Archive for the ‘Messages from Matrix/DNA’ Category

A Suprema busca existencial: ” Que é… EU ?!”

Wednesday, January 13th, 2021

Nesta prisão por esta pandemia, quando às vezes não temos o que fazer do nosso tempo”, eu resolvi experimentar, inventar uma meditação diferente de todas as que ensinam. E para minha surpresa esta meditação me levou a um mundo jamais imaginado, que, tenho certeza, vai ser relembrada em muitas futuras ocasiões. Eu daria tudo para ver outro humano tentando copiar essa experiência para ver onde ele vai dar… Se alguém se voluntariar, vá para a cama, apague a luz, deite relaxado, feche os olhos e comece, sentindo isso… :

Escuridão total à minha volta. Tudo negro, à frente, aos lados, acima, abaixo, atrás… sou cego. E não sinto mais nada…

O que é este cego, o que sou EU?

Uma palavra soa em mim: sensação. Eu sou uma sensação. Eu sinto. Sinto existir, ser. Ser… sou… alguma coisa, que não consigo entender. Então… s e n t i m e n t o… Sou uma sensação, uma coisa que sente sentimentos.

Sinto que estou pulsando. Isso vem de uma respiração que está acontecendo. Estou sentindo uma coisa, ligada a mim, que está respirando, me alimentando com energia, ar. Sinto que esta outra coisa está sentindo pressão de outra coisa, um peso, vindo da escuridão. Gravidade! Então tem mais coisas na escuridão…

Mas continuo cego, às escuras. E pior: sem poder me mover, entrar nesta escuridão, sair daqui, me mover. Mas como? Se não me sinto como algo real, nem vejo a minha substancia que me faz existir, como algo, como um corpo?

Estou me inflando, me energizando ou usando a energia que estou recebendo, tendo uma vontade, de apalpar a escuridão, de me mover na direção da escuridão. Mas como, se não tenho mãos para apalpar nada, nem pernas para me mover?

Epa!… Epa!!!… Apareceu uma luz! Luz! Um … milagre? As trevas sumiram, a luz me mostra o que existe, apareceram algumas coisas, onde era total escuridão!

Apareceu um lugar, um espaço, um mundo, cheio de coisas. Coisas que tem substancia, são feitas de uma substancia. Vou dar o nome a ela de “matéria”.

E agora? Que faço? Não posso me mover, tocar essas coisas, fico aqui parado só observando coisas?

Todas estas coisas estão cercadas por uma das formas dessa matéria, vou dar-lhe outro nome: “paredes”. A luz não vai além das paredes. Não mostra o que existe além delas, se é que existe mais alguma coisa.

Bem,… se tenho que ficar parado observando, vou me entreter dando nomes a estas coisas, nem sei para que?… “isso vai se chamar cama” , “isso será forro”, “mesa”, “estante”, “roupa”… e outro objeto aqui… muito perto de mim… vai se chamar “corpo”…”corpo de carne”… Tudo inerte, nada se move, de onde vieram estas coisas, o que as produziu, para que estas coisas estão aqui?!

Se eu não posso me mover na direção delas e elas não se movem na minha direção?! Não sinto nenhuma conexão entre mim e estas coisas, sou como uma nuvem, uma fumaça, no meio destas coisas densas…

Bem, deixa-me organizar-me para tentar entender o que aconteceu, o que está acontecendo. Eu era uma percepção de existência, no meio da escuridão, estática. Aí senti que recebia algo, de uma pulsação: agora dei nome às coisas que estava recebendo: ar, energia, sangue. Havia um movimento ao redor de “eu”, existindo. Então me surgiu uma vontade, que reuniu aquela energia, e fez aparecer uma luz ao redor. Aí… não… mas espera aí… antes da luz aparecer eu senti que houve um movimento fora de mim. E foi na minha frente… e agora percebo… foi no corpo de carne perto de mim. Algum ponto neste corpo de carne, ao qual vou dar o nome de “janela”. Houve um movimento na janela, foi quando a luz apareceu. A minha vontade move janelas?! E movimento nestas janelas faz luz aparecer? E luz faz um mundo de matéria aparecer?! Que absurdo! Um milagre atrás do outro, sem um milagroso, fazendo aparecer coisas do nada, no nada?! Claro… isso tudo só pode ser uma ilusão em relação ao “eu” que existo e como me sinto ser.

Então a existência consiste em constatar a existência deste mundo feito de milagres? E… só isso?

Milagres, mundo de ilusões, isto o que essa luz me mostra? Está bem, vamos entrar no jogo, ver onde isso vai dar…

Estou cansado de ficar observando isso, tudo estático, eu estático, acho que vou me apagar. Melhor assim, deixar de ser essa existência absurda, incomoda, indesejável, insustentável, assistindo um mundo irreal… não tocando e nem sendo tocado por ele…

Estou me apagando? Estou me desfazendo dessa coisa de ser existente? Voltando para o nada absoluto, para ser nada?

Parece que meio sim e meio não. Porque algo novo está acontecendo comigo, está me surgindo uma capacidade de ver mais coisas, mas sem aquela luz, pois as janelas estão fechadas… será outra janela sendo aberta? Vou dar o nome a esta sensação de “sonho”. Então estou sonhando.

E estou vendo um baby recém-nascido. Estou dentro deste baby, sinto tudo o que ele sente. Um desconforto que me faz chorar, cegueira que me cerca tudo na escuridão. Por enquanto o baby é igual ao que sou antes do sonho. Tudo igual ao que sinto que sou. Apenas entrei em outro mundo, o qual também sou um observador esfumaçado mas dentro de um corpo de um baby recém nascendo. Nascendo num outro mundo, onde tem outra luz, outras coisas… mas uma grande novidade: se tento me desligar do que estou sentindo, percebo movimentos na escuridão, tem coisas se movendo, percebo pressões no corpo do baby…

Êpa!… me foi aberta outra janela?! A escuridão em volta do baby está se desanuviando? Estou agora vendo através de janelas do corpo do baby? Este sonho está ficando interessante!

Sim, e tem coisas aqui, corpos, que se movem, tocam o baby… não sei como, mas sinto… Que corpos interessantes! Tem tentáculos, se torcem e contorcem, se viram, tem duas janelas… e tem um buraco embaixo das janelas que se abre e mostra outras coisas lá dentro… emitindo mais uma novidade que aparece… vou dar os nomes de “som”, “ruídos”, “vozes”… Este mundo tem som, ruídos… muito interessante! O baby está se perguntando de onde veio tudo isso? Do nada? Das trevas? Ou existe algo mais, muito mais, do que percebo, que produz estas coisas todas?

Ai…, ai… que sensação ruim… de onde vem? De baixo… Estou vendo: os tentáculos estão mexendo numa parte do corpo do baby, vou dar o nome de “pés”. Mas o baby não tem consciência do seu corpo, apenas está sentindo, também não sabe de onde e porque vem a sensação incomoda… O baby sente uma vontade de parar aquela sensação, a vontade reúne energias, e parte do corpo do baby se encolhe, saindo fora do alcance dos tentáculos da coisa movente com duas janelas.

Uau! O baby percebe que tem o poder para fazer isso! Mover matéria que está longe dele! Ele tenta repetir olhando a matéria da cama mas não consegue mover nada, nem o travesseiro. Então ele tenta mover partes do corpo de carne e… sim… ele consegue… aqueles pés, aquelas mãos, estão sob seu poder, são dele!. E o baby passa horas se curvando para as mãos pegarem os pés, mexer neles, e ri muito com isso. Que baby boboca! Se divertindo com os próprios pés! Que sonho interessante.

Quando penso nisso, lembro que estou tendo um sonho, de repente percebo que…

Mas… espera aí… eu estou vendo um corpo de carne perto de mim assim como o baby viu. E o baby moveu o corpo, se moveu a si mesmo! Então será que se eu quiser movo também este corpo e vou conseguir me mover no meio desta matéria? Apalpar coisas?

Sim, o corpo de carne está se movendo… e sob o meu comando, minhas ordens, minha vontade! Eu existo!!! Eu sou!!!

Sou de fato um baby boboca, mas não interessa, descobri que sou algo real!

Ou melhor: sou igual, sou parte das coisas do mundo que se escondia nas trevas, não sou de matéria, mas faço parte do mundo feito de matéria!

Mas não tenho, não sou matéria igual a tudo que está neste mundo. Não consigo sentir de qual substancia é feita meu corpo. Nem janelas próprias de ver eu tenho, preciso de janelas do corpo carnal, para através delas, ver uma luz e um mundo…

Entendi tudo! Eu sou, eu existo, mas eu sou um embrião de um baby. Cego ainda. Preso, prisioneiro dentro de uma cela, uma caixa craniana. Estou sendo nutrido, cuidado, recursos abstratos imateriais devem estar vindo de fora, não sei de onde, como, mas deve ser assim como o cérebro, esta placenta, está recebendo nutrição vindo de fora. Estou me mantendo e sendo mantido para ficar inativo, cego, dentro da casca óssea de um ovo chamada crânio e no meio de uma placenta chamada cérebro. Mas não inativo total, parece que a minha disposição existem um fios, uns cordéis, posso mover extensões desse corpo de carne e osso, como a uma marionete, posso “chutar a barriga do mundo externo”.

Embrião! Embrião ou feto? Preso e na escuridão, ignorante da sua substancia, e até da forma de seu corpo, se é que tem um corpo abstrato. Como um holograma? Se ignoram o mundo relacionado á sua substancia física, o mundo feito com a mesma substancia que eles são feitos… estão fora do mundo que estão sentindo, em que estão dentro… Assim descrevo bem o que sou, o que é este “eu”.

Mas então o que foi tudo isso de uma luz aparecer, um mundo material aparecer, eu me movendo e sendo movido? Um feto, um embrião não tem nada disso. Raios… o que está acontecendo comigo?

Já sei!… Descobri…!

Sou um feto que está sendo nutrido, cuidado, por recursos vindo do mundo igual a minha substancia, o qual ignoro totalmente, como todos os fetos. Mas como um feto, estou esperando, e sonhando. Nos meus sonhos estou dentro de um corpo que funciona como um carro, um veiculo. Sou um motorista cego que posso mover minhas mãos, apertar um botão no painel desse veículo, ele acende os faróis, a minha cegueira e a escuridão desaparecem, e vejo coisas na frente, cercadas por paredes, estou dentro de uma grande garagem. Não sou eu quem vê, e sim o carro, mas consigo me “encarnar” no carro, sentir o que o carro sente, e assim consigo ver o que o carro vê quando acende seus faróis… Interessante!

No sonho me vejo com mais vontades, as quais movem coisas do carro, o carro se move dentro da grande garagem, para a frente, para traz. Vejo uma base de abastecimento para o carro, dirijo o carro, abasteço-o. Parece que cresci, deixei de ser um feto e sou um adulto dentro de casa, me abastecendo na geladeira, a garagem é minha casa.

Agora volto do sonho, me desligo do carro, sou o “eu abstrato” novamente. As dadivas que estou recebendo não sei de onde vem, na minha escuridão sem olhos, mas essa dadiva me incentiva a vontade, a compreensão, de que devo fazer dadivas, e assim repassa-las ao corpo de carne. Aplicar minha inteligência para melhor abastece-lo, cuidar e protege-lo contra acidentes, etc.

Como o “eu feto” nada mais pode fazer a não ser esperar… esperar o que o tempo vai fazer comigo, esperar se vou receber a visita das coisas ocultas que estão cuidando de mim e fornecendo a energia que transformo em minhas vontades… vou me entretendo cuidando deste corpo, e nisto vou aprendendo um monte de coisas do mundo material.

Espera ai… A única vontade que estou conseguindo expressar e obter resultado é a vontade desse sonhar… Na verdade ultima sou o “eu feto”, que não está dirigindo carro nenhum, nem um corpo carnal… fetos não podem se moverem. nem podem ver luz, e nem um mundo revelado por alguma luz.

Então o que está acontecendo?!

Enquanto espera, o feto sonha. Um sonho onde ele dirige um corpo carnal, complexo, como se fosse um robot, ainda meio desengonçado, de geração atrasada, que não obedece direito os comandos do baby sonhando, mas vale estar sonhando este sonho, isso entretém o baby, digo, o feto, enquanto espera. Neste sonho eu me vejo e me sinto um agente se movendo e atuando sobre o mundo material. O sonho parece prazer sadomasoquista pois não tenho controle total nem sobre o meu computador-robot nem sobre o mundo material externo… assisto muitas muitas coisas ferindo o corpo do baby sem alcançarem o eu que sonha, mas prefiro assim, sofrendo um pouco, sentindo as dores que o computador-robot sente, prefiro esta forma de gastar meu tempo de espera. Não tenho melhor alternativa.

O que me satisfaz nesta existência é que assim aprendi que babyes nascem, para um mundo externo, uma nova luz, feito com a substancia que eles são feitos. Então sei que minha hora de nascer vai chegar, e vou nascer para o mundo feito com a substancia de que sou feito. Deve ser outro tipo de luz, outra dimensão. O mundo dos fetos é temporário, é a ilusão de que aquela limitada prisão seja toda a realidade, este mundo ilusório é sempre descartado como a placenta… quando então vemos a luz no fim do túnel…

FIM

O interessante no arremate final dessa meditação foi constatar que nela tudo bateu com os milhares de relatos de pessoas que tiveram experiências de quase morte. Sentem-se apenas como consciência, flutuam no espaço, veem uma luz num túnel, etc… e voltam falando que esse mundo é ilusório…

Como detectar e lidar com seu dom

Wednesday, January 6th, 2021

Inspirado no artigo:

“Honre o dom”

Por Eliza Lucinda – Colunista da ExtraClasse.org.br

https://www.extraclasse.org.br/opiniao/colunistas/2003/10/honre-o-dom/

Meu comentário postado no artigo:

Você gostou de uma ideia da sua mãe, acreditou e tentou obedece-la; sua mãe ouviu essa ideia do avô, ou de algum mestre de yoga, gostou, acreditou e tentou seguir. O conceito de dom, a sua definição é isso: nada que tem existência real possível de ser captada pelos nossos sensores. Mas tem pessoas apresentando um comportamento não lógico e racional, como Mozart compondo sinfonias aos nove anos, Einstein sentindo a substancia da luz, etc. Qual a força material que atuou no DNA dos pais de Mozart e Einstein produzindo essas mutações na genética hereditária?

Ninguém viu essa força, só podemos elaborar teorias, e precisamos delas porque temos de lidar com algo que realmente está acontecendo e influenciando a vida da humanidade. Chegar primeiro que o Big Brother com sua aristocracia buscando o gene que imprime no povo o dom de ser escravo automático e dócil.

Eu tenho minha teoria e minha pesquisa. A causa dos dons se revela na formula universal dos sistemas naturais. Como descobridor da formula, o único que a conhece e entende, para explicar qualquer detalhe revelada por ela eu teria que contar a História Universal revelada por ela desde o Big Bang até aqui. Impossível sem um longo curso, mas então, tem como resumir numa frase algo que dê para se ter uma ideia do que é e como surgem os dons humanos? Vamos tentar.

O corpo humano é um sistema natural desenvolvido pela vida que foi produzida por um sistema natural. O processo progride tornando uma quantidade de indivíduos de mesma espécie de sistema natural em partes, peças, de um novo sistema mais complexo. Os genes tem isso no momento da fecundação, que vai construir órgãos com específicos dons, separados para executarem especificas funções. Então o sistema ( astronomico) que produziu a vida aqui e desenvolveu o humano no simples processo de se auto-reproduzir aqui, tem detalhes que serão impressos automaticamente em indivíduos humanos, para executarem certas funções necessárias do sistema. Dito isto, resta ao humano que adquiriu consciência própria, decidir se o dom determinado pelo sistema vai ser vantajoso ou não em sua vida, para o bem ou mal da humanidade, do meio-ambiente, etc.

Por exemplo, a maioria dos dons da maioria dos humanos são perniciosos aos humanos porque o sistema que produziu a vida aqui funciona como uma maquina semi-biológica que não tem consciência e ela tem a tendência de se reproduzir aqui, de onde surgiria o Admirável Mundo Novo administrado pelo Big Brother, uma morte total á liberdade de consciência e evolução do humano. Mas tem dons necessários e bons porque nosso corpo e nosso meio-ambiente precisa funcionar em estado de ordem como o que existe no sistema criador, uma máquina quase perfeita. O dom de ser predador-jogador de cassino do investidor de Wall Street influencia negativamente a vida dos operários das fabricas e toda economia global conduzindo a humanidade a reproduzir o sistema criador. O dom de pensar fora da caixa e lutar por causas indesejadas por grupos leva ao martírio, esse sistema criador tenta expurga-lo, mas esse dom ao nível da mentalização veio de outro sistema anterior, além do astronomico, e mais complexo, porque vemos que dele vem chegando essa substancia da consciência. Por isso gosto mais de muitos fracassados e menos de muitos sucessos aclamados pelo publico alienado da verdadeira e cósmica História. Porque tenho de gostar de mim mesmo, um pensador fora da caixa, um perdedor por opção que está sendo espezinhado de toda cruel maneira pelo sistema dentro da máquina inconsciente.

Os mestres antigos de cérebro ainda virgem captavam estes detalhes vindo do sistema superior, como a existência dos dons, mas aquele sistema não ensina biologia, ou sobre a existência da formula natural universal produtora de sistemas materiais, etc., por que isso exige um cérebro com hardware de mais avançada tecnologia. Por isso mistificavam estas intuições genuínas, elaboraram de coisas como os dons as fabulas atraentes que cativou sua mãe. Orai (praticai) e vigiai a respeito de seu dom, ele pode ser seu ticket para instalar o paraíso de seu corpo físico e ego que será o inferno para nossas próximas gerações… ou pode ser o ticket para a salvação de ti como consciência, livre para conquistar o Cosmos e se aproximar do sistema que será melhor para sua existência com consciência.

E qual a frase que resumiria toda essa cosmovisão na definicão desse fenomeno real que denominamos “dom”? É simples:”Nos somos 8 bilhões de irmãos-genes-semiconscientes que junto com mais zilhões de outros irmãos genes espalhados neste Universo estamos construindo este feto de autoconsciência cósmica. Como gene, cada humano é uma informação única, especifica, indispensável, indestrutível e uma missão intransferível, por isso temos que ajudar todos a serem livres e terem as condições materiais para cumprirem suas missões, senão ou esse feto será descartado num aborto prematuro e transferido para outra espécie, ou nasceremos todos em um, no Dia do Big Birth, como um baby aleijado E acho que nossos pais não vão permitir isso.”

O seu dom é sua informação genética universal. Mas os genes não tem a menor consciência de que estão produzindo algo, não sabem para que existem e trabalham. Pratique e pergunte sobre seu dom através de profunda e sagrada meditação, pode ser que do sistema criador consciente obtenhas a intuição correta. Eu não consegui porque meu pequenino cérebro ainda não tem o avanço tecnológico dos mestres místicos. Então, sugiro que simplesmente mire-se no exemplo do trabalho e sentido de existência dos genes para tomar suas decisões.

Message of New Year from Matrix/DNA world view

Friday, January 1st, 2021

My private investigation is suggesting that if – all human beings, included you and me – do not understand that it is obligatory a new and different world view, with its new values, as ethics, moral, final purpose, and life meanings, for beginning this new year, the countdown for humanity will be continued and 2021 will be worst, then 2022 will be worst yet, etc. No more lunch time. The planet, the Universe, the others life forms, all of them are furious with us… So, my private investigation about the known real facts of this Universal Nature changed my world view, which – the summary – is: ” We are 8 billion brothers/half-conscious genes that, with more zillions of brothers half-conscious genes in this whole Universe, are building this fetus of ex-universal consciousness, that began at the Big Bang and will finish at the Big Birth. Each brother-gene is a unique, specific, personal, not transferable, indestructible, genetic information. If only one human being or alien bother will not accomplish his/her mission, giving and materializing his/her information, all of us will be a unique hand caped baby. So, we need help everybody that is getting difficult in life, we cannot prejudice the life of nobody. Our head is the new egg, our brain is the placenta, inside which we are nurturing a genetic characteristic of this half-conscious fetus, and this whole agglomerate of galaxies called Universe, where each galaxy is a kind of living cell is merely the universal placenta nurturing the development of the creature that will reproduce the unknown thing that triggered the Big bang as an event of fecundation. I think that this world view will pit me in the right track, but, if other people do not turn to the right track, there will be a premature abortion of this Gaia contribution to the big baby and humanity could be discarded. So. sorry the long text, but I need talk my worries… If you want to know how was my method of investigation, and the results I got, search for theuniversalmatrix.com ( the site has no adds and is not selling anything)

Origem das “folhas” dos livros

Friday, December 11th, 2020

( texto escrito hoje no facebook)

Lição do Momento:

Porque as partes internas de papel, de livros e cadernos, receberam o nome de folhas?! Pensando bem, não tem nada a ver…

Quando o primeiro gajo viu e precisou falar do primeiro livro, e não existia nenhum nome, ele ficou olhando as laminas internas de papel e na sua mente veio uma associação bêsta com as folhas das arvores?!

Meio estranho não é?

Para mim, aquelas laminas de papel não lembraria em nada as arvores e folhas penduradas. Eu me lembraria antes, por exemplo, das escamas de peixes, cobras… Porque não dizemos: as escamas do caderno? A explicação veio de onde eu menos poderia esperar! No Wikipedia, em https://en.wikipedia.org/wiki/Palm-leaf_manuscript … Neste link interessante de ver, vamos aprender que há milhares de anos atrás, povos como os budistas hindus começaram a sentir a necessidade de inventar outro jeito além da fala para comunicar suas mensagens, conhecimentos, etc. Mas inventar o que, naquele tempo em que, para matar piolhos na cabeça dos filhos, as mães usavam um martelinho feito de pedras? Em que as “influenciadoras” youtubers altamente intelectualizadas dirigiam a juventude ao consumismo, destruição do planeta,… quero dizer… à elevação mental,… e se apresentavam cobrindo só aquele “poquinho” com folhas coloridas de bananeira? Para ganharem mais likes e tomarem o dinheiro dos desintelectualizados?

Como gravar as mensagens em algo que não fossem apenas os sinais eletromagnéticos sonoros da fala entre pessoas próximas, para pessoas distantes e para as próximas gerações?

Com o passar do tempo as “gatinhas da época” descobriram que folhas de palmeiras podiam ser tratadas no sol, secadas, e coloridas, até com flores, para seduzirem mais os gatinhos (e claro, na boleia destes vinham os gatões pervertidos e pedófilos). Vendo essas influenciadoras, os mestres monges budistas ficaram eletrizados, tanto pela imaginação do que estava escondido atrás daquelas folhas, quanto pelo inicio da ideia de que aquelas folhas podiam conter desenhos gravados de suas ideias! E claro, o machismo registrou que a invenção foi dos homens… só prá não contrariar a moda eterna, né?

Enfim, assim aconteceu de os textos sagrados da maioria das seitas antigas, como budismo, esoterismos, etc., que permanecem até hoje, serem gravados em sânscrito nas folhas de palmeiras, o que em inglês recebeu o nome de “palm-leaf manuscicript” (manuscritos em folhas de palmeiras). Por fim, no ocidente a velha técnica dos manuscritos foi desenvolvida pela criatividade tecnológica que emerge da mente evolucionista, ( ao contrario da mente conservadora religiosa que acredita que o mundo foi feito assim por Deus e nada tem que ser mudado, e isso atrasou a evolução da humanidade em milhares de anos) que produziu a imprensa moderna. Eu me queixo que os santos monges antigos, assim como os sábios filósofos gregos, que evoluíram em ética, moral e fraternidade, foram preguiçosos e arrogantes sem querer sujas as mãos na massa fazendo as experiências cientificas, enquanto estas experiências foram feitas depois por quem não tinha evoluído naquela ética, moral e fraternidade, devido sua nova religião, o materialismo Darwinista… Faltou a uns o que tinha nos outros.

Por isso prefiro a nova cosmovisão da Matrix/DNA descoberta por um tal zé-ninguém chamado Louis Morelli, que incentiva as experiências cientificas, a evolução, ao mesmo tempo que é fonte fantástica de valores éticos, morais e uma nova fraternidade humana… mas isto é outra história…

Mas na frente das primeiras maquinas soltando aquele monte de laminas de papel o Gutemberg reclamou: “Raios, preciso perguntar aos clientes quantas destas escamas internas eles querem e, principalmente as madames, ficam furiosas, dizendo que elas estão satisfeitas com a pele delas assim, e não são lagartixas para quererem escamas… então como vou perguntar, que nome dar a isso? Bem, eu copiei tudo daqueles velhos gagás antigos, eles chamavam isso de folhas, e folhas parece um nome romântico, então tá aí! Daqui para frente o produto que faço vai se chamar livro, composto de capa e … folhas!”

Hoje as pessoas modernas manuseiam os livros e falham em folhas, em desfolhar as paginas, ou “vai na folha 47…”, sem que suas mentes façam nenhuma associação com o outro significado da palavra folha, que são aquelas coisinhas lindinhas verdinhas penduradas nos galhos das arvores. Daí que a mãe na cozinha pede para a criança estudando nos cadernos na sala: “Me traz uma caneta e folha aí…” A criança vai correndo ao abacateiro no quintal e traz uma folha para a mãe, com uma caneta… Eu sempre disse que as crianças são mais pé-no-chão, mais racionais, que os adultos…

Quando eu me perdi na selva amazônica e comecei a regredir ao estagio do macaquico, dos bistataravôs dos meus bisavôs, e a me conectar psiquicamente com plantas e animais, ao caminhar abrindo picada no facão, algumas palmeiras me cortavam todo com as bordas das suas palmas. E num dia quando quase fui degolado na garganta, ralhei com a palmeira, enfurecido. Nisso me parece que ouvi uma voz vinda da infeliz dizendo: ” Faço isso porque vocês humanos me traíram, cospem no prato em que comeram, pois eu, minhas palmas, fui a criadora e inspiradora do nome folhas, de seus cadernos, mas vocês infiéis traidores só pensam nas folhas das árvores, só porque são maiores que eu. Aquilo não era para chamar-se folhas e sim “palmas”! Vou continuar te cortando a bunda toda sim!”

… As palmas dos livros, dos cadernos… Para um extraterrestre isso soaria esquisito, mas extraterrestres na selva já me disseram que é muito esquisito quando nós, humanos, mostramos laminas de papel e dizemos “isso são folhas”… Aí eu respondo: ” Não liga não, nós humanos somos todos atrapalhados mesmo…”

Reparem que num desenho na Wikipédia, os livros antigos eram na forma de leques…

E por isso se inventou as estantes cheias de livros nas salas dos ricos. Quando estavam na rua com muito calor, principalmente as madames, entravam nas lojas e compravam aqueles leques ( contendo manuscritos que descreviam verdades sobre os mais profundos mistérios do mundo reveladas por deuses alienígenas) sem nunca olhar o que estava escrito nas… palmas… e quando chegavam em casa botavam na prateleira. E como tinham capas coloridas, visual bonito, acharam chique, das prateleiras fizeram estas estantes, e os menos avisados quando entram nas salas destas mansões pensam… ” Nossa, esta família deve ser muito letrada…”.

Livro com receitas para fazer cocadas do Rei Davi

Mas e eu estou gozando o que, dos novos-ricos semi-analfabetos? Se faço pior, pois sempre disse que faria um livro botando todas as descobertas que fiz na selva, e quando cheguei na velhice sem o tal livro e tenho tudo bagunçado num website, digo para as pessoas que me perguntam do livro, que o livro esta invisível no meio do website: “É um livro sem capa que para ser livro só falta as paginas….”

LEMBRE-SE DA LIÇÃO DE HOJE:

LIVROS NÃO TEM FOLHAS, NEM PALMAS, NEM ESCAMAS, NEM SOLAS DE SAPATOS,… TEM PAGINAS!

Filosofia e a mensagem da Matrix/DNA aos seus estudantes

Wednesday, December 9th, 2020

Aos estudantes de Filosofia que vem da classe média e tem tempo e ambiente caseiro apropriado para estudarem, a minha mensagem é:

Parabéns por terem as condições de ter um ambiente para a absorvição do conhecimento intelectual. Mas… na minha incompleta opinião, se você ama a humanidade e deseja a ela algum futuro, alerte seus alunos, principalmente os homens, a não procederem assim. Se a Filosofia trabalhar assim ela vai ser passiva à natural tendência para a imbecilidade e esta imbecilidade da humanidade vai eliminar a Filosofia. Para evitar estas tragédias a Filosofia teria que, além de absorver intelectualmente o que já foi aprendido pelos filósofos anteriores, impulsionar a busca por mais conhecimento.

E isto se dá de duas maneiras: sair a campo estudando os fenômenos e eventos naturais, e/ou buscar conhecer tudo o que a humanidade conhece hoje, cientifica e empiricamente, e tentar conectar tudo de uma maneira diferente de todas que os outros filósofos aplicaram, para obter um grande novo quadro geral, uma nova cosmovisão. A qual será a teoria que guiará as próximas buscas cientificas e empíricas. Se eu tivesse tido a sua sorte de ter tempo e um local para trabalhar limpo e organizado iria morrer com o azar de não ter produzido nada novo, apenas ter escrito um monte de livros sobre os outros filósofos. Outro fator determinante é o filósofo manter-se ligado à academia, pois eu produzi algo novo para ser desconhecido e perdido porque nada, nem a academia, teve conhecimento desse algo

A Terra e a Humanidade estão grávidas, portanto, perdoai e tolerai-as.

Tuesday, December 8th, 2020
See the source image
Clarice Lispector

Clarice Lispector disse:

” Amanheci em cólera. Não, não, o mundo não me agrada. A maioria das pessoas estão mortas e não sabem, ou estão vivas com charlatanismo.”

E eu respondo:

Louischarlesmorelli: comentou em dez/08/2012

https://www.instagram.com/p/CIhFEHfjjsJ/

Errado conhecer apenas a Terra e falar “o mundo”. Uma mulher gravida não cuida de proteger e dar boa vida às bactérias habitando sua placenta, assim a Terra, que está gravida de um germe de estrela em seu núcleo, cuida de seu feto, e não de humanos. Nela tudo está se transformando sem considerar as “bactérias humanas”, e isso não pode nos agradar.

Esta biosfera foi iniciada pelo estado do caos e continua mais em caos que ordem ( quem duvida faça como este filosofo naturalista que vai aprender assistindo a carnificina na selva virgem amazônica), portanto somos filhos do caos, os outros humanos filhos do caos também não podem nos ser agradáveis.

O segredo é saber sobre Gaia e sua camada de inconsciente coletivo formada de bolhas de fetos de autoconsciência dentro das cabeças dos humanos, o que faz Gaia se controlar como planeta assim como humanos tentam controlarem seus instintos animalescos herdados do caos. Observando assim de um ponto evolutivo mais elevado, nos tornamos mais tolerantes e até agradecidos para a Terra grávida de uma estrela e humanos grávidos de uma consciência cósmica, como o marido bobão fica enternecido cuidando e tolerando as maluquices e caprichos da sua esposa gravida. Não vá pela cabeça de Clarice, ela não sabe o que é este mundo nem humanos. A Terra e os humanos, são o que seria se eu tivesse uma esposa gravida, a ela eu perdoaria tudo, atenderia todas suas chantagens emocionais sem julgar como charlatanismo.

Procurando conectar sua mente à mente cósmica (Deus?) e não seu corpo ao corpo de Deus

Tuesday, November 17th, 2020

Quando o velho indio meu amigo na selva entrava em estado alterado mental e narrava estranhas visões, a primeira coisa que dizia é que o mundo, o espaço todo é muito branco, claro, luminoso… ou seja, existiria um pano de fundo constituido apenas de luz neste universo material. Como filosofo naturalista eu era extremamente racionalista, o que, nestas situações ignora a questão “acredita ou não acredita”, vamos ver se existe um jeito cientifico de testar isto. Enquanto não descobria este jeito, abria outra area de pesquisa, sobre como o cérebro humano produz estas imaginações, ou como funciona os estados alterados do cérebro.

Vinte anos depois minhas pesquisais gerais se tornavam uma teoria do tudo que sugeria que o universo material começou com um evento instantaneo de fecundação, que eu chamei de Big Bang, pegando o nome emprestado das teorias dos cientistas. E a minha teoria sugeria lógicamente que do Big Bang emergiu uma onda de luz que se propagou no espaço total hoje ocupado por matéria. Então, 20 anos depois me lembrei do indio meio-adormecido na rede depois de tomar suas beberagens alucinogenas que causavam seus estados alterados que eu testemunhava quando ouvia de sua voz estas narrativas estranhas, narrando o pano de fundo luminososo do Universo. Seria uma luz tão intensa como quando na noite escura bate o facho de luz de um farol cegando nossos olhos e vemos tudo escuro. Viveriamos assim, como cegos, mas enxergando a matéria iluminada por luzes de segunda ou terceira geração como das estrelas. Mas por enquanto, para o filósofo, são hipóteses racionais, logicas, porque tem um caminhão de evidencias apontando nesta existencia e se isto existe alinharia o mundo material numa lógica natural, porem ainda são teorias, a serem testadas…

O tempo foi passando e eu, pesquisando, encontrando milhares de evidencias para estas hipóteses, o que não me autorizava a nenhuma conclusão responsável. Por exemplo, evidencias arroladas são como o védeo que mostra um relampago de energia ocorrendo dentro de um óvulo no momento que um espermatozoide se funde com o nucleo onde está o gameta feminino,… parece um Big Bang… e todo ovulo é iluminado. Mas aqui o interior do óvulo parece continuar escuro, a liz parece ter-se ido, a não ser que ela esteja nos cegando. Mas ela pode realmente ter-se ido, e a luz do Big Bang tambem…

Dez anos depois, estudando ondas de luz e as faixas de luz que emanam das radiaçoes de elementos materiais, refletidas na tela do compitador como “o espectro eletromagnético”, intui surpreso que a senóide da onda à medida que se propaga a partir de sua fonte, imita exatamente a propriedade da energia que se propaga dentro do corpo humano após ele ser medido a partir de sua fonte, na forma de baby. A energia na luz varia em faixas de intensidade na mesma sequencia que varia a energia dentro do corpo humano em novas formas ao longo de seu ciclo vital. O que significava isso? Certamente não era mera coincidencia, pois duas sequencias de eventos em dois diferentes objetos, nunca seriam exatamente iguais, se ambas fossem emitidas ao acaso. Havia um terceiro elemento, escondido aos meus sensores, com certeza, provocando aquela semelhança.

Isto me levou à mais estranha idéia da minha vida: ” Existe ou existiu uma onda de luz original que funcionava como um… ser vivo! Pois ela se movia, expandindo-se, movida pela mesma força que expande os corpos dos seres vivos,… digamos, a força ou processo do ciclo vital, ou ainda, principio vital. Essa onda de luz original tambem tinha uma anatomia interna, como tem os corpos vivos. Essa anatomia ia aparecendo como faixas de frequencias diferenciadas, à medida que a onda crescia. Mas ao invés de serem orgãos de um corpo como são as diferentes secções dos seres vivos, estas faixas diferenciadas eram suas formas diferenciadas, como as diferentes formas dos corpos vivos constituem seus ciclos vitais. Ao invés de figado, estomago, coração, a onda de luz era constituida das formas de baby, criança, jovem, etc. Até a ultima forma, a de cadaver se fragmentando, a onda tinha, quando ela se fragmenta em suas particulas, os fotons. Como essa onda de luz original existiu antes dos corpos vivos materiais, ela foi a precursora primeira da classe dos seres vivos. E se ela surgiu com o Big Bang, e com certeza o Big Bang foi produzido por algo ou um mindo que existia antes, sendo ela um ser vivo, aquilo que a gerou deve ter tido …. “vida”! Sim, essa onda não teria criado-se como viva por magica, a partir do nada.

A seguinte surpreendente descoberta é como um sistema natural surge um ambiente, já pronto, montado e funcionando, como por exemplo, os sistemas celulares, os sistemas estelares, atomicos, etc. Acontece que estes sistemas não surgem. Eles vem das transformações de outros sistemas já existentes. E como surgiu o primeiro sistema? Foi o sistema atomico, ou as superparticulas como protons, eletrons, já eram sistemas fiuncionais em si mesmos? Qual foi o primeiro sistema?

Foi a onda de luz original. Porque se as faixas da onda, que são sete, forem separadas entre si, cada faixa continua com atração pelas suas duas vizinhas na sequencia que era na onda, e quando se juntam as sete faixas se tornam as sete partes, ou sete peças, de um sistema natural completo e funcional. Assim como se fixar-mos sete formas do corpo humano ( forma de embrião, baby, criança, etc., ) e levar-mos estas sete formas para uma casa, ali teremos o sistema familiar completo perfeito. Cada forma, parte ou peça, executa uma funçaõ especifica necessaria para um sistema inteiro funcionar.

Então pensemos no primeiro atomo. Todos se lembram nas aulas de Ciências do ginasio, o desenho de um atomo como um nucleo central rodeado por seis aureólas, como camadas eletronicas. O professor escrevia no quadro aquelas formulas S1,S2, F3, etc.

Então vamos pensar que a onda original se dividiu no meio da dark matter de maneira que luz mais energia mais a substancia material formava aquele atomo. As sete camadas representam as sete faixas da luz. E os eletrons em determinadas camadas significam que estão expressando, materializando a função sistemica de uma faixa da luz numa camada eletronica. Assim, o primeiro sistema no Universo foi a onda de luz e que evoluiu para sistema atomico, o qual produziu o sistema estelar, galactico, celular, cerebral… oi seja, todos os sistemas naturais são um unico sistema, são copias evoluidas de um sistema original. Inclusive o sistema conhecido como unidade de informação do DNA

Se a onda de luz original com todas suas propriedades vitais continua como pano de fundo deste Universo, se ela está copiada como unidade de informação do DNA, ou como sistema galactico, celular, etc. … o que há para se concluir?

Existem os fractais de Mandelbrot.

Mandelbrot set

Mas os fractais de Mandelbrot são derivados da matematica como figuras geométricas apenas. Porem agora descobrimos que o mundo é um conjunto de fractais… vivos. A onda de luz original é o fractal maior, o atomo é o menor, e todos os sistemas intermediarios, nos seus varios tamanhos, de células a galaxias, revelam a hierarquia.

Apenas tenho uma teoria geral por enquanto. Se a visão do meu velho amigo indio estiver não tiver fundamento real…

Mas se tiver, a onda de luz original funciona como o genoma do algo vivo que deflagrou o Big Bang. O aparecimento da auto-consciencia nos 13,8 bilhões de anos deste Universo pode ser comparado ‘a expressão da consciencia nos cerebros humanos com 1 ano de idade. Porque a consciencia no baby não foi criada pelo cérebro do baby, pois ela ja existia na especie humana, nos pais do baby. Então, o misteriosos elemento vivo de antes do Big Bang, alem de ter um corpo com substancia luminifera, timha tambem auto-consciencia. Ou ainda tem.

Quando voce quer se comunicar com um ser que tem corpo e consciencia, sua mente se dirige à mente do outro ser. Está certo que digam que devemos procurar a luz, ser da luz, etc., mas se queres se comunicar com a fonte geradora disso tudo, procure falar de consciencia de um pequeno fractal para a consciencia do fractal maior.

Não se deixe enganar quando alguém fala a palavra “tempo”. Porque tempo não existe no mundo real e prejudica sua inteligencia. Veja esta prova.

Saturday, November 14th, 2020
See the source image

Eu provei que o tempo não existe graças a essa minha esquisitice de querer viver como eremita, longe de tudo. Antes de fugir para o meio da selva amazônica e lá ficar por uns sete anos, morava na capital de São Paulo e nos finais de semana pegava o carro e ia viajar pela estrada velha do litoral, subindo e descendo montanhas, até chegar numa praia que fica cheia de gente durante o dia e ninguém à noite. Então nas madrugadas debaixo do belo luar da lua cheia, e ao lado das montanhas, eu me tornava o lobo solitário, podia uivar à vontade para a lua cheia, ouvindo o eco batendo nas montanhas, e depois cair na areia em meditação profunda, tendo como fundo musical o som das aguas do mar.

Foi assim que eu consegui o que ninguém mais na região conseguiu: conhecer o “seo Hagamenon”, saber que ele existia. Ele era um eremita solitário vivendo num casebre de caixotes na mata da montanha ao lado. Fazia questão de esconder-se, por isso me disse que as vezes ficava assistindo do alto do mato da montanha o povão na praia, e à noite quando se certificava que não havia mais viva alma ele descia e achava muitos objetos uteis, até alguma comida, bebida, etc. Mas eu o peguei no flagrante por umas duas vezes, segurei firme o tubo de gás pimenta oculto na manga como precaução, cumprimentei-o, mas surpreso ele saia correndo para a montanha. Na terceira vez levei leitoa assada e garrafas de vinho, comemos e bebemos a noite toda, consegui doma-lo. Perguntei porque “hagamenon”, um nome incomum, dos gregos… e ele rápido corrigiu: ” Não, não é o Hagamenorn grego ( ele tinha um sotaque estranho e só então notei que podia ser “hagamenor” ). ” É a letra “h”, sozinha e minúscula, e separada do resto, que é “menor”: h…menor?! ” Sim, h minúsculo de hominho pequeno, sou o menor dos homens do mundo ( aqueles outros que são h maiúsculo), sou o “aaaa..não” de Deus sempre dizendo “aaa…sim, meu Deus”.

Até hoje quando me lembro da criatividade daquele louco quando estou dentro de um trem e caio na gargalhada sozinho até ouvir a mulher mineira do lado dizendo ao marido: “Esse trem é louco e tá dentro do trem…” Ao que o marido olha pra mim e responde: “Ele é mais fraco que eu. Qualquer problema e boto esse trem fora do trem”… Mas aí me certifico que o tubo de gás pimenta está pronto na mão para qualquer problema, faço o gesto de tocar violão e canto alto:

“Este trem que é o de verdade, na próxima estação…

Bota pra fora todos os trens otários que transportou,

Seja o otário um trem forte ou não…

E já não tá mais aqui quem falou…”

Claro, pois nessa altura já estava correndo para outro vagão.

Mas até parece que o velho h…menor estava esperando alguém na montanha para uma ultima confissão, pois uns dois meses depois encontrei seu cadáver desfeito na cabana. Depois que a policia fez seu trabalho e a cabana ficou abandonada, eu passei a viver nela nos finais de semana. Foi aí que descobri a prova que o tempo não existe.

Os praianos deixavam muito lixo na praia, de vez em quando o pessoal da prefeitura ia limpar, mas não limpava perto do mato. Da arvore que eu via os praianos durante o dia, notei um pequeno monte de lixo na orla da mata. Garrafas plásticas, marmitas de isopor e alumínio, até pedaços de cadeiras… A altura do monte estava no nível de um sulco numa pedra ao lado. Dois dias depois notei que o monte estava mais alto, a altura estava no nível de outro suco mais elevado na pedra, mais lixo tinha sido agregado. E assim foi por dias, meses, o monte cresceu muito, já estava mais alto que a pedra toda. Pensando naquilo tive a ideia que podia fazer um novo tipo de ampulheta para medir o tempo: riscando sulcos paralelos na pedra em toda sua altura sendo que a distancia de cada sulco era igual ao lixo que era acumulado em uma semana, eu podia contar as semanas passando, o lixo funcionava como a areia na ampulheta.

Mas no silencio sob o luar nas madrugadas em que ficava sentado observando o mar, pensei no tempo que corria e me obrigaria a sair dali para o trabalho na cidade, me veio a mente que algo se movia no mundo e estava ao meu lado, avançando…, era o “TEMPO”… um fantasma invisível …. brrrrr… Me lembrei da multidão de filósofos e cientistas queimando neurônios por causa deste fantasma que se movia ao nosso lado, por cima de nós, de dentro de mim, no meio das estrelas, quantas equações matemáticas tinham o tempo como fator concreto variável…

Lembrei dos sulcos que fiz na pedra como armadilha para pegar o tempo, dos relógios que registram o fantasma alado passar, e… espera aí,… o tal tempo que eu queria pegar no monte era bem visível e concreto, eram os praianos. O que o relógio registrava era movimentos do planeta, outro objeto visível.

Então que invisível era este? Nas equações e nas elucubrações mentais dos filósofos o tempo era uma força real, um agente influenciando o mundo material… agente invisível produzindo a evolução com tanta força que quando o tempo se chamava Paleolítico ele atuava tanto em cima de um macaco que quando ele mudou o nome para Mesozoico tinha transformado o macaco em homo sapiens!

Encantado com os filósofos e cientistas quando era criança, pensava que o nosso mundo estava sendo cozinhado dentro de uma panela que estava na cratera de um vulcão ativo invisível que nunca se apaga, e o fogo do vulcão era o tempo. Tudo começou como um caldo de ingredientes espalhados ao acaso e o tempo cozinhou aquele caldo tornando-o a sopa dos cientistas da abiogêneses que criou bolhas que foram as membranas das células e continuou cozinhando e assim existimos aqui hoje pulando devido o fogo do tempo queimando nossas bundas. Sim, a julgar pelo que concluíram filósofos e matemáticos o tempo é a força material catalizadora que cozinha tudo neste universo, transformando tudo.

Mas… não havia nenhum fogo invisível debaixo daquele monte de lixo e nenhum agente invisível trazendo todos os dias ás escondidas mais garrafas plásticas, mais restos de sanduiches, e agregando essas coisas encima do monte. O monte crescia pela ação de agentes visíveis concretos – os praianos – e a cada dia ficava mais velho porque contava mais uma volta da Terra, outro agente concreto. Eu, um inventivo humano que fui na pedra desenhar sulcos e chamando a pedra de “minha ampulheta” , era o único ali naquela praia e naquelas montanhas dizendo a palavra tempo. A Natureza, as arvores, as rochas, não sabem o que é isso. Dizia a palavra “tempo” ao invés de dizer que os praianos botaram mais garrafas em cima do monte enquanto um observador em Marte viu a Terra girar de maneira que quando ele começou a olhar as luzes de New York estava a 40 graus à esquerda da face do sol e quando ele parou de olhar as luzes tinham se distanciado e sumido de vista. Onde está alguma força invisível correndo, se movendo, no meio de tudo isto?

Não existe!

Por isso calculei que não é possível ao humano fazer viagem no tempo… glug… que?… (olha eu caindo na fantasia também repetindo essa palavra-cilada que desvia o racional da racionalidade) … quero dizer, não é possível ao humano viajar com uma metralhadora até a Galileia onde, segundo autores contam num livro, soldados romanos estão fazendo uma cruz e se aprontando para crucificar um cara que eu gosto muito, e com minha metralhadora não vou permitir! Não é possível porque o corpo humano dos que viviam ali tinham diferenças desses corpos humanos que agora estão fazendo esse barulhão, e o pior, tem alguém de salto alto fazendo tik-tok pra lá e pra cá em cima da minha cabeça no apartamento de cima. Por exemplo, nas células dos soldados romanos os cromossomas tinham um telomero mais curto que envelhecia a célula aos 50 anos, enquanto nas células da diva de sapato alto em cima da minha cabeça tem um telomero mais comprido que só envelhece aos 60… para ela ter mais dez anos para gastar mais comprando mais cosméticos por mais dez anos.

Viagem no tempo? Deixa a imaginação deles continuar viajando…

main article image
Physicists Say They’ve Come Up With a Mathematical Model For a Viable Time Machine
https://www.sciencealert.com/physicists-just-came-up-with-a-mathematical-model-for-a-viable-time-machine

O cara saindo daqui, com armadura de guerra, pegando sua capsula voadora, chegando lá com a metralhadora… durante a viagem iria perdendo as garrafas plásticas e restos de sanduiche que foram sendo acrescentados pela evolução no seu corpo, a armadura sumindo, sendo trocada por shortinho de couro de leopardo ( como desfilavam os soldados machões romanos), perucas desaparecendo, a pele muito branca se escurecendo, e até o tamanho do corpo sendo reduzido aos 1,50 mts de outrora… Pior: a metralhadora agora virou arco e flecha. Como enfrentar o exército romano? Assim ele não vai salvar nazareno nenhum. E depois quando quisesse voltar, onde ele iria achar as garrafas plásticas, os pedaços de telomeros, a peruca, que ele perdeu na viagem de ida?

Resumo: nada de viagens do tempo com corpos e maquinas físicas, não porque não temos tecnologia, mas sim porque o tempo não existe. O que existe é o agregado gradual de garrafas plásticas sobre o monte dia a dia, o planeta girando em torno de uma estrela… O que existe são os sulcos que fiz na pedra, a minha visionaria invenção que acreditei que iria medir os movimentos do invisível fantasma e ia de boca cheia falar que era o meu “relógio que filma o invisível chamado tempo e registra passo a passo o seu movimento!” Conheço bem estas teorias sobre as dobras do tempo, viagem no tempo saindo da terceira e passando pela quarta dimensão, etc, nas analisando tudo, tudo se resume a sequencia de movimentos de objetos materiais.

Como um erro no inicio gera uma cadeia de mais erros, inventaram o erro da ampulheta, para medir o tempo. Como pode representar o tempo que todos creem se move do antes para o depois, de baixo para cima, por areia se movendo para baixo?! Eu não sou trouxa de cair nessa cadeia de erros por isso minha ampulheta é um monte de lixo que cresce de baixo para cima…

Os humanos inventaram esse negocio de tempo para poderem viver em sociedade e se relacionarem, poderem fazer algumas coisas juntos. Começou em Belém do Pará quando um casal apaixonado nim parque procurava desesperadamente um jeito de se encontrarem novamente e então ela teve um brilho esplendoroso no olhar, porque uma luz acendeu dentro de sua cabeça e ela disse: Todo dia à tarde chove, por isso tiramos a soneca depois do almoço. Podemos ficar sem almoçar antes da chuva indo para o parque se encontrar lá, ou podemos ir quando a chuva terminar… Eram as primeiras idéias que levaram à invenção do relógio, dos números marcando dias e anos… diria o dono do botequim que não sabe organizar a sequencia dos eventos e por isso não sabe que esses números marcando anos existiam no ano zero de Jesus Cristo que existiu antes do casal existir em Belém.

Enquanto isso um pouco distante dali, na selva amazônica, um índio fala aos outros: ” As antas vão todas as noites para o rio nessa direção ó… quando a lua fica acima do rio e manda seu espirito tomar banho na agua do rio. As antas também entram na agua aproveitando a claridade e se rirem dos astronautas da NASA porque elas não precisam ter aquele trabalhão dos diabos para viajarem e pisarem na lua, pois elas pisam na lua apenas esperando ela descer aqui… Vocês acreditam que as antas acreditam que a lua lá de cima é igual ao espirito dela que veem na agua! Coitadas são muito mais burras que eu, porque sei que as duas não é a mesma coisa, a daqui é só o espirito, … kikiki). Mas então basta esperar que a lua desce aqui e nos que estamos no mesmo rio aqui e vemos quando o espirito da lua está se banhando, ai vamos correr ao nosso encontro com as antas que foi marcado pela lua e, … comer saborosas costelas de antas.”

Como saberíamos que enquanto a matéria do continente americano estava rolando e produzindo a corrida do outro na Califórnia, a matéria rolando no continente europeu estava aprontando outras coisas, como a revolução francesa? Se não tivéssemos inventado essa historia de contar as voltas do planeta em torno da estrela nunca saberíamos que a revolução francesa aconteceu antes da luta pela independência americana e que foi aquela que influenciou esta. O Brasil deu de -7 a +0 na Alemanha ( você leu certo, é menos sete a mais zero), antes ou depois de cair o sutiã da Jackson no show em Las Vegas? Nós precisamos saber essas questões, isso é cultura, é a forma como organizamos os eventos à medida que vão acontecendo, a quantidade de garrafas plásticas e restos de sanduiches que vão sendo agregados encima do monte na praia… e para isso inventamos os medidores de movimentos da matéria, para saber e entender a sequencia em que acontecem… não para captar um agente invisível no microscópio ou no telescópio e nem para medir um fantasma invisível que não existe. Esse fantasma produto da imaginação infantil enquanto a humanidade era criança se foi a muito temp…. opppps… ( lá ia eu escorregando de novo), …há muitas garrafas e sanduiches atrás.

Mas falando sério agora, quando uns anos eu era o ermitão na selva amazônica fazendo perguntas filosóficas à Natureza, certo dia a Mestra franziu o cenho e disse: ” Menino impertinente, não para de encher o saco com tantas perguntas… sabe de uma coisa? Vou te dar um oraculo que vai te responder todas as perguntas, e veja se me deixa em paz…” E num passe de magia apareceu na lareira um pequeno altar onde tinha uma figura, a face da Matrix/DNA ! A formula que apareceu no Big Bang como onda de luz tão forte que hoje banha todo este Universo e nos cega os olhos tanto que não podemos vê-la, essa sim, um agente invisível que atua e move tudo neste mundo. E nas respostas da Matrix/DNA havia conteúdos que me fez começar a desconfiar da existência do tempo dos matemáticos, e não só isso, que a Matemática não era a linguagem superior do universo, que ela só se aplica com eficiência às coisinhas do nosso mundinho, por isso ela continua aceitando erros como a variável do tempo que não existe, isso será corrigido quando a linguagem for corrigida e adaptada para mundos maiores. Por exemplo, na evolução, não foi o mais adaptado e poderoso dos repteis – o dinossauro – que foi selecionado para transcender o reino dos repteis e se alojar no tronco da arvore da evolução na forma dos novos e engenhosos mamíferos. Não… a Natureza olhou para aqueles bichões que só tinham crescido em tamanho e força, sem nada de ética, moral, amor fraternal, então Ela os descartou, como um galho da arvore a secar e extinguir, e voltou o tempo ao inverso, indo lá atrás na história da evolução dos répteis até encontrar um meio desajeitado que parecia um porquinho, o cinodonte, que ao invés de comer os filhotes saltando fora dos seus ovos botados fora, fazia até ninhos de espinhas de cobra para junta-los… E a Natureza sorriu, caiu de amores, e apontou seu dedo cósmico para a pequena e humilde criatura que tremia temendo os monstros dinossauros, e disse: “Tu desejarás construir estes ninhos cada vez mais perto de ti, um dia desejarás fazê-los mesmo até dentro de ti, e assim terás o ninho de placenta e manterás os ovos dentro, e te tornarás uma mamífera, a futura rainha toda poderosa deste planeta!”

Como então o tempo correu ao inverso?! Voltou do futuro para o passado na história? Para quem estivesse em outro continente tentando registrar a sequencia de eventos iria se ver em papos de aranha pois algo na evolução num continente não iria bater com as leis da evolução em outro continente. teria a seleção natural dos arrogantes evolucionistas selecionado ao contrario, elegendo o mais fraco? Nada disso. Na praia do seo h… menor, tem montinhos de lixo mais escondidos perto daquele que cresceu muito, neles os praianos não acrescentaram tantas garrafas de plástico. Em relação ao racionalismo linear da lógica matemática, o tempo segue em minha reta e do passado para o futuro, não pode fazer estas curvas e voltar atrás, por isso a matemática linear atual não se aplicará aos mundos maiores da vida… como os buracos de minhoca. Como fazer as contas até os dinossauros e depois apagar metade das contas, esconder um pedaço da reta, e voltar ao cinodonte, para daí pegar a outra estrada trilhada pelos mamíferos até chegar ao homo sapiens?

Mas tem muito mais nas respostas da Matrix/DNA como evidencias sugerindo que o tempo é um fantasma imaginário humano. Alias ela sempre usa outros termos, como cadeia de causas e efeitos, dinâmica, movimentos dos corpos, sequencias, etc., nunca ouvi ela pronunciar esta palavra, tempo.

Sábio era o seo h…menor, quando via aquele mundo de gente invadindo sua praia e se lembrava de 30 anos atrás ( digo, menos 30 voltas da Terra no Sol) quando não vinha quase ninguém e exclamava com saudades: “Lá se foi aquele tempo”.

See the source image
Por 30 anos Joaquim te xingou toda manhã por lembra-lo da fábrica. Um dia ele se aposentou, te botou asas, e te mandou ver se ele estava na esquina, e então mudou de lugar, e você retornou, não o encontrou e continua assim voando, procurando, por toda eternidade…

Ou o caipira que foi raptado e encaixotado numa caixa de cimento chamado apartamento no meio de uma parafernália de prédios e motores ruidosos, olhando pela janela, relembrando com suspiro e saudades as noites na rede da varanda, sentindo o cheiro da plantação crescer, dos sapos na lagoa coaxando, enquanto enrolava o fumo do cigarro de palha, e exclamando a maior verdade deste mundo … “Foi-se o tempo”. Uma verdade que só os filósofos e matemáticos teimosos ainda não enxergaram e continuam a enfiar fantasmas nas suas equações, que por isso estão desviando o ritmo da tecnologia humana artificial da sincronicidade com o ritmo da Natureza que também avança desenvolvendo sua tecnologia natural… Um dia ainda vamos levantar numa manhã sem sentir solo firme, sem ar para respirar, e quando tivermos caindo veremos a Natureza se distanciando por outra estrada, acenando para nós e dizendo: “Sinto muito, vocês pegaram o caminho errado, não é esse o indicado pelo universo atemporal, bye, bye…”

  • “Oh… meu… caia na real… o tempo já era…. sumiu na era que ainda se acreditava em Papai Noel…”

Diferença entre o humano animal e o humano transcendental

Wednesday, November 4th, 2020

O que Platão pensava ao concluir isso?

Pode ser que não, eu suspeito que ele pensava o mesmo que pensei e me levou à mesma conclusão, sozinho, há muitos anos antes, depois que encontrei a formula da Matrix/DNA. E este tipo de ver o humano está na base de toda vez que escrevo aqui o lema: ” Humanos evoluem em sintonia com a dinâmica da natureza universal quanto mais se auto-exorcizarem dos instintos herdados dos animais irracionais e permitem a expressão de informações encriptadas no seu DNA que expressam a consciência cósmica.”.

Ninguém é mais pratico na sobrevivência e conhecedor do que lhe interessa no seu ambiente imediato natural que os animais. Vivendo na selva observei e constatei muitas vezes que os animais irracionais eram melhores do que eu no conhecimento pratico da sobrevivência.

Então vemos hoje se repetindo na sociedade humana o que a natur5esza fez om a evolução na época dos dinossauros. Não foram os mais astutos, ferozes, mais capazes por que foram mais espertos antes, mais espertos e astutos porque conheceram mais do ambiente e foram sendo selecionados por adaptação, que foram promovidos a mamíferos. aquele que foi promovido, o pequeno réptil mais parecendo um porquinho, cianodonte ( ou cinodonte), que sofria tudo sempre perdendo para os repteis maiores, que transcendeu, e hoje está no tronco da arvore da vida que viceja no senhor da Terra.

Especializar-se em finanças, negócios, nas psicologias de controle emocional dos clientes, nas táticas para conquistar mulheres ou os mais ricos maridos é próprio dos dinossauros de hoje enquanto aprender e ser acessível à substancia da consciência cósmica produz os perdedores cianodontes de hoje. Praticamente não existe meio-termo aqui porque o processo de conscientização exige todo esforço e todo tempo do futuro eleito.

Resta a seguinte questão:

Qual é o mais sábio, em relação ao significado verdadeiro da existência humana: ser o favorito, o selecionado, o eleito a viver melhor agora ou o selecionado a viver pior agora?

Refletir sobre qual o verdadeiro tipo de justiça inspirado na empatia e tentar vivê-la, assim como exprimir todas suas virtudes, ou ser astuto felino como os irracionais? Isto só poderia ser resolvido se tivéssemos a resposta para esta questão: Existe vida da consciência após a morte do corpo físico herdado dos animais?

Nenhum humano pode saber esta resposta. O certo é que é impossível a qualquer humano deixar de fazer sua aposta, ou num, ou noutro. E seja qual for sua aposta, ele vai sempre viver crendo que já ganhou.

Eu escolhi apostar no sofrimento e humilhação agora do que me contentar em ser um simples e descartável animal astuto baseado nos resultados da minha investigação privada sobre esta natureza universal. Cheguei na formula da Matrix/DNA a qual sugere que o meu DNA tem 13,8 bilhões de anos – portanto nunca morreu desde o Big Bang até agora e nele está encriptada a onda de luz primordial que tem as informações para uma autoconsciência deste Universo… e quiçá, além dele. Mas que ninguém se deixe influenciar pela minha filosofia, porque eu mesmo não consigo provar sua autenticidade.

Todos deveriam fazer esta investigação? Não sei. Todos os vencedores de hoje passaram por cima dos fatos escolhendo rapidamente em que apostar sem perder o seu tempo. Exatamente como fazem todos os animais irracionais. E daí?

Como saber o significado da sua existência através da Filosofia criada por você

Monday, November 2nd, 2020

No Instagram, pafgina de O Filosofo, postaram esse cartaz de Seneca, o qual me levou ao comentario copiado abaixo:

https://www.instagram.com/ofilosofo_/

xxxxx

Photo by O Filósofo on October 30, 2020. Image may contain: 1 person, text that says '"CONSAGRA-TE À FILOSOFIA SE DESEJAS SER VERDADEIRAMENTE LIVRE NAO ESPERA o DIA SEGUINTE PARA SE MODIFICAR QUEM A ELA SE SUBMETE EÉ E FIEL, POIS, DE FATO ESSE MESMO SERVIR À FILOSOFIA LIBERDADE." SÊNECA ΤΑ NOVA ACROPOLE OrganizaçãoInternacional Organização'.

  • louischarlesmorelli – ( 11/02/20) – Muita gente, lendo isso, vai entender que deve sair lendo todos os filósofos. E no fim pode se tornar no máximo como os filósofos brasileiros que se tornaram repetidores dos filósofos com humor… e mais nada, arrastando multidões nas suas palestras. Eu sugiro diferente. Crie a sua filosofia fazendo diretamente à Natureza as sagradas perguntas: o que eu sou? De onde vim? Que estou fazendo aqui? Para onde vou? Todo dia tome um tempo no silencio para meditar nestas questões imaginando ver seu corpo na sua casa no seu planeta no seu sistema solar na sua galáxia, no seu universo, e retorne. Em paralelo leia os filósofos mas na sequencia histórica em que existiram, para assim aprenderes como foi a evolução do pensamento humano e saberes tudo o que se sabe, Eu segui este método e não me arrependo pois encontrei quatro respostas para aquelas perguntas que hoje me satisfazem plenamente. Porem nisso influenciou uma estadia na selva isolado para sofrer uma lavagem cerebral executada pela natureza virgem limpando todas as fantasias e mitologias que a cultura de 15.000 anos havia me sujado o cérebro. A Natureza, nossa mãe sagrada, não falhou comigo, e creio que Ela também não jogará dados contigo. Apenas lendo filosofia te tornará frustrado na velhice porque nenhum filosofo te responde aquelas perguntas. No final da busca, quando já me despeço desta existência, a Natureza me soprou esta frase, na qual estão, no meu entender, as quatro respostas: “Somos 8 bilhões de irmãos genes semiconscientes que junto com bilhões de outros irmãos genes espalhados neste Universo estamos construindo o embrião da consciência cósmica onde nasceremos todos em um. Hallelluya!”
  • Resumindo: Viemos do Big Bang ( um evento de fecundação) e vamos ao nosso Big Birth… quando todo este universo material será descartado como a placenta e dela emergirá o embrião que está sendo germinado do qual uma característica genética indispensável está no meio do seu cérebro placenta dentro do seu crânio-ovo… A Natureza toda está lhe dizendo – desde as estrelas que são mães atarefadas em amamentar seus rebentos planetinhas com seu néctar energético enquanto os mantem protegidos debaixo de suas longas asas gravitacionais, às galinhas que mantem seus pintinhos aquecidos sob suas asas, ás mães humanas que dão sua vida pela vida de sua prole – que ela também é uma mãe atarefada em te criar, e que o significado da sua existência está no meio desta Historia Universal, do seu Big Bang ao seu Big Birth.