Posts com Tags ‘Wilhem Conrad Röentgen’

Raios-X: Impressionante Caso Enaltecendo a Ciência

sexta-feira, agosto | 14 | 2009

wilhelm-roentgen-e-o-raios-x.gif Wilhelm Conrad Röntgen, descobridor dos Raios-X

Muitos milhões de seres humanos sofreram torturas terríveis e morreram antes de 1900 porque não sabíamos que existe o Raios-X. Bilhões de pessoas hoje - inclusive eu algumas vezes e provavelmente você também –  passamos livres por estas tragédias, por isso devíamos erguer estátuas e criar o dia de Wilhelm Röntgen, ao invés de ficarem cultuando estas celebridades televisivas da inutilidade. Quando num acidente de carro tive um osso da perna lascado, fui livrado de muitas dores e tive salvo minha perna pela grande descoberta deste herói da Humanidade. 

Relato apenas um caso para que fique aqui registrado e para nunca esquecer, lido no website “Física e Cultura”, em http://www.cbpf.br/FISCUL/ , onde o leitor pode aprender toda a impressionante história da luta daquele homem e explica tudo sobre a história da descoberta. Este caso foi relatado no

“Jornal do Comércio”

Sexta-feira, 16 de fevereiro de 1896.

(Observe a data: 1896 ! Não é à tôa que o português vem todo errado)

A Photographia atravez dos Corpos Opacos

e começa assim:

O eminente professor de physica Wilhelm Conrad Roentgen, de Wutzburgo, acaba de fazer uma descoberta destinada, se os seus resultados se confirmarem amplamente, a produzir uma profunda revolução nas sciencias, sobretudo na medicina e mais particularmente e immediatamente ainda na cirurgia. Trata-se de uma descoberta realmente assombrosa, a photographia atravez dos corpos opacos, impenetraveis à luz e que os estudos do eminente professor provarão ser permeaveis a alguns raios luminosos. Excederia os limites da nossa competencia, entrar na explicação scientifica destes maravilhosos phenomenos. O que é certo é que a descoberta delles é sem dúvida uma das maiores conquistas da sciencia, predestinada a levantar uma ponta do véo de tantas cousas occultas até hoje aos nossos olhos, e cuja applicação irá determinar os mais inesperados resultados.

Limitamo-nos por hoje a apresentar aos leitores as experiencias que se tem feito em tal sentido e que, como se verá, têm sido as mais satisfatorias….”

A seguir o jornal cita vários eventos que assombraram o mundo na época e dentre eles extraio este caso impressionante:

O jornal de medicina inglez Lancet refere a seguinte observaçãorelativa a um doente, que se achava em tratamento havia muitos mezes em um dos grandes hospitaes, o Guy’s hospital.

Este individuo, que era marinheiro, tinha sido encontrado ébrio moribundo em um distrito mal afamado de Londres e transportado para o hospital. Passada a embriaguez, verificou-se que o infeliz estava paralytico das extremidades superiores e inferiores. O exame mais minuciosos não revelou mais do que insignificante chaga, situada na região dorso – lombar, e que não tardou a cicatrizar-se no fim de poucos dias. Desde então e a despeito de toda a medicação, o doente se conservava paralytico, quando o Dr. Williamson, chefe do serviço, teve a idéia de aplicar a photographia por raios-X na parte da columna vertebral correspondente à ferida.

 O cliché revelou-lhe a presença de um corpo extranho, cuja natureza não pode elle logo determinar, visto que estava insinuado entre a primeira vertebra dorsal e a primeira vertebra lombar. Uma incisão no ponto preciso correspondente fez-lhe descobrir uma lamina de faca tão fortemente incrustada nos corpos vertebrais que lhe foi preciso empregar reaes esforços para extrahi-la.

No fim de poucos dias o doente teve alta. Em Berna uma criança tinha mettido uma agulha na mão. Tratava-se de localisar exactamente este corpo extranho. O professor Kocher, com o auxílio do professor de physica Forster, tirou a photographia por raios-X do membro e graças a este meio conseguio alliviar promptamente o doente.

Impressionante, não é? Um marinheiro atraca num porto, sai para uma comemoração em terra firme, fica embriagado, é atacado por um assaltante que lhe crava uma faca com tanta força que ela entra no osso da coluna vertebral de maneira que quando ele puxa a faca só lhe vem o cabo. O marinheiro estava tão bebado que nada viu ou sentiu! Quando chega no hospital vê-se apenas uma ferida, um pequeno corte que logo cicatriza e ninguém  dá importancia aos arranhões de bebados. Mas uma faca tinha ficado lá dentro! Sem o Raios-X, sem Wilhem Conrad Röentgen… jamais alguem iria saber sobre essa faca, o individuo iria ser torturado com dores e ficar paralitico até a morte! Levando a faca para o caixão junto consigo! 

E no entanto, enquanto milhões de pessoas foram torturadas com dores horriveis até a morte desde os principios da Humanidade,  o Raios-X estava aí sendo desperdiçado porque era oculto a esta visão ainda muito débil que temos, prova de que não somos produtos de algum inteligente designer.

Mas esta história tem uma outra lição que não devemos deixar escapar-nos. Veja isto:

Um aspecto interessante sobre a descoberta dos raios X foi o fato dela não ter ocorrido antes, visto que vários cientistas, altamente capacitados e mesmo mais conhecidos do que Röntgen, vinham trabalhando com tubos de descarga há muitos anos. O fato de renomados cientistas não terem notado que estavam às voltas com um novo fenômeno tem a ver com a dificuldade de se “observar” aquilo que não se espera teoricamente. Por outro lado, como bem observou o conhecido historiador e filósofo da ciência Thomas S. Kuhn, é justamente a existência de investigações guiadas por paradigmas (um conjunto de problemas, expectativas teóricas, métodos e técnicas experimentais aceitas pelas comunidades científicas) que possibilita e mesmo conduz ao surgimento de anomalias, ou seja, “falhas” na natureza em se conformar inteiramente ao esperado.A Röntgen cabe o mérito de ter “visto” aquilo que outros “olharam” mas não perceberam e de ter concentrado seus esforços e habilidades na investigação do novo fenômeno, cujas repercussões fizeram-se sentir de forma imediata e estrondosa. Não sem razão , portanto, foi lhe atribuído o primeiro Prêmio Nobel de Física, no ano de 1901.”

Penso que o segredo do sucesso de Röentgen começou aqui:

“Em sua experiência Röntgen encontrou resultados inesperados. Aumentando a tensão aplicada aos eletrodos do tubo, ele observou um curioso fenômeno: um anteparo situado próximo ao tubo ficou fluorescente. Quando a corrente foi cortada esse fenômeno desapareceu.  Intrigado com este fenômeno e buscando compreender melhor essa nova radiação, Röntgen continuou suas experiências….

Como não havia outra alternativa, as Ciências nasceram e cresceram utilizando o método reducionista, que se limitaria a identificar, isolar e descrever fenômenos naturais, sem tempo para perguntar-se “porque?” Ainda hoje tem “cientificistas ateus” que dizem que não precisam de explicações para fenômenos gerais como a Vida, o Universo, etc. Aqui entra o Filósofo Naturalista – e para nossa sorte muitos cientistas, como Röentgen, o são por natureza – o qual tem por instinto nasciturno perguntar o porque a tudo, a cada nova imagem ou movimento que percebe na Natureza. E não se conforma enquanto sua mente não consegue uma maneira de arranjar as peças que circundam o fenômeno num quebra-cabeças racional e lógico e ele ficar por algum tempo satisfeito com a explicação encontrada. Quando o fenômeno é muito importante e a explicação encontrada promete ser util como conhecimento na longa evolução do pensamento humano, o filósofo elabora uma teoria e tenta divulga-la para conseguir apoio nos testes e mais cabeças pensantes para desenvolver o novo conhecimento. A Teoria da Matriz/DNA foi feita em grande parte assim. Por instinto natural, se eu estava sentado descansando embaixo de uma arvore, seja na selva ou no Central Park em New York, e um esquilo descesse da árvore correndo, caminhassae um metro para a direita, parasse e cheirasse o ar, aí virava-se para a esquerda, caminhando mais um metro, pairando e cheirando o ar, aí dava outra guinada mais a esquerda, mais um metro, cheirava e, inesperadamente, voltava para a arvore correndo… eu via aquilo e perguntava “porque?!” Porque “um monte de átomos reunidos num corpo” se move, faz estes trajetos absurdos sem qualquer razão, e retorna a ficar quieto onde estava antes?!

Horas refletindo e buscando na história do passado dos átomos, celulas e orgãos daquele animal, assim, como nos átomos e celulas e seivas daquela arvore, assim como nos átomos da atmosfera e nas fontes dos cheiros da atmosfera, enquanto com lápis e papel desenhava  a trajetória feita pelo animal e… de repente o que tinha parecido absurdo se revelava como sendo um evento racional, naturalmente inrevitável, percebendo que os movimentos do animal, os pontos onde ele parou, inclusive os tempos diferentes que ele permaneceu em cada ponto, fornecia no papel finalmente um desenho inesperado mas compreensível: seus atomos haviam participado de um ritual tradicional que eles aprenderam muito tempo antes das origens dos esquilos, redesenhado a forma da Matriz onde eles estiveram a tres bilhões de anos atrás…, o mesmo retrato de um astro celeste se movendo sujeito a um ciclo vital, o mesmo retrato da evolução de um astro no céu… era um forte indício de que LUCA continuava a dominar a psicologia de esquilos, que ele estava ainda regulando as leis gerais que dirigiam aqueles atomos do animal, que ele está ali incrustrado na sua genética… e assim finalmente tinha encontrado uma explicação racional e naturalmente lógica… 

Quase todos os dias estou vendo documentos cientificos sendo publicados em todas as areas, novas imagens e fotos por microscopios e telescópios, e ao ver as interpretações ou falta delas, sempre há algum detalhe que ninguém nota, mas para quem tem os mapas da Matriz tornam-se muito importantes. A Teoria Nebular que rege o mundo das ciencias astronomicas por exemplo está fazendo com que nossos especialistas deixem de perceber muitos detalhes importantissimos ou então interpretam outros detalhes de forma totalmente diferente da que a Matriz sugere. Não tenho como comunicar-lhes o que vejo e como vejo e mesmo que tivesse não prestariam atenção, primeiro porque estou isolado, desconhecido e sem os “papéis acadêmicos”, segundo porque se não explicar a nova cosmovisão desde o inicio não vão entender nada, e terceiro porque está diferente do que o paradigma oficial sugere.

Certa feita pensei em mandar estes recados desde a selva amazonica para os USA através de meus pombos correios. Mas logo os primeiros pombos voltaram com os papelitos amarrados nos pés e expressando-se através de danças comunicaram: “Eu não volto mais lá porque quando entrei no espaço aéreo daquele país de repente o céu escureceu de pombos que me cercaram e pediram documentos, coisas como um tal de visto no passaporte, se eu tinha social security number, me chamaram de “imigrante ilegal” e acabaram me deportando, escoltando-me até os limites do espaço aéreo… Fui enxotado… pombas!”

Brincadeiras à parte, pergunto como teria reagido aquela mulher que naquela tarde estava sentada no banco do parque do meu lado e também viu o mesmo esquilo naquele ritual? Certamente ela teria pensado assim:

- ” Ooops… um esquilo. Deixe-me ver, bem, meu corpo está salvo, estes animais não são ofensivos. Mas que bonitinho, tem os pelos lisos e aquela faixa de cores no centro da testa. Em que pode me ser util? Ser alisado, ter por perto me fazendo festas, serviria-me como animal de estimação. É… foi embora! E este homem aí do lado, desenhando e escrevendo num caderno, pensando, olhando para o nada, parece louco! Ou será que é bicha, pois não se me insinuou, parece que nem me viu aqui… que coisa estranha! Pouco importa: com aqueles sapatos rotos, aquela roupa  pobre sem marca  e amassada, deve ser mesmo um pé rapado.”

Filósofos não sabem ganhar dinheiro, são sempre pobres e hoje, pessoas de nivel intelectual se enriquecem, portanto são superiores a filósofos. Certa feita, Einstein estava sentado em sua sala lendo um livro quando a camareira se aproximou dizendo:

- “Sr. Eisntein, estou recebendo do correio várias cobranças de água, luz, prestações atrasadas e não temos dinheiro no banco…”

- ” Chiiii… então a minha situação está prêta, hein? Hummm… e o salário de professor… não sei onde vou arrumar esse dinheiro…”

Olhando de soslaio por cima dos ombros de Einstein e vendo o livro, a camareira perguntou:

- “Sr. Einstein… este papel que o senhor está usando para marcar a página do livro, não é um cheque?”

- ” Hein?!… Hummm… deixa ver… sim é um cheque… da Universidade de Waterloo… e de cinco mil dólares! Ah, … sim foi uma palestra que fiz lá a seis meses atrás…”

- “Mas, Sr. Einstein! Isso é suficiente para pagar todas as contas e meus salarios atrasados!” – disse isso e saiu com o cheque resmungando: “Esse aí só tem olhos para aquelas letras nos livros e não vê um cheque de cinco mil dólares embaixo de seu nariz!”

Quer dizer, a diferença entre o filósofo e um ser humano comum, normal, neste atual estágio da evolução, é que todos os pensamentos da pessoa comum começam e terminam no próprio umbigo, como expressão exclusiva do ego, utilitarista e imediatista. Enquanto o filósofo parece existir apenas mentalmente de maneira que ignora o próprio umbigo, nem se dá conta que existe, e sua mente se transporta para as coisas do mundo exterior, não se importando muito com as aparências, mas tentando invadir o nucleo interno das coisas e extrapolando na analise do exterior que o envolve. Eu me foquei primeiramente não num animal e sim num “monte de átomos, organizados de tal e tal maneira…”

Acho que o mundo precisa dos dois tipos de pessoas, as comuns para manter a humanidade viva e no melhor conforto possivel aqui e agora, e o filósofo, assim como os cientistas, para não deixar esta humanidade estagnar numa forma provisória e num estado do mundo único de hoje, para mante-la sob evolução, pois certamente as condições do mundo hoje serão alterados amanhã e se a humanidade não for alterada igualmente… se a HUMANIDADE SE SUPERESPECIALIZAR NUM MODO DE EXISTÊNCIA E TORNAR-SE UM FIM EM SI MESMA, SE TORNAR-SE  UM BECO SEM SAÍDA COMO FORAM OS DINOSSAUROS, E AGORA SE COMPORTAM OS LEÕES, AS BALEIAS, ETC., A NATUREZA QUE NÃO SE ESTAGNA, PASSA POR CIMA DELA, ANIQUILANDO-A… 

Na formula-software da Matriz como sistema fechado em si mesmo, podemos notar que todas as peças estão dominadas pelo mecaniciamo das massas, sob o poder e desejos da fêmea reinando na Função. O macho pulsar também está dominado pelos encantos da rainha e juntos formam o circuito da serpente engolindo a própria cauda. Apenas o macho pulsar poderia quebrar aquele ciclo eterno, se, quando ejacula os cometas, ao invés de direciona-los para o corpo da femea, desse uma volta em si mesmo e ejaculasse enviando os cometas para o espaço sideral, abrindo o sistema e lentamente permitindo à entropia desfazê-lo. É justamente esta a função dos filósofos naturalistas e intelectuais e cientistas com esse espirito de inndagação sobe o que está sendo considerado “conhecimento inutil”: eles sempre alimentam as civilizações com novidades, com descobertas revolucionarias, e assim mantem o sistema social humano aberto, atirando jatos da mente para horizontes alem do tempo e espaço perceptiveis aos sentidos.  

“Se existe Deus e Röentgen teve uma alma, que Deus mantenha essa alma em bom estado e lugar, pois se um dia eu for para aquele lugar me ajoelharei e beijarei os pés de um verdadeiro herói e benfeitor da Humanidade.”

A Filosofia Naturalista assim como os intelectuais pragmáticos está em baixa neste mundo moderno. Basta mencionar-se a palavra “filósofo”e um riso sarcástico, ironico, complacente se desenha nos lábios. Conhecimento de coisas que estão além do horizonte imediato alcançado a olho nu e pelos dedos e que não dão lucro imediato em dinheiro é taxado de “conhecimento inutil”. Vemos críticas a esse conhecimento inútil até nos murais de empresas e das universidades. Pois bem. Certa feita o filósofo jônico Tales caminhava pelas ruas de Mileto como sempre, olhando para o céu e fazendo seus calculos sobre a existência do mundo, quando caiu numa vala profunda que havia na trilha. Logo a seguir vinha duas donzelas ricas da Côrte, tôdas empetecadas com aqueles vestidos longos e rodados, bordados a ouro, luvas brancas segurando sombrinhas rendadas, e pararam ante o buraco olhando o filósofo lá embaixo, rindo e dizendo: “Esse aí se preocupa tanto com as coisas do céu que se esquece de olhar para os buracos embaixo de seus pés…ha…ha…”

Bem… se passaram quase tres mil anos e pergunto: Quem eram as donzelas? Quais os seus nomes? O que fizeram que ficou registrado na História? Um minimo feito qualquer…? Eram vaidosas porque o povo da época as achavam belas, mas existe alguma estátua delas em alguma praça de Atenas ou algum museu do mundo? Não adianta: o corpo material e seus pertences materiais desaparecem para o sempre. No entanto, a olho nu a mente de Tales se aprofundou tanto na Natureza que arrancou de seu mais íntimo rincão o tijolinho básico que constitui sua existência: o átomo! Sim, Tales foi o, primeiro homem no mundo a sugerir o nome “átomo”, o qual seria universal. Passaram-se tres mil anos mas as crianças de todos os quinto graus de todas as escolas do mundo aprenderam que existiu um homem que se chamava Tales de Mileto, pois todo mundo aprende que existe o átomo. Sua estátua e sua figura se espalha por museus, praças e livros. A mente humana mal está nascendo mas a sua constituição e seus feitos, mesmo quando ainda na sua infancia, têm um destino diferente do corpo e pertences materiais: ela será levada pelo homem na sua aventura cósmica para espaços e tempos inimagináveis, talvez até mesmo sendo recordada ao infinito.

Claro que este hino à mente estimulando mais seu uso que o apêgo a coisas materiais tem aqui um propósito “matricial”: tudo é válido no sentido de liberta-la da escravidão do Admiravel Mundo Novo que se avizinha, onde a menção da palavra “filosofia” poderá ser considerado o maior sacrilégio pelo Grande Irmão. 

 

 


U.S.A: Copyright Washington n. 000998487/2001-02-20 | Brasil: Reg. Dir. Autorais - Brasília n. 106.158/11-12-1995 | Louis Charles Morelli