Posts Tagged ‘olhos’

Consciencia: o que e’.

sexta-feira, outubro 12th, 2018

xxxx

O psiquiatra Giulio Tononi disse:

“Todo mundo sabe o que é consciência: é aquilo que nos abandona toda noite quando dormimos sem sonhar e retorna na manhã seguinte quando acordamos.”

Existe outro fenomeno similar na Natureza. Todo anoitecer o Sol se esconde de nos e retorna na manha seguinte. Nao seriam os dois personagens – o Sol e a consciencia – tao diferentes, compartilhando o mesmo significado de existencia?

O Sol se poe toda a noite, mas ele não desaparece, não deixa de continuar existindo, no seu lugar. Nao seria a consciencia algo que existe em seu lugar, fora de nos ?

O Sol sai da nossa realidade visual e tátil durante a noite. Mas durante o dia ele volta a entrar na nossa bolha de existencia. Nao haveria atrelada ao nosso cerebro uma bolha na qual a consciencia entra quando acordamos e sai quando dormimos?

Mas ai somos levado a um pensamento exdruxulo, mas alentador: isso quer dizer que a consciencia entra em nos quando nascemos e sai quando morremos. Ela não morre quando morremos.

Se houver um inconsciente coletivo tal como Teilhard di Chardin imaginou, uma especie de camada atmosférica consciente do planeta formada por fragmentos dentro de cada cerebro humano, nos estaríamos inconscientemente vendo o SOL de todos os cantos da Terra onde e’ dia. Pois os 8 bilhoes de olhos – para o inconsciente coletivo seria apenas um so’. Entao no inconsciente coletivo deveria haver apenas uma visao do Sol, mesmo que nos individualmente vemos um fragmento dessa visao. Assim, talvez essa consciencia que vai e volta na verdade e’ uma so, pairando sobre todos nos… O que nos atrapalha e’ que somos uns “bolhas”, e isto acontece por causa do ego egoista individualista.

E la vem alguem querendo mais carona nessa carruagem de opiniões. Ele vem dizendo que a Humanidade e’ um individuo que tapa o olho esquerdo com uma mão e ve o SOL com apenas o outro olho que fica aberto na outra metade do planeta. Depois ela troca os olhos e ve o Sol na metade de ca. E assim vive sucessivamente trocando os olhos… Ele arremata que nunca consegue entender estes comportamentos esquisitos dessa Humanidade.

Eu ando por ai com aquelas arapucas de rede para pegar borboletas, tentando achar e pegar a minha consciencia. Ou a de outro que por acaso esteja perdida por ai. Um dia ainda agarro ela…

Mais Uma Importante Descoberta Sobre como e porque apareceram os Acessórios de seu Corpo: Bracos, Nariz, Pernas, Olhos, etc.

sábado, março 26th, 2016

xxxx

O primeiro ser vivo, realmente completo e funcional, foi um sistema celular, uma unica célula, com núcleo e todas as organelas. Mas esta célula era meio arrendondada, uma especie de bolota fechada dentro de uma capa membranosa. 3 ou 4 bilhões de anos depois esta célula se tornou um sistema humano. A forma arredondada se tornou alongada, surgiram os membros como braços, pernas, e os sensores primitivos da célula para sentir o mundo externo se exteriorizaram, tornando-se olhos, nariz, ouvidos…

Quando eu vivia isolado como ermitão no meio da selva amazônica, eu pensava muito nisso, depois que o Sol se punha, com os olhos ora indo da biosfera que me rodeava, ora ao céu límpido e mais estrelado do mundo. Não tinha tv, Internet, nem uma pessoa com quem conversar, nada a fazer, então tinha tempo para, literalmente, deixar meu corpo na rede e me imiscuir no meio destas duas tão diferentes dimensões do mundo externo, tentando senti-los por dentro para desvendar seus segredos, principalmente buscando o que havia no meio da matéria perceptível aos meus sentidos, daquele céu estrelado, que realizou esta fantastica façanha, de transformar um mundo de estrelas e planetas em uma célula viva, e depois num ser humano, como era meu corpo la’ embaixo.

Sentia que a coisa mais importante destes dois mundos estava escapando por entre minhas mãos, e se não a encontrasse, minha vida se esvairia sem sentido, inútil, como era a vida dos animais que me rodeavam na selva. Tinha que ter algo dentro da Natureza, no meio daquela matéria toda, que fosse dinâmica, imbatível, e com um proposito nos seus movimentos, um sentido, uma meta, para sua existência, senão, seria impossível explicar racionalmente este mundo. Mas o que poderia ser?!!

Então, numa destas ocasiões me imaginei pondo em cima da mesma mesa de laboratorio, o desenho do céu de estrelas, mais a primeira célula viva, e a seu lado, um corpo humano. E cheguei mesmo a quebrar um galho de arvore, fazer uma placa com uma folha de palmeira, colar um pedaço de cartolina na folha e escrever algo em letras grandes. O talo da placa foi amarrado `a mesa de maneira que em cima do corpo humano escrevi: “isto aqui…”, e em cima da célula escrevi ” veio daqui…”, enquanto em cima do céu estrelado escrevi: “… que veio daqui!

E mais embaixo em letras garrafais: ” Agora descubra como… o que fez isto!”

Claro que a resposta não poderia ser simplesmente, o DNA. Este era um efeito, e não a causa, o motor ou agente universal. Nem o acaso. Nem Deus. Não existe Magica. Ali estava a prova que não tem Evolução Cega, pois a vontade, os desejos, que estavam dentro daquela célula eram os mesmos desejos do mundo externo e seus meios-ambientes que se modelarem na mesma direcao da célula, justamente para um se encaixar no outro que o envolveria.

Bem que antes tentei todas estas hipóteses, mas descobri que para cada uma delas havia mais evidencias negativas que positivas. A resposta tinha que ser outra coisa, e esta coisa continuava oculta no meio das estrelas no alto, sussurrando no meio da escuridão da selva, pulsando e se movendo dentro da célula e do corpo humano. Mas o que e’ essa coisa oculta e tao misteriosa?

Em cima da mesa estavam os desenhos de uma célula primitiva, de uma galaxia, de um corpo humano, e as palavras de um mistério a resolver .

Sete anos depois o mistério estava resolvido. A força natural misteriosa foi detectada, e vindo não apenas das estrelas, mas dos momentos iniciais desde o Big Bang. Nunca vou poder provar a mim mesmo, que a coisa que encontrei foi a mesma que dirigiu aquela historia evolutiva de 13,7 bilhões de anos. Mas não importa. Porque e’ uma coisa que eu posso construir, e com ela eu posso começar de um Big Bang e depois de 13,7 bilhões de anos ter um universo e um corpo humano igualzinho aquele que representava o final atual da historia. Se foi Deus, se foi o acaso, se foi outro método, seja quem for, não me importa porque eu posso fazer o mesmo com esta formula, e ponto final.

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Então como a partir daquela célula primitiva foram aparecendo seus acessórios exteriorizados, se ela não era magica, e de fora dela tambem nada magico interviu?

Existe uma formula simples, natural, concreta. Mas nela já estão todos os requisitos necessários para projetar sua própria evolução ate’ chegar ao corpo humano, pois quando realizei mentalmente a construção da Historia, nada faltou nela para fazer cada detalhe do que existe hoje. Ela esta’ sob o processo da própria evolução. E sua vontade de evolução se explica porque ela quer retornar a forma de sua fonte, que e’ complexa. Assim como um espermatozoide quer voltar a forma de sua fonte originaria, que foi um ser humano, e trabalha incansavelmente com este proposito ate’ consegui-lo.

Esta formula chegou na superfície da Terra e construiu inicialmente para si, como ferramenta material projetando-se a si mesma, uma forma de átomos simples chamada ” molécula”. Ela começou tentando, experimentando e foi fazendo sua ferramenta pouco a pouco, a partir de moléculas que denominamos ” aminoacidos”. Ate’ que essa embriogênese de si mesma como forma materializada na Terra ficou pronta: era uma molécula composta de quatro nucleotídeos emparelhados lateralmente, horizontal e verticalmente, lado a lado, de maneira que, quando acionada pela luz ou energia solar… se punha a trabalhar como um robot faz-de-tudo. Este foi o building block que mais tarde iria se tornar todos os seres vivos e seus acessórios. Porque e’ a própria formula universal que já tinha construído os sistemas atômicos e astronômicos.

Nucleotideos e a Fórmula da MatrixDNA 2

A Fórmula da Matrix como "O Código Cósmico Humano" que veio através do DNA, do Sistema Celular e do Sistema Astronômico

A Fórmula da Matrix como “O Código Cósmico Humano” que veio através do DNA, do Sistema Celular e do Sistema Astronômico

Então quando um ser vivo, tal como aquele primitivo sistema unicelular quase arrendondado, oculto dentro de uma bolota simples e microscópica, precisa de um acessório qualquer para alcançar um objetivo para sobreviver e evoluir, não tem outro jeito de fazer este acessório senão o DNA fazer mais um novo building block e adiciona-lo `a pilha de nucleotídeos já existentes. Qualquer coisa que vai iniciar a ser feita, primeiro tem que fazer a formula e pô-la a trabalhar como sempre trabalhou, assim como quando queremos fazer um novo ser humano, primeiro precisamos fazer a sua formula, que e’ o genoma. Ela vai faze-lo automaticamente porem vai modelar o novo acessório, pelo mesmo motivo que a forma primeira no Universo desta formula começou a se modelar em diferentes formas e funções: uma onda de luz se expandindo, se infiltrando na substancia inerte e escura espacial, e como um rio, modelando-se em curvas, voltas, o que for necessário, para suas águas continuar fluindo, se expandindo.

Vamos então ver como surgiu o primeiro acessório naquela célula primitiva, que foi um cílio. O antepassado primeiro de bracos, pernas, rabos, pelos, cabelos, mãos de agarrar, etc. A célula precisava se mover na direcao de um grupo de átomos próximos que estavam formando um composto que continha o tipo de energia e massa que ela precisava para repor o que gastava na sua respiração, etc. Mas como bolota não tinha jeito de se mover e alcançar o ” alimento”. O lado da bolota mais próximo do composto de átomos sentiu extrema necessidade, extremo desejo, de se aproximar do composto. Toda a forca e energia da célula foi para ali, naquela região do seu corpo, canalizada. Por este canal chegou a formula projetada pelo nucleotídeo que o desejo criou. Na formula tem todos os requisitos para se fazer qualquer coisa neste universo.  Todos os mecanismos, todas as funções, e a capacidade para transformar estes mecanismos em tecnologia concreta, em aparelhos e instrumentos materiais. Assim como os humanos fazem hoje a tecnologia iniciada por um desejo, um imperativo de sobrevivência, de evolução, ou de bem estar.

Então era preciso uma extensão que ajudasse a célula se mover, Era preciso uma especie de tentáculo auto-movente, dirigido pleo nucleotídeo que era o cérebro primitivo da célula. E na formula, no nucleotídeo já existia o mecanismo, a função sistêmica para isso. E’ o próprio ” fio” desenvolvido por aquela onda inicial de luz, o leito por onde se esvai a água de um rio. Que na formula chamamos de circuito, o canal por onde passa o fluxo de energia/informação. Bastava alongar a membrana naquela região, mas não apenas isso, era preciso dotar a alongação de movimento próprio. Precisava então fazer uma especie de motor rotativo. E assim apareceu o que hoje conhecemos muito bem de motor ciliar. Porque na formula já existia a função de motor, ela já tinha feito este motor nas galaxias, constituído de um vórtice rotacional no núcleo da galaxia, um vórtice que mistura matéria com energia e ejecta tudo na forma de bolotas, as primeiras sementes do universo, que no caso eram sementes de novos astros celestes, planetas e estrelas.

ATP Sintase - How it Came From LUCA

ATP Sintase – How it Came From LUCA

Mas a formula contem sete partes, sub-ferramentas, porque ela e’ em si um sistema funcional completo, e estes precisam ter materializados as sete funções sistêmicas universais. Ora, para fazer aquele primeiro apêndice transportador e agarrador, um cílio, so’ precisava de aplicar duas das sete funções.

Mas e’ assim que a formula funciona. Ela tem que sempre ser a primeira coisa a se materializar quando um sistema, vivo ou não precisa de algum acessório ou sensor para se manter funcionando. Ela se materializa e se situa na região e onde deve sair o acessório. A partir dai ela começa a trabalhar, dirigida pela vontade do novo par de nucleotídeo que e’ ela mesma no centro do sistema. O cérebro. Se quando usou apenas duas de funções, o desejo se satisfez, a necessidade foi satisfeita, ela para de trabalhar. Como que recolhendo as ferramentas que ela levou para o trabalho mas que não precisaram serem usadas. E foi assim ao fazer os bracos, as mãos, as pernas… As vezes o novo acessório necessário e’ muito complexo. Como são os olhos, o sistema da visão. nestes casos ela talvez tenha que usar e aplicar todas suas funções, mas não apenas isso, ela tem que ,misturar, somar funções para criar ferramentas intermediarias. Assim como para tirar o pneu de um carro e’ preciso o macaco para levantar, a chave de roda para os parafusos, etc. Misturando suas sete funções, ou apenas duas, três, ela consegue o que chamamos de “fuzzy logics”, ela faz tudo o que precisa ser feito.

Então assim se explica o DNA como sendo uma ” pilha” de nucleotídeos, que dependendo do tipo de ser vivo, pode crescer infinitamente. Na verdade o DNA e’ uma pilha de unidades de uma formula. Por ser mais primitivo que o cérebro, o DNA não pode usar uma so’ unidade da formula para controlar todos os acessórios, como o cérebro faz com o corpo todo; o DNA precisa de uma unidade de “cérebro” para controlar cada detalhe do corpo.

Se eu não tivesse descoberto esta formula, nunca teria resolvido o mistério naquela naquelas noites que via ou pensava nas diferenças entre as mãos do macaco, as patas da capivara e as minha próprias mãos. Como foi a evolução daquele cilio inicial e porque se derivou em tantas formas diferentes? Com a formula na cabeça pela primeira vez na vida botei minhas mãos perante meus olhos e pela primeira vez na vida percebi que a palma da mão imitava – no sentido da evolução e no trabalho da formula – a minha mãe gravida, o dedo mindinho representava a minha forma quando era um baby, depois o dedo seguinte era o adolescente… ate’ ver no polegar encurvado e desajeitado como sera’ a ultima forma do meu corpo. Ali nas minhas mãos estava a historia da minha vida, do meu ciclo vital. Porque a formula foi montada assim. Cada peça, cada função foi surgindo do aprimoramento de uma forma anterior, ela toda e’ uma a historia de um cilo vital Assim ela contem o código que imprime vida na matéria inerte. Assim ela fez meus braços, minhas pernas, assim ela fez de mim, uma nova e ultima forma do universo, mas um universo que agora caminha… esvaindo-se pelas frestas dentre os obstáculos rumo ao retorno `a fonte paterna e materna que me gerou desde aquela primeira onda de luz. E quando pensei na luz, voltei a olhar para minhas mãos para agora descobrir que ela conta nao apenas a historia da minha vida, mas tambem a historia da vida inteira do Universo, como esta delineado na figura a seguir. Sagrado seja o cérebro humano que foi o primeiro nesta historia a despertar este universo como auto-consciente de sua própria existência.

Maos Pela Formula da MatrixDNA