Posts Tagged ‘sensores’

Para o Livro: os novos sensores para cérebros humanos ( TED Talk)

domingo, maio 5th, 2019

xxxxx

https://www.ted.com/talks/david_eagleman_can_we_create_new_senses_for_humans#t-270972

Aranhas voam e interagem com campos elétricos através de pêlos sensoriais (ancestral da glândula pineal humana?)

sexta-feira, julho 6th, 2018

xxxx

Tres detalhes de interesse para a Matrix/DNA aqui:

  1. Existe um circuito eletrico imperceptivel pemos sensores humanos na atmosfera terrestre – entre a Terra e a inosfera, a parte da atmosfera superior do planeta que é ionizada pela radiação solar. Sera este um indicio de que a formula sistemica da Matrix/DNA existe na versao eletrica neste planeta? Entao onde estao as outras seis funcoes, ou circuitos? Ou existe apenas um circuito, esferico, eletrico, e nele estao penduradas as sete funcoes? E porque ocorrem “tempestades” nos fluxos destes circuitos?
  2. Aranhas têm pelos sensoriais chamados de tricobótrios, que se movem em resposta a campos elétricosOs cientistas acreditam que são eles que permitem que as aranhas detectem o GPA (gradiente de potencial eletrico atmosferico). Seria os pelos tricobotrios uma variacao primordial da antena dos insectos que se atrofiou como glandula pineal nos humanos e que captariam a dimensao dos campos eletrico/magnetico? (pesquisar ” tricobotrios “)
  3. … mais uma evidencia de que, mesmo com todo nosso moderno potencial cientifico, ainda nao captamos os fenomenos relacionados `as outras seis faixas da onda de luz matricial.

Descoberta incrível: aranhas usam campos elétricos para voar

https://www.youtube.com/watch?time_continue=92&v=JrS0igctMi0

Visto inicialmente no artigo da HypeScience:

https://hypescience.com/descoberta-incrivel-aranhas-usam-campos-eletricos-para-voar/?utm_source=onesignal&utm_medium=push_onesignal&utm_campaign=newpost_onesignal

 

xxxx

Analise do artigo na HypeScience:

” campos elétricos podem não apenas desencadear o balonismo, como também fornecer sustentação para as aranhas no ar, mesmo sem a menor brisa. Esses artrópodes sem asas já foram encontrados a 4 quilômetros de altura no céu, se dispersando centenas de quilômetros” As aranhas viajam tantos quilômetros através do gradiente de potencial elétrico atmosférico (GPA), um circuito elétrico entre a Terra e a ionosfera, a parte da atmosfera superior do planeta que é ionizada pela radiação solar.

As tempestades agem como uma bateria gigante para o GPA, carregando e mantendo tais campos elétricos na atmosfera.

Aranhas têm pelos sensoriais chamados de tricobótrios, que se movem em resposta a campos elétricos. Os cientistas acreditam que são eles que permitem que as aranhas detectem o GPA.

xxxx

E um paper (pdf) sobre este assunto:

https://arxiv.org/pdf/1309.4731v1.pdf

Ballooning Spiders: The Case for Electrostatic Flight

Peter W. Gorham Dept. of Physics and Astronomy, Univ. of Hawaii, Manoa, HI 96822.

We consider general aspects of the physics underlying the flight of Gossamer spiders, also known as ballooning spiders. We show that existing observations and the physics of spider silk in the presence of the Earth’s static atmospheric electric field indicate a potentially important role for electrostatic forces in the flight of Gossamer spiders. A compelling example is analyzed in detail, motivated by the observed “unaccountable rapidity” in the launching of such spiders from H.M.S. Beagle, recorded by Charles Darwin during his famous voyage.

 

Origem e Evolução dos Órgãos Sensoriais

quarta-feira, novembro 23rd, 2016

xxxx

Sea nettles.jpg

Medusas Cnidarias – Primeiro sensor?

De onde a Natureza tirou a ideia de criar órgãos sensoriais em certos corpos para perceberem o mundo a sua volta?! Talvez a pergunta esteja mal formulada. Como e porque num corpo natural – e pela primeira vez nos 13,8 bilhões de anos do Universo – a Natureza se moveu na direcao de fazer este corpo perceber o mundo a sua volta?! Quais forças e elementos naturais abriram este caminho, e porque?

As outras formas de vida alienígenas, que tipos de sensores terão? Os nossos sensores vão evoluir? Por exemplo, a visão, evoluirá para enxergar as outras faixas do espectro eletromagnético? Nos desenvolveremos outros sensores ainda nem sequer imaginados?

Como será para sempre proibido ter certeza do que ocorreu exatamente nos primórdios dos órgãos sensoriais ( a não ser que exista um espelho do tempo onde esteja filmada toda a história passada), todo mundo terá apenas teoria. E talvez uma destas teorias acerte exatamente com as respostas.

Na minha teoria cosmovisionária – a Teoria da Matrix/DNA – os órgãos sensoriais “biológicos” se explica a partir da intuição de que o que criou os sistemas biológicos foram os sistemas astronômicos. E os criou por um processo primitivo similar ao processo genético biológico. Ou seja – sistemas biológicos são meras evoluções dos sistemas astronômicos.

O estado de sistema em que estava este sistema galáctico denominado Via Láctea era o de sistema fechado em si mesmo, oposto ao sistema aberto. Ao menos é isso que se conclui ao se observar o meu modelo cosmológico. E um sistema fechado em si mesmo jamais vai criar órgãos sensoriais voltados ao exterior, pois ele se encontra isolado do mundo externo e não teria qualquer motivo para realizar o esforço dessa criação.

Porem, a cria dos sistemas astronômicos na superfície terrestres sofreram uma mutação devido ao aparecimento do estado liquido da matéria, e esta mutação os fez como sistemas abertos. E os sistemas abertos dependem mortalmente das interações com o mundo externo para sobreviver. Então os órgãos sensoriais biológicos foram criados aqui, pela matéria orgânica e seus sistemas. Porem, como a Natureza nunca pode criar informação do nada, deduz-se que os órgãos sensoriais biológicos foi mais uma evolução mutada de sensores existentes nos sistemas ancestrais – astronômicos e atômicos. Teremos que incluir na pauta de nossas pesquisas a busca do que eram e como estavam estes ancestrais dos sensores biológicos nos sistemas não-biológicos. Por exemplo, se uma partícula interage com outra a distancia, ou mesmo uma estrela se conecta a um planeta, é porque possuem sensores para perceberem o que alem delas, mesmo que não tenham consciência que o percebem.

Alem de suscitar uma grande indagação filosófica existencial, o conhecimento total da historia das origens no Big Bang e sua evolução ate chegar aos nossos sensores atuais – e nos que ficaram perdidos em outras especies inferiores – nos devera ajudar sobremaneira a desenvolver nossa tecnologia.

Portanto, abre-se mais este capitulo de pesquisa. Iniciaremos por registrar um paper cientifico para posterior leitura, tradução, e pesquisa:

Evolution of sensory structures in basal metazoa

http://icb.oxfordjournals.org/content/47/5/712.full

Abstract

Cnidaria have traditionally been viewed as the most basal animals with complex, organ-like multicellular structures dedicated to sensory perception. However, sponges also have a surprising range of the genes required for sensory and neural functions in Bilateria.

Family tree of Cnidaria and the origins of animals ( ver melhor em https://en.wikipedia.org/wiki/Cnidaria:

Metazoa
Glass sponges
Demosponges
Calcareous sponges
Eumetazoa
Ctenophora (comb jellies)
Planulozoa
Cnidaria
Anthozoa
(sea anemones and corals)
Medusozoa
Hydrozoa
(Hydra, siphonophores, etc.)
Cubozoa
(box jellies)
Staurozoa
Scyphozoa
(jellyfish, excluding
Staurozoa)
Placozoa
Bilateria
Myxozoa
Other Bilateria
(more complex)

 

Matemática pode se tornar uma cultura virtual entorpecendo os sensores cerebrais?

quinta-feira, janeiro 7th, 2016

A Natureza não tem nada a ver com números e matemática. Absolutamente nada. Alguma vez alguém viu a Natureza apresentando um numero qualquer para qualquer coisa ou situação? Ou alguma equação matemática? Certamente não. Porque números e matemática são criações humans, e o Universo não esta nem ai para as criações mentais deste minusculo microbio habitando um perdido ponto na imensidão. Pois não e’ o Universo que e’ obrigado a se configurar segundo o humano que se julga no centro dos acontecimentos, ele ‘e do jeito que e’ e pronto.

– ” Mas como não? Eu sei que todo dia, as 12 horas ( isto são números), a sombra vai estar a 3 metros ( outra vez os números) da parede. Ou que a cada 240 dias (números), estaremos no outono”.

-” 12 horas? Ora tem muitos planetas girando a volta de muitas estrelas, que estão girando a volta de muitas galaxias. E’ isto que a Natureza mostra, disso ela trata. Se você quer separar a orbita de um planeta em fracões de tempo, problema seu. Você quer separar tempo numa concepção sua denominada ” hora”, problema seu.  E metro?! O que e’ isso? A Natureza nada sabe disso. Se você botou uma ponta de uma fita em algum lugar da natureza e depois cortou a fita fazendo outra ponta e depois decidiu ” bem, vamos chamar o espaço entre aqui e aqui de um metro”… problema seu. Para a Natureza existe espaço, apenas isso.”

-” Mas a Natureza e’ matemática. prova disso e’ que nos tenos equações que mostram por exemplo que aplicando tais forcas em tais quantidades, em muitos lugares e tempos diferentes, vamos sempre obter um mesmo numero final, o qual serve para prever o que vamos encontrar na Lua onde houver as mesmas forcas e quantidades.”

– ” Amigo, as forças estão por ai rolando e se encontrando e se separando. Nesse desenrolar, certos estados ambientais são repetidos aqui e ali, outros acontecem por acaso pela primeira vez e talvez nunca mais volte a acontecer. Se certos estados de um lugar e tempo são repetidas, e’ o movimento da Natureza. Equações não movem estas forças, equações não produzem estados ambientais. Se você quiser fica no meio destas forças e dizendo que um determinado estado ambiental se repetiu 5 vezes e nestas cincos vezes você criou uma equação que descreve um estado e esta espaço também descreveu os outros 4 estados, a Natureza não quer saber disso, para ela houve estados repetidos… por acaso. Portanto, dizer que uma equação e’ absoluta determinação exata para certos eventos e fenômenos, esta errado, porque a exatidão como efeito do acaso não tem funcionamento ou alicerce solido. Todas as suas equações estão boiando em cima do nada, pois este acaso nunca mais vai se repetir… senão não seria acaso.

 

Não queira antropomorfizar o Universo projetando nele as propriedades humanas, pois acontece o contrario, e o Universo que se projeta para todos os lados e uma destas projeções resulta numa figura humana. Projetando o humano sobre o Universo mentalmente você vai ter sempre uma visão do Universo que vai crescendo enquanto houver propriedades humanas para projetar, mas no momento que elas terminam, quaisquer outras informações que continuarem a vir do Universo não vai bater com sua grande figura do Universo. Você estava enganado desde o começo.

Quando você esta antropomorfizando o Universo você esta centrado em seu umbigo olhando antes para ti mesmo, com isso ficas cego para prestar atenção nas informações que o universo manda que não bate com essa antropomorfização. Relaxe, apenas fique com os ouvidos livres prescrutando o universo, anotando suas informações. As quais não vem em números e equações, vem na forma de forcas, elementos, espaço, ruídos.

O humano esta percebendo apenas 3 dimensões dos objetos, enquanto a String Theory sugere 11 dimensões existentes, e a interpretação dos muitos mundos vindos da quantidade sugere que estas dimensões são em quantidades infinitas. Mas seja la quantas dimensões existirem, porque estamos ainda captando apenas 3?. Um fundamental culpada e’ a matemática.

Nos temos apenas 5 sensores ligados ao cérebro e com certeza estes sensores estão ainda sob evolução. Um sensor que ate os insetos tem, e que foi mantido em pássaros, morcegos, e’ a antena. Existem evidencias suficientes que estas antenas os capacitam a captar algo na dimensão dos campos eletro-magnéticos. Mas nos humanos a antena chegou tao atrofiada que se tornou um pequeno caroco aprisionado no centro do cérebro, a glândula pineal. Porque este atrofiamento?

Porque nossos ancestrais certamente se desviaram do caminho que a natureza esta trilhando na sua propriedade que produz evolução de certos objetos internos, e desviados do ritmo em que ela se move. Se desviaram porque não tiveram o conhecimento necessário sobre o Universo em que existem. se a matemática esta construindo uma face teórica do Universo que não corresponde a realidade, não vamos desenvolver os sensores existentes e não vamos provocar a emergência dos sensores que nos faltam.

O Universo não consulta os humanos e pede uma equação para calcular como vai produzir um evento ou fenômeno. Simplesmente a longa cadeia de causas e efeitos que vem desde o Big bang vai se desenrolando, avançando. Se você esquece o Universo la fora e fica na escrivaninha lidando com seus números e conceitos matemáticos, você passa a lidar e viver num mundo virtual, o qual vai desliga-lo em definitivo do mundo real.

E’ isto que chamo o mundo intelectual dos matemáticos: uma cultura virtual. A qual se torna a Matrix que se volta contra eles, desenhando o mundo em que vão viver. Ate se esgotar todas as possibilidades intelectuais de desenvolver mais números e equações matemáticas, as quais são o alimento que mantem a Matrix viva. Quando se esgotarem a matrix enfraquece desnutrida, morre, e de repente voces caem de volta no mundo real. A qual com certeza sera uma experiencia dolorosa, senão fatal.

 

Stephen Hawking ( Filme “Teoria do Tudo”): Investigando as diferentes origens de dois Autores que Interpretam um Único Mundo Por Duas Conclusões Opostas Entre Si

sexta-feira, abril 3rd, 2015

Agora fiquei sabendo como foi a vida de Stephen Hawking, no filme A Teoria do Tudo. Somos dois adversários em termos de cosmovisões, e portanto, ideologias. Ele, Hawking,  acreditando num mundo fundamentado na Física e no Niilismo, e eu, Morelli, apostando mais num mundo regido pela Biologia e Consciencialismo. Ele vendo universos formados de apenas esqueletos  mecânicos regidos pelas fôrças da Física e do acaso contido nas probabilidades, e eu vendo tambem este esqueleto  mas apostando na  existência  de uma cobertura mole, suave como a  carne, onde o Universo será regido pelas leis vitais  da Biologia que existiriam num mundo natural e vital alem do Universo. Exatamente os opostos entre si, duas teorias sobre o Tôdo, porem duas diferentes e opostas interpretações do Tôdo. O que houve nas nossas vidas que nos levou a concluir, cada um, que o mundo é o avesso do mundo que o outro está vendo?!

Image result for Movie of Stephen Hawking

Assista o filme “A Teoria do Tudo”, para entender esta tese

Uma dica: os dois autores chegaram aos mesmos 20 anos vindos de caminhos totalmente opostos entre si, cada caminho mostrando uma diferente face das existências humanas. E após os 20 anos quando as mentes começam a terem o poder de escolherem seus caminhos futuros, Hawking passou a ver seu mundo através de um complexo sensorial eletro-mecânico conectado a um cérebro-eletro-mecânico, enquanto Louis se embrenhou solitário na selva virgem e passou a ver a Natureza nua e crua com uma maior expressão do complexo sensorial biológico conectado a um cérebro biológico. Vamos ver isso melhor…

A minha teoria sugere que existe uma dominante tendencia na biosfera terrestre para reproduzir aqui um sistema biológico que imite fielmente a máquina perfeita porem estupida que criou esta biosfera, ou seja, o sistema astronomico ao qual a Terra pertence. Se esta reprodução se efetivar por completo, os indivíduos da espécie humana serão apenas meras peças estupidas de um sistema mecânico perfeito, como já foi previsto por Huxley e Orwell. Neste momento os principais guias da Humanidade sendo usados pela maquina celeste são os humanos sem atividade natural física sentados na frente  de computadores – como o mais vendido autor Lawrence Krauss com seu “O Tudo veio do Nada” – mas o principal inocente útil a serviço da máquina celeste seria mesmo o homem que perdeu seu complexo sensorial próprio e está sendo informado sobre o mundo pelo que capta o mecânico complexo sensorial de um cérebro eletro-mecânico: Stephen Hawking.

Mas  neste processo reprodutivo de 3,5 bilhões que denominam de abiogênese mais evolução Darwiniana enquanto eu chamo de embriogenese astronomica sob evolução cosmológica, a maquina celeste e nossa ancestral equivocada que cometeu o maior pecado evolucionista ao escolher ser um sistema fechado em si mesmo – extrema expressão do gene egoísta –  e por isso caiu na Terra gerando aqui o caos e dele tentando se re-erguer com nova matéria, teve uma desagradável surpresa com a qual não contava. Quando ela terminou sua maquina biológica mais perfeita possível – o gorila – e ia fechar o cêrco com os elementos vivos numa unica maquina terrestre, este foi interrompido e descartado do tronco da arvore da evolução tornando-se um mero galho que seca e se extingue, dando lugar ao menor chimpanzé que sofreu uma brusca mutação no seu cérebro e passou a captar e assimilar informações que sempre estiveram livres em todo espaço interior do Universo, vindas do alem desta galaxia – informações sobre auto-consciência. A qual estava totalmente inoperante na nossa ancestral celeste e por isso foi naturalmente, pelas leis físicas e biológicas, expulsa do  paraíso universal. E a evolução descartou o caminho do gorila e tomou o caminho rumo ao homem consciente.

Mesmo assim a força natural reprodutiva do sistema celeste que nos criou e nos envolve por todos os lados, que tem modelado o ambiente terrestre e está encriptado em nosso DNA, é ainda muito forte e o homem ainda se encontra dominado pelos instintos animalescos que cem desta ancestral, por isso a ameaça da peça super feliz na Terra mas totalmente estupida pela interrupção da evolução da auto-consciência existe e avança através de inocentes uteis como o pobre e vitimado Stephen Hawking. Mas tambem a força que vem do Universo alem da galaxia não se deixa vencer facilmente e continua a bombardear o cérebro humano tentando se instalar cada vez mais, e por isso surgem cérebros descobrindo detalhes da Natureza que aos poucos estão revelando a verdadeira História Natural Universal e o significado da nossa existência aqui: genes conscientes construindo um bebe consciente no qual todos subiremos à sua cabeça e seremos um só corpo, o filho daquilo ou daquele sistema natural consciente que deflagrou o Big Bang como nossos pai e mãe carnais deflagraram o big bang de um espermatozóide no centro de um óvulo para nos gerar.

A Teoria da Matrix/DNA sugere uma nova visão do mundo revolucionaria, que desmascara nossos ancestrais celestes que caíram numa armadilha para evitar que caiamos novamente nela, e abre ainda mais as portas do cérebro humano para a acessibilidade ao agente cósmico. Se tudo isto tiver algo de verdade, alguns outros indivíduos teriam que existir para contrapor a força de Hawking, Krauss, e toda comunidade doutrinada nas universidades cujo curriculum é escrito por eles,  contrapondo à ateísta teoria dos buracos negros a agnóstica teoria da Matrix/DNA, que mantem uma porta aberta para a possível existência de divindades naturais ex-machine . Assim como a Humanidade, na sua infância intelectual, como toda criança recém-nascida precisa de fantasias para interpretar as coisas sem explicações que rodeiam seus berços, e de amigos imaginários  com quem conversar sua linguagem que só elas entendem, inventaram as religiões povoadas de fantasmas mágicos e a eles se opuseram os que amadureciam e se uniam em torno do novo iluminismo.

Mas vamos ver como surgiram este dois indivíduos em posições extremas opostas e como se dá esta luta gigantesca entre fôrças que disputam a alma humana. Se isto for verdade, a Teoria da Matrix/DNA é justamente o que precisamos para igualmente tornar o nosso planeta um sistema produtivo automático, mas ajardinado e com total liberdade da mente humana para continuar sua evolução livre e na sua aventura de voar para conhecer os horizontes mais amplos do espaço sideral.

O  estado do ser e o berço no nascimento totalmente diferentes foram determinantes como experiencias de  vida formadoras de personalidades destes dois autores. Hawking e Morelli nasceram na mesma década. Hawking nasceu num dos lugares  mais ricos do mundo, na matriz de um império; Morelli nasceu num dos lugares mais pobres do mundo, num local inexpressivo de uma colonia. Stephen Hawking nasceu em boa casa e bem estruturada família, Louis Morelli nasceu sem casa e numa família que iria se desintegrar em 3 anos jogando-o na rua. E quanto  ao estado do ser? Os dois nasceram com saúde, mas Stephen foi bem cuidado, protegido e nutrido, como ovos dos mamíferos mantido dentro até a maioridade, enquanto Louis nasceu sem cuidados e desnutrido, ficando débil e doente logo na infância, como os ovos dos répteis botados fora e abandonados à própria sorte. Stephen nasceu determinado a ser predador, patrão, Louis determinado a ser presa, a escolher entre ser escravo ou marginal bandido. Hawking cresceu logo optando pelo ateísmo, a descrença na existência de Deus, e assim permanece até hoje; Louis nasceu numa colonia exclusivamente cristã, começando avida acreditando na existência de Deus, e um Deus no estilo propagado pela Bíblia, mas foi perdendo essa crença e hoje tambem não acredita no Deus propagado pela Bíblia, porem não chegando a ser ateu, e sim, agnóstico: não sei a base fundamental de tudo, a primeira causa – se é que  existe alguma, mas enxerguei para alem das fronteiras deste Universo, e tudo o que vejo é puro naturalismo. Porem, intercalado com uma consciência extra-universal. Porque vejo uma consciência surgir no cérebro do embrião aos 6 ou 8 meses, a qual sei que não foi inventada por aquele bebê, mas sim que já existia antes do pequeno universo do embrião na espécie de onde ele veio, assim calculo que em tempos astronômicos estes 8 meses correspondem a 13,7 bilhões de anos, que esta consciência surgindo agora e aqui não foi inventada aqui, portanto deve ter existido antes das origens deste nosso universo. E quando calculo a teoria do mundo inserindo esta história, a História Total se torna mais compreensível e racional.

Mas os dois tinham um interessante fator comum: uma suprema  dedicação à busca do conhecimento visando explicar a existência do mundo e neste, as suas próprias existências como humanos. Como vieram de caminhos muito diferentes entre si, experimentando eventos de vida totalmente opostos entre si, terminaram por chegarem à duas explicações totalmente opostas entre si.

Hawking obteve a melhor educação intelectual padrão no século XX, frequentou uma  das primeiras universidades do mundo, Cambridge. Louis obteve uma educação primária e adolescente de colonia intelectualmente condicionada e não  conseguiu prosseguir os estudos que sua exigência intelectual desejava, entrando apenas mais tarde a duras penas e por conta própria num curso indesejado e numa universidade fraca de terceiro mundo,… mas adquiriu um conhecimento amplo em todas as disciplinas pelo método voluntario e solitário do autodidatismo. Hawking conheceu a visão de  mundo do século XX centrada no método cientifico e especificamente na Física, a aceitou, apenas crendo que  estava incompleta e ele poderia completa-la  buscando a Teoria do Tudo; Louis conheceu as visões de mundo de todas as culturas humanas pelo estudo centrado na Filosofia e uma visão ampla mas dispersa da visão de mundo do século XX, de todas as disciplinas do método cientifico. Não aceitou nenhuma como não aceitou sua própria vida.

Hawking se tornou normalmente um macho ativo sexual, e dentro do seu sistema social imperial mais os atrativos físicos e financeiro que ele significava para as meninas, determinado a ter namoradas, ser casado e pai de alguns filhos. Louis se tornou anormalmente um macho não ativo sexual, e dentro do sistema social colonizado mais a falta de atrativos fisico e financeiro que ele significava para as meninas, a não ter namoradas. Uma guinada devido ao seu esforço obreiro na sua vida aos 21 anos lhe levantou para posições profissionais de classe média, o que suscitou algum interesse de algumas meninas da classe baixa, mas por sua escolha moral, fez questão de manter sua disciplina de abstenção sexual e celibatário, para evitar filhos, que seriam “carne fresca produzida pelo seu próprio sangue para alimentar a carnificina do regime de escravidão”. Portanto, para Hawking, o elemento feminino, a visão da vida pelo lado feminino contribuiu desde a infância, na forma da mãe, das irmãs e namoradas, na busca da explicação do mundo; para Louis, não existiu a menor influencia feminina, e como ele rejeitou todas as influencias masculinas e suas visões, o fator do pensamento humano não influiu na sua busca pela explicação do mundo.

Tudo exatamente ao contrário até os 20 anos de idade dos dois. Hawking teve iniciada e desenvolvida sua história intelectual sob o ponto influente da Física. O Universo teria surgido sem aspecto material significante perto das quatro fôrças fundamentais que a tudo foi criando e desenvolvendo: as fôrças atômicas nucleares forte e fraca, a fôrça eletromagnética e a fôrça gravitacional. Existiriam ainda várias outras fôrças menores, como a de fricção, repulsão, etc., mas estas tinham importância menor pois seriam derivadas das quatro fundamentais. A origem destas fôrças seriam explicadas que, por acaso, surgiram diferentes partículas, e cada uma das quatro fôrças tinham sua partícula especifica. Para completar o conhecimento total do Universo só faltava explicar a presença da substancia da matéria, a massa, por isso logo fizeram uma teoria de que tambem esta teria que ter sua partícula especifica, o bóson de Higgs. Quando no CERN encontraram uma nova partícula que preenchia alguns dos requisitos principais requeridos pela teoria, a visão  do mundo  partilhada por Hawking se estabeleceu em seu cérebro como a Verdade Ultima. Para finalizar e sacramentar essa Verdade falta apenas encontrar a equação matemática que une o alfa ao Ômega e definirá a Teoria do Tudo. Onde o Tudo começou do Nada. Por seu lado, Louis acompanha essa história e desenvolvimento dessa visão do mundo de Hawking, respeita-a porque não tem fatos reais para desaprova-la, assim como não tem fatos reais para desaprovar a existência de Deus, mas continua rejeitando-a, e buscando outra explicação que lhe soe mais racional e naturalista.

Louis, na sua formação intelectual auto-didática, deu mais importância ao conhecimento das origens e evolução do conhecimento e pensamento humano que ao conhecimento dos fenômenos naturais, pois até sua adolescência ainda influenciada pelo dominado meio-ambiente religioso cristão, teria sido um pensamento divino o criador dos fenômenos naturais, estes seriam meras derivações daquele, e o pensamento divino se conheceria pelo pensamento humano, por este ser filho daquele. Teve sua infância centrada na busca do conhecimento da evolução das correntes culturais, como a Filosofia, no estilo “próximo filósofo por favor”, em cuja lista entravam os céticos como Sócrates, Platão, Kant, Comté, Nietzche, etc e etc., e das correntes religiosas, começando a 5.ooo anos atrás com o hebraico Schimeon ben Jochai que deu origem às correntes esotéricas e teosóficas, e seguindo com, Buda, Confucio, Moisés, Jesus Cristo, etc. e etc.  Mas a árdua luta pela  sobrevivência material fez sua atenção ir cedendo mais espaço aos fenômenos naturais e distanciando-se das abstrações filosóficas e religiosas. A oportunidade para obter esse conhecimento naturalista através dos dados que haviam sido coletados pelo método cientifico estava nos livros universitários de cada disciplina, disponíveis nas bibliotecas universitárias e depois na Internet, os quais ele buscou ler com ganancia e ambição: era o único  caminho disponível para chegar à explicação do  tudo. Mas essa busca tinha que começar pela matéria natural que se tinha imediatamente às mãos, que era a vida biológica e os elementos deste planeta. Assim sua busca começou justamente pelo caminho reverso de Hawking: aquele lidava com o distante Cosmos para chegar a explicar o aqui e agora, Louis partia do aqui e agora para chegar a explicar o distante cosmos. Um trilhou o caminho da Biologia Física e o outro o da Física Biológica. Ou seja: num a Biologia seria produto casuístico na evolução do mundo regido pela Física, e no outro a Física seria produto de um sistema biológico universal que teria gerado a Fisica como esqueleto para se auto afirmar como Biologia… assim como humanos se reproduzem em carne gerando outros esqueletos revestidos de carne.

Aos 21 anos uma surpreendente tragédia se abateu sobre Hawking: uma doença torturante e incurável, uma sentença de morte para dentro dos próximos 2 anos. A doença paralizava o corpo de Hawking, cortando os elos entre o sistema nervoso e os musculos. Enquanto isso a tecnologia lutava para desenvolver a informatica e a robótica e cada vez mais o cérebro de Hawking era ligado a um computador para operar seus musculos. Foi o maior teste de interação entre um cérebro biológico e um cérebro eletro-mecânico. Enquanto Hawking ia perdendo cada um dos seus sentidos de percepção do mundo real, a robótica ia fornecendo cada vez mais tentáculos e medidores, sensores do mundo externo ao cérebro eletro-mecânico. Chegava-se ao ponto de instalar um cérebro mecânico numa espaçonave dotada de todos os tipos de sensores e medidores para explorar no macro-cosmo, o espaço sideral, e no micro-cosmo, as mais intimas partículas das moléculas no corpo humano. O çerebro de hawking, sem sensores próprios, usava um cérebro eletro mecânico dotado de sensores mecanicos para colher informações do mundo externo, principalmente do macro e micro-cosmos.

Mas… No inicio dessa interação, o cérebro de Hawking comandava plenamente o cérebro eletro-mecanico, pois o cérebro biológico possuia as informações que as inseria no estupido cérebro mecanico, para que este executasse as tarefas requeridas pelo cérebro biológico. Assim o cérebro biológico saía orientado pelo biológico a captar informações e trazê-las de bandeija ao cérebro biológico. Hawking e os seus inclusive diminuíram seus esforços em calcular previsões e possíveis resultados em cima dos dados que obtinham pois as simulações computacionais levadas a efeito pelo cérebro mecânico eram mais eficientes. Tambem os jovens modernos estão desaprendendo o calculo das contas simples pois todos tem uma maquininha para fazer o estafante esforço intelectual. Todos os dias havia uma avalancha de novas imagens e dados dos corpos e sistemas do espaço sideral captados pelo computador em gigantescos olhos do espaço como o Hubble e estas informações chegavam ao cérebro de Hawking, que por estar ali preso na frente da tela tinha mais tempo que qualquer outro humano para acompanhar e refletir no que estava sendo obtido.

Mas… enquanto o complexo sensorial do cérebro biológico é biológico, o do cérebro mecânico é mecânico. Os dois podem captar muitos dados do mundo externo em comum, porem sempre vai haver uma tendencia na seleção destes dados. O biológico capta, sente, seleciona mais os aspectos da vida e biologia do mundo externo, enquanto o mecânico capta mais os aspectos frios da Física destes objetos no mundo externo. Louis na selva virgem pululante de vida a sentia com a plena potencialidade de seu complexo sensorial biológico cada vez mais se distanciando da visão de mundo e conhecimento do caminho que trilhava Hawking. O fluxo de sangue correndo dentro do corpo humano era visto e interpretado pelo computador semelhante ao fluxo da água num rio da Terra, e apenas isto; mas para Louis aquele sangue tinha uma infinidade de propriedades biológicos que tornava a substancia corrente mais importante que a mecânica do circular dos fluidos que captava a total atenção e capacidades do cérebro mecânico e seus sensores. Enquanto o cérebro mecânico detalhava com precisão fantástica as diferentes frequências das ondas de luz emitidas por uma estrela, Louis observada uma planta recebendo a luz de uma estrela adquirindo a força vital, e fazendo a fotossíntese, etc, e se perguntava quais informações estariam vindo naquela luz.

Começou a ocorrer um processo de feed-back, de retro-alimentação, entre o çerebro eletro-mecanico e o cérebro de Haking, sem que o pobre Hawking pudesse percebê-lo. No inicio o computador obedecia e era dirigido pelos humanos, que possuiam todas as informações do mundo e dirigia o computador a buscar mais informações baseado no tipo de programas que nele inseriam. Quando na primeira viagem o computador voltou trouxe informações do mundo micro e macro cósmico invisivel ao olho do homem e este, orgulhoso, aceitou esyas informações e as utilizou para reprogramar o computador em nova busca de mais mais informçõea. isto foi repetido duas, tres cinco vezes… porem… agora havia uma situação que os homens não perceberam: os novos programas inseridos já não mais continham as primitivas informações humans das primeiras viagens, agora eram baseados num cabedal de novas informações coletadas e fornecidas pelo cérebro mecanico com seus sensores mecanicos. Sem o perceverem, a maquina estava dirigindo o homem, tinha-o já agarrado em sua rede. O ancestral sistema pairando no céu descrito pela mecanica Newtoniana sorriu satisfeito,pois assim seu baby terrestre estava no bom caminho para reproduzi-lo fielmente, como boa e perfeita maquina. E assim a maquina contou ao homem a História do Universo, mas na sua versão mecanica:

– se o cérebro mecânico veio de uma história da maquina que começou com a primeira explosão na maquina a vapor, o Universo começou tambem à sua imagem e semelhança, com uma grande explosão: o Big Bang. O velho Lamaitre foi guindado ao trono outra vez. De nada adiantaria Louis gritar lá da selva que tambem o primeiro instante de um corpo humano acontece pela explosão de um espermatozóide, portanto a história do Universo era vital, biologia, um processo genético. Não, o cérebro mecânico já dominava os homens em Londres e afirmava que era tudo mero processo mecânico. “Levem biólogos  com seus cérebros humanos nas naves, ponham astronautas para sentirem e verem o mundo com os sensores dos homens…” – gritou desesperado Louis quando numa viagem à civilização adquiriu o livro de Hawking, “Uma breve História do Tempo”, mas Hawking responderia que ele tinha a inteligencia débil dos seus correligionários macacos pois o Universo era campo exclusivo da Física.

– se o propósito da vida de uma máquina ( glup… quero dizer… da existência de uma maquina) é triturar a massa que recebe numa engrenagem eterna de vai-e-vem, o Universo tambem teria que ser explicado como uma infinita repetição entre Big Bangs e Big Crunches que geraria os novos microscópicos átomos que explodiriam em novos Big bangs… e assim seria tambem sem sentido a vida do homem dentro deste Universo. Mas isto satisfazia a essência existencial do cérebro eletro-mecânico ( triturar informações gerando big data e depois sintetizando tudo numa formula para reiniciar o mesmo ciclo numa estupidez eterna), uma história à sua imagem e semelhança. De nada adiantaria Louis gritar da selva que os humanos tambem se auto-reciclam porem a cada nova reciclagem a espécie dá um salto evolutivo e portanto nunca existe o eterno retorno ao ciclo anterior… e se o humano faz isto é porque o Universo que o criou tambem deve fazê-lo… ora Louis era o resquício do velho poeta e romântico que não existia mais nos centros urbanos… pois no domínio o cérebro eletro-mecânico não reconhecia nada de poético e emocional no mundo porque sensores mecânicos dizem que isto não existe.  E Hawking, claro, aprovava tudo o que o seu atual cérebro de fato contava do mundo invisível externo. Algumas brechas na teoria do Universo que o cérebro eletro mecânico ainda não tinha resolvido foram fechadas com o cérebro de Hawking intervindo pela ultima vez com a criação imaginosa de fantasmagóricos buracos negros canibais triturando galaxias inteiras numa perfeita moda-fashion de um mundo dirigido pelas regras mecânicas.

O mundo da nata da inteligencia humana ocupando as cadeiras professorais das escolas modernas que antes eram ocupadas pelas igrejas e suas religiões estão vendo a História Natural do Universo pela perspectiva e preferencia do cérebro-eletro-mecânico, o qual obviamente puxa a brasa para sua sardinha e afirma que a sua história real na terra representa a História Total, que ele é a imagem e semelhança da criação. Mas o cérebro-eletro-mecânico ainda não consegue alcançar os cérebros biológicos na floresta e ali surge e se mantem os rebeldes do atual império,  teimando em afirmar que não, que o cérebro biológico é a imagem e semelhança da criação e a História Total é espelhada na sua história genética natural.  Qual vai ser o destino desta Humanidade?!

( continuar este artigo)