Posts Tagged ‘syncytin’

Nós, Mamíferos Fomos Feitos Tambem Por Virus! Mamma mia!

sexta-feira, fevereiro 17th, 2012

xxx

Quando você era apenas um feto, necessitou de nutrientes para sobreviver e se transformar em embrião. Claro que tais nutrientes só poderiam vir do corpo da mãe. Mas como ter acesso aos nutrientes se você estava dentro de um utero que estava isolado dentro do corpo da mãe? Os nutrientes estavam na placenta que existe logo após as paredes do utero, separada dêste. Pela lógica das coisas você não era para ter nascido, todos nós seríamos abortados como fetos mortos. Mas a Natureza tem uma sabedoria extraordinária! Aconteceu então uma espécie de milagre: surgiram entre as paredes do útero e a placenta umas camadas de células preenchendo o espaço, camadas estas que permitem a passagem de tais nutrientes. E quem fêz estas camadas de células?

Virus !!!

Quem poderia ter imaginado uma coisa destas?! Fomos instruídos para odiar os virus porque alguns dêles nos matam, mas agora percebemos que a existência dêles nêste mundo foi necessária e inevitável para a Evolução produzir seres vivos como a espécie humana. A Natureza convocou os virus quando a espécie mais evoluída aqui eram os répteis e usou seu trabalho para transformar um réptil num mamífero. Impressionante!

Bem… leia meus comentários aqui e o artigo publicado em:

Discovern Magazine – Seção Blogs – The Loom

Mammals Made By Viruses

Título: Mammals Made By Viruses

February 14th, 2012 11:48 PM by Carl Zimmer

Em 2000, uma equipe de cientistas de Boston descobriram um peculiar gene no genoma humano. Deram-lhe o nome de ERVWE1. Êle tem o código para produzir uma proteína feita sómente pelas células da placenta. Êles chamaram essa proteína de “syncytin”.

As células que produzem syncytin estavam localizadas apenas onde a placenta faz contacto com o útero. Estas células se fundem, ou se unem, para criar uma unica camada de células, chamada de “syncytiotrophoblast”, a qual é essencial para o feto sugar, drenar, nutrientes de sua mãe. Os cientistas descobriram que o que liga as células como uma espécie de ponte é essa proteína, a syncytin. Então, para que no futuro as células possam se conectarem, precisam antes fabricar a syncytin, como nós do lado de cá de um rio, para atravessar-mos mercadorias à outra margem, precisamos antes fazer uma ponte.

Até aqui tudo bem, nos maravilhamos com as previdências e fantástica engenharia da Natureza, mas estamos acostumados a aceitar isto. O que torna o caso realmente formidável é que êsse gene que faz essa ponte, essa proteína, não é um gene humano! Êle tem todas as características dos genes dos virus. Algum antepassado nosso extorquiu êsse gene do DNA de um virus e nenhum de seus descendentes nunca mais o devolveu. Agora tem virus nascendo aleijado, outro vêsgo de um ôlho, porque lhes falta êsse gene. Devolvam o gene ao virus, meu amigo, minhas amigas, senão vocês podem ir para o inferno…

O problema é que se meu pai tivesse devolvido o gene eu não teria nem nascido e não estaria aqui agora blogando… Se eu devolver o gene nunca terei filhos. Vou ficar triste pelo resto da vida com êsse tremendo pêso na consciência. Somos ladrões de genes de criaturinhas indefesas.

O artigo é longo e continua com informações valiosas. Apenas para ilustrar reproduzimos a figura abaixo mostrando como foi a evolução da inserção dêsse gene:
xxx

Ciclo Evolutivo do Gene para Syncytin


xxx
Observe o desenho na base onde se lê “maternal vessel”, a faixa ou camada de células formada pela syncytin.

Virus têm se infiltrado por êles mesmos no genoma de nossos ancestrais por centenas de milhões de anos. Êles tipicamente têm conseguido isso ao infectarem ovulos e espermas, inserindo seus próprios DNA dentro do nosso. Existem 100.000 conhecidos fragmentos de virus no genoma humano, perfazendo cêrca de 8% do nosso DNA. ( Tem um casal vizinho lá de casa que quando a mulher ficou grávida só se expressaram êstes 8% de genes e quando o filho nasceu era apenas um virus, por isso êles criam seu filho escondido numa caixa de fósforos na casa… Mas, agora falando a verdade, acho que você já sabe que muitas vêzes êstes fragmentos de genes viróticos se replicam e se tornam virus completos, por isso nosso corpo cria virus dentro de nós mesmos!)

A maioria dêste DNA de virus tem sido atacado por tantas mutações que hoje nada mais são que meras bagagens que nossas espécies carregam de uma geração a outra. Ainda assim há alguns genes virais que ainda fazem proteínas em nossos corpos. Syncytin aconteceu de ser uma proteína extremamente util para nossa biologia, por isso a Evolução, através de seu mecanismo da seleção natural, permitiu a êsse gene que a produz, a se expressar e o mantêve até hoje no DNA dos mamóferos. Originalmente, syncytin permitiu aos virus fundirem células dos corpos de seus hospedeiros para que êles pudessem se propagarem de uma célula para outras. Agora essa proteína permite a bebês se colarem ao corpo de suas mães.

Agora vamos analisar êsse fenômeno, como e porque aconteceu essa espécie de milagre, à luz da fórmula da Matrix/DNA, e prepare-se para vibrar de emoção com a sabedoria da Natureza. O que são os virus, como e porque surgem na Terra? Virus são apenas uma das sete peças de um sistema natural. Observe a fórmula da Matrix.
xxx

Fórmula da Matrix/DNA no Estado de Sistema Fechado


xxx

Virus são os instrumentos materiais, os representantes no ecossistema da biosfera terrestre da Função Sistêmica Universal n. 5. Esta função que nasce em F.4 – o elemento masculino do sistema – sai fora do circuito esférico rumo ao interior do sistema, para terminar na F.1 – o elemento feminino do sistema. É a unica peça movel dos sistemas naturais e a unica intermitente, quer dizer, só aparece quando um sistema está maduro e começa sua fase de reprodução. É uma peça fundamental na reprodução e perpetuação das espécies. Ela funde duas outras peças, une-as, a F.4 à F.1. No céu, o unico astro que perambula entre outros é o cometa, e estudando suas demais características descobrimos que cometas são os instrumentos materiais dentro dos sistemas astronomicos fabricados pela faixa do espectro da luz natural correspondente à Função Sistêmica Universal n. 5 quando a luz adentra a matéria inerte e lhe imprime a dinâmica do ciclo vital, quer dizer, organiza a matéria em sistemas funcionais. O cometa é o espermatozóide do espaço. Não os que vemos passar por aqui, êstes são espermatozóides que nunca alcançaram o alvo, vão vagar até se desfazerem. No sistema celular essa função criou o RNA, o mensageiro, o transportador. Na divisão dos orgasnismos pelo sexo essa função entrou criando o espermatozóide. No sistema nucleotideo ela criou a base uracila, a unica que só existe no RNA e é intermitente, só aparece quando é formado um novo nucleotideo que vai compor a fita do DNA.

Cada Função Universal criou uma das cinco principais organelas do sistema celular. A F.1 criou o nucleo, A F.2 criou o centríolo, a F.3 criou o ribossomo, a F.4 criou a mitocondria (por isso a mitocondria tem DNA tambem pois ela representa o elemento macho que precisa ter DNA para a reprodução, e por isso ela emite os bólidos de energia ATP como seu ancestral no céu, o pulsar, emite os energéticos cometas). A F.6 criou o lisossomo que faz a limpeza da célula retirando seus detritos como sua ancestral no céu, a estrêla decadente se fragmenta expulsando seus detritos. A F.7 criou o cloroplasto, que só existe na célula vegetal e como representa o seu ancestral no céu, a estrêla, é êle que conecta a célula vegetal ao Sol e faz a fotossíntese. E a F.5, criou qual organela? Uma que fôsse intermitente, quer dizer, só aparece na reprodução, os virus. Por isso os virus tem a tendencia de penetrar na célula, ir até o nucleo onde se situa a fêmea, e só sabe se reproduzir desenfreadamente, ou juntar o aparato masculino ao feminino se fazendo de ponte, como a syncytin.

As organelas eram, antes de ser formado o primeiro sistema celular, apenas compostos moleculares como o ribossomo, o lisossomo, ou pré-organismos já com RNA/ou DNA como as mitocondrias. Existiam separadas, porque foram pacotinhos de genes semi-vivos vindos do sistema astronomico, eram apenas certos trechos do circuito daquêle sistema. Com o tempo e por simbiose se juntaram dentro de uma membrana, perfazendo o circuito completo e assim o primeiro ser vivo saiu a se arrastar na superficie da Terra.

Os virus são tambem uma organela celular.

E porque êles tem a capacidade de fazer uma proteína que funde o utero à placenta? Ora, já respondemos acima, basta dar uma olhada para o céu, êles lá só sabem fazer é fundir dois corpos. E a maioria dos cometas que não chegam no horizonte de eventos do vórtice formado no meio da poeira estelar (vórtice êsse errôneamente teorizado pelos físicos como se fôsse um buraco negro), porque não tiveram a fôrça necessária para penetra-lo, ficam orbitando no meio da poeira que mais tarde vai justamente se constituir na ancestral celeste da placenta dos mamíferos, ao se agregar ao nucleo da semente de uma nova estrêla e se tornar o depósito de nutrientes para o germe se alimentar até desabrochar. Por isso a syncytin só existe ali entre o utero que imita o buraco negro onde se desenvolve o embrião de uma nova estrêla e o resto do Universo, o qual, nêste caso, é o corpo da mãe.

Êste é o pêso, a fôrça, de uma teoria consistente. Não é porque descobriram no ano 2.000 a syncytin, o gene do virus no DNA dos mamíferos e por causa de eu saber disso tudo apenas hoje quando leio êste artigo que estou descobrindo agora a identificação com minha teoria. Essa história da placenta como imitação do horizonte de eventos, dos virus como reprodutores e organelas, e constantes do DNA, já a escrevo aqui nêste webisite há anos e já a registrei com direitos autorais a 20 anos atrás, antes da syncytin ser descoberta em 1998. É a capacidade de previsão certeira desta teoria que a cada dia me convence mais que algo nela, ou muito dela, deve estar correto. A formula da Matrix/DNA surge nêste Universo material codificada no espectro electro-magnético de qualquer raio de luz natural, (como explico aqui em outro artigo), mas de onde vem essa luz, qual sua fonte natural, A Teoria da Matrix/DNA não sabe dizer. Vou morrer levando comigo êste mistério não-resolvido para meu tumulo…

Mas se assim for, se a teoria da Matrix/DNA está correta, os cientistas estão interpretando algo de forma errada. A teoria diz que tôdas as informações vindas de LUCA – o nosso ultimo ancestral comum astronomico – já existiam no primordial DNA. Isto significa que os genes dos virus tambem surgiram no DNA dos seres vivos à mesma época. A presença dêstes genes no DNA, provavelmente localizados na região chamada DNA-lixo, independente da inserção dêles pelos virus, pois são partes do trecho do circuito sistêmico, o qual está completo no DNA dos vegetais e apenas sem os genes para cloroplastos nos animais. Acontece que aqui o problema se torna complexo e ainda não tive tempo para estudar essa questão. Os genes dos virus são genes biológicos, derivados dos genes semi-vivos astronomicos e a maioria dêstes está inativa na região que denominamos DNA-lixo. Êles só se despertariam para novamente se expressarem se alguma condição de sobrevivencia atuar como um estimulo. Como no ancestral astronomico êles trabalhavam com material mais simples, deve ter tido mutações nos seus derivados que compõem os genes biológicos dos virus. Por isso talvez os cientistas não os encontram no meio do DNA: já não mais se parecem com seus mutados descendentes nos virus. Mas isto levanta uma suspeita: talvez êstes genes não tenham sido inseridos por virus. Talvez estes genes no DNA dos organismos vivos tenham produzido os virus, mesmo que mais tarde, devido à maior eficiência dos genes virais mutados, e devido à proximidade de coexistência de ambos no nucleo celular, a Natureza preferiu selecionar o material viral e deixou o material do DNA primordial inativo.

Outro fator a considerar: porque êstes genes só aparecem dos mamiferos para cá, e não nos ancestrais anteriores como os répteis? Se não aparecem nos anteriores, a Teoria da Matrix/DNA explica o porque. Tenho outro artigo aqui explicando como a engenharia de manter os ovos e nutrir os embriões dentro do corpo da fêmea surgiu e se desenvolveu nos ancestrais não-mamiferos. O artigo, se não me engano chama-se ” Dos répteis aos Mamiferos: Um Ato Heróico?” Isto aconteceu porque no céu, no ancestral sistema astronomico, já existiam as duas fases, a primeira de botar os ovos fora, e a segunda, de manter os ovos dentro. Quer dizer, o aparato de reprodução dos mamíferos já estava estabelecido na fórmula da Matrix desde as origens do Universo. Então, é comprensivel que, mesmo já registrados no DNA desde as amebas, os genes responsáveis pela produção da syncytin só iriam se expressar quando se iniciasse a segunda fase, a formação dos mamiferos. Que estivessem já no DNA dos organismos ou voando por aí nos virus, não importa: estava determinado por uma onda/raio de luz que entrariam em ação no momento certo.

xxx

A seguir, alguns de meus comentários postados na Internet em artigos, foruns de discussão, etc.

http://blogs.discovermagazine.com/loom/2012/02/14/mammals-made-by-viruses/comment-page-1/#comment-76450

34. Louis Morelli Says:
February 17th, 2012 at 12:03 pm

Thanks! I had a lot of information here, useful for my work. But, I am asking the opportunity for debating a different approach about these phenomena, based in the viewpoint of Matrix/DNA Theory.

The existence of virus, the origins of placenta and mammalian reproductive apparatus are explained by the Matrix formula that was present in the state of the world before biogenesis. Hence, this information here about syncytin, the fuses, already was predicted by this theory 30 years ago, as proved by copyrights.

What’s virus? There is a universal natural formula for all natural systems and viruses are the performer of systemic function number 5 at cells systems (See the formula at my article “Nós, Mamíferos Fomos Feitos Tambem Por Virus! Mamma mia! (Portuguese – fevereiro | 17 | 2012). Google it.

How was the origin of placenta and mammalian reproductive apparatus? It is explained in my article “From Reptile to Mammals: A Heroic Act? (English – November 13th, 2011)”

There is a controversial point between the two theories. Matrix suggests that the original genes that later produced syncytin already were registered in the primordial DNA and they are there, at the junk DNA. But they were prohibited to express because the evolution of biological systems obeys the same chronology ordered by the formula and the formula first makes system laying eggs out, only in a later phase the system keeps the egg within. So, in parallel was evolving the virus which DNA had several mutations at the point that some genes are not re-cognoscible when faced with its similar genes at the living beings’ junk DNA.

There is this possibility: the living beings genes produced the viral genes which had mutations and went back to living beings DNA when evolution determined that it was time for their expression.
Viruses, as performers of F5, are supposed to be cells organelles. This function build tools for reproduction and perpetuation of species, then it appears only at intervals in the cell system. Viruses are the performers of male functions, the cells tool as their spermatozoon. The cause evolution had keep this viral organelle outside the cell system is because they have the bias to reproduce by re-cycling closed systems. Then, the virus keeps orbiting around the female apparatus (in this case, the uterus) and mixing at ingredients and cells in that region they produces syncytin.

Everything equal when the Matrix formula was building the galaxies building blocks: uterus is the black hole at the galaxy nucleus, placenta is the formation of events’ horizon with stellar dust. Fetuses are seeds of a new star and virus are the comets that make the fecundation, fusing the black hole with the external Universe, which, in this biological case, is the mother’s body.
This is a different theory, maybe has a lot of wrong things in their models, but his ability to make predictions has been incomparable with others theories.

xxx
http://blogs.discovermagazine.com/loom/2012/02/14/mammals-made-by-viruses/comment-page-1/#comment-76450

35. Louis Morelli Says:
February 17th, 2012 at 12:19 pm

Besides the debate among different theories, there is this practical and urgent case related to these viruses:

Wikipedia: Clinical significance

HERV-W has been associated with multiple sclerosis and schizophrenia in humans. (HERV-W_7q21.2 provirus ancestral Env polyprotein also known as Env-W or enverin or syncytin is a protein that in humans is encoded by the ERVWE1 gene.

Then, my job just now is searching information everywhere about these diseases and trying to understand it from the Matrix/DNA formula viewpoint.

xxx

A seguir começa a compilação de dados para mais esta pesquisa da Matrix/DNA

Wikipedia ; Syncytin > ERVWE1

HERV-W_7q21.2 provirus ancestral Env polyprotein also known as Env-W or enverin or syncytin is a protein that in humans is encoded by the ERVWE1 gene.

Function: Many different human endogenous retrovirus (HERV) families are expressed in normal placental tissue at high levels, suggesting that HERVs are functionally important in reproduction. This gene is part of an HERV provirus on chromosome 7 that has inactivating mutations in the gag and pol genes. This gene is the envelope glycoprotein gene which appears to have been selectively preserved. The product of this gene, syncytin, is expressed in the placental syncytiotrophoblast and is involved in fusion of the cytotrophoblast cells to form the syncytial layer of the placenta. The protein has the characteristics of a typical retroviral envelope protein, including a furin cleavage site that separates the surface (SU) and transmembrane (TM) proteins which form a heterodimer.[3]

Clinical significance: HERV-W has been associated with multiple sclerosis[4] and schizophrenia in humans.

Multiple sclerosis
From Wikipedia, the free encyclopedia:

Multiple sclerosis (abbreviated to MS, known as disseminated sclerosis or encephalomyelitis disseminata) is an inflammatory disease in which the fatty myelin sheaths around the axons of the brain and spinal cord are damaged, leading to demyelination and scarring as well as a broad spectrum of signs and symptoms.[1] Disease onset usually occurs in young adults, and it is more common in women.[1] It has a prevalence that ranges between 2 and 150 per 100,000.[2] MS was first described in 1868 by Jean-Martin Charcot.[3]

Comentário da Matrix/DNA:

Nesta primeira breve abordagem, aprendemos que a esclerose decorre de uma inflamação nas camadas gordurosas de myelin formadas em volta dos axons dos neuronios, geralmente em jovens e mais nas mulheres. O quadro nos lembra imediatamente o mesmo quadro das camadas de syncytin em volta do utero. O que nos traz a essa comparação de padrões é o fato de que os genes envolvidos em syncytin tambem estão envolvidos nessa inflamação, tambem estão presentes no myelin. Temos do syncytin e da formula da Matrix/DNA a teoria de que se trata de gene viral, que virus se localizam em órbita de aparatos que representam F1, o qual é extritamente feminino, por isso já se entende porque a doença ataque mais as mulheres. Tambem sabemos que a maior atividade dos virus é na fase de inicio da reprodução sexual, por isso já se entende porque a inflamação surge mais nos jovens. Deduzimos que os sinais que correm dentro dos axons são entendendidos pelos virus ou seus genes como fetos de uma nova mensagem, por isso os genes virais se dirigem aos axons e ao orbitarem-no acabam criando uma camada-ponte entre o axon e o resto do cérebro, assim como a syncytin funde o utero com o resto do corpo da mãe. Vamos continuar buscando mais informações para penetrar mais fundo nos segrêdos e causas desta doença, buscando uma solução de cura. Que Deus, ou seja lá qual é a fonte por tras da luz natural, esteja conosco. Nossos irmãos estão sendo torturados por essa doença e precisam de nossa ajuda, sempre é bom a mim mesmo lembrar isso para manter-me recolhendo energia de onde for possível e fazer êste trabalho.

Inflammation
From Wikipedia, the free encyclopedia

Inflammation (Latin, īnflammō, “I ignite, set alight”) is part of the complex biological response of vascular tissues to harmful stimuli, such as pathogens, damaged cells, or irritants.[1] Inflammation is a protective attempt by the organism to remove the injurious stimuli and to initiate the healing process. Inflammation is not a synonym for infection, even in cases where inflammation is caused by infection. Although infection is caused by a microorganism, inflammation is one of the responses of the organism to the pathogen. However, inflammation is a stereotyped response, and therefore it is considered as a mechanism of innate immunity, as compared to adaptive immunity, which is specific for each pathogen.

Myelin
From Wikipedia, the free encyclopedia

Myelin is a dielectric (electrically insulating) material that forms a layer, the myelin sheath, usually around only the axon of a neuron. It is essential for the proper functioning of the nervous system. Myelin is an outgrowth of a type of glial cell. The production of the myelin sheath is called myelination. In humans, the production of myelin begins in the fourteenth week of fetal development, although little myelin exists in the brain at the time of birth. During infancy, myelination occurs quickly and continues through the adolescent stages of life.

Schwann cells supply the myelin for peripheral neurons, whereas oligodendrocytes, specifically of the interfascicular type, myelinate the axons of the central nervous system. Myelin is considered a defining characteristic of the (gnathostome) vertebrates, but myelin-like sheaths have also arisen by parallel evolution in some invertebrates, although they are quite different from vertebrate myelin at the molecular level.[1] Myelin was discovered in 1854 by Rudolf Virchow.[2]
xxx

Myelin Em Tipicos Neuronios

xxx

Pathogen
From Wikipedia, the free encyclopedia

A pathogen (Greek: πάθος pathos, “suffering, passion” and γενής genēs (-gen) “producer of”) or infectious agent – in colloquial terms, a germ — is a microbe or microorganism such as a virus, bacterium, prion, or fungus that causes disease in its animal or plant host.[1][2] There are several substrates including pathways whereby pathogens can invade a host; the principal pathways have different episodic time frames, but soil contamination has the longest or most persistent potential for harboring a pathogen.

xxx

Sôbre: Doença de Borna

Estudo aponta vírus comum entre o genoma humano e o de outros mamíferos

publicado em 07/01/2010 às 08h24:
http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/noticias/estudo-aponta-virus-comum-entre-o-genoma-humano-e-o-de-outros-mamiferos-20100107.html

xxxx