do meu cocuruto. Que foi?! Botei os olhos rápidamente sôbre a fórmula para não deixar escapar algo que estava escapando, olhei as duas metades, a função no meio, o numero escrito em cima, 1,6, enquanto o som de “bi-lateral simetria”continuava ribombando em minha mente e… Eureka!

O numero phi!!!

A razão dourada!!!

A sagrada geometria!!!

Cadê  o  Phidias, preciso contar essa prá êle!

Mas é claro! Porque o lado maior de um triangulo dividido pelo maior dá 1,618? Pela mesma razão que se seu dividir uma esfera em duas metades e separa-las,  a linha de cada uma será sempre 1,618! E a formula universal, a Matrix, é uma esfera…

– ” O que?!!! Mas nunca ninguem descobriu isso? Você está agora querendo estremecer os alicerces da geometria euclidiana sôbre a qual se assenta nossa matematica por mais de dois mul anos?! Tu tá louco?”

– “Bem… espera aí… deixa-me ir com calma. Eu quase nada sei da matematica e do estudo da geometria das esferas, mal me recordo do que aprendí na escola, aquelas coisas de seno, cosseno, tangente, meridiano, raio, etc.  Estou ferrado! Mais essa agora: vou ter que buscar material e estudar tudo sôbre isso. Mas por enquanto, vamos raciocinar aqui…

Se desenhar um relógio sem ponteiros, vamos dar o valor 100% á linha da esfera que vai do numero das 6 horas ao nunero das 12 horas. Chegando nas 12 horas, vamos continuar traçando nossa linha mas para dentro da esfera, até o ponto no centro. Êste segundo risco é o que se chama “raio” e êle deve medir 61,80%. No total é 1,618, o mumero Phi.  Será mesmo? E será que nunca ninguem descobriu isso ou essa história já a sabia o povo antes de J. Cristo?

Bem, tenho que deixar essa pesquisa para outra hora, por enquanto vou escrever aqui o qie descobri sem a pesquisa:

xxxxxxx

Existe uma fórmula natural que é uma fôrma, um “template”, sôbre a qual se assenta todos os sistemas naturais, desde átomos a galáxias a corpos humanos, a qual podes ver no diagrama abaixo. Esta fórmula é uma fôrça natural que atua no meio da matéria que se encontra na forma de massa e a conduz a adquirir uma forma, a se organizar como sistema funcional. E a principal caracteristica de um sistema qualquer é o circuito por onde flui suas informações, dividido entre as ondas do tempo e as particulas da matéria espacial. Quando consideramos o circuito total como sendo um inteiro, ou seja, 100%, obtemos um numero desta porcentagem para cada ponto do circuito. E o numero “1, 618%” cai exatamente sôbre a peça que executa a reprodução do sistema , mais exatamente na Função Sistêmica n.5. É a função da perpetuação dos sistemas, por exemplo, a que perpetua a espécie humana através da reprodução de suas geraçòes. Sendo a fórmula o fractal universal da qual tudo se multiplica e se deriva, o numero Pi é o multiplicador de fractais naturais. Por isso êle é a razão matematica encontrada por exemplo, em todos os poligonos que se multiplicam para formar a flor do girassol, ou a razão matematica entre as camadas espiraladas que compoem a carapaça do caracol. Esta descoberta em muito poderá contribuir para nossa tecnologia e evolução. Do ponto de vista materialista o numero Pi é uma consequência obrigatória e natural do movimento das fôrças naturais. Do ponto de vista filosófico o numero Pi tem a possibilidade de ser mistico e sagrado desde que sabemos que a fórmula mencionada, a Matrix/DNA Universal, veio de fora do Universo, de alguma fonte ainda desconhecida.

Olhe agora o diagrama da Matriz. Como você não está treinado a pensar e captar o mundo através da ajuda da Matriz, vou adiantar: o numero pi, 1,618 está dentro da Função 5. Cometa no céu, espermatozóide no corpo, RNA na célula! Justamente a função que duplica a face esquerda produzindo a direita. A bi-lateral simetria! O supremo mistério das formas perfeitas, a essência criadora da beleza!

The MatrixDNA as Closed System

Ainda estou atordoado com esta recente descoberta proporcionada pela fórmula da Matriz: a causa, a fonte primeira, da Proporção Áurea, como querem os matemáticos e ateus, ou da Divina Proporção, como  querem os místicos e religiosos, simbolizada pelo Número Pi, ou Phi – pois parece-me que estou tocando ou os pés de Deus ou o máximo segrêdo do Universo, pois nunca chegamos tão perto!

O que é a Proporção Aúrea? Observe a imagem abaixo do diagrama da fórmula da Matriz. Vamos representar uma volta completa pela circunferência pelo número 1 cm. Agora vamos reiniciar uma segunda volta, sempre começando pela Função 1. Mas quando chegar-mos à Função 4, paremos por aqui. Foi dada meia volta, o que vamos representar por 0,5 cm. Portanto temos 1,5 cm. Agora, ao invés de seguir o fluxo da circunfer6encia, vamos desviar nossa linha pelo ramo lateral que emerge da Função 4 e retorna à Função 1. Partindo do ponto central do quadrado 4 e pontando na direção do nucleo, vamos andar 0,1888 cm e parar aqui. Onde estamos? No momento que emerge da Função 4, a Função 5. Neste ponto temos 1,6888, o numero Phi.

E o que significa a Função 5? É a força universal que modela o agente criador da reprodução. Ela criou o cometa no espaço sideral,o espermatozóide no corpo humano, o RNA na célula, a uracila no nucleotideo. E o que tem isto a ver com o numero Phi que vemos criando a bi-lateral simetria, que é a origem da beleza das formas, das Artes, etc.? Tudo! Basta saber que a fórmula da Matriz representa um ser sendo transformado por um ciclo vital. Que a evolução do ciclo é representada pelo fluxo de informações que corre no circuito, começando pela Função 1 e indo no sentido horario até retornar ao ponto de partida. Portanto, a fórmula primeiro constrói o lado esquerdo da face. Assim como, na origem da Vida, primeiro foi construído o RNA, que é uma haste parecida com a haste esquerda do DNA.  Quando termina o lado esquerdo da face, o fluxo continua, agora para construir o lado direito. Assim como o RNA, depois de milhões de anos, se reproduziu numa haste direita e formou o DNA. Mas tanto os nucleotideos de RNA como do DNA só se reproduzem se atuar o agente reprodutor, a uracila. A qual é o numero Phi.

Em suma: a bi-lateral simetria é a reprodução de uma metade de um corpo qualquer em outra metade à sua imagem e semelhança. Mas para que seja criada uma arquitetura natural com bi-lateral simetria tem que atuar a força natural responsavel pelo fenômeno da reprodução. E esta força é ativada quando o fluxo da criação alcança seu ponto 1,6888.

Se eu fôsse crente diria que você está de parabéns. Acabou de conhecer a geometria e a matematica não como se apresentam no pensamento dos homens mas como funcionam no pensamento de Deus quando realiza Suas criações.

Às pressas vejo um vídeo espetacular, uma maravilhosa obra de arte e Ciências interligadas, que foi indicado no forum do site Ceticismo Aberto. Veja-o nêste link (mas volte depois aqui e leia para continuar seu maravilhamento):

http://vimeo.com/9953368

E então mais uma súbita descoberta ocorreu-me: a fórmula da Matriz/DNA pode ser representada e calculada matemáticamente, o que pode ser a oportunidade para apresenta-la `a comunidade cientifica e até ser reconhecida como teoria cientifica. Mais: todos os produtos e serviços baseados ou inspirados nesta fórmula podem agora ser medidos tendendo à perfeição. Por outro lado descobrí porque a Humanidade tem notado a presença repititiva estranha de um número (pi= 1,618…) nos fenômenos naturais, a ponto de definirem-no como o “número de ouro”, a “proporção áurea”, ou até mesmo impregnado-o com uma áurea mística denominando-o de “número mágico”, a “proporção divina”. A explicação surgiu-me tão lógica, tão racional, que me surpreendo por não ter notado isto antes.

Observe-se o modêlo da Matriz/DNA no estado de software de um sistema fechado em si mesmo, um moto-contínuo, de preferência quando destaca o fenômeno dos cromossomas.

origem-astronomica-dos-cromossomas-sexuais.jpg

E agora volte `a definição do número pi:

A proporção áurea, também denominada phi (φ), é um número irracional igual a 1,618 obtido a partir da seguinte igualdade: φ = (a+b) : a = a : b. Então, considerando o esquema dado na figura abaixo,

o resultado da equação algébrica será igual ao número phi (φ).

Olhe agora o diagrama da Matriz. Como você não está treinado a pensar e captar o mundo através da ajuda da Matriz, vou adiantar: o numero pi, 1,618 está dentro da Função 5. Cometa no céu, espermatozóide no corpo, RNA na célula! Justamente a função que duplica a face esquerda produzindo a direita. A bi-lateral simetria! O supremo mistério das formas perfeitas, a essência criadora da beleza!

Bem, vamos ver isso em detalhes…

A circunferência representa o circuito pelo qual flue a energia do sistema, alternada em ondas e partículas, carregando as informações. Podemos representar o circuito inteiro pelo numero 1, inteiro. Desta maneira, para cada ponto do circuito existirá um numero decimal. Por exemplo, se dividir-mos o circuito em 6 partes como está na figura acima, a Função 1 terá o numero 0,1666…, na primeira volta do fluxo. Numa segunda volta, teria o numero 1,1666… , pois que o numero inteiro representa a quantidade em que o sistema existe. Desta maneira, por onde estaria o numero pi? Sendo 1,618, significaria que ele representa uma vez o sistema e mais uma parcela de uma cópia do sistema. Certo? E qual a área copiada do sistema que seria 0,618 dêle? Bem, calculemos:

Função 1 = 0,66666; Função 2 = 0,3332; Função 3 = 0,4998; Função 4 = 0,6664… êpa, chegamos pertom e passamos o numero 0,618. Paremos aqui e vamos analizar o que está acontecendo no circuito nesta região. Por enquanto minha mente ainda não aprendeu a ver o software e sentir, definir, o estado do fluxo em cada ponto, pois é ainda dificil para nós mentalizar o que é na realidade um fluxo carregando informações na sua forma abstrata. Acredito que, desde que nossa mente é um software, e é a forma mais evoluida do software universal aqui denominado Matriz/DNA, ela vai aprender a  entender de pronto qualquer sistema natural porque ela poderá ver o fluxo do software no hardware do sistema. Mas enquanto não chegamos lá, temos que nos contentar em tentar conhecer qualquer coisa num sistema observando suas partes e comparando-as com o mapa do software. Então voltemos ao nosso problema: existe alguma coisa especial na Função 4 que a tornaria presente nos fenômenos de maneira quase mística representando a razão áurea?

A Função 4 significa mitocondria na célula, pulsar no céu. Sendo a célula um sistema aberto, torna-se mais dificil qualquer análize porque temos que estar considerando tôdas suas relações com o exterior. O melhor é tomar como exemplar o building block dos sistemas astronomicos por ser o unico sistema fechado em si mesmo, o mais estável, pois não se relaciona em nada com o exterior, o mais “perfeito” que a Natureza conseguiu produzir no sentido de ser um moto-contínuo. Então vamos abordar o problema tendo a imagem do pulsar ocupando nossos pensamentos. As origens do pulsar começa com os tempos finais de um planeta e comparando-o com o ciclo vital humano, é a fase quando o adolescente está entrando na fase da puberdade. Sinto que no futuro vamos desvendar totalmente o mistério do numero pi quando conhecer-mos melhor o processo da evolução ocorrido entre a organela ribossomo e a nova espécie para a qual ela evoluiu, a mitocondria; existe aqui um processo em que o fluxo do sistema que está apenas montando coordenadamente as informações, passa a processa-las. Mas por enquanto, este processo ainda nos é desconhecido. Pois nosso problema é identificar o ponto exato dentro da vida do pulsar onde o fluxo de informações tem o numero 1,618. Sabemos que quando ele está exatamente completo, no exato momento quando ele se formou por completo e vai começar sua entropia, ele tem o numero 1,6664. Nêsse numero ele passou da fase de puberdade e já está emitindo espermatozóides, ou seja, magma na forma de cometas. Existe uma diferença de 0,0484 entre o pulsar na sua forma maxima ( 0,6664) e o numero pi (0,6180). Isto significa que para encontrar o pi temos que retornar um pouquinho desde sua forma maxima.

O planeta recebe a energia solar que adentra seu corpo alcançando seu nucleo e dando inicio ao despertar de germe de estrêla que ele carrega em seu bojo. Este despertar é materializado na forma de reações nucleares, as quais consiste na alimentação do germe, que utiliza as energias nos atomos das camadas tectonicas como se estas fossem a placenta. Estas reações produzem gazes em elevadas temperaturas que procuram uma valvula de escape e assim produzem os vulcões através dos quais os dejetos resultantes da alimentação são expelidos na forma de magma. Quando o germe vai em estado adiantado já se tornando um feto a superficie do planeta já está tomada por vulcões cada vez mais gigantescos e poderosos, de maneira que em dado momento não podemos mais defini-lo como planeta mas sim algo a meio-têrmo entre planeta e supernova, entre o feto e o bebê. A este meio-têrmo resolvemos por enquanto dar o nome de pulsar, porque a imagem de um astro girando e mostrando o pipocar de luzes em sua superficie devido as erupções vulcanicas nos parece aquelas fontes de luz que ficam pulsando. A queima de sua matéria pesada vai tornando o astro cada vez mais leve o que o torna capaz de se libertar da fôrça de atração da estrela e desta vai se afastando, assim como os jovens após a puberdade começam a namorar e a se afastarem dos braços da mãe, da proteção do pai. Enquanto isto sua força gravitacional tambem diminui, torna-se mais dificil manter coisas pesadas na sua superficie. Assim , os vulcões cada vez mais poderosos emitem lavas com maior violencia que caem no espaço sideral, se “arredondam” e formam o que denominamos de “cometas”. Enquanto isto, a matéria energética mais leve que permanece caminha na direção de se constituir em estrela e quando cai a ultima camada de rocha da superficie, explode ou desabrocha, como uma nova estrêla, uma supernova.

Isto significa que no pulsar ocorre uma bifurcação do fluxo de energia do circuito sistêmico, o qual transporta as informações do sistema. Uma parte, talvez ecxatamente a metade, vai para a estrela, a Função 6, para continuar o ciclo vital representado na circunferência: a outra parte, talvez a outra metade, vai como cometas, a Função 5, caindo na espiral da galaxia e com destino ao nucleo do sistema onde o aguarda um belo buraco negro. Não preciso repetir aqui, penso, que o cometa é a contraparte astronomica do espermatozóide. Estaria o numero pi sendo levado dentro do espermatozóide?!

A coisa começa a fazer sentido. Numero pi, crescimento, pela duplicação ou reprodução de um sistema já feito, que é exatamente a função da funcão 5, do espermatozóide. Mas não apenas isto! Note que quando o fluxo chega na Função 4 ele completou a metade do sistema. Ele acabou de desenhar o lado esquerdo da face. A linha de fluxo que desce com F5 é a linha fronteiriça entre os dois lados da face. Se o numero pi está aí, ele está exatamente onde é gerada a bi-lateral simetria. Está aí o porque a Arte encontrou o pi! A divina proporção!

Tôda vez que num desenho você deseja desenhar as coisas numa proporção exata que transmita realmente uma imagem, voçê precisa ter a proporção áurea na mente. Não podes, num retrato, desenhar o olho esquerdo maior que o direito. A Natureza como artista faz assim para nos dar uma face o mais perfeita possivel: ela olha ou mentaliza a imagem de uma face inteira ( se ela fala a linguagem matematica ela dirá “uma”; aí observa bem uma metade (até aqui ela chegou na “uma e meia”, ou 1,5) e pinta a outra metade. Mas deixemos de divagações e retornemos ao problema. Em que ponto do pulsar ou do cometa está o numero 1,618? Sabendo-se que o planeta na forma maxima é 0,49998 e o pulsar na maxima é 0,6664, pode-se apostar que o 0,618 é o momento da bifurcação no pulsar. É exatamente o numero que representa a quantidade ou estagio da carga genética carregada pelo espermatozóide. E porque ele carrega 1, 618 e não apenas 0,618? Porque se o fizesse não haveria reprodução de machos apenas de fêmeas. XX, a carga feminina, significa que o sistema existe por inteiro, uma vez X, e deseja expressar-se como tal na integra, por isso reforça o X. XY, a carga masculina, significa que o sistema existe por inteiro, que seu X possui não apenas a face esquerda mas sim as duas faces, porem quer expressar mais e dominantemente a parte esquerda que contem tudo o que precisa um macho do sistema.

O pi é sagrado?

A Matriz/DNA responde: “Mas… “rapaiz”… bota sagrado nisso!”

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

A seguir vou aqui reunindo e registrando na medida do possivel tudo o que aparecer nesta nova área de investigação que aqui se abriu.

1) Comentário postado no forum do “Ceticismo Aberto”.

“Obrigado, Gigaview, pela informação e oportunidade de nos maravilhar com este video.

Particularmente para mim houve uma emoção peculiar daquelas que acompanham todo momento de descoberta: sómente agora percebi a exatidão matematica no meu modelo da Matriz como sistema fechado perfeito e entendí algo espetacular: o numero 1,61, e a série Fibonacci. O que ele significa no seu nivel mais profundo?

Observando a Matriz conclui-se que este deve ser o numero exato que determina “reprodução”, auto-cópia, perpetuação de uma espécie, multiplicação de um padrão na forma de fractais. O Um inteiro significa o sistema natural completo, qualquer sistema,

 

como uma célula. Significa uma volta que o fluxo de informações dá no sistema, partindo da Função 1 e retornando à F1. Quando chega em F1 significa que ele copiou o sistema, ou seja, registrou a carga genética, todas as informações. Então o fluxo continua e quando chega em F4 (um pulsar na astronomia ou uma mitocondria na célula), emite um fluxo lateral que retorna imediatamente a F1, enquanto o fluxo normal segue para F6. Ora esse ramo lateral é o que reproduz o sistema, fornecendo a energia ainda nova para reciclar o sistema. E justamente na F4 –  se por-mos numeros em todo o fluxo medindo-o –  estaria o numero 1,61. Facil perceber o porque: o sistema completo tem sete funcões, ora a F4 é a metade, seria numeo 1,5,  mais um sétimo. Incrivel! Estou dizendo que este Universo é uma produção genética, o que implica software computacional, matematico. (se queres ver a matriz e entender isto veja-a no meu website). Abraços… Louis Morelli

(devemos agora pesquisar tudo sobre a serie Fibonacci)

Veja nos comentarios que seguem o link, como tais coisas suscitam a nossa queda pelo mistico.

1) Teotl Nahualli 13 days ago Excelente… es evidente que la serie Fibonacci y lo que se obtiene de esta, la proporción Sagrada Φ = 1.618034, son utilizadas en la naturaleza. Lo cual indica DISEÑO, es es decir, que aquellos idearon y realizaron, todo aquello que conocemos como vida, siguio este patrón predeterminado. DIOS? Yo no le llamaria asi, por que lo unico que indica esto, es que ellos tenian una gran nivel tecnologico.Comentário da Matriz/DNA: Eu penso que não precisaria de Deus ou inteligências superiores para produzir isto. Este fenomeno matematico deve ser derivado de uma das duas caracteristicas da Natureza: quantidade e qualidade. E este fenomeno se refere à produção da quantidade. Quando a Natureza produz um novo sistema pelo método genético ela precisa dar substanciação à estrutura, criar espaço com infra-estrutura para alojar as produções da qualidade, ou seja, da complexidade. Para fazer um osso por exemplo, é preciso criar massa óssea que dê os alicerces para as superestruturas, como órgãos, membros, etc. Então pode-se inferir que qualquer reprodução genética, inclusive com ratos que não usam inteligência para se reproduzirem, pode produzir esse fenômeno. Se este Universo é realmente uma reprodução, está assim explicado este fenômeno sem incorrer à necessidade de inteligência alienígena. Mas pode ser tambem que Deus seja um brincalhão a brincar com softwares vivos… · Jesús Olmo 10 days ago ‘Enlightenment reveals that the universe emerges spontaneously. Its emergence and pattern are perfect in mathematics and symmetry and involve no chance.
Nothing is random; everything emerges exactly as it has to. There is no random chance, or evolution based on chance. The universe is perfect. Nothing is wrong or ever could be.
Comentário da Matriz/DNA:Todos vêem que existe muita coisa errada no Universo, ao menos na biosfera terrestre. Acho que a mistica deste poster ( “the Universe is perfect”) deve-se a que ele não está a refletir sobre a realidade dual, dividida entre quantidade e qualidade. A quantidade é repetitiva, ela serve para fundamentar alicerces, óbviamente não pode conter variações, acasos. Mas a qualidade sob evolução que caminha sobre este alicerce asfaltico experimenta indefinidas opções, a complexidade está sim sujeita aos acasos. Mas se o Universo é uma produção genética, já está determinado antes dele surgir sua forma final, assim como meu corpo, antes de surgir, já tinha determinado sua forma humana. Então mesmo em têrmos de evolução da complexidade não existe acaso absoluto, pois todos os acasos que ocorrem estão dentro de um processo determinista absoluto. Os acasos ocorrem, mas a maioria dos efeitos dos acasos desaparecem na história, enquanto alguns são selecionados porque precederam um futuro evento determinado. Mas é possivel que no mundo do sistema que gerou o Universo as possibilidades evolutivas estejam abertas, o que implicaria que o Universo pode sofrer uma mutação e terminar com uma forma nova. Ou seja, alem do Universo não existiria determinismo absoluto. Acho que esta alternancia entre acaso e determinismo deve ser infinita, não tem solução.

Fine-structure constant : 0.08542455

Este é outro numero constante na geometria do Universo que toma ares de numero magico. O que significa? Bem, é quase a metade do pi. Note que esta constante ás vêzes é representada por outro numero: 137.03597.

The fine-structure constant has long fascinated physicists. Richard Feynman, one of the originators and early developers of the theory of quantum electrodynamics (QED), referred to the fine-structure constant in these terms:

There is a most profound and beautiful question associated with the observed coupling constant, e the amplitude for a real electron to emit or absorb a real photon. It is a simple number that has been experimentally determined to be close to 0.08542455. (My physicist friends won’t recognize this number, because they like to remember it as the inverse of its square: about 137.03597 with about an uncertainty of about 2 in the last decimal place. It has been a mystery ever since it was discovered more than fifty years ago, and all good theoretical physicists put this number up on their wall and worry about it.) Immediately you would like to know where this number for a coupling comes from: is it related to pi or perhaps to the base of natural logarithms? Nobody knows. It’s one of the greatest damn mysteries of physics: a magic number that comes to us with no understanding by man. You might say the “hand of God” wrote that number, and “we don’t know how He pushed his pencil.” We know what kind of a dance to do experimentally to measure this number very accurately, but we don’t know what kind of dance to do on the computer to make this number come out, without putting it in secretly!
If alpha [the fine structure constant] were bigger than it really is, we should not be able to distinguish matter from ether [the vacuum, nothingness], and our task to disentangle the natural laws would be hopelessly difficult. The fact however that alpha has just its value 1/137 is certainly no chance but itself a law of nature. It is clear that the explanation of this number must be the central problem of natural philosophy.
—Max Born, A.I. Miller (2009). Deciphering the Cosmic Number: The Strange Friendship of Wolfgang Pauli and Carl Jung. W.W. Norton & Co. p. 253. ISBN 9780393065329
The mystery about α is actually a double mystery. The first mystery — the origin of its numerical value α ≈ 1/137 has been recognized and discussed for decades. The second mystery — the range of its domain — is generally unrecognized.
—Malcolm H. Mac Gregor, M.H. MacGregor (2007). The Power of Alpha. World Scientific. p. 69. ISBN 9789812569615

O Numero Pi de novo: agora no cérebro!

novembro | 28 | 2010

Já registrei neste blog um artigo sobre o numero pi, pois fiquei surpreso ao encontrar um interessante significado para este mistério no diagrama da Matriz. Agora este novo artigo deve ser adicionado ao anterior (não tenho tempo agora) para posterior pesquisa.

Artigo publicado no site:

http://francisthemulenews.wordpress.com

VIII Carnaval de Matemáticas: El número pi oculto en el desarrollo de las neuronas de la corteza visual

Posted by emulenews en 19 Noviembre 2010

Imagina que haces un experimento para calcular cierta magnitud y obtienes el valor 3’14. ¿Qué es lo primero que te viene a la mente? El número pi (π), la relación entre la longitud de una circunferencia y su diámetro. Arquímedes, el gran científico de la antigua Grecia, realizó el primer cálculo sistemático del valor de π y obtuvo dicho valor. Veinte y tres siglos después, los científicos siguen maravillados cuando π les aparece de forma inesperada. Matthias Kaschube y sus colegas han encontrado que ciertas características en la distribución de las neuronas en la corteza visual del cerebro tienen una densidad cercana a 3’14 (π). ¿Por qué? Han desarrollado un modelo de autómatas celulares que permite explicar dicho número y que sustenta su hipótesis de que dicha distribución de neuronas no tiene un origen genético (aunque se preserva en el árbol evolutivo), sino que debe ser el resultado de la autoorganización de estas neuronas durante el desarrollo de la corteza visual. Nos lo ha contado Kenneth D. Miller, “Neuroscience: π = Visual Cortex,” Science 330: 1059-1060, 19 November 2010, haciéndose eco del artículo técnico de Matthias Kaschube et al., “Universality in the Evolution of Orientation Columns in the Visual Cortex,” Science 330: 1113-1116, 19 November 2010. Este artículo será mi segunda contribución para el VIII Edición del Carnaval de Matemáticas albergado este mes por Juan Martínez-Tébar, autor de Los Matemáticos no son Gente Seria.

La corteza visual primaria (llamada V1) está formada por una fina lámina de seis capas de neuronas. Las neuronas V1 son altamente selectivas a los bordes entre luz y oscuridad y a la orientación de estos bordes (algunas a la orientación vertical, otras a la horizontal y otras a diagonales con diferentes ángulos). Estas neuronas están organizadas en “columnas,” de modo que las neuronas debajo de una dada prefieren la misma orientación que las de más arriba. Las técnicas de imagen de la estructura neuronal del córtex permiten visualizar el “mapa” de la orientación que prefiere cada neurona a través del córtex visual (ver la figura que abre esta entrada). Estos mapas de orientación tienen una estructura cuasiperiódica: las orientaciones preferidas cambian continuamente a través del córtex, repitiéndose cada cierto número de neuronas con un “periodo” denotado por λ. Los mapas también contienen “nodos” o “molinetes,” puntos en los que convergen todas las orientaciones posibles. Kaschube y sus colegas han comparado (con una precisión sin precedentes) la densidad y disposición de los “molinetes” en tres mamíferos: el galago, un primate, la musaraña arbórea, relacionada de forma estrecha con los primates, y el hurón, un carnívoro relacionado lejanamente con ellos. Esta medición precisa de la distribución de “molinetes” ha requerido el desarrollo de nuevos filtros para “suavizar” el ruido en las imágenes del córtex; no entraré en los detalles.

Lo más sorprendente que han encontrado Kaschube y sus colegas es que la densidad media de molinetes por λ² es constante para estas tres especies, un número curioso, π, con un error del orden del 1%. El promedio es de 3’14 y el intervalo de valores observado es [3’08, 3’20] con un nivel de confianza del 95%; este intervalo corresponde a π ± 2%. El análisis de mapas de orientación generados de forma aleatoria indica que el valor esperado debería ser 3’50, mucho mayor que 3’14. ¿Qué es lo que significa que la densidad sea π? y ¿por qué la densidad de “molinetes” es π? Kaschube y sus colegas han encontrado una respuesta matemática realmente hermosa. Fred Wolf, autor principal del artículo, lleva muchos años desarrollando un modelo matemático para la formación de los patrones observados en el mapa de orientación neuronal utilizando autómatas celulares. Sistemas basados en reglas en las que una neurona elige su orientación preferida en función de lo que elige las neuronas que tiene a su alrededor. El modelo se basa en dos parámetros la orientación preferida y la selectividad. Estas variables se desarrollan a través de interacciones mutuas entre neuronas vecinas. Para obtener un valor de pi es necesario incorporar una interacción de largo alcance (entre neuronas alejadas por una distancia mayor que el periodo λ); estas interacciones existen en la región V1 y corresponden a conexiones sinápticas de larga distancia entre las neuronas. No entraré en los detalles de las reglas que resultan en que la distribución de “molinetes” presenta una propiedad de universalidad caracterizada por una densidad igual a π (en las simulaciones numéricas es un valor próximo). La universalidad observada en la organización de las neuronas del córtex visual aparece en líneas evolutivas divergentes; sin embargo, los mapas de orientación varían aparentemente al azar de una célula a otra, por lo que su origen exclusivo en la genética no parece razonable.

Por supuesto, estos modelos teóricos para el desarrollo de patrones en el neurocórtex están todavía en sus primeras fases de desarrollo y hay muchas incógnitas aún por resolver para que se pueda afirmar que se entienden en completo detalle desde el punto de vista matemático. La demostración experimental definitiva de que estos modelos son correctos requiere que se eliminen de alguna forma las conexiones de largo alcance entre neuronas durante el desarrollo del cerebro y que se pueda observar cómo entonces los patrones que se observan en lugar de tener un distribución determinada por el número pi adquieran un valor más próximo a 3’50. Por ahora parece difícil que se pueda lograr en los próximos años. Los alardes técnicos que se requieren parecen excesivos. Aún así, Wolf, Kaschube y sus colegas no cejaran en su empeño en demostrar que pi forma parte de nuestra manera de ver el mundo mucho más allá de lo que podemos imaginar.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Tambem será importante deixar registrado o artigo abaixo para continuar este tema, postado no site:

Adaptação

http://microsintonias.blogspot.com/2009/05/o-problema-da-forma.html#comment-form

terça-feira, 12 de maio de 2009

O problema da forma

Por que os organismos vivos possuem as formas que possuem? A pergunta é pertinente já que o sucesso dos seres vivos depende de pelo menos três aspectos básicos: 1) a conservação da organização da vida; 2) sua dinâmica (no sentido de desenvolvimento, movimento/deslocamento e atividade biologica); 3) e a forma (seu aspecto macroscópico espacial).
As formas adquiridas pelos seres vivos são determinantes para suas funções ou atividades e é condição de sobrevivência dentro da topografia ambiental (relevo). Se você é redondo poderá rolar bem ou mal no chão, a depender do relevo geral do ambiente. Se o relevo favorecer, mas se você não for redondo, não rolará.
Ao se observar as primeiras formas de vida, ou seja, aquelas mais primitivas e que são primeiramente descritas nos livros de zoologia de invertebrados, percebemos que a maioria é assimétrica, com padrões de crescimento irregulares, podendo ser sésseis (que não se desloca voluntariamente) ou rastejantes tais como as esponjas marinhas e o Trichoplax adhaerens, respectivamente. As esponjas são organismos sésseis provavelmente por serem, na sua maioria, animais irregulares com padrões diversificados de crescimento (eretos, incrustantes ou ramificados). O Trichoplax adhaerens é um metazoário rastejante de corpo achatado e assimétrico, feito de um agregado de uns poucos milhares de células de quatro tipos diferentes que se organizam em três diferentes locais. É considerado o organismo de menor conteúdo de DNA de todo o reino animal (até o momento). Pois bem, de alguma maneira, a partir daí, a evolução animal seguiu no sentido da simetria radial e /ou bilateral. Os desenhos dos corpos de muitos animais com simetria bilateral apresentam proporções entre comprimento e largura conhecidas como Proporção Aurea. A proporção áurea, também denominada phi (φ), é um número irracional igual a 1,618 obtido a partir da seguinte igualdade: φ = (a+b) : a = a : b. Então, considerando o esquema dado na figura abaixo,
o resultado da equação algébrica será igual ao número phi (φ). Como já foi dito, esta proporção tem sido encontrada em várias partes do corpo humano e de outros animais, bem como em alguns tipos de sementes vegetais ou mesmo em padrões de crescimento de conchas de moluscos ou populações de coelhos, entre outros, e inspirou Leonardo da Vinci a fazer o seu Homem Vitruviano (figura ao lado) e, segundo alguns, a própria Monalisa. Entretanto, muito antes disso, foi utilizada na Grécia antiga em uma das obras mais orgânicas da antiguidade: o Parthenon.
Se retornarmos um pouco mais no tempo geológico, mais especificamente há 1800 milhões de anos atrás, no pré-cambriano, em plena emergência dos primeiros fitoflagelados (organismos unicelulares autotróficos) ou das primeiras células fotossintetizantes, perceberemos claramente que em grande parte desses organismos, senão todos, a evolução se deu não no sentido da simetria bilateral, da qual extraimos a proporção aurea, mas no sentido das irregularidades, das assimetrias, das ramificações e incrustações aparentemente desajeitadas. Estamos falando da evolução dos vegetais como contraponto à evolução animal. Se por um lado os animais são simétricos e móveis, por outro os vegetais são assimétricos e obrigatoriamente sésseis. Ambos extremamente relacionados, pois o veneno de um (dióxido de carbônico) é o “combustível” do outro.
Então, parece que a evolução no seu sentido mais amplo teve como característica principal o paradoxo das formas. Ou seja, a regularidade simétrica dos animais gerando o movimento, no sentido de deslocamento de um lugar para outro, e a irregularidade assimétrica e séssil dos vegetais. Ambas sempre em consonância com a topologia ambiental. Esta aparente contradição gerou uma pressão ambiental sobre os ancestrais do homem que levou ao desenvolvimento de articulações capazes de realizar movimentos precisos entre espaços mínimos, como foi o caso dos australopitecus, presos entre o “bipedismo” terrestre e a vida nas árvores. Assim, configurou-se duas geometrias da natureza: uma das formas regulares e proporcionais, como é o caso da geometria euclidiana, e a outra das formas irregulares e descontínuas, com é o caso da geometria dos fractais de Mandelbrot. E é exatamente sobre a geometria dos fractais aplicada à forma dos seres vivos que pretendo me aprofundar nos próximos posts.

Grande abraço e até lá.

Postado por Waldemiro Romanha (wromanha@gmail.com) às 13:59
Meu comentário:
Artigo sôbre o pi e a Matemática:

Pi in the Sky

Is mathematics a divine language?
Pi in the Sky

Tuesday, November 30, 2010

Imagine, one day, that life shows up on another planet. Moreover, it’s intelligent life. Imagine, too, that we’ve a reasonably swift means of communication. We’d need a common language with which to talk. What might that language be? One candidate would be mathematics.

Mathematics seems to be a universal language. Science presumes as much: it works as a descriptive and predictive tool, both on the small scale and at the very large. Moreover, it works for systems that are very close and quite distant — so distant that they reach back to the earliest moments after the Big Bang. And when you stop to think about it, that’s quite remarkable.

It’s not just the universal nature of mathematics that’s striking; it’s that mathematics works at all. The natural world is a complex place. It’s packed with variations and permutations, random events and patterns so complex they are far from obvious to the eye. And yet, mathematics can capture so much of that intricacy. What kind of alchemy transforms the lead of messy reality into the gold of a simple equation? It’s a question that was famously asked by the physicist Eugene Wigner, in 1960. He wrote an essay with a title that says it all: “The Unreasonable Effectiveness of Mathematics in the Natural Sciences.”

Wigner notes the sense that many physicists have: mathematics seems to be discovered, not created. The reason to think this is that discoveries made about the physical world are often, first, discoveries made about mathematics. One of the best known cases concerns Einstein and his work on General Relativity. These equations implied something about the universe that Einstein, at first, refused to believe — that the universe was expanding. It was only later that cosmic expansion was observed by Edwin Hubble. Before then, though, Einstein tried to cancel what the math was implying by adding to his equations what came to be known as the “cosmological constant.” It was designed to cancel out the implication of expansion, though when expansion was shown empirically, Einstein referred to it as “the biggest blunder of my life.”

So, physics is about discovering the laws of nature, and those laws appear to be written in the language of math. Pi really is in the sky. Wigner continues:  “It is … a miracle that in spite of the baffling complexity of the world, certain regularities in the events could be discovered… It is hard to believe that our reasoning power was brought, by Darwin’s process of natural selection, to the perfection which it seems to possess.”

Those are strong statements. And the extraordinary nature of math can be developed further. After all, do not physicists routinely use criteria such as “beauty” to determine whether they are on the right track or not? The physicist Paul Dirac put it most clearly, in a 1963 article for Scientific American, writing, “It seems that if one is working from the point of view of getting beauty in one’s equations, and if one has a really sound insight, one is on a sure line of progress.” Of course, mathematical predictions must be verified by observation. But that such predictions are verified at all is the nub of the issue. Mathematics looks miraculous.

It’s an ancient idea. The philosopher Gottfried Leibniz mused on the power of mathematics, and it led him to draw theological conclusions. “When God calculates and thinks things through, the world is made,” he thought. The power and beauty of mathematics is exactly what you’d expect if the universe were created by a powerful deity, worthy of worship. The physicist and priest Michael Heller, winner of the 2008 Templeton Prize , captured the thought like this, in his book (co-authored with George V. Coyne), A Comprehensible Universe:

In the human brain, the world’s structure has reached its focal point: the structure of the world has acquired the ability to reflect upon itself… . In this conceptual setting, science appears as a collective effort of the Human Mind to reach the Mind of God… . The Mind of Man and the Mind of God are strangely interwoven.

And yet, is the unreasonable effectiveness of mathematics in the natural sciences really evidence for the existence of a deity? Is the language of math divine? There are good reasons to doubt it.

For one thing, there is the gap between the kind of deity implied by mathematics — a deity not unlike a computer — and the deity worshiped by Christians, Jews and Muslims. This is the living God of Abraham, Isaac and Jacob, not a God who spends eternity manipulating datasets.

So, it’s quite possible to be impressed by the “miracle” of math, and not become a convinced theist. This is the position adopted by the physicist Roger Penrose. He has articled what he refers to as a Platonic view. It can be conceptualized in this way. First, there is the physical world, the natural world that surrounds us. But there’s also a Platonic world — the ideal world of mathematics. The Platonic world maps onto the natural world in some way, perhaps via the imaginative power of human mental activity. And that, if right, means there’s no need to assume that the Platonic and natural world are wrapped up in some kind of divine embrace.

There’s a further reason to question the theistic reading of mathematics. For it’s possible that mathematics is not so unreasonably effective as Eugene Wigner supposed. The idea goes something like this:

(Comentário da Matriz:

O trecho a seguir corrobora o que encontrei no grafico carteziano calculando a evolução cosmológica, sôbre o que é a Matemática. O Universo tem muitas faces diferentes ao mesmo tempo. Cada face representa um estágio de sua evolução e cada estágio refere-se a um nível de grandeza, com suas especificas estruturas. Por exemplo, os humanos operam num nível de grandeza especifico, digamos, um nível médio, devido ao qual ele está limitado aos fenômenos ao nivel da superficie de um planeta, fenômenos que são bem diferentes dos que se relacionam à dimensão quantica, que estão num nivel de grandeza menor que o microscópico.  Cada tipo de observador verá num mesmo instante a quantidade de faces verdadeiras relacionadas aos niveis que ele conhece e mais uma face imaginaria, produto da imaginação do que deve ser o que ele desconhece. Eu cheguei a essa conclusão porque eu mesmo passei por essa experiência: fiz a minha busca existencial, primeiro colocando na mesa tudo o que conhecia de fato e a seguir experimentei várias maneiras de conectar estes fatos e no final projetei a nova visão de mundo no grafico carteziano e ali surgiu uma face do Universo, a forma do DNA. Porque? Foi a minha face imaginaria. mas condduzida pela minha racionalidade que é produzida pelos meus neuronios, no centro dos quais comanda o DNA. Portanto o DNA se projetou a si mesmo como a face do maior poder do mundo, da mesma forma que outros seres humanos levados pelas suas imaginações projetaram o seu corpo como o maior poder do mundo e disso resultou a figura e personalidade de um Deus humanizado. E o que tem isso a ver com a Matematica? No grafico observei que cada face é por sua vez composta por todas as outras faces, porem uma delas se expressa, enquanto as outras ficam apenas latentes. E como encontrei sete tipos de faces, sendo cada face uma pilha destas sete faces, isto siginifica que em cada face existem sete diferentes dimensões: a dimensão quantica, a eletromagnética, a atômica, a astronomica, a biológica, a emotiva, a conscientizada. Ora, em cada face existe uma faixa de de três faces consecutivas em que os fenômenos são fisicos/mecanicos. Nestas dimensões a melhor maneira de raciocinio para aprende-las e fazer previsões dentro delas é a matemática. Mas ela para aí: a matemática apenas traduz 3/7 de cada face. Por isso ela às vêzes consegue acertar previsões tão distante de nós. Ela atravessa a face onde operamos e atinge os 3/7 de outras faces, inclusive daquelas superiores que ainda não conhecemos. Como por exemplo as equações de Einstein estavam e estão à frente do nosso tempo. Portanto a Matematica se refere ao local e tempo onde operamos. E no trecho a seguir o autor que nada sabe sôbre a cosmovisão da matriz, vindo por caminhos diferentes chega praticamente à mesma conclusão:

At the level of the very, very small, the world is not smooth and continuous. It is lumpy. It’s the world of discrete energy levels and fundamental particles called quantum physics. One way of interpreting the quantum appearance of the very, very small scale is to say that at this level, mathematics is not smooth and continuous. It, too, is lumpy.

This suggests, in turn, that mathematics does not exist in some pure Platonic realm, but that it is just one more messy part of the fabric of the universe. There are, in fact, no universal mathematical laws, and no universal mathematics. Rather, there are local laws — bylaws, if you like. It just depends on where you look. To date, we’ve tended to look on the scale of the everyday and the very large. But as science gazes more and more at the very small, a new kind of math might be the result.

If that turns out to be right, then math may cease to look so unreasonably effective. The miracle, and its perfection, may start to look far less impressive. And if God does exist, future believers may conclude that he is not much of a mathematician after all.

xxxxxxxxxxx

Interessante informações no site:

The Dawn of Space and Time in a Selfconscious Quantum Universe

http://tonyb.freeyellow.com/index.html

Para quem enviei um Outlook:

Hi… I am following your website because there are very good information for my personal research. It is curious how different persons coming from different pathways in the search for answers, sometimes arrives to identical conclusions. About the number phi, my method has found that it is the mathematical point of any natural system that produces the reproduction of the system, as you can see in the formula at my website. We could changing useful informations for both…

If interested, see the article Sensacional Descoberta: a Explicação para o Número Pi e a Sagrada Geometria , Google it and translate. My website: http://theuniversalmatrix.com

Ohhh… I did not get to sign as guest, I got the message “error”. Any problem about that?

Cheers… Louis Morelli

xxxxxxxx

xxxxxxxxxxxxx

Matemática pode se tornar uma cultura virtual entorpecendo os sensores cerebrais?

quinta-feira, janeiro 7th, 2016

A Natureza não tem nada a ver com números e matemática. Absolutamente nada. Alguma vez alguém viu a Natureza apresentando um numero qualquer para qualquer coisa ou situação? Ou alguma equação matemática? Certamente não. Porque números e matemática são criações humans, e o Universo não esta nem ai para as criações mentais deste minusculo microbio habitando um perdido ponto na imensidão. Pois não e’ o Universo que e’ obrigado a se configurar segundo o humano que se julga no centro dos acontecimentos, ele ‘e do jeito que e’ e pronto.

– ” Mas como não? Eu sei que todo dia, as 12 horas ( isto são números), a sombra vai estar a 3 metros ( outra vez os números) da parede. Ou que a cada 240 dias (números), estaremos no outono”.

-” 12 horas? Ora tem muitos planetas girando a volta de muitas estrelas, que estão girando a volta de muitas galaxias. E’ isto que a Natureza mostra, disso ela trata. Se você quer separar a orbita de um planeta em fracões de tempo, problema seu. Você quer separar tempo numa concepção sua denominada ” hora”, problema seu.  E metro?! O que e’ isso? A Natureza nada sabe disso. Se você botou uma ponta de uma fita em algum lugar da natureza e depois cortou a fita fazendo outra ponta e depois decidiu ” bem, vamos chamar o espaço entre aqui e aqui de um metro”… problema seu. Para a Natureza existe espaço, apenas isso.”

-” Mas a Natureza e’ matemática. prova disso e’ que nos tenos equações que mostram por exemplo que aplicando tais forcas em tais quantidades, em muitos lugares e tempos diferentes, vamos sempre obter um mesmo numero final, o qual serve para prever o que vamos encontrar na Lua onde houver as mesmas forcas e quantidades.”

– ” Amigo, as forças estão por ai rolando e se encontrando e se separando. Nesse desenrolar, certos estados ambientais são repetidos aqui e ali, outros acontecem por acaso pela primeira vez e talvez nunca mais volte a acontecer. Se certos estados de um lugar e tempo são repetidas, e’ o movimento da Natureza. Equações não movem estas forças, equações não produzem estados ambientais. Se você quiser fica no meio destas forças e dizendo que um determinado estado ambiental se repetiu 5 vezes e nestas cincos vezes você criou uma equação que descreve um estado e esta espaço também descreveu os outros 4 estados, a Natureza não quer saber disso, para ela houve estados repetidos… por acaso. Portanto, dizer que uma equação e’ absoluta determinação exata para certos eventos e fenômenos, esta errado, porque a exatidão como efeito do acaso não tem funcionamento ou alicerce solido. Todas as suas equações estão boiando em cima do nada, pois este acaso nunca mais vai se repetir… senão não seria acaso.

 

Não queira antropomorfizar o Universo projetando nele as propriedades humanas, pois acontece o contrario, e o Universo que se projeta para todos os lados e uma destas projeções resulta numa figura humana. Projetando o humano sobre o Universo mentalmente você vai ter sempre uma visão do Universo que vai crescendo enquanto houver propriedades humanas para projetar, mas no momento que elas terminam, quaisquer outras informações que continuarem a vir do Universo não vai bater com sua grande figura do Universo. Você estava enganado desde o começo.

Quando você esta antropomorfizando o Universo você esta centrado em seu umbigo olhando antes para ti mesmo, com isso ficas cego para prestar atenção nas informações que o universo manda que não bate com essa antropomorfização. Relaxe, apenas fique com os ouvidos livres prescrutando o universo, anotando suas informações. As quais não vem em números e equações, vem na forma de forcas, elementos, espaço, ruídos.

O humano esta percebendo apenas 3 dimensões dos objetos, enquanto a String Theory sugere 11 dimensões existentes, e a interpretação dos muitos mundos vindos da quantidade sugere que estas dimensões são em quantidades infinitas. Mas seja la quantas dimensões existirem, porque estamos ainda captando apenas 3?. Um fundamental culpada e’ a matemática.

Nos temos apenas 5 sensores ligados ao cérebro e com certeza estes sensores estão ainda sob evolução. Um sensor que ate os insetos tem, e que foi mantido em pássaros, morcegos, e’ a antena. Existem evidencias suficientes que estas antenas os capacitam a captar algo na dimensão dos campos eletro-magnéticos. Mas nos humanos a antena chegou tao atrofiada que se tornou um pequeno caroco aprisionado no centro do cérebro, a glândula pineal. Porque este atrofiamento?

Porque nossos ancestrais certamente se desviaram do caminho que a natureza esta trilhando na sua propriedade que produz evolução de certos objetos internos, e desviados do ritmo em que ela se move. Se desviaram porque não tiveram o conhecimento necessário sobre o Universo em que existem. se a matemática esta construindo uma face teórica do Universo que não corresponde a realidade, não vamos desenvolver os sensores existentes e não vamos provocar a emergência dos sensores que nos faltam.

O Universo não consulta os humanos e pede uma equação para calcular como vai produzir um evento ou fenômeno. Simplesmente a longa cadeia de causas e efeitos que vem desde o Big bang vai se desenrolando, avançando. Se você esquece o Universo la fora e fica na escrivaninha lidando com seus números e conceitos matemáticos, você passa a lidar e viver num mundo virtual, o qual vai desliga-lo em definitivo do mundo real.

E’ isto que chamo o mundo intelectual dos matemáticos: uma cultura virtual. A qual se torna a Matrix que se volta contra eles, desenhando o mundo em que vão viver. Ate se esgotar todas as possibilidades intelectuais de desenvolver mais números e equações matemáticas, as quais são o alimento que mantem a Matrix viva. Quando se esgotarem a matrix enfraquece desnutrida, morre, e de repente voces caem de volta no mundo real. A qual com certeza sera uma experiencia dolorosa, senão fatal.

 

Matematica, Nunero PHI, e a Matrix/DNA

domingo, fevereiro 8th, 2015

As Ciências Exatas e Humanas estão dominadas por uma especifica visão de mundo, do Universo, que foi construída pela Física e Matemática. Esta visão está sintetizada no que se denomina de “Standard Model”. Qualquer outra disciplina , como a Biologia, a Medicina, Psicologia, etc., que propor uma teoria e experimentos sobre o Universo ou mesmo o Sistema Solar, encontrará o requerimento das instituições que regulam as Ciências, que a proposta contenha Matemática. Se não a proposta não passa deste requisito. E como estas disciplinas não podem usar Matematica para expressar os fenômenos naturais e os processos com que lidam, o Universo pertence exclusivamente àquelas duas disciplinas.

Isto parece razoàvel à primeiria vista. Afinal o que teria a fazer a Biologia, a Neurologia, a Bioquimica fora do planeta Terra, no Cosmos? As definições destas áreas já implicam isto: a Neurologia é o estudo dos cérebros, a Psicologia é dos pensamentos, etc.

Mas isto jamais será razoável porque nenhum humano pode por uma bandeira no Universo e dizer: “Isto tudo é meu!”

A maneira da Humanidade abordar os fenômenos siderais é constatar a existência de um objeto e tentar ver nele a maior quantidade possível de “quantidades” ou seja, o que pode ser medido e receber um numero. A partir daí todos os estudos sobre o objeto se limitará a desenvolver equações matemáticas com aqueles números. Mas e as “qualidades”, as quais revelam as conexões, as funções do objeto em relação aos sub-sistemas que ele contem, ao sistema como o corpo é, e aos macro-sistemas no qual o objeto está inserido? E os significados da existência do corpo, o qual se exprime conhecendo suas qualidades, comportamentos?

Hoje sabe-se calcular muita coisa sobre a gravidade, mas ainda ninguém apresentou cientificamente esta fôrça, ninguém provou do que ela é composta, de onde veio, etc.

 

Sabemos que o corpo humano tem uma propriedade muito importante na saúde que é a pressão. Mas é impossível resolver os problemas causados pelas variações desta pressão apenas aplicando a Física e a Matemática. Sabemos que nunca ninguém foi para fora do Universo, olhou-o de lá para apresentar um documento cientifico sobre o que é o Universo. E se o Universo é um corpo, um sistema, cuja “pressão” seja isso que estamos chamando de gravidade? A medicina não vai poder atuar na saúde da Terra porque não apresentou seus trabalhos na forma de equações Matemáticas.

Agora surge uma teoria contendo um modelo cosmológico permeado por processos genéticos e com indícios de macro-estruturas organizadas biologicamente. Mas a Matrix/DNA Teoria não tem como sequer passar pela primeira porta dos salões destas instituições academicas porque não existe como expressar ou traduzir estes fenômenos naturais sugeridos pela linguagem Matemática. Se o Universo que produziu a Biologia, a química, o cérebro humano, conter na sua estrutura e evolução qualquer processo biológico, orgânico ou mesmo da evolução Darwiniana, a Humanidade estará impedida para a eternidade de conhecer o Universo devido a este estupido,  arbitrário, autoritário, desonesto despacho interno forjado por alguns humanos que botaram uma bandeira nas Ciências Humanas e disseram: ” Daqui para a frente, nós somos os proprietários das Ciências Humanas”.

E a ultima noticia da Física e da Matemática aplaudida e selecionada por estes déspotas é a de que tudo, mas tudo mesmo, incluindo aí este Universo e o que mais que houver alem dele, veio do …NADA! Aí isso chegou aquela heróica e sábia iniciativa dos pais fundadores das Ciências e toda a Humanidade: ao NADA! E daí estamos impedidos de passar, ou sair, ou voltar. Qualquer rota sugerida para outra direção – como é a Matrix/DNA Teoria não poderá ser apresentada na forma de mapas, mas apenas de equações matemáticas. Isto é o cumulo da ignorancia! É a ambição financeira, de poder, de manutenção dos privilégios adquiridos, por predadores, na sua mais extrema expressão.

Mas o pior de tudo ainda não foi aqui mencionado. Os curriculuns escolares e acadêmicos são baseados neste regulamento. Os jovens são assim doutrinados para submissamente se encaminharem ao… NADA!

Tudo isso revela a ação algo ainda mais poderoso que os homens, uma força que flui invisível e sutilmente por entre nossas cérebros, nossos corpos, e cuja intenção é nos encaminhar ao Admirável Mundo Novo como robots governados pelo Grande Irmão. Esta força sugerida pela Matrix/DNA está inscrita na matéria que produziu esta biosfera e na genética que produziu os seres vivos. Ela vem de uma maquina estupida e visa modelar toda esta biosfera, Humanidade incluída, numa reprodução de si mesma. Como maquina, sua existência está apenas no reino da Física e sua linguagem é apenas a Matemática.

Mas eu vou tentar apresentar ao menos um minimo de Matematica para ver se passam os modelos teóricos da Matrix/DNA. É no que se refere a sua descoberta do significado natural do numero Phi.

Vejamos:

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Vamos dar o valor “1” à esfera inteira desta fórmula. O ponto de partida do fluxo que flui neste circuito começa em F1 e segue sentido horario. Portanto ao chegar no meio da esfera encontramos a F4, cujo numero será lógicamente “0,5). Ao invés de continuar nossa medição pela linha esférica, vamos nos desviar pelo ramo lateral interno do fluxo…

( a continuar)

xxxx

Pesquisa:

O número PHI é apenas o que é devido aos contextos em que está inserido: está envolvido em crescimentos biológicos, por exemplo. O fato de ser encontrado através de desenvolvimento matemático é que o torna fascinante.

Divisão em média e extrema razão. A partir de um segmento de 10 unidades, determina-se a sua seção áurea multiplicando-o por 0,618 (média). Para encontrar-se um segmento maior, em extrema razão, deve-se multiplicar as dez unidades iniciais por 1,618.

 

Quântica e Picaretagem Quântica: Um Conselho para a Matrix/DNA

sexta-feira, novembro 21st, 2014

Interessante vídeo de debates com link e titulo abaixo, nos lembra e informa que do ponto de vista da Física, todas as teorias esotéricas, como estas de auto-ajuda, se querem serem consideras Ciência, que não usem a quântica, pois a Física quântica mostra que ela trata do nível abaixo dos átomos apenas, nada vê em relação a consciência, medicina, etc.

O vídeo suscitou a postagem do nosso seguinte comentário:

PSEUDOCIÊNCIAS E PICARETAGEM QUANTICA

http://universoracionalista.org/2-hangout-do-universo-racionalista-pseudociencias-picaretagem-quantica/#comments

Avatar

Para começar, a Natureza não é propriedade nem dos picaretas mencionados e nem das atuais Ciências Humanas, como a Fisica e a Matematica. A palavra “quantica” é meramente um nome dado por humanos quando se referem a uma dimensão ou ordem de fenômenos naturais, ou seja, essa parte da Natureza é “quantica” para os humanos, não para a Natureza. Ocorre que os sensores do cérebro humano, limitados, não conseguiram captar esta dimensão, e a tecnologia produziu instrumentos que são extensões tecnológicas destes sensores, os quais não estão disponiveis a todas as pessoas, foram entregues pelos governos e corporações aos Fisicos, e não aos biólogos, neurologistas, etc. Por isso esta dimensão ainda está sendo estudada apenas pela perspectiva dos Fisicos e sua linguagem, a Matematica. É preciso democratizar o uso destes instrumentos de observação e medições, para que maior numero de diferentes perspectivas enriqueçam o conhecimento. E assim dê-os aos tais picaretas quanticos para que eles mesmos se destruam se constatarem que suas teorias não tem fundamento. O certo é que vão tentar experiencias e abordagens que os Fisicos não admitem.

Pela perspectiva da Matrix/DNA Theory, a Fisica faz um necessario trabalho de desvendar o “esqueleto” do Universo, formado de átomos, galáxias e forças, mas quem prova que este Universo que produziu o corpo humano, começa e termina nesse esqueleto? Não existirá na dimensão macrocósmica niveis de organização da matéria mais complexos, como o corpo humano possui alem do esqueleto, a parte carnal, mental? Se existir nunca será o método cientifico usado pelos Fisicos que os descobrirá, e nem a lógica matematica que se aplicará. Nem os atuais instrumentos que amplificam os sensores humanos, pois eles são compostos e desenhados mecanicamente.

A dimensão dos fenômenos abaixo dos átomos certamente toca os limites materiais deste Universo para baixo e os limites do seu passado nas suas origens. Assim como o estudo da embriogênese chega ao limite espacial microscópico do DNA e ao limite temporal no momento da fecundação de um óvulo. Mas de onde veio o DNA daquele embrião e de onde veio a causa da origem daquele embrião? Estão fora do “universo” estudado. Se na embriogênese ultrapassamos estes limites, ao invés de chegar-mos ao NADA ou a Deus, vamos chegar a pais humanos, ver que o mundo se abre numa complexidade muito maior do que a embriogênese, pois vamos ver os pais, e o mundo alem deles. Vamos ver que a consciência no embrião já existia antes das origens do embrião. Assim são os limites do Universo quando estudados pelos métodos da Física e da Matemática.

Por estas coisas que defendo as tentativas de se aproveitar do conhecimento destes limites – que se convêm chamar “quânticos” por biologistas, neurologistas, psicólogos, etc. Uma complexidade maior e ainda desconhecida é uma possibilidade racional, o mais baixo nível microscópico da Natureza pode ser uma janela aberta para se ver esta complexidade, mas esta janela tem um vidro muito escuro que só permite se ver sombras do outro lado, ou não ver nada, e tem pessoas que estão fazendo teorias sobre o outro lado, inclusive algumas acreditam tanto em suas teorias, como o Chopra, que as afirmam como se fossem verdades comprovadas… e incautos compram teorias. Como é teoria a afirmação que da dimensão quântica não se aufere um conhecimento que possa explicar algo da consciência. Se a Natureza é um corpo só, o seu “pé” não pode estar separado de sua “cabeça”.

Buracos Negros e Big Bang Não Existem: Provas Matematicas de Cientista?

segunda-feira, outubro 27th, 2014

http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2769156/Black-holes-NOT-exist-Big-Bang-Theory-wrong-claims-scientist-maths-prove-it.html