Posts Tagged ‘mil’

O Universo de Mil Faces e o Bloqueio Mental Impedindo a Superacao das Faces Ilusorias

quinta-feira, agosto 23rd, 2018

xxxx

O Universo e’ relativo. Ele tem mil faces. Cada uma ao sabor do cliente-observador com sua face tambem única e situado em seu distinto ponto no tempo/espaco. Cada face do Universo gera uma logica que produz a interpretacao dos fenomenos e eventos do mundo. De maneira que as interpretacoes de um observador com orelhas grandes e situado no ponto A serao inaceitáveis e incompreensíveis para o observador orelhas medias situado no ponto B. Isto sera’ melhor entendido se o leitor ver o gráfico que revela os rastros da evolucao universal no gráfico cartesiano, que mostro em outro capitulo. Talvez a face única do Universo vista por uma pessoa seja auto-projeção da forma da face desta pessoa. E todas estas mil faces são  apenas um milionésimo da ultima e verdadeira face do Universo.

Esta não e’ vista por ninguem, porque ninguem dentro do Universo pode ve-la. Para conhecer a verdadeira face do Universo sera’ preciso sair fora, ir alem dele, e de la’ ver o Universo por inteiro. Alguns creem que conhecem a face do Universo e esta e’ uma maquina material, outros que e’ uma face magica. Ate Einstein morreu acreditando que a face do Universo seria cilíndrica, demonstrando como ate’ os gênios cometem lapsos no raciocínio, pois se ele mesmo descobriu o relativismo geral, esqueceu-se de aplicar esta relatividade ao proprio universo inteiro para perceber que a face cilíndrica tem que ser uma das ilusões de ótica que preparam as armadilhas para punirem a arrogância no homem.  A evolucao do homem e’ medida pelo numero de faces falsas que ele consegue superar. Assim, tendo reconhecido o erro na sua visao da face, ele abraçará a vista de uma segunda face, e assim sera um homem com 2 milionésimos de acerto. E’ uma evolucao dificil porque cada crença numa face pode se revestir da arrogância do agora-sabe-tudo e gera um bloqueio mental que o impede da curiosidade de conhecer as faces dos vizinhos, nas quais ele poderia detectar erro na sua propria visao, e assim ir corrigindo as partes falsas de cada face se aproximando cada vez mais das fronteiras do universo ja tendo uma previsão mais acertada da ultima e verdadeira face. Os filosofos da Grecia teriam vergonha de si mesmos se hoje ressuscitassem e lessem que eles disseram que a vida surge de trapos suados nos cantos das casas. Todos os humanos antes de 1.500 teriam vergonha de si mesmos se hoje ressuscitassem e se lembrassem que por milênios juraram que o Sol gira em torno da Terra. E assim serao envergonhados no futuro todo aquele que hoje afirma que sabe como o Universo e a vida surgiram, o que e’ o universo ou a vida.

Eu comemorei cada dia nos ultimos 30 anos nos quais descobri mais e mais evidencias, mais previsões acertadas, indicando que a minha visao do mundo estaria correta, enquanto assisto os mesmos novos dados derrubando outras visões do mundo. Mas as pessoas com quem me comunico sempre me ouvira dizer “minhas hipóteses, minhas teses, minha teoria” e ” eu não acredito na minha interpretacao do mundo, tenho certeza que ela tem que estar muito distante da Verdade. Apenas comemoro ao perceber que estas vitorias indicam que dentre as erradas, a minha parece ser a menos errada.

O matemático e ilusionista japonês Kokichi Sugihara informa: “Não podemos corrigir nossas interpretações, embora logicamente saibamos que elas vêm dos mesmos objetos. Mesmo que o objeto seja girado na frente de um espectador, é difícil entender sua verdadeira forma e, assim, a ilusão não desaparece”.  Para quem quiser ver alguns exemplos veja os videos em https://www.youtube.com/channel/UC1pLuLT4m-Wfs2pZjdahb4A

Qual a forma certa?

A “ambígua ilusão cilíndrica”:

Enquanto os objetos parecem quadrados, são na verdade cilindros perfeitos. Ou é o contrário?

Essas ilusões geométricas confusas parecem estar interligadas, mas suas reflexões sugerem o contrário, retratando objetos claramente separados.

“As visualizações diretas dos objetos e suas imagens espelhadas geram interpretações bastante diferentes das formas 3D”, explica Sugihara. “Não podemos corrigir nossas interpretações, embora logicamente saibamos que elas vêm dos mesmos objetos. Mesmo que o objeto seja girado na frente de um espectador, é difícil entender sua verdadeira forma e, assim, a ilusão não desaparece”.

Isso mesmo, Sugihara. A única coisa que parece ter desaparecido é a nossa certeza da forma da realidade. [ScienceAlert]