Posts Tagged ‘sistema reprodutor’

O Extra-Terrestre que Engravidou uma Réptil e Gerou o Primeiro Mamífero na Terra!

domingo, março 14th, 2010

A Teoria da Evolução exibe uma exuberância de fósseis ósseos de animais intermediários entre os répteis e aquilo em que alguns se transformaram, os mamíferos.  Ossos antigos são fáceis de achar, e assim fica mais fácil explicar como foi essa evolução, mas o problema está em explicar como aconteceu a evolução da parte mole orgânica já que a carne não se fossiliza e é comida pelos vermes. Os répteis botavam os ovos fora abandonando os filhotes à própria sorte – às vêzes mesmo um filhote botava a cabeça para fora de um ôvo e já encontrava a boca aberta de uma serpente.

Mas… foi então que uma fêmea de uma espécie réptil começou a segurar os ovos dentro o mais que podia e só os soltava quando não podia mais segura-lo (!). Passaram-se milhares de anos e milhares de gerações destas fêmeas, cada uma fazendo maior esforço para manter o máximo possivel seus ovos dentro da barriga até que este esforço obrigou o corpo delas a se transformar, desenvolvendo esta extraordinária engenharia que é o sistema reprodutor feminino. Quando a ultima fêmea réptil nasceu equipada para manter e nutrir o filhote até o momento do nascimento ela foi condecorada com a transcendência, promovida para mamifero.

Porem, espere aí… estamos falando de um réptil, e não daquêles grandes como os dinossauros, mas sim de algum pequeno como um lagarto, um crocodilo, ou uma lagartixa. Acordem! Concentrem-se no bicho que estamos falando dêle e tente se colocar no lugar dêle para tentar entendê-lo. Por que cargas d’água uma lagarta iria fazer algum esforço para manter ovos dentro?! Isso é um absurdo contra tôda a lógica da teoria darwiniana da evolução. E contra tôda nossa lógica racionalista. Répteis são feras que existem apenas comendo e lutando para sobreviver contra predadores e em ambientes inóspitos. Quanto mais rápidos, velozes, acrobatas, destros, maior suas chances de sobrevivência e de transferência de seus genes, e assim serem escolhidos pela seleção natural, certo? Portanto, para a fêmea quanto mais rápido puder se livrar do pêso do incômodo ovo, melhor. Se ela não o fizer rápido, se começar a criar barriga, diminui em muito sua capacidade para a caça e para a defesa, muitas vão morrer certamente.

Então, quando eu disse acima que uma fêmea ou varias fêmeas répteis e através de muitas gerações fizeram um esforço para manter os ovos…  cometí uma heresia contra a teoria da evolução darwiniana e contra a lógica racional do leitor. Certo? Claro que sim!

Então, se o processo da evolução fôsse mesmo o que Darwin e seus discípulos modernos neo-darwinistas afirmam – baseado e resumido nas três variáveis VSI (Variação, Seleção e “Inheritance”), nós humanos jamais existiríamos pois a evolução teria parado no réptil, jamais teria dado o passo seguinte para mamífero. Certo? Ou errado? Onde estou errando? Podem contra-argumentar que o sistema reprodutor mamifero surgiu por gradativas mutações ao acaso, que cada mutação fazia os ovos ficarem mais tempo no corpo da fêmea… mas, não, não podem argumentar isto sabendo que se o corpo mantem um dia a mais o ôvo dentro e cresce a barriga, aumenta o pêso, a criatura se torna menos capaz que as outras e com isso jamais será selecionada. Ou alguém pode vir com a balela de que a fêmea réptil já tinha um certo instinto maternal… e mando este alguém com tal disparate ir pentear macaco no zoológico. Pô, réptil é um bicho que inclusive tem o sangue frio, não se esqueça disso, e vem agora o cara me dizer que de repente uma fêmea réptil têve uma mutação criando um calorzinho interno que começou a se transformar no caloroso amor maternal… E além disso, acredito que réptil nem sabe que seus ovos contem seus filhotes pois nem mesmo humanos primitivos sabiam porque as mulheres criavam barriga e engravidavam… Para não falar que muitos destes animais devoram os ovos da própria espécie quando os encontram. Sem duvidas posso garantir que a criação do sistema reprodutor intra-uterino não foi obra de alguma fôrça atuando desde dentro do organismo reptiliano, ela parece ter vindo de fora.

Mas que fiquem tranquilos os neo-darwinistas pois a obra do grande mestre Darwin continua de pé e nêste evento da passagem do réptil para o mamifero os três mecanismos apontados por Darwin realmente atuaram… porem, não contam nem a metade da verdadeira história. A evolução darwiniana de fato fêz o seu trabalho como ela sabe fazer: a seleção foi aumentando o tamanho e a fôrça da espécie até chegar aos dinossauros, os quais se tornaram os reis da Terra, e como sempre, atingiram o último limite evolutivo de suas possibilidades fenótipicas e nesse ponto começou a entropia, a degeneração da espécie, pois neste ponto que denominamos de “super-especialismo num modo de existência”, todos os seres se acomodam, fecham as portas à evolução e assim tornam-se becos sem saída, ramos ou galhos da árvore genealógica que sai fora do tronco e séca e se extingue ( se não fôsse o meteorito, outra ocorrência natural teria acabado com os dinossauros, mas eu não acredito no tal meteorito como causa da extinção deles… pois a Natureza não precisava recorrer a medida tão drástica para fazer o serviço. Ela própria já dispõe dos mecanismos necessarios para descartar espécies que desafiem a evolução). A evolução darwiniana a partir do réptil mediano, onde se lacalizava a nossa fêmea sacrificada e heróica, caminhou no sentido do dinossauro e não no sentido do mamifero. 

Então acho que certo está entre nós que a passagem de réptil para mamífero não se explica dentro das Ciências Biológicas e dentro da teoria darwiniana, pois nunca teria existido antes um ancestral com sistema reprodutor tipo mamifero para passa-lo àquela fêmea. E como ninguém ainda veio me mostrar onde estou errando, vou continuar na mesma linha de raciocínio.

Quais as fôrças da Natureza, qual a Lei Natural da Física, ou da Quântica, ou da Quimica ou mesmo da Biologia, estiveram por trás e por cima das fêmeas répteis conduzindo-as para este final de transcendência feliz? Já revirei bibliotecas e não encontrei ninguém tocando nêste assunto, acho mesmo que ninguém sabe. Ou melhor… talvez tenhamos agora encontrado uma solução para o mistério.

A fêmea réptil, ao se alimentar de matéria orgânica e ter o corpo atravessado ou invadido pela energia solar estava absorvendo algo que os darwinistas desconhecem mas que existe acima e abaixo da biosfera na superficie terrestre. Dêste modo, se provar-mos que (apesar de que na biosfera terrestre nunca antes nada possuiu tal parafernália de sistema reprodutor uterino), no conjunto dos astros celestes que circundam a biosfera existia um ser que possuia tal sistema e que este ser, atacado pela entropia, tem estado se fragmentando em seus ultimos bits-informação na forma de partículas que se alojam nos alimentos e na energia solar, e que estes “bits-particulas” têm a tendência de reproduzirem o sistema ancestral de onde vieram, estejam onde estiverem, tal como dentro de corpos biológicos… teremos matado a charada! Mesmo que isto implique nas estranhas idéias da Biblia de que anjos celestes estiveram aqui fecundando mulheres humanas (que cacófito, meu Deus!… mulheres humanas! E tem mais informação útil aqui: estas mulheres humanas gostam de homens, mas só daquêles do sexo masculino, viu?) ou de idéias de indivíduos como Von Daniken de que astronautas extras-terrestres possam ter copulado com humanas. Pois, de certo modo, a fêmea réptil foi fecundada por um ser astronômico que possuía algo dêste sistema reprodutor e que produziu a mutação gerando a parafernália reprodutora intra-uterina. Os modêlos da Teoria da Matriz/DNA Universal explicam como êsses bits-informação de um planeta semi-vivo e de um Sol radiante funcionam como ancestrais dos nossos genes e como são espalhados no tempo e no espaço livres sem estarem encerrados num saquinho cromossomico gerando a enorme diversidade de sistemas biológicos. 

Mas o garanhão que estêve aqui se apaixonando por aquela fêmea réptil não pode ser chamado literalmente de extra-terrestre, talvez sim, possa ser apelidado de meio-terrestre-meio-extra-terrestre. Pois êle se constitui num par de dois: é o próprio planeta Terra mais a sua estrêla Sol. Ei… antes de me atirar ovos espere que vou demonstrar como isso aconteceu…

Observe as duas figuras abaixo:

Figura 1                            Figura 2 

 DIAGRAMA DO PROTO-SISTEMA “LUCA” - The Last Universal Common Ancestral   LUCA - The Last Common Ancestral 

A Figura 1 e 2 representam o estado evolutivo em que se encontrava o mundo momentos antes da origem da Vida na Terra. Desculpe se as figuras estão ilegíveis, mas podes vê-las melhor em outras partes do website. Trata-se do sistema natural mais evoluído que existia, e dentro dêle e produzido por êle apareceu a primeira matéria organica, e desta veio o primeiro ser vivo. A Figura 2 é a imagem material visível, ou seja, o hardware, enquanto a Figura 1 é o diagrama do código de instruções que se extrai de tal sistema, ou seja, o software. Apesar da imagem mostrar sete tipos de astros celestes, na realidade trata-se de um astro apenas, sujeito a um ciclo vital. Ora,  um corpo humano sujeito a um ciclo vital muda de forma a todo instante, mas podemos fixar algumas formas principais: mórula, blástula, feto, embrião, bebê, criança, adolescente, adulto, cadáver. Então, êste fenômeno de um corpo material ter suas formas transformadas não foi inventado pela matéria burra da Terra e nem pelos sistemas biológicos, ele já vem desde as origens do Universo, e aplicado a um astro fá-lo apresentar-se nas seguintes formas: germe estelar, lua, planeta, pulsar, quasar, estrêla, buracos branco e negro. Esqueça o que aprendestes na escola, a tal da geração espontânea de cada astro em separado, aquilo é apenas metade da verdadeira história.

 Então o que vemos na figura é o desenvolver-se de um astro qualquer, como a própria Terra que nos gerou. Sem me alongar em mais detalhes vamos direto ao que interessa nêste assunto. Onde está na imagem acima do nosso ultimo ancestral “não-vivo” e “extra-terrestre”, a parafernália do sistema reprodutor intra-uterino? Fácil:  o germe de um novo astro é elaborado no “buraco branco” no lugar da Função 1, apresentando os mesmos processos e fases da mórula, blastula, embrião e por fim o parto no horizonte de eventos. Precisamos entender que o processo da evolução também não foi inventado na Terra. Darwin estudou apenas a Evolução Biológica,  a qual é em si mesma uma evolução da Evolução Cosmológica, a qual apresenta sete variáveis (as variaveis das dimensões eletro-magnéticas e dos sistemas termo-dinâmicos que precederam os sistemas biológicos), portanto, para preencher os “gaps” na Teoria da Evolução de Darwin basta visualizar-mos as ações das outras quatro variáveis que modelam nossa biosfera e nem Darwin, nem Gold, nem Dawkins, etc., conheceram. Apenas os vários modêlos da Teoria da Matriz/DNA Universal revelam a verdadeira história da Evolução através dos tempos desde o Big Bang.

 Mas e esta história de diferença entre ovos botados fora e mantidos dentro, como se vê na imagem?

Note que numa primeira fase o germe de estrêla se constitui no nucleo do astro quando ainda está nas funções 2, 3 e 4, ou seja, lua, planeta, pulsar. Isto significa que o corpo está sendo gestado dentro de um ôvo. Mas ele já foi expelido pelo órgão uterino celeste que é o vórtice na Função 1. Portanto, numa primeira fase, o nosso ancestral tambem botava os ovos fora, abandonando a prole à própria sorte. Mas então o germe floresce na função 4, brotando como uma supernova e note: não apenas o ôvo, mas inclusive o “bebê” supernova continua dentro do sistema, nutrida pelo sistema. Isto significa que nosso ultimo ancestral não-vivo tinha os dois processos ao mesmo tempo, mas o processo de manter os ovos dentro é a segunda fase na evolução do sistema. Por isso aqui na Terra numa primeira fase foram gerados sistemas vivos que botavam ovos fora, desde as amebas aos insetos aos répteis, mas já estava determinado, já estava antes escrito nas estrêlas, que aqui na Terra haveria a evolução da primeira fase para a segunda, mais complexa. As inúmeras gerações da fêmea réptil, de mãe para filha, que foram sacrificadas, muitas coverdemente assassinadas pela fome ou pelos predadores, por carregarem uma barriga cada vez maior, por sofrerem as dores do parto, não o fizeram pelos mecanismos da evolução darwiniana nem foram tocadas pelo instinto maternal. Foram as maiores heroínas de todos os tempos de todos os seres vivos, graças a elas estamos existindo, devemos a vida a elas, mas elas não o fizeram por vontade própria e sim conduzidas por uma fôrça natural que estava até ontem além da compreensão da inteligência humana.

… … perdão, eu não consigo continuar escrevendo quando penso nisto, não consigo evitar que lágrimas me inundam os olhos. Não apenas por causa do sacrificio heróico de uma ancestral ( lágrimas por causa de uma ancestral réptil… isto é que é a verdadeira “lágrima de crocodilo”!), mais por causa da incrivel inteligência que sinto existir no Cosmos: um projeto feito no espaço sideral apenas com esferas e vórtices, já continha em si as instruções para se tornar expressa na forma dêste extraordinário engenho biológico! Qualquer dúvida podem perguntar que depois, refeito das emoções, consultarei os modêlos da Teoria da Matriz/DNA e explicarei com calma.