Posts Tagged ‘molécula’

Porque a diferente interpretação do mundo – Matrix/DNA – e’ necessariamente pratica

sábado, dezembro 16th, 2017

xxxx

( Artigo inacabado faltando ver o nome da molécula em portugues)

Um exemplo de como uma diferente interpretação dos fenômenos naturais – em relação `a interpretação acadêmica oficial, dita “científica”, pode atuar na pratica:

As várias áreas de estudos do cérebro e seus produtos, como os pensamentos, notadamente a neurologia e a psicologia academicas, estão cada vez mais se baseando na teoria de que o pensamento humano, que pode receber os nomes abrangentes de “mente” ou “consciência” sao produtos genuínos e diretos da evolução do cérebro. vai totalmente contra a ideia cartesiana de mente separada do cerebro. Por consequencia, todos recursos cientificos estao dirigidos a busca de mais dados restritos e limitados a este paradigma, seja na pesquisa sobre doenças mentais, na computação em busca da inteligência artificial, etc.

Por outro lado, a minha diferente teoria – ou diferente interpretação geral dos fenômenos naturais – faz as mesmas pesquisas mas baseada num diferente paradigma. Neste o cerebro e’ visto como hardware e a mente, ou conciencia, com o software. Esta dupla existiria em todos os sistemas naturais  como os anteriores `a existencia dos seres vivos, porem, nos nao vivos, o software e’ entendido como a simples entidade sistemica que regula internamente homeostase e demais fenômenos termodinâmicos. Ora, o hardware nao produz seu software, e apesar de possivel, tambem aparentemente o software nao produz seu hardware. O que existe e’ um processo paralelo evolutivo dos dois, em que um avança mais que o outro produzindo informações que serão absorvidas pelo outro que ao seu ver dara um passo a frente exigindo nova evolução do primeiro. Um longo processo de feed-back.

Não vou aqui citar as dezenas de analogias com fenômenos reais naturais e nem a s milhares de evidências ja reunidas para esta teoria e amplamente divulgadas no website. mas vou rapidamente mencionar um objeto de pesquisa agora que e’ intuído pela minha teoria mas nunca o será pela teoria acadêmica.

Trata-se da atuação na célula de uma molécula denominada ( …..). Esta evidente que esta molecula esta sendo formada e dirigida por alguma força a nível da totalidade do sistema, que nao pode estar resumida e ser emitida por apenas uma das partes do sistema. Esta molécula esta sendo o instrumento fisico adequado ao meio celular para executar funções intermediárias entre esta força sistêmica e as proteínas. Na minha teoria esta força sistêmica e’ definida como entidade abstrata dentro do sistema cujo outro nome e’ software. Se o conjunto cerebro-mente for realmente uma analogia ao conjunto computacional hardware-software, a mente será uma força que atua sobre a matéria física do corpo através de um instrumento intermediario, o qual corresponderia a esta molecula no caso celular. A partir desta possibilidade, passamos a procurar no cerebro quem seria este instrumento.

Enquanto isso, a teoria acadêmica baseada na visão diferente jamais terá qualquer razão para pensar num instrumento intermediário e portanto jamais o irá procurá-lo enquanto permanecer neste paradigma.

Tudo bem, ninguem tem provas definitivas de quem está certo ou errado. Mas se eu estiver certo, e se tiver as condições e recursos necessários experimentais, eu ou a quem herdar esta cosmovisão poderá um dia fornecer `as ciencias academicas o que ela necessita para seu grande salto evolucionário na solução de apenas algumas destas doenças mentais a milhares de anos vem torturando humanos sem que se tenha encontrado soluções em nenhum paradigma.

 

Origens da Vida: Teoria Academica Atualizada e Bem Detalhada

quinta-feira, fevereiro 9th, 2017

xxxxx

fonte: http://simbiotica.org/origemvida.htm

xxxx

Matrix/DNA – Acompanhamos com atenção esta síntese de varias teorias e torcendo para que mais dados sejam obtidos. A principal diferença entre esta Teoria Oficial Academica (TOA), e a Teoria da Matrix/DNA (TMD), sobre as origens da Vida acontece no tocante `a interpretação do significado da origem da vida. No caso da TOA, cada passo evolutivo ocorreu ao acaso pela sorte de encontrar-se em exatos momentos certas forças naturais, certos elementos materiais, e tanto estas forças como estes elementos estariam no exato estado físico, produzindo uma novidade pela primeira vez na historia do planeta e talvez do universo, e esta novidade teria sido arrolada no processo geral evolucionário por algo denominado seleção natural. Portanto o agente catalizador, diretor, deste evento teria sido simples o acaso. Creio que isto seja possível, não tenho como refutar esta hipótese, porem, vejo outra alternativa como mais logica ( infelizmente apenas eu conheço e aposto nesta alternativa). Na Teoria da Matrix/DNA existe um modelo anatômico do que teria sido o elo entre a evolução cosmológica desde a origem do Universo ate momentos antes da origem da vida e a evolução biológica, que começou com os primeiros compostos orgânicos. Este elo pode ser transcrito como uma formula que esta justamente no estagio evolucionário entre as mesma formulas dos sistemas astronômicos e dos sistemas celulares. Portanto, para mim, o agente catalizador, diretor deste processo que culminou com o advento do primeiro sistema celular, dito “vivo”, não foi a seleção natural entendida como o meio-ambiente e sim esta seleção natural foi executada por uma formula que esta detectada em ondas de luz natural como emitidas no Big bang e que e’ a formula estrutural de todos os sistemas naturais conhecidos. Mas também nem eu nem qualquer conhecimento humano de qualquer fenômeno natural pode refutar esta teoria, nem comprova-la por enquanto.

Na TOA, o principio que deflagrou todas as transformações entre especies foram mutações genéticas ao acaso, e por erro de transcrição. Na TMD a maioria das mutações foram provocadas pela evolução e assentamento da formula, e uma menor quantidade delas foram mutações ao acaso que foram selecionadas e mantidas por que antecipavam as informações que viriam da formula.

A TOA apresenta brechas inegáveis e claras. Por exemplo, podemos ver nos quadros da TOA e segundo seus métodos, que a forma de pre’-vida, ou pre-célula, chamada procarionte, permaneceu por 2 bilhões de anos inalterada como a forma ápice dessa evolução. E’ tempo demasiado, pensar que uma forma de pre-vida dominou a evolução por 2 bilhões de anos, inalterada, principalmente considerando que durante este período a Geologia enforma que o ambiente terrestre teve dezenas de mudanças drásticas. Mas tido dependera’ de mais dados, que vença aquela interpretação ou visão do mundo que nos leve `a verdade.

xxxx

Abiogênese

A Vida na Terra terá surgido há cerca de 3400 M.a., como o parecem demonstrar os fósseis de procariontes encontrados na África do Sul. As células eucarióticas terăo surgido há cerca de 2000 a 1400 M.a., seguidas dos organismos multicelulares há cerca de 700 M.a. Neste espaço de tempo os fósseis săo abundantes, indicando um processo evolutivo rápido.

Todas as evidęncias parecem apontar para que os seres eucariontes terăo tido origem em seres procariontes. A principal teoria actual considera  que alguns dos  organitos característicos das células eucarióticas tiveram origem em procariontes que se adaptaram ŕ vida intracelular por endossimbiose.

Até ao século XIX considerava-se que todos os seres vivos existentes se apresentavam como sempre tinham sido. Toda a Vida era obra de uma entidade toda poderosa, facto que apenas revelava năo existirem conhecimentos suficientes para se criar uma explicaçăo racional.

Esta explicaçăo, o Criacionismo, no entanto, já no tempo da Grécia antiga năo era satisfatória. De modo a contornar a necessidade de intervençăo divina na criaçăo das espécies, surgem várias teorias alternativas, baseadas na observaçăo de fenómenos naturais, tanto quanto os conhecimentos da época o permitiam.

Aristóteles elaborou uma dessas teorias, cuja aceitaçăo se manteve durante séculos, com a ajuda da Igreja Católica, que a adoptou. Esta teoria considerava que a Vida era o resultado da acçăo de um princípio activo sobre a matéria inanimada, a qual se tornava, entăo, animada. Deste modo, năo haveria intervençăo sobrenatural no surgimento dos organismos vivos, apenas um fenómeno natural, a geraçăo espontânea.

Estas ideias perduraram até ŕ era moderna, pois Van Helmont (1577 – 1644) ainda considerava que os “cheiros dos pântanos geravam răs e que a roupa suja gerava ratos, adultos e completamente formados”. Também era considerado acertado pelos naturalistas que os intestinos produzissem espontaneamente vermes e que a carne putrefacta gerasse moscas.

Todas estas teorias consideravam possível o surgimento de Vida a partir de matéria inanimada, fosse qual fosse o agente catalisador dessa transformaçăo, daí o estarem englobadas na designaçăo geral de Abiogénese.

Biogênese

No século XVII Francisco Redi, naturalista e poeta, pôs em causa as ideias de Aristóteles, negando a existęncia do princípio activo e defendendo que todos os organismos vivos surgiam a partir de inseminaçăo por ovos e nunca por geraçăo espontânea.

Para demonstrar a veracidade da sua teoria, Redi realizou uma experięncia que se tornou célebre pelo facto de ser a primeira, registada, a utilizar um controlo. Colocou carne em 8 frascos. Selou 4 deles e deixou os restantes 4 abertos, em contacto com o ar.

Em poucos dias verificou que os frascos abertos estavam cheios de moscas e de outros vermes, enquanto que os frascos selados se encontravam livres de contaminaçăo.

Esta experięncia parecia negar, inequivocamente a abiogénese de organismos macroscópicos, tendo sido aceite pelos naturalistas da época.

No entanto, a descoberta do microscópio veio levantar a questăo novamente. A teoria da abiogénese foi parcialmente reabilitada pois parecia a única capaz de explicar o desenvolvimento de microrganismos visíveis apenas ao microscópio.

Esta situaçăo manteve-se até ao final do século XVIII, quando o assunto foi novamente debatido por dois famosos cientistas da época, Needham e Spallanzani.

Needham utilizou várias infusőes, que colocou em frascos. Esses frascos foram aquecidos e deixados ao ar durante alguns dias. Observou que as infusőes rapidamente eram invadidas por uma multitude de microrganismos. Interpretou estes resultados pela geraçăo espontânea de microrganismos, por acçăo do princípio activo de Aristóteles.

Spallanzani usou nas suas experięncias 16 frascos. Ferveu durante uma hora diversas infusőes e colocou-as em frascos. Dos 16 frascos, 4 foram selados, 4 fortemente rolhados, 4 tapados com algodăo e 4 deixados abertos ao ar. Verificou que a proliferaçăo de microrganismos era proporcional ao contacto com o ar. Interpretou estes resultados com o facto de o ar conter ovos desses organismos, logo toda a Vida proviria de outra, preexistente.

No entanto, Needham năo aceitou estes resultados, alegando que a excessiva fervura teria destruído o principio activo presente nas infusőes.

A polémica manteve-se até 1862, quando o francęs Louis Pasteur, pôs definitivamente termo ŕ ideia de geraçăo espontânea com uma série de experięncias conservadas para a posteridade pelos museus franceses.

Pasteur colocou diversas infusőes em balőes de vidro, em contacto com o ar. Alongou os pescoços dos balőes á chama, de modo a que fizessem várias curvas. Ferveu os líquidos até que o vapor saísse livremente das extremidades estreitas dos balőes. Verificou que, após o arrefecimento dos líquidos, estes permaneciam inalterados , tanto em odor como em sabor. No entanto, năo se apresentavam contaminados por microrganismos.

Para eliminar o argumento de Needham, quebrou alguns pescoços de balőes, verificando que imediatamente os líquidos ficavam infestados de organismos. Concluiu, assim, que todos os microrganismos se formavam a partir de um qualquer tipo de partícula sólida, transportada pelo ar. Nos balőes intactos, a entrada lenta do ar pelos pescoços estreitos e encurvados provocava a deposiçăo dessas partículas, impedindo a contaminaçăo das infusőes.

Ficou definitivamente provado que, nas condiçőes actuais, a Vida surge sempre de outra Vida, preexistente.

Mas, como surgiu a Vida pela primeira vez ?

Panspermia ou Teoria Cosmozóica

No final do século XIX vários cientistas alemăes, nomeadamente Liebig, Richter e Helmholtz, tentaram explicar o aparecimento da Vida na Terra com a hipótese de que esta tivesse sido trazida doutro ponto do Universo sob a forma de esporos resistentes, nos meteoritos – teoria Cosmozóica.

A presença de matéria orgânica em meteoritos encontrados na Terra tem sido usada como argumento a favor desta teoria, o que năo invalida a possibilidade de contaminaçăo terrestre, após a queda do meteorito.

Actualmente já foi comprovada a existęncia de moléculas orgânicas no espaço, como o formaldeído, álcool etílico e alguns aminoácidos. No entanto, estas moléculas parecem formar-se espontaneamente, sem intervençăo biológica.

O físico sueco Arrhenius propôs uma teoria semelhante, segundo a qual a Vida se teria originado em esporos impelidos por energia luminosa, vindos numa “onda” do espaço exterior. Chamou a esta teoria Panspermia (sementes por todo o lado).

Actualmente estas ideias caíram em descrédito pois é difícil aceitar que qualquer esporo resista á radiaçăo do espaço, ao aquecimento da entrada na atmosfera, etc.

Apesar disso, na década de 80 deste século, Crick (um dos descobridores da estrutura do DNA) e Orgel sugeriram uma teoria de Panspermia dirigida, em que o agente inicial da Vida na Terra passaria a ser colónias de microrganismos, transportadas numa nave espacial năo tripulada, lançada por uma qualquer civilizaçăo muito avançada. A Vida na Terra teria surgido a partir da multiplicaçăo desses organismos no oceano primitivo.

Apesar de toda a boa vontade envolvida, nenhuma destas teorias avança verdadeiramente no esclarecimento do problema pois apenas desloca a questăo para outro local, năo respondendo ŕ questăo fundamental:

Como surgiu a Vida ?

Teoria de Oparin

No entanto, um ponto de viragem fundamental ocorreu com o as teorias de Pasteur e de Darwin, permitindo abordar o problema sob uma perspectiva diferente.

Dados obtidos a partir de diversos campos da cięncia permitiram ao russo Alexander Oparin formular uma teoria revolucionária, que tentava explicar a origem da Vida na Terra, sem recorrer a fenómenos sobrenaturais ou extraterrestres:

  • o Sol e os planetas do Sistema Solar formaram-se simultaneamente, a partir da mesma nuvem de gás e poeiras cósmicas, há cerca de 4700 M.a.;
  • a análise espectral de estrelas permitiu a conclusăo de que as leis químicas săo universais. As estrelas tęm vários estádios de desenvolvimento, encontrando-se o Sol numa fase intermédia da sua “vida”. Estes factos permitem deduzir que os constituintes dos outros planetas e do Sol, dada a sua origem comum, devem ser os mesmos que a Terra primitiva conteve. A atmosfera primitiva da Terra deve ter contido H2 , CH4 e NH3, como Júpiter ou Saturno, cuja gravidade impediu a dissipaçăo desses gases para o espaço;
  • a Terra apresenta diversas superfícies de descontinuidade, separando zonas bem definidas provavelmente devidas a, na formaçăo do planeta, os elementos mais pesados (Fe, Ni) se terem acumulado no centro, os intermédios (Al, Si) na crusta e os mais leves (H, N, C) na camada gasosa externa;
  • os vulcőes lançam gases para a atmosfera;
  • as rochas sedimentares com mais de 2300 M.a. em África e na América do Norte săo menos oxidadas que as mais recentes, revelando uma atmosfera pobre em oxigénio molecular. Este facto observa-se pela presença de grande quantidade pechblenda, um mineral de urânio facilmente oxidável. Por outro lado, o óxido de ferro apenas surge em depósitos com menos de 2000 M.a., altura em que se considera que a quantidade de oxigénio na atmosfera rondaria 1% da actual;
  • o mundo biológico reflecte uma unidade de origem e constituiçăo;
  • os elementos fundamentais dos seres vivos săo C, H, O, N, P e S, vulgarmente abreviado para CHNOPS;
  • os compostos orgânicos básicos săo os aminoácidos, bases púricas e pirimídicas, oses e ácidos gordos;
  • as provas da evoluçăo săo irrefutáveis, demonstrando que as condiçőes e os organismos nem sempre foram o que săo actualmente;
  • muitos compostos orgânicos já foram sintetizados em laboratório, como a insulina e a ureia;
  • pode-se criar em laboratório agregados de moléculas sob a forma de coacervados;
    • existem fósseis de organismos com 3000 M.A., os estromatólitos, estruturas resultantes da deposiçăo de CaCO3 , retido e segregado por comunidades de cianobactérias, presentes em água doce e salgada;
    • os raios U.V. podem promover reacçőes entre compostos e degradar moléculas orgânicas;
    • a Vida na Terra, como a conhecemos, só é possível devido ŕ filtragem dos U.V. pela camada de ozono (O3) da atmosfera superior.

Quando a comunidade científica aceitou, finalmente, a ideia da lenta evoluçăo das espécies, estava o terreno propício para o surgimento da primeira explicaçăo racional para a origem da Vida e esta surgiu em 1924.

Oparin considerou que as condiçőes para a origem da Vida surgiram como uma etapa natural, incluída no constante movimento da matéria.

Tendo por base dados fornecidos por várias cięncias, como anteriormente referido, Oparin desenvolveu a sua teoria baseada no princípio: as condiçőes existentes na Terra primitiva eram diferentes das de hoje.

Particularmente, a atmosfera seria redutora, ou seja, sem oxigénio mas rica em hidrogénio. Este facto teria como consequęncia directa a falta de ozono nas camadas superiores da atmosfera e o bombardeamento constante da superfície da Terra com raios U.V. Nessa atmosfera, o H2, seu principal constituinte, tenderia a reduzir as outras moléculas. Seria, também, uma atmosfera sem azoto e sem dióxido de carbono.

A sua constituiçăo segundo Oparin, resultante da reacçăo dos gases provenientes da actividade vulcânica, seria: hidrogénio (H2), metano (CH4), amoníaco (NH3) e vapor de água. Estudos posteriores indicam que a atmosfera primitiva conteria ainda dióxido de carbono (CO2), azoto (N2), monóxido de carbono (CO) e sulfureto de hidrogénio (H2S).

A temperatura ŕ superfície seria superior ao ponto de fusăo do gelo mas inferior ao seu ponto de ebuliçăo (0 – 100şC). Parte da água terá sido decomposta, a quente, em hidrogénio, que se escapou para o espaço, e oxigénio, que se incorporou nas rochas. O restante vapor de água ter-se-á condensado, originando os oceanos, enquanto as chuvas intensas, correndo sobre os continentes, lhes extraíam o cálcio. Este ter-se-á acumulado em espessas camadas de sedimentos, que foram reincorporadas pelo manto. Este facto libertou a atmosfera de dióxido de carbono, evitando o desenvolvimento do efeito de estufa que existe em Vénus.

Esta mistura de gases, sujeita ŕ acçăo de U.V., do calor da crusta em fase de arrefecimento, da radioactividade natural dos compostos recém-formados e da actividade vulcânica, teria dado origem a compostos  orgânicos simples em soluçăo – sopa primitiva.

Esta explicaçăo permitia ultrapassar a dificuldade da formaçăo das primeiras biomoléculas (aminoácidos, oses, bases azotadas e ácidos gordos) pois estas teriam tido uma origem em moléculas inorgânicas.

A existęncia de certas rochas contendo minerais assimétricos, como as argilas, teriam facilitado a estruturaçăo desses monómeros em polímeros, funcionando como catalisadores inorgânicos.

Segundo Oparin, os conjuntos moleculares ter-se-iam agregado numa estrutura rodeada por uma espécie de “membrana” de cadeias simples hidrocarbonadas, que a isolava do meio – coacervado.

Os coacervados derivam de um processo natural nas soluçőes de polímeros fortemente hidratados. Há uma separaçăo espontânea de uma soluçăo aquosa, inicialmente homogénea, em duas fases, uma rica em polímeros e outra quase exclusivamente água. Esta situaçăo deve-se ŕ atracçăo entre moléculas polares e repulsăo entre moléculas polares e apolares.

O coacervado é uma gotícula coloidal (formada por partículas muito pequenas mas maiores que as moléculas com polaridade) rica em polímeros em suspensăo num meio aquoso. A membrana do coacervado é formada por moléculas de água dispostas em redor dos polímeros. O coacervado pode interagir com o meio, incorporando moléculas na sua estrutura, crescer e dividir-se. Ŕ medida que novas moléculas se iam agregando, se a nova combinaçăo molecular năo fosse estável, o coacervado destruía-se. Se fosse estável o coacervado aumentava de tamanho, até que se dividia em dois.

No interior do coacervado, algumas moléculas catalisavam novas combinaçőes, enquanto outras, autoreplicáveis, começavam a controlar as reacçőes metabólicas. Deste modo, este conjunto de moléculas funcionaria como uma pré-célula, constituindo uma primeira manifestaçăo de Vida.

Estudos recentes apontam para a importância dos ácidos nucleicos no processo inicial do desenvolvimento da Vida.

O RNA terá sido a primeira molécula a surgir, já que este ácido nucleico forma curtas cadeias espontaneamente em ambientes semelhantes aos propostos nesta teoria. Além disso, o RNA liga-se temporariamente a locais específicos de outras moléculas, catalisando reacçőes na célula viva na ausęncia de enzimas, funcionando simultaneamente como DNA e proteína durante a evoluçăo celular.

Obter-se-iam assim, os pilares moleculares da Vida, os ácidos nucleicos e as proteínas: sem ácidos nucleicos năo há proteínas, ou seja, năo há estrutura e controlo das reacçőes (enzimas) e sem proteínas (estruturais como as histonas e enzimáticas) năo há replicaçăo de DNA. Esta pré-célula, provavelmente semelhante a uma bactéria, seria heterotrófica, alimentando-se do “caldo orgânico” abiótico do meio.

Nos milhőes de anos seguintes, a selecçăo natural terá conduzido esta evoluçăo química, favorecendo conjuntos moleculares bem adaptados e eliminando outros, devido ŕ rarefacçăo dos nutrientes nos oceanos.

Assim, para sobreviverem, estas células poderăo ter evoluído para uma situaçăo de autotrofia, necessitando de grande quantidade de electrőes, como por exemplo o hidrogénio, dióxido de carbono ou moléculas sulfurosas. Năo parece coincidęncia que a grande maioria de bactérias autotróficas actuais pertencerem ao grupo das bactérias sulfurosas.

Com o surgimento das cianobactérias fotossintéticas a acumulaçăo de oxigénio molecular criou a necessidade do surgimento de estruturas protectoras contra esse gás altamente agressivo.

O oxigénio molecular é um verdadeiro veneno para os organismos que năo disponham de mecanismos enzimáticos protectores (catalase ou peroxidase, por exemplo) capazes de reduzir os subprodutos altamente nocivos do metabolismo oxidativo (peróxido e superóxido de hidrogénio).

Os dados geofísicos indicam que o oxigénio molecular surgiu gradualmente na atmosfera há cerca de 2000 M.a.

O oxigénio teve um papel fundamental no desenvolvimento e complexificaçăo das estruturas biológicas, como se pode constatar pelos exemplos seguintes:

  • capacidade de divisăo celular depende da formaçăo do complexo actina-miosina, impossível sem oxigénio;
  • síntese de esteróis, ácidos gordos e colagénio é impossível sem oxigénio;
  • metabolismo aeróbio fornece mais de 15 vezes mais energia que o anaeróbio;
  • camada de ozono permitiu a vida em terra.

Experięncias de outros investigadores

Esta teoria explicativa do aparecimento do primeiro ser vivo necessitava, no entanto, de provas factuais que a apoiasse.

Para isso, diversos cientistas simularam em laboratório as condiçőes que o seu autor considerava terem existido na Terra primitiva, entre eles Stanley Miller, cuja experięncia se tornou célebre.

Esta experięncia foi concebida para testar a possibilidade da formaçăo de monómeros abioticamente, nas condiçőes da teoria de Oparin.

Em 1953, Miller introduziu num balăo uma mistura de metano, amoníaco, hidrogénio e água.

Essa mistura era constantemente bombardeada por descargas eléctricas de 60000 V e mantida a circular no aparelho pelo vapor de água criado pela ebuliçăo da água.

Este procedimento foi mantido durante uma semana, após a qual se recolhem amostras que săo analisadas por cromatografia.

As análises mostraram que o líquido amarelado que se tinha formado continha vários tipos de aminoácidos (alanina, ácido aspártico e glutamato) e ácidos orgânicos simples (fórmico, acético, propiónico, láctico e succínico) usuais nos seres vivos.

Juan Oro, outro investigador, demonstrou que era possível obter abioticamente as bases púricas e pirimídicas que compőem os ácidos nucleicos, aquecendo ácido cianídrico e amoníaco, por sua vez obtidos abioticamente de hidrogénio, monóxido de carbono e azoto molecular.

Saliente-se que uma das bases, a adenina, năo só faz parte dos ácidos nucleicos mas também é fundamental para a formaçăo de coenzimas como o NAD+ e o NADP+ e do ATP.

Sidney Fox testou a etapa seguinte, a formaçăo abiótica de polímeros a partir dos monómeros.

Dado que a concentraçăo de monómeros nos oceanos primitivos deveria ser baixa e que as reacçőes de polimerizaçăo săo reacçőes de desidrataçăo, estas năo seriam fáceis de obter em condiçőes naturais.

Assim, foi proposto que as polimerizaçőes teriam ocorrido apenas em condiçőes especiais, que aumentavam artificialmente a concentraçăo de monómeros e catalisavam as reacçőes.

É sabido que as argilas săo rochas formadas por camadas aluminossilicatos hidratados com grande quantidade de cargas positivas e negativas. Por este motivo estas rochas captam moléculas carregadas com grande facilidade pelo processo de adsorçăo. Este poderia ser um meio de facilitar a polimerizaçăo, tal como a congelaçăo, evaporaçăo, calor, etc.

Fox testou esta possibilidade aquecendo a 200şC misturas de aminoácidos obtidos abioticamente sobre pedaços de rocha. Obteve cadeias polipeptídicas, que designou proteinóides, e que podiam ser usadas como alimento por bactérias e podiam apresentar capacidade catalítica (uma pré-enzima).

Com estes proteinóides, Fox obteve ainda o passo seguinte da teoria de Oparin, a formaçăo de coacervados, estruturas que Fox designou microsferas, por aquecimento ŕ ebuliçăo seguido de arrefecimento.

As microsferas aparentavam ter propriedades osmóticas através da sua membrana de moléculas de água, comportando-se como uma pré-célula.

Condiçőes da Terra primitiva (ver quadro no link acima)

Críticas `a  Teoria de Oparin

  • o hidrogénio é muito leve e escapa-se ŕ gravidade da Terra com muita facilidade (quanto mais elevada a temperatura da atmosfera superior, mais facilmente se escapa) logo talvez năo tenha predominado na atmosfera primitiva;
  • o oxigénio poderia existir em maior quantidade pois as enormes quantidades de vapor de água produzidas podiam ser decompostas em hidrogénio e oxigénio pelos U.V., tendo-se o hidrogénio escapado e o oxigénio acumulado na atmosfera. Se este processo fosse em grande escala, a atmosfera ter-se-ia tornado rica em oxigénio;
  •  a atmosfera interage permanentemente com as rochas logo a análise destas poderia dar uma ideia aproximada da constituiçăo daquela. Algumas rochas sedimentares foram formadas em condiçőes redutoras, factor tido como argumento a favor da teoria de Oparin. No entanto, actualmente ainda é possível a formaçăo dessas rochas, apesar da atmosfera rica em oxigénio, nomeadamente em pântanos. Essas rochas formam-se em condiçőes de decomposiçăo anaeróbia de matéria orgânica no lodo.

Por este motivo considera-se que, se tomadas no seu conjunto, as rochas de um dado período evidenciam que a atmosfera primitiva seria muito semelhante ŕ de hoje. A dificuldade deste argumento é o facto de apenas existirem rochas com 3200 M.a., logo a atmosfera dessa época năo ser redutora năo invalida os pressupostos de Oparin pois considera-se que os primeiros organismos fotossintéticos teriam surgido há cerca de 3600 M.a. Outro aspecto a considerar é que, mesmo com atmosfera oxidante, tal como na actualidade, era possível a presença de locais com condiçőes redutoras (sob rochas ou no fundo de lagos ou oceanos) com elevadas concentraçőes moleculares, permitindo a evoluçăo química proposta por Oparin;

  •  como terăo surgido as moléculas reguladoras e autoreplicáveis ?

Năo foi possível esclarecer devidamente se foi a proteína ou o ácido nucleico a primeira molécula a surgir na evoluçăo química, ou se ambos surgiram simultaneamente. As proteínas e os ácidos nucleicos săo as moléculas básicas de todos os organismos vivos. As proteínas tęm uma funçăo estrutural e enzimática e os ácidos nucleicos contęm a informaçăo hereditária e os “programas” que controlam, pelas enzimas, todas as reacçőes dos seres vivos. Sem ácidos nucleicos năo existe um plano de formaçăo das proteínas, e sem enzimas năo se realiza a cópia dos ácidos nucleicos.

Actualmente considera-se que o RNA terá sido a primeira molécula a surgir, seguido de uma forma simplificada de síntese proteica. Os fosfatos e a ribose seriam moléculas comuns e a adenina pode ter sido formada espontaneamente, tal como demonstrado por diversas experięncias. Obter-se-ia, assim, uma molécula capaz de replicaçăo devido ŕ facilidade de emparelhamento de bases. No entanto, apesar de o RNA ser uma molécula mais reactiva que o DNA, tal năo seria suficiente para catalisar reacçőes mais complexas, daí a necessidade do surgimento de uma outra molécula para realizar essas funçőes, as proteínas enzimáticas. As enzimas primitivas devem ter sido pequenos péptidos năo específicos. Fox demonstrou nas suas experięncias que alguns proteinóides tinham actividade catalítica mas verdadeiras enzimas apenas podem surgir após haver maneira de se conseguir reproduzir a sua sequęncia polipeptídica. Sabe-se que em condiçőes pré-bióticas alguns polinucleótidos podem servir de matriz para a síntese de năo enzimática de polinucleótidos complementares.

Apesar destes factos, facilmente se deduz que a grande maioria destas sequęncias năo teria qualquer significado.

Estará a árvore da Vida de cabeça para baixo?

Ora aqui está uma pergunta com intrigantes respostas, segundo as mais recentes investigaçőes (1998).

Temos sempre referido que a chamada árvore da Vida tem na sua base os seres procariontes (bactérias e arqueobactérias), organismos simples com uma única cópia de cromossomas circulares, tendo os restantes grupos (eucariontes) surgido quando conjuntos dessas bactérias se agruparam para formar células complexas, ditas eucarióticas.

Actualmente considera-se que o inverso tenha sido muito mais provável!! Os primeiros organismos năo teriam sido do tipo bactéria, năo vivendo em fontes termais ou aberturas vulcânicas no fundo do mar. Deverăo, pelo contrário, ter sido muito mais semelhantes a protozoários, com genomas fragmentados (em vários pequenos cromossomas lineares) e poliplóides (com várias cópias do mesmo gene para impedir que “erros” na transcriçăo impedissem a sua sobrevivęncia). Teriam, também, preferido os locais mais frios.

Tal como Patrick Forterre, entre outros cientistas, tem referido, as bactérias terăo aparecido mais tarde, năo sendo primitivas mas altamente especializadas. Esta alteraçăo tăo radical no tipo celular teria sido o resultado da adaptaçăo a locais quentes, onde as temperaturas até 170şC tendem a causar mutaçőes nos processos hereditários.

Assim “simplificadas”, as bactérias tornaram-se altamente competitivas em nichos onde a rapidez de reproduçăo é uma vantagem (parasitismo e necrofagia, por exemplo).

Os restantes organismos, pelos habitats ocupados, nunca sofreram uma tamanha pressăo selectiva para se tornarem simples e rápidos, pelo que retiveram o maior número de genes possível, em vez da simplicidade de utilizaçăo.

Evolução: Novo Mecanismo – Homoplasy

sábado, maio 7th, 2016

Se a primeira teoria da evolução, Darwinista, encontrou apenas um método evolutivo – o que contem a seleção natural – e depois a teoria neutralista da evolução  apontou que a deriva genética sem a ação da seleção natural tambem produz evolução, agora aparece uma terceira teoria da evolução, a qual e’ mencionada no paper PDF a baixo, sugerindo que um fenômeno ” homoplasy” tambem pode causar evolução, porem, no nível molecular e em relação a evolução das proteínas. Não e’ o caso de três diferentes e auto-confrontantes teorias, mas sim o caso em que uma teoria inicialmente simples, se divide em varios ramos tornando-se mais complexa.

Frequent and Widespread Parallel Evolution of Protein Sequences

http://as.vanderbilt.edu/rokaslab/pdfs/2008_Rokas_Carroll_MBE.pdf

Homoplasies –  A homoplasy is a character shared by a set of species but not present in their common ancestor. A good example is the evolution of the eye which has originated independently in many different species. When this happens it is sometimes called a convergence. Homoplasies can be compared with homologies, which are characters shared by a set of species and are present in their common ancestor.

Note that the above definition of homoplasy is its technical definition used by biologists. A homoplasy has an older, pre-Darwinian meaning of similarity explained by a shared way of life. For example, the wings of insects, birds and bats are all needed for flying: they are homoplasious structures in the non-evolutionary, as well as the evolutionary, sense.

Figure: the wings of birds and bats are homoplasies. They are structurally different: the bird wing is supported by digit number 2, the bat wing by digits 2-5.

analogies.jpg

Estudando a Teoria Neutralista da Evolução, que envolve a deriva genética – genetic drift e as aleatórias mudanças de genes alelos.

A Deriva Genética seria um segundo método da evolução que não tem a presença da seleção natural.

Origem da Vida, RNA Primordial usando Ferro ao invés de Oxigênio, evidencias da Matrix/DNA

quarta-feira, junho 26th, 2013

Oxygen-Free: RNA Was Capable of Catalyzing Electron Transfer on Early Earth with Iron’s Help, Study Suggests

http://www.gtresearchnews.gatech.edu/rna-was-capable-of-catalyzing-electron-transfer/

– – – – – – –

Pesquisa pela Matrix/DNA: ( Artigo em construção)

Oxigenio:

oxigénio  é um elemento químico de símbolo Onúmero atômico 8 (8 prótons e 8elétrons) com massa atômica 16 u.

Na sua forma molecular, O2, é um gás a temperatura ambiente, incolor (azul em estado líquido e sólido), insípido, inodoro, comburente, nãocombustível e pouco solúvel em água.

Representa aproximadamente 20% da composição da atmosfera terrestre. É um dos elementos mais importantes da química orgânica, participando de maneira relevante no ciclo energético dos seres vivos, sendo essencial na respiração celular dos organismos aeróbicos.

Uma outra molécula também formada por átomos de oxigênio é o ozônio (O3), cuja presença na atmosfera protege a Terra da incidência deradiação ultravioleta procedente do Sol.

Matrix/DNA: O Oxigenio representa a formula da Matrix/DNA que tem a Funcao 7 duplicada. Como esta Funcao ev a do final do circuito, ela fragmenta o cadaver , quer dizer, ev a funcao da morte,por isso ela ev oxidante.

Ferro:

ferro é um elemento químicosímbolo Fe, de número atômico 26 (26 prótons e 26 elétrons) e massa atómica 56 u. À temperatura ambiente, o ferro encontra-se no estado sólido. É extraído da natureza sob a forma de minério de ferro que, depois de passado para o estágio de ferro-gusa, através de processos de transformação, é usado na forma de lingotes. Controlando-se o teor de carbono (ocarbono ocorre de forma natural no minério de ferro) dá-se origem a várias formas de aço.

Este metal de transição é encontrado no grupo 8 (VIIIB) da Classificação Periódica dos Elementos. É o quarto elemento mais abundante da crosta terrestre (aproximadamente 5%) e, entre os metais, somente o alumínio é mais abundante.

É um dos elementos mais abundantes do Universo; o núcleo da Terra é formado principalmente por ferro e níquel (NiFe). Este ferro está em uma temperatura muito acima da temperatura de Curie do ferro, dessa forma, o núcleo da Terra não é ferromagnético.

Matrix/DNA: Existe uma relação antes da origem da vida entre ferro e o elemento ancestral do RNA. Pois RNA representa apenas a meia-face esquerda da Matrix, com seu circuito e  4 elementos. Seu numero atomico, 26, esta localizado na Matrix patricamente no centro da esfera, expressando fortemente a F5. Porque 26, significa 3 vezes o sistema inteiro de 7 funcoes – que resulta em 21, e mais uma volta que tem inicio na F1 e termina na F5, ou seja, 21 + 5 = 26.

Mas justamente ai nesta posicao esta tambem o numero PHI, 1, 618. O que o numero pHI teria com catalize da transferenci de eletron entre atomos para formar moleculas organicas?

A transferencia de um eletron de um elemento quimico para outro seria parte do mecanismo da bi-lateral simetria?

O RNA neste caso da origem da vida deveria estar fazendo reproducao. Justamente isso acontece porque  em primeira instancia o RNA   ev a meia-face esquerda e sua reproducao numa copia que inverte o sentido do circuito tornando-o decrescente, e dessa reproducao surge o DNA.

– – – – – – – – –

Artigo:

The study shows that RNA is capable of catalyzing electron transfer under conditions similar to those of the early Earth.

Because electron transfer, the moving of an electron from one chemical species to another, is involved in many biological processes – including photosynthesis, respiration and the reduction of RNA to DNA – the study’s findings suggest that complex biochemical transformations may have been possible when life began.

Mais duas sensacionais descobertas da Matrix/DNA: As origens do fosfato e pontes de hidrogenio do RNA e DNA !

sábado, março 16th, 2013

Origem da Vida: Não teria sido o Sol, mas estrelas velhas e distantes que enviaram os genes de LUCA, dentro destas moléculas em meteoritos e gás interestelar? A experiência cientifica relatada neste artigo levou-nos a formular esta questão, plausível segundo as formulas da Matrix/DNA, mas ao mesmo tempo nos levou a mais duas importantíssimas descobertas: De onde a matéria burra da Terra tirou a ideia, onde buscou o mecanismo no mundo não-vivo dos primórdios e como fez aparecer aqui as pontes de fosfato e de hidrogênio que conectam moléculas do RNA e DNA!!! 

Life’s First Spark Re-Created in the Laboratory

Mais uma vitoria para Matrix/DNA !

Wired Science

http://www.wired.com/wiredscience/2009/05/ribonucleotides/

Meu comentario postado no Youtube, video com mesmo titulo:

http://www.youtube.com/watch?v=m7cUr8mx2Qs

TheMatrixDNA   1 second ago

Great! Now human beings will pay attention to models of Matrix/DNA Theory, which designed a model of astronomic system for our galaxy that predicted this result 30 years ago: the basic elements came from clouds of stars and meteorites. If you see the pictures (as The Human Cosmic Code) at Matrix website you will understand what happened in the lab. Phosphate is like the tentacles that any piece of LUCA develops for getting food, so it really came later. The secret is at photons inside atoms.

XXXXXXXXX

Copia do artigo para analise:

A fundamental but elusive step in the early evolution of life on Earth has been replicated in a laboratory.

Researchers synthesized the basic ingredients of RNA, a molecule from which the simplest self-replicating structures are made. Until now, they couldn’t explain how these ingredients might have formed.

“It’s like molecular choreography, where the molecules choreograph their own behavior,” said organic chemist John Sutherland of the University of Manchester, co-author of a study in Nature Wednesday.

(Matrix/DNA: Exatamente como previu nossos modelos. Átomos ou moléculas terrestres, se invadidas pelos genes de LUCA, encontrarem-se juntas aqui, tendem automaticamente a se configurarem na mesma forma que estavam conectadas em LUCA. Assim como se tivéssemos sete fotografias de um único individuo,  misturadas e amontoadas ao caos, porem em diferentes idades, portanto diferente formas, cada fotografia se moveria para uma posição entre outras duas de maneira que no final o ciclo de vida do individuo estaria na ordem certa. Foi este o segredo da simbiose entre micro-organismos que juntaram as organelas dentro da célula e da formação da galáxia original. Moléculas possuídas pelos genes de LUCA coreografam sua dança)

RNA is now found in living cells, where it carries information between genes and protein-manufacturing cellular components. Scientists think RNA existed early in Earth’s history, providing a necessary intermediate platform between pre-biotic chemicals and DNA, its double-stranded, more-stable descendant.

(Matrix/DNA: O RNA foi uma plataforma intermediaria entre pre-bioticos químicos e o DNA, como indica nossos modelos, porque os genes de LUCA primeiro constroem a face esquerda (da função 1 ate função 4 e como o circuito continua no sentido horário, o fluxo salta para o lado direito continuando de 6 para 1. Ou pode ser 1>3 e depois 6>1, sendo que os elementos sexuais, 1,4 e 5 são intermitentes, so atuam na fase sexual ativa)

However, though researchers have been able to show how RNA’s component molecules, called ribonucleotides, could assemble into RNA, their many attempts to synthesize these ribonucleotides have failed. No matter how they combined the ingredients — a sugar, a phosphate, and one of four different nitrogenous molecules, or nucleobases  — ribonucleotides just wouldn’t form.

(Matrix/DNA: O açúcar, que esta pregado na haste dos RNA e DNA, já sabemos que representa a função 1. As quatro comuns bases nitrogenadas representam funções 2,3,6 e 7. O fosfato tem a função de ponte conectadora entre duas formas do mesmo corpo, essas pontes são representadas na formula da Matrix pelas setas do circuito esferico, são os espaços entre as partículas, que são apenas o aspecto onda da luz, que imprime o tempo do ciclo vital. Na fase evolucionaria biologica, devido os corpos-partículas representando as sete principais diferentes formas de um único corpo, existirem simultaneamente mesmo que separados, são atraídos e atraem suas formas seguintes da sequencia vital e para se conectarem biologicamente, quimicamente, estes corpos emitem tentáculos, que se tornam essas pontes. Porem, biologicamente surgiram dois tipos de pontes: as de fosfato e as de hidrogênio.

As Pontes de Fosfato: Como e porque surgiram

No céu, LUCA morria (ou ainda morre, se ainda existe) quando o circuito chegava na função 7 e se fragmentava. Essa poeira formava uma nuvem no espaço que girava rotacionalmente sobre seu próprio centro devido o movimento rotacional do todo em que se encontrava, talvez uma galáxia, ou talvez o próprio Universo. Isto criava um vórtice central e os fragmentos de LUCA, funcionando como genes, reconstruíam LUCA. Isto era auto-reciclagem dos sistemas perfeitos fechados em si mesmos. Assim LUCA, mesmo condenado a morrer pela forca degeneradora da entropia, se tornava quase-eterno. Mas o colapso interno destes genes, que começava pela periferia do sistema já na função 6, com a radiação estelar, fazia com que os primeiros genes decaidos ainda encontrassem em seu caminho na direção do centro, outros corpos existentes, na forma de planetas, e agregados a superfície destes, reiniciavam sua reprodução. Como agora a paisagem e condições ambientais eram diferentes do espaço vazio onde LUCA fora formado, houveram as mutações e ao invés dos genes reconstruírem o LUCA astronômico construíram o LUCA biológico, ou seja o sistema celular. Com essa evasão de genes a auto-reciclagem não mais funcionou e por fim LUCA pode ter morrido de fato. Os outros genes que vinham depois, ao inves de LUCA so tinham informações para construírem sistemas solares, faltando quasares, buracos negros, pulsares, cometas. O qual deve ser o caso dos sistemas solares modernos, como o nosso. Mas o elemento, a força que invisivelmente unia o LUCA morto com o novo LUCA vivo na auto-reciclagem, que era executada principalmente por cometas na função 5 , se tornou em biologia a base uracila, a única base intermitente no RNA que aparece e desaparece, como o cometa so aparece na fase de reprodução sexual do LUCA astronômico. Quando presente ela faz os ribonucleotideos, que são as unidades fundamentais de informação do RNA, e os pares horizontais de nucleotideos, que são as unidades fundamentais de informação do DNA, se multiplicarem, ou seja, ev o processo da auto-reciclagem mutado para multiplicação de nucleotídeos, o que faz a pilha deles, chamada RNA ou DNA, crescer. Mas como ligar um sistema fixo a outro sistema também fixo, quimicamente… A ponte de fosfato, que esta nas hastes. Esta ponte surge aplicando-se o mecanismo dos sistemas para criarem extensões em seus corpos, na forma de tentáculos, bracos e mãos, para agarrarem alimento ou transporte. Aqui o mecanismo foi usado no esforço do LUCA biológico de continuar sua auto-reciclagem, mutado para multiplicação linear, mas que de certa forma representa o mesmo processo de LUCA no ceur.  aos grupos em diferentes lugares e épocas por isso reconstroem pedaços de LUCA, o que formam os aminoácidos e proteínas, e os componentes separados de ribonucleotideos e nucleotídeos. Estes elementos são o açúcar, as bases guanina, timina, citosina, adenina e a intermitente uracila. Cada elemento representa uma das formas do corpo de LUCA, cada qual executando uma função sistêmica. Mas em seguida grupos de genes podem se encontrarem numa mesma sopa química e ocorre uma atracao automática entre eles no sentido de reconstruírem LUCA. Entao o grupo que consiste na base nitrogenada que representa a função 3, tendera a se conectar a direita com a base da função 2 e a esquerda com a base da função 4. Para fazer essa conexão criam de si uma extensão, um tentáculo, que quando alcanca sua base procurada, torna-se uma ponte fixa entre as duas. Já não e mais o caso de unir dois sistemas, como foi no caso da ponte de fosfato, mas sim de unir duas etapas do ciclo vital dentro de um único sistema.

A Origem das Pontes de Hidrogênio no DNA

Os genes de LUCA, caídos na superfície de um planeta, de forma dispersa no tempo e no espaço, não conseguem se reunirem todos num so ponto. Encontram-se aos grupos em diferentes lugares e épocas por isso reconstroem pedaços de LUCA, o que formam os aminoácidos e proteínas, e os componentes separados de ribonucleotideos e nucleotídeos. Estes elementos são o açúcar, as bases guanina, timina, citosina, adenina e a intermitente uracila. Cada elemento representa uma das formas do corpo de LUCA, cada qual executando uma função sistêmica. Mas em seguida grupos de genes podem se encontrarem numa mesma sopa química e ocorre uma atracao automática entre eles no sentido de reconstruírem LUCA. Entao o grupo que consiste na base nitrogenada que representa a função 3, tendera a se conectar a direita com a base da função 2 e a esquerda com a base da função 4. Para fazer essa conexão criam de si uma extensão, um tentáculo, que quando alcanca sua base procurada, torna-se uma ponte fixa entre as duas. Já não e mais o caso de unir dois sistemas, como foi no caso da ponte de fosfato, mas sim de unir duas etapas do ciclo vital dentro de um único sistema. A ponte de fosfato ev vertical, a ponte de hidrogênio ev horizontal, ela parte do açúcar na haste na posição horizontal e cria a estrutura intermediaria com o açúcar da haste lateral. As pontes de hidrogênio representam as setas entre funções na formula da Matrix.

Porque não estava se formando  os ribonucleotideos: porque em LUCA o corpo da função 1 (um quasar contendo o vórtice nuclear) liga-se num circuito esférico com a função 7 a direita e função 2 a esquerda. Quando LUCA astronômico se reproduz com a mutação para biológico, o circuito esférico continua, porem, ovalando-se e horizontalizando-se. E as ondas do tempo, que são as setas na formula, quando se horizontaliza, torna-se pontes de hidrogênio. São duas bases nitrogenadas a fase biologica

(continuar a partir daqui- não esquecer que as pontes foram os precursores quimicos das proteinas) 

 

Sutherland’s team took a different approach in what Harvard molecular biologist Jack Szostak called a “synthetic tour de force” in an accompanying commentary in Nature.

“By changing the way we mix the ingredients together, we managed to make ribonucleotides,” said Sutherland. “The chemistry works very effectively from simple precursors, and the conditions required are not distinct from what one might imagine took place on the early Earth.”

 

Like other would-be nucleotide synthesizers, Sutherland’s team included phosphate in their mix, but rather than adding it to sugars and nucleobases, they started with an array of even simpler molecules that were probably also in Earth’s primordial ooze.

They mixed the molecules in water, heated the solution, then allowed it to evaporate, leaving behind a residue of hybrid, half-sugar, half-nucleobase molecules. To this residue they again added water, heated it, allowed it evaporate, and then irradiated it.

At each stage of the cycle, the resulting molecules were more complex. At the final stage, Sutherland’s team added phosphate. “Remarkably, it transformed into the ribonucleotide!” said Sutherland.

According to Sutherland, these laboratory conditions resembled those of the life-originating “warm little pond” hypothesized by Charles Darwin if the pond “evaporated, got heated, and then it rained and the sun shone.”

Such conditions are plausible, and Szostak imagined the ongoing cycle of evaporation, heating and condensation providing “a kind of organic snow which could accumulate as a reservoir of material ready for the next step in RNA synthesis.”

Intriguingly, the precursor molecules used by Sutherland’s team have been identified in interstellar dust clouds and on meteorites.

“Ribonucleotides are simply an expression of the fundamental principles of organic chemistry,” said Sutherland. “They’re doing it unwittingly. The instructions for them to do it are inherent in the structure of the precursor materials. And if they can self-assemble so easily, perhaps they shouldn’t be viewed as complicated.”

Aplicando os Modêlos da Matrix/DNA para Obter Resultados Lucrativos: Scoring Functions, Computer Simulations for Drugs Search

segunda-feira, dezembro 10th, 2012

Importantissimo novo canal aberto para a Matrix/DNA pesquisar e tentar obter resultados reais aqui e agora!

Tudo começou ao ler o seguinte debate:

detroitjames2012 1 hour ago

Creationism/ Intelligent Design is not the proof of the bible, or odin, or krisha, or anything else. It is the understanding of recognizing design when it is present. Physics allow for clay to self assemble into a statue of Einstein, but if I walk past a statue of Einstein I don’t say “there’s no proof it was intelligently designed. Physics clearly allow for it to happen on it’s own”. I don’t suspend belief in the same logic and reason that allow me to navigate reality because the topic is ID.

·in reply to icook1723(Show the comment)

icook1723 1 hour ago

Yes, and evolution computer algorithms clearly show that, “in theory” given a population of randomly replicating replicators and a non-random survival search input, you can achieve results that look like design.

I use such algorithms to generate protein-ligand models that are used as a basis of drug engineering. The program uses “randomness” to search the space of possible solutions to identify the best one. These models are subsequently validated by experimentation.

·in reply to detroitjames2012

TheMatrixDNA 1 second ago

That’s very good new information for my personal studies. Could you be more detailed, please? I know I must type yours words doing a Google search, but any direct link will save my time. If I understood it, the key of this method is the “non-random survival model”. How do you has detected the survival search model for molecules, as proteins?! By other hand, I think that Matrix/DNA model of perfect closed systems must be the survival model applied by atoms/molecules (thermodynamic equilibrium)

·in reply to icook1723(Show the comment)

detroitjames2012 48 minutes ago

Nobody is denying the existence of your computer or it’s power to process algorithms. I’m denying your claim of knowing the existence of ‘randomy replicating replicators’ without your consciousness, since randomly replicating replicators cannot randomly replicate resulting in any definable reality without an intervening consciousness to assert it. There would be merely a realm of ‘infinite everything that’s ever possible’ including the idea of randomness and replication.

·in reply to icook1723(Show the comment)

TheMatrixDNA 1 second ago

My friend! What happens when a first single cell, resulting from the fusion of spermatozoon and ovule, becomes a replicating replicator, making billions of copies, each one different from all others? What is the difference between this scene you can see here and now with the hypothetical scene calculated as abiogenesis, where the results of such replications are supposed to be randomly? But… how are you seeing a mother giraffe (previous design) applying consciousness for her ovule doing that?

icook1723 32 minutes ago

The input is a randomly generated initial population (100), a scoring function, and a mutation rate that will insert random mutations that are not present in the parents. The program then ranks generation zero, and the bottom 50 are “killed”, the top 50 are randomly mated to create 50 new solution. Novel mutants are inserted into these new solutions (3 per generation) and they are scored and ranked with the parents. Repeat this process 2500 generation, and you get clusters of possible solutions.

TheMatrixDNA 1 second ago

That’s great! Labs could save billions dollars, years time if discovers Matrix/DNA models. It is explained by an analogy. Aliens intelligence were observing an Islamic country, trying to understand the behavior, the forces driven those people as organized group. They had hard time because the matter of humans bodies are composed by atoms and cells which has different set of tendencies. Everything were finally explained when they knew about a book, Koran. The Matrix is the book driven proteins

·in reply to icook1723(Show the comment)

detroitjames2012 2 minutes ago

I don’t know how else to say it You have to zoom out. Zoom out so far that you aren’t even holding the damn camera anymore.

“Scoring functions”, “initial populations”, and the mere idea of “random” are definitions of a reality which cannot exist without a consciousness to determine the nature of such concepts.

The fact that you are creating ‘rules of the universe’ by allowing IDEAS even to exist inherently mean you are playing god by allowing your consciousness to determine definitions.

·in reply to icook1723(Show the comment)

detroitjames2012 45 minutes ago

… and if such a realm exists to hold the idea of ‘randomness’ and ‘replication’ in the absence of consciousness, it forces us to retreat to the perspective of viewing the ‘universe’ from a birds-eye view capable of understanding it in it’s entirety… what would that make us?

·in reply to icook1723(Show the comment)

TheMatrixDNA 2 seconds ago

Ok. Detroit is an observer seeing theoretically the relations between consciousness and its productions called “humans concepts”, as “randomness”, “replication”, “scoring functions”, etc. And Icook is an practical observer in a lab seeing proteins, “drugs”, etc. The debate has common denominators, they are the words: randomness, replication, initial population, etc. For Detroit the first cause is consciousness, for Icook, it is matter. Anyone could analyze the debate suggesting a solution?

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
INICIANDO A PESQUISA:
Primeiro, saber o que é “scoring function”:
WIKIPEDIA:

Scoring functions for docking

In the fields of computational chemistry and molecular modellingscoring functions are fast approximate mathematical methods used to predict the strength of the non-covalent

(A noncovalent bond is a type of chemical bond, typically between macromolecules, that does not involve the sharing of pairs of electrons, but rather involves more dispersed variations of electromagnetic interactions. The noncovalent bond is the dominant type of bond between supermolecules in supermolecular chemistry.[1] Noncovalent bonds are critical in maintaining the three-dimensional structure of large molecules, such as proteins and nucleic acids, and are involved in many biological processes in which large molecules bind specifically but transiently to one another. The energy released in the formation of noncovalent bonds is on the order of 1-5 kcal per mol.[2] There are four commonly mentioned types of non-covalent interactions: hydrogen bondsionic bondsvan der Waals forces, and hydrophobic interactions.[2] The noncovalent interactions hold together the two strands of DNA in the double helix, stabilize secondary and tertiary structures of proteins, and enable enzymesubstrate binding and antibodyantigen association. Ver resto )

interaction (also referred to as binding affinity), between two molecules after they have been docked.

(In the field of molecular modelingdocking is a method which predicts the preferred orientation of one molecule to a second when bound to each other to form a stable complex.[1]Knowledge of the preferred orientation in turn may be used to predict the strength of association or binding affinity between two molecules using for example scoring functions. Ver resto)

Most commonly one of the molecules is a small organic compound such as a drug and the second is the drug’s biological target such as a protein receptor.[1] Scoring functions have also been developed to predict the strength of other types of intermolecular interactions, for example between two proteins[2] or between protein and DNA.[3]

Xanthine: Molécula Envolvida nas Origens da Vida e Encontrada em Meteóritos, Reforçam a Teoria da Matrix/DNA

sábado, dezembro 8th, 2012

Lendo o artigo sôbre Panspermia, descrito abaixo, descubro hoje a existência de uma molécula, Xanthine, e uma rápida pesquisa revelou que tudo nela, inclusive sia fórmula quimica, bate em tudo com as previsões dos modêlos teóricos da Matrix/DNA feitas há 30 anos atrás. É fascinante a explicação sôbre o que produziu esta molécula, porque ela foi feita aqui, e para que veio.  O artigo onde a encontrei estará em outro artigo a ser feito aqui porque n6ele estamos analizando a questào da panspermia:

Panspermia Theory for Life’s Origins Gets Boost from Top Scientists

http://mensnewsdaily.com/2008/06/20/panspermia-theory-for-lifes-origins-gets-boost-from-top-scientists/

2008-06-20

By NewsWax

Life is all about information – its replication and processing.” — Professor Paul Davies

(Artigo copiado aqui para ser analizado e comentado item por item pela Matrix/DNA Theory)

A team of scientists from the United States, United Kingdom and the Netherlands have determined that chemicals in a meteorite that form the building blocks of DNA and RNA had formed before the meteorite fell to Earth. In a paper published in Earth and Planetary Science Letters on June 15, the team documents an examination of molecules found in the Murchison meteorite, fragments of which landed near the village of Murchison, Victoria in Australia in 1969.

Previous studies had identified amino acids and sugars in the meteorite that were believed to have formed in space. The samples the current study examined included molecules of uracil and xanthine,

Matrix/DNA: “Isto relembra a previsão feita a 30 anos atrás baseada nos modêlos teóricos da Matrix/DNA de que a uracil é a molécula dos nucleotídeos que foi feita pela função sistêmica universal numero 5, a qual, quando está na forma de building block de galaxias, faz os astros denominados “cometas”, e quando está na forma de sistema celular faz os RNA’s M e T ( mensageiro e transportador). Xanthine é uma novidade para mim, portanto vamos conhecer ela recorrendo inicialmente à Wikipedia:

Xantina é uma base purínica, composto orgânico encontrado na urina e também em diversos tecidos do corpo humano, além de estar presente em algumas plantas.

Um exemplo comum de xantina é a cafeína.

O termo Xantina deriva do grego Xanthos – que alude à cor amarela…

Lol!… Não precisou mais que 3 minutes para identificar na fórmula da Matrix de onde veio a Xanthine e saber para que veio. Ela é uma catalista, ou seja, é como uma bacia chacoalhando e mexendo as substancias dentro dela. Diferentes velocidades do chacoalho, diferentes durações dos chacoalhos e talvez diferentes direçôes dos movimentos produzem diferentes compostos finais. Isto é, a grosso modo, denominado “catálise”. A Xanthine foi produzida aqui na Terra pelas particulas-informação vindas de radiações estelares como o Sol, e/ou de radiação de nucleos planetários, na forma de fótons, que invadem átomos “inertes” obrigando-os à novas conexões, na tentativa de reproduzir o sistema de onde vieram ( pura ação genética).  As informações embutidas na Xanthine se referem ao trecho do circuito sustêmico da fórmula da Matrix/DNA que vai da Função 7 à Função 1. Ou seja, no corpo humano vai do órgão “fígado” ao órgão “coração”; no sistema celular é o trecho que vai da organela “lisossoma” ao nucleo celular: no building block astronomico é o trecho que vai do cadaver estelar ao vortex nuclear. Pela sua ação catalizadora, eu aposto que suas informações sejam mais relacionadas à ultima parte do segmento daquele trecho, devendo já conter metade de informações para elaborar o vortex: ela faz o que faz o vortex no espaço sideral – chacoalhar massa e energia degradada. Se no meteórito encontramos uracil e xanthine juntos, isto significa que a o vortex que está sendo iniciado na forma de Xanthine já está recebendo cometas, espermatozóides do espaço, o que, a nivel biologico significa que naquele meteórito já estava toda a infraestrutura instalada para se iniciar a construção da Vida, ou melhor, de um par de base de nucleotideos. Fantástico!

A fórmula quimica da xanthine reforça nossas interpretações. Vemos um ring completo, com seis átomos ou seja, hexagonal ( o que significa que a forma astronomica foi copiada uma vez e completa, mais uma estensão com uma figura pentagonal, cinco átomos, o que significa que uma segunda cópia da mesma forma foi parada na função 7 ( não conta a F5, que é o ramo interno do fluxo sistêmico, nem conta a F1, que representa-se como a primeira cópia em torno da qual se desenvolve a segunda).  A forte presença do átomo N ( nitrogênio) na segunda cópia (segundo anel) é sempre indicativa de que a fórmula quimica expressa dominantemente o aspecto entrópico degenerativo da face direita da Matrix, pois êste átomo tem numero atômico 7, justamente um a mais do que o Carbono, que na Terra é a cópia fiel da Matrix astronomica. Ora, se um átomo tem em si o sistema completo (6 atomos) e mais um somando 7, isto significa que êle está reforçando a espressão da Função 7 e já abrindo caminho para a construção da Função 1. Por isso a fórmula inteira da Xanthine é esta mensagem: ” aplique-se a êste composto movimentos expressados por mim ( direção, duração, velocidade) que faça um cadaver de sistema ser mais fragmentado, degradado, para ser ressuscitado, ou seja, que um sistema seja reciclado, reiniciado”. Veja na Wikipédia esta informação: “xanthine é o processo resultante da degradação de uma purina”, o que bate mais uma vez com nossas previsões.   Assim a descrição do fenômeno com palavras como está no texto da Wikipedia bate com a informação revelada pela fórmula quimica, e as duas descrições bate com a descrição da fórmula astronomica da Matrix/DNA e as três descrições batem com a descrição da Matrix/DNA sôbre o que são nucleotideos, para depois tôdas estas descrições baterem com o significado existencial que a Matrix/DNA sugeriu para atomos, galaxias, células, corpos humanos. Assim funciona uma lógica numa teoria racional (claro, uma pobre racionalidade como só poderia ser a racionalidade limitada ao nosso pequenino cérebro perdido nêste pontinho insignificante dêste imenso Universo. Com o avançar do nosso conhecimento deve avançar o alcance da nossa racionalidade e então, suponho, mais completa e rica será a descrição).

Copiemos aqui a fórmula da Xanthine:

Xanthine A Molécula na Origem da Vida do trecho entre F7 e F1

Xanthine A Molécula na Origem da Vida do trecho entre F7 e F1

E sua aparência como compôsto atômico:

Xanthine: A Molécula na Origem da Vida do Trecho entre F7 e F1 - Aparência Atômica

Xanthine: A Molécula na Origem da Vida do Trecho entre F7 e F1 - Aparência Atômica

Wikipedia:

Xanthine is a purine base found in most human body tissues and fluids and in other organisms. A number ofstimulants are derived from xanthine, including caffeine and theobromine.

Xanthine is a product on the pathway of purine degradation.

Terei que rever tudo sôbre purinas, guanine, PNP, para aprender mais como é isso tudo. Por enquanto, paro aqui porque o trabalho está exigindo minha presença lá fora, para retornar e continuar isto se a vida o permitir.

A Evolução Quimica, desde o Estado Físico Mecânico ao Estado de Matéria Orgânica – Matrix/DNA Theory

terça-feira, dezembro 4th, 2012

Tudo começou quando atomos terrestres começaram a se combinarem de uma nova maneira nunca antes experimentada pela matéria que compunha êste planeta.

( ÁTOMO – Definição pela Wikipedia –

Basicamente, o átomo abriga em seu núcleo partículas elementares de carga elétrica positiva (prótons) e neutra (nêutrons), este núcleo atômico é rodeado por uma nuvem de elétronsem movimento contínuo (eletrosfera). A maioria dos elementos não são inertes, por isso, quando dois átomos se aproximam, há uma interação de natureza eletromagnética entre asnuvens eletrônicas e os núcleos dos respectivos átomos. As nuvens eletrônicas se rearranjam em torno dos núcleos de forma a minimizar a energia potencial do sistema formado pela união dos mesmos, e uma ligação química estabelece-se. Os átomos se ligam e formam agregados que podem ou não constituir moléculas dependendo da natureza da ligação química estabelecida. Quando há compartilhamento entre os núcleos de alguns de seus elétrons e estes elétrons permanecem em regiões espaciais bem definidas no espaço (nos orbitais) de forma a envolverem apenas os dois átomos em questão, tem-se uma ligação molecular. Quando há o confisco de elétrons de um átomo pelo outro, formam-se íons e tem-se uma ligação iônica. Na ligação metálica, elétrons são compartilhados, mas, ao contrário da ligação molecular, isto não se dá de forma localizada entre dois átomos vizinhos. Uma única nuvem de elétrons, com elétrons doados por todos os átomos, distribui-se sobre todos os átomos simultaneamente e de forma bem delocalizada (o que confere as características de maleabilidade e ductibilidade aos metais).

A natureza de suas moléculas determina as propriedades químicas das substâncias moleculares. Estas dependem da natureza dos átomos que integram suas moléculas, da natureza e da intensidade da ligação estabelecida, orientação espacial destes, e também da interrelação entre moléculas, que pode dar-se mediante vários mecanismos distintos, a saber por polarização induzida, por ligações por ponte de hidrogênio, e outros.)

Combinação entre dois ou mais átomos forma um composto que denominamos “uma molécula“.

( MOLÉCULA – Def. pela Wikipedia –

Um antigo conceito diz que uma molécula é a menor parte de uma substância que mantém suas características de composição e propriedades químicas, entretanto tem-se conhecimento atualmente que as propriedades químicas de umasubstância não são determinadas por uma molécula isolada, mas por um conjunto mínimo destas.

Muitas substâncias familiares são feitas de moléculas (por exemplo açúcar, água, e a maioria dos gases) enquanto muitas outras substâncias igualmente familiares não são moleculares em sua estrutura (por exemplo sais, metais, e os gases nobres)…

ESTA DEFINIÇÃO EM PORTUGUÊS FAZ COM QUE O ESTUDANTE LEIGO NADA ENTENDA DE NADA. PARECE QIE O AUTOR NADA ENTENDE DO ASSUNTO E ESTÁ COPIANDO E COLANDO AO LÉU SEM PENSAR NO QUE O LEITOR ESTÁ LENDO. É MELHOR ENFRENTAR AS DIFICULDADES ENTRE IDIOMAS E IR DIRETO AO TEXTO EM INGLÊS. ÊSTE COMPORTAMENTO DE NÃO RESPEITAR O PRÓXIMO, NÃO SE CONCENTRAR EM AJUDAR O PRÓXIMO, É PRÓPRIO DA CULTURA LATINA?

Origens da Vida: Importante Descoberta na Busca da Solução Dêste Mistério

quinta-feira, fevereiro 2nd, 2012

Fontes:
1 – Ciência Diária

Cientistas recriam processo químico para a origem da vida

http://cienciadiaria.com.br/2012/01/25/cientistas-recriam-processo-quimico-importante-para-a-origem-da-vida/
2 – Mail Online

British scientists recreate the molecules that gave birth to life itself

http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2092494/Life-sweet-New-clue-chemical-origins-sugar-molecules-DNA-recreated-scientists.html

xxx

Origens do DNA na Sôpa Primordial

xxx

– “Há uma porção de perguntas fundamentais sôbre as origens da Vida e muitas pessoas dirigem estas perguntas à Biologia. Mas para a Vida emergir da matéria inanimada, tem que ter um momento – o tempo que a matéria sem vida consumiu para se organizar numa arquitetura viva. E tudo até êste ponto é Quimica, não é Biologia.” – disse Paul Clarke, da Universidade de York e líder da equipe que realizou uma notável façanha: recriou um processo que poderia ser o que ocorreu no mundo antes da existência dos seres vivos.

Os cientistas descobriram que as moléculas mais simples nos corpos dos seres vivos, os aminoácidos, tem a capacidade de catalizar (acelerar) reações químicas formando outras moléculas tambem simples mas muito importantes: lembre-se da figura do DNA, aquelas moléculas grandes que ficam nas hastes e parecem trapézios, formando os nucleotideos, denominadas ribose e desoxiribose, ou ainda simplesmente açucares. Aqui nêste artigo dão-lhes o nome de “treose” e “eritrose” ( é absurda a falta de atividade e de respeito, de consideração, para com os estudantes e o publico em geral dos responsáveis pelo departamento de educação no Brasil, principlamente dos responsáveis pelos textos do curriculum escolar. Uma unica molécula tem mil nomes e cada escritor ou comunicador usa o que lhe apetece, tudo colaborando para tornar a aprendizagem e assimilação demasiado confusa. Porque uma molécula não pode ter um nome só e obrigatório fora da restrita área dos profissionais de Biologia?!)

Diz o Artigo: Todas as moléculas biológicas têm uma capacidade de existir em duas formas de estrutura, canhota ou destra – como um objeto (forma destra) e seu reflexo no espelho (canhota). Todos os açúcares em biologia são construídos como moléculas na forma destra e também todos os aminoácidos que compõem os peptídeos e as proteínas são compostos em forma canhota. Os pesquisadores descobriram que o uso de simples aminoácidos canhotos para catalisar (acelerar) a formação de açúcares, resultou, predominantemente, na produção da forma destra de açúcares. Isso pode explicar como os carbohidratos originaram-se e o porquê da forma destra ser dominante na natureza.

E Paul Clarke explica: “Estamos tentando compreender as origens químicas da vida. Uma das questões interessantes é de onde vêm os hidratos de carbono, porque eles são os blocos de construção de DNA e RNA. O que conseguimos é o primeiro passo nesse caminho para mostrar como açúcares simples –treose e eritrose – se originam. Geramos esses açúcares de um conjunto muito simples de materiais que a maioria dos cientistas acredita terem estado em todo lugar no momento em que a vida começou.”

xxx

Análise pela Matrix/DNA:

Êste assunto interessa a nós filósofos naturalistas, pois a origem da vida é tema relacionado ao sentido da vida, o qual é um dos nossos objetos de investigação. Nós nos informamos sôbre o que o método cientifico reducionista obtem de dados e tentamos conectar os dados como quem monta quebra-cabeças para ver no final o quadro geral. Um dêsses quadros obtidos e que é o tema dêste website, denomina-se “Teoria da Matrix/DNA Universal”. Os modêlos teóricos sugerem visão e abordagem diferentes dos fenômenos naturais, desconhecidas pelos cientistas, e no tocante a esta descoberta, temos que recordar alguns postulados gerais da teoria. Mas é surpreendente a explicação que ela sugere para as origens dos carbohidratos.

A Matrix seria o DNA, o código universal, de todos os sistemas naturais, de átomos a galáxias, a seres vivos. O DNA biológico seria apenas uma das formas da Matrix, derivado da forma astronomica, a qual foi o ancestral direto. Segundo esta teoria, o carbono foi o átomo escolhido como base dos sistemas biológicos porque é o unico átomo dos existentes na Terra que contem a forma da Matrix quando ela era o DNA dos sistemas astronomicos, das galáxias.

Como o átomo de carbono é o representante do “DNA” astronomico? Êle é o unico átomo com numero atômico seis. Ou seja, possue seis protons e considerando-se que cada particula num átomo executa uma função especifica sistêmica universal, as seis funções que haviam e eram expressadas no circuito sistêmico da Matrix astronomica são expressadas no carbono. Se um átomo tem numero atômico cinco, por exemplo, êle peca por deficiência, e se tem mais de seis, peca por exagêro. A Matrix astronomica na verdade apresenta sete funções, mas a função numero 5 é intermitente, ela só aparece e entra em atividade na reciclagem/reprodução do sistema. Ora, a Matrix na forma de building blocks dos sistemas astronomicos é a unica situação no Universo onde aparece um sistema fechado em si mesmo. Portanto o átomo de carbono veio representar o tipo de sistema fechado. Mas no Cosmos, no espaço sideral, o sistema fechado se recicla e não se relaciona com nada do mundo exterior. No ambiente terrestre as condições ambientais e os diferentes materiais impedem essa reciclagem, por isso a Função n.5 não existe no carbono e nem no átomo com numero atômico sete, em nenhum átomo. Cada partícula a mais que as seis necessárias e suficientes é uma duplicata das seis originais e reforça a expressão da função que ela executa. Se o carbono se replicasse tambem aqui, e suas cópias ficassem ligadas entre si, teríamos combinações atômicas apenas de carbonos numa longa fileira como um rosário onde as contas fôssem tôdas iguais.

Mas ao invés de se manter como sistema fechado e se replicar o carbono se torna na Terra o átomo mais social, mais amigável, mais versátil e maleável, pois êle se torna o centro de grupos de átomos combinados, os mais diversos. Porque? Quando o building block das galaxias foi formado, só haviam os estados gasoso e sólido da matéria. Mas a constituição de astros passando por regiões congeladas e depois aquecidas criou o estado liquido e principalmente a água. A teoria sugere que o aparecimento do estado líquido, principalmente da água, fêz com que a Matrix fechada no céu se abrisse na Terra. Mas como a água faz isso? A teoria explica, mas para tanto é preciso observar o software da Matrix enquanto sistema fechado astronomico.

xxx

Matrix no estado evolutivo de software de sistema fechado

xxx

A água é formada por dois átomos de hidrogênio (H) e um átomo de Oxigênio (O). O H é numero atomico 1 porque tem duas particulas, um proton e um eletron, enquanto o “O” tem numero atômico 8, com oito partículas de cada. Isto significa que o H é um átomo incompleto como Matrix, tem apenas duas funções da Matrix, e como seu circuito termina na F 2, êste átomo exerce no mundo ao redor, esta função. Oberve na figura a F.2.

Agora saiba que um detalhe muito importante da Matrix é sua divisão em duas metades, pelo meridiano formado pela F. 5. Mas o fator mais importante que a divide conceitualmente em duas metades é a transformação dos estados da energia/massa que flue como fluxo de informação no circuito esférico sistêmico: a partir de F.1 e até F. 4 a massa/energia estão em estado crescente, e a partir de F. 4 até F. 7 a massa/energia decresce, degenera. A entropia ataca o sistema entrando pela F. 4 a qual é o divisor superior e como a massa/energia de F.7 é que “morre” e vai constituir F.1, significa que F.1 é o divisor inferior. Assim a Matrix é como a face humana, com duas partes simétricas na forma (porque a face humana é modelada sôbre a fórmula da Matrix). Diremos que a Matrix tambem tem sua face esquerda e face direita.

Ora, na água, o H é um pedaço da face esquerda enquanto o “O” ao possuir duas particulas a mais que as seis da Matrix, deve representar um pedaço maior da face direita devido que as funções 6 e 7 são duplicadas. O átomo de carbono é o representante fiel na Terra do aspecto de sistema fechado, o que significa que deveria estar em equilibrio termodinamico. Êle tenderia a não se relacionar, a não fazer combinações com nenhum átomo, porem sua defesa se limita aos átomos formando sólidos e gasosos. Êle não veio da Matrix conhecendo o estado liquido e êste pode invadi-lo para compartilhar seus eletrons de ultima camada. Mas ao se ligar uma molécula de água a um átomo de carbono acontece o que acontece nos nucleos dos átomos: sabemos que prótons não se ligam, repelem-se entre si, mas assim mesmo se ligam nos nucleos atômicos porque entre cada dois protons entra uma particula denominada neutron que funciona como cola entre os dois. Então a molécula de água forma o carbohidrato, ou seja algo como “carbono molhado”, e ela faz o papel de neutron, forçando o carbono a ser ligado com outros átomos.

Mas, fisicamente, como isso acontece? A molécula de água contem dois H, dois representantes da face esquerda, e um O, um representante da face direita. O que significa adesões de mais faces ao carbono?

Vamos recorrer a uma analogia e imaginar o carbono como sendo uma tábua de uma gangorra. Por ser sistema fechado deve estar em equilibrio termodinamico, e isto significaria que na gangorra a tábua está parada em equilibrio. Então se aproxima a água. Dois átomos de H se sentam na ponta esquerda da tábua, somando, diremos, 2 quilos. No centro da tábua – e não na ponta direita, se senta um Oxigênio ( no centro porque o Oxigênio tem os seis protons formando a Matrix completa que se sobrepõe à sua imagem dentro do carbono). Mas O é maior que C e tem a face direita dominante, então sobram-lhe duas partes que por ser da face direita, se deitam na tabua à direita. Assim a tábua fica com dois quilos à direita e dois quilos à esquerda.

Ora, novamente se estabeleceu um segundo equilibrio. Êste conjunto chamado carbohidrato vai continuar com a tendencia de sistema fechado do carbono central, assim a Natureza não pode avançar na evolução no sentido de construir a primeira arquitetura viva que tem de ser um sistema aberto. Ficará a evolução patinando aqui sem sair do lugar?

Existe um detalhe importantítssimo que estamos esquecendo. É o sentido do fluxo da energia/massa no circuito da Matrix. Na face esquerda a energia nasce no divisor inferior e corre para cima na direção do divisor superior. Em qualquer ponto que o circuito for separado do total, na ponta do pedaço separado a energia tende a crescer e para cima. Na face direita é o contrario, e qualquer ponta de um pedaço, ou mesmo da meia-face inteira, a energia tende a degenerar e para baixo.

Voltemos agora à gangorra. Na parte esquerda da tábua o que ali se assenta tem força para mover a gangorra para cima e na parte direita o ali assentado tem força para a mover para baixo. Talvez até mesmo os dois juntos constituam uma segunda face completa se os dois meios circuitos de encontram nas duas duas pontas. Isto significa que as duas forças não são exercidas ao mesmo tempo, pois na Matrix o fluxo ora está avançando pela esquerda, ora pela direita, nunca ao mesmo tempo. Se fôssem exercidas ao mesmo tempo, a intensidade de dois quilos de uma anularia a de dois quilos da outra e o sistema ficaria parado em equilibrio. Mas assim, intermitentes, significa que a gangorra está balançando.

E para que “balançar”um átomo de carbono? Para que tanto trabalho a Natureza dispendeu em criar a água, apenas para vir balançar o carbono?!

Se tudo na Natureza fôsse estático, se não houvesse movimento na matéria, não existiria evolução, ou seja, agregação de novas informações á ultima arquitetura mais evoluida. Em outras palavras diriamos que não haveria aumento da complexidade. Se colocar-mos bananas, maçãs, morangos, no copo do liquidificador e ficar-mos esperando, as frutas nunca vão se misturar e se tornar o delicioso suco cremoso. É preciso imprimir energia ao liquidificador, o qual mexe as frutas e as mistura. Da mistura emerge um novo produto, mais complexo que todos os seus três ingredientes. A Natureza faz isso quando constrói os rodamoinhos no centro das nebulosas de poeira de estrêlas mortas. O rodamoinho é o copo do liquidificador ligado, misturando massa com energia e produzindo como novo produto, sementes de estrêlas.

E segundo a teoria da Matrix a Natureza fêz isso tambem quando colocou a Lua no céu da Terra, para imprimir movimento às águas dos oceanos, com a maré indo e voltando, batendo nas costas dos continentes, misturando elementos do continente com elementos do oceano para produzir um novo produto, a célula viva. Ela tem que chacoalhar os estáticos, os acomodados e que se recusam a se moverem. Por isso a Natureza mais uma vez repetiu seu método ao chacoalhar, balançar o carbono: para obter novas misturas. O carbono é a tábua, os dois H sentados à esquerda, o grande O sentado no centro mas estendido com a cabeça à direita, e assim temos a gangorra da Vida.

Paul Clarke diz que “… estamos tentando compreender as origens químicas da vida. Uma das questões interessantes é de onde vêm os hidratos de carbono, porque eles são os blocos de construção de DNA e RNA.” Assim como êle descobriu que a Natureza é capaz de executar um processo que até então era desconhecido, e que tal processo, se foi realmente aplicado pela Natureza a 4 bilhões de anos atrás na superficie da Terra, vem trazer uma grande explicação a um dos mistérios nas origens da Vida, os modêlos da Matrix/DNA descobriu um processso que se foi aplicado pela Natureza seria o gatilho disparador da evolução em todos os tempos e lugares. Tal processo, lógico e possivel porque explica todas as origens, de galaxias a células vivas, forneceria a Paul Clarke a resposta que êle está buscando: de onde veio, e como veio, e para que veio, o carbohidrato.

Porque os aminoácidos – sempre canhotos, esquerdistas – produzem sempre uma molécula direitista?!

Para entender-mos primeiro o que são moléculas canhotas e destras é preciso relembrar uma matéria do colegial: quiralidade. Para começar apresentamos uma figura:

xxx

Mãos e Aminoácidos em Pares Quirais com Imagens Não Sobreponíveis

xxx

Definição da Wikipedia:

Quiral, que conduz ao termo quiralidade, é um termo usado em Química, para definir objetos não sobreponíveis à sua própria imagem no espelho. ( Mas se queres te informar sôbre quiralidade é melhor ver no idioma inglês, mesmo que tenha de usar um tradutor, pois é mil vêzes mais completo e elucidativo). Alí se lê: “Human hands are perhaps the most universally recognized example of chirality: The left hand is a non-superposable mirror image of the right hand; no matter how the two hands are oriented, it is impossible for all the major features of both hands to coincide. This difference in symmetry becomes obvious if someone attempts to shake the right hand of a person using his left hand, or if a left-handed glove is placed on a right hand. The term chirality is derived from the Greek word for hand, χειρ (cheir).”

Eu sei que o assunto da quiralidade é para os profissionais em Quimica e não para leigos como nós. Só para se ter uma idéia dessa complexidade veja o mapa abaixo ( e o nosso espanto é maior se clicar-mos duas vêzes na imagem para ler os detalhes).

xxx

Quralidade em sua Complexidade

xxx

Mas a Matrix/DNA é uma visão de conjuntos resultantes das associações dos detalhes onde os detalhes não precisam serem mencionados para descrever os conjuntos. Porque moléculas canhotas de aminoacidos produzem a molécula central no tijolo fundamental do código genético e sempre como molécula destra, normal?

Observe o software da Matrix como sistema fechado. Aminoacidos, assim como as proteinas que eles formam, são compostos de átomos que surgiram quando a Matrix tentava se recompor na Terra. Cada aminoacido é um pedaço, um trecho, do circuito total da Matrix. Ora, na Matrix o sentido do fluxo de informação, ou seja, da massa/energia, e ainda do aspecto onda/particula, é sempre o sentido horário. Se o fluxo estiver em F.3 com certeza êle vai para F.4 e não para F.2. E assim por diante. Isto significa que em qualquer lugar que se cortar o circuito, a energia que escapa pela ponta cortada tende a ir da esquerda para a direita. E isto significa que o pedaço é esquerdista, ou seja, em suas veias corre o sangue de carater esquerdista.

Mas existem dois pontos no circuito que fogem a essa regra. São F.1 e F. 4. Alem de esquerdistas são tambem centristas. Porque dirigem seus petardos um na direção do outro e os dois ocupam posições de centro, tanto na base como no topo. F.4 envia seu espermatozóide para F.1, o qual envia para F.4, um bebê (é sempre bom lembrar que a Matrix é a fórmula universal em que se modelam todos os fenômenos naturais, por isso ela pode ser interpretada de tôdas as maneiras).

Mas são justamente F.1 e F.4 que se assentam como os acúcares nos nucleotideos. Ora, eles não são esquerdistas nem direitistas, possuem todas as tendencias de maneira que no final da soma se tornam neutros. Pois neutros são todos os objetos reais, em termos de quiralidade. Tanto que na Wikipedia diz: “The term chiral in general is used to describe an object that is not superposable on its mirror image.” A imagem no espelho não é o objeto, êste sim, em si, e por si, sem espelhos e sua imagens, não é chiral, não é nada, é neutro.

As moléculas canhotas são trechos do circuito da Matrix em busca dos outros trechos faltantes para recompor a Matrix. Quando elas se juntam, juntam-se os bits informação que cada uma conseguiu sôbre o que lhes falta. E o que falta a elas são as duas funções centrais. Por isso aminoacidos produzem carbohidratos, como descobriu na pratica, Paul Clarke.

xxx

Nota: Êste tema continuará sob pesquisa e desenvolvimento, falta ler os outros artigos publicados como o MailOnline e tentar conseguir o paper no jornal de bioquimica. Tambem estamos estudando assuntos da treose, eritrose, carbohidratos, etc.

A Morte Explicando Como a Origem da Vida não foi a versão da Ciência Acadêmica

sexta-feira, setembro 23rd, 2011

Artigo baseado em:
http://www.biology-online.org/biology-forum/post-134634.html#p134634 (Vide abaixo o texto)

A Morte Tem a Resposta para como foi a Origem da Vida

Se não podemos voltar atrás, a 3,5 bilhões de anos, para ver como a Vida começou, podemos ver aqui e agora quando ela termina, ou seja, assistindo a morte de um ser vivo, e saber como ela não começou apenas pelas fôrças físicas do mundo pré-biótico e nem com a contribuição das propriedades químicas na abiogênese.

Nos ultimos momentos antes da morte todas as moléculas bioquimicas do corpo ainda estão intactas e funcionando. No justo momento da morte elas ainda estão lá, mas no momento que os mecanismos regulatórios do organismo cessam, as moléculas começam a se desintegrarem.

Em outras palavras, as leis naturais da Física, da Quimica e da Termo-Dinâmica continuam operando mas sem a diretriz reguladora que foi agora removida, e o resultado é degeneração, desintegração, rumo às suas menores partes constituintes.

Portanto, o curso natural que as leis naturais seguem, é o de destruir as moléculas bioquimicas. Mais exatamente, é o de eliminar os vínculos entre os átomos que os organizam bioquimicamente. Desde que êste é o caso comprovado, como podem aquelas mesmas leis naturais guiarem a construção de vida celular, e quanto mais, o organismo inteiro ?!

Elas tem que serem dirigidas e forçadas a seguirem um diferente caminho para serem bem suscedidas na geração da vida. E o agente desta nova direção tem que ser o mesmo que mantem o organismo regulado e vivo. Ou seja: as leis naturais da organização vital já existiam antes da origem da vida. Claro!

Conclusão: seja lá o que for a vida, ela certamente não é parte constituinte da Física ou da Quimica.
Esta é a razão porque a visão naturalista da origem da vida sem algo como a fórmula da Matrix/DNA, sem a visão sistêmica e diferentes modêlos atômicos e astronômicos, é cientificamente ininteligivel. E portanto, a Teoria do RNA-World, tal como está elaborada, é equivocada e/ou incompleta.

Os cientistas da NASA compreenderam isto muito bem, quando emitiram um reporte estabelecendo que ” não existe plausível hipótese de rotas para formação de moléculas bioquímicas complexas, nem quimicamente nem termodinamicamente.”

A NASA emitiu êste reporte a contra-gôsto, foi forçada a isso pela quantidade de evidências. Se existe uma organização necessitada de dar uma explicação natural para a origem da vida esta é justamente a NASA. Lutando contra a escassez de fundos, se êles provassem que as leis naturais conhecidas, apenas por si só, podem dar inicio ao processo e desenvolvimento da vida, que resolveram o mistério da abiogênesis, e como êles estão envolvidos nesta pesquisa principalmente em astrobiologia, receberiam todos os fundos que necessitam. Mas seus administradores e cientistas foram obrigados a se curvarem perante o óbvio.

xxxxxxxxxxxx
Comentário postado por Matrix/DNA sob o artigo:

Jack, thanks by the existence of this blog, very helpful,

The RNA-World Theory became a scientific joke also. No? For instance, comments about this, please:

See the discussion between Craig Venter, Church and Shapiro, in this video

http://www.edge.org/documents/life/life_index.html

And haw do you refute this argument, for instance?

Theories – Origin of Life
http://www.biology-online.org/biology-forum/about14351-204.html

At the moment just prior to death all the biochemical molecules in the dog are still functioning and intact.
At the very moment of death they are still there, however as you rightly point out the regulatory mechanisms cease and the molecules begin to disintegrate.

In other words, the natural laws of physics, chemistry and thermodynamics continue operating but without the guiding regulation that has now been removed, and the result is degeneration, down to their constituent parts.

Therefore the natural course that natural laws take, breakdown biochemical molecules.
Since that is the case how can those same laws naturally guide the building of cellular life let alone the whole organisms
They have to be guided down the different regulated pathways if they are to succeed.
So whatever life is, it is certainly not a constituent part of physics or chemistry.

That is why a naturalist view of the origin of life is scientifically untenable.

That is also why NASA has been forced to draw the conclusion it has.

If any organisation needed a natural explanation to life’s origin it is they. Just think of all the funding they would receive if they could. There is every incentive for them to prove that they have conquered the problem of Abiogenesis, and if they were able to then I will let you speculate on the news headlines!!

xxxx

And you said: “… if you truly believe you’re onto something, make the most of it and stick to the proper method of conducting science.”

There is no climate for the proper method of conducting science as the supreme goals of the founding fathers, in the Illuminist Movement: science for the search of knowledge about the meaning of existence (against the meaning sold by the church). There is no funding for such enterprise.

First of all, we should go back to Oparin and Stanley/Urey experiment. Why those amino acids do not realize the next step in the lab, becoming proteins and RNA? What is missing in the Urey ingredients? What are determining, in this primordial soup, that life is only left-handed?

Second: We need to fall under the logic that the first complete biological system appeared in a given state of the world. If we bet that there are no supernatural causes, and we are not seeing links between the state of the world and biological systems, we need to understand that our theoretical models of the world are not right (mainly our cosmological models).

I am trying to return to the goals of the founding fathers. The result today is the Matrix/DNA Theory models. It is a suggestion of what is missing in the Urey ingredients. I am making the most of it and sticking to the proper method of conducting naturalism. I am sure nobody has proved facts for debunking the models. But, the deviation of scientific method is too big that the brains today are hard-wired for to escape from a different viewpoint and a return to the thru naturalism.