Posts Tagged ‘morte’

Ha vida apos a morte? Debate entre dois famosos rabis judeus e dois mais famosos ateus mais a resposta da Matrix/DNA

sábado, maio 25th, 2019

xxxx

Is There an Afterlife? – Christopher Hitchens, Sam Harris, David Wolpe, Bradley Artson Shavit

https://www.youtube.com/watch?v=UjKJ92b9Y04

A RESPOSTA DA MATRIX/DNA

A Matrix/DNA resume sua visão de mundo na seguinte resposta: “Não existe vida apos a morte, nem para o corpo físico nem para a aura. Mas…continua a existência da aura. E é nela que se conecta a consciência.”

Vamos recorrer a uma analogia. Muitos cientistas se tornaram ateus porque decifraram o mundo material desde uma fronteira limitada no grande e outra fronteira limitada no pequeno, e nessa zona de eventos intermediaria entre um principio e um fim desconhecidos, nada sugere a existência de algo sobrenatural, tal como seria uma alma humana sobrevivendo a morte do corpo físico. Porem, o que esta ocorrendo nestes 13,8 bilhões de anos deste Universo é um processo de reprodução genética daquilo que o produziu. E o método mais sensato para a mente humana super-limitada tentar elaborar a teoria mais sensata do que sera estes principio e fim, é perguntar ao processo reprodutivo genético que a mesma natureza universal desenvolve aqui na frente dos nossos olhos.

Então focalizemos um humano que surgiu neste mundo pelo processo reprodutivo genético e que tenha hoje uma meia idade, um tempo intermediário entre seu principio e seu fim. Vamos primeiro na direção de seu passado, ate o principio, depois voltamos a ele aqui e agora e vamos sondar seu futuro, ate seu fim.

`A medida que vamos reduzindo seu tempo, descendo pela sua idade chegamos ao seu estagio embrionário. damos uma parada aqui para notar que algo muito importante mudou neste estagio embrionário: a perda da auto-consciência. Pois dai vamos ao estagio fetal, depois descemos a blastula, a morula e chegamos no momento incial sem mais ver a presenca da auto-consciencia.

O que ocorre justo no seu primeiro instante, no seu momento inicial neste mundo? Um Big Bang. Dentro de um minusculo ovulo explode a membrana de um espermatozoide no seu centro. Aqui neste instante se inicia tudo. Tudo tem inicio com pequenissimas particulas formando pequenissimos pacotes que se constituem em informacoes geneticas. Mas e sobre o inicio destas particulas-informacoes? Elas nao iniciaram ali, alias, elas foram um dos protagonistas do Big Bang.

Estamos na frente de um minusculo ovulo, assistimos um Big Bang dentro dele… na mesma situacao que hoje estao os fisicios perante o Universo, as particulas iniciais e seu Big Bang.

Vamos descer entao alem deste Big Bang no passado no rastro destas particulas e de repente, as vemos num outro corpo, de meia-idade, que tem auto-consciencia. Nao vimos nenhum milagre, nenhum ato sobrenatural, nenhum Deus magico, tudo foi estritamente natural.

Pois bem. Que outra coisa alem da materia, compreendida como massa mais energia, existe neste mundo conhecido por nos, poderiamos consultar para saber sobre sua existencia? Me refiro a nos no sentido da nossa racionalidade pura, simples natural, material. Pois se nao conhecemos nada mais alem dessa materia, obviamente nossa racionalidade foi produzida por esta materia, fe material.

Mas existem duas coisas que precisamos lembrar agora: a nossa imaginacao que cria fantasias. Entao uma das coisas tambem produzida por essa materia fe a nossa imaginacao, a qual parece ser algo abstrato e cria fantasias que nos parecem ser coisas abstratas. Mas se elas surgiram aqui elas nao sao abstratas, sao igualmente parte desta materia. Sabemos tambem que a materia tem produzido coisas que logo sao destruidas, e nestes 13,8 de anos algumas foram destruidas e por enquanto nunca mais voltaram a existir… por enquanto. Sao coisas que nao se adaptaram ao mundo real da materia. Por enquanto nao sabemos se nossa racionalidade, nossa imaginacao e as fantasias criadas por ela, vao ou nao serem destruidas.

Entao, perguntas sobre os desconhecidos passado e futuro alem das fronteiras do nosso tempo e espaco conhecidos podem ser feitas por duas entidades diferentes: a racionalidade e a imaginacao.

Se aplicar-mos estritamente a racionalidade quando queremos saber o que existia no passado antes do instante inicial de um ser humano, chegamos a conclusao inveitavel que existia outro ser humano e auto-consciente. E como sabemos que existe apenas uma porcao de materia neste nosso mundo, a qual damos o nome de Natureza, mais exatamente de Natureza Universal, quando analizamos isso racionalmente concluimos inevitamente que uma unica natureza tem apenas um unico metodo de fazer, criar suas coisas. A evidencia disso `e que observando a historia de um corpo humano chegamos ao mesmo tponto que chegaram os fisicos observando o Universo… um Big Bang, surgimento de particulas, etc.

Mas ora, nos somos maiores do que a historia do corpo humano observado, ou seja, nosso tempo e espaco sao maiores. Assim a historia do corpo humano cabe dentro de nos, e nao apenas ela, inclusive parte da historia antes dele surgir, o sifuciente para ver-mos de onde suas particulas e conciencia vieram. Por outro lado, nos somos muito menores do que a historia do Universo, ou que seja, da materia. os fisicos nao contem em sua historia existencial a histotia existencial do antes do Universo, do antes da materia universal.

Entao eles tem apenas duas alternativas. Ou eles usam a racionalidade que sabe que existe apenas uma natureza universal, uma unica porcao de materia ao menos no nosso mundo, e cuja deducao obvia fe que essa materia, essa Natureza, faz tudo por um unico metodo e terminam por concluir racionalmente que basta a eles tranportar o conhecido de uma parte da historia antes das origens do que fe feito aqui e agora para saber o que, como foi a desconhecida parte da historia antes das origens do Universo. Nao tem como escapar disso, se dispoem-se a aplicar a racionalidade nua e pura, materialista.

Agora… o humano tem tambem as imaginacoes, e suas fantasias. E alguns escolhem sobrepor as fantasias abstratas criadas pela imaginacao abstrata sobre a razao. dentre estas fantasias surgiram a dos deuses magicos sobrenaturais, assim como a dos acasos magicos que ao inves de destruirem, tem imposto `a natureza uma continua construcao, a qual denominamos de evolucao.

Humanos sao livres escolham o que quiserem. Por meu lado eu fui o mais extremo e autentico materialista na selva amazonica, porque eu nunca dividi a Historia da Evolucao Universal em dois blocos arbitrarios criando um abismo entre eles para depois ficar perdido sem saber como comecou ou de onde veio o segundo bloco, ao ponto de ter que apelas a imaginacao e sair-se com coisas como que a vida, que e o segundo bloco, surgiu por acaso e vem sendo construida por acaso e nao pelo simples fluir da avalancha de causas de e efeitos que tecve inicio no Big Bang, sem qualquer interferencia de algo sobrenatural e magico. Nao, eu fui fiel a materia unica e sobrranan desde o principio ao fim. ,as eu nao sou livre para escolher em qual teoria apostar, se na minha estritamente racional, ou se nas duas outras produzidas pela imaginacao. Pois na minha racionalidade nao existe espaco para a imaginacao, mesmo porque eu nao aceito-a dando piteco nas minhas decisoes sobre minha existencia. Eu nunca vou dar a liberdade a quem usa a imaginacao ao inves da razao. parq mim naot tem amenor sombra de duvida: a consciencia que esta em mim agora, nao foi criada por mim em pelo troglodita saindo do macaco, em momeoento algum foi criada dentro deste universo, apesar de que deve ter sido criada por ou junto com esta materia ou ainda ela pode ter criado toda a materia… Pois eu observo ambriogeneses e sei que apesar da consciencia nao estar sendo eexpressada antres da forma embrionnaria ela numnca deixou de existir no codigo genetico que construia as formas anteriores.

Mas a questao aqui fe sobre o futuro do corpo humano, o que acontece depois da morte do corpo fisico, ou seja, a inercia e fragmentacao da materia compondo o corpo fisico. Todos observamos que um corpo fisico esta desconectado de tudo o mais, principalmente depois de morto, e mesmo que depois de morto continuem ainda a existirem outras copias deste corpo fisico, ele nada tem a ver com a vida que continua nos outros corpos fisicos. Ele esta morto para sempre.

Mas pergunto: e a auto-consciencia de sua existencia? Uma resposta precipitada vai logo afirmando que obviamente esta morta tambem, pois ela estava viva enquanto conectada a um corpo vivo, e agora esta conectada a um corpo morto. Fe uma resposta precipitada porque se esquece daqueles seis meses na embriogenese do corpo humano, entre o Big Bang e a forma de embriao. Ali nao havia um cerebro formado, portanto um cerebro vivo, mas a consciencia estava na sua genetica, ela nunca deixou de existir, apenas passou um tempo temporariamente sem se expressar. O tempo entre um corpo humano – dos pais – e outro corpo humano – do filho.

  • “Ora, voce esta trazendo a ideia de reencarnacao, Ms existe uma grande diferenca. naqueles seis meses entre o corpo dos pis e o novo corpo do filho, nunca deixou de existir um circuito de conexao conectando os dois corpos e pelo qual fluia o codigo genetico. E na reencarnacao, entre um corpo morto, enterrado, desapareceido e outro corpo nascente em outro lugar, outra data, nao existe nenhum fio de conecxao por onde flua a mesma genetica. “
  • ” Novamnte voce esta sendo precipitado nos julgamentos. Nao, a minha observacao da materia e minha racionalidade nao me conduzem `a tese da reencarnacao, tal como a ala kardecista. Em primeiro lugar, quando um corpo humano morre, continua a existir a auto-consciencia na especie humana, ou o consciente coletivo…”
  • “Entao la vem voce com a camada do consciente coletivo de teilhard du Chardin, ou algo junguiano…”
  • ” Tambem nao. Acontece que meu materialismo mais o naturalismo nu e cru da selva e mais minha racionalidade me conduzirama descobrir a formula universal da Matrix/DNA. Rntre outras coisas esta formula sugeriu toda uma nova versao da historia Universal e esta Historia sugere que aqui esta ocorrendo um processo universal de reproducao genetica. Mas tambem, esta Historia apontou como a formula da Matrix/DNA chegou na superficie da terra e comecou a construcao de uma sua nova forma de sistema, a biologica. Primeiro essa formula construiu e se aloju num ser unicelular, depois ela se esticou toda alem dos limites do ser unicelular para alcancar a colina destes seres unicelulares e assim ela modelou o primeiro ser multicelular, ou seja, um organismo. Entao ela existe tanto no tamanho microscopico dentro de suas dcelulas como ela existe no tamanho medio do tmanho de seu corpo inteiro, organizando todas as celulas como seu template. Ou seja, ela repetiu num processo de 3 bilhoes de anos o mesmo processo que vemos ocorrer nos seis meses da gestacao embrionaria: ela existia em todas aquelas moleculas, em todos os unicelulares, ento dosos os animais que nos antecederam, sem se expressaio apemas vindo a se expressar quando um cerebro adquiriu o neo cortex, no ser humano. isto significa que a consciencia nunca esteve conectada por um circuito ao corpo fisico de carne e osso, mas sim conectada a esta forma invisivel dessa formula organizonal do tamanho de seu corpo inteiro. Ora, entao existe uma possibilidade da consciencia sobreviver a morte do corpo fisico se a formula Matrix/DNA que nao fe de carne e osso, – e como explico m oitros trechos, ela fe feita de fotons, uma network de fotons – e que nao esta conectada ao corpo fisico mas sim transcende-o, sobreviver alem da morte do corpo fisico. Se ela sobrevive, leva consigo sua consciencia.
  • E teriamos algum fato real provando que ela sobrevive ou nao? Nao, porem temos fortes evidencias e a nossa racionalidade pura afirmando que ela sobrevive. primeiro porque a forma que esta sendo reproduzida a nivel extra-universal nao e a forma de um corpo humano. Quando descemos alem do Big bang vemos auto-consciencia atrelada numa onda de luz, a qual e um corpo, com anatomia propria e justamente na forma da… formula Matrix/DNA. isto sugnifica que a auto-consciencia geradora veio fragmentada, na forma de genes dela mesma, mas sabemos que os mesmos genes que vireram dos nosso pais sao os que estarao formando o corpo do embriao quando ele nasce… para fora do universo ovular. Segundo vem o calculo da racionalidade. Esta se baseia nesta copia do crebro humano que temos desenvolvido e chamamos de computador. O computador nas priscas eras era um abaco, toenou-se uma maquina de calcular a manivela, depois uma maquina de calcular eletronica, depois o Rniac do tamanho de uma quadra, e assim apos muitas geracoes de diferentes formas do hardwate chegamos nos lapttop. Mas o hardware ano fe nada em o software. Entao o software cque comecou n cabeca de quem criou o abaco e se firmou na cabeca do Bill Gates com a primeira forma do Windows veio evoluindo e hoje continua evoluindo a partir da cabeca, da mente humana. Todos os hardwares ultrapassados morreram, foram para o lixo, mas o softeware nunca foi para o lixo, nunca morreu, ele tem sim, crescido, se complexificado. Entao entenda que sua consciencia esta alojada e como um softeare agora num computador porem tambem e o mesmo softaew que esta e nunca morre em uma outra mente ouro nivel , muito alem dos limites dos hardwares… quer dizer do seu cerebro e seu corpo fisico. Lembra-se da camada do consciente coletivo? Agora imagine como fe o consciente coletivo dos trilhoes de seres conscientes que existem neste momento neste Universo. Como consciencia voce agora vive dentro de um hardware mas existe tambem ao mesmo tempo dentro de outra mente alem deste corpo fisico. A qual nunca morre. Claro que vocce nao vai gostar muito dessa nova realidade e podes ate resisitr mantendo a sua crenca de sempre. Mas quem esta resistindo e voce, nao sua consciencia. E seu ego, um elo ou cordao umbilical entre seu corpo fisico e a formula, a aura da Matrix/DNA.”
  • “Aura?!”
  • ” Se voce esta se referindo aquela figura dos orientais que e mera copia do DNA, com duas hastes enroscadas em espiral e com sois luminosos entre as duas hastes representando as bases nitrogenadas… sim. Pois ai esta a forma biologica da Matrix/DNA aqui e agora.”
  • “Voce nao pode mostra-la, nao pode prova-la, voce nunaca a viu, portanto voce deixou de ser racional e caiu na mesma situacao dos outros, vitima da imaginacao…”
  • ” Nao posso mostra-la a voce, porque voce daiu fora da racionalidade e seu cerebro esta tomado pela imaginacao. Prova disso fe que a Natureza esta aqui te mostrando a resposta para a questao no topico e voce se recusa a aceitar. Os orientais de 5.000 anos atras a viram porque eram mais proximos dos macacos, tinham imaginacao incipiente, eram mis praticos e racionais, de uma racionalidade pura, virgem, o que os humanos perderam. Os nativos da selva veem pedacos dela. Quando fui reduzido a primata selvagem e me conctei por inteiro com a Natureza nua e crua, a razo natural calculou tido e mostrou-me o retrato dela sem nemhuma interferencia dos orientais. Eu posso prova-la a minha racionalidade. Mas o cerebro humano vai desenvolver estes limitados sensores e adquirir novos para ver muito mais e a verao por si proprios. Voce nao tem como escapar disso.”

 

O que acontece com a auto-consciência na hora da morte: mais uma teoria

quarta-feira, janeiro 30th, 2019

xxxxx

(corrigir ortografia)

Mulheres gravidas podem sofrer acidentes e morrerem, mas se o feto não foi  atingido diretamente ele pode sobreviver por mais algum tempo. Cientistas criaram especies de barrigas substitutas em tubos de ensaio e neles inserem o feto ainda com vida. E’ possível terminar a gestação destes fetos no tubo de ensaio ate o nascimento saudável.

Um ser humano carrega e nutre um feto de auto-consciencia numa especie de placenta que chamamos de “cerebro”, o qual esta dentro de uma especie de ovo que chamamos de “cabeca”. Porem, acontece que todos os seres humanos, sem excessao, morrem ainda “gravidos”. A questao e’: o feto de auto-consciencia morre junto ou a Natureza tem algum tipo de mecanismo que transporte estes fetos para uma especie de barriga substituta?

Porque nao? Ate agora, tudo o que foi feito tecnologicamente pelo homem, tem sido encontrado um aspecto da Natureza que ja fazia aquela tecnologia. O homem nunca cria algo do nada, que nunca existiu antes. Primeiro ele descobre conscientemente ou intuitivamente como a Natureza funciona, como Ela resolve um problema, como ela constroi uma caracteristica ou um sistema, e entao ele reproduz o processo utilizando fisica, matematica, ferro, plasticos, ao inves de quimica, biologia, carne ou osso. So existem avioes voando no ar porque havia perante os olhos do homem passaros com asas voando no ar.

Mas o que seria, ou sera’, a barriga substituta feita pela Natureza? Onde ela estariam localizadas? Numa dimensao material captável aos nossos sensores? Como seriam – ou serao – estas especies de barrigas de aluguel? para fetos de auto-consciencia?!!

Nao faz nenhum sentido a evolucao ter construido o feto, o prototipo, de um novo sistema natural, que nunca iria se tornar terminado, realizado, distribuido pelo nascimento. E` evidente que na Natureza existe o fenomeno da consciencia, nos humanos somos dotados deste atributo, ninguem pode negar. Mas nos nao podemos aponta-lo, nao podemos ve-lo, nem toca-lo. Sera a consciencia apenas mais um tipo de sensor natural tal como os existentes que produzem a sensacao ou proriedade do sabor, o tato, a audicao, a visao? Pode ser, mas nos ja localizamos os elementos materiais e descrevemos a quimica que produz estas sensacoes. Quanto a consciencia, ainda nao conhecemos sua “substancia material”, nem descrevemos o seu processamento.

Estudiosos existem que acreditam piamente que a consciencia nada mais seja que uma propriedade que emergiu por acaso a partir do desenvolvimento do cerebro, e que ela deve, de alguma forma, se constituir apenas de algum elemento existente nas reacoes eletro-quimicas e suas “sinapses”. Existe, por exemplo, no TED TALK, video com uma palestra de um dos gurus da neurologia moderna altamente considerado no seu meio academico – se nao me engano por nome de Antonio Machado – defendendo com enfase esta crenca. Sim, crenca por enquanto, pois a neurologia ainda nao demonstrou como os neuronios se relatam ou se conectam com os pensamentos.

Existe a outra possibilidade de que a consciencia tenha sim, uma especie de substancia, e que ate seja uma especie de corpo-sistema proprio, o qual seria o responsavel pelos processamentos de informacoes que sentimos ocorrer e do qual constatamos efeitos. Deve ter uma substancia que de alguma forma se relaciona com as substancias materiais do cerebro, pois a consciencia – neste caso o seu outro nome, “a mente”- tem uma forssa propria que consegue mover a materia. Basta sua mente querer mover um dedo que esta’ inerte, e o dedo se move, comprovando que a mente, mesmo que seja abstrata, fantasmagorica, tem forssa material.

Nos dois casos ja teorizados pelos humanos – sejam as eletro-quimicas sinapses, seja a substancia plasmatica de uma dimensao material nao captada pelos nossos sensores – a consciencia teria uma substancia propria. Esta substancia morre, desaparece, quando o cerebro morre, desaparece? Ou ela tem sua fiacao de conexao com o cerebro – o seu cordao umbilical com o cerebro – rompido e transplantado, como fazemos com os tubos de ensaio?

Vamos supor que a resposta correta sera a de que sim, a Natureza possui o processo, o mecanismo, de manter esta substancia e seja la que tipo de arquitetura ela se constitui, em outro local, como um tubo de ensaio, ou uma nevoa desta substancia em uma dimensao ainda nao captada pelos nossos sensores. E nem pela propria consciencia como uma especie de novo sensor. Como vamos buscar esta substancia, procurar estes tubos de ensaios naturais, pesquisar isto tudo, seja cientificamente em laboratorio, ou atraves de processamentos mentais? Temos como recurso ou tecnica avancada nesta pesquisa cientifica o ramo da neurologia, mas ela nao dispoe dos instrumentos tecnologicos para captar esta substancia.

A teoria que me ocorreu nesta noite enquanto pensava nisso, foi a de que a Natureza poderia ter um mecanismo realizando este processo de salvar todos os fetos de consciencia dos cerebros humanos que morrem simplesmente tendo como os tubos de ensaios, os outros fetos de cerebros que estao em outras barrigas gravidas. Porque nao?!

Nos extraimos um feto ainda vivo de dentro da barriga de uma mulher falecida e o transportamos para um tubo de ensaio que reproduz as condicoes da barriga humana. Criamos do nada esta tecnica? Ou fomos conduzidos a fazer isto intuitivamente porque nosso DNA e o cerebro que ele constitui sabe que a Natureza faz exatamente isso? Esta e uma hipotese ainda, mas me parece muito logica, racional, apesar de algo, uma especie de resistencia emocional ou cultural, nao me deixa acreditar piamente nisso como os neurologistas acreditam na consciencia eletro-quimica sem te-la visto.

Um feto humano dentro de uma barriga que ainda nao tem o cerebro completamente formado e portanto nao tem ainda a propriedade de auto-consciencia de sua existencia como individuo unico, separado do mundo, nao tem a menor nocao de que o mundo nao se resume aquilo que e` seu muninho, o inteiror da barriga, o oceano de placenta e liquido amniotico, etc. Ele jamais poderia ter a ideia de que existe a forma humana que ele proprio esta indo adquirir, jamais poderia imaginar que alem das paredes do seu pequeno universo o mundo verdadeiro se abre com uma enorme complexidade. O feto nao sabe qual sua substancia fisica e nem ve sua forma fisica, nao tem olhos abertos para ver seu proprio corpo. Pois eu sinto, quando tento afastar o ego que sou eu, quando tento me afastar do meu cerebro, quando insisto em acreditar que sou apenas uma bolha contendo um naco de consciencia que borbulha no meio de um infinito oceano de substancia consciente, sinto que sou uma entidade sem olhos, que nao sei qual a forma de meu corpo, nem qual a minha substancia. Suponho que como consciencia estou na mesma situacao do feto ainda em formacao, aprisionado em uma especie de celula escura, limitado e separado do mundo por uma caixa craniana ossea. Mas talvez este “eu sinto” nao seja um normal produto natural, talvez seja inexistente, artificialmente criado por um desejo impossivel. Quem pode saber? Se voce tem alguma crenca a respeito sera apenas isto, sua opiniao, nem eu nem ninguem mais tem como provar nada aqui. Se voce quer afirmar que voce sabe da verdade – como afirma o neurologista Antonio Machado e seus seguidores –  entao traga um cerebro vivo para um tubo de ensaio reproduzindo a cabeca humana para a mesa do laboratorio, mostre os processamentos eletro-quimicos, mostre a substancia dos pensamentos, mostre os fios que ligam estes pensamentos aos neuronios, etc. Sem isto, tens apenas teorias, como eu, mas que já são alguma coisa, pois precisamos de teorias para guiar nossas pesquisas. Como os neurologistas desta linha de crenca continuam pesquisando, testando, sua teoria, o que acho valido, heroico, a humanidade precisa disto. Nos nao podemos continuar a ser esta manada desembestada num vale sem saber o que nos espera a frente, se um abismo onde todos cairemos ou um oasis onde todos vamos encontrar a sabedoria. precisamos saber o que somos, para que estamos aqui, para construir-mos nossa estrada a frente sabendo para onde vamos, que o mundo, a Natureza, estara aprovando a nossa existencia.

nao faria nenhum sentido lgogico que a evolucao natural tenha trabalhado durante 13,8 bilhoes de anos sempre seguindo uma mesma orientacao – a de construir formas de sistemas cada vez mais complexos a partir dos sistemas menos complexos que que ela propria ja construiu – e ter chegado a este ponto de construir cerebros-placentas onde gesta fetos de um sistem muito mais complexo que denominamos de auto-consciencia, para deixar todos estes fetos desaparecerem, seem dar continuidade a esta evolucao. Nao e possivel e nem mesmo pode ser considerado como plausivel que a nossa epoca e nos mesmos sejamos um momento unico e especial na historia deste mundo – o meomento que a evolucao natural chega a seu fim. Se todos os fetos de consciencia morrem aqui, o Universo quedou-se patinando num pantano do qual nunca vai se desvencilhar? mas o Universo muitas vezes anteriormente chegou ao ponto de patinar onde se suporia que ele estancaria, no entanto, ele sempre conseguiu sair e se mover em frente. ja nos primeiros instantes na formacao das primeiras particulas, a tendencia da materia nestas de buscar o equilibrio termodinamico e se estabelecer eternamente neste estado confortavel deve ter feito a evolucao patinar, mas algo dentro dela, uma especie de motor, de forssa alem da substancia material, funcionou com eficiencia. Nao,… a teoria de que todas as consciencias aqui morrem nao faz sentido logico, nao esta de acordo com o que temos observado da historia real deste mundo. O mais logico e supor que as conscinecias nas cabecas dos humanos nao morrem e continuam sua evolucao. That’s it!

Mas se um feto de consciencia, numa especie de bolha invisivel a nossa visao, e separado e liberado do cerebro de um corpo morto, e em seguida transportado pelo simples fluir dos processos naturais para outro cerebro em estagio de formacao, qual o estagio do feto de cerebro apropriado como recipiente, qual configuracao de DNA se assemelha nos dois casos, como a Natureza faz isso? A bolha de consciencia liberada fica em alguma dimensao esperando que apareca um feto apropriado onde baixar, ou ela fica procurando, ou tudo funciona como nas ondas de aguas no fundo oceanico quando femeas expelem ovulos aleatoriamente na agua os quais se encontram acidentalmente com espermatozoides lancados aleatoriamente e se unem automaticamente?

Com estas questoes malucas no meu cocuruto encontro por acaso na Internet pessoas postando figuras de bolhas fantasmagoricas dentro de quartos ou mesmo ao ar livre, rondando os humanos. sao pessoas que se dizem dotados de clarividencia e que veem estas coisas. Alguns chegam a postar figuras que dizem serem fotos reais, que desenvolveram cameras especiais que captam estas “bolhas”. Um exemplo que tem me chamdo atencao e de vez em quando volto a dar uma olhada apareceu no meu Google+, um autor chamado…

 

Célula viva x célula morta. O que faz a diferença?!

quarta-feira, junho 20th, 2018

xxxx

Imagine uma célula viva, movendo-se internamente em milhões de metabolismos e reações químicas e externamente capturando os átomos do ambiente para obter energia e massa. Ao seu lado tem outra célula igual, tendo tudo o que sabemos que células tem, igual a outra, porém está totalmente imóvel. E esta’ se deteriorando, desaparecendo. Perguntei a um biólogo porque esta diferença e ele respondeu que “se a célula morta tem tudo igual e sem algum repentino defeito, não pode ser uma doença ou ferimento. Se o ambiente é o mesmo não pode ser variações de temperatura, etc. Então somos obrigados a concluir que por algum motive a célula mostra não conseguiu alimento a tempo e sua energia acabou”.

Não gostei da resposta, não consegui engoli-la. Pois se fosse isso bastaria dar um jump, uma recarga, de energia nela, como fazemos na bateria de um carro que “morreu”.

Bem,.., para resumir, a cosmovisão da Matrix/DNA esta’ cansada de apontar outra resposta. Em mais de 2.000 artigos, milhares de evidencias e centenas de previsões acertadas, ela esta’ sugerindo a existência de uma formula natural porque nos reviramos a natureza de de todas as maneiras e sempre apareceu um mesmo padrão no local exato do mistério. O padrão comum responde todas as questões feitas ate agora em toda a historia da humanidade sobre este universo captável aos nossos sensores. A cosmovisão tem insistido que todos os sistemas naturais ( e células são sistemas) são constituídos de hardware e software. O software que explica o hardware e sua evolução é um diagrama de uma formula funcional. esta formula foi encontrada numa simples porem primordial onda de luz, desde a emitida no Big Bang. Logo o software e’ composto de luz e se apresenta como uma formula para sistemas, a formula Matrix/DNA. Esta formula que surgiu como onda de luz e’ o principio vital que imprime movimento, vida aos hardwares, aos sistemas. O que saiu da célula morta, por algum motivo, foi a luz e na forma da formula, e não energia.

( pensamento inspirado na seguinte pergunta de um leitor:

” The real question, for me at least, is… What does a living cell have that is missing in death? i.e. What is a dead cell missing that a living cell has? Perhaps I don’t understand biology well enough (which i don’t lol) but it seems like on a molecular level a living and a dead cell are identical, both made of the same molecules (water, cellulose, dna, proteins, etc) So what is lost when a cell dies? What is needed to make the bundle of molecules (a cell) become animated? to actively seek out other atoms and molecules to use for energy? Just adding electricity doesn’t bring a dead cell back to life, so the missing item isn’t just electricity. “

IPATI – Grava vozes e Imagens dos Mortos

sábado, outubro 21st, 2017

xxxx

IPATI – Instituto de Pesquisas Avancadas em Transcomunicacao Instrumental

http://ipati.org/index.html

Um primeiro fato notavel e’ uma confirmacao do que eu ja tinha suspeitado. Os mortos nao mais falam nossa linguagem, mesmo que falem nosso idioma. As respostas dos mortos sao sempre em forma de codigos, nunca repetem as palavras das perguntas ( o que significa que nao estao ouvindo as palavras e sim lendo pensamentos).

Falam muitas frases que eram chavoes usados em vida aqui, sem qualquer conotacao com pergunta ou sem explicar nada. E so falam em monossilabos, nunca falam mais que tres ou quarto palavras.

Um doente em estado terminal, inconsciente, diz que esta fora do corpo sendo assistido por espiritos. Mas ele tambem fala como os mortos, mudou totalmente o modo de falar.

Isto significa que em outras dimensoes as mentes sao hard-wired diferente, as leis de seu mundo sao tao diferentes daqui que as vezes o certo la’ e’ a negacao aqui.

Video ” A Investigacao da Vida apos a Morte “

sábado, outubro 21st, 2017

xxxx

https://www.youtube.com/watch?v=v_SYq-EFuhE

The Afterlife Investigations | Edicao Brasileira (Completo) (Espiritismo) [CM+P]

Mais um excelente trabalho da Pozati Filmes ( https://www.youtube.com/channel/UC_SRQEScGB2ZdO6hZlmBUlw

Meu comentario postado no YouTube em Out(10/21/2017) :

Porque um vídeo assim de tamanha importância não tem destaque prioritário na mídia? Para entender, primeiro e’ preciso separar corpo carnal da consciencia e depois explico porque. O cerebro foi herdado dos animais pela longa evolucao, porem os instintos animais ainda permanecem na memoria, na genetica, a qual modela a psyche dos que ainda nao tem a consciencia despertada. # instintos perduram e sao o maior problema hoje da humanidade. Estes instintos construiram todos os tipos de sistemas sociais humanos ate agora ( seja capitalism, monarquia, comunismo, etc) assim como influenciaram na modelagem das religioes e da cultura pela qual interpretamos os fenomenos naturais. Entao os 3 instintos sao notados como: 1) instinto para grande predador (leao, tubarao, aguia, etc) que domi9na a mente da classe alta ou aristocracia; o instinto para medio predador ( lobos, raposas) que domina a maioria da classe media; e o instinto de presa ( ovelha, gado, etc.) que domina a massa pobre. As mesmas regras na divisao do poder nas selvas continua sendo rigidamente imitada pelos humanos.

Entao porque a midia nao divulga os fenomenos deste filme? O leao cria seu paraiso quando se assenta num territorio dominando lobos capatazes e todas as presas. Ele nao admitira qualquer ameaca contra este status quo, perante as quais ele se torna violento ate sua morte, sem ceder seu poder e propriedade. Pois a aristocracia brasileira e mundial acredita que se a natureza e’ assim, foi feita assim por seu deus, eles escolhidos para estarem no comando, porque apenas eles sabem manter a ordem. Uma sugestao de fenomenos como deste filme nem os incomoda porque nao podem enxergar que a ordem natural seja de outra maneira, mas se perturbarem, seus protagonistas devem serem eliminados. Como sao donos da midia e donos da atividade cientifica, estas duas empresas humanas fecham seus olhos para os fenomenos e os negam se pestanejarem. Obviamente nunca iriam divulger isto entao e’ nosso dever levar o filme de mao em mao para as outras duas classes sociais.

 

Lucas Olles: Vida Apos a Morte? Experiencia da morte

terça-feira, outubro 10th, 2017

xxxx

https://www.youtube.com/watch?v=aJW0HGHwxAw

Louis Morelli – 10/10/2017

Parte 2/3

21:00 – Lucas: ” … seres nao-humanos, todos interligados num consciente coletivo…”

Incrivel como a nossa inteligencia humana aqui consegue prever isto quando busca pelos caminhos certos. Na “Matrix/DNA Theory”, o autor observa os fenomenos naturais daqui e calcula quais podem ser as causas e efeitos destes fenomenos, desenhando modelos, elaborando formulas e algoritmos e por fim chega a uma sugestao: ” Nos somos 8 bilhoes de genes-semi-conscientes aqui na Terra e pertencemos a trilhoes mais espalhados neste Universo, todos construindo uma mesma obra: um embriao cosmico de auto-consciencia total. Este aglomerado de galaxias que denominamos “universo” nao passa de fosseis de nossos ancestrais que serve de estrutura fisica para nossa missao, ou seja, este universo funciona como o amnion e a placenta dentro de um ovo, ou um utero, portanto, dentro deste universo esta ocorrendo um simlpes e natural processo de reproducao genetica. Reproducao de que, ou de quem?
Infelizmente o autor so pode observar e raciocinar os limites dentro deste Universo e seu plano fisico, portanto, fica sem resposta, apenas sugerindo algo: “reproducao daquilo que produziu aquele Big Bang `a imagem e semelhanca de seus pais carnais quando iniciaram o primeiro momento de sua existencia fisica atraves de um pequeno bigbang dentro de um ovulo recem-fecundado, que  foi o resultado do subito rompimento da membrana de um espermatozoide.” Estas entendendo que a Teoria do Big Bang pode ser correta porem sua atual interpretacao teorica fisico-matematica pode estar errada? Que ele foi um evento mais biologico que casuistico?
Quando se entende que somos genes, que os genes todos se tornam um so no corpo final construido, e que se algum gene for atrapalhado em sua missao especifica – construir a parte do corpo que apenas ele tem a informacao – nos nasceremos com algum defeito,… todas nossas relacoes humanas mudam de sentido. E ai, ninguem mais segura a humanidade… rumo ao nosso supremo destino cosmico… alem deste ovo-universo.(clique no meu avatar se tens interesse em ver o website da teoria). Se usarmos nossa inteligencia com boa intencao nao precisaremos de experiencias dolorosas como a do Lucas para saber das coisas certas…
xxxx
6:00 – Lucas: ” O planeta estara’ quase vazio e os que estiverem estarao muito mal…”
Mas porque uma retirada de nos ( que nao vivemos aqui), deste planeta sera’ inevitavel? A resposta pode ser uma analogia com computacao, onde o nosso consciente funciona como um software: um modelo atualizado do Windows 10 nao tem como funcionar bem num hardware de modelo velho, de 20 anos atras; mas aqui so tem esse modelo velho. Entao levemos o software para onde tem modelo atualizado. A nao ser – uma maneira disto ser evitado –  e’ que o proprio hardware tenha livre arbitrio e deseje mudar para alcancar o novo software. Se assim fizessemos, se evitaria toda essa necessaria cirurgia dolorosa que pode vir”.  Explicando isso na realidade:
Ja prestaram atencao que todos os tipos de sistemas sociais criados pelo homem ate’ agora ( seja a monarquia, o comunismo, o feudalismo, ou o capitalismo), e ate’ mesmo todas as religioes criadas ate’ agora, imitam exatamente as mesmas regras de divisao de forsas e poder das selvas, entre os animais? Eu vivi sete anos na selva bruta e pude observar como ali as coisas funcionam. Os nossos sistemas sociais imitam as regras de onde vem as origens do nosso cerebro e psique primaria, porque ainda mantemos os instintos dos animais nas selvas. Entao temos em todos os sistemas sociais a divisao entre:
1) A classe aristocratica que imita os instintos dos grandes predadores (leoes, tubaroes, aguias, etc); 2) A classe media que imita os instintos dos medios predadores (lobos, raposas, urubus, etc); e 3) A classe pobre que imita os instintos de inercia e egoismo individualista das presas (vacas, ovelhas, coelhos,etc). Sei que isso gera um desconforto as pessoas ( sendo comparadas a animais), porem, se nao se despertarem para essa realidade, sobre onde seu verdadeiro “Eu” consciente esta’ hospedado aqui, continuarao tendo a mente dominada pelas forsas deste cerebro e desta psique primaria modelada por esta genetica que veio de uma biosfera em estado de caos, e com isso, sera inevitavel a sua transferencia atraves uma cirurgia natural dolorosa. Como Lucas disse, o planeta nao vai manter estas condicoes ambientais que suportam a vida aqui, e devemos ainda agradecer que antes destas condicoes deteriorarem, podemos abandonar o barco.
A sabia attitude de todo humano consciente, aqui, agora e urgente, e’ procurar – primeiro – se auto-exorcizar destes instintos, e, segundo, gritar ao mundo a todo tempo que todos devem procurar este exorcismo. E’ ficar atento nos comportamentos seu e das pessoas para detectar todos estes efeitos destes instintos e imediatamente denuncia-los a si e ao mundo. Por exemplo, observe o comportamento e atitudes do dono de uma loja, de uma empresa, como ele se comporta exatamente igual a um leao que se agarra com unhas e dentes a seu territorio, tenta controlar os lobos ( da classe media), e ao mesmo tempo usa-los na manutencao do seu reinado, todos para colherem os produtos do trabalho das presas, que trabalham transformando grama em suculenta carne. Ou como se comportam as “celebridades” imitando exatamente o comportamento dos parasitas. A falta de vontade dos pobres em criarem e se unirem em cooperativs de consume e producao para boicotarem os que levam suas energias.  O humano nao se toca nisso ( em parte devido a mentirosa mistica criada pelos predadores na forma de religioes), a ponto de idolatrarem seus predadores, mas voce sabe que se continuarem a terem o intelecto subjugado aos instintos… a tragedia sera inevitavel. De uma chance ao nosso livre-arbitrio…

A morte pode ser anunciada pelo quarto quadrante da formula espiral da Matrix/DNA?

sábado, outubro 7th, 2017

xxxx

Esta quarta fase de declínio espiral imediatamente lembra a formula, na qual o circuito espiral também termina com a morte do sistema ( entre funções 7 e 1). Esta descoberta parece estar indicando que a o período de vida de uma pessoa é determinado pela velocidade com que o fluxo de energia corre no circuito. Se a velocidade for muito elevada, a pessoa vai morrer mais cedo, e assim os entrópicos sintomas das funções 6 e 7 começam a aparecer mais cedo na vida da pessoa do que o normal. E esta variação de velocidade lembra as velocidades dos giros no ciclo de Krebs, o qual, segundo o vídeo que estou assistindo, tem vários efeitos nos organismos a nível molecular. Precisamos reler e pesquisar isto, ver se foram publicados outros artigos com seção para comentários e ver a fonte original, o paper..

Death Spiral: 4th Phase of Life May Signal the End Is Near

https://www.livescience.com/55557-death-spiral-is-fourth-phase-of-life.html?utm_source=notification

 

Existe evidencias de vida apos a morte? Melhor lista de evidencias

domingo, agosto 6th, 2017

xxxx

Is There Evidence of Life After Death?

https://disqus.com/home/discussion/channel-disqusunderground/is_there_evidence_of_life_after_death/

To listen to skeptics, only the gullible masses believe in an afterlife, desperate to be reunited with loved ones.

As we have shown, however, skeptics are so convinced of their intellectual superiority that they are incapable of examining evidence objectively that contradicts their strongly-held viewpoints.

Unlike the cases for ESP and UFOs, however, the evidence for survival after death is by its nature less measurable and more subtle and complicated.

Militant skeptics would have everyone believe that this is merely anecdotal and easily explained away by the biochemistry of the dying brain, pumped up by morphine and stress, with the particular hallucinations the result of a combination of wishful thinking and religious preconception. But as we shall see, this view ignores some inconvenient facts.

While looking at several types of relevant experiences, I will only focus on the issue of immediate survival after death, not theological assertions about what happens beyond that, such as whether there is a heaven or hell or reincarnation. Nor will we try to resolve here exactly what it is that may survive death.

One way to think about the larger picture of reality that the so-called supernatural presents is like the difference between the world of ordinary objects we interact with daily and the invisible quantum world that underlies everything. It is difficult for our minds to get around the fact that what seems like solid reality is mostly empty space. Skeptics are invited to imagine that the paranormal world is something like the theorized other dimensions of the “multiverse.”

Death-Bed Visions

Let us begin with something that should be a perfect test for the skeptical case about hallucinations of the dying: death-bed visions. It is not uncommon for people who are about to die to imagine that the heavens open up and relatives appear to welcome them to the other side.

In What They Saw at the House of Death: A New Look at Evidence for Life After Death by Karlis Osis, a noted physics professor, and Erlendur Haraldsson, a clinical psychologist. Between them, they had carefully examined 5,000 cases of death-bed visions for nearly two decades starting in 1959. These were culled from observations by 17,000 physicians and nurses. Most were medical personnel in the U.S., but some came in from a separate study about patients in India, to check to what extent cultural and religious beliefs influenced the experiences.

Investigative journalist Michael Schmicker, in Best Evidence, summarized the remarkable conclusions:

Biological-Pharmaceutical Factors

*Patients who were given painkilling drugs were not more likely to have such visions than those who were not.

*Brain malfunctions were more likely to reduce such visions.

*A history of using psychoactive drugs did not increase the likelihood of these visions.

*There was no evidence that a lack of oxygen induced the visions.

Psychological Factors

*Stress played no role in predicting which patients would see “the dead.”

*Whether the patient believed in an afterlife did not matter.

*In some cases, the death-bed visions came to people who did not know they were dying.

Cultural Factors

*The visions often did not fit with the religious preconceptions of the individuals. Christians saw no evidence of hell; Hindus had no visions that confirmed they would be reborn.

*There were 11 aspects to these visions that were shared by both American and Indian cases, so they are likely common to many cultures.

Schmicker cited a compelling example. In 1919, Horace Traubel, a friend and biographer of the poet Walt Whitman, was dying in Bon Echo, Ontario, Canada. With him was Lt. Col. L. Moore Cosgrave. Cosgrave reported that at 3 a.m., Traubel stared at a point in the room three feet above the bed.

“A light haze eventually resolved itself into the form of Whitman…wearing an old tweed jacket, an old felt hat, and had his right hand in his pocket,” which Cosgrave could see. The apparition nodded twice to Traubel, who said, “There is Walt.” As the ghost brushed by him, Cosgrave felt a slight electric shock.

Near-death Experiences

“Near-death experiences” (NDEs) was the term coined by Dr. Raymond Moody, a physician who wrote the first popular book on the phenomenon, Life After Life, in 1975. He studied cases of patients who were pronounced clinically dead, but claimed they could see and hear things that seemed impossible, according to the materialist understanding of reality.

A 1982 Gallup poll revealed that one out of seven Americans had at least once been close to dying and 35% of these reported having the NDE. These experiences would seem fairly common, but were not generally reported by physicians, which is explained by the fact that only 32% of doctors at the time believed in an afterlife vs. 67% of the public.

While the specific details of the experience would be interpreted by the person who was supposedly dead, based on his or her cultural and religious background, the most common stages occurred in this order:

*A sense of dying as a release from cares and pain.

*The patient feels he or she is rising from the body and able to look down on it and the attending medical personnel.

*This self or spirit is compelled to pass through a dark tunnel with light at the end.

*Beings of light greet the spirit at the end of the tunnel—often these are deceased family or friends and sometimes a person understood as a founder or leader of their religious tradition (atheists reported an abstract figure of light).

*As many as 29% recalled having their life’s events flash through their memories, as if reviewing them before judgment.

*Many wanted to stay in this disembodied state, but were told they needed to return.

*Consciousness returns to the body, startling medical personnel, who had pronounced the patient dead.

Moody’s initial report has been confirmed in thousands of cases investigated by others. The International Association for Near-Death Studies www.iands.org was founded in 1978 to encourage the serious study of the phenomenon.

Skeptics are quick to argue that all of these things can be explained by incorrect judgments about clinical death and by the combined effects of a sick brain and the drugs administered at the time.

Among the most notable books to take a more systematic scientific approach to anecdotal evidence were by medical doctors Kenneth Ring, in Life at Death, and Michael Sabom, in Recollections of Death: A Medical Investigation.

Sabom in particular was skeptical. He accepted the critics’ theory that NDEs were hallucinations due to heightened brain activity and was surprised to realize that they occurred most commonly in patients who had been unconscious for at least 30 minutes, when neuroactivity was reduced.

He believed that claims that these “dead” patients had accurately described what was happening around them were easily explained by hearing medical personnel discussing them or that they were educated guesses.

Sabom set up a control group of cardiac patients who had not reported having NDEs. He found the NDEers’ accounts very accurate, while the guesses of cardiac patients were way off, and he was able to rule out the possibility in many cases of the “dead” picking up the information by hearing it.

Doctors at Southampton General Hospital studied 3,500 patients and concluded that cases of NDEs being reported involved “well-structured, lucid thought processes with reasoning and memory formation at a time when their brains were shown not to function,” contradicting the materialistic view of how the brain works.

______________________________________________________________________

Dr. Eben Alexander’s NDE

The most famous of modern NDEs was recounted in the 2012 bestseller by Dr. Eben Alexander, a neurosurgeon, in Heaven is Real: A Doctor’s Experience with the Afterlife (a good example if skeptics’ inability to state the facts in their rebuttals can be found in a response to an article in Esquire: http://iands.org/news/news/…. He went into a seven-day coma after suffering from microbial meningitis in 2008 and had an experience that ran counter to his expectations. He recalled:

I did not believe in the phenomenon of near-death experiences…I sympathized deeply with those who wanted to believe that there was a God and I envied such people the security that those beliefs no doubt provided. But as a scientist, I simply knew better.

When I entered the emergency room, my chances of survival in anything beyond a vegetative state were already low, but they soon sank to near nonexistent. For seven days I lay in a deep coma, my body was unresponsive, my higher-order brain functions totally offline.

All the chief arguments against near-death experiences suggest that these are the results of minimal, transient, or partial malfunctioning of the cortex. But mine took place not while my cortex was malfunctioning, but while it was simply off. This is clear from the global cortical involvement documented by CT scans and neurological examinations. According to current medical understanding of the brain and mind, there is absolutely no way that I could have experienced even a dim and limited consciousness during my time in the coma, much less the hyper-vivid and completely coherent odyssey I underwent.

_______________________________________________________________________

A 2001 study reported in the British medical journal The Lancet reported that the NDEs could not be explained by reactions to medications, a lack of oxygen to the brain, or fear of death.

Perhaps most convincing is that patients are able to report events outside the room where their bodies were. For example, some claimed that their spirits went into the waiting room and heard conversations between family members, which they recalled accurately. Given the skeptics’ position on ESP, this should be impossible.

In 1990, Seattle pediatrician Melvin Morse’s Closer to the Light examined the cases of 120 children who had NDEs. In most cases, they would have been too young to have absorbed a well-grounded religious expectation of what might happen. He made a point-by-point refutation of the skeptics’ arguments about the biochemistry of death and hallucination, compelling enough to have persuaded some skeptics to take a more open-minded position.

In Beyond: On Life After Death, Fred Frohock attempted to weigh the evidence objectively and concluded:

The problem with the materialist explanation that NDEs are a purely neurological reaction to the stress of death is that we would have to stretch the powers of the brain to new and unproven levels of achievement. The weight of the likelihood, of possibilities, seems to be in favor of transcendent experiences, although NDEs could be both transcendent and part of the physical world.

The brain may be the instrument that guides the self into a realm of existence as real and empirical as the dimension we currently occupy. All we have to do is move the perimeters of physical reality out to more comprehensive dimensions. Death is as ordinary as birth, and may be the same kind of portal to another empirical stage of life. Physicists tell us there must be more dimensions to reality to explain the reality we sense and know.

In Dr. Andrew Newberg’s Teaching Co. course The Spiritual Brain, he cites the impact these experiences have on those who go through them: “People come away from a near-death experience with a radically altered set of beliefs about themselves, the meaning of life, relationships—everything. They no longer fear death and are more spiritual and less religious. Many say things like, ‘I don’t think there is a God; I know there is a God.’ One said that the experience was ‘bigger’ than religion, which was not sufficient to help encapsulate the NDE.”

Vida apos a morte? Livro e Filme

quinta-feira, julho 13th, 2017

xxxx

http://hypescience.com/porque-o-voce-no-pos-vida-nao-seria-realmente-voce/

Porque o “você” no pós-vida não seria realmente você

Filme: Em um filme da Netflix produzido em 2017, chamado The Discovery, o ator Robert Redford interpreta um cientista que prova que a vida após a morte é real.

Livro: livro de Michael Shermer (em inglês, tem o nome Heavens on Earth: The Scientific Search for Afterlife, Immortality and Utopia, pela editora Henry Holt)

Extratos:

Art. – Em segundo lugar, existe a suposição de que a cópia de conexões do cérebro – o diagrama de seus contatos neurais – carregada em um computador (como alguns cientistas sugerem), ou a ressurreição do eu físico em uma vida após a morte (como muitas religiões imaginam), trazem como resultado uma pessoa acordando de algo como um longo sono, em um laboratório ou no céu. Mas uma cópia das memórias de um indivíduo, de sua mente ou mesmo de sua alma não é o indivíduo. É uma cópia dele, como um gêmeo, e ninguém olha para um irmão igual a si e pensa: “oh, olhe eu ali”. Nem a duplicação nem a ressurreição podem instanciá-lo em outro plano de existência.

Matrix/DNA: Supomos que a consciência seja um diagrama no modelo da formula feito de fótons banhados numa substancia plásmica extra-dimensional. Esta dimensão não seria revelada nem pelas seis faixas invisíveis da luz ou seis estados vibratórios desconhecidos, mas sim uma oitava configuração que conteria as sete faixas e mais um grau de transcendência. O diagrama das conexões neurais é o estado presente da reflexão da mente na matéria porem, onde a matéria é dominante e a consciência recessiva. Na morte não ocorre nem duplicação nem ressurreição e sim um retorno da bolha ao seu oceano. Apenas não sei como seria mantida a individualidade dentro do oceano.

Art: – Cada um de nós é único no mundo e na história, geograficamente e cronologicamente. Nossos genomas e conexões não podem ser duplicados, então somos indivíduos atentos a consciência de nossa mortalidade e autoconsciência sobre o que isso significa. O que isso significa? A vida não é uma disputa temporária antes do grande show que vem a seguir: é nosso proscênio pessoal no drama do cosmos, aqui e agora.

Matrix/DNA: Todos os seres cujos corpos alcançaram a complexidade suficiente para alcançar o nível da consciência, mas ainda estão nos primeiros estágios deste processo, são genes meio-conscientes funcionando na construção da consciência universal final. cada gene e’ único pois apenas ele tem uma informação especifica que e’ uma fração da totalidade de informações para formar a consciência universal. Assim, humanos possuem suas cabeças na forma de ovo dentro do qual esta sendo gerado, ainda na forma fetal ou embrionaria, esta consciência universal. O cérebro apenas faz o papel de placenta e amnion.

 

Existe Vida Depois da Morte? O melhor video com o melhor debate entre crentes e ceticos

quinta-feira, maio 18th, 2017

xxxx

https://www.youtube.com/watch?v=h0YtL5eiBYw

E meu comentario com a opiniao da Matrix/DNA postado no Video:

Louis Charles MorelliLouis Charles Morelli – 5/18/2017

My 2 cents:

1) The word “life” is the culprit of so much confusion. Change it for ” biological systems”, differing from atom systems, galactic systems and there is no such separation between “living systems” and “no-living systems”. At Matrix/DNA Theory we are discovering that all biological properties has its counterparts as mechanistic properties at astronomic systems and electromagnetic properties at atomic systems. There is a unique natural universal system that began with the Big Bang in shape of “wave light system”, which got the shape of atoms, galaxies, humans, consciousness, and still is alive for 13,8 years old. Consciousness and natural world is like software and hardware. Consciousness could not work at the ancient systems like Bill Gates could not making working the windows inside the ancient calculators machines.

2) A human brain gets consciousness at 6 or 8 months old. It is not each brain that creates consciousness, it already was existing before and surrounding the embryo’s little universe. The universal natural system gets consciousness at 13,8 billion years, wherever there is a system with the necessary complexity. Each is not that human species creates consciousness, neither that all other conscious aliens created consciousness: it was existing before and surrounding our universe;

3) At Matrix/DNA Theory we discovered that the entropy attacking an astronomic system produces its defragmentation into bits-information, carried on by photons. These photons works like genes, building the new shape of the universal system, which are biological shapes. Since photons were also composing the first universal shape of system – waves of light – emitted by something existing before and beyond our universe, we conclude that  this original light is linked directly to consciousness. So, if we want to see and touch the substance of consciousness we need go beyond electrochemical signals, synapses and we will see darkness. Cleaning this darkness we will see a astonishing network of photons located inside the electrons of the atoms that composes neurons and brains. But it is merely the matrix/dna of consciousness.

4) We are still almost blind. We see only one and half part of a light that has seven parts. We only touch a world made by two and half parts of vibrations which has seven kinds of vibrations, to say, seven dimensions. Our brain is still primitive, our sensors are evolving yet and we will get more complex sensors. Then, Mr. Physicist will perceive that Physics reveal merely the skeleton of the universe, any natural systems and human bodies. it can not grasp anything about the soft meat, the neurology… and they pretends that know something about consciousness… My Go… oh, I mean, My Almighty Lord Pink Unicorn…