Posts Tagged ‘sistema solar’

A Matrix/DNA pode descobrir o processo pelo qual o sistema solar foi formado

sexta-feira, março 2nd, 2018

xxxx

A teoria academica atual, chamada de Solar Nebula Theory nao funciona. Sao varios os problemas constados que vao contra a teoria e ainda nao foram solucionados. Por exemplo:

  1. os iniciais pedacos de rocha nao teriam como se agregarem para formar planetas e antes, teriam se chocado e desintegrado.
  2. a elevada densidade de Mercurio
  3. A teoria diz que mercurio nao poderia ter um campo magnetico, mas ele tem e e’ forte;
  4. a teoria supoe que Venus foi formado no mesmo tempo e mesmo processo que a Terra, porem Venus apresenta muitas diferencas, como nao ter placas tectocnicas, nao ter lua, etc;

Sao dezenas ou centenas de problemas em todos planetas e luas contra a teoria academica, como se pode ver neste video ( o video foi produzido por motivos religiosos e ideologicos os quais nao me interessam, mas os fatos e as informacoes apresentadas sao de nossa utilidade):

Our Created Solar System – What You Aren’t Being Told (youtube)

https://www.youtube.com/watch?v=Gr8Az3QQZdI
A matrix/DNA tem o processo ( symbiose entre as diferentes formas de astros produzidas pelo mecanismo do ciclo vital), pelo qual foi formado os originais building blocks de galaxias, e as primeiras galaxias devem ter se formado pelo mesmo jeito. Porem este modelo nao explica como foram formados os sistemas solares, pois tal como a celula passou por dois processos diferentes de formacao, tambem os sistemas astronomicos de ultima geracao foram formados diferente dos originais. O nosso problema e’ calcular como foi essa transformacao do primeiro processo para o segundo processo, para entao apresentar o processo da formacao solar. Mas temos uma vantagem porque temos as pistas para descobrir essa formacao. Temos que estudar as diferencas na celula entre o primeiro metodo da simbiose e o segundo metodo da simples replicacao. Anotadas e calculadas estas mudancas entao devemos projeta-las sobre o modelo do building block ate obter o modelo que funcione da formacao do sistema solar.

Planeta 9? Evidencia para Modelo Astronômico da Matrix/DNA?

quinta-feira, abril 27th, 2017

xxxx

Certos disturbios nas fronteiras do sistema solar – no cinturao Belt – estao indicando haver ali um planeta, e ja’ lhe deram um nome: Planeta 9. Enquanto continua a corrida para ver quem chega primeiro ao planeta que ainda nao se sabe se existe, a teoria sugere ainda que este planeta nao foi formado dentro do sistema solar, mas sim que teria vindo de fora e capturado na orbita de nossa estrela. Então isso lembra os meus modelos astronômicos que preveem este tipo de origens para sistemas estelares inteiros. Fica registrado o artigo aqui e abaixo uma copia de meu comentário postado no artigo…

http://www.space.com/35277-planet-nine-captured-rogue-exoplanet.html

Louis Charles Morelli · – 4/27/2017

Or maybe all planets are rogue…maybe our current theoretical model about stars systems origins is wrong. Matrix/DNA Theory cauculates evolution in reverse time, starting now with biological systems and going back to the past. This method produces new models of system like galaxies and atoms, for to fit as ancestors and producers of biological systems.So, there is a model of the evolutionary link between cosmological and biological evolution. And this model is suggesting there are two process of galaxies formation, like cells system had two process of formation: the first is symbiosis and the second, the cell made by symbiosis leartned how to reproduce itself. Was the biological systems that created two process or this is coming from ancestors systems? If this is the answer, there are two process for galaxies and the first one, all planets has formation outside a star system, only after that they are captured by some star’s orbit. We still has no calculated how the first process evolved to the second, so, we do not know how modern stars systems are produced

Júpiter e seu Importante Campo Magnetico

sexta-feira, julho 1st, 2016

xxxx

Esta nova informação captada sobre Júpiter é mais uma evidencia reforçando o nosso modelo teórico astronomico, a Matrix/DNA. Em português e depois do texto abaixo resumo uma explicação da Matrix/DNA.

Júpiter e seu Campo Magnetico

Ler mais: Juno mission page, NASA article on Juno’s magnetometer.
The post Jupiter’s Magnetosphere Will Blow Your Mind While it Kills Your Spacecraft primeiro apareceu em  Universe Today.

Jupiter is a huge planet, but its magnetosphere is mind-blowingly massive. It extends out to nearly over 5 million kilometers (3 million miles) wide on average, 150 times wider than Jupiter itself and almost 15 times wider than the Sun, making it one of the largest structures in the Solar System.
“If you were to look up into the night sky and if we could see the outline of Jupiter’s magnetosphere, it would be about the size of the Moon in our sky,” said Jack Connerney, deputy principal investigator and head of the Juno mission magnetometer team. “It’s a very large feature in our Solar System, and it’s a pity we can’t see it.”
But the Juno spacecraft is about to change our understanding of Jupiter’s magnetosphere and allow scientists to “see” for the first time Jupiter’s magnetic field.
And today, NASA announced that Juno has entered Jupiter’s magnetic field. Listen to the video below as the spacecraft gathered data as it crossed the bow shock:

A magnetosphere is the area of space around a planet that is controlled by the planet’s magnetic field. The stronger the magnetic field, the larger the magnetosphere. It is estimated that Jupiter’s magnetic field is about 20,000 times stronger than Earth’s.
Magnetic fields are produced by what are known as dynamos – an electric current created from the convection motion of a planet’s interior. Earth’s magnetic field is generated by its circulating core of molten iron and nickel. But what creates Jupiter’s dynamo? Is it like Earth’s or could it be very different? Jupiter consists predominantly of hydrogen and helium, and it is currently unknown if there is a rocky core at the center of the planet.
“With Jupiter, we don’t know what material is producing the planet’s magnetic field,” said Jared Espley, Juno program scientist for NASA Headquarters, “What material is present and how deep down it lies is one of the questions Juno is designed to answer.”
Juno has a pair of magnetometers to basically look inside the planet. The magnetometers will allow scientists to map Jupiter’s magnetic field with high accuracy and observe variations in the field over time. The instruments will be able to show how the magnetic field is generated by dynamo action deep in the planet’s interior, providing the first look at what the magnetic field looks like from the surface of the dynamo where it is generated.
“The best way to think of a magnetometer is like a compass,” said Connerney. “Compasses record the direction of a magnetic field. But magnetometers expand on that capability and record both the direction and magnitude of the magnetic field.”
But Jupiter presents a lot of problems as far as being nice to instruments. Trapped within the magnetosphere are charged particles from the Sun that form intense radiation belts around the planet. These belts are similar to the Earth’s Van Allen belts, but are many millions of times stronger.
To help protect the spacecraft and instrument electronics, Juno has a radiation vault about the size of a car trunk made of titanium that limits the radiation exposure to Juno’s command and data handling box (the spacecraft’s brain), power and data distribution unit (its heart) and about 20 other electronic assemblies. But the instruments themselves need to be outside of the vault in order to make their observations.
The magnetometer sensors are on a boom attached to one of the solar arrays, placing them about 40 feet (12 meters) from the body of the spacecraft. This helps ensure that the rest of the spacecraft does not interfere with the magnetometer.
But there are other ways to help limit the amount of radiation exposure, at least in the first part of the mission.
Scientists designed a path that takes Juno around Jupiter’s poles so that the spacecraft spends the least amount of time possible in those blistering radiation belts around Jupiter’s equator. Engineers also used designs for electronics already approved for the Martian radiation environment, which is harsher than Earth’s, though not as harsh as Jupiter’s.
That elliptical orbit — between radiation belt and the planet — also puts the spacecraft very close to Jupiter, about 5,000 km above the cloud tops, enabling a close-up look at this amazing planet.
“This is our first opportunity to do very precise, high-accuracy mapping of the magnetic field of another planet,” Connerney said. “We are going to be able to explore the entire three-dimensional space around Jupiter, wrapping Jupiter in a dense net of magnetic field observations completely covering the sphere.”
By studying Jupiter’s magnetosphere, scientists will gain a better understanding about how Jupiter’s magnetic field is generated. They also hope to measure how fast Jupiter is spinning, determine whether the planet has a solid core, and learn more about Jupiter’s formation.
“It’s always incredible to be the first person in the world to see anything,” Connerney said, “and we stand to be the first to look down upon the dynamo and see it clearly for the first time.”

xxxx

Explicação da Teoria da Matrix/DNA

 O campo magnético – ou magnetosfera – de Júpiter é surpreendente, pois é massivamente fora do normal. Ela se estende por cerca de 5 milhões de quilômetros em volta do planeta, uma área 150 vezes maior que Júpiter como planeta e quase 15 vezes mais larga do que a magnetosfera do Sol, tornando-a uma das maiores estruturas do Sistema Solar.

Isto vai contra o senso comum baseado no conhecimento oficial e teórico acadêmico. Primeiro porque contradiz nossas ideias sobre o que são campos magnéticos.

Segundo a corrente teoria, campos magnéticos astronômicos são produzidos pelo que se conhece como dínamos – uma corrente elétrica criada de um movimento de convecção no interior do planeta. O campo magnético da Terra é gerado pela circulação de seu núcleo composto de ferro incandescente e níquel. Mas o que gera o dínamo de Júpiter, se pela atual teoria Júpiter consiste predominantemente de gazes apenas, hidrogênio e hélio, e não se sabe se ele tem um núcleo denso…

Com este novo dado, o logico sera rever este modelo teorico de Jupiter, pois seu campo magnetico esta indicando que seu nucleo e’ ainda mais denso e talvez mais incandescente que o da Terra.

Mas com essa informacao, o nosso modelo teorico astronomico se sentiu mais uma vez confortavelmente instalado em bases solidas. para explicar permita-me trazer para ca duas figuras desse modelo

Human and Earth Life Cycle by MatrixDNA

Human and Earth Life Cycle by MatrixDNA

O Ultimo Ancestral Não-Vivo e Inanimado

O Ultimo Ancestral Não-Vivo e Inanimado

Segundo a teoria oficial acadêmica, todos os tipos de astros se formam espontaneamente por sua própria conta e risco pelo circular de uma nuvem de gaz e poeira inicial. Segundo a nossa teoria, os sete tipos de astros conhecidos são formados por um comando de instruções pre-existente nestas nebulosas ( tal como o comando de instruções dos genes no DNA), e são formas variadas de um único astro ao longo de sua existência. Em outras palavras estou sugerindo que os efeito da força do ciclo vital – aquele que faz um único corpo humano apresentar sete principais diferentes formas ao longo de sua vida, desde a forma de morula, blástula, feto, embrião, criança…, ate a de cadáver, não foi inventado ou criado pela vida neste planeta, pois os próprios astros como este planeta já estariam sob essa força. Por isso, a figura acima mostrando a sequencia de metamorfoses de fomas de um único astro vem comparada na primeira figura com a sequencia das metamorfoses do corpo humano.

Quem esta certo, quem esta errado:… Eu sou torcendo para que eu esteja errado, pois seria muito fácil consertar a cabeça de uma unica pessoa que a cabeça de todos os professores e estudantes que aprenderam o modelo acadêmico. Porem, ate agora ninguém me trouxe um fato sequer, real e comprovado cientificamente, que nossa teoria estaria errada.

Seja como for, segundo a nossa teoria, e em termos de galaxias, novos astros são formados a partir do núcleo galáctico com massiva e solida incandescente massa em tamanhos menores que planetas, pois estas ejeções do núcleo serão as sementes de um novo astro. Com o passar do tempo esta semente vai se afastando do núcleo, entrando em áreas mais frias, quando são formados as coberturas de poeira estelar congelada. Afastando-se mais do núcleo o astro de cobertura congelada e núcleo efervescente quase se congelando também pode cair na orbita de uma estrela. E como acontece com as sementes vegetais biológicas, a energia da estrela penetra o astro ativando seu núcleo enquanto degela a superfície formando os oceanos. Neste estado, o de planeta, o astro deve ter uma mais fraca magnetosfera. Porem ao continuar de afastando agora da estrela também ( porque o núcleo comendo de dentro para fora a crosta rochosa vai tornando o astro mais leve, enfraquecendo a atracão gravitacional da estrela), o núcleo vai crescendo, o planeta se tornando mais gasoso pelo cozimento da rocha e água, e seu campo magnético deve se tornar bem mais forte, alem de expandir-se.

Justo o estado de Júpiter descoberto agora. Mas ainda esta semelhança com nossos modelos não é motivo para que eu acredite em meus modelos, os dados totais colhidos até agora ainda não me satisfazem. E tem outro problema que esta me fazendo ficar sempre com um pé atras quando preciso defender ou divulgar os meus modelos e tenho que falar do sistema solar.

Acontece que esta teoria também sugere outra novidade: assim como a primeira as primeiras células vivas tiveram dois processos diferentes de formação, assim também foram a galaxias. Primeiro a forma de simbiose, unindo organelas esparsas num único sistema… depois e a partir dai a células aprenderam a se formarem por si próprias, reproduzindo-se. Quanto as galaxias, também o foram pela simbiose e depois pela auto-reciclagem da poeira estelar de sistemas mortos, deixando porem nestes restos mortais o tal comando de instruções – partículas, elementos, repetindo comportamentos do velho sistema o que as tornam como memorias que ativam a formação de novos sistemas. E ainda não identifiquei de qual geração é esta nossa Via Láctea. Se da primeira, ou da segunda.`Porque assim como o processo da auto-reprodução das células mudou inclusive  os arranjos atômicos e conexões dentro das células, assim também os sistemas estelares de segunda geração devem ter mudado algumas coisas tais que fazem diferenciar as origens de seus astros. A origem de um ribossomo numa célula moderna é diferente da origem do primeiro micro-organismo tornando ribossomo na célula original. E sem saber qual a geração desta galaxia, não posso festejar mais esta aparente vitoria da nossa teoria. Mas… pela logica me parece que as mudanças de origens não foram tao significantes, pois Júpiter esta perfeitamente se encaixando no modelo.

Da Formacao por Simbiose `a Formacao por Reproducao das Galaxias: Mais Informacoes

sábado, agosto 1st, 2015

xxxx

Tradução do artigo da NASA logo abaixo:

Our Sun Came Late to the Milky Way’s Star-Birth Party

( Nosso Sol Chegou Atrasado na Grande Festa de Nascimento das Estrelas da Via-Láctea) 

http://www.nasa.gov/content/goddard/our-sun-came-late-to-the-milky-way-s-star-birth-party

Artist's view of night sky from a hypothetical planet

http://www.nasa.gov/sites/default/files/styles/ubernode_alt_horiz/public/thumbnails/image/hubblemilkyway.jpg?itok=e3F7dcLf

Quanto mais entender-mos destes sistemas solar e galáctico que nos criaram (ao menos nossos corpos físicos), que são nossos ancestrais, que determinam e modelam a nossa biosfera, que modelaram o nosso DNA, e que decidem se nos próximos minutos vamos poder continuar aqui ou sermos varridos da existência, mais vamos aumentar nosso tempo de sobrevivência e melhorar nossa qualidade de vida. Da mesma forma estamos ferrados enquanto acreditar-mos em teorias e modelos destes sistemas que estejam errados, como por exemplo a Humanidade ficou milhares de anos empacada nas Ciências e tecnologias porque acreditou no modelo errado do sistema solar. Um modelo que colocava a Terra como centro do mundo, e como a Humanidade era unica neste mundo, o criador do mundo e da Humanidade deveria ser a nossa imagem e semelhança, então pensou-se na figura deste ser e até se lhe deu um nome – Deus – e desde que a Natureza é obra direta e unicamente dele, em nada devemos mexer nessa Natureza, ele esta controlando tudo. Enquanto isso a Terra ia mudando, o Sol mudando, no céu aparecendo estrelas novas desmentindo que seria imutável, e a Humanidade aqui, parada, apenas crescendo em numero e consumo do planeta. Mas com a guinada de 180 graus do Iluminismo com os materialistas acenando com o novo modelo de Copérnico, fomos exatamente no caminho oposto, aceleramos um tipo de Ciência e tecnologia baseada tambem num novo modelo errado, enquanto a Natureza não é tao acelerada na sua evolução e reposição dos recursos gastos, e agora estamos aqui nessa situação, tendo que recuar, desacelerar, se quisermos sobreviver.

Não é apenas na parte técnica que é importante o nosso conhecimento destes sistemas, é tambem porque o comportamento dos seres humanos é fundamentado e guiado pela sua visão do mundo em cada época,… e até agora, só elaboramos visões erradas. não é atoa que ainda 90% da Humanidade continua sendo torturada nesta absurda condição de existência.

A atual e moderna teoria que esta na moda nos meios acadêmicos nos diz o seguinte:

1) O Universo surgiu a 13,7 bilhões de anos atras;

2) A Via Láctea a 10 bilhões de anos;

3) O Sol, a 5 bilhoes de anos;

Um grande problema, que esta impedindo uma outra teoria, denominada Matrix/DNA, de ajudar-nos a entender melhor esta galaxia e este sistema solar, é resolver se estes sistemas são de primeira, segunda ou quinta geração. Porque, segundo esta teoria, o fato de que aqui na superfície da Terra, o primeiro sistema biológico criado pelos sistemas astronômicos, foi um sistema celular. Mas as células tiveram dois processos diferentes de formação. A primeira célula se formou por simbiose entre microorganismos ou macromoleculas expersas, mas uma vez formada, a Natureza não teve mais repetir aquele difícil processo para multiplicar as células, simplesmente porque eram capazes de se auto-reproduzirem. Ora, mas não foi a matéria estupida e não magica da Terra que inventou estes dois processos, eles ja debviam existir antes e nos sistemas criadores, ancestrais. Então se deduz que ou sistemas solares, ou galácticos, ou ambos tambem foram formados pelos dois processos. E entender a origem, as causas da formação destes sistemas e` fundamental para nos entendermos seus estados agora.

Mas temos que entender como foi a evolução do processo de simbiose para o processo auto-reprodutor da célula, para tentar entender como foi essa evolução a nivel astronomico. E ainda notar que o processo auto-reprodutor nos seres vivos tambem esteve sujeito a evolução, desde o mais simples primeiro método que foi a divisão celular aos sistemas reprodutores modernos dos animais superiores. Isto tem que ser feito principalmente depois que descobrimos que num building block de sistema astronomico, a mais moderna forma de auto-reprodução biológica já estava presente e atuante a 10 bilhões de anos atras, de forma puramente mecânica.

Se quisermos realmente conhecer as causas de mudanças geologias e climáticas na Terra, teremos que antes resolver estes problemas, ou seja, saber exatamente como este sistema solar surgiu, porque se configurou desta maneira, porque só o planeta Terra foi viável para reproduzir aqui propriedades mais complexas que já existiam nas galaxias, porem na forma simples mecanica, e houve esta brutal mutação para a forma biológica.

Não sei ou não me lembro da teoria acadêmica quanto tempo o Universo demorou para produzir o primeiro semi-atomo, o hidrogênio, e depois os atomos completos leves, gasosos, para formarem as primeiras estrelas, para estas se desenvolverem pelas regras dos ciclos vitais e se transformarem em outras formas de astros e começarem a formar um sistema astronomico, para dai esse sistema produzir os atomos pesados, com eles a matéria solida, e com ela os outros tipos de astros como os planetas, pulsares, cometas, etc. Creio que só quando já havia todos os 7 conhecidos tipos principais de astros é que se formaram as primeiras galaxias.

Mas quanto tempo demorou para chegar as primeiras galaxias? Se a Milk Way tem 10 bilhões, não podemos dizer que todas as velhas surgiram nesta época, e possível que a Milk Way já seja de segunda ou terceira geração. Ou não?

Agora o presente artigo da NASA, baseada na teoria acadêmica, sugere que o sistema solar não surgiu quando a galaxia ainda era nova e produziu um grande numero de sistemas estelares. Ele teria surgido bem depois, numa segunda ou mais geração tardia.

Nos temos que fazer estes cálculos e urgente – dada a ameaca das ultimas mudanças climaticas e catástrofes de intempéries ocorridas, não só na Terra, mas tambem em relacao aos fenômenos dos ventos e chamas radioativas solares observadas recentemente. Para isso dependemos de mais dados, e de dados corretos. Informações como as sugeridas por este artigo merece que os estudemos cuidadosamente, por isso, para melhor entender e memorizar estas informações, vamos copiar e traduzir o artigo aqui.

Traducao:

April 9, 2015

Our Sun Came Late to the Milky Way’s Star-Birth Party

In one of the most comprehensive multi-observatory galaxy surveys yet, astronomers find that galaxies like our Milky Way underwent a stellar “baby boom,” churning out stars at a prodigious rate, about 30 times faster than today.

Numa das mais  numerosas concentração de pesquisas de  observatórios de  galaxias feitas ate o momento, astrônomos descobriram que galaxias como a nossa MIlk Way apresentaram uma explosão de nascimentos de estrelas num período rápido, 30 vezes mais rápido que hoje.

Our sun, however, is a late “boomer.” The Milky Way’s star-birthing frenzy peaked 10 billion years ago, but our sun was late for the party, not forming until roughly 5 billion years ago. By that time the star formation rate in our galaxy had plunged to a trickle.

( sinto muito mas tradução tem que ser interrompida, volto a continuar assim que tiver tempo)

Descoberta de planeta igual Jupiter em outro sistema indica a existencia de sistema solar 2.0

quinta-feira, julho 16th, 2015

xxxx

Pegasi

Outro gêmeo de Jupiter em volta de outra estrela. Source: ESO/M. Kornmesser/Nick Risinger Source: Supplied

Nota: Quando dizem “2.0”, eu penso que significa que o sistema solar é uma duplicata do nosso sistema solar e bem próximo da exatidão, por isso o zero depois do ponto. Se fosse um pouco mais diferente seria 2.1 ou 2.2, etc. Se estou errado, por favor, me corrijam. mas o artigo é mais uma afirmação de que os correntes modelos astronômicos de formações de sistemas estelares e galácticos estão muito incipientes ainda e atesta minha briga solitária de que estes modelos tem que tem participação de bioquímicos e biólogos, pois na minha macaquica opinião de semi-macaco recém saído da selva amazônica, as propriedades vitais que mais tarde foram reveladas nos sistemas biológicos que surgiram dentro do único sistema solar que conhecemos com mais detalhes tem que terem estado presente de alguma maneira nos sistemas astronômicos, pois foram estes que produziram os sistemas biológicos. Estas propriedades vitais biológicas tem que terem sido representadas por suas congeneres menos evoluídas, seus princípios básicos naturais, nos processos de formação dos sistemas astronômicos, pois não posso acreditar que a matéria estupida de um planetinha perdido na imensidão sideral tenha inventado do nada coisas tao complexas que nunca teriam existido no Universo. E depois dizem que a logica do macaco e’ inconsistente. Para mim e meus macaquicos raciocínios, inconsistentes são as logicas que os acadêmicos estão aplicando nos seus modelos astronômicos. O meu modelo teórico e’ diferente e do modelo deles porque eu considerei o final produto destes sistemas – que foi a vida biológica – para calcular o modelo, e eles estão se esquecendo disso por isso sua teoria prossegue sendo obrigada a sugerir que a vida caiu do céu de graça, ou seja, seria produto do acaso. E nesta luta não posso deixar passar estes artigos sem chamar atenção para este problema postando a versão que emerge da Matrix/DNA Theory na seção de comentários.

Qual a utilidade pratica que estou visando ao destacar e trazer estes assuntos astronômicos para cá… Acontece que o departamento de astrobiologia da NASA e da agencia europeia ESA estão gastando bilhões na busca de vida la fora e um exercito de astronômicos profissionais e amadores espalhado pelo mundo estão ávidos na busca destes novos mundos possivelmente habitáveis. na minha opinião, enquanto não conhecerem a formula e os modelos da Matrix/DNA Theory estarão desperdiçando tempo e dinheiro ( o que significa que estão desperdiçando os produtos do trabalho árduo e sofrido de milhões de seres humanos), pois esta teoria sugere muitas novidades que não estão sendo aplicadas para se realizar esta busca.

Discovery of ‘twin Jupiter’ points to Solar System 2.0

http://www.news.com.au/technology/science/discovery-of-twin-jupiter-points-to-solar-system-20/story-fnjwlcze-1227444156515

Meu comentario enviado e aguardando moderaçao:

Louis C. Morelli

Thu, 16, July, 2015

The article says: ” If life was to evolve in these challenging conditions, it would need to be very different to our own.”

That’s the problem of theoretical models made by Physics and Math alone. Why don’t you think in the opposite way, like: “If this theoretical challenging conditions are not suitable for life, the real conditions would need to be very different to our theoretical models”…

The unique stellar system we know is suitable for life when is 5 billion years old, which, rationally suggests that the normal and most part of other solar systems are also suitable for life when is 5 billion years old.

The problem of astronomical models made only by Physics is that they forget the final result of a solar system: it creates life in within. Would be better saying: the evolution of solar systems is tunneled to be a biological system. Our system afirms this conclusion. So,…

The formation of first biological system must be a little bit more complex than the formation of solar and galactic systems, but, must be considered when calculating formation of their astronomical ancestors. Only Matrix/DNA Theory’s astronomical model is based in this logical consistence.

Sistema Solar Funcionando… Louco, Mas qual a Explicacao?!

quinta-feira, maio 28th, 2015

xxxx

( artigo ainda sob construcao com muitos erros ortograficos devido estar usando um teclado e computador que so fala ingles…)

Talvez exista um misterio demasiado importante para explicar porque o nosso planeta gerou a vida, e  porque somos assim do jeito que somos: talvez o nosso DNA, o nosso corpo e o nosso planeta exista sob uma especifica faixa da vibracao da luz e energia. Trata-se da mais recente teoria que estou desenvolvendo dentro da grande teoria geral da Matrix/DNA. Vamos ver uma introducao a ela:

https://lh3.googleusercontent.com/-8uIeOiJJV24/VWaUn-KTW7I/AAAAAAABQN4/_tKdf60DuTA/w346-h342/15%2B-%2B1

Tente imaginar que voce esta dentro de uma nave redonda movendo-se no espaco e sem ninguem dirigindo-a. O espaco todo aberto e vazio `a frente, atras, dos lados… Creio que a nave vai seguir na linha reta que vinha quando alguma forca a moveu no inicio. Ela nao teria nenhum motivo logico para mudar a direcao, a nao ser que o espaco nao fosse tao vazio e algo nele dirigisse a nave numa direcao. Pois bem, os planetas movem-se fazendo uma curva constante repetida quase pela eternidade. Qual a forca oue elemento invisivel existe no espaco para encurvar a direcao dos planetas? Bem, acho que foi com essa pergunta na cabeca que Einstein comecou a pensar no ” espaco curvo” ate chegar a sua genial teoria da relatividade. Mais ou menos – Segundo essa teoria – o Sol tambem se move em volta do nucleo da galaxia e ao avancar no espaco ele vai fazendo algo como acontece quando a gente atira uma pedra na agua parade. Quem esta acima da agua ve a formacao e ampliacao de ondas concentricas, mas acho que quem estiver dentro da agua veria um rodamoinho espiralado avancando na agua pela sua ponta.

Mas tenho um problema a perguntar aos fisicos. No caso da agua, vejo as particulas de poeira, fragmentos de objetos, etc., sendo arrastados junto com as ondas, se distanciando do centro. Quando as ondas terminam, o lugar onde elas estiveram ficou limpo. O proprio mar joga as sujeiras para a praia. Entao se o Sol encurva o espaco criando as ondas, porque os planetas nao estao se distanciando do Sol? Se alguem souber esta resposta que deve ser de estudante primario, por favor me avise. Ahh… chiii… como fui me esquecer disso? Massa atrai massa na razao inversa do quadrado…. O sol tem muita massa, os planetas tambem tem, enquanto nas ondas da agua so os graos tem massa enquanto o centro e’ oco…Mas sera que ‘e so isso? E porque e’ que os Astros tinham que ter essa massa e nestas proporcoes entre eles?

Os modelos teoricos da Matrix/DNA tem sugerido uma outra explicacao, apesar que ela esta ainda nebulosa e incompleta. O Sol e’ uma fonte de luz, e como e’ redondo emitindo igual luz para todos os lados, esta luz deve sair na forma de ondas como vemos na agua. Nao e’ um raio de luz dirigido. O que deve acontecer entao? Para acompanhar o raciocinio que estou fazendo ao observer os modelos da Matrix/DNA, e ‘ preciso trazer aqui a seguinte figura:

Light - The Electro-Magnetic Spectrum

Esta linha serpeante e’ o que aparece na tela de um medidor quando registramos a passage de uma onda de luz. Entao na verdade as ondas nao e’ como parecem ser a linha ondulatoria, mas sim ondas concentricas sendo emitidas por uma fonte, como o Sol, ou como vemos na agua. Entao vamos para a figura la em cima e percebemos que a Terra – aquela bola azul grande perto do sol – esta’ na terceira linha, o ultravioleta. Eu nao sei porque os cientistas fizeram aquelas linhas circulares na figura, mas penso que ao inves da terra circular em cima da linha divisoria entre duas ondas, ela se move no meio de duas linhas, como um carro se move numa estrada. Sei que as linhas sao arbitrarias e apenas para mostrar as orbitas, mas penso na imagem na agua, quando vejo os graos de poeira circulando entre as linhas das ondas e nao em cima delas. Isto explicaria porque os planetas nao saem das orbitas apesar de ninguem estar na sua direcao. Quando ele se move muito para um lado ameacando sair daquela orbita, o seu estado vibracionario se choca com outro estado vibracionario da onda seguinte, o que o faz retornar `a sua faixa vibratoria.

Um fato curiosos que notei logo ce cara na figura do sistema solar e que as linhas orbitarias sao exatamente em numero de sete. E sete sao as faixas da onda de luz. Quando os cientistas vem essa coincidencia o que sera que pensam? Claro, devem ter a seculos uma explicacao para isso tudo, mas eles vivem teimando que o sistema solar, apesar de parecido, nada tem a ver com a forma do sistema atomico… porem tambem o atomo tem sete camadas eletronicas. E pela minha teoria, o atomo nada mais e que a forma de bebe da Matrix, enquanto os sistemas estelares sao a sua forma de crianca.

Bem, mas agora e’ que a coisa comeca a ficar mais interessante. Na Matrix/DNA descobri que a linha serpeanteante acima desenha o mesmo desenho que sairia na tela se ao inves de medir a passage de uma onda, eu medisse a passage de uma vida inteira de um corpo humano. A fonte `a direita seria a barriga da mamae, a primeira faixa seria a idade do bebe, a segunda da crianca… ate a ultima que seria a do cadaver se decompondo em seus fragmentos…

Se eu acertei nessa, ja justifiquei minha passage por esta vida, pois esta seria uma das mais revolucionarias dscobertas de todos os tempos, pois ela muda muito a nossa maneira de ver o mundo. Isto significa que uma onda de luz se propaga no tempo e espaco diriida pela mesma forca que faz um corpo humano se porpagar no etempo e espaco, ou seja, crescer no volume do corpo e aumentar o seu tempo ou idade. E sta forca que atua no corpo humano, apesar de nao ser ainda bem compreendida, a chmamos de ciclo vital. Esta forca faz a diferenca entre um corpo vivo e um objeto nao-vivo. Ora, se ela tambem e’ aplicada na luz… isto siginifica que a luz tem um ciclo vital e em outras palavras… uma onda de luz e’ uma forma de vida… !

Por mais estranho que isso possa parecer, se voce comeca a pensar nesta possibilidade como eu pensei, depois de alguns anos voce comecara a ver que a coisa toda tem muita logica… mas se o mundo e nossa existencia nele tiver uma outra dimensao da qual jamais imaginamos.

Para comecar, quem veio primeiro – a luz ou a vida? Se na luz ja existia o codigo da vida esta surgiu a 13,7 bilhoes de anos atras, junto com o Big Bang – que deve ter sido a primeira fonte de luz neste universo. E desde que tambem descobri que o Big bang do universe teve o mesmo significado que o big bang do primeiro momento que meu corpo foi concebido… e dese que sei que o codigo da minha vida nao foi criado naquele mini big bang mas sim ele passou pelo big bang vindo dos meus pais que existiam antes e alem do meu ovo universal… entao a luz trazendo a formula para criar a vida veio de antes e do alem deste universo.

Mas vamos voltar agora ao caso das vibracoes dos planetas. E sabido que ondas de luz carregam em si uma energia, entao esta energia vibra de acordo com a faixa em que ela esta. A energia nas ondas emitidas pelo sol e’ o qe deve segurar os planetas nas suas orbitas, chamem ela de gravitacional, magnetica, ou como quiserem. E tudo o que estiver neste planeta estara vibrando na mesma faixa. Inclusive nos e o DNA de todos os seres vivos.

Mas o que significa isso. Uma breve olhada no grafico da luz nos faz perceber que as vibracoes nascem num estado agitado de violencia e evoluem para um estado calmo de paz. Sera este o nosso future? Ele ja estaria assim determinado? E porque ainda existem animais e humanos muito violentos? Bem, ai vem o problema de que o DNA emergiu da entropia de um sistema astronomico ou mais exatamente da mudanca da forma da matrix universal e isso requer alguns calculus complexos que ainda nao tive tempo de fazer.

Cada planeta tem um estado vibratorio diferente, especifico, apenas seu. Sera por isso que os outros planetas nao se desenvoveram nas condicoes ideais para a vida biologica?

vemos no grafico da luz que na faixa onde esta a Terra ocorre uma primeira grande mudanca na evolucao da onda de luz. Ate o ultraviolet a vibracao era muito forte, mas no meio com a visivel, ela de repente comeca a se alongar, ou seja, uma queda brusca na agitacao da vibracao. Que mudancas entao estao por vim para nosso planeta e para nos?

Estas e mais algumas dezendnas de perguntas estou esquematiczando e pensando neste misterio, tentando conectar os fatos… e assim talvez logo a Matrix/DNA tenha mais uma teoria surpreendente.