Posts Tagged ‘tempo’

Idéia: As doenças sistêmicas não poderiam ter como causa a atemporalidade da network fotônica?

quarta-feira, agosto 29th, 2018

xxxx

Num dos últimos artigos aqui, cheguei a uma conclusão de que a mente não reconhece tempo e espaço, ela não tem lugar no espaço nem nas idades. Seria atemporal. Em outros artigos cheguei a conclusão que a mente nada mais é que uma nova forma do sistema universal. E antes tinha chegado a conclusão que a formula para sistema universal surgiu na forma de luz. O copo humano é um sistema, formado de ossos, órgãos, etc. Tudo isto se refere a espaço, ocupam um lugar no espaço. Mas o corpo humano é também outro sistema em relacao ao tempo: se alinhar-mos todas as formas diferentes do corpo na mesma sequencia etária, acabamos por obter a mesma formula para sistemas.

Alem disso, alongo tempo minhas formulas e modelos vem sugerindo que as doenças mortais milenares, como câncer, diabetes, tem causas não localizadas, mas sim resultantes de mal funcionamento do sistema.

Ora isto pode significar que os genes ou outros elementos no corpo que estão inertes, ou em estado potencial apenas, porque vão atuar em formas mais avançadas na idade, podem retroagir entrando em atividade numa forma precoce. Isto causaria enorme distúrbio no sistema. Doenças…

Fica aqui registrada esta ideia maluca repentina porque tem nexo, para refletir nela com mais tempo…

Por exemplo, uma criança ou jovem pode estar tendo algum comportamento errado em relacao a forma que lhe esta definida no futuro quando for adulto ou idoso…

Espaço e tempo: Teoria de Seth (Jane Roberts) bate com a sugestão da Matrix/DNA Theory

terça-feira, agosto 28th, 2018

xxxx

WHAT IS THE NATURE OF TIME AND SPACE?

https://www.sethlearningcenter.org/q_time_space.html

“The settings in your physical environment…the physical aspects of life as you know it, are all camouflages.

Matrix/DNA: Camuflagens no sentido de que você chamaria de camuflagens as formas anteriores do seu corpo que não existem mais para você agora, como a forma de morula, blastula, feto, criança, etc… Todas as paisagens físicas do Universo ate agora, todas as vidas da Natureza, foram e ainda são formas criadas na grande obra de gerar uma consciência cósmica, a forma final para o dia do grande nascimento.

The brain is a camouflage pattern. It takes up space. It exists in time. The mind takes up no space, it does not have its basic existence in time.

Matrix/DNA: Grande! Somos habituados a questionar se nossa mente esta dentro da cabeça, ou fora da cabeça, etc. Ora… O cérebro é um objeto físico, então ele toma um lugar no espaço físico. A mente não é um objeto físico, para ela não existe espaço físico, então não faz sentido querer situa-la num ponto do espaço… O mesmo acontece com o tempo: a vida dura 70 anos? Pode ser, para o corpo físico. Para a mente não existe tempo, não existe 70 nem um milhão de anos, ela não tem um tempo para existir ou não.

The reality of the inner universe does not take up space, nor does it have its basic existence in time. Your camouflage universe, on the other hand, takes up space and has an existence in time, but it is not the real and basic universe, any more than the brain is the mind.

Your idea of space is some completely erroneous conception of an emptiness to be filled… True inner space is to the contrary vital energy, itself alive, possessing abilities or transformation, forming all existences, even the camouflage reality with which you are familiar, and which you attempt to probe so ineffectively.

This basic universe of which I speak expands constantly in terms of intensity and quality and value, in a way that has nothing to do with your idea of space. The basic universe beneath all camouflage does not have existence in space at all, as you envision it… Space is a camouflage… ”

Matrix/DNA: Acho fácil perceber como nossa ideia de espaço não tem fundamento na realidade. Suponha que esse aglomerado de galaxias que forma este Universo tenha realmente um limite, chega a certo ponto e terminam as galaxias. O que temos ‘a frente? Espaço? Certamente não o espaço como cremos, o que pode ter é o vazio infinito. Mas se alguém construísse mais uma galaxia e a colocasse depois da ultima galaxia, o intervalo de “nada” que ficasse entre as duas seria por nos chamado de espaço. Seria medido, ate ocupado, ou seja, de repente teríamos materializado este espaço, apenas em nossa crença… O mesmo pode-se dizer que este “tempo”, uma ideia inventada por nos para podermos mediar a sequencia de eventos e situar um evento em tal estado do mundo outrora, não existe de fato, ou como algum tipo de energia, fluido, substancia, etc. 

From the book, Seth Speaks, page 235:

“As I have said many times, time as you think of it does not exist.”

From the book, The Nature of Personal Reality, page 152:

“…the fact is that all ‘time’ is simultaneous.”

From the book, Seth Speaks, page 245:

“There are an infinite number of inner universes…”

Tempo: Experiencias Quanticas Indicam que Nao Existe

domingo, agosto 13th, 2017

xxxx

Mind-Altering Quantum Experiment Shows Time Has Never Existed As We Think It Does

https://deprogramthematrix.wordpress.com/category/matrix/

Posted on

Article Source: Cosmic Scientist

In 2012 US National Medal of Science award winner Yakir Aharonov, who is regarded as one of the world’s leading quantum theorists published a paper in Nature Physics showing that the present is constrained by the past and the future. This means that what happens in the present can depend on what happened in the future, which makes no sense, as quantum physics rarely does. It also means that what happened in the past can effect the present. Seems strange, doesn’t it?  It’s definitely something hard to wrap your head around.

“We choose to examine a phenomenon which is impossible, absolutely impossible, to explain in any classical way, and which has in it the heart of quantum mechanics. In reality, it contains the only mystery.” Richard Feynman, a Nobel laureate of the twentieth century (Radin, Dean. Entangled Minds: Extrasensory Experiences In A Quantum Reality. New York, Paraview Pocket Books, 2006)

This isn’t the first time quantum physicists have studied the structure of time. Below are details of an experiment, the same one mentioned in the paper cited above.

Delayed Choice/Quantum Eraser/Time

There is another groundbreaking, weird experiment that also has tremendous implications for understanding the nature of our reality, more specifically, the nature of what we call “time.”

It’s known as the “delayed-choice” experiment, or “quantum eraser,” and it can be considered a modified version of the double slit experiment.

To understand the delayed choice experiment, you have to understand the quantum double slit experiment.

In this experiment, tiny bits of matter (photons, electrons, or any atomic-sized object) are shot towards a screen that has two slits in it. On the other side of the screen, a high tech video camera records where each photon lands. When scientists close one slit, the camera will show us an expected pattern, as seen in the video below. But when both slits are opened, an “interference pattern” emerges – they begin to act like waves. This doesn’t mean that atomic objects are observed as a wave (even though it recently has been observed as a wave), they just act that way. It means that each photon individually goes through both slits at the same time and interferes with itself, but it also goes through one slit, and it goes through the other. Furthermore, it goes through neither of them. The single piece of matter becomes a “wave” of potentials, expressing itself in the form of multiple possibilities, and this is why we get the interference pattern.

How can a single piece of matter exist and express itself in multiple states, without any physical properties, until it is “measured” or “observed?” Furthermore, how does it choose which path, out of multiple possibilities, it will take?

Then, when an “observer” decides to measure and look at which slit the piece of matter goes through, the “wave” of potential paths collapses into one single path. The particle goes from becoming, again, a “wave” of potentials into one particle taking a single route. It’s as if the particle knows it’s being watched. The observer has some sort of effect on the behavior of the particle.

You can view a visual demonstration/explanation of the double slit experiment here.

This quantum uncertainty is defined as the ability, “according to the quantum mechanic laws that govern subatomic affairs, of a particle like an electron to exist in a murky state of possibility — to be anywhere, everywhere or nowhere at all — until clicked into substantiality by a laboratory detector or an eyeball.” (New York Times)

According to physicist Andrew Truscott, lead researcher from a study published by the Australian National University, the experiment suggests that “reality does not exist unless we are looking at it.” It suggests that we are living in a holographic-type of universe. (source)

Delayed Choice/Quantum Eraser/Time

So, how is all of this information relevant to the concept of time? Just as the double slit experiment illustrates how factors associated with consciousness collapse the quantum wave function (a piece of matter existing in multiple potential states) into a single piece of matter with defined physical properties (no longer a wave, all those potential states collapsed into one), the delayed choice experiment illustrates how what happens in the present can change what happens(ed) in the past. It also shows how time can go backwards, how cause and effect can be reversed, and how the future caused the past.

Like the quantum double slit experiment, the delayed choice/quantum eraser has been demonstrated and repeated time and time again. For example, Physicists at The Australian National University (ANU) have conducted John Wheeler’s delayed-choice thought experiment, the findings were recently published in the journal Nature Physics. (source)

In 2007 (Science 315, 966, 2007), scientists in France shot photons into an apparatus and showed that their actions could retroactively change something which had already happened.

“If we attempt to attribute an objective meaning to the quantum state of a single system, curious paradoxes appear: quantum effects mimic not only instantaneous action-at-a-distance, but also, as seen here, influence of future actions on past events, even after these events have been irrevocably recorded.” – Asher Peres, pioneer in quantum information theory (source)(source)(source)

The list literally goes on and on, and was first brought to the forefront by John Wheeler, in 1978, which is why I am going to end this article with his explanation of the delayed choice experiment. He believed that this experiment was best explained on a cosmic scale.

Cosmic Scale Explanation

He asks us to imagine a star emitting a photon billions of years ago, heading in the direction of planet Earth. In between, there is a galaxy. As a result of what’s known as “gravitational lensing,” the light will have to bend around the galaxy in order to reach Earth, so it has to take one of two paths, go left or go right. Billions of years later, if one decides to set up an apparatus to “catch” the photon, the resulting pattern would be (as explained above in the double slit experiment) an interference pattern. This demonstrates that the photon took one way, and it took the other way.

One could also choose to “peek” at the incoming photon, setting up a telescope on each side of the galaxy to determine which side the photon took to reach Earth. The very act of measuring or “watching” which way the photon comes in means it can only come in from one side. The pattern will no longer be an interference pattern representing multiple possiblities, but a single clump pattern showing “one” way.

What does this mean? It means how we choose to measure “now” affects what direction the photon took billions of years ago. Our choice in the present moment affected what had already happened in the past….

This makes absolutely no sense, which is a common phenomenon when it comes to quantum physics. Regardless of our ability make sense of it, it’s real.

This experiment also suggests that quantum entanglement (which has also been verified, read more about that here) exists regardless of time. Meaning two bits of matter can actually be entangled, again, in time.

Time as we measure it and know it, doesn’t really exist.

Article Source: Cosmic Scientist

O Tempo: Como Explica-lo?

segunda-feira, maio 29th, 2017

xxxx

Como explicar este fenomeno que “sentimos” existir, porem nao vemos, nao sabemos se ele tem uma forsa ou alguma substancia, ou e’ apenas um conceito abstrato criado pela mente humana?

Nao sei se este fenomeno e’ algo com alguma logica que possa ser captada pela razao humana, mas encontrei uma explicacao que pode ser aceita racionalmente, pelos menos pela minha razao.  No entanto ela se fundamenta numa premissa que nao foi ainda confirmada cientificamente. A de que a existencia deste mundo se move com um proposito pre-determinado. Sei que justamente esta ideia e’ bastante combatida pelos materialistas e que eles podem estar com a verdade, porem aposto mais no proposito porque a cosmovisao da Matrix/DNA aponta para a existencia de um proposito, meramente naturalista: o objetyivo deste universe e’ reproduzir o algo desconhecido que o produziu.

Se nao houver proposito, nunca pensei nisso, porem nao teria explicacao racional para o tempo e nao vi ninguem apresentar uma explicacao aceitavel pela minha razao. Entao, fundamentado na crenca de que existe um proposito, o fenomeno do tempo pode ser explicado racionalmente.

Imagine uma onda no mar que ainda se encontra longe do continente. Ela avanca para o continente levada simplesmente pelas forsas naturais e externas a ela. Se ela encontra ciscos, tralhas e ate navios neste avancar, em nada vai deforma-la ou atrasa-la. Ela e’ um produto casuistico que se move sem proposito, sem direcao escolhida por ela, etc. Agora imagine uma onda semelhante ( e vamos chama-la de onda do tempo), avancando no espaco cosmico em meio a uma possivel substancia espacial, quer seja o eter, a dark matter, ou outra coisa. E imagine que ela existe com o proposito de ser um dos suportes naturais num processo de reproducao de um sistema natural universal que se desenvolve fragmentado e multiplicado em particulas, pedacos, porcoes, espalhadas no Cosmos. Pode-se aqui fazer uma analogia entre este sistema fragmentado e multiplicado muitas vezes com o que observamos numa certa fase da reproducao do corpo humano, quando o corpo ainda e’ mera morula composta de muitas celulas iguais porem que comecam a se diferenciarem para gerarem os diferentes tecidos, orgaos.

Acontece que muitas vezes, as estruturas que estao sendo feitas numa regiao, dependam de partes ou estruturas sendo feitas em outras regioes para quando ambas ficarem prontas, serem conectadas e iniiar o funcionamento sistemico. Ora, se uma estrutura que pode ser feita rapida depende de outra que e’ mais complexa e portanto toma mais tempo, a primeira vai ter que ficar parade esperando. As galaxias ficaram prontas e pararam no tempo para que as celulas e sistemas biologicos se desenvolvessem. Assim a onda vai avancando mas criando invaginacoes, porque certas regioes ficam para tras.

Tempo e’ apenas o nivel que resulta da harmonizacao ou escala de acontecimentos dos eventos. para a natureza este conceito de tempo nao existe, ela apenas desenvolve seu proposito. Os humanos precisam ordenar os eventos da maneira como eles vao ocorrendo. Fulano nao foi enterro do pai no Brasil porque ele estava em Paris quando o pai morreu. Entao para entender o ocorrido e’ preciso que os relogios marquem que o evento no Brasil ocorreu enquanto ocorria o evento em Paris. nao creio existir uma substancia ou forsa do tempo, porem na teoria de que a existencia tenha um proposito.

https://www.youtube.com/watch?v=mfo7yXSNDXA

Mistérios do Mundo Explicados pela Matrix/DNA: O Principio da Incerteza e a Dualidade Onda/Particula

sexta-feira, março 6th, 2015

xxxx

A fórmula da Matrix/DNA nos leva de imediato a formular uma explicação elegante que pode resolver alguns dos mais intrigantes mistérios na cabeça dos físicos:

a) Como é que uma partícula pode apresentar diferentes formas e estados ao mesmo tempo?! Como pode uma coisa ser onda e particula ao mesmo tempo?!

b) Num mundo onde tudo deve ser explicado com certeza tendo  por base a longa cadeia de causas e efeitos, como pode existir o “Principio da Incerteza de Heisenberg”, determinado a ser uma incerteza por toda a eternidade?!

Na fórmula da Matrix/DNA vemos que não apenas as partículas, mas o nosso próprio corpo apresenta-se como particula e onda ao mesmo tempo. Como?! Será que ouví direito? Impossível!

Vamos explicar. Em cada momento somos a síntese de uma vida, ou seja, nosso corpo não é apenas a forma que se apresenta aqui e agora, mas sim esta forma mais a memória de todas as formas anteriores da vida passada desde o momento do nascimento. Esta memória do passado chama-se “idade” e ela é mostrada visivelmente ao bater-se o olho em qualquer corpo humano.  Então a nossa forma aqui e agora, no presente momento, é a soma de uma forma e substancia espacial e uma forma e substancia temporal. Neste momento seu corpo está mostrando sua forma material no espaço, ao mesmo tempo que está mostrando seu tempo no espaço, sua idade.

A fórmula da Matrix/DNA descreve um sistema natural e em pleno funcionamento, e desde que todo sistema natural é montado pelo processo do ciclo vital, o circuito energético da fórmula tem que mostrar os aspectos espaço e tempo do sistema, ao mesmo tempo. O aspecto espaço é mostrado através das 6 formas principais do corpo do sistema durante uma vida do sistema, ou seja, temos uma visão de um corpo, que pode ser chamado de partícula dependendo do tamanho do observador. Enquanto isso,  o aspecto tempo, é apenas mostrado através das setas do circuito entre as formas do corpo. Estas setas significam que o fluxo de informações, na forma de energia, que corre dentro do canal do circuito, e que pode se tornar uma partícula se for instantaneamente interrompido, são o jeito que o tempo se propaga, na forma de ondas. Tal como as ondas que vemos numa tela onde se projeta o espectro da passagem e velocidade da luz.

Ora, se um observador cujo complexo sensorial só pode captar o aspecto “corpo material ocupando um pedaço do espaço”, e não pode captar ao mesmo tempo, todos os  momentos passados e futuros daquele mesmo corpo, mas sabe que isso existe, ele tentará calcular a idade do corpo pelo aspecto visível do corpo naquele momento. Por outro lado, se existir um observador que só possa captar o aspecto “tempo e história de um corpo”, mas não possa ver e sentir o corpo, será como assistir um filme de 80 anos resumido em poucos segundos. Na tela apareceria apenas um fluxo sem forma movendo-se a tal velocidade que a forma seria invisível.

Na linguagem cientifica, só existe um real fenômeno natural se ele puder ser medido. Por exemplo, Deus não pode ser medido, então, por esse método e raciocínio cientifico, Deus não existe. Sem parar para analisar o mérito desse raciocínio, ele é necessário e precisa ser respeitado, senão o Homem não pode ter uma Ciência para o conhecimento universal humano. O empreendimento cientifico realmente nasceu quando Francis Bacon se irritou com tanta gente de tantas tribos falando tantas coisas diferentes sobre este mundo e vendo tantas experiencias reais sendo perdidas pelo todo porque não acumulava de maneira ordenada as experiencias das partes, das varias tribos, e resolveu trazer todas estas experiencias, todos os fatos narrados para a mesa e dar uma definição unica para cada elemento sobre a mesa, a ser conhecido em todos os lugares e tempos futuros. Essa definição exata e com o acordo de todos os observadores ao redor da mesa é o que se entende por medição do fato.

Então a Física descobriu as menores partículas que compõem a matéria. E tratou de medi-las, para obter uma definição e ser transmitida para o conhecimento de todos. Elas tem uma forma, uma velocidade, um estado físico como sólido, gasoso, uma cor, etc., o máximo de dados que se pode obter delas. E foi aí que surgiu um grande problema com as partículas, o qual foi denominado de “Principio da Incerteza de Heisenberg”, devido o nome do pesquisador que primeiro constatou esse problema. Se fixamos uma partícula num ponto do espaço e num exato único momento,podemos obter e medir sua massa, mas não sua velocidade – e pelo pouco que sei, o normal das partículas é estarem sempre em movimento. Se projetamos o movimento de uma partícula na tela, vemos passar o corpo dela sem forma mas podemos medir sua velocidade. O que nunca dá para fazer é obter as duas medições juntas. E isso atrapalha enormemente o nosso conhecimento, controle, manipulação destas partículas e de todos seus efeitos no mundo real.

É como se alguem te disser: “Vi um alienígena que tem a nossa forma, mas é verde. Ele estava mamando numa mamadeira e ao mesmo tempo na frente de um computador vendo lá complexos gráficos e fórmulas… E ele me mandou um sinal telepático  informando que  vai vir te visitar ” Você não tem nenhum dado para decidir se o alienígena é uma criança ou um adulto. Se ele vai apenas vir brincar ou debater visões de mundos. Não há como se preparar para uma abordagem, como saber controlar e dominar o próximo evento, é ele quem vai decidir e dominar o que irá  acontecer. Assim sempre estaremos perante tais partículas.

Ora, mas a fórmula e visão de mundo da Matrix/DNA sugere que longe de ser umas completas estranhas e coisas de outra realidade, as partículas fundamentais da matéria são apenas mais uma das espécies “vivas” dentro da enorme diversidade de espécies no Universo, e como tais, são nossas longínquas ancestrais. Se são realmente nossas ancestrais, então provavelmente elas já devem possuir em sim mesmas, todas as propriedades complexas vitais que nós temos hoje, porem de forma muito simples evolutivamente falando, e a maioria sem serem expressadas, existindo apenas como potencial latente, esperando que se tornem mais complexas para se expressarem. Pois a mesma Matrix/DNA sugere que nada surge neste Universo por mágica, nem mesmo as nossas complexas atuais propriedades vitais… elas já existiriam aqui desde o primeiro momento do Big Bang. E se for assim mesmo… as partículas tambem são regidas como nós, pelo ciclo vital, aquela fôrça ou processo que faz um corpo mudar em várias formas, transformando-se continuamente, ao longo do seu tempo de existência.

Ora, vimos que para um alienígena que nunca viu um ser humano, ao se deparar com um, verá sua forma, mas nunca sua idade. Verá seu corpo material ocupando um ponto no espaço, mas nunca o ponto  que ele tem ocupado na escala natural universal do tempo – apenas o tempo presente. E nós humanos somos como alienígenas observando a espécie das partículas… está aí então explicado o problema descoberto por Heisenberg.

Heisenberg nada sabia sobre a fórmula da Matrix/DNA para sistemas naturais e nunca pensou nas partículas como sendo em si mesmas, sistemas – apesar dos mais simples possíveis. Mas, enquanto esta fórmula é uma realidade quando descreve todos os sistemas biológicos, ela ainda é apenas uma teoria e existindo apenas dentro de uma cabeça de um ser humano, no tocante a ser a mesma fórmula para todos os sistemas do Universo, para todas as porções de matéria organizadas num corpo, como são as partículas.  Já tenho reunido milhares de evidencias sugerindo que ela exista, mas isso ainda não é suficiente para se acreditar que ela exista de fato. Enquanto esta prova final não vem, podemos nos entreter com as explicações elegantes que ela fornece para fenômenos que ainda não possuem explicações comprovadas. A incerteza de Heisenberg que se espalha das partículas para a maioria dos fenômenos tratados ao nível subatômico – no reino estudado pela teoria quântica – ainda continuará a ser uma incerteza, não vamos acreditar que a resolvemos. Mas tambem não é inteligente e salutar ignorar totalmente esta sugestão,pois ela fornece idéias para novas abordagens e experiencias, e apenas através de novas abordagens, novas experiencias e  novos dados, resolveremos definitivamente este problema.

Um minuto para o Universo é 23.4 bilhões de vezes um minuto humano!

terça-feira, novembro 4th, 2014

Eu estava pensando no excelente artigo de Brian Koberlein sobre a confusão que dá na cabeça dos astronomos quando tentam entender e calcular as gigantescas dimensões do tempo na escala de galaxias e do Universo quando tive uma idéia e inventei a “Morelli Constant Universal Rate”. O numero é 23,4 billions. O meu post abaixo explica como isso funciona:

 

Louis Charles Morelli – postado em 04, November,2014
It’s not so hard to wrap your head around the immense time scales of the Universe if you know the Morelli Constant Universal Rate. The number is 23,4 billion.
I will explain: Since that this Universe is a kind of cosmic egg where is occurring a genetic process of reproduction of the unknown thing that produced this egg;… Since that Universal evolution is the evolution of a unique natural system that began at the Big Bang in shape of quantum vortexes, then became atoms, galaxies, cells, humans and now consciousness,… Since that ontogenesis recapitulates morphogenesis… ours lifelong of 80 years is proportional to the lifelong of the Universe…

It means that the universal embryo being nurtured here takes 13,7 billion years for getting consciousness, while human beings takes 7 months. Since that the process for consciousness is the same for humans and universes, it is enough multiplying 13,7 billions years by 12 months a year, for knowing how many months is the Universe old: 164,4 billions months.
Now you must divide it by 7 months, getting the number/ratio of 23,4 billions. What it means?
If you want to know what is one minute for the Universe, multiplies the human minute by 23,4 billions. If you want to know how the Universe feels when sitting at a bus stop waiting one hour for the bus, multiplies yours one ours by 23,4 billion times.
But… if you want to know how manny times the Universe becomes furious when listen to my calculations, multiply the irritation that you had here reading my post by ten trillion times….hehehe….

O Irracional Mundo Quântico…Dominado Pelo Racionalismo da Matriz?

terça-feira, outubro 20th, 2009

 O comentário abaixo, lido no web site Beliefnet.com, além de ser muito interessante, me acendeu uma luzinha lá no cocuruto. Parece que a Matriz tocou sem querer neste fenomeno a 20 anos atrás e resolveu um problema da quantica que eu nào sabia que era um problema. Mas se tiver mesmo uma relação entre o que os modelos sugeriram e o mundo quântico, ela desvenda a estranheza e a impreditabilidade do nível quântico, sugerindo que a Razão Humana não apenas pode entende-lo como também prevê-lo e domina-lo. Vamos ver o comentário feito por Gordon J. Glover, em October 15, 2009 1:54 PM, que tem o website http://www.beyondthefirmament.com , no blog Astronomy and Faith do Beliefnet.com em:

 http://blog.beliefnet.com/scienceandthesacred/2009/10/astronomy-and-faith_comments.html

     “Just consider the inherent wierdness of the quantum level. If sub-atomic events unfolded on scales that we could percieve, we would probably be forced, in our ignorance, to invoke some sort of spirit realm to explain them. How did my wife run only one errand, and yet she got groceries and picked up the dry cleaning? Answer: she followed two different paths and performed both tasks at the same time! To prove it, there is food in the fridge and starched shirts in my closet. The only problem is that if I open the fridge and observe the groceries, my shirts revert back to being at the cleaners. And if I open the closet and observe my shirts, the groceries “wave function” collapses back to the grocery store. What kind of twilight-zone world is this? These exact situations are encountered when the fundamental building blocks of matter are studied — blurring the line between science and philosophy.”

Essa história do tempo indo para frente e para trás ao mesmo tempo já me fez ficar meio zonzo porque os modelos da Matriz estão sugerindo que isto realmente acontece. Pena que não posso agora por um gráfico que fiz a 25 anos atrás na selva amazônica, num papel de embrilhar pão e agachado sôbre joelhos quando parei numa caminhada atacado pir uma intuição. Mas vou deixar este artigo em suspenso e se não encontra-lo vou tentar refazê-lo e por aqui. Pondo os rastros do Universo,  como se fosse um sistema natural sob evolução,  subindo uma escada aparece uma linha que sobe tres degraus (nasce, cresce, estabiliza ou amadurece) e escorrega dois degraus (degeneração pela entropia e fragmentação do cadaver) e então a partir do segundo degrau volta a subir ( pelo ramo paralelo da reprodução) mais tres degraus, para escorregar mais dois… e assim continua repetindo esse ciclo.

 Agora retiramos a escada e extraimos apenas a linha das pegadas, com seu desenho peculiar, e projetamo-lo sobre o grafico cartesiano tendo como coordenadas o tempo e o espaço. Queremos saber se a existência do Universo, com estes ciclos todos, tem algum sentido racional. Onde as duas coordenadas se cruzam, consideremos como ponto zero, ponto de partida e ali escrevemos “Big Bang”. Transportemos a linha reportando seu ciclo para este grafico calculando o periodo da evolução desde o Big Bang até o primeiro sistema atômico. Continuando somemos mais um ciclo, que seria do sistema atômico ao sistema estelar. E assim por diante… o resultado final vai ser surpreendente! Sobressai seim. um sentido para a existência do Universo, e muito racional. A linha que retrata as pegadas deixadas pelo caminhar do Universo sob evolução se encurva tôda e retorna ao ponto de partida! Porém’apesar de chegar no mesmo ponto do Big Bang, o que chegou não é mais o que partiu. A matéria tôda que iniciou com o reino das partículas se desfez e foi descartada como a placenta é descartada quando nasce um baby e o que retornou foi uma substancia abstrata, que nesta época de hoje tem a forma da mente humana. O que significa isto?

Muito! Significa que a história da vida do Universo tinha um propósito, e único. Quando a linha do tempo retorna ao espaço zero não ocorre um Big Bang para dentro, como foi o anterior, mas sim um Big Bang para fora. Quer dizer: se todo o espaço serviu como uma espécie de ovo gestando esta “mente” ( e não se surpreenda se esta tal de dark matter for uma espécie de liquido amniótico, enquanto a dark energy então deverá ser uma espécie de energia da gestante que nutre todo embrião), o corpo material que tinha nascido com o Big Bang se desfez, e no segundo Bang, o que nasce, para alem deste espaço, para alem deste Universo que desaparece, é uma forma unicamente “mental”. Por isso denominei o grafico naquele dia ali na selva de “Do Big Bang ao Big Birth”. E com aquele grafico, somado com outras pistas sugeridas pelos modelos, foram surgindo as indicações de que este Universo deve ser uma produção genética, que as propriedades vitais deviam existirem ao menos em estado latente nos sistemas ancestrais, que não houve origens da vida, etc..  

Mas vamos então ver esse negócio de tempo no nível quantico. O comentarista acima disse que se abrir a geladeira o alimento comprado pela irmã estará lá, porëm suas camisas estariam retornando para a lavanderia. E se abrir o guarda-roupa, as camisas vão estar lá, porem aí a comida sai da geladeira e retorna ao super-mercado…

Mas naquela linha que retrata as pegadas do Universo deixadas no grafico tambem acontece a mesma coisa, ou seja, o tempo vai para a frente, normalmente, mas sempre no final de cada ciclo ele dá uma volta sobre si mesmo, retorna ao passado, alcancá um ponto lá atras da linha e recomeça novamente, desde aquele ponto a ir para a frente. Ou seja, o tempo ao reverso bem abaixo do nosso nariz, sem que o percebamos. Mas é facil entender. O que é na realidade, o tempo? O que ”e este tão decantado fenomeno fantasmagórico que tem desaviado a mente humana desde os primórdios, milhares de pensadores se ocuparam dele, centenas de definições foram feitas, e … continuamos sem entender o que é isto? Simples: tempo é uma palavra criada pelo ser humano para uma coisa que não existe na realidade. O que existe é sucessão de eventos. Colocando estes eventos na ordem certa, um após outro considerando-se causas e efeitos, aparece uma medida cronológica, mas apenas isto. Tanto se fantasiou, tanto cresceu uma superstição num fantasma, que hoje se pensa que tempo seja uma entidade, algo que exista de per se. Mostrem-mo-lo. Não existe.

Quando a linha do Universo no grafico vai para traz, siginifica que a entropia atacou o sistema, o qual começa a se desfazer a partir da superficie ou periferia, rumo ao centro. Isto significa que o sistema vai perdendo as ultimas informações que ele conquistou ao evoluir. Ou seja, o sitema está involuindo, retornando a sua infancia, não em idade, mas em forma. Nós não vemos isso ocorrer porque essa involução ocorre numa linha paralela à linha da evolução: a linha que vinha subindo a escada chega a um ponto, ni terceiro degrau, ali se estagna por alguns momentos porem sem deixar de mover-se horizontalmente e no sentido reverso ( para dentro), aí começa a cair, desenha um meio circulo e reencontra a linha que vinha subindo, num ponto do passado, ou seja, antes do sistema adquirir 80% das informações que o possibilitaram dar o seu salto evolutivo. Vai daí que, por exemplo, quando um dos répteis se tornou mamífero, a evolução continuou através do mamifero, mas enquanto ela ia em frente, os répties decaíam, a começar pela ultima de sua mais evoluida forma, os dinossauros. E essa queda está ocorrendo, até que os répteis tornados um beco sem saída, se tornem uma ramo que sai da arvore genealógica, seque e se extinga. Para eles, a sucessão de causas e efeitos está caminhando ao contrario, e como os humanos acharam que denominar esse caminhar de “tempo”, o tempo está ao reverso. Foi assim com atomos, galaxias,… e vai acontecer com mamiferos se não tomar-mos cuidado… a involução começa pelo desaparecimento da ultima forma mais evoluida, no caso, a espécie humana. Não se apavore que isto não vai acontecer pois em nös surgiu a mente consciente e esta vai ao Big Birth, e não vai acontecer porque desmascaramos a Matriz que já nos levou à queda uma vez, mas não vamos repetir a mesma burrada do Adão, certo?

Bem, tudo isso ficará mais claro quando eu retornar aqui com os calculos do Universo subindo a escada do tempo… glug… digo, da História, e do grafico cartesiano intitulado “Do Big Bang ao Big Birth.