Posts Tagged ‘privacidade’

O segredo do sucesso estará em abrir mão de toda privacidade?

sexta-feira, abril 26th, 2019

xxxxx

Um sistema social será tanto mais defeituoso  quanto mais informações privadas os cidadãos negarem ao Big Brother. Pois ele terá menos capacidade para ajustar todos os diferentes cidadãos numa organização perfeita.

Um sistema social sera tanto mais perfeito quanto mais informações sobre cada individuo o Big Brother souber.

O Big Brother é a entidade abstrata dos sistemas que emerge como a soma de todas as informações de todas as partes mais as informações das interações entre as partes… e se o sistema não for isolado, sobre as interações das partes com elementos externos ao sistema. Esta entidade abstrata nos sistemas mais complexos vem da evolução do auto-controle dos sistemas não-vivos que mantem o equilíbrio termodinâmico interno. E’ comum entre os biólogos se falar num “comando invisível de instruções no DNA”. Este é o Big Brother dos genes.

Tudo isso se percebe de imediato quando temos em mente a formula universal que a natureza tem aplicado para organizar matéria em todos os tipos de sistemas naturais existentes:

E o desenho do circuito do fluxo interno de informação da fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Fórmula da Matrix/DNA na sua versão de sistema perfeito fechado, na forma de diagrama de software

Existe enorme relutância das pessoas em partilhar sua privacidade. O diretor da Petrobras que foi preso por corrupção e se descobriu que ele tinha uma parede oca na casa com 20 milhões, não iria querer informar isso ao Big Brother. Este exigiria até que as pessoas informem se se masturbam ou não, quantas vezes, e quantas vezes vão ao banheiro, se tem cabelos brancos embaixo da tinta, etc. Mas pela definição de sistema perfeito, se uma unica informação, a mais aparentemente desprezível que possa ser, interna ao sistema, que não esteja somada na entidade do controle, o sistema não será perfeito.

Somos conduzidos a concluir com certeza que nunca, jamais, a humanidade terá uma sociedade perfeita.

Mas também temos certeza que, ou o ser humano muda de forma física ou a humanidade será extinta. Com certeza as mudanças que ocorrerão no planeta e no sistema solar chegarão a um ponto que não mais suportará a vida na Terra. Uma alternativa que parece ser a unica esperança é que o ser humano evolua mudando sua forma física, no sentido de menos massa e mais energia. Seria a unica maneira de realizar viagens interestelares, para encontrar outro planeta como a Terra, e/ou espalhar-se pelo Universo.

Mas para mudar de forma é preciso que haja transcendência. E transcendência provem da perfeita harmonia de todas as partes com abertura para a própria auto-evolução. Essa perfeita harmonia de todas as partes implicaria num sistema social perfeito. E sistema perfeito implica que todos os cidadãos abram mão totalmente de sua privacidade.

Estamos aparentemente diante de um problema paradoxal sem solução racional.

No livro e filme “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley, podemos ter uma representação de um sistema social perfeito. Mas o autor mesmo observa que o ser humano se torna uma especie de robot, estupido, onde é proibido descobrir coisa nova porque alteraria a ordem do sistema, seria proibido criar, e proibido ou inexistente o livre-arbítrio. Obviamente muitos dos humanos de hoje rejeitariam tal sistema, apesar dele proporcionar a felicidade física máxima.

Uma possível solução seria a humanidade procurar formar uma sociedade organizada, no sentido de harmônica, sem sistema nenhum. Isto implica, sem ter um núcleo, um governo central. Todas as decisões relacionadas ao nível social seriam ditadas por plebiscitos. Mas para isso teria antes que haver uma lenta evolução no sentido de cortar as arestas culturais, comportamentais, aproximando-se de culturas e comportamentos únicos. A maioria sempre venceria um plebiscito. Imagine se a maioria fosse muçulmana. Muitas de suas decisões seriam insuportáveis para ateus, materialistas, católicos, etc. Imagine ser obrigado a cobrir a face com um pano…, nunca usar calca jeans… Se a maioria fosse mulher e com o poder de ditar as regras, nem Jesus teria podido ficar na casa da mulher que não parava de mover-se limpando e arrumando a casa e reclamando que os homens não ajudavam naquele trabalho para ficarem falando de filosofias, politica…

Então talvez a solução pelo “sistema nenhum” seja possível, porem certamente seria muito lenta. Que todas as cabeças diferentes vão caminhando no sentido de um dia convergirem para ser uma cabeça só, teria que ser um processo em que cada geração mudasse um minimo detalhe de um comportamento menos comum no contexto da população global. Mas também o planeta teria que ir mudando no sentido de chegar a uma homogeneidade geral de clima, etc.

Talvez a solução suprema e possível esteja oculta num conceito que foi dito acima relacionado ‘a utopia de Huxley: felicidade física máxima.

Creio que existem dois tipos de necessidade humanas diferentes: as necessidades físicas e as intelectuais, ou espirituais. Então poderíamos pensar na humanidade chegando a dois tipos de organização harmônica. Uma, referente as necessidades físicas, seria o sistema perfeito, total acomodação e satisfação para o corpo, e outra, referente as necessidades intelectuais, sem sistema algum, harmônica mas inter-diferenciada, com o todo aberto a sua evolução. A necessidade intelectual continuaria a motivar a evolução espacial, e com isto retiraria da maquina social corpos para habitarem, como por exemplo, as estacoes espaciais. Pois no admirável mundo novo a estupidificação interromperia qualquer busca de evolução. As descobertas, a criação, a manutenção da consciência autônoma, se daria acima da Terra, portanto sem afetar o sistema social perfeito. Mas na nave não haveria lideres, comandantes, pois ali não poderia haver sistema algum.

As sociedades de abelhas e formigas são a encarnação biológica da formula universal para sistema perfeito. E’ compreensível que a formula encriptada na genética tenha conseguido se auto-projetar depois que formou o organismo, para ser o sistema social: formigas e abelhas não possuem intelecto, nem mesmo um cérebro digno de nota. Ali a rainha e a encarnação da identidade abstrata que emerge como controle do sistema. mas devemos notar que a própria rainha e escrava de e no seu próprio sistema. Ela tem que se submeter a regras rígidas de disciplina. Ela também não pode descobrir, não pode criar, não pode exercer o livre-arbítrio na sua totalidade, pois alteraria o sistema. O Big Brother também seria um escravo do sistema.

O Universo tem organizado – ou assistido a organização – de tudo em sistema. Até a mais remota pedra no fundo do oceano pertence a um sistema, o galáctico. E todo sistema é ruim, pois implica em morte, escravidão, etc. Mas parece-me que o Universo está mandando uma mensagem: a existência eterna, a liberdade total, só será agraciada ‘a especie em que as partes coexistam harmonicamente deixando de serem partes de um sistema.

Enfim, por enquanto a sugestão racional para a humanidade fé: transforme o planeta num jardim ajardinado e o humano inserido numa biosfera mecanicamente automatizada, onde o corpo terá  o máximo de sua satisfação, mas mantenha a mente fora disso, aberta a evolução.

Isso é possível. Só ainda não resolvi o que vamos fazer com nossa privacidade dos dados relacionados ao nosso corpo físico. O que inclui ate o ultimo centavo, ou a garrafa de uísque que mantenho escondida embaixo da cama. E como nos casos de imigração, se você quiser mesmo se naturalizar cidadão devido a casamento, podes ser obrigado a informar até a cor da calcinha da sua mulher, para provar que o casamento é verdadeiro…

E talvez por ai também vai se resolver a questão da privacidade. Você quer ser do sistema e você entende que para o sistema existir e se manter ele tem que obter e verificar informações, senão vira bagunça, o sistema pode se desfazer. Assim você perde toda vergonha, toda proteção de sua privacidade física, e entrega voluntariamente o corpo para o admirável mundo novo… Mas a mente, nunca!

Existiria uma maneira de todo mundo entregar o corpo e todos manterem a soberania sobre sua mente. Mas não poderia ser ateu e não pertencer a nenhuma religião organizada, nenhuma igreja. Todos concluiriam e teriam a intuição de que exista pelo menos uma inteligencia muito mais evoluída, e portanto com muito ou total poder sobre o mundo material. Esta intuição seria o único denominador comum entre todas as mentes. A igualdade das mentes terminaria ai. A partir dessa intuição cada mente iniciaria a buscar e montar a sua imagem e conceitos sobre o que seria essa “consciência cósmica”. Como todo humano é diferente em algo de todos os demais, todos tiveram experiencias de vida com algum detalhe diferente, não haveria um deus igual ao outro. Seria proibido falar de seu Deus e você não aceitaria ouvir outros falarem de seus deuses para não perturbar sua imagem. Cada Deus indica um caminho especifico, único, a seguir. Assim todos os humanos teriam direções intimas, inconfessáveis, diferentes, apesar de conviverem juntos. E’ possível, pois eu venho a tempos fazendo exatamente isso, minha divindade ninguém mais pode conceber igual, o meu templo é meu cérebro, somente eu posso entrar nele.