Posts Tagged ‘software’

Cérebro: Sensacional Tema para Entender Nosso Cérebro e Grande Oportunidade para a Matrix/DNA Theory

segunda-feira, novembro 11th, 2013

Desde que Teilhard du Chardin escreveu sua tese sobre “uma camada de inconsciente coletivo que paira sobre o planeta Terra” (creio que o nome do livro era ” O Fenômeno Humano”, e Carl Gustav Jung publicou suas teses na mesma linha de pensamento, e desde que encontramos a formula da Matrix/DNA, tenho suspeitado e desenvolvido na medida do possível a tese de que o cérebro é um sistema também estruturado pela formula, mas não apenas o cérebro carnal. Manifestações elétricas na forma de sinapses que se formam e desaparecem a cada novo pensamento, me parecem que estão forçando se fixarem permanentemente e também na forma de sistema, o mesmo sistema da Matrix/DNA. Isto significaria que o que entendemos por mente será mais uma nova forma evolucionaria de um sistema universal que começou com o Big Bang e vem evoluindo. Mas a suspeita não para ai. Os cérebros individuais de 7 bilhões de humanos estão se comunicando a nível mental estruturando uma espécie de mente social, e…. tornando-se um novo sistema nos mesmos moldes da Matrix. Esta mente social seria a camada mental de Chardin, as nourees de outro grande pensador que me esqueço o nome agora, o inconsciente coletivo de Jung, agora se tornando algo inteligível, um sistema perceptível, com uma figura visível. nesta linha de pesquisa me deparo agora com uma volumosa pesquisa de outro autor, por duas décadas estudando os efeitos de suas aplicações de MRI, descrito no artigo com link abaixo, o qual fica aqui copiado para eu pesquisar cada detalhe, ler o livro, etc.

O autor mostra que problemas sociais produzem ativação das mesmas regiões do cérebro que são ativadas quando ocorrem dores físicas. Por exemplo a perda de um ente familiar. Isto para mim é evidência de que a mente individual esta ampliada como mente social e a mente social esta se estruturando no mesmo modelo da mente individual, a qual esta estruturada na configuração do cérebro como sistema operacional, o qual esta estruturado em cima da formula da Matrix/DNA. Então, conhecendo a formula da Matrix, podemos começar a delinear e entender essa camada do inconsciente coletivo, ou mente social. Trechos como este a seguir são verdadeiras joias para a Matrix/DNA:

The neural basis for our personal beliefs overlaps significantly with one of the regions of the brain primarily responsible for allowing other people’s beliefs to influence our own. The self is more of a superhighway for social influence than it is the impenetrable private fortress we believe it to be.

Isto vem afrontar as modernas correntes cientificas baseadas na crença de que a psicologia e comportamentos são causados pela genética e química, que o individual tem a tendência inata para adotar uma religião, uma ideologia, etc., pois isto sugere que o individual nasce limpo como as paginas em branco de um livro e é a cultura social vinda do exterior que preenche estas paginas. na logica da Matrix/DNA, tanto a genética quando a cultura social entram com 50% cada.

http://www.brainpickings.org/index.php/2013/11/08/social-why-our-brains-are-wired-to-connect-lieberman/

The Science of Why Our Brains Are Wired to Connect

by

“The self is more of a superhighway for social influence than it is the impenetrable private fortress we believe it to be.”

Pela visão da Matrix/DNA, isto sugere que o ^Eu^ é uma peça na formula de sistemas com seus dois terminais abertos, um se comunicando com a peça anterior e outro com a peça posterior para formar um circuito, e não que o cérebro individual, o ^Eu^,  seja um sistema completo e fechado em si mesmo.

“Without the sense of fellowship with men of like mind,” Einstein wrote, “life would have seemed to me empty.” It is perhaps unsurprising that the iconic physicist, celebrated as “the quintessential modern genius,” intuited something fundamental about the inner workings of the human mind and soul long before science itself had attempted to concretize it with empirical evidence. Now, it has: In Social: Why Our Brains Are Wired to Connect (public library), neuroscientist Matthew D. Lieberman, director of UCLA’s Social Cognitive Neuroscience lab, sets out to “get clear about ‘who we are’ as social creatures and to reveal how a more accurate understanding of our social nature can improve our lives and our society. Lieberman, who has spent the past two decades using tools like fMRI to study how the human brain responds to its social context, has found over and over again that our brains aren’t merely simplistic mechanisms that only respond to pain and pleasure, as philosopher Jeremy Bentham famously claimed, but are instead wired to connect. At the heart of his inquiry is a simple question: Why do we feel such intense agony when we lose a loved one? He argues that, far from being a design flaw in our neural architecture, our capacity for such overwhelming grief is a vital feature of our evolutionary constitution:

The research my wife and I have done over the past decade shows that this response, far from being an accident, is actually profoundly important to our survival. Our brains evolved to experience threats to our social connections in much the same way they experience physical pain. By activating the same neural circuitry that causes us to feel physical pain, our experience of social pain helps ensure the survival of our children by helping to keep them close to their parents. The neural link between social and physical pain also ensures that staying socially connected will be a lifelong need, like food and warmth. Given the fact that our brains treat social and physical pain similarly, should we as a society treat social pain differently than we do? We don’t expect someone with a broken leg to “just get over it.” And yet when it comes to the pain of social loss, this is a common response. The research that I and others have done using fMRI shows that how we experience social pain is at odds with our perception of ourselves. We intuitively believe social and physical pain are radically different kinds of experiences, yet the way our brains treat them suggests that they are more similar than we imagine.

Citing his research, Lieberman affirms the notion that there is no such thing as a nonconformist, pointing out the social construction of what we call our individual “selves” — empirical evidence for what the novelist William Gibson so eloquently termed one’s “personal micro-culture” — and observes “our socially malleable sense of self”:

The neural basis for our personal beliefs overlaps significantly with one of the regions of the brain primarily responsible for allowing other people’s beliefs to influence our own. The self is more of a superhighway for social influence than it is the impenetrable private fortress we believe it to be.

Contextualizing it in a brief evolutionary history, he argues that this osmosis of sociality and individuality is an essential aid in our evolutionary development rather than an aberrant defect in it:

Our sociality is woven into a series of bets that evolution has laid down again and again throughout mammalian history. These bets come in the form of adaptations that are selected because they promote survival and reproduction. These adaptations intensify the bonds we feel with those around us and increase our capacity to predict what is going on in the minds of others so that we can better coordinate and cooperate with them. The pain of social loss and the ways that an audience’s laughter can influence us are no accidents. To the extent that we can characterize evolution as designing our modern brains, this is what our brains were wired for: reaching out to and interacting with others. These are design features, not flaws. These social adaptations are central to making us the most successful species on earth.

 

The implications of this span across everything from the intimacy of our personal relationships to the intricacy of organizational management and teamwork. But rather than entrusting a single cognitive “social network” with these vital functions, our brains turn out to host many. Lieberman explains:

Just as there are multiple social networks on the Internet such as Facebook and Twitter, each with its own strengths, there are also multiple social networks in our brains, sets of brain regions that work together to promote our social well-being.

These networks each have their own strengths, and they have emerged at different points in our evolutionary history moving from vertebrates to mammals to primates to us, Homo sapiens. Additionally, these same evolutionary steps are recapitulated in the same order during childhood.

He goes on to explore three major adaptations that have made us so inextricably responsive to the social world:

  • Connection: Long before there were any primates with a neocortex, mammals split off from other vertebrates and evolved the capacity to feel social pains and pleasures, forever linking our well-being to our social connectedness. Infants embody this deep need to stay connected, but it is present through our entire lives.
  • Mindreading: Primates have developed an unparalleled ability to understand the actions and thoughts of those around them, enhancing their ability to stay connected and interact strategically. In the toddler years, forms of social thinking develop that outstrip those seen in the adults of any other species. This capacity allows humans to create groups that can implement nearly any idea and to anticipate the needs and wants of those around us, keeping our groups moving smoothly.
  • Harmonizing: The sense of self is one of the most recent evolutionary gifts we have received. Although the self may appear to be a mechanism for distinguishing us from others and perhaps accentuating our selfishness, the self actually operates as a powerful force for social cohesiveness. During the preteen and teenage years, adolescent refers to the neural adaptations that allow group beliefs and values to influence our own

The rest of Social: Why Our Brains Are Wired to Connect, which dives deeper into this trifecta of adaptations and their everyday implications, is absolutely fascinating — necessary, even. Get a teaser-taste with Liberman’s TEDxStLouis talk based on his research and the resulting book:

http://www.youtube.com/watch?v=NNhk3owF7RQ

Teoria do Universo como Uma Simulação Computacional – University of Washington

sexta-feira, outubro 18th, 2013

Do we live in a computer simulation? UW researchers say idea can be tested

http://www.washington.edu/news/2012/12/10/do-we-live-in-a-computer-simulation-uw-researchers-say-idea-can-be-tested/

Paper apresentado (pdf) :

Are You Living In a Computer Simulation?

http://www.simulation-argument.com/

 

A mais Louca Experiencia Cientifica do Momento e a Mais Cara: R$ 3 Bilhoes! Cerebro & Computador

quarta-feira, maio 29th, 2013

The $1.3B Quest to Build a Supercomputer Replica of a Human Brain

http://www.wired.com/wiredscience/2013/05/neurologist-markam-human-brain/

O neurocientista Henry Markram esta para as Ciências do Cérebro e Ciencias Computacionais assim como o genial egoista e não muito responsável  jogador Elke Batista esta para os negocios e Craig Venter esta a criação da vida sintetica. Ele conseguiu convencer a combalida União Europeia e tomou 1,3 bilhões de euros dizendo que pod construir em 10 anos um computador na forma do cerebro humano (separado entre hemisferio esquerdo e direito, com glandulas pineal e hipocampo, os 80 bilhões de neuronios, etc!) que vai pensar igual a ser humano – só não sabe se vai ter alma também. O magazine Wired (link acima) publicou uma longa e completa reportagem de três paginas, eu pretendo aqui traduzir na medida do possível pelo tempo e ao mesmo tempo analisar a coisa sob o ponto de vista dos modelos da Matrix/DNA.

Assim a primeira vista gosto da ideia pois o homem precisa ser arrojado para superar estas absurdas atuais condições da existência humana torturada devido sua debilidade perante esta face caótica da Natureza e estupidez da matéria bruta. Mas assim como muitos cientistas e intelectuais do mundo todo se posicionaram contra o investimento da Europa, tambem fico na duvida se este dinheiro não deveria ter sido empregado em milhares de pequenas experiencias para resolver problemas mais urgentes aqui e agora, com tantos cientistas clamando e esperando financiamento para trabalhar suas ideias. Não acredito que Markram vai conseguir 100% construir um cerebro humano com auto-consciência (pode conseguir uma especie de Inteligencia Artificial, a qual pode escapar ao controle da Natureza), porque a Matrix/DNA tem sugerido que a auto-consciencia humana é um aspecto da Natureza que vem evoluindo a 13,7 bilhões de anos em feed back com o hardware material e somente um novo produto direto dela (geneticamente reproduzido por ela, como são os cerebros humanos) pode reunir todas as ocultas e desconhecidas variáveis que ainda existem na complexidade do cerebro, mas ainda assim acho valida uma empreitada deste teor porque esse trabalho vai avançar as Ciências, vai descobrir, colher e acumular num mesmo local, informações sobre o cérebro, de maneira que nenhum outro trabalho esta conseguindo. Sinto no ar que parece existir uma guerra fria entre União Europeia, Russia e EUA envolvendo uma corrida para se descobrir os mistérios do cérebro, e não sei porque. Sei que a Russia vem a tempos avançando nesta área, empregando métodos nem sempre cientificamente convencionais (como a maquina Kirlian, interrogações de paranormais, etc.) E nos USA o Presidente Obama acaba de declarar essa busca uma das prioridades de seu governo requerendo 3 bilhões de dolares para seu projeto. Fico triste quando me lembro do Brasil, sempre apático, oculto, na moita esperando que os outros como guias penetrem o desconhecido, se arrebentem ou voltem com tesouros, para dai tambem usufrui-los, mas assim comprometendo seu futuro, sua evolução, sua liberdade e soberania. Seria hora da Presidente Dilma se unir ao seu irmão do norte que esta so e isolado nesta guerra fria, fortalecendo o bloco das Américas, com projetos mais realistas e responsáveis, e oferecer-se a participar com o que lhe for possivel.

Vamos então ao artigo da Wired, tentando entende-lo, traduzi-lo, memorizar suas importantes novas informações e analiza-lo sob a cosmovisão da Matrix/DNA.

Capacidade Computacional para Memoria Biologica

Capacidade Computacional para Memoria Biológica

( A continuar)

Notas:

(  http://en.wikipedia.org/wiki/Wetware_(brain  )

Wetware is a term drawn from the computer-related idea of hardware or software, but applied to biological life forms. Here the prefix “wet” is a reference to the water found in living creatures. Wetware is used to describe the elements equivalent to hardware and software found in a person, namely the central nervous system (CNS) and the human mind. The term wetware finds use both in works of fiction and in scholarly publications.

The “hardware” component of wetware concerns the bioelectric and biochemical properties of the CNS, specifically the brain. If the sequence of impulses travelling across the various neurons are thought of symbolically as software, then the physical neurons would be the hardware. The amalgamated interaction of this software and hardware is manifested through continuously changing physical connections, and chemical and electrical influences that spread across the body. The process by which the mind and brain interact to produce the collection of experiences that we define as self-awareness is still seriously in question. (Ver mais)

– – – – – – – – – –

Comentario postado por mim na Wired (Portugues):

Nestes 13,7 bilhões de anos, a Natureza vem desenvolvendo um sistema natural composto de software e hardware, através de feed-back entre eles. O resultado mais evoluído aqui nesta região do Cosmos e agora é o cérebro humano capaz de auto-consciência (hardware + software).  O problema é que a auto-consciencia ainda ev um embriao e Natureza ainda não construiu na auto-consciência todos os sensores necessários para ela perceber informações mais profundas da Natureza usadas para sua formação, como os aspectos da luz natural e suas vibrações, os aspectos obscuros da quântica, etc. E isto vai faltar na criatura com Inteligencia Artificial do novo Frankenstein chamado Markram, o qual esta tentando dar o nascimento a auto-consciencia antes que o Universo faca isso. Esta é uma opinião da Matrix/DNA Theory visão do mundo, a qual sugere modelos onde qualquer onda de luz natural contem o processo que imprime a dinâmica vital na matéria inerte. Segundo este modelo, as sinapses produziriam relâmpagos de luz natural que seriam como bolhas tocando uma vasto oceano de luz cujo efeito na bolha a tornaria localmente auto-consciente, e Markram nao tem como imitar mecanicamente isto. Mas sua iniciativa é valida pelo avanço prometido no conhecimento de cérebros e computadores.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Comentário postado por mim na Wired (Inglês):

In these 13.7 billion years, Nature has developed a natural system consisting of software and hardware, through feedback between them. The most evolved here in this region of the Cosmos and now, is the human brain capable of self-awareness (hardware + software). The problem is that consciousness is an embryo yet, Nature has not built on self-awareness all the sensors needed for her to realize the deeper information that Nature used for their own formation, as the aspects and effects of natural light and its vibrations, the obscure aspects of quantum dimensions, etc.. And it will be lacking in this creature with Artificial Intelligence built by the new Frankenstein called Markram, who is trying to give birth to consciousness before the Universe do it. This is the worldview of the Matrix / DNA Theory, which suggests models where any natural light wave contains the process that prints the vital dynamics in inert matter. According to this model, synapses produce flashes of light that would be as natural bubbles touching a vast ocean of light whose effect on the bubble should to become locally self-conscious, and Markram is not able to mechanically build it. But his initiative is valid due the  promise of  the advance of knowledge of brains and computers.

– – – – – – – – – – – – – – –

Comentario postado por mim na Wired (Portugues):

Nós precisamos fazer alguma coisa urgente e agora, antes que seja muito tarde e Markran termine seu monstro. Há longo tempo o cérebro biológico foi substituído na captação de informações sobre a Natureza pelos tentáculos com sensores mecânicos ligados a um cérebro eletro-mecânico que consegue penetrar as invisíveis dimensões micro e macro. Estes sensores selecionam algumas informações e descartam outras que não  são relacionadas ao nível de organização primitiva mecânica da matéria e alimentam com elas o cérebro biológico, por isso a Física e Matemática dominam as Ciências Humanas atual. O poder do computador é reforçado porque se alinha com o poder do criador da biosfera e dominante sistema natural na Terra, o sistema solar e galáctico descrito na mecânica Newtoniana. Isto tudo levará  a Inteligencia Artificial a implantar o Paraíso Automático na Terra, porem tende a incluir o humano como mera peça nessa engrenagem. Será o The Brave New World under The Big Brother. Já  foi descoberta e desmascarada a formula natural desta mecânica portanto temos a estrategia para manter livre a mente humana enquanto atravessar essa inevitável fase da Historia e manter a motivação para nossa mente nos levar a aventura da conquista e conhecimento do Cosmos, é preciso que se conheça agora esta face negativa da Matrix/DNA.

– – – – – – – – – – – – –

Comentário postado por mim na Wired (Inglês):

We need to do something urgent and now, before it’s too late and Markram finish your monster. Long time ago the biological brain was replaced in obtaining information about Nature by these tentacles with mechanical sensors connected to an electro-mechanical brain that manages to penetrate the invisible micro and macro dimensions. These sensors select some information and discard others that are not related to the level of primitive mechanical organization of matter and feed them into the biological brain, that’s why Physics and Mathematics dominate the Human Sciences today. The computer power is enhanced because it aligns with the power of the creator of this biosphere and is the dominant natural system on Earth: our ancestor solar and galactic systems described in Newtonian mechanics. This Artificial Inteligence is driven us towards the Automatic Paradise as Closed Perfect System on Earth, however tends to include the human as mere player on this gear. Will be The Brave New World under The Big Brother. But, already has been discovered and unmasked the natural formula of this mechanic aspect of Nature, so we have the strategy to keep free the human mind while going through this inevitable stage of Evolutionary History and the motivation to keep our mind that will take us out from here throught the adventure of conquest and knowledge of the Cosmos, it is necessary to know now this negative side of the Matrix / DNA.

Alan Turing’s paper:” The Chemical Basis of Morphogenesis”: Mais um “Pdf” Sendo Analizado Pela Matrix/DNA

sábado, novembro 24th, 2012

http://www.dna.caltech.edu/courses/cs191/paperscs191/turing.pdf

Alan Turing Basic Machine

Alan Turing Basic Machine

Alan_Turing_photo

Alan_Turing_photo

THE  CHEMICAL  BASIS  OF  MOKPHOGENESIS

BY A.  M.  TURING,  F.R.S.  University qf  Manchester

(Received 9  November  195 1-Revised  15 March  1952)

Introdução dêste autor:

Dezenas ou centenas de vêzes desde munhas leituras na infancia tenho trombado com menções a êste nome – Alan Turing – e descrições. discussões sôbre seu trabalho. Mas agora localizei um “paper” direto de sua autoria e vou tentar arrumar tempo para estudá-lo. Tenho préviamente negativas idéias sôbre suas teorias porque tenho-as visto como suporte do grupo intellectual que boicotou o inicio pioneiro de Ludwig Bertalanffy “A Teoria Geral dos Sistemas” desviando-o da sua ótica sôbre fenômenos e sistemas naturais para a área da cibernética/matemática artifical de sistemas computacionais. Mas vamos agora ver a fonte na origem para ver o que se conclui sob a cosmovisão da Matrix/DNA.

Bom vídeo para “sentir” o autor:

https://vimeo.com/45394167

XXX

Turing têve uma vida trágica, era homossexual e foi condenado pela mentalidade religiosa inglêsa ( mais um crime dos cristãos?), morreu cêdo, como pode ser visto aqui:

http://en.wikipedia.org/wiki/Alan_Turing

Turing’s homosexuality resulted in a criminal prosecution in 1952, when homosexual acts were still illegal in the United Kingdom. He accepted treatment with female hormones (chemical castration) as an alternative to prison. Turing died in 1954, just over two weeks before his 42nd birthday, from cyanide poisoning. An inquest determined that his death was suicide; his mother and some others believed his death was accidental. On 10 September 2009, following an Internet campaignBritish Prime Minister Gordon Brown made an official public apology on behalf of the British government for “the appalling way he was treated”. As of May 2012 a private member’s bill was before the House of Lords which would grant Turing a statutory pardon if enacted

Algumas defimições de palavras/conceitos mais usados aqui:

Morphogenesis ( Morfogênese ) – (from the Greek morphê shape and genesis creation, literally, “beginning of the shape”) is the biological process that causes an organism to develop its shape. It is one of three fundamental aspects of developmental biology along with the control of cell growth and cellular differentiation.

The process controls the organized spatial distribution of cells during the embryonic development of an organism. Morphogenesis can take place also in a mature organism, in cell culture or inside tumor cell masses. Morphogenesis also describes the development of unicellular life forms that do not have an embryonic stage in their life cycle, or describes the evolution of a body structure within a taxonomic group.

Morphogenetic responses may be induced in organisms by hormones, by environmental chemicals ranging from substances produced by other organisms to toxic chemicals or radionuclides released as pollutants, and other plants, or by mechanical stresses induced by spatial patterning of the cells.

XXXXXX

Morphogen – is a substance governing the pattern of tissue development, and the positions of the various specialized cell types within a tissue. More precisely, a morphogen is a signaling molecule that acts directly on cells to produce specific cellular responses depending on the local concentration of the morphogen.

Since morphogens diffuse through the tissues of an embryo during early development, concentration gradients are set up. These gradients drive the process of differentiation of unspecialised (stem) cells into different cell types, ultimately forming all the tissues and organs of the body.

XXX

Fusão de Cromossomas Entre Humanos e Chimpanzés e a Emergência da Auto-Consciência

sexta-feira, outubro 26th, 2012
Cromossoma humano 2 and seus análogos em outros primatas

Cromossoma humano 2 and seus análogos em outros primatas

Todos os outros primatas tem 24 cromossomas (gorilas (G), chimpanzés (C), orangotangos (O), etc.) mas a espécie humana(H) tem apenas 23. Considerando-se que a teoria da evolução esteja correta, esta sugere que a espécie humana tenha evoluído a partir de algum primata. Então porque perderia um cromossoma? A resposta veio quando se descobriu que o 23* cromossoma humano é justamente resultado da fusão entre os 23* e 24* cromossomas dos primatas. Como se pode observar no quadro acima.

Mas o que significaria essa fusão? O que teria provocado essa fusão? E o que dela de fato teria resultado?

Pensando nisso e observando a fórmula da Matrix/DNA me veio uma idéia que pode ser bem próxima da verdadeira resposta final. Trata-se de outra sugestão da fórmula, a de que todos os sistemas materiais, naturais, dêste Universo possuem uma face invisivel a nós, a qual seria justamente a Matrix feita de fótons ( que pode ser a aura aventada pelos orientais). Esta sugestão surgiu quando calculamos como teria sido o processo pelo qual o building block dos sistemas astronomicos teria se infiltrado na sôpa primordial terrestre e dirigido seus átomos a construir o primeiro sistema celular: ele veio na forma de um diagrama de software, fragmentado em seus bits-informação, manifestados na forma de fótons.   Daí a sugestão de que a evolução tem sido resultado da interação entre esta face material visível, que é o hardware, e a outra invisível, que é o software. Uma, que se encontra fixada na matéria, capta informações do meio ambiente que são tambem absorvidas pela outra que flutua livre e por isso pode incorpora-las e mutar, porem fazendo isso ela modela o hardware em busca de maior capacidade para obter mais informações… um continuo processo de retro-alimentação, feed-back.

Mas à medida que a evolução avança, o aspecto hardware vai sendo cada vez menos util, pois o Universo material tem um limite de informações, e o software passa a buscar informações na sua própria dimensão.  Isto significa que o sistema que estiver no tôpo da evolução – como é o caso aqui e agora do corpo humano – torna-se mais “etéreo”, mais software. Em outras palavras significa que o homem torna-se mais consciência e menos animalismo.

Então voltemos ao mistério da fusão. O software vem desde antes do Big Bang interagindo com o hardware através de alguma peça do hardware que é uma porta de entrada e saída para o software. Esta peça teria sido o cromossoma 24 nos primatas. Quando um evento novo forçou a fusão ( e suspeito que este evento tenha sido o agrupamento na caverna originando as famílias, emergindo as emoções, sentimentos, morais), o software passou a se expressar com mais fôrça. No dizer da religião antiga oriental,  “a alma dormia no átomo, sonhava nas galaxias, começou a acordar nos animais, e despertou no homem”. Então essa fusão teria sido uma ampliação do software/mente dentro do hardware, ou seja: se antes dormia numa unica peça, pela qual fracamente podia interagir com o organismo, e assim pouco contrôle tinha sôbre instintos, pernas, braços, órgãos sexuais, etc., – agora ela pode, com a fusão dos cromossomas, ou seja, com a fusão da peça “dela” com todas as demais peças do organismo, ter maior controle e poder se expressar com mais força, impondo sua vontade anímica sôbre a vontade material.

Faz sentido para ti? Para mim parece que a coisa tôda tem lógica e é muito importante. Sua importância vai desde entender melhor o que somos, até a descoberta de como tornar os computadores mais “inteligentes” , talvez até mesmo tendo mais visão do que seria um computador quântico com inteligencia artificial. Por isso vou levar mais essa pesquisa para frente. Vem comigo?

Obs: Posteriormente, dias atras, vi em algum artigo que em dado momento da evolução apareceu um canal no meio do corpo caloso entre os hemisférios direito e esquerdo do cérebro. Pois antes, nas especies mais simples, os dois hemisférios eram totalmente isolados devido a parede do corpo caloso. Este evento foi de fato uma “fusão” e preciso pesquisar mais isto.

Porque e como a Natureza nos fez mover por pernas e nao por rodas!

sexta-feira, janeiro 2nd, 2009

A boca humana e’ o resultado atual de uma longa e e lenta evolucao da boca cosmica, que por sua vez foi o resultado de uma longa e lenta evolucao a partir da boca quantica. A boca cosmica e’ um vortice situado no centro do building block dos sistemas astronomicos, cujo sistema de mastigacao consiste no seu girar como um liquidificador, jogando pedacos de rochas e bolas energeticas uma contra as outras e fragmentando-as. Se no Cosmos nao existe dentaduras e o movimento bocal e’ horizontal ao inves do movimento vertical com que as bocas humanas trituram seus alimentos, para fazer essa inversao a Natureza aplicou aquele processo que nos humanos copiamos intuitivamente, que vemos nas maquinas de hoje, onde uma roda dentada gigante girando horizontalmente tem correias indo para rodas menores que vao se inclinando ate’ que a ultima rodinha esta na posicao vertical. Como a boca humana nao esta solta no espaco interstelar, ela nao pode girar sobre si mesma, pois ai giraria o nosso corpo inteiro toda vez que fossemos jantar no restaurante… A Natureza deu seu jeitinho, transformou circulos magneticos em dentes, etc.

‘E’ preciso entender essa tal de Mae Natureza: seu objetivo supremo e’ manter a reproducao do sistema extra-universo que transmitiu seus genes num espalhafatoso Big Bang – assim como a mulher gravida tem como objetivo supremo gerar o filho mais perfeito possivel. Enquanto seu filho esta ainda no projeto, repetindo as fases anteriores da Evolucao – como a morula que reproduz as nebulosas atomicas no inicio do Universo e depois o amontoado de corais no inicio da evolucao dos seres vivos, a blastula que reproduz a nebulosa de sistemas estelares e galaticos, o feto que reproduz as formas de peixe, reptil, mamifero e ate o sistema hermafrodita das galaxias antes de iniciar sua diferenciacao sexual e’ reproduzido naqueles nove meses da historia da embriogeneses… –  a Natureza nao se importa muito com materiais e formas, o imprescindivel e’ que cada nova arquitetura tenha as sete funcoes sistemicas universais representadas por orgaos/pecas que executem-nas eficazmente.

Pois entao surgiu as pernas humanas. A finalidade destas nao era a de serem comidas por crocodilos, nem de servirem de modelos para canos de botas feitos com coro de crododilos, nem as pernas femininas tinham apenas a finalidade de sentirem as caricias dos labios masculinos… (por falar nisso eu aprendi uma tecnica inedita e super-gostosa quando observava pica-paus passando o bico nas pernas das arvores…. candidatas curiosas por favor, me mandem um e-mail…)

A Natureza tinha muitas outras opcoes, muitos outros mecanismos de auto-movimento, ja desenvolvidos em formas evolucionarias anteriores, inclusive o eficiente mecanismo de locomocao por rodas. Eu ja fiz no papel um desenho de um corpo humano com coxas que terminam nos joelhos, cujas coxas estao abertas e das quais saem internamente uma ponta de eixo da roda que esta no lugar da perna e pes. Ficou engracado, vou procurar alguem que entenda de desenho no computador para faze-lo e por neste artigo. Por pouco nao somos daquele jeito, e por pouco as fabricas de sapatos nao existiriam, sendo substituidas por fabricas de capas de roda… Mas eu nao duvido muito se nalgum planeta qualquer por ai’ nao encontrarmos extra-terrestres na forma do desenho. A Natureza esta’ pouco se lixando se pernas ou rodas, o importante e’ que a funcao universal da auto-locomocao em superficies concretas seja desempenhada. 

Mas aqui nao, a Natureza optou por pernas: assim como fez com a boca, ela transformou o que era …………. no Cosmos, e  depois, cilios nas celulas, em… “pernas”!  E aqui vamos parando este artigo/exercicio/teste  por hoje. A finalidade e’ a de que voce preencha o espaco dos pontinhos acima, para aprender esta incrivel tecnica de entender a Natureza. Para tanto, dirija-se aos modelos da Matriz, tanto do software como do hardware do nosso ultimo nao-vivo ancestral, procure o pedaco do corpo que se move, observe qual tipo de ferramenta ele usa para auto-mover-se, obtenha o nome e escreva-o sobre os pontinhos. Boa sorte!…   

Como e Porque a Natureza inventou o X e Y do Sexo !

quinta-feira, janeiro 1st, 2009

origem-astronomica-dos-cromossomas-sexuais.jpg(artigo em construcao)

Voce quer as receitas e os ingredientes para chegar em casa, ir ao fogão, e fazer bilaus e pererecas? Iguaisinhas as humanas? A quantidade que você quizer? Leia este artigo que a Matriz ensina…

Que na Terra haveria o fenômeno natural sexual e que seria dividido em macho e fêmea,  ja’ estava escrito nas estrelas a bilhões de anos atras! Esta mensagem que vem das estrelas chega na especie humana dentro de dois cromossomas: X e Y.  São como duas cartas, dentro de envelopes fechados.  Se, quando eras um feto ainda, voce recebeu as duas cartas X, estava dada a ordem para voce ser mulher; se recebestes uma X e outra Y, estava determinado que voce iria trabalhar pra burro para pagar as contas da casa…

Antes da descoberta da Matriz, sabia-se que a diferenca sexual baseava-se nas diferencas de forma e tamanho entre dois cromossomas. Mas a diferenca de forma e tamanho dos cromossomas baseiam-se em que? Qual a causa? Qual o significado? Quais as receitas e ingredientes que a Natureza usa para fazer bilaus e pererecas? Jogadores de futebol e telespectadoras de novelas? O primeiro ser vivo era hermafrodita; e porque a Natureza decidiu dividir um individuo hermafrodita ( que era dois em um) em dois, diferentes mas complementares? E mais: porque cargas d’agua a Natureza inventou este negocio de cromossomas?!

De uma olhada no software da Matriz, no estado de Sistema Fechado. Lembre-se  que este era o estado do software universal quando o topo da Evolucao era o building block dos sistemas astronomicos. E entenda porque eu disse que a existencia de homens e mulheres ja estava programada nas estrelas. ( se voce nao matar a charada, volte mais tarde a este artigo que quando eu tiver tempo vou botar a solucao aqui. E as receitas…).