Posts Tagged ‘Teoria’

Experimento mental: Aplicado para Construir a Matrix/DNA Theory, qual sua real validade?

terça-feira, junho 4th, 2019

xxxx

No meu livro, cientistas materialistas sempre repetem a exigência de papers e experimentos científicos. E eu respondo:

  • ” A maioria são experimentos mentais. Mas sempre baseados em fatos reais, coletivamente conhecidos…”
  • ” Bahhh… experimentos mentais? Isso não tem validade cientifica…”
  • ” Já avisei e volto a repetir: não sou cientista e não tenho pretensões de ter feito uma obra cientifica, tal como definida pelos conceitos humanos acadêmicos. O experimento mental tem validade sim, enquanto teoria filosófica naturalista. E muitas das teorias cientificas, inclusive muitas que conduziram-nos a grandes descobertas e aplicações praticas, são baseadas em experimentos mentais. Um experimento mental clássico conhecido foi o de Einstein, que permitiu depois demonstrar a conhecida equivalência massa-energia expressada pela equação E=mc2. E a maioria das implicações da Teoria da Relatividade vieram apenas de experimentos mentais. Pois um experimento mental é o método adequado para se aplicar quando não existe possibilidade de se realizar na pratica um experimento laboratorial ms que um certo aspecto evidente ou demasiado repetido do Universo não é experimentável nas nossas condições tecnológicas atuais. Experimentos mentais podem ser explorados na imaginação de causas ou efeitos a fenômenos reais, fé usado na Física e principalmente na Matemática. Outro famoso exemplo é a alegoria da caverna de Platão. Outros exemplos clássicos se encontram no pensamento de Sócrates. Os experimentos mentais em física remontam ao menos à época de Galileu Galilei…”

https://pt.wikipedia.org/wiki/Experimento_mental

 Em filosofia e em física, um experimento mental ou experiência mental (da expressão alemã Gedankenexperiment) constitui um raciocínio lógico sobre um experimento não realizável na prática mas cujas consequências podem ser exploradas pela imaginação, pela física ou pelas matemáticas. Esses experimentos são utilizados para se compreender aspectos não experimentáveis do Universo. A expressão foi popularizada pelos Gedankenexperiment utilizados por Albert Einstein para explorar algumas das conseqüências da Teoria da Relatividade. Um experimento mental clássico permite por exemplo demonstrar a conhecida equivalência massa-energia expressada pela equação:
{\displaystyle E=mc^{2}}E=mc^{2}

Contudo, o conceito de experimento mental é muito mais antigo e remonta à tradição grega. Um famoso exemplo é a alegoria da caverna de Platão. Outros exemplos clássicos se encontram no pensamento de Sócrates. Os experimentos mentais em física remontam ao menos à época de Galileu Galilei.

Muitos experimentos mentais incluem aparentes paradoxos sobre fatos conhecidos ou aceitos que têm permitido reformular ou precisar em maior medida diferentes teorias científicas
.

Criticas substanciais `a Matrix/DNA Theory para serem analisadas

terça-feira, março 19th, 2019

xxxxx

( Analise não feita, porem  critica e muito construtiva, voltar aqui)

https://scienceblogs.com/pharyngula/2016/03/19/the-delusion-of-immortality

By pharyngula on March 19, 2016

To Louis Charles Morelli from G  on 25 Mar 2016

What’s your native language? I get the distinct impression it’s not English, so knowing what it is may help me figure out some of what you’re trying to say.

From what I can figure out, you’re postulating some kind of cosmic “substance dualism.” At present that does not comport with the findings of modern neuroscience, and some of the specifics sound like “new religion.”

For example: “A spherical layer of mind-stuff around a planet,” and the stuff about “spinning to the left / right” are all indications that what you have there is not a scientifically testable theory, but a religious philosophy based on some kind of subjective experience.

The Gaia hypothesis, as far as ecological science is concerned, is legitimately about the existence of interacting feedback mechanisms among organisms, and between organisms and their environment. Margulis and Lovelock chose the name “Gaia” as a metaphor, not as a way of saying that the Earth was a deity or even a conscious being or anything like that. The latter interpretations are also not-science, though you can have them as religion if you like.

if your ideas are based on anything coming from current science, by all means provide a couple of names of scientists who are involved, and whose publications or at least whose ideas, can be found online (somewhere other than Google, which is blocked on my system for security reasons).

But frankly I’m highly skeptical, because much of what you say sounds like “revealed truth” rather than scientific theory. I’ve had plenty of mystical experiences too, but I treat them with appropriate caution, and treat their content as metaphor and symbolism rather than as literally true. Two of those experiences that I can think of, involved insights that turned out to be consistent with modern science; many others did not; and in building one’s worldview, that distinction is highly useful in sorting the insightful wheat (trigo) from the erroneous chaff (palha).

E meu post que gerou  resposta acima:

From Louis Charles

Please, do not read my four itens below for not calling me names…

1 – It’s not uploading the mind, but recycling the body. This people ate talking uploading when, unconsciously, they are merely being used in a reproductive mechanical process of the biological life’s creator. The creator, about 10 billion years ago, was self-recycling its physical system/body after death, but the system identity was the same. The method for doing that was separating half of its energy while it young ( the energy is in state of growth) – which was a kind of stem cell – while the another half goes with the body attacked by entropy degenerating till dying. After death and fragmentation, the dusty was mixed with that “stem energy” and the whole body was born again (see the MatrixLight/DNA formula for all natural systems and you will understand it).

But, who was the ” creator”? Of course, not this planet alone, life is dependable of sun’s energy. But the solar system does not have pulsars, quasars, black holes, which are necessary parts for a biological copy of that system to work. Who have them is the galaxy. That’s the necessary and enough creator, anything else. And original galaxies were self-recycling.

Biological life is the tentative to reproduce the creator – this galactic system – in a biological fashion, because here we have the liquid state of matter and from it, organic chemistry.

2) The biological tendency to die is a consequence of the first force in this universe that brought dynamics upon a inertial space substance: waves of light, and waves of light are born, they grow, they reaches the maturity and they degenerates, dying, being fragmented into photons. Since that biological systems are the light formula plus inertial matter substance… the phenomena of death was encrypted in it before its origins.

3) But… the fragmented photons has the tendency to group and making the reverse way that its original wave did, going back to rebuild the wave till reaching the source again. It is the dark light or negative energy. So, I should remember here that since the first PZ Myers’ article about this imortality issue, all comments have described all variant hypothesis but they forgot one: Teilhard du Chardin and the super-conscious organism. As in quantum entanglement, each bubble of consciousness inside the head of each human has its counterpart in a spherical layer around the planet, the collective unconscious mind, that is being nurtured as a fetus. And as in quantum split experiment, yours mind exists in two places at sometime, just now, the difference is that in the other place it is still a fetus. Now, the part inside a living human head is spinning to left, its counterpart in the ” nebula” is inactive spinning to right ( because we are using the serial processor of left hemisphere and not the parallel processor of the right). When the human bubble die, the other part is still alive, and will be part of the Gaia’s super-organism. Impossible hypothesis? Maybe, but at MatrixLight/DNA Theory we are testing it.

4) The brain does not produce the mind. Yours brain did not produced yours mind because the mind was existing before the origins of yours brain, in yours parents’ heads. So like yours physical body, yours mind was genetically encrypted before the formation of yours brain.

-“Ahhh…, but, it was the ancestors brains, coming since the monkeys that produced the mind.”

– ” This is not a scientific proved fact, it is yours theory. You need go back to that time for proving it. This problem would be solved if you knew about the Universe composed by dark matter and light. The expansion of light waves causes friction in space substance creating particles and the energy. So, all known bodies are made off dark matter and light, anything else; meat and the photons of sun’s light. The problem is that a light wave have a sequence of different states of frequencies/vibrations performed by the life’s cycle process. In another words, a light wave has the code for life. So, since the atoms to galaxies to human beings, all systems are made off hardware ( substance or matter of space) plus software ( light wave). As we see above, every light wave rebuild itself and goes back to its source, which must be a natural system but, ex-machine and conscious, since that consciousness is manifested here. So, yours hardware part dies… but yours software/conscious part is going to be re-build in the big wave of the super-organism. Ok this is merely other theory, that we are testing it because it makes rational sense facing our knowledge and thousands of evidences”

Como o filosofo se sente sobre sua visão do mundo que explica tudo? Você não imagina…

quinta-feira, janeiro 31st, 2019

xxxx

Este debate aconteceu em:

https://www.reddit.com/r/philosophy/comments/alf3mk/if_once_accepted_scientific_theories_have_now/efeuy4f/

thepatterninchaos:

I’d like to believe that Newton was wise enough to consider that even he might not have developed the absolute truth. Which is what I’d like to believe about most people who develop theories.

MatrixDNA ( 1/31/19):
to thepatterninchaos –
You have a good point. Do you know how it works? I have developed a big theory, so, I have experience. I’m feeling like the passenger in a plane. My Theory is ahead this time, so it is the biggest cloud I see ahead of the airplane. I am just now at the middles of other cloud but it is smaller. I know that I will be satisfaid when reaching the next cloud, my cloud. It is very big, it seems the whole world. But I know that the airplane will continuing ahead. Will arrive a time when I will look back trying to see my cloud, but it was going long time ago, now it is the smallest, everybody forgot it… Big clouds ahead…

O Trabalho do pensar aumenta minha consciência distanciando-me do passado animal. E você?

terça-feira, janeiro 29th, 2019

xxxx

( Este longo texto com tanto palavreado é resultado da busca de uma técnica para desenvolver a mente dos que a mantem estagnada. E para manter o desenvolvimento da minha mente, justificando o investimento de tempo e energia na técnica que aplico)

A maioria dos humanos são os seres do pensamento curto. O cérebro tem uma capacidade instalada para produzir o pensamento longo, mas a maioria dos humanos querem se conservar mantendo-se como pensamentos curtos, por conveniência. E’ mais vantajoso na luta pela sobrevivência e no maior gozo dos prazeres da vida.

Mas pelo ponto de vista da natureza universal, ela sabe que essa atitude não é a escolha mais inteligente. Primeiro porque, se esta escolha é vantajosa para o momento, a curto prazo, ela traz consigo a ameaça da extinção definitiva da espécie humana, a longo prazo. Segundo porque o pensamento curto mantem o ser limitado dentro de uma muralha que cerca uma região curta do espaço e do tempo, como o gado preso num pasto cercado por arame farpado, sem nunca saber o que existe alem do pasto. A natureza universal vê tudo, ela sabe se alem do pasto existe mais coisas boas e ruins para o ser humano, se existem frutas suculentas melhor que a grama, e se existem feras predadoras. Em todo caso, ela também sabe que o ser humano tem capacidade cerebral instalada para, se saltar a cerca, destruir as feras e ficar com as frutas. Ela sabe que aquele pasto não sera mantido eternamente, o planeta esta se transformando, que todo gado preso dentro do pasto vai ser extinto para nunca mais voltar ‘a vida.

Mais ainda que o ser humano, quem tem o pensamento mais curto são todos os outros tipos de animais. Para sobreviver aqui e agora, os outros animais são os mais práticos. Agem mais rápido e com mais eficiência na fuga de um predador e na detecção de um alimento. Então somos conduzidos a deduzir que praticidade e pensamento curto são sinônimos. Mas depois que surgiu a especie humana, constatou-se que esta prolongou o tempo dos pensamentos e isto trouxe uma vantagem em relação aos que ficaram no pensamento curto: os humanos conseguem mais facilidade no acesso e obtenção do alimento e tem mais poder para vencer as feras predadoras, inclusive as microscópicas, como vírus e bactérias que causam as doenças. Isto ocorre porque no homem emergiu uma capacidade cerebral maior que denominamos “inteligencia”. A inteligencia produz a tecnologia, esta a causa das vantagens atuais dos humanos. Então somos conduzidos a deduzir que pensamentos mais longos se tornam em mais inteligencia.

Mas o que fez a espécie humana se prestar ao sacrifício de por seu cérebro a trabalhar mais que os outros animais, ultrapassando o habito do pensamento curto?

Esta questão, depois de ter tentado pensar nela, percebi que não tem fácil resposta, talvez porque tenha ocorrido algum evento com os primatas que eu não conheça. Mas existe uma maneira de encontrar uma resposta, que pode não ser a que ocorreu de fato, porem é uma boa teoria. Encontrei esta resposta comparando hoje duas pessoas: uma que se acondiciona na base do pensamento curto e outra que se investe no sacrifício de prolongar os pensamentos. A primeira diferença no comportamento visível das duas pessoas é que a do pensamento curto se move mais, a do pensamento mais longo procura a imobilidade física e permanece mais tempo imóvel fisicamente. Em contrapartida, é evidente supor que a pessoa que move mais o corpo inteiro, move menos os ingredientes do cérebro, e a pessoa que move menos o corpo, esta’ movendo mais o cérebro. Mas mover mais ou não o corpo pode não ser uma decisão de livre escolha das pessoas. A pessoa pobre é obrigada a se mover fisicamente quando não queria, para sobreviver agora, enquanto uma pessoa rica pode escolher mover-se ou não. Sei que não são todos os casos assim, pois pelos resultados que observamos, existem também pessoas que procuram se manterem paradas, tanto com o corpo quanto com o cérebro. Mas vamos ficar apenas com nossos dois exemplares diferentes.

Também percebemos agora que a oportunidade, ou privilegio, de ter mais pausa física no seu tempo, deixando o corpo descansando, favorece o exercício de “musculação da imaginação no cérebro”, onde um pensamento sobre algo distante que não afeta a sobrevivência agora prolonga-se por prazer. Uma das evidencias disso é a constatação de que os autores de ficção que dão vida a personagens que não existem – como Sherlock Holmes, o Super-Homem, etc. – não vieram dos operários, e sim das classes media ou rica. Por outro lado, se imaginar-mos um avião caindo na selva, tendo uma pessoa rica e outra, pobre, de igual saúde e força física, e ambas sem nada nas mãos, é quase certo que a pobre vai se adaptar mais rápido, aguentar mais as necessidades e as intempéries, e sobreviver por mais tempo. Eu vivi na selva e apendi que a selva não é a academia com ar condicionado ou o bosque onde os ricos exercitam seus músculos. Voltamos ao caso da maior praticidade dos pensamentos curtos.

Mas existe este estranho fenômeno de humanos que sacrificam-se nas satisfações da vida, diminuindo seu consumo sacrificando suas necessidades, e desprezando prazeres, para esforçar o pensamento em algo distante, buscando recompensa futura. Estamos nos lembrando aqui de pessoas como Einstein, Darwin, os filósofos e pesquisadores em geral. São pessoas que se impõem uma especie de freio aos movimentos do corpo, procuram maiores pausas na correria pela vida, não para curtirem os prazeres da imaginação como os autores dos contos dos heróis fictícios, mas para trabalharem com os ingredientes, os recursos do cérebro, em busca de mais poder no futuro. Mas o pior é que estas pessoas sabem que este trabalho pode ser perdido, inutilizado, pois estão procurando no escuro, no desconhecido. Se encontrarem algo, pode ser um conhecimento útil ou inútil para o momento. Se for um conhecimento útil, ele se tornara em um instrumento tecnológico, uma ferramenta, uma arma, etc. Esta atitude e estranha porque vai contra tudo o que a especie humana herdou das suas ancestrais especies animais. Ela surgiu apenas agora, no humano, parece que vinda do nada. Não é logico, pratico, racional, a um animal se desviar da comida ou da fuga de um predador, ao se deparar na selva com um barco caído do céu trazido por um tornado, ou ao sentir apenas uma presença invisível de algo desconhecido, e deter-se procurando saber do que se trata. Mas existem humanos que tem atuado justamente dessa maneira estranha: eles param a sua vida, aguentam o crescer das necessidades até onde não suportam mais, trabalhando um pensamento sobre algo distante, ou invisível porque muito pequeno ou muito grande, sem terem certeza de que vão usufruir de um possível ou não produto resultante do trabalho. Não é irracional porque o irracional nunca faz isso, mas também não é racional, não é um efeito natural da sua linhagem evolutiva. Em outras palavras, isto não vem de dentro dele. E aqui o mistério fica mais estranho.

Depois que passei a pensar ou suspeitar que descobri uma força natural a que denomino de “a formula da Matrix/DNA”, eu teria uma rápida solução para esta questão. A causa para essa emergência deste fenômeno que não existia veio de fora do individuo, mas veio de dentro também, porque ela esta’ fora, sendo o ambiente que o cerca, e esta’ dentro, na forma de seu código genético. Mas como isso é uma teoria, vamos manter essa possível solução em suspenso. Apenas para lembrar, tenho outro artigo que trata uma questão semelhante: porque, cargas d’água, um réptil que botava ovos fora resolveu se sacrificar todo tentando manter os ovos dentro que acabou levando-o a se transformar num mamífero? Esse caso vai contra todos os mecanismos da teoria evolucionaria Darwiniana, e apenas encontrei uma solução plausível quando vi na formula da Matrix/DNA um agente capaz de produzir esta ocorrência, atuando desde fora para dentro do réptil, como também de dentro para fora. Em vista disso vou escolher a solução em que humanos se prestam ao sacrifício no prolongamento de um pensamento distante movido desde fora mas também desde dentro.

Uma das particularidades que tem ocorrido comigo pode ser arrolada como evidencia teórica para a causa vir de fora, e/ou de dentro. Eu tenho sido a espécie do individuo que sacrificou muito da vida investindo o ganho em pausas do corpo físico na correria, para fazer funcionar mais o motor do cérebro. Depois da maturidade a manutenção da vida ficou mais fácil, exigindo menos movimentos, portanto a continuidade do investimento na prolongação dos pensamentos foi mais fácil. Mas me lembro de muitas ocasiões em que estava fazendo um trabalho físico, árduo, braçal, todo sujo e suado do trabalho, quando de repente me veio a mente a lembrança de uma questão em que estivera pensando ultimamente, e logo em seguida, como que por encanto, pintou uma solução. De maneira que minha primeira reação foi exclamar aos meus botoes: ” A solução estava tão obvia! Porque não pensei nisso antes?!” Não tenho duvidas, a solução veio de fora com certeza, mesmo que também tenha vindo de dentro: eu estava com o cérebro concentrado nas mãos, fazendo um trabalho, de maneira alguma desviei o cérebro para aquele tipo de reflexão filosófica naquele momento.

Não é fácil aguentar-se esforçando um pensamento sobre algo que não esta’ influenciando nossa sobrevivência agora, a viver mais tempo, para ver se se torna um conhecimento, ou ao menos uma ideia para avançar num conhecimento. E’ preciso uma força de vontade, mas como é um objetivo sem sentido pratico aqui e agora, esta força de vontade fica estranha. Vou descrever um exemplo que me ocorreu esta manha, quando fiquei na cama depois de acordado, para pensar na minha pesquisa existencial, nas formulas que elaborei, etc.

Comecei me perguntando como funciona o cérebro dos acadêmicos e cientistas modernos quando acreditam nas teorias da abiogêneses e do Big Bang. O que eles pensam sobre o que faz a Natureza que começa no caos e organiza a matéria em arquiteturas, sistemas que funcionam. Como, o que, pegou a matéria distribuída caoticamente no espaço e com ela produziu este sistema solar? Teria sido o mesmo que enfiou primordiais micro-organismos dentro de uma vesícula criando uma célula viva?

Eu sei que eles investiram no pensamento distante ( não na imaginação por ela mesma, mas no pensamento pragmático) quando elaboraram as teorias da abiogêneses e do Big Bang. Mas estas terias envolvem pensamentos muito curtos, pois as respostas são demasiado simples, curtas.  Em curto e grosso… ” foi uma soma estatística de acasos que ocorrem num longo tempo de bilhões de anos”. E’ uma frase composta mais de palavras abstratas que nomes concretos. Soma, estatística, acasos, tempo, estas palavras não são nomes de objetos tocáveis, visíveis, concretos. Então se evidencia a presença do imaginário nessa crença. Fé, esta coisa irracional que os materialistas tanto combatem… nos outros. Isto significa que deram a partida, iniciaram a prolongar um pensamento mais que o habitual popular o faz, porem, logo finalizaram o pensamento, deixando-o como um pensamento curto. E é compreensível porque agiram assim: este pensamento é um avanço numa escuridão e logo começa-se a tropeçar em obstáculos que fazem retornar ao ponto de partida, e isto cansa muito, e logo. A gente normalmente desiste.  A linhagem do pensamento acadêmico começou mesmo foi com os filósofos gregos, ao contrario da linhagem do pensamento religioso. E os primeiros filósofos desistiram depois da curta solução da “geração espontânea”. Espontânea, quer dizer, curta, tao curta como o pensamento que produziu esta solução, que obviamente, hoje o sabemos, era falsa. Mas de lá para cá, mesmo com a evolução das universidades, pouco progresso se somou ao que chegou aqueles filósofos. Apenas “o espontâneo foi ampliado de um período de tempo de algumas horas, ou dias, ou meses, para um espontâneo que se constitui num período de bilhões de anos”. O espontâneo continuou o mesmo, quer dizer, o acaso, não existe um elemento na natureza responsável pela organização ou transformação da matéria em sistemas funcionais”.

O pensamento acadêmico parou no pensamento curto e esperou pelas novidades das descobertas cientificas, durante dois mil anos. A experiencia de Muller/Urey demonstrando que o acaso pode produzir aminoácidos. A descoberta que cristais formados por gelo repetem-se em secções iguais, usada como prova de como ocorrem as longas cadeias moleculares e depois como a molécula de RNA começou o fenômeno da auto-reprodução. A descoberta do principio da evolução na matéria. Todas estas descobertas foram sendo encaixadas no Leito de Procusto construído pela teoria curta da espontaneidade, para retroalimenta-la. Assim como se concluiu não ser necessário a interferência de um Deus para criar as galaxias e a vida, também não é necessária a existência de alguma propriedade especial na Natureza que organizaria a matéria caótica em sistemas funcionais. Continua vitorioso o pensamento curto que produz a solução da geração espontânea.

Mas… e se um filosofo, ou qualquer especialista acadêmico, hoje, tentasse prolongar aquele pensamento dos filósofos gregos a partir do ponto em que pararam e retornaram?

Ele poderia começar fixando na mente aquelas imagens, desenhadas ou fotografadas, do Sistema Solar. Vários objetos de matéria, pesada ou leve, cerca de nove ou dez, suspensos no espaço vazio, mas movendo, por alguma força interna ou externa ou ambas, em trajetórias repetitivamente exatas, idênticas, sincronizados… Esta imagem resultou da imagem existente a alguns bilhões de anos atras, a qual era uma nuvem, uma nébula caótica de átomos leves e pesados, gases e poeira. Mas como? Porque? O que atuou neste espaço de tempo que transformou aquela nuvem nessa espécie de relógio, de maquina de exata engenharia que vemos hoje?!

Neste ponto é fácil compreender o porque dos pensamentos curtos, o porque da desistência. Primeiro porque o individuo pressente que não vai chegar a solução, esta’ trabalhando, se sacrificando atoa. Muito melhor ligar a televisão, jogar um vídeo game, ou sair na rua para encontrar os amigos, ver as meninas, tomar um trago. Claro, somos ainda animais práticos.

Hoje de manha eu poderia ter feito qualquer destas coisas, mas não, permaneci imóvel na cama com a imagem do Sistema Solar na mente. Então me lembrei que em outra ocasião notei que uma laranjeira imita exatamente a forma de uma galaxia. Cheguei a desenhar as duas lado a lado, para melhor visualizar o achado. A galaxia e uma espiral, mas não uma espiral com uma linha que se curva continuamente, ela emite do núcleo, braços, que se espiralizam devido ao seu movimento de rotação. Pois a arvore tem um núcleo, o tronco, o eixo, do qual saem os galhos, os seus “bracos”. Pendurados nos bracos, a galaxia apresenta os planetas, opacos, sem emitirem luz. penduradas nos galhos da arvore vemos as folhas verdes, opacas, que não emitem luz, nenhuma cor clara forte. A galaxia apresenta nas pontas dos seus bracos, as estrelas brilhantes, novas, ou sois também brilhantes, porem mais amarelados; a laranjeira exibe nas pontas de seus galhos, as laranjas amarelas, maduras. Parece que as laranjas estão conectadas diretamente ao Sol, fazendo fotossintetize, tal a semelhança.

Mas na arvore vemos todos os seus objetos ligados, conectados, uns aos outros. Na galaxia vemos todos os objetos estão separados, suspensos no espaço. Vamos tentar prolongar este pensamento com a hipótese de que estejamos sofrendo uma ilusão de ótica como sofriam os que acreditavam no sistema geocêntrico. Ou nos que acreditavam na Terra plana. Vamos imaginarar que também na galaxia existem objetos, como cabos, que estão conectando, segurando todos os demais objetos. Apenas não os podemos ver, mas vamos imaginar que eles existam. De que seriam feitos, qual seria essa matéria invisível, intocável pelos nossos sensores e instrumentos espaciais?!

Antes de Newton, alguém com certeza tentou fazer este sacrifico prolongando este pensamento. Não sei se nesta época já se sabia da existência dos campos magnéticos, com suas linhas curvas magnéticas, se conheciam as equações de Maxwell. Se sim, o individuo começou a suspeitar de uma cena contendo um campo magnético galáctico, onde todos os astros estariam conectados por estas linhas. Mas o fato é que o pensamento curto de antes foi estendido apenas um pouquinho, saltando do curto “espontâneo”, para uma imaginação do campo magnético. Pois esta hipótese começa a ativar a ideia de que algo invisível existindo na natureza montou o sistema galáctico, não teria sido apenas o acaso ou algum Deus poderoso. Mas por ser impossível ver e tocar campos magnéticos, o pensamento novamente ficou parado ai.

Hoje de manha eu tentei avançar um pouquinho mais. E imaginei uma arvore em que seus objetos estivessem separados uns dos outros, boiando no espaço. Arranquei o tronco da arvore do solo e cortei-o separando uma tora. Cortei na base todos os galhos e separei-os no espaço, Arranquei todas as folhas e as laranjas e as arranjei na forma semelhante ‘a da arvore, no espaço. E imaginei um motor giratório embaixo de um tubo vertical fazendo o tubo girar. E dentro do tubo, coloquei a tora. Imaginei levantando com a mente todos os demais elementos – galhos, folhas, laranjas – acima da tora girante e imaginei aquela cena de tudo girando. Tudo separado no espaço, movendo. Ali estava minha galaxia vegetal. Muita loucura? Non-sense? Porque? Ate prova em contrario, quem criou arvores aqui foi esta galaxia, e a sua imagem e semelhança.

Mas o que faria as folhas moverem-se obedecendo a regra geral?! Raios,… decididamente o mundo real não faz sentido, eu tenho que parar por aqui e desistir. Imaginei saindo na rua, me enfurecendo com um estranho que olhava para mim, e dizendo:

– ” Sou um pensamento curto sim, e dai’? Sou assim. Goste de mim assim ou esqueça que existo. Não vou me morder até morrer por isso.”

Tenho que me aceitar assim, com essa inferioridade. Mas ao invés de desistir, novamente tentei fazer mais um esforço. E então me lembrei de Newton de novo. As imagens de Kepler, de Einstein, do Maxwell do electromagnetismo, pipocavam na minha mente, mas ainda não tinha chegado a vez de Einstein, eu estava em Newton ainda. Talvez quando o Newton estava deitado na sombra embaixo da arvore, em sua cabeça ocorreram pensamentos parecidos com os que me ocorria na cama de manha. Eu estava duzentos anos atrasado mas de proposito, pois retornara procurando onde os pensadores erraram para conduzir dessa maneira o homem moderno a acreditar nestas teorias abstratas absurdas. O tudo veio do nada, uma montanha de acasos construiu o código genético, e por ai vai… tudo absurdo! Quando a maçã caiu no espaço Newton a viu separada, notou o problema dos cabos invisíveis, e resolveu o problema transformando o campo magnético numa hipotética força gravitacional. Avançou, chegou ai e parou de novo. O campo gravitacional seria uma especie de nuvem maior que a galaxia que abracava todos os astros e os organizava de maneira a funcionar como um relógio. Hein?!!! Pois é, a humanidade ficou um século brindando em comemoração a tal avanço da inteligencia humana. Realmente um grande avanço, comparado aos pontos que tínhamos parado antes.

Mas então veio Einstein. Que tentou dar mais substancia a esta misteriosa força gravitacional, experimentando a hipótese de imagina-la como sendo uma substancia mais densa do espaço. De maneira que os astros como o Sol ao flutuarem neste oceano de substancia fazia como um objeto mais ou menos pesado faz na água, criando ondas a volta e afundando-se um pouco. Assim, toda a poeira, os detritos, em volta do objeto ficariam circulando mais ou menos em orbitas iguais. Foi outro avanço em cima de onde Newton tinha parado. Agora, algumas falhas não explicadas na teoria do Newton eram melhor explicadas.

Ficamos umas sete desadas parados no ponto de Einstein, ( eu disse ficamos em cima do “ponto” de Einstein” e não em cima do “pinto” do Einstein”, não me confunda…) até quando esta cena imaginaria de um espaço maleável, denso, se curvando, inserida matematicamente nas teorias, começou a nos coçar o cocuruto. O que seria esta substancia do espaço?! Ai pintou a dark matter! Foi por causa do avanço do pensamento por Einstein que chegamos a esta famigerada matéria escura secreta!

Nestes dois seculos e as sete décadas parados no que conecta os astros, com as crenças na força gravitacional e no espaço denso curvo, em paralelo outras cabeças de outras disciplinas pensavam também e surgiram a Teoria do Big Bang e na Biologia a da abiogêneses. Com a chegada da quântica descobrimos preenchendo o vácuo a tal espuma movente quântica, mas ai ficamos mais confusos, pois se parece que a dark matter vem dessa espuma, não esta’ explicado como isso poderia ocorrer. Mas o fato que quero chamar a atenção aqui desde o incio é sobre como a natureza organiza a matéria distribuída caoticamente, seja vinda da espuma ou da escura, em sistemas funcionais, como as galaxias, as células, os corpos humanos e como o nosso pensamento continua curto nesse caso. E o cérebro humano. Em outras palavras quem esta’ perguntando isso sumamente interessado é o cérebro humano que se sente órfão, querendo saber como surgiu neste mundo, quem é seu mentor criador, seu pai e/ou sua mãe?…

O meu cérebro tenta olhar para dentro de si mesmo para ver seus órgãos, suas glândulas, suas massas branca e cinzenta, seus neurônios, mas não consegue ver nada disso, porque meu cérebro é cego. Ou melhor, nunca teve visão própria. Tenta se tocar para sentir seus componentes mas não tem sensores para isso. Estou desconfiando que por isso ele criou o pensamento e me faz esforçar para desenvolve-lo, como se o pensamento seja a ferramenta, o sensor que vai solucionar o mistério de sua existência. Outra maneira – e a mais viável, a que realmente temos aplicado até agora – é usar os sensores de ver e tocar o mundo externo pesquisando como os sistemas ancestrais foram formados, pois assim o cérebro, sabendo ser produto dessa evolução, teria sua resposta. Mas os modernos se tornaram “des-pensadores” quando acreditaram que agora já possuem a resposta definitiva. Foi o acaso. E pronto, assunto encerrado!

Que maneira de novamente manter o pensamento curto. Uma sopa primordial rica em nutrientes é mais complexa que uma camisa suada largada num canto da casa. Nesse ponto o pensamento encompridou um pouquinho nos últimos dois mil anos. Três mecanismos – variação, seleção e hereditariedade – é um conhecimento mais complexo do que a ideia do espontâneo criador na camisa suada, que encompridou o tempo de alguns dias para alguns bilhões de anos. Mas… as partes dos sistemas vivos não estão suspensas no espaço. Nem a força gravitacional, nem a matéria escura do espaço curvo existem dentro de uma célula ou um corpo humano, para serem os responsareis por sua formação. Isto tortura qualquer pensamento buscador, a saída foi para-lo por ai, trocar a força gravitacional e a matéria escura pelo acaso, e pronto. Esta’ certo, vamos ficar esperando novas descobertas cientificas para reencetar o desenvolvimento do pensamento.

Mas eu não aceitei isso. Não acho responsável ficar ensinando as crianças na escola uma coisa que não pode ser a verdade. Acho que a questão devia ser mantida sem resposta, instruindo as mentes jovens a serem e continuarem abertas, buscando, e não apenas esperando. Buscando com outros métodos diferentes dos atuais empregados pelos pesquisadores crente nesta teoria, como eu empreguei um método diferente. Alem disso estamos carecas de saber o prejuízo e malefícios que causam sobre os humanos as crenças cabeludas, sem pé nem cabeça.

Por isso não me arrependo de ter gasto o maior tempo da minha vida no trabalho mental mesmo tendo quase a certeza que dai nada obteria. Afinal meu pensamento deu um passo bem maior e chegou num ponto bem mais avançado do que o em que esta’ parada a universidade. Não sei se deu um passo numa trilha errada, num beco sem saída, num caminho que leva a um abismo, mas o fato é que meu pensamento produziu uma hipótese da existência de um elemento na Natureza que seria capaz de organizar a matéria caótica em sistemas funcionais. Tenho o desenho, o retrato falado do agente criador misterioso – a formula da Matrix/DNA, constituída de ondas de luz – e assim eu trouxe para o cenário algo que todos tem esquecido ou desprezado. Pensaram no campo magnético, na gravitação universal, na matéria escura, mas se cegaram para um elemento que igualmente banha todo o Universo… a Luz! E se eu estiver certo, nunca conheceram a verdadeira luz, jamais imaginaram o que ela é de verdade, o que ela contem em si.

Porem, se meu pensamento foi exercitado ao extremo de minhas possibilidades, a minha imobilidade física me interrompeu, e encontrou-se  com atual imobilidade do pensamento nos outros humanos, com quem parece ter formado um par e se casado. Pois este desprezo da luz não permitiu o desenvolvimento de maior tecnologia na direção dos fótons, a qual estou necessitando para comprovar ou destruir minha teoria. O desenvolvimento desta tecnologia depende de que os outros humanos, que tem os recursos para tal, pense mais, pense agora mais sobre a luz, do qual vai surgir a tecnologia apropriada. A luta para incentivar o alongamento do pensamento curto de hoje foi a razão deste artigo.

 

 

Teoria da Consciência pela Matrix/DNA. Em sua atual forma provisoria na data de 21/01/19

segunda-feira, janeiro 21st, 2019

xxxx

A-consciencia-universal-e-sua-cria-no-cerebro-humano

A-consciência-universal-e-sua-cria-no-cérebro-humano

Apesar de ser feita com uma substancia plasmática abstrata ainda aos nossos sensores, a consciência humana nada mais é que mero produto da evolução universal, uma nova forma do sistema universal que vai se formando com uma anatomia e nova forma imitando ou projetando-se como a anatomia e forma do circuito sistêmico do cérebro humano. Numa dimensão mistica poderíamos dizer que a consciência humana é uma filha do filho de Deus. Esse filho de Deus é o aspecto “software” que flui no meio do aspecto hardware, a carne.

Desde o inicio deste Universo – quer seja a interpretação do Big Bang a 13,8 bilhões de anos atras, ou quer tenha sido de outro modo – iniciou-se a gestação e crescimento evolutivo do que se tornou a consciência do próprio Universo. Este processo de gestação obedece ao mesmo mecanismo do processo de crescimento do corpo humano efetuado pelo principio do ciclo vital. Se hoje emergiu aqui neste planeta estes fetos de auto-consciência dentro dos cérebros humanos é porque a consciência do Universo já atingiu sua maturidade sexual e esta’ se reproduzindo, suas crias sendo ainda meros fetos.

O processo da evolução natural foi bem imitado pela intuição humana quando criou o computador, o qual é uma tentativa de reprodução com materiais grosseiros como ferro, plástico, cobre, do cérebro humano e sua “mente”. E relembrando a historia das origens e evolução do computador vamos retornar ao tempo do ábaco, depois se lembrando de como este se tornou aquelas maquinas de calcular movidas manualmente a manivela, em seguida vieram as maquinas de calcular a eletricidade, as tais eletrônicas, mas ate ai se desenvolveu apenas o aspecto hardware, enquanto o software ainda não existia dentro da maquina, existia apenas como a mente dos humanos fora da maquina. Sempre avançando em tornar o hardware cada vez mais uma copia mais fiel do cérebro, desenvolvendo memoria, processamento, e algumas peças imitando a função das glândulas como amígdalas, hipocampo –  inconscientemente o homem criava os caminhos de circuitos de energia que imitam os circuitos de sinapses, mesmo que ele ainda não tinha o MRI e não sabia da existência das sinapses. Mas assim ele foi reproduzindo a sua mente numa forma tecnológica, foi enfiando uma copia da sua mente, na forma de circuitos de energia num chip cada vez menor, dentro da maquina. Tal como a consciência ainda não madura do Universo faz hoje enfiando-se na maquina do cérebro humano. E em muitos outros tipos de hardwares que estão com as capacidades de cérebro que podem existir neste mundo afora. Os biólogos são unanimes em aformarem que no DNA existe um “comando de instruções”, caracterizado por sinais emitidos em conjuntos de genes, etc. Este comando de instruções em todos os sistemas naturais surgem quando um sistema se completa e a soma das informações de todas as partes são somadas as conexões entre as partes disso tudo resultando uma especie de identidade abstrata do sistema, e se o sistema e puramente mecânico como foram átomos e galaxias, essa entidade tem como busca suprema o equilíbrio interno termodinâmico. Se o sistema é vivo, biológico, mas ainda com o software sofrível sendo dominado pelas forças da matéria em seu corpo, que impedem a manifestação e evolução do feto de consciência que ele carrega, ele tem como meta suprema o mesmo bem-estar termodinâmico construindo para si uma vila paradisíaca com uma mansão e todo serviço sendo feito por escravos.

Assim o filho de Deus vai amadurecendo, envelhecendo e saindo de seu corpo-hardware universal vai voltando para o reino de seu pai o que se efetivara quando ele morrer para este mundo, o que significa, pela perspectiva de quem esta no reino de Deus, o rompimento definitivo do cordão umbilical. Morre um velho, na perspectiva de quem esta do lado de cá, e nasce um novo rebento, na perspectiva de quem esta do lado de la. Quando o velho morre deixa aqui toda uma população de genes formando seu filho, o qual sera o neto de Deus.

Isto e’ o que somos hoje, nos, os humanos: 8 bilhões de genes semi-conscientes, cada um contendo uma informação unica e especifica, construindo um feto de auto-consciência. Mas estamos construindo apenas uma parte dela, talvez a parte do nariz ou seja la qual o acessório no corpo da auto-consciência que representa a função do nariz. O resto deste corpo universal esta’ sendo construído por bilhões, trilhões de outros genes, uns mais outros menos semi-conscientes, em muitos astros neste Universo-placenta afora.

A evolução do computador foi carregada por um processo de feed-back entre hardware e software. Havia uma maquina rude, manual, ainda com manivela a ser movida pelas mãos. Fora dela uma mente pensante desejando melhorar esta maquina, procurando sofistica-la para produzir mais e melhor as coisas, os resultados, que a mente necessitava. Quando a mente tinha uma ideia para mudar uma peça, acontecia um salto na evolução do hardware, o que resultava em mais e melhor eficiência na produção. Ora, com o hardware calculando melhor, mais rápido e mais capacidade de abranger maiores números, surgia no hardware novas informações, as quais eram absorvidas pela mente. Munida com estas novas informações a mente mudava o seu meio ambiente melhorando suas condições de vida, mais a s novas condições apontavam novas necessidades. Então a mente voltava-se para o hardware buscando realizar novas alterações, para atender a s novas e maiores necessidades. Com isso, a mutação para melhor no hardware produzia por tabela uma mutação para melhor na mente, a qual ia resultar em nova mutação para melhor na maquina. Um processo de retroalimentação, de feed-back que descobrimos agora estar enfronhado no processo da evolução natural.

Mas a mente humana já era em si – antes das origens do computador – o resultado do mesmo processo de feed-back entre o hardware biológico que começou na forma de uma célula viva e forçosamente uma primitiva incipiente forma de mente existente em outro nível da matéria. No desenvolvimento da cosmovisão da Matrix/DNA os cálculos foram indicando que essa mente em outra dimensão é uma especie de software que vem desde a primeira forma de sistema funcional que emergiu dentro deste Universo. Até a pouco tempo atras pensávamos que esta primeira forma de sistema tivesse sido o primeiro átomo. Mas ai fomos descobrindo que mesmo o átomo já é formado por partículas que são sistemas em si mesmas, então a emergência deste software se deu mais atras no tempo. Hoje, por fim, pensamos que localizamos finalmente a primeira forma deste sistema universal que aqui hoje chegou a forma de cérebro humano com seu software como feto de auto-consciência. Pensamos que localizamos essa primeira manifestação neste mundo material quando nos deparamos com a projeção de uma onda de luz natural na tela de um computador, representando esta luz como resultado das radiações de sete elementos materiais. Esta onda de luz resultante a que se chama de espectro eletromagnético se propaga no tempo e no espaço movendo-se, como ondas de uma espiral se olhada de lado ou como ondas concêntricas se olhada de cima ou como uma cobra serpenteante se olhada através dos olhos mecânicos conectados ao cérebro eletromecânico chamado de computador. Ela se move como cobra serpenteante porque ela tem em si sete divisões principais que funcionam como órgãos e no seu conjunto ela apresenta  mesma anatomia de um corpo-sistema biológico como o humano, e ela se move porque ela é movida pela força do ciclo vital. Assim um corpo humano desde o momento que surge neste mundo pela fecundação começa a se propagar no tempo e no especo movido pela força do ciclo vital, propagação que vemos no crescer do corpo em relação ao espaço e no avançar da idade em relação ao tempo.

Então, da radiação de todos os sistemas naturais existentes no Universo se produz uma grande e universal onda de luz. Enquanto da radiação de cada exemplar em miniatura deste sistema universal – como é um corpo humano – se produz uma ainda ofuscada onda de luz, uma especie de aura, não captável pelos nossos sensores. mas e preciso saber que a onda de luz no espectro eletromagnético não e cria da radiação dos elementos. Não. Ela surge como sendo libertada de uma prisão. na verdade, foi a entidade de uma onda de luz primordial que levou a matéria a produzir os elementos materiais, mas como dessa onda de luz se despregam partículas como radicais livres, eles adentram a massa material, e se encarnam nos elétrons, assumindo a maquinaria dos átomos e conduzindo-os a todo tipo de combinações visando finalmente combinar estes átomos na forma de moléculas orgânicas, para com eles continuar conduzindo-as para formar células vivas, os seres vivos. Se pensamos que a luz é produzida pela radiação estávamos enganados, pois ela antes produziu os elementos que agora irradiam. Tudo esta’ indicando que a luz, em relação ao Universo, é a substancia, o corpo material, da consciência do Universo, como os filamentos de energia no hardware do computador são o corpo, a substancia do software que e o representante da mente do homem dentro da maquina.

Se você raciocinar com bastante atenção em cada passo hipotético do corpo desta grande teoria você vera’ que cada passo não é tao hipotético, pois cada passo aqui não foi inventado pela imaginação mas sim baseado num parâmetro natural, um fato existente, comprovado, que podemos captar existindo aqui e agora. Mas pode haver erros nestes cálculos, claro. Enquanto não detectamos erros vamos mantendo esta teoria sob atenção e por ser a mais racional que conhecemos, vamos procurando delinear como deve se comportar um feto dentro da barriga gravida em relação ao corpo e mente de sua mãe que esta alem das membranas e paredes do pequeno universo placentário em que estamos existindo agora. Quando a coisa aperta aqui, quando temos necessidade de algum tipo de recurso natural como uma substancia, uma vitamina, o que devemos fazer no sentido de imitar o feto que esperneia e chuta as barreiras dentro da barriga? Alguns acreditam que nestes rituais nas igrejas dos evangélicos em que fazem um barulho danado se torcendo, gritando, chorando, pedindo a deus em forma de orações escandalosas, estão exatamente tentando chutar a barriga da mãe para ver se são ouvidos e atendidos. Sera este um método que da algum resultado? Eu, pelo meu lado, vou procurando uma maneira de fazer minha mente abstrata dar chutes abstratos dentro da barriga abstrata da consciência universal abstrata. E dai? Alguém tem melhor ideia? Mas o melhor mesmo, penso eu, e o feto procurar saber o que e e como funciona o corpo que contem esta barriga. Em outras palavras isto significa estudar o máximo possível esta natureza universal para saber como ela quer que nos comportemos. Acho que sendo comportado como um bom feto já ajuda muito a gestação. Mas antes temos que ver como deve se comportar um gene no meio social do DNA – a população social dos genes – para que todos produzam um ser perfeito, saudável, poderoso. E isto significa que temos não apenas de desempenhar nossa missão da maneira mais perfeita possível, mas faze-la sem usurpar recursos dos outros genes, faze-la tentando ajudar os outros genes que estão algemados sem poder avançar, e faze-la, no que e pior, combatendo o gene egoísta, o que significa tentar exorcizar o instinto animalesco de predador inclusive de outros humanos que impera no crebro da maioria dos 1% e das classes medias altas.

Para ter a mente livre, seu filho, apos a aula de Ciência, tem que assistir este vídeo, da oposição. Ele vai decidir.

sábado, janeiro 19th, 2019

xxxx

Ensinadas pelo professor, é quase impossível resistir a criar uma fé cega nas atuais teorias cientificas que constroem a visão do mundo, sobre as origens deste mundo e da vida, das quais se deduz o sentido da vida, o significado da nossa existência. E disso resulta o nosso código moral, nossos valores sociais, tudo isso determinando nossas decisões e comportamentos na vida. Mas o fascínio encantador que nos pega despreparados – e principalmente crianças – pode ser quebrado se um opositor expor suas teorias justamente opostas. Ele mostra como as teorias ditas “cientificas” não tem pé nem cabeça.  E é isto que salva as pessoas de serem doutrinadas, escravas e terem sua evolução mental interrompida. Este vídeo me parece um bom caçador destes traficantes que vendem drogas condicionadoras nas escolas a nossos filhos. Claro que o autor do vídeo expõe o outro lado da mesma mentira, mas ai esta a vantagem, é mentira engolindo mentira, o ouvinte não se deixa envolver e sai a procurar sua visão do mundo, livre como um pássaro. Veja logo abaixo do vídeo o meu comentário que enviei ao autor.

Evolution is a Masonic Lie Hiding Intelligent Design

https://www.youtube.com/watch?time_continue=408&v=L944UATY2QQ

But,… Eric,… you are not being honest here. You say that the unique alternative we know is creation. Until here you are pretty right. Creation means the application of a non random method, an act that drives the following events towards a purpose, the construction of a complex body. This is what everybody is watching in this planet. But… you are lying when you say that ” in this process there is the action of intelligence”. Mother giraffe produces a new baby giraffe without applying intelligence. And so on.
Intelligence and “by chance” here are the two sides of the same coin: people talking about what they never saw. It is not in this way that a rational mind will search the thru.
There is a third theory, based just and only over what we can see and know. It explains the whole universal natural history, including the origins of Universe and life, called ” The universal formula Matrix/DNA for all natural Systems and Life’s Cycles”. No intelligent designer creating these horrible things like predators and tragedies, no accidents by chance building anything complex. B a pure natural rational mind that Nature does not plays dice with her creatures, ask her and She will answer the right question.

Luz das estrelas: Mais uma teoria minha sobre fótons e luz

segunda-feira, dezembro 3rd, 2018

xxxxx

Baseado no artigo da Livescience:

https://www.livescience.com/64193-all-starlight-universe.html

E sua copia no artigo do Dawkins website :

https://www.richarddawkins.net/2018/11/heres-how-much-starlight-has-been-created-since-the-beginning-of-the-universe/#comment-234984

(Obs: Enviei meu comentário abaixo aos dois artigos. No Livescience foi publicado e no Dawkins não, aguardando moderacao)

Here’s How Much Starlight Has Been Created Since the Beginning of the Universe

Meu comentario enviado para o artigo em 12/o3/18 ( nao publicado, talvez aguardando moderacao. Checar depois.)

I have two layman’s question and some layman’s suggestions:

1) What about the light released by the Big Bang event? It does not fill up the whole universe?

2) If “protons releases photons”, and the stars are formed and composed by hydrogens with these photons, it is not the star that creates light, it was already created and packed into stars. Am I wrong? Why?

My suggestion:

Stars are secondary transmission towers of light, a secondary level of light coming from its primary level, lots time more powerful, which came from the Big Bang or a source that triggered it. Gamma-ray is the first “slice” or shape of light waves, the second is infrared, violet, etc., till radio. I have a theory suggesting the existence of a universal formula that exists at all natural systems, from atoms to galaxies to human beings, I later I found that the complete light wave resulting from the entire electromagnetic spectrum was the first manifestation of this formula in the Universe. The formula is a system built by the process of life’s cycle, which begins with a unique body transforming it into new more complex shapes. An individual human body also is a system, under the process of life’s cycles it is transformed from shapes to new shapes. It happens that the electromagnetic spectrum shows to us that its produced light waves propagates into time/space everything equal as a human body. So, the light shape as gamma-ray behaviours and functions are equal the behaviors and functions of a human baby; the second shape, infrared is equal the human shape as a child. And so on… the light waves dies fragmented into its particles, photons, as humans dies and its cadaver are fragmented… Final conclusion?

These photons from stars are fragments of a died primary light wave that was born with the Big Bang. Since that the primary light  was more powerful, its powerful photons choose the most powerful particles for “reincarnating”, the protons. When these photons are released by protons, they are second generation, less powerful, so, now they need a less powerful particle, the electrons. When atoms released by supernovas they composes biological systems, as human bodies, so, our bodies receives these electrons with these photons of second generation. At planetary atoms these photons gets the control of atoms machinery, like virus gets the control of cells machinery, and these photons drives these atoms to new combinations, emerging the organic matter. These photons have an unconscious and automatic, predetermined purpose: to joining together in the same sequence they was when composing the light wave, so, they tried to drive planetary atoms to re-build the prior system, the result in this new environment and new material is a mutation into biological systems. This was the origins of life here. Our DNA is the atual modern shape of primordial light waves from the Big Bang – re-transmitted and packed by stars. Our genetic code is coming from beyond a source from beyond the Big Bang.  And these gracious, marvellous stars are our grand-grand-mothers…

But, ok, We have only a theory, we need now testing it…

Teoria com premio Nobel sobre transferencia de eletrons em quimica, “parece” que foi provada errada pela Universidade de Coimbra.

domingo, dezembro 2nd, 2018

xxxxx

The end of the theory of a Nobel Prize in chemistry?

See more at http://www.pravdareport.com/science/mysteries/27-07-2018/141300-nobel_theory-0/

No doubt about it, the scientific paper just published in Nature Communications’s well-respected Nature group, proves that the theory developed in 1956 by Rudolph Arthur Marcus, which earned him the Nobel Prize for Chemistry in 1992, is wrong.
At stake is the reorganization of molecules required for the transfer of electrons. For this type of chemical reactions to occur, Marcus’s theory predicts that this reorganization has to be mainly done in solvents, but the study now published says that it is not so, showing that the key to electron transfer is in the reagents. (Leia mais no link para o artigo no PRAVDA )

Os turbilhoes na superfície de Júpiter: Previsão correta e mais uma evidencia para a Matrix/DNA Theory

domingo, setembro 2nd, 2018

xxxxx

Intricate swirls in Jupiter's volatile northern hemisphere are captured in this image from NASA's Juno spacecraft. Bursts of scattered bright-white 'pop-up' clouds appear with some visibly casting shadows on the neighboring cloud layers beneath them.

Aqui estamos realmente assistindo a formação de um pulsar e posteriormente, de uma supernova… segundo meus modelos teóricos compondo a Matrix/DNA Theory. De dentro para fora cresce um germe de estrela, comendo o que resta de nutrientes nas camadas externas através das reações nucleares e a pressão gerada produz gigantescos vulcões com estes turbilhoes na superfície. Quanto mais os nutrientes pesados são processados, maior e mais leve Júpiter fica, e esta leveza o livra da força magnética do núcleo solar ate que ele um dia saia do sistema e vá brilhar como mais uma estrela. Os acadêmicos se riem e acham estranho que eu use metáforas do mundo vivo para descrever fenômenos astronômicos porque eles são misticos duvidando que a Vida foi criada por e dentro de sistemas astronômicos que seriam – segundo eles – não-vivos e por isso precisam de assombrações como o Acaso Magico para explicar origens espontâneas de astros e da vida, o que e’ um absurdo. O tempo com mais informações, sera o juiz de quem esta certo ou errado.

 

Espaço e tempo: Teoria de Seth (Jane Roberts) bate com a sugestão da Matrix/DNA Theory

terça-feira, agosto 28th, 2018

xxxx

WHAT IS THE NATURE OF TIME AND SPACE?

https://www.sethlearningcenter.org/q_time_space.html

“The settings in your physical environment…the physical aspects of life as you know it, are all camouflages.

Matrix/DNA: Camuflagens no sentido de que você chamaria de camuflagens as formas anteriores do seu corpo que não existem mais para você agora, como a forma de morula, blastula, feto, criança, etc… Todas as paisagens físicas do Universo ate agora, todas as vidas da Natureza, foram e ainda são formas criadas na grande obra de gerar uma consciência cósmica, a forma final para o dia do grande nascimento.

The brain is a camouflage pattern. It takes up space. It exists in time. The mind takes up no space, it does not have its basic existence in time.

Matrix/DNA: Grande! Somos habituados a questionar se nossa mente esta dentro da cabeça, ou fora da cabeça, etc. Ora… O cérebro é um objeto físico, então ele toma um lugar no espaço físico. A mente não é um objeto físico, para ela não existe espaço físico, então não faz sentido querer situa-la num ponto do espaço… O mesmo acontece com o tempo: a vida dura 70 anos? Pode ser, para o corpo físico. Para a mente não existe tempo, não existe 70 nem um milhão de anos, ela não tem um tempo para existir ou não.

The reality of the inner universe does not take up space, nor does it have its basic existence in time. Your camouflage universe, on the other hand, takes up space and has an existence in time, but it is not the real and basic universe, any more than the brain is the mind.

Your idea of space is some completely erroneous conception of an emptiness to be filled… True inner space is to the contrary vital energy, itself alive, possessing abilities or transformation, forming all existences, even the camouflage reality with which you are familiar, and which you attempt to probe so ineffectively.

This basic universe of which I speak expands constantly in terms of intensity and quality and value, in a way that has nothing to do with your idea of space. The basic universe beneath all camouflage does not have existence in space at all, as you envision it… Space is a camouflage… ”

Matrix/DNA: Acho fácil perceber como nossa ideia de espaço não tem fundamento na realidade. Suponha que esse aglomerado de galaxias que forma este Universo tenha realmente um limite, chega a certo ponto e terminam as galaxias. O que temos ‘a frente? Espaço? Certamente não o espaço como cremos, o que pode ter é o vazio infinito. Mas se alguém construísse mais uma galaxia e a colocasse depois da ultima galaxia, o intervalo de “nada” que ficasse entre as duas seria por nos chamado de espaço. Seria medido, ate ocupado, ou seja, de repente teríamos materializado este espaço, apenas em nossa crença… O mesmo pode-se dizer que este “tempo”, uma ideia inventada por nos para podermos mediar a sequencia de eventos e situar um evento em tal estado do mundo outrora, não existe de fato, ou como algum tipo de energia, fluido, substancia, etc. 

From the book, Seth Speaks, page 235:

“As I have said many times, time as you think of it does not exist.”

From the book, The Nature of Personal Reality, page 152:

“…the fact is that all ‘time’ is simultaneous.”

From the book, Seth Speaks, page 245:

“There are an infinite number of inner universes…”