Posts Tagged ‘planetas’

As dimensões da galaxia e do Universo, inimaginaveis! A probabilidade de vida lá fora.

domingo, abril 14th, 2019

xxxx

A via láctea tem 100 mil anos luz de diâmetro – e isso é algo muito, mas muito grande!- e existem cerca de 250 bilhões de estrelas como o sol apenas dentro dela, cada uma com alguns planetas em suas órbitas! Astrônomos afirmam que o número de galáxias conhecidas no universo chegue a 150 bilhões!!!! Agora, multiplique 150 bilhões por 250 bilhões, e multiplique o resultado por 5 , que é uma média conservadora de planetas que orbita cada estrela, e diante da magnitude assustadora da quantidade de planetas conhecidos no universo, você não terá nenhuma dificuldade em chegar a brilhante conclusão de que, delirante não é quem acredita em vida inteligente extraterrestre, mas precisamente quem não credita!

Somos micróbios e nosso sistema solar e um grão de areia. E micróbios não tem cerebros capacitados sequer para pensarem boas teorias sobre a existencia de humanos.

E não se esqueça que apenas vemos a materia iluminada por apenas uma das sete faixas da onda de luz. Entao é possivel que ao nosso lado e talvez compartilhando o mesmo espaco existam ao minimo mais 6 universos, seis dimensoes diferentes das quais não podemos fazer a minima ideia.

Matar, morrer, ferir, tentar impor, ter ideologia e ser radical nela, baseando-se numa visao de mundo, com fé que esta é a Verdade Ultima, é o mais absurdo desvio de um cérebro.

Planetas: Teorias da formação Pela Academia de Ciências e pela Matrix/DNA Theory

terça-feira, agosto 22nd, 2017

xxxx

A Short History of Planet Formation

https://www.youtube.com/watch?v=VAKSzsJcpQk

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli – 8/22/2017

There are four ways for searching planet formation: 1) reductionist, is what Dr. Shahar is doing, first studying the basic Physics and Chemistry of it system’s components: 2) Systemic, which is comparisons between a system and the Matrix/DNA universal formula for systems, and making comparative anatomy between systems: 3) Trying to compose the history, from the past Big Bang to nowadays, and 4) From the future to the past, going from the final product today built by the forces and elements as a system and trying to know the reverse of its evolution, going towards the Big Bang. I am not well informed, I have knowledge of works being doing by Academic Science only by methods 1 and 3. So, I tried something about methods 2 and 4 and I got the Matrix/DNA astronomical models and theory. It results in a different general world view which affects the approaches to astronomic bodies formation. What will happen if academic researches tries methods 2 and 4? Maybe it will reduce time, money and sacrifices for getting the final knowledge.

Astronomia: Formação de Sistemas Astronômicos pelo Segundo Método

domingo, agosto 20th, 2017

xxxx

Assistindo ( link abaixo) a moderna teoria astronômica acadêmica sobre formação de sistemas estelares onde a estrela nasce primeiro que os planetas – tive uma ideia para explicar o segundo método da formação de sistemas astronômicos.

Depois de seu primeiro método de formação – que foi simbioses – a célula aprendeu a se replicar já adulta, meramente se multiplicando já pronta. Então porque este método não teria vindo do ancestral astronomico? Se sim, isto significa que depois do método da simbiose – que formou as primeiras galaxias ou o building block de galaxias – tanto sistemas estelares quanto galácticos aprenderam a se reciclarem já adultos, prontos. Então neste segundo método, realmente a teoria acadêmica está correta.

Isto encerra a pesquisa da Matrix/DNA sobre o segundo método na formação de sistemas astronômicos.

Porem ela não conhece ainda o primeiro método e isto desvirtua a interpretação do que são sistemas astronômicos em seguida desvia o conhecimento dos processos nas origens da vida e de seu significado, pois o primeiro método mostra sua face biológica, que obedeceram, na sua primeira geração, a formação de cada astro pelo processo do ciclo vital.

https://www.youtube.com/watch?v=VAKSzsJcpQk

Planetas Solitarios: Evidencia prevista no modelo da Matrix/DNA

segunda-feira, julho 31st, 2017

xxxx

O nosso modelo teorico astronomico indica que – ao menos no primeiro metodo de formacao dos astros – eles sejam forjados apenas como nucleos dentro de vortices nucleares em meio a poeira cosmica e emitidos ao espaco livre onde sofrerao as mudancas de formas tal como corpos humanos passam por mudancas de formas ao longo de seu ciclo vital. Entao a 30 anos atras quando registramos o copyright da Matrix/DNA, fomos o primeiro a sugerir que tal estranheza exista, ou seja, planetas solitarios vagando no cosmos sem estarem atrelados a nenhum sistema estelar. Claro, na epoca isto parecia uma aberracao ilusoria aos astronomos, pois era impossivel de acordo com a teoria academica. mas recentemente ocorreu a surpreendente descoberta de um planeta em tais condicoes e depois outros mais foram descobertos. O artigo a seguir fornece informacoes sob a perspectiva da teoria academica.

http://imagensdouniverso.blogspot.com/2014/08/planetas-andarilhos-os-planetas.html

Planetas andarilhos, os planetas solitários que vagam pelo universo

Planetas solitarios ou andarilhos

Um planeta andarilho (ou planeta de livre flutuação) é, geralmente, um corpo do tamanho de Júpiter que habita o espaço entre as estrelas, sem estar ligado pela gravidade a qualquer uma delas (como a Terra está ligada ao Sol, por exemplo). Isso significa que é um planeta sem uma estrela-mãe. Os cientistas creem que estes planetas são formados diretamente a partir do colapso de nuvens de gás interestelares (como estrelas) sem massa para inflamar (como uma anã marrom), ou que são formados em um sistema planetário e de alguma forma “superam” a gravidade de sua estrela e ficam livres dela (na verdade, são expulsos do sistema). Essa segunda opção ocorre quando um planeta, que normalmente é de grande massa, migra em direção à sua estrela-mãe. No processo, passa através dos materiais que sobraram da formação daquele sistema. Naturalmente, todos os planetas entre o planeta migrante e a estrela-mãe serão afetados. Alguns mudarão sua órbita (movendo-se para mais perto ou mais longe da sua estrela hospedeira), outros podem entrar em uma rota de colisão com um objeto diferente (uma lua ou outro planeta) e serem destruídos, e ainda outros podem ser ejetados do sistema, e se tornarem “andarilhos”. Vamos dizer que o planeta que se dirige a sua estrela-mãe tem cinco vezes a massa de Júpiter. Ele pode gravitacionalmente ejetar um planeta menor, mesmo que este tenha a massa de Júpiter (o que é muito grande). Isto implica que pode haver vários planetas andarilhos que foram ejetados de todos os sistemas que tem um “Super Júpiter” (planetas grandes e quentes) orbitando de maneira muito próxima sua estrela-mãe. Na verdade, esse cenário é bem provável. Pesquisadores descobriram recentemente que estes planetas livres são muito comuns. Pode haver quase o dobro deles em comparação com o número de estrelas. Só que, infelizmente, eles são muito difíceis de observar, uma vez que a maneira mais simples de encontrar um planeta é estudando o efeito que ele tem em sua estrela-mãe – quando um planeta passa na frente de sua estrela, obscurece sua luz por um momento. Para acompanhar esses planetas andarilhos, os cientistas monitoram o céu, observando o efeito que eles têm nas estrelas que estão muito, muito mais distantes do que os próprios planetas. Eles entortam essa luz das estrelas de fundo, fazendo com que se amplie e brilhe mais forte. Porém, essa técnica faz com que seja quase impossível observar planetas andarilhos menores, com a nossa tecnologia atual. E, mesmo se encontrarmos um, vai ser extremamente difícil de rastreá-lo. O que é um pouco triste, visto que tecnicamente devem ser mais numerosos do que os corpos do tamanho de Júpiter. Quanto à habitabilidade desses planetas solitários, eles são extremamente frios, mas talvez não tão frios quanto seria de se esperar, visto que frequentem o abismo que é o espaço interestelar. Certos gigantes gasosos, como Júpiter e Saturno, emitem mais energia do que recebem do Sol. Além do calor gerado durante a contração do núcleo do planeta, o decaimento radioativo é uma fonte de calor que captura uma quantidade considerável de calor gerado durante a criação do planeta. Então, qualquer um destes planetas nômades pode permanecer gasoso, apesar do frio intenso. Também é possível (mas improvável) que alguns desses planetas mantenha a sua lua (ou luas) após a expulsão do sistema. O aquecimento provocado pelas marés do satélite seria uma outra fonte de calor para o planeta. No entanto, seria mais óbvio dizer que eles são, em geral, frios demais para abrigar a vida como a conhecemos.

Lua: Teorias de sua Origem e Teoria da Matrix/DNA

domingo, novembro 27th, 2016

xxxx

https://www.youtube.com/watch?v=BSYgIbInz78

Misterios de la Luna

E meu comentario postado no Youtube:

Louis Charles Morelli Louis Charles Morelli – 11/27/2016

O modello cosmologico teorico da Matrix/DNA Theory está sugerindo uma diferente explicação para a origem da Lua. Ela seria um germe de planeta como foram os planetas inicialmente, porem, ao inves dela cair na órbita direta do Sol – como os planetas estão – ela foi capturada na órbita de um planeta e assim, o germe nuclear que ela contém nao se desenvolveu. A Teoria Astronomica Oficial esta cheia de explicacoes teoricas que apelan a violencia no Cosmos, como choques entre grandes corpos, buracos negros canibais, etc. Mas nunca ate agora foi de fato captado algum evento violento. Segundo a Matrix/DNA, a forca gravitacional e a inércia da dark matter nao permite eventos violentos entre grandes astros. apenas existe a violencia de meteoritos porque estes escapam a ação da gravitação. Esta tendência a projetar a violência que faz parte da nossa vida sobre o Cosmos e’ antropomorfismo, porém, o Universo nao foi construído tendo por base o mundo humano, e sim ao contrario. Violencia existe no nosso meio porque somos microscópicos e tambem escapamos as leis da gravitação. Levante seus olhos para o céu e se pergunte: O Cosmos ‘e regulado pelo estado de caos ou pelo estado de ordem? Mais vale sua intuição honesta do que mil teorias tendenciosas… A Teoria da Matrix/DNA, ( google The Universal Matrix of Natural Systems) foi construida com base no raciocínio puro humano e nao com base na invenção da matemática como se esta fosse a linguagem de um Universo mecânico, sem vida…

Como as Escolas Continuam a Desviar As crianças do Amor `a Vida e ao Nosso Planeta

terça-feira, novembro 24th, 2015

xxxx

Mais um artigo publicado e produzindo um desserviço na grande causa da Humanidade. Tiraram uma foto do céu e correram a interpreta-la segundo a cosmovisão de que somos meros produtos do acaso. E isso em nome da Ciência que e’ inserida no curriculum escolar!

Nos perdemos 2.ooo anos porque a precipitação na interpretação de coisas distantes levou a colossais equívocos, como o de que o Sol giraria em torno da Terra, a Terra fosse plana etc. Bilhões de mentes jovens foram desviadas pelos adultos do verdadeiro caminho na busca de nossas origens a da produção da boa Ciência. E’ obvio que esta imagem não autoriza interpretação alguma `a pretensão de ser cientifica. Nunca vamos provar cientificamente a completa formação de um planeta, pois isto requer um filme de 10 bilhões de anos. Teremos uma teoria de formação, assim como temos uma teoria da evolução porque ninguem a assistiu. Estão desviando as mentes dos nossos jovens nos bancos escolares, mas o que ganham com isso?! A destruição da vida por não entender seu significado sublime e eterno, e  de um planeta por não entender que ele foi uma vez nossa mãe, um ancestral na mesma linha genética evolucionaria como foram bactérias, estrelas e repteis?

Para quem esta interessado, leia o artigo pelo link abaixo e leia meu comentário tambem abaixo: 

Astronomia: Como nasce um planeta?

http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2015/11/23/astronomia-como-nasce-um-planeta/comment-page-1/#comment-140336

POR SALVADOR NOGUEIRA – 23/11/15  02:00
Concepção artística de planetas em processo de formação ao redor de uma estrela jovem. (Crédito: Nasa)

Notar que esta e’ uma “concepção artística” de planetas em processo de formação ao redor de uma estrela jovem. A imagem verdadeira deve ser um borrão preto e branco. (Crédito: Nasa)

E minha explicação:
 
Louis Charles Morelli comentou em 24/11/15 at 5:43 am 
(Your comment is awaiting moderation.)
A interpretação dada a esta imagem nos desvia ainda mais do conhecimento das nossas origens. Pois a mesma imagem pode sugerir outras interpretações que tornam mais racionais e fáceis de entender nossas origens, como a interpretação dada pela Matrix/DNA Theory. Este planeta e seu sistema produziu as nossas origens aqui, portanto, onde estavam as formas primitivas das forças e elementos naturais que depois se tornaram as propriedades vitais? Não estavam ai, então o que existe na Terra foi criado do Nada por ela, ou caíram do céu, por magia de deuses ou de acasos?! A forma planetesimal pode ter sido produzida pela força que depois produz a forma fetal, ou a blástula, mas e o resto? O metabolismo, a memoria, codificação e processamento dessa memoria pelo DNA, o sistema digestivo, etc.? Onde estavam os princípios destas propriedades nesta imagem?
 
O mesmo artigo na Nature sugere que a formação ou nascimento de um planeta tome 10 milhões de anos. A repentina visão de um momento entre 10 milhões de anos não nos autoriza a interpretar nada, assim como a foto de um feto humano ainda na forma de réptil, para quem nada sabe de embriogênese humana, não o ajudaria a nenhum entendimento da sua completa formação, do que ocorreu antes e ocorrera depois. Alem disso, com certeza a Dra. Stephanie usou apenas um ou dois espectros da luz, o que deixa muitas dimensões da imagem, encobertas. E’ como olhar para um arco-iris e ver apenas a faixa pelo infra-vermelho, ou apenas a faixa azul. 
 
Devem existir dois processos de formação de astros em geral, como houve dois processos na formação dos seres vivos. O primeiro, das galaxias originais, foi por simbiose, depois as seguintes gerações de astros aprenderam a auto-reciclagem do sistema, que e’ uma simples forma de reprodução. De que outra forma teriam surgidos astros que não existem nos sistemas estelares, como quasares, pulsares, buracos negros, etc? Mas o processo do ciclo vital que este planeta produziu aqui para os sistemas biológicos e que faz um unico corpo inicial se transformar em varias formas, explicaria racionalmente estas existências, mas então este processo vital já estaria incubado, como potencial latente, desde as origens das galaxias.
 
Nos perdemos 2.ooo anos porque a precipitação na interpretação de coisas distantes levou a colossais equívocos, como o de que o Sol giraria em torno da Terra, a Terra fosse plana etc. Bilhões de mentes jovens foram desviadas pelos adultos do verdadeiro caminho na busca de nossas origens a da produção da boa Ciência. E’ obvio que esta imagem não autoriza interpretação alguma `a pretensão de ser cientifica. Nunca vamos provar cientificamente a completa formação de um planeta, pois isto requer um filme de 10 bilhões de anos. Teremos uma teoria de formação, assim como temos uma teoria da evolução porque ninguem a assistiu. Estão desviando as mentes dos nossos jovens nos bancos escolares, mas o que ganham com isso?! A destruição da vida por não entender seu significado sublime e eterno, e  de um planeta por não entender que ele foi uma vez nossa mãe, um ancestral na mesma linha genética evolucionaria como foram bactérias, estrelas e repteis?
xxxx
Comentario enviado a outros artigos:

Nova Teoria Sobre Formação de Estrelas e Planetas Contra A Acadêmica Hipótese Nebular e a Favor da Matrix/DMA

quinta-feira, agosto 13th, 2015

xxxxx

Stellar Metamorphosis: An Alternative for the Star Sciences

http://vixra.org/pdf/1303.0157vC.pdf

Artigo cientifico em PDF, bastante técnico. O autor defende que:

” A planet is a star and a star is a planet.”

E diz isto:

” It is up to the reader to decide what is correct not authority or “established science”. Established science is full of people who are more concerned with their self worth than actually understanding nature. If you make discoveries of your own do not get acceptance from “establishment or peer review” just work on it and develop it. The peer review system is broken it only favors theories that do not threaten the status quo.” 

 

 

Sistema Solar Funcionando… Louco, Mas qual a Explicacao?!

quinta-feira, maio 28th, 2015

xxxx

( artigo ainda sob construcao com muitos erros ortograficos devido estar usando um teclado e computador que so fala ingles…)

Talvez exista um misterio demasiado importante para explicar porque o nosso planeta gerou a vida, e  porque somos assim do jeito que somos: talvez o nosso DNA, o nosso corpo e o nosso planeta exista sob uma especifica faixa da vibracao da luz e energia. Trata-se da mais recente teoria que estou desenvolvendo dentro da grande teoria geral da Matrix/DNA. Vamos ver uma introducao a ela:

https://lh3.googleusercontent.com/-8uIeOiJJV24/VWaUn-KTW7I/AAAAAAABQN4/_tKdf60DuTA/w346-h342/15%2B-%2B1

Tente imaginar que voce esta dentro de uma nave redonda movendo-se no espaco e sem ninguem dirigindo-a. O espaco todo aberto e vazio `a frente, atras, dos lados… Creio que a nave vai seguir na linha reta que vinha quando alguma forca a moveu no inicio. Ela nao teria nenhum motivo logico para mudar a direcao, a nao ser que o espaco nao fosse tao vazio e algo nele dirigisse a nave numa direcao. Pois bem, os planetas movem-se fazendo uma curva constante repetida quase pela eternidade. Qual a forca oue elemento invisivel existe no espaco para encurvar a direcao dos planetas? Bem, acho que foi com essa pergunta na cabeca que Einstein comecou a pensar no ” espaco curvo” ate chegar a sua genial teoria da relatividade. Mais ou menos – Segundo essa teoria – o Sol tambem se move em volta do nucleo da galaxia e ao avancar no espaco ele vai fazendo algo como acontece quando a gente atira uma pedra na agua parade. Quem esta acima da agua ve a formacao e ampliacao de ondas concentricas, mas acho que quem estiver dentro da agua veria um rodamoinho espiralado avancando na agua pela sua ponta.

Mas tenho um problema a perguntar aos fisicos. No caso da agua, vejo as particulas de poeira, fragmentos de objetos, etc., sendo arrastados junto com as ondas, se distanciando do centro. Quando as ondas terminam, o lugar onde elas estiveram ficou limpo. O proprio mar joga as sujeiras para a praia. Entao se o Sol encurva o espaco criando as ondas, porque os planetas nao estao se distanciando do Sol? Se alguem souber esta resposta que deve ser de estudante primario, por favor me avise. Ahh… chiii… como fui me esquecer disso? Massa atrai massa na razao inversa do quadrado…. O sol tem muita massa, os planetas tambem tem, enquanto nas ondas da agua so os graos tem massa enquanto o centro e’ oco…Mas sera que ‘e so isso? E porque e’ que os Astros tinham que ter essa massa e nestas proporcoes entre eles?

Os modelos teoricos da Matrix/DNA tem sugerido uma outra explicacao, apesar que ela esta ainda nebulosa e incompleta. O Sol e’ uma fonte de luz, e como e’ redondo emitindo igual luz para todos os lados, esta luz deve sair na forma de ondas como vemos na agua. Nao e’ um raio de luz dirigido. O que deve acontecer entao? Para acompanhar o raciocinio que estou fazendo ao observer os modelos da Matrix/DNA, e ‘ preciso trazer aqui a seguinte figura:

Light - The Electro-Magnetic Spectrum

Esta linha serpeante e’ o que aparece na tela de um medidor quando registramos a passage de uma onda de luz. Entao na verdade as ondas nao e’ como parecem ser a linha ondulatoria, mas sim ondas concentricas sendo emitidas por uma fonte, como o Sol, ou como vemos na agua. Entao vamos para a figura la em cima e percebemos que a Terra – aquela bola azul grande perto do sol – esta’ na terceira linha, o ultravioleta. Eu nao sei porque os cientistas fizeram aquelas linhas circulares na figura, mas penso que ao inves da terra circular em cima da linha divisoria entre duas ondas, ela se move no meio de duas linhas, como um carro se move numa estrada. Sei que as linhas sao arbitrarias e apenas para mostrar as orbitas, mas penso na imagem na agua, quando vejo os graos de poeira circulando entre as linhas das ondas e nao em cima delas. Isto explicaria porque os planetas nao saem das orbitas apesar de ninguem estar na sua direcao. Quando ele se move muito para um lado ameacando sair daquela orbita, o seu estado vibracionario se choca com outro estado vibracionario da onda seguinte, o que o faz retornar `a sua faixa vibratoria.

Um fato curiosos que notei logo ce cara na figura do sistema solar e que as linhas orbitarias sao exatamente em numero de sete. E sete sao as faixas da onda de luz. Quando os cientistas vem essa coincidencia o que sera que pensam? Claro, devem ter a seculos uma explicacao para isso tudo, mas eles vivem teimando que o sistema solar, apesar de parecido, nada tem a ver com a forma do sistema atomico… porem tambem o atomo tem sete camadas eletronicas. E pela minha teoria, o atomo nada mais e que a forma de bebe da Matrix, enquanto os sistemas estelares sao a sua forma de crianca.

Bem, mas agora e’ que a coisa comeca a ficar mais interessante. Na Matrix/DNA descobri que a linha serpeanteante acima desenha o mesmo desenho que sairia na tela se ao inves de medir a passage de uma onda, eu medisse a passage de uma vida inteira de um corpo humano. A fonte `a direita seria a barriga da mamae, a primeira faixa seria a idade do bebe, a segunda da crianca… ate a ultima que seria a do cadaver se decompondo em seus fragmentos…

Se eu acertei nessa, ja justifiquei minha passage por esta vida, pois esta seria uma das mais revolucionarias dscobertas de todos os tempos, pois ela muda muito a nossa maneira de ver o mundo. Isto significa que uma onda de luz se propaga no tempo e espaco diriida pela mesma forca que faz um corpo humano se porpagar no etempo e espaco, ou seja, crescer no volume do corpo e aumentar o seu tempo ou idade. E sta forca que atua no corpo humano, apesar de nao ser ainda bem compreendida, a chmamos de ciclo vital. Esta forca faz a diferenca entre um corpo vivo e um objeto nao-vivo. Ora, se ela tambem e’ aplicada na luz… isto siginifica que a luz tem um ciclo vital e em outras palavras… uma onda de luz e’ uma forma de vida… !

Por mais estranho que isso possa parecer, se voce comeca a pensar nesta possibilidade como eu pensei, depois de alguns anos voce comecara a ver que a coisa toda tem muita logica… mas se o mundo e nossa existencia nele tiver uma outra dimensao da qual jamais imaginamos.

Para comecar, quem veio primeiro – a luz ou a vida? Se na luz ja existia o codigo da vida esta surgiu a 13,7 bilhoes de anos atras, junto com o Big Bang – que deve ter sido a primeira fonte de luz neste universo. E desde que tambem descobri que o Big bang do universe teve o mesmo significado que o big bang do primeiro momento que meu corpo foi concebido… e dese que sei que o codigo da minha vida nao foi criado naquele mini big bang mas sim ele passou pelo big bang vindo dos meus pais que existiam antes e alem do meu ovo universal… entao a luz trazendo a formula para criar a vida veio de antes e do alem deste universo.

Mas vamos voltar agora ao caso das vibracoes dos planetas. E sabido que ondas de luz carregam em si uma energia, entao esta energia vibra de acordo com a faixa em que ela esta. A energia nas ondas emitidas pelo sol e’ o qe deve segurar os planetas nas suas orbitas, chamem ela de gravitacional, magnetica, ou como quiserem. E tudo o que estiver neste planeta estara vibrando na mesma faixa. Inclusive nos e o DNA de todos os seres vivos.

Mas o que significa isso. Uma breve olhada no grafico da luz nos faz perceber que as vibracoes nascem num estado agitado de violencia e evoluem para um estado calmo de paz. Sera este o nosso future? Ele ja estaria assim determinado? E porque ainda existem animais e humanos muito violentos? Bem, ai vem o problema de que o DNA emergiu da entropia de um sistema astronomico ou mais exatamente da mudanca da forma da matrix universal e isso requer alguns calculus complexos que ainda nao tive tempo de fazer.

Cada planeta tem um estado vibratorio diferente, especifico, apenas seu. Sera por isso que os outros planetas nao se desenvoveram nas condicoes ideais para a vida biologica?

vemos no grafico da luz que na faixa onde esta a Terra ocorre uma primeira grande mudanca na evolucao da onda de luz. Ate o ultraviolet a vibracao era muito forte, mas no meio com a visivel, ela de repente comeca a se alongar, ou seja, uma queda brusca na agitacao da vibracao. Que mudancas entao estao por vim para nosso planeta e para nos?

Estas e mais algumas dezendnas de perguntas estou esquematiczando e pensando neste misterio, tentando conectar os fatos… e assim talvez logo a Matrix/DNA tenha mais uma teoria surpreendente.

Ribossomos: Fabricas das Células que Rodam Softwares vindos do DNA produzindo proteinas; Planetas: Fabricas dos Sistemas Astronomicos que recebem softwares vindos da Matrix/DNA para produzirem as varias formas de Vida.

sábado, abril 4th, 2015

xxxx

Pois na formula da Matrix planetas estão posicionados no mesmo local que ribossomos ( F3). E as proteínas já foram identificadas como representantes biológicas de cada trecho do circuito esférico da formula. Em outras palavras, as 20 ou 30.000 espécies de proteínas produzidas nos ribossomos correspondem às milhares de espécies de vida primitiva na face da Terra. O resto – ou seja, como estas vidas primitivas ( fungos, líquens, algas,bactérias, etc), evoluíram – para chegar aos animais superiores, é pura evolução Darwiniana mais as variáveis da formula.

Este novo insight da Matrix/DNAfoi percebido ao ler esta frase:

“…During the process known as transcription, a RNA copy of a segment of DNA, or messenger RNA (mRNA), is made.  This strand of RNA can then be read by a ribosome to form a protein.

http://exploringorigins.org/rna.html

Para você ter uma idéia melhor de como um ribossomo num sistema celular executa a mesma função que um planeta num sistema estelar, observe a figura abaixo. Temos aí a forma de um ribossomo, o qual nada mais é que uma molécula complexa de ribozima, ou seja, apenas RNA e proteína.  Na figura, o strand ou cadeia de RNA vem nas cores azul ( a haste do RNA) e branca ( as bases nitrogenadas do RNA). A proteína vem na cor verde. A teoria cientifica do RNA-world está sugerindo ( e a teoria da Matrix/DNA tambem sugere a mesma coisa), que primeiro existia o RNA apenas ( o DNA veio depois), o qual já conseguia formar alguns micro-organismos muito primitivos porque ele já fazia não as proteinas , mas as mais simples moléculas de ribozimas. Quando a partir do RNA se desenvolveu o DNA este passou a capacitar o RNA a produzir proteinas, vindo então o pós- RNA-world.

Pois bem. Agora lembre-se que a Terra primitiva antes de ter sua superfície coberta pela vida ( verde, pois no principio foi a vegetação) ela era composta de continentes e água ( claro, tambem a invisível primitiva atmosfera de gazes). Nesse estágio a Terra se parecia com o primitivo ribossomo sem a proteina. Então pense nos continentes como sendo o branco, e na água como sendo o azul. A vegetação verde cobriu a Terra primitiva assim como uma proteína surge cobrindo o ribossomo. Isto aconteceu porque qualquer estrutura que ocupe uma das funções sistêmicas universais na formula da Matrix/DNA vai executar a mesma função,o mesmo método, processo e mecanismo em qualquer sistema natural, de átomos a galaxias a corpos humanos.  ( Se você for no link acima, veja esta figura e passe o mouse em cima dela para ver a imagem se animar e parecer como era antes e depois da proteína)

The ribosome, a large molecular machine that drives protein synthesis, is a ribozyme. Roll over to compare the ribosome structure with and without proteins. Proteins are shown in green, and RNA is shown in blue and white. (PDB #2HGR for the 30S subunit and #2HGU for the 50S subunit).

 

 

 

Planetas movendo-se como foguetes no espaço! Veja noticia e interpretações dos teóricos

sexta-feira, março 23rd, 2012

Acho melhor parar-mos o mundo agora e descer-mos desta nave à deriva no Cosmos antes que êste mundo louco nos deixe loucos tambem. Agora nossos telescópios revelam que os espaços entre as galáxias – que pensávamos serem vazios – estão cheios de planetas e estrêlas solitárias modendo-se em elevadissimas velocidades! É a imagem de um Universo como uma máquina de “pinball”! Imagine o que acontece quanto êstes astros se trombam?! Se já não chegasse os ultimos constantes tremores da terra sob nossos pés e o comportamento maluco do Sol nos ultimos dias para nos fazer repensar a nossa impotência perante a existência, sentir esta insuportável leveza do nosso “ser”, ainda vem mais esta noticia agora revelando que o Universo gosta de “bombardeios”, “tiroteios”, de “astros como mísseis errantes singrando os espaços”…

Bem… talvez nós humanos estejamos incluidos numa natural corrente de causas e efeitos de maneira normal e nossa evolução ocorra incólume e paralela a êste caos aparente. Se assim for, relaxe, estamos garantidos, o Universo é peralta e brincalhão mas nos é amistoso, ou ao menos, existe algum desígnio superior à fôrça do Universo nos protegendo. Eu não vou sofrer antes do tempo, vou aproveitar a vida como ela se me apresenta: quando a terra treme, por exemplo, tento aprender a pular o hula-gula dançando no ritmo da musica da orquestra planetária, como o Universo quer que eu dance. Quando vem maremotos tento aprender rápido como “pegar uma onda”. Quando o Sol manda seus bafos aquecidos tentando me transformar em churrasquinho no espêto êle não me péga, porque estou sempre precavido: abro o guarda-chuva…

Mas vamos ao artigo que revela a noticia (mais tarde voltarei tentando fazer a tradução. Não deixe de ler p comentário abaixo onde a Matrix/DNA aproveita mais esta chance para selecionar esta descoberta como mais uma de suas “previsões acertadas” e cutucar os americanos com idéias que lhes parecem de um extra-terrestre, deixando alguns dêles loucos de vontade de me agarrarem e me lincharem. Ninguem mandou New York aceitar e inclusive documentar um Crocodilo Dundee escapado direto da selva amazônica! Agora que me aguentem… Mas é justo êste o segrêdo do sucesso desta terra adorável que é a América: ela é como uma mãe, um coração amplo e uma mente aberta a tôdas idéias que venham do planeta, e, quiçá, as que vem de fora do planeta tambem.)

‘Warp-Speed’ Planets Flung Out of Galaxy on Wild Ride
by Denise Chow, SPACE.com Staff Writer
Date: 23 March 2012 Time: 01:34 PM ET
SPACE.COM
http://www.space.com/15023-warp-speed-planets-light-speed.html (digite isto no Google)

A seguir meu comentário postado abaixo do artigo na Space.com, segundo o que estou concluindo agora nesta rápida leitura dos modêlos da Matrix/DNA:

Louis Morelli – New York, New York

Porque êstes planetas não podem serem “Planetas Foguêtes” ?

Me corrijam se eu estiver errado, por favor. Existem planetas em movimento nos espaços entre as galáxias. Êste é o fato cientifico, o resto são nossas interpretações, teorias. Esta teoria foi obtida através de simulações no computador. Estas simulações são resultantes de calculos feitos pelo computador baseado nos dados que humanos lhe forneceram, mais o relativista ponto de vista do computador como cérebro eletro/mecanico (ou seja, de que o universo é fisico/mecanico), e sua linguagem é matematica. A teoria pode estar errada se os dados fornecidos estiverem errados, se o universo não for apenas fisico/mecanico, e se a principal linguagem que traduz a natureza universal não for a matematica. Os dados prévios fornecidos ao computador já se basearam não em fatos apenas, mas em existentes teorias, como a dos buracos negros, o que aumenta a chance de êrros na simulação final.
Vejamos o que sugerem os meus modêlos obtidos pelo método da anatomia comparada entre galáxias e seus produtos aqui: células vivas.
“Planetas de galaxias originais (e não recicladas) se transformam. Consomem seus atomos pesados nas reações nucleares, tornando-se mais leves. Com isso começam a escapar da força gravitacional de suas estrelas, saem fora do sistema estelar e podem até sairem fora da galaxia. Como continuam a aumentar as reações nucleares, ejetam uma força para tras como foguetes, e assim aumentam sua velocidade. Êste mecanismo tambem ocorre em cometas e mais tarde, com a evolução, se repete com espermatozóides na reprodução sexual. Mas nesta teoria astronomica buracos negros são diferentes da teoria oficial, o Universo é fisico/mecânico porem já apresentando processos biológicos, e a matematica não é a principal lógica que traduz a natureza universal.”
Claro que todos os seres humanos julgarão esta teoria como totalmente errada. Pergunto: qual o fato cientifico ( e não crença teórica) que fundamenta tal julgamento? Se não podem apresentá-lo, continuo: qual a lógica natural, o raciocinio, que sugere ser esta teoria impossivel? Se o fato agora observado for como interpreta sua teoria, como a galaxia orientou evolutivamente mais esta sua propriedade para produzir dentro dela o sistema celular vivo?

xxxx

O leitor tem algum comentário?