Posts Tagged ‘raízes’

O sistema tem suas raízes antes das nossas origens

quarta-feira, julho 19th, 2017

xxxx

Um artigo quase muito bom, que toca no cerne de um assunto de interesse da Matrix/DNA, a qual acrescenta sua opinião no comentário final)

Escrito por Eduardo Marinho, o Filosofo do Sec XXI.

O sistema tem suas raízes em cada um de nós

https://observareabsorver.blogspot.com.br/2017/02/o-sistema-tem-suas-raizes-em-cada-um-de.html?

Uma sociedade verdadeiramente humana será uma sociedade onde não haverá miséria, ignorância e abandono – uma vergonha do passado, então inconcebível. Qualquer um que apresente qualquer argumento explicando a inviabilidade de uma sociedade assim, apenas me provoca um riso amargo. Não há produção suficiente de alimentos? Não existem conhecimentos, logística, condições de eliminar estas excrescências da face da terra? Ora, é claro que existem.
O que acontece é que a acumulação, a concentração de riquezas, propriedades e privilégios precisa roubar direitos, mantendo populações em condições de barbárie, precisa de ignorância, desinformação, miséria e abandono pra seguir explorando populações e saqueando riquezas, moendo gente, destruindo potenciais e vidas, sujando e envenenando, tanto o planeta quanto as almas, as mentalidades, os comportamentos. Devemos a isso o estado de degradação social em que vivemos.
Querer vencer na vida é sustentar isso. Competir é manter o modo de relacionamento social. Acreditar nas informações e “opiniões” dos veículos de comunicação é envenenar a mente e receber uma visão de mundo completamente distorcida. Querer o que é induzido pelo massacre publicitário em suas sutilezas sedutoras é o alimento do sistema social. Não ligar a violência e a criminalidade ao desequilíbrio social absurdo, à miséria, à pobreza e aos valores distorcidos pela publicidade e pela propaganda ideológica subliminar da mídia, acreditando que repressão e encarceramento são algum tipo de solução – ou mesmo contenção – pra situação de terror cotidiano, pros níveis de criminalidade, é ter a mente lavada, enxaguada, teleguiada, entorpecida e estupidificada.
Pretender mudar um sistema que estimula a competição, o confronto e a disputa, confrontando, disputando e competindo – ainda mais dentro das instituições, infiltradas e dominadas pelos poderes econômicos – é de uma ingenuidade mais que inútil e incapaz. Acaba sendo a “prova” apontada pelos defensores deste sistema social criminoso de que a farsa política é realmente uma “democracia”, alegando que não se poderia falar assim se não fosse uma democracia. Alegação mentirosa, obviamente. Pode-se falar como esses pretensos revolucionários falam porque eles não tem nenhum poder de mobilização popular, em seus condicionamentos de superioridade social, em seu doutrinarismo estéril, em sua arrogância e pretensão de liderar, organizar e conduzir as massas. Pensam que estão lutando por uma sociedade igualitária, mas estão é colaborando com essa estrutura desumana, ajudando a construir o cenário do teatro macabro. Se alcançassem humildade, perceberiam. Eu percebo que há muitos se tocando. O processo tem seu ritmo.
Em cada um de nós há raízes dos condicionamentos sociais produzidos em laboratórios de pensamento bem pagos, contratados por um punhado de parasitas sociais podres de ricos – que não participam do caos que provocam, cercados em suas fortalezas com muros eletrificados e exércitos bem armados de seguranças privadas. Estamos expostos a isso desde o útero materno e ingenuidade é pensar que nossa vontade é toda nossa, como nossa visão de mundo, opiniões, sentimentos, desejos,… esta percepção, a meu ver, é a primeira de todas. E o trabalho interno, o mais importante. A coletividade é formada por todos e cada um. Trabalhando em si mesmo, o trabalho se estende automaticamente ao coletivo, sem pretensões de ensinar, liderar ou conduzir.
E meu comentario postado no artigo:

O sistema tem suas raízes antes das nossas origens

Boa percepção, porem, falha no fundamental. O sistema não tem suas raízes nos humanos, mas sim no estado do mundo que produziu os humanos. O autor da’ um gigantesco salto no inicio da historia natural escondendo de si mesmo as verdadeiras raízes, devido `a comum visão mistica, religiosa, romântica, que se esquece da origem animalesca dos 8 bilhões de cérebros humanos que produziu todos os sistemas sociais até agora. A classe pobre é tao culpada e co-criadora disso quanto a classe dominante, não existe teorias da conspiração de alguma classe aqui. Revoltar-se contra a carnificina sobre a classe pobre é altruísmo, porem, liberta-la sem antes fazer o que a Natureza esta’ fazendo em seu ritmo lento – uma mutação genética que muda a psique – é leva-la a sua própria extinção, no minimo, pela total destruição da vegetação sem a contrapartida evolutiva. 

O autor se esquece devido `a mistica e arrogância humana que viemos das selvas e de um primo do chimpanzé que apresenta os três instintos que regulam o sistema social nas selvas e são naturalmente projetados nos sistemas sociais humanos urbanos. Se esquece que na selva nossos ancestrais dividem o poder entre grandes predadores ( a nossa aristocracia), médios predadores ( a nossa classe media), e as presas ou ovelhas ( a nossa classe pobre).

E se esquece ou ignora que a vida surge na superfície deste planeta produzida pela face caótica da natureza, enquanto a face da ordem regula a mecânica celeste apenas. Esta biosfera é produto do caos, somos filhos do caos, então como se ressentir dos erros e animalismos humanos? 

Mas o artigo termina mais ou menos bem. Em toda face do caos jaz o fluxo da face da ordem que se levanta, então não existe um método – como quer o autor – para o humano se tornar por vontade própria um agente do sistema ordeiro, pois o que o torna este agente é uma força natural alem de seu controle. Esta força exorciza do caráter os três instintos, não temos como auto-exorcizarmo-nos. E ela o faz pelo acumulo de surras e injustiças que sofre uma linhagem genética nas suas encarnações como ovelhas apos instalar as suas regras injustas nas suas encarnações como predadores. 

Já foi descoberta uma nova interpretação naturalista do mundo que facilita a liberação do fluxo da ordem pelo exorcismo do modelo mental que foi forjado no caos. Chama-se a Matrix/DNA Theory ( veja versão em português – se você quer entrar no caminho espinhoso do seu exorcismo –  em http://theuniversalmatrix.com ), e ela mostra a inconveniência dos humanos sujeitando-se aos três instintos e inconscientemente os guia ao próximo passo evolutivo.