Archive for the ‘Research by Matrix/DNA Theory’ Category

Existiria Gaia? E Ela estaria atirando virus microscópicos contra os virus humanos?

Thursday, May 20th, 2021

Ebola, Vaca Louca, Gripe Suina, Gripe Aviária, COVID-19, SARS,… uma história de bombardeios consecutivos e persistentes contra uma espécie… Um evento que se repetiu uma unica vez não foi produzido pelas forças caóticas do acaso, ele veio de alguma camada invisivel de alhguma faceta da ordem natural. Então qual será o rpincipio natural emitindo raios de sua força que se materializaram na forma destes virus?

Esta pergunta me surgiu quando li um panfleto no seguinte link:

O Filósofo (@ofilosofo_) • Instagram photos and videos

https://www.instagram.com/p/CPEQz7hj0h4/

Claro que este tema deve ser trabalhado pelos filósofos. Como filósofo sendo induzido por este inteligente panfleto a pensar no consumo humano de outros animais e na existência destes virus, e tentando ver os fios invisíveis que tecem esta interação entre estas duas espécies, me vem à mente a teoria de Gaia, do James Lovelock, da Lynn Margulis e do Teilhard du Chardin.

Se este planeta produziu com sua matéria estes sistemas biológicos, organismos com propriedade vital, de onde ele obteve as informações materiais para fazer isto? Sugere a razão que a mais provável hipótese é que ele as obteve de si mesmo, e as propagou pelo processo que ele aplicou que conhecemos hoje, o genético. Mas se foi isso, este planeta é semi-vital, um organismo. E como tal tem uma força vital com um instinto, o qual deve ser um protótipo de subconsciência que se espalha como bolhas na sua atmosfera que aloja sua camada mental condensadas nas cabeças das suas criaturas que perfazem esta biosfera. Isto seria Gaia, tal e qual imaginaram aqueles grandes pensadores.

Isto explicaria este fenômeno de interação mortal entre humanos e virus. O instinto de Gaia não veio de algum instinto fraternal cósmico, pois esta biosfera foi produzida pelas forças do caos, as quais se movem como ondas que crescem e se colapsam se auto-devorando para assim ressurgirem auto-recicladas, como funcionam as marés, pois nisto consiste esta carnificina da cadeia alimentadora ecológica. Mas quando uma de suas espécies se torna muito poderosa extinguindo as demais, Gaia aciona suas micro forças como setas caóticas venenosas e certeiras, assim temos virus dizimando humanos. É como um terremoto na dimensão quântica chacoalhando a sua dimensão macroscópica.

Talvez exista neste mundo várias camadas inferiores de consciências nascentes que se apresentam como as camadas da cebola, constituindo diferentes dimensões, uma delas sendo a camada de Gaia embutida no inconsciente coletivo pensado por Chardin, Jung, e até o grande mistico Pietro Ubaldi com sua teoria das nuvens de nourées… A mente do filósofo é util porque se adianta na escuridão ainda não penetrada pelo método científico e sonda seus arredores elaborando as teorias que abrem caminho para os cientistas… De onde Gaia obteve as informações para dotar suas criaturas com sistema de defesa imunológica, se ela não já possuía um protótipo em si mesma? Agora os virus contra Gaia são humanos e os anticorpos virais produzidos por Gaia é o SARS-COVI? Meras hipóteses, mas com consideráveis fatos arrolados como evidências.

Cérebros foram separados em duas metades desde os irracionais

Wednesday, May 19th, 2021

xxxx

Ver mais em:

https://www.brainfacts.org/brain-anatomy-and-function/evolution/2016/image-of-the-week-brains-of-the-animal-kingdom-060616

O corpo humano nada mais é que uma maquina. Como é animado a funcionar, como e porque funciona? Como eu surgi dentro dentro desta maquina? Que sou eu?

Sunday, May 16th, 2021

Vou relembrar as perguntas que me fazia na selva que me conduziram a construir uma resposta teórica universal chamada “Matrix/DNA”. Primeiro as perguntas procurando explicar o meu corpo e eu.

Funciona desconectado do plug da eletricidade na parede, da mangueira de gasolina da bomba, não tem bateria interna, então de onde e como vem sua energia? Vem de bilhões de microscópicas baterias, espalhadas na maquina inteira, chamadas mitocôndrias? Vem também da energia no ar, pela respiração. Mas quando o pulmão está vazio, o que, ou quem, o faz se mover para sugar o ar e se encher? E quem, ou o que, é a força que surge quando o pulmão está cheio mandando-o se esvaziar?

Estou em pé no quarto ao lado de um corpo deitado na cama. Vejo a barriga sendo inflada e encolhida, presumo que a maquina está funcionando. Mas aquela maquina vai ficar inerte se eu não entrar dentro dela, na cabine de comando, e move-la. Mas o que é o “eu” que entra nela? De onde vim? Como apareci neste mundo? Porque não me vejo, não vejo nada do meu corpo, de que substancia ou matéria sou feito? Sou um fantasma, mas como um fantasma tem força para mexer com a matéria, mover esta maquina? O que existe de elo entre o fantasma e a maquina material? Fios?

Maquinas, motores, são ligados e desligados muitas vezes. A maquina humana só é ligada e desligada uma única vez na sua existência! Se ela existir por 80 anos, vai ficar funcionando 80 anos sem parar um minuto!

Na civiliazação lá fora, o mindset dominante é o reducionismo, que diz: ” Everything about the world can be explained by atoms and their interactions.”

Como disse o filósofo Paul Humphreys:
“The world is nothing but spatiotemporal arrangements of fundamental physical objects and properties. You and I, rocks and galaxies, toads and scrambled eggs are just processes, the successive states of which are spatial arrangements of elementary physical objects. These elementary physical objects, arranged in different configurations, account for all the astonishing variety that we encounter in our day-to-day lives.”

Those “fundamental objects” in Humphreys description are the elementary particles of physics: electrons, quarks, etc. So, the idea is that once you have made a list of all those elementary particles and once you know how those particles can interact (i.e., what forces they respond to), you are, in principle, done. Everything that can ever happen, everything that ever will happen is, in principle, encoded in that list of particles and their interactions.

If you know the fundamental entities and their laws, you can, in principle, predict everything that will or can happen. All of future history, all of evolution, is just a rearrangement of those electrons and quarks. In the reductionist view, you, your dog, your love for you dog, and the doggie love it feels for you are all nothing but arrangements and rearrangements of atoms. End of story.

Então peguei um pedaço de carne de capivara que estava secando no varal, numa mão, e na outra peguei um punhado de mistura de terra, pedrinhas, mineris, tudo mohado com agua. E fiquei pensando: “Este material de terra se transformou nesta carne. Tudo o que existe num corpo, numa maquina de carne, existe nesta porção de terra.

Sabe de uma coisa? Aos diabos o que a civilização lá fora acredita… eu não consigo acreditar… e vou procurar o elo entre o inicio nesta porção de matéria e o final neste meu corpo… e neste meu eu fantasma…

Recentemente tem despontado uma nova forma de pensamento, crendo que no meio da matéria e da matéria surgem fenomenos emergentes, que não seria produzidos apenas pelos tijolinhos dosreducionaistas e nem com suas interações.

“Emergence” is the alternative to this view. As philosophers Brigitte Falkenburg and Margaret Morrison put it, “A phenomenon is emergent if it cannot be reduced to, explained or predicted from its constituent parts… emergent phenomena arise out of lower-level entities, but they cannot be reduced to, explained nor predicted from their micro-level base.” From an emergentist view, over the course of the universe’s history, new entities and even new laws governing those entities have appeared. The key is evolution.

Mas então de onde veio esta força, este processo, este fenômeno natural. chamado evolução? Eles não me explicaram.

Então fui observar os nove meses da embriogênese de um corpo humano. Ali se vê a evolução trabalhando. Transformando uma bolinha microscópica inicial numa maquina super complexa. Evolução é um objeto chamado DNA. Certo. Bate com o que encontrei na selva. Porem, DNA é uma projeção materializada com anatomia, funcionamento, vida, tudo idêntico a uma onda de luz. Eles não percebem isso, e nem aceitariam isso. Quando desenho no papel o esboço dessa onda de luz funcionando como uma maquina, um sistema vivo, eu vejo o desenho do DNA e de tudo o que existe na maquina humana.

Não parei aqui, não acredito nas minhas teorias, agora me focalizo na busca de uma maneira de ver, tocar, materializar esta formula. Enquanto continuo de olho no que as outras formas de pensar – o reducionismo, os emergentes, etc – vão descobrindo, teorizando… o que me interessa é encontrar a resposta de como surgi dentro desta maquina, o que sou eu… Já percebi na embriogênese que o eu de todo baby surge aos 6 ou 8 meses vindo de fora do seu pequeno universo intrauterino, vem de seus pais, etc… Desconfio que 8 meses humanos corresponde a 13,8 bilhões de anos para o Universo, que aqui está ocorrendo uma embriogênese universal, cósmica, e isso me acalma um pouco satisfazendo em parte a explicação que busco. Mas preciso de provas…

( continuar este raciocínio. Foi daqui eu saltei do reducionismo para o holismo sistêmico)

População, renda per capita, etc: países, densidade demográfica, território, etc

Saturday, May 15th, 2021

https://www.populationpyramid.net/

Vídeo mostrando raios gama (fótons), beta, a olho nu!

Friday, May 14th, 2021

Ver no vídeo a transcription com o texto escrito

Os Fótons Escuros Luminosos: E a Dadiva do Poder do Mais Elevado Conhecimento

Thursday, May 13th, 2021

A posição humana em relação à busca do conhecimento será melhor entendida se imaginar-mo-nos agora situados no centro nuclear da Terra. O conhecimento nos espera nos quatro quadrantes a partir do centro: a sudeste e sudoeste, a noroeste e nordeste. Para o sul vamos com um microscópio estudando a composição da matéria, para o norte vamos com telescópio estudando a macro-estrutura da matéria. No momento que pensei nesta analogia, descobri algo muito curioso: o cérebro humano esta’ construído exatamente nesta configuração dos quadrantes, como se fosse previamente desenhado para conquistar e armazenar todo o conhecimento universal.

Senão, vejamos: se nos situar-mos no centro do cérebro, mais próximo ao hipocampo, vemos a nossa esquerda o hemisfério esquerdo, que corresponde ao lado geográfico compreendido por sudoeste e noroeste; e vemos a nossa direita o hemisfério direito, que corresponde ao lado geográfico compreendido por sudeste e nordeste. Acima da nossa posição geográfica esta’ o Polo Norte, abaixo o Polo Sul. Tambem no cérebro, na parte baixa esta’ o cerebelo, a morada dos eus inferiores que herdamos dos instintos animais; enquanto na parte alta do cérebro esta’ o córtex, a região de onde emana a auto-consciência e se constrói o nosso eu superior.Depois de dar a volta por todo Universo e chegar a suas ultimas fronteiras desvendando os segredos do mundo físico material, a cosmovisão da Matrix/DNA esta’ agora parada nas duas regiões fronteiriças, a de cima, e a de baixo. A microscópica e a macrocósmica.

Na macrocósmica paramos no oceano escuro de matéria negra e na onda de luz original que banha este oceano, a radiação cósmica de fundo. Nas regiões microscópicas estamos parados nas partículas ultimas desta onda de luz, os fótons. Porque já sabemos que a onda universal carrega em si as sete funções de todo sistema natural completo e funcional, e como ela gera o atrito ao passar pela matéria negra criando as energias, e dividindo tudo nestas sete funções para gerar todos os sistemas naturais. Enquanto não desenvolver-mos os nossos atuais sensores naturais e tecnológicos sera’ difícil avançar no conhecimento desta quase abstrata entidade cósmica.

Nossos olhos então estão mais voltados para as regiões microscópicas, as partículas fótons.Partindo do nosso campo visual normal, fomos avançando pelas ondas na hierarquia das dimensões escalares, descendo pelo nível das minusculas células, dos átomos, e depois de suas partículas, chegamos `a dimensão quântica. Mas nessa dimensão a realidade novamente se dobra e escurece as regiões abaixo onde estão os fótons. Podemos imaginar o mundo físico boiando sobre um oceano de pontinhos escuros moventes, e só’. A unica coisa que podemos inferir e’ que estes corpúsculos escuros são fótons, de intensa luminosidade, tao intensa que seu brilho nos cega e vemos a escuridão.

Mas ai esta’ o segredo mais poderoso para a especie humana hoje, pois se conseguíssemos adentrar o mundo dos fótons, dominaríamos todos os aspectos da matéria, da energia, do mundo físico.Sabemos que cada fóton e’ a copia completa da onda de luz universal. Portanto eles são sistemas em si, e funcionais. Em si mesmos são ondas comprimidas no microcosmos, portanto constituídos de sete faixas de frequências/vibrações diferenciadas entre si. E o mais importante: sabemos que eles se conectam em redes, networks, que eles adentram os elétrons dos átomos e assim – como os vírus fazem com as células – eles assumem a maquinaria e administração dos átomos, conduzindo-os a se combinarem para formarem sistemas, sempre modelados pela formula da Matrix/DNA, que e’ a forma da onda de luz universal.

Precisamos de alguma maneira limpar o negrume que esconde estes fótons, precisamos ver como estão formando o tórax humano, o sistema galáctico, o cérebro, cada célula, cada molécula, etc. e etc. Assim podemos ajuda-los a vencer os obstáculos que causam os defeitos nestes sistemas. As doenças nos humanos. As intempéries nos planetas e sistemas astronômicos…

Quando dois fótons se conectam devem criar uma ponte entre eles. De que sera’ feita esta ponte? Da mesma substancia deles? Serão extensões deles? Nas moléculas orgânicas os átomos se conectam através das pontes do semi-átomo, o primeiro a se formar como protótipo de átomo, o mais primitivo, o hidrogênio. Existira’ um tipo de fóton mais simples, mais primitivo, disponível no meio da material, que e’ capturado entre dois fótons superiores para formar seus elos de conexões?

As boas teorias sempre vão na frente das grandes descobertas. Elas tem guiado os humanos para as descobertas. Porque uma teoria gera uma vontade incansável na mente humana de buscar sua confirmação, de encontrar o objeto teorizado. Quando Lemaitre iniciou a teoria do Big Bang, tanto ele como a mente de muitos sentiram o desejo enorme de encontrar algo que fosse evidencia, e este desejo oculto na mente de dois radiotécnicos fê-los perceber que o ruido nos seus aparelhos estariam relacionados com o Big Bang. Quando Einstein elaborou suas teorias fantásticas mencionando espaços curvos encurvando a luz ele guiou mentes sedentas de encontrar evidencias a mentalizar uma experiencia e aproveitar a oportunidade unica de uma eclipse, para verem o objeto dos sonhos, a luz se encurvando.Mas existem as teorias erradas, e não sabemos se esta e’ uma boa teoria ou uma errada. Mas mesmo assim, quando se trata da evolução do conhecimento humano, melhor uma teoria errada do que teoria nenhuma. Os índios não formulavam estas teorias, e vemos no que deram.

Quando uma teoria esta’ errada ela serviu de grande beneficio para nossa evolução, pois nosso conhecimento tem evoluído na base da tentativa e erro. Cada erro sofrido vai sendo eliminado das possibilidades e assim vamos cada vez mais nos aproximando do acerto.

Portanto, temos uma teoria, e temos agora uma vontade incansável de alcançar o reino fantástico dos fótons, um reino que revela os calcanhares da onda de luz original que veio junto ou deflagrou o Big Bang. Que extrapola as fronteiras do nosso universo perceptível e nos leva aos limiares da Criação… e talvez aos calcanhares do Criador. Estamos procurando agora uma maneira de mergulhar-mos nas trevas que antecede o reino dos fótons, isto nos ocupara’ a mente dia e noite, premissa necessária e suficiente de que vamos chegar la’.

Nova Comemoração da Matrix/DNA Theory: fantástica técnica cientifica revela agora configurações neuroniais no cérebro que sugeri há 30 anos atrás!

Thursday, May 13th, 2021

Cientistas descobrem universo multidimensional no cérebro humano

https://tonocosmos.com.br/cientistas-descobrem-universo-multidimensional-no-cerebro-humano

TEXTO QUE ESCREVI COMO PARTE DA TEORIA OU COSMOVISÃO DA MATRIX/DNA EM 1990:

“Pensamentos são e funcionam como seres vivos, eles se apresentam como tendo vida própria. São formados por sinapses (fluxos eletroquímicos) que compõem uma imagem, idêntica à imagem de uma unidade fundamental de informação do DNA, a qual, na verdade é uma fórmula natural com vida própria, que construiu todos os sistemas naturais conhecidos.

Cada pensamento se desenvolve pela mesma força que chamamos de “ciclo ou princípio vital”, esta força que faz seu corpo crescer se transformando em novas formas ao longo da sua vida, desde a forma inicial de uma bolinha (a célula inicial, mórula) até a forma final de um cadaver. Um pensamento também nasce como um ponto minúsculo e vai crescendo, se transformando ao se propagar e por fim chega na sua forma final, enterrado como memória.

Os pensamentos nascem pelo mesmo processo que seu corpo nasceu. Um óvulo recebe do mundo exterior um espermatozoide e funde seu genoma feminino ao masculino; o hipocampo funciona como o óvulo quando recebe um sinal com informação externa fundindo-o com a sua informação interna na forma de memória. Então é um evento de fecundação, que conecta a massa neuronial interna cerebral a um sinal informativo vindo do exterior, seja do seu corpo ou do mundo externo.

Assim começa, assim cria vida cada pensamento dos muitos que você tem durante sua vida. Este evento ocorre no hipocampo, que é a porção central, nuclear, na base do cérebro, logo acima da nuca. O hipocampo é um cone que veio da evolução do nosso ancestral astronômico, representando o “buraco negro” no centro galáctico, onde tem o ninho em que nasce as estrelas. Ali no espiralado hipocampo o sinal externo é movido e misturado com as unidades da memória relacionadas à informação do sinal, e então a substância resultante é emitida para o espaço cerebral que é o atual representante do espaço sideral do Universo. Assim o pensamento vem à luz para um céu estrelado com neurônios cintilantes. O hipocampo, assim como o vórtice no centro galáctico funcionam como um liquidificador onde as frutas são misturadas, batidas, e se tornam um suco. Neste caso, o fluxo do pensamento. No céu, uma estrela baby, no cérebro, um pensamento baby.

Do hipocampo sai o fluxo subindo no meio da massa neuronial, que pode ir para a esquerda (se for muito denso, materialista, prático, animalista) ou para a direita (se for holístico, menos denso, sentimental, artístico, mistico. Essa diferença ocorre também porque a parte esquerda reproduz a face esquerda da fórmula na qual a energia sobe reproduzindo a primeira metade jovem da vida e a direita a energia desce reproduzindo a segunda fase madura da vida). O cérebro tem a forma oval que é dividida em quatro zonas ou regiões com quatro funções diferentes que vem lá do criador de sua anatomia, que foi a unidade do DNA, que é dividida internamente nas quatro bases nitrogenadas, a adenina, citosina, guanina e timina. A forma do criador se projeta na sua criatura, e assim também as funções sistêmicas de suas partes. O criador é um sistema funcional, o cérebro será então um sistema funcional: tal pai, tal filho.

Então em cada zona tem informações registradas especificas que vão se agregando ao fluxo movente do pensamento, como um baby vai tendo a seu corpo agregados os alimentos que o fazem crescer, se tornar criança, depois jovem adolescente, se o pensamento vai pela esquerda, ou como se um ancião moribundo vai tendo agregado de volta os ingredientes vitais que perdeu, se subir pela direita. Na fórmula criadora vemos o fluxo de energia indo up, para cima, crescendo, de um lado, e depois, começa a entropia, e a energia decai, indo para baixo de volta ao ponto de origem.

Mas então acontece a grande tragédia que tornam seres humanos tão errantes, quase irracionais, às vezes cruéis… Ao chegar na parte alta do cérebro o fluxo bate de encontro a uma muralha, um paredão instransponível, e repentinamente cai direto retornando ao hipocampo. O cérebro é um sistema natural individual, por si mesmo, que construiu outro sistema na forma de corpo para se mover e colher coisas do mundo, já que ele está aprisionado dentro da cela craniana. Na verdade, ele foi construído pelo DNA que primeiro construiu o corpo nos bilhões de anos da evolução, no qual formou os princípios da rede nervosa que se tornou a entidade abstrata governante do sistema como existe em todos os sistemas naturais, inclusive os inconscientes termodinâmicos. Mas desde então, a partir dos símios, essa entidade (com um novo sensor capaz de captar substância consciente do espaço mais abstrato) construiu um novo órgão, chamado cortex ou neocortex, para ser sua morada, seu trono real, e colocou esse órgão no topo elevado da cabeça. Mas hove um gravíssimo defeito!

A forma e anatomia do cérebro, criado e autoprojetado pela fórmula para sistemas naturais que era emitida pelo DNA, teria que ser a imagem e semelhança e funcionalidade normal dos sistemas naturais. Uma figura idêntica à figura da fórmula. E a fórmula relacionada à nossa dimensão material tem a forma de uma esfera ovalada. Vamos mostrar aqui um esboço simplista da imagem materializada:

Fórmula da Matrix/DNA no aspecto de sistema fechado

Não vamos explicar aqui os milhões de detalhes encriptados em cada ponto desta fórmula, apenas mencionar o que nos interessa relacionado ao cérebro. A imagem da fórmula está indevidamente inclinada, pois quando a sobrepomos sobre o desenho da anatomia interna do cérebro, a figura F1 corresponde ao hipocampo, que está na base oval. No cérebro, o neocortex está situado onde está F4 na fórmula. Vemos que de F4 sai um ramo de fluxo lateral que retorna a F1, porque os sistemas fechados são hermafroditas, e F4 desempenha a função do macho, F5 é o espermatozoide que leva sua informação para a fêmea em F1 e assim o sistema se auto recicla, se reproduzindo. Então na fórmula universal não existe separação física em duas metades, nem no seu aspecto de sistema aberto. Mas quando comparamos a imagem da fórmula perfeita com a imagem interna do cérebro… aparece a notável diferença: de fato, o fluxo de F5 funcionou como uma talhadeira, abrindo uma fenda, dividindo a parte superior do cérebro, mais exatamente o órgão neocortex, em duas metades separadas entre si…

E o sulco aberto foi preenchido com uma massa densa, chamada de corpo caloso. Então é isso que está impedindo a espécie humana de se desenvolver como ser com inteligência natural como deve ser uma criatura produzida pela Natureza para existir em sintonia com ela. Qual a causa desse defeito? Nosso ancestral celeste – como esta galáxia – cometeu o maior erro contra as leis do Universo, tornando-se um sistema fechado? E por isso caiu rastejando neste planeta para reiniciar sua evolução? Ou seriam extraterrestres fazendo experiencias genéticas? Ainda não sabemos.

Quando o fluxo do pensamento chega no neocortex, vindo da direita ou da esquerda, não consegue continuar a trajetória do ciclo vital, do seu circuito energético interno, e despenca de volta no utero que o gerou, tornando-o meio-pensamento, inteligência, ou meia consciência. É muito importante que a humanidade saiba disso, porque nela está o potencial para corrigir este defeito trágico, ela tem que aprender e desenvolver exercitando o esforço de manter elevada energia nos seus fluxos de pensamento para atirá-los com força contra a muralha, pois esta pode ir amolecendo, sendo perfurada, o que permitirá o fluxo passar e realizar a volta completa retornando como outra dimensão de memória a ser registrada no hipocampo. O qual na verdade funciona como o protótipo de um portal, um buraco negro conduzindo a outras dimensões de vibrações das ondas de luz.

Mas outro detalhe importante aqui é que devemos investigar à exaustão as imagens das sinapses que obtemos no MRI dos pensamentos, entendendo que cada pensamento, cada imagem, é uma cópia da fórmula Matrix/DNA. Como são milhões de neurônios, formando uma rede de conexões intrincada muito complexa e ainda confusa nos nossos instrumentos científicos, em que os fluxos se entrelaçam, se interpenetram, se emaranham, e como são plásticos, cada um é um circuito que se moldura, se deforma, tornando nossa investigação mais difícil e confusa do que está sendo a investigação do mapeamento genético no DNA (hoje sabemos que isso foi terminado com o Projeto Genoma.)

Pois bem. Isto foi pensado por um semi-macaco metido a filosofo naturalista que observando o céu magnificamente estrelado do meio da selva amazônica acreditava que aquela visão da Via Láctea, daquele Universo, Não era a realidade, pois era uma imagem trazida pela luz que demorava bilhões de anos para alcançá-lo, então devia ser a imagem da infância do Universo que mais tarde criou e modelou e se autoprojetou na forma interna de seu cérebro. Então ele se imaginava como um micróbio microscópico flutuando dentro de seu cérebro, olhando ao redor, vendo uma profusão de estrelas na forma de neurônios cintilando, e o braço esbranquiçado da Via Láctea era igual a imagem de um fluxo de um pensamento. O cérebro como um velhinho caído e moribundo estendia as mãos suplicantes para o céu pedindo mais visões porque ele estava assistindo os eventos de sua infância.

Mas o macaco sobreviveu, saiu da selva, retornou à civilização, correu a ler os relatos das academias cientificas ligadas a neurologia, percebeu que estavam em outro caminho com outra mentalidade, e então, apenas como dever e desencargo de consciência, escreveu o protótipo de um livro que registrou na Biblioteca Nacional do Brasil e depois na Biblioteca do Congresso nos USA, indo os manuscritos para o porão sem ser lido por ninguém. Mas hoje o filosofo se depara com um material vindo da academia que o faz sentir imensa alegria, pois a natureza está reencaminhando o humano de volta ao seu seio, na sua direção, ajudando-o a desvelar os véus de seus segredos. Vamos agora ver e analisar a grande notícia:

( Cont. pesquisa:…

Os racionalistas que criticam os misticos espiritualistas estão convidados a criticarem a cosmovisão da Matrix/DNA, com fatos.

Wednesday, May 12th, 2021

xxxx

Parabéns pela lógica. Gostaria que você analisasse e criticasse minha teoria, para eu me livrar dela. Reagi com a mesma lógica sua contra a teoria espiritualista, argumentando que ninguém pode se corrigir e evoluir vivendo sob o ciclo da fraqueza e miséria na Terra. Pagar karma? Ora, as prisões não corrigem, tornam-nos mais criminosos.

Porém, apesar de parecer ser puramente lógica, é possível que haja neste mundo e no nosso inconsciente uma lógica diferente e mais logica ainda, que justificaria este nosso nascimento absurdo aqui. Descobri essa possibilidade numa investigação pelo método naturalista, exclusivamente materialista. Trouxe para a mesa todos os fatos e eventos reais conhecidos e comprovados deste Universo e procurei conectá-los sem as místicas e teorias comuns. Quase fechei o quebra-cabeças, mas sobrou apenas um mistério a resolver: o que era aquela onda de luz original no Big Bang? De onde e como veio? Estudando-a no espectro eletromagnético percebi que ela tem uma anatomia, formando um sistema funcional que se expande e se propaga pelo mesmo ciclo vital que faz nossos corpos se propagarem no tempo e espaço. No meu website podes ver como ela se encaixa na função de fórmula criadora de todos os sistemas naturais, de átomos, a galaxias, e inclusive, da unidade de informação do DNA, a qual é em si um sistema funcional. Mas daí tem dois desfechos surpreendentes:

1) As sete faixas ou micro-ondas são como os órgãos do nosso corpo, porém a nível cósmico, estas faixas produzem sete dimensões ou sete realidades porque cada faixa tem todas suas propriedades em um nível deferente das propriedades das outras seis faixas. Um nível de vibração, intensidade energética, comprimento de onda, temperatura, etc., que cria uma realidade que não se mistura com as outras seis, como sendo sete universos paralelos. Isto sugere a possibilidade de que a minha centelha de Matrix/DNA seja “sete-em-um”, cada qual na sua faixa dimensional. Se isto estiver correto, a minha forma biológica tem que fazer o que convém aos sete, que no seu conjunto compõe o Eu, Superior, mesmo que alguma tarefa não me agrade. Por exemplo, se sujei a casa, eu devo limpá-la.

2) No quebra-cabeças apareceu que, quando eu estava na forma de um ancestral remoto, chamado LUCA – the Last Universal Common Ancestor, vivendo longe daqui, usando a dadiva do livre-arbítrio cometi um erro gravíssimo contra as leis naturais e o propósito da existência de qualquer DNA (genoma), me tornando um sistema fechado em si mesmo, o qual se tornou meu inferno, implorando para dele ser libertado ou a morte eterna, porem quem decidiu foram as minhas outras seis partes, que não são culpadas e não querem morrer, e assim decidimos então que eu mesmo consertasse a burrada que fiz. Tenho o modelo teórico, o retrato falado, deste ancestral como sistema fechado, se desfazendo pela entropia cujos fragmentos caíram nas superficies dos planetas criando este tipo de vida no estado de caos e rastejando como sistema aberto, comendo o pão que o diabo amassou, para retornar ao caminho certo. Como fazendo isso seremos libertados, o que é melhor do que a morte eterna, voce nasceu aqui não satisfeito, porém aprovado pelas outras seis partes suas…., pelo seu Eu superior. Aliás esta história foi narrada na forma da parabola do retorno do filho prodigo e depois numa lenda sobre uma tal de queda de um paraíso, porém como não gosto de religiões, desprezei os insights daqueles autores semianalfabetos. Ele não se suicidou no chiqueiro, porque teve enorme saudade de seus pais, então comeu lama e aguentou porque tinha esperança de retornar.

Como até agora ninguém me apresentou um fato ou evento real conhecido que derrube essa teoria, estou suportando comer lama nesta prisão motivado pelo significado existencial que emerge desta teoria: “Somos 8 bilhões de irmãos genes semiconscientes que juntamente com mais bilhões de outros irmãos espalhados neste Universo estamos construindo um embrião de autoconsciência num corpo de luz para nascer além deste Universo no dia do Big Birth. Assim você é – como qualquer gene – o único portador de uma informação específica, intransferível e indestrutível cuja missão é inseri-la na Grande Obra, e de quebra, tens o desejo de ajudar todos os irmãos genes a cumprirem as suas missões, porque se um apenas não o fizer, nasceremos com um aleijão…

Como você pegou no pé dos espiritualistas com exemplar logica racional, imploro-lhe que busque a falha aqui também e apresente o desejado fato que possa me derrubar, pois o que me interessa é a Verdade.

Nos preparando para o estrondoso AWE que nos aguarda em nossa aventura espacial

Tuesday, May 4th, 2021

xxxx

À vezes uma frase parece-nos eivada de sabedoria como uma seta dirigida a um humano intelectualmente atrasado. Mas um exame mais cuidadoso pode revelar que também a frase vem de um intelecto ainda sofrível. Como neste exemplo:

Pode ser uma imagem de texto que diz "@UMFATOCONHECIDO "Não acreditar que existe vida fora da Terra é como pegar uma colher de água do oceano e dizer: não existem baleias e tubarões, pois não há nenhum na colher.""

Essa declaração tem um problema, é igualmente arrogante, porque é antropomórfica, ou seja, uma auto-projeção da forma humana superposta ao que o humano desconhece.

Sensatez seria trocar na declaração a palavra “vida” pelo conceito de “sistemas naturais”. Nada de supernatural que teria vindo de fora da galaxia produzindo os sistemas biológicos existentes na Terra foi cientificamente comprovado. Portanto, reza a sensatez preferir em elevado apreço a teoria de que fomos feitos e criados por esta galaxia, dentro dela e com seus ingredientes. E nenhuma informação existe de que esta galaxia seria viva, no sentido entendido pela biologia, não temos razão para crer que o nosso tipo de sistema biológico teria sido criado pela “vida”.

Mas temos milhares de evidencias de que esta galaxia é um sistema, e natural. Ora, um sistema natural pode se reproduzir num imenso leque diversificado de formas e arquiteturas funcionais. A imensa diversidade de ingredientes da galaxia pode gerar trilhões de tipos de sistemas naturais. Basta saber que um sistema possui uma formula natural interna que modela suas partes e circuitos, uma “matrix”, como o DNA é a matrix de todos os sistemas biológicos na Terra. E essa matrix pode se revestir de muitos ingredientes, e estes produtos podem desenvolver a inteligencia, inclusive a autoconsciência.

Podem existirem em outros sistemas estelares desta galaxia seres inteligentes nos quais predominem não o carbono, mas sim o silício, ou o mobilidênio, e centenas de outros. Apenas entre os biológicos vemos 10 milhões de formas diferentes, tão estranhas entre si como são caranguejos e girafas e formigas. Os sistemas naturais reproduzidos a partir do corpo desta galaxia o são pela ação da entropia que a envelhece fragmentando o sistema em seus bits-informação, que se tornam seus genes, que recompostos podem se tornarem sementes de sistemas espalhados e distribuídos em toda a galaxia. Depende da seara, da fertilidade apropriada de um astro para estas sementes florescerem.

Eu não me surpreenderia muito se me deparasse com um movente na forma de disco-voador que viesse tentar dialogar comigo, e estenderia as mãos para cumprimenta-lo e o chamaria de meu irmão universal. Mas um antropomórfico reagiria com animosidade…, tal como um racista. Para nos integrar nas dimensões da inteligencia nas muitas famílias cósmicas devemos nos ver e entender como sistemas naturais.

Sci-hub: Website que permite ler os scientific papers

Monday, April 19th, 2021

xxxxx

https://sci-hub.se/

Terei que rever todos os artigos mencionando scientific papers que não pu de ler

Basta copiar o DOI no paper e colar na busca e clicar “open”. Ex:

https://doi.org/10.3389/fpsyg.2018.01475 ( esta copiado inteiro no meu PC, documentos