Archive for the ‘Research by Matrix/DNA Theory’ Category

Nosso Deus é onda de Luz num movimento de queda e retorno para subir ao reino do Deus d´Ele.

Monday, January 11th, 2021

Pela primeira vez sou informado agora que algumas religiões cultuam um Deus em movimento e não estático como o Deus bíblico. A ideia desse movimento é a de um Deus que existe como uma onda que se propaga, e nisso decai, até se fragmentar, e os fragmentos voltam a reconstruir a onda, retornando o todo á grandeza que era no ponto de partida. Essa informação vem muito reduzida no meio de um debate num vídeo, mas o palestrante deu umas dicas, referindo-se ao hermetismo, a Shiva, o que já me fornece pistas para iniciar uma pesquisa. O que me interessou no momento e vim correndo a registrar, é a semelhança entre essa ideia e um dos resultados sugeridos pela formula da Matrix/DNA. O estalo se deu principalmente quando o palestrante disse a palavra “fragmentar”, pois a formula disse essa mesma palavra quando se refere a ela mesma, como criadora da vida em evolução e o que acontece quando se atinge o ultimo estagio da evolução… uma fragmentação como transição para a transcendência.

E essa ideia me ajudará a aperfeiçoar o resultado. Mas interessante também é que todos os palestrantes concordaram com uma questão: ” Os relatos das experiências de quase morte sempre repetem o narrador dizendo que se viu e se sentiu como um corpo de luz e uma consciência conectada com tudo, que sabia tudo, e tinha imenso poder. Mas se somos seres de luz com poder, porque somos trazidos a este planeta e estas condições carnais tão inferiores, onde nada temos de poder e somos demasiados débeis? Ninguém consegue uma explicação racional para essa questão…”

Mas aí meu coração palpitou mais forte. A formula da Matrix/DNA sugere uma explicação racional. Fantástica, incomensurável, mas totalmente logica e racional porque tem como parâmetro analogias com o que vemos acontecer aqui na realidade.

Para explicar preciso trazer para cá uma figura:

Trata-se de uma figura refeita de figuras originais técnicas, acrescentando propriedades sugeridas pela formula da Matrix/DNA. Os diferentes materiais, elementos irradiam luz e quando essas radiações são conectadas numa única visão dizemos que existe uma onda de luz completa. A formula sugere que com o Big Bang emergiu uma onda de luz que se propagou movida pelo processo do ciclo vital. Disso decorre que nosso corpo, sendo uma forma evolucionaria dessa onda de luz, nasce vindo de uma fonte e se propaga no tempo ( aumentando em idade) e no espaço ( crescendo em tamanho), passando por varias diferentes formas e tudo isto produzido pela força do ciclo vital. As diferentes formas produzidas pelo processo vital na luz original foram estas sete diferentes faixas de frequências, vibrações, cores, etc. A fonte da onda estava localizada antes e além do Big Bang, na figura seria na margem direita, pois a mais elevada energia/vibração do gamma ray indica a fase primeira, da infância. Então a onda começou na direita e foi se transformando, decaindo em energia e quando chega na margem esquerda ela se… “fragmenta”, nas suas partículas, que são os fótons.

Fiquei muitos anos observando e refletindo nesse quadro sugerido pela formula. Pois a coisa toda não fazia sentido racional. A onda de luz original funcionou como o lançamento de um genoma. Os genomas são emitidos por uma fonte (um casal da espécie humana) na direção de uma placenta formada de células ( que é a representante biológica da “placenta” universal formada de células galácticas). No caso do sexo separado e não hermafrodita como é o genoma original, ocorre uma fragmentação do genoma para haver o acasalamento de cada parte entre o masculino e o feminino. O resultado da fragmentação são os genes, que são então individualizados, cada qual por uma informação especifica. A seguir eles reconstroem exatamente o corpo da fonte, um corpo da espécie humana. E quando essa construção está se completando todos os genes sobem como neurônios formando uma só personalidade, uma mente.

Então vamos agora para a onda de luz original. Ela veio de uma fonte. Na falta de outro nome melhor, vamos dar a essa fonte o nome de Deus. Outros podem dar o nome que quiserem, como os materialistas dão o nome de “o minúsculo átomo que explodiu”, etc. Então a onda de luz original que era um genoma seria o genoma de Deus.

Para que Deus emitiria um genoma seu? Porque meu pai e minha mãe emitiram um genoma seu? Para terem um filho.

Então a onda de luz original chega ao seu ultimo limite de expansão e se fragmenta em suas partículas, os fótons, os quais são dispersos no espaço, como partículas inconscientes, simplesmente luz natural e talvez com algum quanta de energia. Espalhados, em estado caótico, como ovos botados fora, a prole abandonada á própria sorte. mas acontece que vieram de um… sistema. A formula mostra como essa onda de luz na figura acima, quando se tem a linha de onda encurvada e unida as duas pontas, forma uma esfera, onde as sete fases se tornam as sete partes, os sete órgãos, de um sistema natural. Vamos trazer a figura da fórmula para lembrar melhor:

A formula universal Matrix/DNA dos sistemas naturais e ciclos vitais

Nesta figura a Função 7 corresponde á faixa “radio” do espectro, enquanto a Função 1 corresponde à faixa do gamma ray. Mas acho que o leitor terá dificuldade em entender isso, então vamos trazer outra figura da mesma formula que pode elucidar melhor. Me desculpem a pobreza desta figura mas ela pe a primeira, a original, que foi feita na selva em cima de uma pedra tendo-se apenas lápis e papel de embrulhar pão:

Observe que a Função 7 ( F7) representa a fase de um corpo que morreu e se fragmenta, sendo seus fragmentos que vão construir F1.

Então voltemos à luz original, ao genoma divino, quando seus fragmentos estão na posição F7, ou vindo de F7. Quem é que, na placenta da minha mãe, comanda os genes dos meus pais a começarem a trabalhar tendo um modelo a ser construído? Por que, cargas d´`agua, um simples punhado de átomos começam a se moverem, procurando seus pares do outro lado, se acasalando, formando uma unidade característica, etc.? Olhe os átomos de uma montanha, os átomos do vento, da agua, porque não fazem isso também? Se são os mesmos átomos!? No meio da matéria estupida de uma placenta, ou de um planeta, não pode existir tal comando, nem tal modelo, isto seria supernatural. Qual a explicação?

O comando não vem de fora, mas de dentro dos átomos, quando formam os genes. E esse comando de dentro não é nada fantasmagórico, é simplesmente natural, é a anatomia interna do gene. A fisiologia, como nossos corpos tem um aspecto interno fisiológico, uma anatomia. E essa anatomia, todas estas partes, em conjunto, movem o corpo fazendo tudo, desde a digestão, a respiração, a reprodução. São sete propriedades vitais, cada uma oriunda de princípios que compunham as sete faixas do genoma de Deus, da onda de luz original.

Cabe aqui um adendo. Os fótons são partículas-informação da onda de luz, como são os genes, partículas- informação da espécie humana. Quando separados vagando no espaço, fótons entram dentro dos átomos e se alojam dentro de elétrons, prótons, como os vírus numa célula. Então assumem a maquinaria do átomo, como os vírus assumem a maquinaria da célula dirigindo-a para os reproduzirem. Os fótons, ou a informação isolada do foton, querem reproduzir o sistema de onde vieram, o genoma de Deus. Assim procuram e quando encontram outros fótons que são suas sequencias no sistema divino dentro de outras partículas dentro de outros átomos, dirigirem estes átomos a se combinarem. Para isso os fótons lançam fios energéticos de luz que produzem aqueles efeitos fantásticos quânticos do emaranhamento. Os cientistas veem uma partícula na Inglaterra mudar uma partícula na China sem ver o fio conectando as duas, porque os humanos não veem a luz original, muito menos as sinapses entre suas partículas. Mas estes fios são como as sinapses entre neurônios, assim vão se formando as networks de fótons que são os fantasmas construindo os sistemas naturais como o DNA e corpos humanos e galáxias. Chegam ao incrível fato de adentrarem uma sopa na Terra primitiva e dela levantarem a Vida!

Agora fica difícil explicar porque os possíveis leitores não conhecem os aspectos dos genes e do DNA que a formula tem sugerido. Ela diz que DNA é uma pilha de sistemas, de copias derivadas de um único sistema, o qual é sua unidade fundamental de informação, e essa unidade é exatamente igual a formula da Matrix/DNA. Faltou colocar na figura azul acima um outro ciclo vital que só descobri mais tarde, que é o da unidade fundamental do DNA. Esta se constitui em dois nucleotídeos paralelos com suas quatro bases, e mais a base uracila do RNA, a qual performa a função 5. Cada base nitrogenada e os dois açucares laterais mais a uracila são cada uma das sete funções da formula.

Então cada unidade do DNA é uma copia do sistema universal, e a soma de todas as unidades , que forma a totalidade do DNA, resulta novamente na reprodução do sistema universal… ou, em outras palavras, da onda de luz original.

Mas acontece um detalhe demasiado importante, fundamental nessa historia toda: a energia, ou fluxo de energia informação que corre no circuito que liga todas as partes é o processo do ciclo vital. E quando este está operando num corpo, não tendo como existir a forma de adolescente sem existir a forma de baby antes ou de adulto depois, ele conecta todas as partes sempre naquela eterna sequencia ensinada pela luz original. De maneira que o ciclo vital corre numa sequencia inquebrantável, nenhum humano ancião pode se esquecer que teve a forma de baby, de adolescente e tudo aquilo é hoje seu corpo. As unidades do DNA também. Os genes também. Os fótons também.

Enfim, para encurtar, quando os fótons são dispersados da luz original e ficam atarantados, movendo-se caoticamente, eles se diferenciam em sete cores, sete anatomias internas, sete informações diferentes, sete funções diferentes. cada foton isolado deve se sentir no desespero, como se o fígado do meu corpo de repente se visse separado fora do corpo, sozinho na noite fria. Ele iria ficar desesperado por retornar ao corpo e iria se situar exatamente ali no seu lugar, entre o estomago e o pulmão. Assim acontece com estes fótons. Isolados estão no desespero, procurando nos outros fótons quem é um estomago e quem pe um pulmão para ele se encaixar no meio, mas assim já teríamos três conectados, na mesma sequencia das faixas da onda de luz. Enfim, os fótons fragmentos tem um tendência: a de reconstruírem o sistema de onde vieram. Assim como os genes expulsos de um corpo humano, e caídos numa placenta, existem para reconstruir o corpo humano de onde vieram.

Os primeiros sistemas que os fótons formam serão as partículas elementares, depois os átomos, depois as galáxias, depois os humanos, depois a consciência cósmica e por fim, o emissor deles. Reconstroem a onda de luz original. Esta faz um retorno ao Big Bang, e chega nele na forma da fonte que a gerou. Deus…

isto significa que quando a onda de luz fez o ciclo completo, ou seja, ela foi e retornou, recomposta, quando ela retorna não chega mais ao Big Bang, ao evento de fecundação, mas sim na forma de embrião, provocando um evento de… Big Birth!

Do Big Bang ao Big Birth! Nada de sumiço total num Big Crunsh, nada de Eterno Retorno infinitamente. Cada ciclo forma um ser como nunca houve igual antes, a evolução continua ao infinito.

Vai nascer para o outro lado do Universo, na forma de um baby.

Todos em um. Uma so personalidade, uma só mente. Todos os fótons separados, isolados, são agora um. Antes tiveram que formarem pacotes de fótons, pacotes na forma de átomos, depois pacotes mais complexos na forma de galáxias, depois pacotes mais complexos na forma de humanos, depois pacotes mais complexos de consciências humanas… enfim o ultimo pacote, completo, uma só consciência… cósmica.

Mas para chegar ao estado de recompor a onda de luz total, comeram o pão que o diabo amassou, conheceram muitos momentos de dor, tragédias, mas venceram todas e continuarem determinados, sempre em frente. O deus além do Universo, acima da placenta, não podia fazer muito para ajuda-los, pois Ele é tão natural como uma mulher humana gravida. Ela não pode fazer muito para ajudar os genes construindo seu baby. E aunda tem o caso do livre-arbítrio, cada baby faz de si a aparência que preferir, o pai não impõe modelos. Mas no caso universal, divino, nada a que se preocupar, porque a maior sabedoria consegue determinar que a gestação será bem sucedida.

Mas porque Deus se reproduz? Para que precisa de filho, e no outro lado do Universo? E apostando-se que existam muitos outros universos, onde estariam sendo gerados muitos outros filhos, e talvez universos novos vindos atrás de universos desfeitos como a placenta, para que deus precisa de muitos filhos?

A humanidade tem 50.000 anos ou 200 milhões de anos, sei lá… neste tempo já teve milhões ou bilhões de gerações. Em cada geração os indivíduos produzem filhos que vão constituir a geração seguinte. E enquanto isso vai ocorrendo a evolução, um engrandecimento da espécie.

O nosso Deus, aquele que está lá agora nas portas de saída do Universo, esperando o dia do Big Birth, é natural. Lá fora do Universo, tem outro reino, ele tem bilhões de copias de sua mesma espécie, formando uma humani… glup…. digo, uma deusidade, igual formamos a humanidade. Lá fora é tudo igual aqui dentro. São deuses ao lado de outros deuses, são deuses acima de deuses, deuses abaixos de deuses, etc. E talvez exista até a diversidade de espécies evolutivas de deuses, sendo uma espécie de deus na fase correspondente ao macaco, outros deuses na forma de homo sapiens, outros na forma de pira consciência, isto vai ao infinito.

A questão que aqueles estudiosos das religiões não conseguem explicar ( porque caímos nesta condição inferior, se somos poderosos seres de luz) está explicada.

E aqui vou encontrando explicações para as perguntas que me faço quando humanos dizem estarem recebendo mensagens de extraterrestres oi de espíritos, ou sei lá mais o que ( me permitam agora uma viajem nos reinos da especulação metafisica). Eles dizem que podem viajar até a Terra, em naves que aqui podem ou não se manifestarem como matéria, etc. Porque eles tem corpos e consciências muito superiores. se um extraterrestre viesse pessoalmente me dizer isso a primeira pergunta que faria seria: “E vocês não sabem que vocês somos nós?”

Alias, algumas mensagens insinuam que eles sabem, e por isso nos acompanham tomando cuidado de nós.

Nós humanos, somos pequenos pacotes daqueles fótons da onda de luz original. Mais exatamente, em nível de complexidade, somos fisicamente o terceiro pacote, e mentalmente estamos compondo-nos como o quarto pacote. Temos o corpo físico carnal na terceira dimensão. e a consciência como entrada na quarta dimensão. Somos uma das faixas da onda de luz. mas assim como não pode existir um adulto humano se não tiver existido uma criança humana, assim não pode existir um terceiro pacote senão existir todas as outras seis formas de pacotes. Somos pequenos fractais, fractais dentro de fractais maiores. Temos uma forma correspondente a este nível mais denso da matéria enquanto outras formas nossas estão existindo em outra faixas vibracionais. Onde não existe este tempo que conhecemos, lá o passado e o futuro estão dentro do mesmo ponto do presente. O que se move dentro destes fractais e conecta estes fractais é o movimento de nosso Deus. Ele pertence a uma espécie que também está se perpetuando, evoluindo, sempre em frente adentrando o infinito.

PESQUISA:

HERMETISMO, DEUS EM MOVIMENTO… GOOGLAR ISSO.

Proteínas e Enzimas na Formula da Matrix/DNA

Friday, January 1st, 2021

Enzimas são cópias do movimento da esfera, o movimento entre as proteínas que são as marcações estanques de território ( nova descoberta da Matrix/DNA)

The cell’s functions depend on enzymes. Enzymes are proteins that carry out chemical reactions in the cell. They help to synthesize metabolic products, make copies of the DNA molecules, convert energy for the cell’s activities, change DNA epigenetically and break down certain molecules.

( https://phys.org/news/2020-12-dna-functions.html )

Entenda-se. As proteínas são pedaços do circuito esférico da formula Matrix/DNA. Poderia-se dividir o circuito em n pedaços, e a vida dividiu em cerca de 30.000 pedaços, as 30.000 conhecidas proteínas. Como o circuito funciona como o processo do ciclo vital, cada ponto do circuito representa uma forma e idade do corpo num dado momento. Mas eu nunca tinha pensado no óbvio: se reconstruir o circuito pondo as certas proteínas nos pontos certos, a dinâmica ou movimento do ciclo vital não vai funcionar. Será uma arquitetura estática, sem vida. É preciso inserir uma espécie de corrente elétrica que fica ligando os pontos de proteína, um efeito de cascata corrente, então a arquitetura se torna viva. E de fato existe na vida esta corrente elétrica fazendo esta função: são as enzimas. Carregadas eletricamente. Outro ponto interessante do artigo é relacionar enzimas com epigenética. Sim, a atuação do circuito esférico, que contem todas as informações do sistema, sobre uma parte do sistema, é epigenética, atuação vinda de fora da parte. Isto vai abrir e demandar nova área de pesquisa aqui. Mais informações no artigo da Phys.org :

… the Münster researchers engineered one enzyme in the cascade, making it possible to switch DNA functions on and off by means of light. With the aid of protein design, it was possible to expand the substrate spectrum of enzymes—in this case, methionine adenosyltransferases (MATs). In their work, the researchers examined two MATs. The modifications carried out offer a starting point for developing other MATs with an expanded substrate spectrum. “Combining these MATs with other enzymes has potential for future cellular applications. This is an important step for implementing in-situ generated, non-natural substances for other enzymes in epigenetic studies,” says Andrea Rentmeister.

Matrix/DNA: Temos que estudar o que é methionine adenosyltransferases (MATs)

E aqui detemo-nos apreensivos érante esta figura, pois parece-nos que um sudpreendente e super-omportante segredo está revelado nela:

S-adenosylmethionine synthetase enzyme - Wikipedia
S-adenosylmethionine synthetase enzyme ISTO É O EIXO DE UM CARRO GIRANDO AS DUAS RODAS! TAL COMO TEORIZADO PARA ENZIMAS NA MATRIX/DNA !

ISTO É O EIXO DE UM CARRO GIRANDO AS DUAS RODAS! OU AINDA: SÃO AS RODAS DE UM TREM CORRENDO EMBAIXO DE VAGÕES PARADOS. TAL COMO TEORIZADO PARA ENZIMAS NA MATRIX/DNA ! As proteínas são o motor e a carcaça, montados em cima da enzima, que é o eixo com as rodas! Assim corre o fluxo do circuito esférico da formula Matrix/DNA na sua representação biológica!

Vamos esmiuçar isto melhor. trazendo a formula da Matrix/DNA para cá:

The Matrix/DNA formula as closed system

E agora as proteínas e enzimas na formula da Matrix/DNA:

Proteínas e Enzimas na Formula da Matrix/DNA

xxxxxxxxxxxx

E como foi feita a enzima pela formula da Matrix/DNA:

Meu comentário postado e publicado na pagina da PHYS.org:

Morelli – (01/01/21) . Sorry, this is not a scientific suggestion, but it could be of great value for next experiments/research. My method, comparative anatomy between living and non-living systems is suggesting an unknown meaning for proteins and enzymes which is approved by this research. S-adenosylmethionine synthetase enzyme works as the axis and whells and proteins works as the motor of a vehicle. Look to that enzime molecule and see how it is a central axis with two lateral rods. I am suggersting a universal formula for systems which is the template of cell systems, proteins performs the function of each momentum of the spheric circuit, but they are static parts, so, the need of someting that brings dynamics to the parts, it is the enzyme. At my website , my last article has more information, which are free.

E meu comentário postado no Facebook:

https://www.facebook.com/TheMatrixDNA

Grande Descoberta nas primeiras horas do Ano Novo!

Estava lendo um artigo cientifico. Aplicando luz em enzimas, os cientistas conseguiram movê-las dentro da célula, na direção de proteínas e do DNA. Estas palavras juntas – luz, proteínas, enzimas – me fez acender uma lampadazinha dentro do meu cocuruto. Imediatamente me lembrei da formula da Matrix/DNA – que os cientistas na pesquisa não conhecem.

Pela formula já descobri porque e como a Natureza criou as proteínas. Elas representam cada ponto do circuito esférico da formula, pelo qual flui o dinamismo do ciclo vital. Mas eu nunca tinha pensado num detalhe: as proteínas seriam pontos estáticos, então a célula teria que ser também estática, sem os movimentos internos propiciados pelas proteínas. Isto funciona nos sistemas astronômicos que são quase fechados mas não poderia ser nos sistemas vivos, que são abertos.

Por outro lado eu sempre tive um problema com as enzimas. São um tipo inferior de proteínas, fazem funções diferentes das proteínas, mas minha questão era: de onde, na formula, veio as enzimas? O experimento cientifico foi um choque, de repente ele respondeu estas questões! corri na formula, fiz novos desenhos situando proteínas e percebi que as enzimas fazem o papel de ponte móvel entre proteínas. ou seja, elas são o agente móvel, dinâmico, que passando e unindo proteínas as tornam rolando no circuito. E de onde geram a energia para se moverem? Ora, eu já disse que a formula da Matrix surgiu na forma de luz, ela se implanta na matéria na forma de fótons de luz, os quais criam uma network reproduzindo exatamente a mesma formula, e assim tudo se torna vivo, funcional! Pronto assim o sistema celular está aberto para ser um sistema vivo!

E então fui pesquisar as moléculas citadas pelos cientistas e quando bati o olho nelas… bingo! .. De cara vejo a formula ali, embutida naquela molécula! . E gerando movimentos. Como o eixo do carro roda na horizontal mas tendo duas rodas em vertical nas suas pontas, faz o carro mover-se.

Parece mais um trem, sendo as enzimas o chassis e as rodas movendo o comboio, e os vagões são as proteínas… O vórtice giratório da formula torna-se o eixo giratório na molécula de enzima, e ela tem rodas, por isso ela percorre o circuito, levando informações de uma proteína para outra e para o DNA!

Isto pode ser inspiração para um monte de novas pesquisas e experiências cientificas que pode levar a novas medicinas para cura de doenças, etc. Mas claro, isto só vai acontecer quando alguém descobrir a formula da Matrix/DNA. Eu já a descobri 30 anos atrás, mas eu sou invisível, não tenho nenhum vínculo com os fazedores de ciências, então não conto… Mas não me preocupo com isso, ao contrario, encho uma taça de vinho e saio lá fora erguendo-a para o céu justamente nos primeiros minutos do ano novo agradecendo o Universo por esse belo presente de inicio de ano!

Cristais: Mais informações sobre padrões, sequencias: os cristais do tempo. E a Matrix/DNA sugere mais insights na origem da vida.

Friday, January 1st, 2021

Baseado no artigo:

O que são ‘cristais de tempo’, o estranho estado da matéria que pode revolucionar a tecnologia

https://www.uol.com.br/tilt/noticias/bbc/2020/12/18/o-que-sao-cristais-de-tempo-o-estranho-estado-da-materia-que-pode-revolucionar-a-tecnologia.htm

Porque A Matrix/DNA tem sugerido que os cristais são os objetos mais promissores da matéria não-orgânica que parece ter contribuído no inicio das origens da vida ( cristais reagem com a luz, o código da vida chegou aqui pelos fótons de luz e cristais são um dos únicos fenômenos que apresentam um inicio de ordem, sequencial, na matéria inorgânica) , temos interesse em pesquisar todo o possível e registrar todas as informações colhidas aqui. E uma opinião do cientista e Premio Nobel, Frank Wilczek, reforça a sugestão dada pela Matrix/DNA: segundo ele, os cristais são as estruturas mais organizadas da Natureza. Alguns detalhes importantes neste artigo:

  • Em 2012, o físico americano Frank Wilczek propôs um conceito controverso para descrever um novo estado da matéria que desafiava as leis da física…. Wilczek, que os chamou de “cristais do tempo”, ganhou o Prêmio Nobel de Física em 2004….
  • Primeiro, precisamos entender o que é um cristal. Na física, um cristal é definido como um objeto cujos átomos estão dispostos de forma a criar um padrão repetitivo. Em um líquido, por exemplo, as moléculas são distribuídas simetricamente, como um enxame uniforme. Em um cristal, por outro lado, as moléculas são agrupadas formando redes e estruturas que criam uma sequência….
  • Se de alguma forma essa simetria do liquido for rompida, o líquido deixa de ser líquido e se torna, por exemplo, um cristal. Pense, por exemplo, na água. No estado líquido é simétrico, mas quando suas partículas congelam se transformam em cristais que rompem essa simetria, criando um padrão que se repete em toda a sua estrutura…. –

Matrix/DNA: Pk, nossa sugestão aqui é: Nossa teoria encontrou que a formula dos sistemas naturais surgiu neste mundo material como uma simples onda de luz. Ao se expandir a onda cria sete diferentes estados que bate com o que o processo do ciclo vital faz com corpos vivos. Os sete estados da luz tornam-se as sete funções sistêmicas, ou seja, tornam-se cada parte de um sistema material natural. Agora temos a informação neste artigo de que geralmente a matéria inorgânica é simétrica porque apresenta as mesmas propriedades em qualquer ponto. Por exemplo, a água. Neste estado, essa matéria é massa, não se constitui em sistema. Já os cristais não são simétricos, eles apresentam uma sucessão de propriedades diferentes e repetem esta mesma sucessão. Assim aconteceria com uma onda de luz que se auto reciclasse, repetindo-se, repetiria sempre o padrão das sete propriedades na mesma sequencia. Ora, temos a suspeita de que os cristais interagem com a luz, em diversas maneiras. Parecem ser mesmo matéria inorgânica luminosa, transparente. Enfim, somos conduzidos agora a suspeitar que a onda de luz – que contem como anatomia o código da vida, da unidade fundamental de informação do DNA – de alguma maneira paira acima de um liquido, penetra-o, e de dentro modela o liquido à sua imagem e semelhança. Surge assim o cristal com sucessão de propriedades num padrão repetido. Este cristal poderia ter então transferido ou projetado este padrão para elementos químicos ou apenas átomos que se agregam à sua superfície. Estes elementos químicos começariam a serem ativados com o processo do ciclo vital na forma de aminoacidos… e dariam continuidade ao processo formando as primeiras proteínas e RNA. Vale observar aqui que mais a frente o artigo fornece uma informação que seria ótima evidencia para esta hipótese: no novo cristal, ondas ficam correndo-o, num vai e vem… ( … O que esse campo faz é empurrar algumas das partículas do fluido e parar outras, com as quais há um acúmulo de partículas, que por sua vez produz uma onda que viaja constantemente pelo sistema…. ). Se esta hipótese estiver mais próxima do que de fato ocorreu nas origens da vida, estaria certa a teoria cientifica que sugere a vida ter começado na agua, nos fundos oceânicos. Um dos problemas agora para nós e pesquisar se nestes fundos oceânicos existem cristais… espera aí… o sal é um cristal… e os sais são importante constituintes dos organismos…

  • ….O resultado foi que o grupo de partículas começou a viajar incessantemente dentro do cristal. É como se, paradoxalmente, seu estado de repouso fosse o movimento constante ao longo do tempo….

Matrix/DNA: Se a hipótese de que o cristal absorve ondas de luz, esse movimento nos leva a suspeitar que a luz não seja algo estático, e sim que ” seu estado de repouso seja im movimento constante ao longo do tempo…” . É difícil imaginar isso quando nossa teoria sugere a onda de luz como o circuito esférico da formula, pois ela tem inicio ( na forma de baby) e no seu sétimo e ultimo estado ela termina como cadáver fragmentando-se em fótons. Como ela faria dentro do cristal o caminho inverso, não sei… apesar de que na formula para os sistemas fechados ela faz justamente este caminho inverso também. Mas teria que ter ali dentro o tal buraco negro…?!

New great right prevision from Matrix/DNA Theory becames evidence by great scientific discovery:” Bright flash of light marks incredible moment life begins”

Saturday, December 26th, 2020

About 5 days ago I was very happy because the news has confirmed my theoretical astronomical model, registered at copyrights about 30 years ago: the Sun’s nucleus has the strongest frequency of the electromagnetic spectrum and as effect, rotates 4 times fast than the surface’s sphere.

But, searching the scientific news today, I had another great moment. One of the most important prevision of Matrix/DNA Theory ( the final meaning of this universe and life existence) got a great evidence, if not a final confirmation. The news is: ” Bright flash of light marks incredible moment life begins”.

I have no time for writing about now, so, I will post here the picture of the eletromagnetic spectrum by Matrix/DNA and what I have wrote in the debate related to the last article here:

 

 
To everybody debating with me in this thread: please, see how and why the Matrix/DNA world view during the last 30 years has confirmed hundreds of its previsions. Two days ago I wrote here: ” We found that the vital principle is encoded in a light wave, like that emitted after the Big Bang”.
 
 
Today I am reading the news: ” Bright flash of light marks incredible moment life begins”. I have wrote here that in this Universe is occurring a natural genetic process of reproduction of the unknown thing that triggered the Big Bang as an act of fecundation. And I wrote here that evolution is expanding like waves in the water: each new wave carries own the dust of the last wave and reaches more dust ahead. So the second wave of evolution receives the systems from the first wave, aggregating new information, evolving it and throwing it to next wave. The last wave has repeated all step of all waves before, that’s why a new shape, like a human embryo, repeats all evolutionary shapes. It means that the first moment of human life repeats the first moment of the Universe when the “life” of a universal natural system is began. It was a genetic code encoded by photons, then evolved to an atom like the first cell; to a nebulae of galaxies like the blastula… and so on.
 

So,… every time that the universal system is recreated, the event of the Big Bang is repeated! What happens at the fecundation of the Universe, 13,8 billion years ago, happens at the fecundation of any animal ovule. It is light everywhere, because the universal code for life first came in shape of a light wave!

Why? Because this Universe is not a magician. It can not create new information than those inserted in it at the act of its creation. It can not creating things by another method than that it was created. Anther method would means ” never existed before new information”, and this would be magics

What you see and think is new information is merely the result of fuzzy logics, the mixing of two or more standard information generating the possible levels of sub-information between them.

 
 
I will research now what is the secret of zinc atom, it must have some property that something at the Big Bang had. But, as I said thousand times, the big secret of genome, or DNA, is that its electrons are occupied by photons with information of the life’s code. So, that light saw by scientists occurs when the male counterpart that contains the half of the code’s network meets the another half and the entire network flourishes… the mechanism is repeated when a supernova is born, as you can see at Matrix/DNA astronomical models.
 
 
Three days ago another great prevision was conformed: #0 years ago when I got the copyright of this theory it contained that a star’s nucleus has a dynamics like the first frequency of light wave, which is the strongest. So, the nucleus should have a rotation fast than the above spherical rotations… This whole theory is results from calculations applying the most natural logic as I was studying the biosphere at Amazon jungle… and its right previsions has suggested that nature does not plays dice with its creatures, although we insist to play dices with her.
 
xxxx
 
Light - The Electro-Magnetic Spectrum by Matrix/DNA Theory

Light – The Electro-Magnetic Spectrum by Matrix/DNA Theory

A little bit of information about this issue – how to interpret the graphic:

At the extreme right ( before the gamma ray), there is the source of the wave. At the gamma ray occurs the event of fecundation ( it can be fecundation for a new  universal system, like the Big Bang, or the fecundation of an ovule, or the gestation of anew astronomical body, which begins by the nucleus, that’s why I predict the strongest vibration, or rotation, at Sun’s nucleus). See that the wave is merely the process of life’s cycle, so, the genetic code that became very complex today, at its begining was too much simple, merely the process of life’s cycle. At another articles here I describe how this light wave becames the Matrix/DNA formula.

AllatRa: a verdadeira história das mentirosas religiões? ( vídeo legendado)

Wednesday, December 9th, 2020

xxxx

#ALLATRA#Verdade#Joio

Verdade e o Joio

725 views•Sep 30, 2020


AllatRa TV em Português

Calvin Cycle e a Formula da Matrix/DNA: Maravilhas da Formula Criadora

Wednesday, December 2nd, 2020

Como a formula Matrix/DNA para sistemas naturais e ciclos vitais montou o Calvin Cycle? BASTA VER A SEGUNDA FIGURA AQUI PARA ENTENDER TUDO!

O processo da fotossíntese se divide em duas fases. Uma é chamada de fase clara, porque se dá na presença da luz; a outra é a fase escura, porque ocorre no interior da folha, sem luz. Esta segunda fase é o Calvin Cycle.

Um artigo completo explicando o Calvin Cycle pode ser visto no Wikipedia ou melhor no link: https://www.eartheclipse.com/biology/calvin-cycle.html

1) Figura do Calvin Cycle

Superpondo o objeto real criado ( o Calvin Cycle ) sobre o template gerador que é a formula Matrix/DNA, temos:

This image has an empty alt attribute; its file name is Calvin-Cycle-no-paint-1024x666.png
Calvin Cycle e a Formula Matrix/DNA

Recordando uma das figuras da formula:

The Universal Matrix/DNA as Closed System

F1 fica no local Stage 1, carbon fixation, depois que entra ” 3 molecules CO2″ na folha através dos poros chamados stomata. Ali existe uma molécula que é a receptora inicial de NADPH and ATP, os quais vem da primeira fase da fotossínteses que é outro ciclo. Este receptor (acceptor, porque F1 é função inicial receptora que inicia a mistura das matérias primas e gera o embrião do sistema ) é chamado RuBP: ribulose-1,5-bisphosphate (RuBP), a five-carbon acceptor molecule. Observe que no final do ciclo, no Stage 3, começa a ocorrer a regeneração de RuBP, da mesma forma que no sistema astronômico os fragmentos de F7 se reúnem num ponto para refazerem o vórtice nuclear.

Partindo daí deduzimos que o Stage 2 representa as funções F2, F3, F4. Observa-se que o produto final, 3-carbon sugar é emitido onde deve estar F4, onde fica a função masculina emitindo seu “espermatozoide” que tanto pode ser a energia e informação a fecundar F1 ( sistema fechado) ou pode ser energia/informação atirada para fora do sistema ( sistema aberto).

Temos então a novidade, o curioso caso em que um sistema perfaz-se como fechado e aberto ao mesmo tempo. Fechado porque ele mesmo fornece o material para refazer sua fonte inicial, e aberto porque ele recebe e fornece, ou seja faz trocas com o exterior.

Mas como isto é possível? Eu nunca vi sistema semelhante antes, ou não notei que outros sistemas também fazem isso. A explicação é que o sistema não é realmente fechado, como também não é realmente aberto. Em resumo, pode-se explicar com uma analogia de dois grupos de três passageiros humanos num veiculo:

Existe uma estrada circular, formando uma esfera, onde permanentemente roda um veiculo, com 3 pessoas. A certa altura, o veiculo para e recolhe 3 pessoas que pedem carona. Ficam 6 pessoas. Antes do veiculo chegar novamente ao ponto onde as 3 caronas entraram, elas saltam do veiculo, e correm a pé na frente, para reentrarem quando as três caronas desembarcarem… isto porque naquele trecho terá que ser feita uma tarefa da qual o grupo carona é especialista. Aquele trecho que fica no inicio e no final de uma volta, sempre terá apenas 3 passageiros. Essas voltas do veiculo com 3 pessoas representa o sistema fechado, que foi aberto no meio da volta e voltou a se fechar, sem afetar nada na chegada. E qual a evidencia para esta teoria? Está aqui: ” An enzyme called RuBP carboxylase/oxygenase or rubisco would catalyze the attachment of carbon dioxide to the RuBP. This process would make a six-carbon compound. But because the said compound is unstable, it would quickly split into two molecules of a three-carbon compound which is called as the 3-phosphoglyceric acid or 3-PGA. Hence, for each of carbon dioxide that would enter the cycle, two 3-PGA molecules are formed.”

Two 3-PGA … São dois grupos de 3 passageiros.

Mas sentimos aqui algo muito mais profundo e complexo acontecendo. E parece-me que a nível quântico! Pois um sistema fechado é estável, sempre. Se qualquer de suas partes se tornar instável – por alguma perturbação externa – o fluxo ou parte dele se desvia da lógica do ciclo vital, o que significa que não vai chegar o material necessário em F1 para reiniciar a auto-reciclagem. Mas neste sistema, ele já se torna instável logo após a partida do fluxo de F1. Como se seu corpo começasse gordo em demasia de maneira que o veiculo, muito pesado, não rolaria para perfazer o circuito. Mas quando o veiculo começa a falhar logo depois da partida, quer queira, quer não queira, o sistema será invadido por outro gordo, que vem de fora. Mas ao invés do invasor entrar no veiculo, empurra-o. E só pára quando termina o stage 2. O invasor entra como a molécula “NADO” e sai na forma de glucose. Tudo bem, não vemos nenhum dedo da quântica nisso, é perfeitamente racional pelas leis da física clássica. Mas…

E se o sistema não tivesse partido instável? Ele não pode evitar a invasão que sempre ocorrerá no meio do trajeto. Se o gordo invasor tivesse entrado no veiculo, todo o sistema teria desmoronado. Então para que o sistema sobreviva ele precisa se tornar instável logo na partida. Mas como, na partida, o motorista do veiculo sabe que vai ser atacado no futuro?!!!

O fluxo nada pode saber do futuro, assim como as aguas de um rio não podem saber que lá na frente vai desaguar sobre ela as aguas de outro rio que também vem correndo na direção do mar.

O FENOMENO QUANTICO DA “ESCOLHA RETARDADA” SE MANIFESTA NO CALVIN CYCLE?

Esta estranha surpresa nos lembra imediatamente o mesmo problema chamado de “escolha retardada” que ocorre na dimensão quântica, e que foi meu assunto a uns dois ou três artigos atrás. No qual o acaso que vai ocorrer no futuro determinou a logica do que ocorreu no passado…. Os caras ficam observando o canhão emitir um feixe de fótons que saem na forma de partículas e perfazem um circuito. Aí resolvem brincar com os fótons e faze-los quebrarem o nariz num paredão. Devido a se moverem na velocidade da luz, não é possível colocar a barreira no circuito depois que os fótons foram disparados. Então colocam a barreira antes e disparam o canhão. Os fótons atravessaram a barreira. Como? Repetem a experiência, Vamos focar na barreira como fazem isso. Aí descobrem estupefatos que os fótons não vinham como partículas e sim como ondas, as quais atravessam facilmente a barreira. Mas como vinham como ondas se saíram como partículas? E porque quando não colocamos a segunda barreira, os fótons saem como partícula e continuam como partícula até o fim? Vamos focar a boca do canhão de onde saem estes fótons. Sem barreira, saem como partículas. Quando botam a barreira, saem como ondas.

Como é que os fótons adivinham que lá no futuro vão encontrar outra barreira e por isso precisam serem ondas? E no Calvin Cycle, como é que os carbonos sabem que devem entrar em numero de seis, o que parece suicídio, na forma instável, porque lá na frente vai chegar algo que se os encontrassem na forma estável estariam todos mortos?!!!

NÃO EXISTE DE FATO A DUALIDADE SIMULTANEA DE UM OBJETO COMO ONDA E PARTICULA ?

Para mim, a formula da Matrix/DNA está sugerindo uma solução que me parece lógica. É uma solução parecida com a epigenética. E vem reforçar uma suspeita que venho pensando a tempo e que escandalizaria os cientistas da teoria quântica: “Não existe essa dualidade onda/partícula. Claro que essa ideia tem minado toda a nossa racionalidade, pois ela não existe de fato. O que existe, no experimento acima, é uma partícula fóton se movendo junto com seu background, seu fractal maior, que é um campo que é onda, como se fosse um campo eletromagnético. Acontece que essa onda é luz a luz original de onde vem os fótons, e os fótons são miniaturas da onda, eles contem tudo o que a onda completa contem, com seus sete estágios vibracionais. E acho que isso explica também o ainda desconhecido comando de instruções do DNA. A formula está ali materializada em carne e osso, mas ela continua junto como luz.

A MATRIX/DNA, ENQUANTO ONDA DE LUZ, É ATEMPORAL?

A onda é atemporal ( passado e futuro colapsam a um ponto que é o presente, então, sempre existe apenas o presente) portanto antes do fóton partir, a onda já sabe qual será sua futura trajetória. Se a onda sabe que terá a segunda barreira, ela modela o fóton para se comportar como onda. Essa ideia me veio do meu modelo teórico do átomo, quando procurava descobrir como a formula Matrix/DNA ( que é a onda que estamos falando) construiu os sistemas atômicos. Sendo o primeiro molde evolutivo do sistema universal, o átomo foi feito mais como template do que objeto real. O template está circunscrito nas sete camadas eletrônicas, cada camada sendo uma das partes da formula. Elas são campos abstratos de força, ou luz, e apenas emergem como objetos se tocadas por um elétron. É como se um corpo humano fosse invisível e quando tocado em algum órgão, ou mais alguns, estes órgãos se materializassem sendo visíveis… com o resto do corpo permanecendo invisível. E isso resolveria as contradições entre o modelo teórico de Rutherford, onde elétrons circulam o núcleo como partículas, e o modelo teórico quântico, onde os elétrons aparecem como ondas difusas. Ora, a partícula elétron continua, mas agora também a camada eletrônica correspondente a onda se manifesta, por isso os observadores veem como onda.

( Pesquisa a ser continuada)

O cérebro é o circuito de um sistema perfeito, o corpo, outro igual circuito: alterações no circuito corporal são detectadas no circuito cerebral, como dores, sensações. Nova sub-teoria da Teoria Geral da Matrix/DNA

Saturday, November 28th, 2020

Nem meu cérebro nem eu (como ego ou consciência), nunca vimos meu fígado, meu coração, nem meu estomago. Meu ego, ou consciência, sabe que tenho estes órgãos, qual a forma deles, e onde estão localizados, porque vejo figuras destes órgãos em outros corpos iguais ao meu. Mas o cérebro não pode saber nada disso, ele nunca recebeu sinais visuais, tácteis ou sonoros destes órgãos. Então, como o cérebro avisa meu ego que está ocorrendo má digestão no estomago, ou seja, alguma azia, e com um tipo de aviso ( na forma de dor) bem especifico, ou seja, aquela dor que imediatamente relacionamos à azia?!

Exemplos de que o cérebro nem sabe que ele tem – ou está ligado – a um corpo, são muitos. No vídeo com link abaixo, são mostrados alguns exemplos. Outro exemplo é o que acontece com crianças recém-nascidas. No inicio elas não controlam os movimentos de mãos e pernas. A certa idade elas ficando olhando para as mãos e os pés, curiosas, e uma mão pega, apalpa, sente a outra, pega um pé… só então a criança começa a ver que que aqueles membros não são como os outros objetos que ela vê – o berço, o brinquedo, etc – porque elas percebem que podem mover estes membros pela simples vontade de movê-los. Só então passam a ter controle deles, a aprender a andar, etc. Mas o que percebeu isso foi o ego, não o cérebro: para este, não tem diferença entre os diferentes objetos externos.

O cérebro tem extensões, denominadas “nervos”. Mas um nervo que desce pelo pescoço, ou sai da medula espinhal, atravessa larga área escura, passa pelo fígado, não vê nada, e o cérebro não pode saber onde ele está, são como tentáculos de um polvo cego no fundo escuro do oceano. Nervos que passam pelos dedos que sofre um ferimento são afetados naquele local, mas o cérebro, que nem sabe o que tem dentro dos dedos e em volta daquele nervo, nem a qual distancia o ferimento está, etc., jamais poderia saber que um dedo está sendo cortado.

No entanto, a realidade mostra que ele avisa o ego que o dedo está sendo cortado, mesmo que eu também esteja num oceano escuro sem ver meus dedos.

Neste vídeo, é ensinado como estão as ultimas pesquisas e mais atualizadas teorias dos cientistas. A teoria pode ser resumida neste trecho do seu discurso:

Aos 12:38 s – ” As experiências do corpo a partir de dentro são bem diferentes das experiências do mundo à nossa volta. Ao olhar à minha volta, o mundo parece cheio de objetos, mesas, cadeiras, mãos de borracha, pessoas, vocês todos…inclusive meu próprio corpo. Posso percebê-lo como um objeto externo. Mas as minhas experiências a partir de dentro do corpo não são assim. Não percebo meus rins aqui, meu fígado aqui, meu baço. Não sei onde fica meu baço, mas fica em algum lugar. Não percebo minhas vísceras como objetos. Na verdade, nunca as percebo, a não ser que haja algum problema com elas. E isso é importante, eu acho. A percepção do estado interno do corpo não tem a ver com saber o que está lá, mas tem a ver com controle e regulação, com manter nossas variáveis fisiológicas dentro dos limites necessários para nossa sobrevivência. Quando o cérebro se utiliza de palpites pra entender o que está fora, percebemos os objetos como causas das sensações. Quando o cérebro se utiliza de palpites para controlar e regular coisas, vemos o quanto esse controle está indo bem ou mal. Então, nossas experiências mais básicas de sermos um ser, de sermos um organismo corpóreo, estão profundamente arraigadas nos mecanismos biológicos que nos mantêm vivos. E, quando seguimos essa ideia, começamos a ver que todas as nossas experiências conscientes, já que dependem do mesmo mecanismo de percepção por palpites, vêm de uma necessidade básica de permanecermos vivos. Vivenciamos o mundo e a nós mesmos com, por meio de, e por causa dos nossos corpos vivos.”

Sinceramente, não entendi nada. Para mim, ele enrolou, escapando como os políticos escapam recorrendo a recursos de retoricas que nada dizem para enganar os eleitores de que elas sabem o que estão falando, mas o leitor que não sabe porque não tem inteligência suficiente, deve docilmente aceitar aquela verborreia como sentença definitiva. Ele não apresentou filmes animados mostrando o que são “variáveis fisiológicas, mecanismos biológicos que nos mantem vivos, ou por qual mecanismo o cérebro calculou a região e o local do nervo dentro do dedo, e como, por qual sinal, o cérebro materializou sua percepção em substancia mental para que minha consciência se inteire disso, e etc.”

Sei que minha inteligência é fraca, e posso até aceitar que é mais fraca do que o normal entre humanos, por isso, peço a alguém que tenha entendido e saiba traduzir isto numa outra forma de linguagem que ei entenda melhor, talvez nem precise mostrar os experimentos científicos que revelam estas variáveis fisiológicas, estes mecanismos biológicos, como são, fisicamente, estes controles de regulação… que pelo jeito, teriam que ser controles remotos, dada a distancia e separação do cérebro e o corpo.

Mas os cientistas mencionaram duas palavras que me impressionaram: controle e regulação.

Isto me lembrou imediatamente a minha Teoria Geral da Matrix/DNA, a sua formula universal, e me fez correr a calcular uma nova sub-teoria.

A Matrix/DNA diz que existe uma formula natural de todos os sistemas naturais. Essa formula é vista no corpo, do pescoço para baixo, e outra vez, como forma do cérebro, pois são dois sistemas naturais. Então ela sugere que somos duas cópias do sistema universal, uma como corpo e outra como cérebro. O cérebro foi construído evolutivamente como auto projeção do corpo, desde as bactérias, iniciando por sistemas nervosos muito simples. E diz que todos os sistemas naturais são como fractais em diferentes tamanhos, uns dentro de outros, numa universal hierarquia de sistemas. Acima de todos os fractais existe o fractal perfeito universal como template de todo este Universo, uma espécie de genoma da fonte geradora deste Universo. I sentido da existência destes fractais menores, como nós humanos, é serem moldados pela evolução e crescerem para se empalharem com o genoma divino. Assim como aconteceu entre seu corpo e o de seus pais. Para lembrar e fixar melhor a nossa mente vamos trazer a formula para cá:

Se esta formula está como template tanto do cérebro como do corpo, seus órgãos principais do corpo correspondem a seis regiões ou glândulas do cérebro. No corpo, F1 deve ser o coração, no cérebro sabemos que é o hipocampo. E assim por diante. No cérebro as partes todas são fixas, não se móvel e não realizam funções metabólicas, então no cérebro a formula é fielmente estabelecida e imutável. No corpo as partes executam funções metabólicas, podem ter seus estados variados. Enfim, o que interessa mais na formula é o fluxo de informações do sistema inteiro que corre no circuito esférico. Sendo a mesma formula na forma de dois fractais e estando os dois interconectados, podemos supor que estão alinhados, encaixados, superpostos, como ocorre na superposição quântica. E devemos supor que qualquer saída da anormalidade, qualquer influencia negativa em qualquer órgão ou ponto do circuito do corpo, causará uma perturbação local da energia fluindo no circuito. Assim, qualquer perturbação num ponto do circuito do corpo, será imediatamente percebido como alteração ou desvio ou bloqueamento da energia no mesmo ponto do circuito do fractal cerebral.

O cérebro não diz ao ego que está doendo o pulmão. O cérebro não sabe que existe pulmão. E o pulmão por si só não tem e não sente dor. E quem está conectado com o ego, ou consciência, não é o pulmão, e sim o cérebro.

No emaranhamento quântico, qualquer alteração numa partícula repercute e produz alteração imediata na sua contraparte que pode estar a milhas de distancia. Então quando existe bolhas de sopro/água perturbando o pulmão, o cérebro retira o ponto correspondente de seu circuito de contato com o ego e cede lugar ao mesmo ponto de circuito que corresponde ao pulmão. Assim o pulmão entra em contato direto com a mente. E a mente sente a dor localizada e característica do pulmão.

O cérebro deveria ter o poder de impor a correção do seu circuito sobre o ponto correspondente doentio no corpo. Isto seria uma espécie de epigenética, e tem evidencias sugerindo que de fato pode acontecer. Com a evolução, talvez nossa mente, através do cérebro seja assim capacitado a nos curar.

Na minha mente – acostumada a 30 anos a lidar com esta formula – a figura se desenha com clareza, a superposição dos fractais, mas entendo que ao leigo no assunto, fica difícil de ver o quadro mental. Se tiver tempo e melhores recursos computacionais aqui vou fazer o desenho que tenho na mente desta superposição e adiciona-lo neste artigo. Por ora, fica registrado maus um ramo de pesquisa a ser refletido e desenvolvido.

O vídeo é muito bom, pode ser escolher a legenda em português, e até ver o transcript. Mas a mensagem final, a meu ver, é obscura, mostrando que a uma certa ideologia está falando mais que a ciência real. Isto se nota no inicio quando dizem que : ” antigamente se acreditava que a vida foi feita por magicas, hoje já sabemos como foi feita pela física e pela química…” Novamente o escapar pelo reino das palavras humanas que são desconectadas da realidade captada pelos nossos censores e pelos instrumentos científicos. Para a Natureza não existe isto de física e química, não existe separação nos eventos naturais de isto pertence a uma área, e isto a outra área, ali tudo é uma coisa só é natureza. Física e química se tornaram duas palavras representando entidades magicas que criaram as propriedades vitais e toda a vida em si. Onde estavam – nos átomos do planeta terra, no sistema solar e nesta galáxia, as forças e elementos naturais que convergiram para a superfície terrestre e entre suas ações e reações produziram a vida? Não venham me enrolar com palavras que, tendo a Natureza como observadora, nada significa. E este salto da realidade para o mundo das ideologias, sejam deístas ou materialistas, que foi aplicado ao fenômeno da vida, estão agora aplicando-o ao fenômeno e maior mistério de todos os tempos que é a autoconsciência…

Your brain hallucinates your conscious reality | Anil Seth

FIM 

Incrível: a formula da Matrix/DNA me conduz a sugerir uma solução para o maior mistério da Física Quântica! (Claro que devo estar errado mas esta solução seria elegante demais)

Friday, November 13th, 2020

Sobre: O Experimento da Escolha Retardada

Inspirado no Artigo: Onda ou partícula? Experimento testa natureza dos objetos quânticos

http://Onda ou partícula? Experimento testa natureza dos objetos quânticos

http://sbfisica.org.br/v1/home/index.php/pt/

Sociedade Brasileira de Física

xxxx

O desenho abaixo explica o experimento proposto num artigo na revista Physical Review Letters, pelos físicos Rafael ChavesGabriela Lemos e Jacques Pienaar, todos pesquisadores do Instituto Internacional de Física (IIF) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em Natal. A novidade do experimento é que é uma modificação do chamado experimento da escolha atrasada, concebido em 1979 pelo físico norte-americano John Wheeler (1911-2008), justamente para testar a realidade quântica, e cujo resultado levantou a famosa discussão entre um grupo que acredita na escolha atrasada ( a consciência do observador interfere no comportamento dos fótons), e outro grupo que defende a segunda explicação: “É que o fóton não tem propriedades bem definidas até que seja medido”. Essa é a explicação mais aceita pelos físicos, a chamada interpretação de Copenhagen da mecânica quântica, defendida pelo dinamarquês Niels Bohr (1885-1985).

O desenho abaixo ilustra o experimento realizado pelos físicos do IFF:

destaque 2018 09 20

O experimento usa um conjunto de espelhos perfeitos e semi-refletores. Primeiro, um fóton incide sobre um aparelho chamado de divisor de feixes (BS1 na figura acima). É um espelho semi-refletor, que em 50% das vezes reflete os fótons incidentes e nas 50% das vezes restantes deixa os fótons atravessarem sem desviá-los.

Assim, o fóton pode tomar dois caminhos possíveis. Refletido, toma o caminho b, encontra um espelho perfeito e atinge o detector de fótons d. Mas se atravessar BS1, percorre o caminho c e atinge o detector e. Nesse caso, o fóton parece se comportar como uma partícula: existe chance igual do fóton ser detectado em d ou e.

O fóton se comporta como uma onda, porém, se além do divisor de feixes BS1, os experimentadores colocarem no cruzamentos dos caminhos b e c, um segundo divisor de feixes, BS2. Nesse caso, as chances do fóton ser detectado em d ou e variam. As probabilidades de detecção variam com o tamanho relativo dos caminhos c e b e o ajuste do modulador de fase no caminho c (triângulo amarelo na figura). Nesse caso, o fóton age como se fosse uma onda. Ao incidir em BS1, a onda se divide em duas, que depois interferem uma com a outra em BS2. A interferência das ondas em BS2 determina a probabilidade do fóton ser detectado em d ou e.

Wheeler imaginou então o que aconteceria se o experimentador escolhesse colocar ou não o divisor BS2 apenas depois do fóton já ter incidido em BS1. O experimento já foi realizado várias vezes e verificou que a escolha atrasada não influencia o resultado. Sem o divisor BS2, o fóton age como partícula. Com o divisor BS2, o fóton age como uma onda. Mas como isso seria possível? Como o fóton poderia “saber” se deve se comportar como partícula ou como onda ao passar por BS1?

Entenda: O fóton sai do canhão emissor, ninguém sabe ainda se como onda ou partícula. Se lá na frente, depois que ele partiu, colocarem um BS2, se verifica que ele partiu como onda. Se não colocarem, verifica-se que ele partiu como partícula… !!! This blow up our brains…

“A primeira possibilidade é que a decisão do experimentador sobre a medição no futuro refletisse no comportamento do fóton no passado”, explica Lemos. Essa possibilidade implicaria no absurdo de eventos no futuro poderem influenciar eventos no passado.

“A segunda explicação é que o fóton não tem propriedades bem definidas até que seja medido” diz Pienaar. Essa é a explicação mais aceita pelos físicos, a chamada interpretação de Copenhagen da mecânica quântica, defendida pelo dinamarquês Niels Bohr (1885-1985). Wheeler foi um aluno de Bohr e costumava afirmar que “nenhum fenômeno é real até ser um fenômeno observado”.

Inspirados por discussões com Romeu Rossi Junior, físico da Universidade Federal de Viçosa, Chaves, Lemos e Pienaar decidiram verificar se não haveria uma explicação alternativa para o experimento da escolha atrasada. “Surpreendentemente, descobrimos que há sim um modelo clássico estatístico causal para explicar os resultados”, diz Lemos.

O modelo matemático de causa e efeito descoberto pelos físicos do IIF é difícil de visualizar, pois não utiliza os conceitos de onda ou partícula. É um conjunto de regras abstratas que assumem que o comportamento do fóton é controlado por uma variável que só pode assumir dois valores ou estados possíveis. O valor dessa variável “oculta” é sensível à presença do divisor BS2 apenas no momento em que este é colocado no experimento, modificando o comportamento do fóton, fazendo com que as previsões do modelo sejam idênticas às da teoria da mecânica quântica convencional. “Desta forma, o experimento de Wheeler não seria um bom experimento para diferenciar um fenômeno quântico de um fenômeno clássico”, explica Lemos.

Os pesquisadores então propuseram uma pequena modificação no experimento da escolha atrasada. Inserindo moduladores de fase adicionais no circuito do experimento, os experimentadores poderiam criar situações em laboratório em que as previsões do modelo clássico de dois estados seriam diferentes das previsões da mecânica quântica. Os resultados das três realizações do experimento rejeitaram o modelo clássico e confirmaram as previsões da mecânica quântica.

Financiada pelo CNPq, MEC e MCTIC, a pesquisa foi destaque em artigo da Quanta, revista de divulgação científica da Simons Foundation, sendo republicado pela revista Wired.

xxxx

Pois bem. Vamos fazer agora uma introdução à uma terceira solução, que estou sugerindo. Depois continuamos esta pesquisa verificando o paper na Physical Review, os artigos da Quanta e da Wired, e fazer uma pesquisa na Internet buscando mais reações de cientistas.

Solução da Matrix/DNA:

A nossa Teoria Geral tem sugerido que existem ondas de luz primordiais ( ou existiu uma primordial emitida no Big Bang) que, quando avança se propagando no tempo e espaço ( ou seja, ficando mais idosa e maior em tamanho), a onda de luz imita exatamente o que acontece com um corpo humano quando, emitido pela fonte geradora, avança se propagando no tempo e espaço ( ficando mais idoso e maior). Mas tem mais outras coincidências entre uma onda de luz original e um corpo humano. Por exemplo, observando-se as luzes emitidas por radiação eletromagnética de sete diferentes elementos, obtém-se sete diferentes “estados” de luz, que são por nos denominados de faixas de frequência, cada qual emitindo uma cor especifica. Isto fica visível na figura que se forma na tela do computador e que se chama “espectro eletromagnético” segundo a figura abaixo:

See the source image

Na montagem da minha teoria, fui parar no Big Bang procurando o que houve ali que teria sido a primeira manifestação neste universal material da formula da Matrix/DNA, pois me focalizando no nosso DNA e seguindo as pegadas da evolução de trás para a frente, ou seja, daqui do presente rumo ao passado, fui encontrando os ancestrais desse DNA nos sistemas astronômicos, depois nos atômicos, observei a formula fazendo os primeiros átomos alguns instantes após o Big Bang,

Mas… de onde veio a formula? Num belo dia, observando e refletindo sobre uma figura num livro de física, do espectro eletromagnético, de repente deu um estalo no cocuruto… Quando eu desenhava a formula da Matrix/DNA como sistema aberto, resultava numa reta continua, como se pode entender a senóide do espectro como reta continua. E quando eu aplicava esta formula nos sistemas naturais conhecidos, os objetos que se situavam nas Funções, apresentavam diferentes intensidades de energia. deixa-me de novo trazer a figura da formula no seus aspecto de diagrama de software:

Formula Universal da Matrix/DNA no aspecto de sistema fechado

Resumindo e recapitulando o que está exaustivamente explicado em outros artigos neste website: um sistema natural perfeito é um conjunto de seis peças que se conectam movidos pela força do ciclo vital; o sistema é produzido iniciando-se pela fonte geradora (F1) emitindo um bólido que devido ao ciclo vital se transforma em forma e estado gerando F2 e assim sucessivamente até em F7 se desintegrar e seus fragmentos retornam reconstruindo a fonte que reinicia o ciclo. Se dividir-mos a vida de um corpo humano de 70 anos em sete formas ( desde a forma de feto até a forma de cadáver) teremos F1 como a barriga da mãe ou fonte geradora, o baby em F1, e assim até F7 que é a forma de cadáver se desintegrando. Nesse caso as seis formas do corpo que rola sob o ciclo vital se fixam como peças de um sistema, aberto. A formula é abstrata no sentido de que as peças são representadas como funções sistêmicas, as quais se encarnam em cada peça e nunca variam. Assim podemos situar como peças as organelas do sistema celular, as moléculas de uma unidade fundamental de informação do DNA, os órgãos de um corpo humano, os sete tipos de astros de uma galáxia, as sete camadas eletrônicas de um sistema atômico. Assim a formula construiu tudo isso, todos os sistemas naturais são copias diferenciadas de um único sistema universal, se dissemos que uma bactéria – que é um sistema – foi nossa ancestral temos que dizer que a galáxia – outro sistema – também é nossa ancestral, apenas mais remota… Mas onde estava essa formula antes de fazer a primeira forma desse sistema universal, que foi o átomo? De que substancia ela era feita?

Por uma década desisti de buscar, achei que nunca iria encontrar a solução, arquivei toda a teoria na gaveta, pois qual seria a utilidade dela, de saber que vim do átomo, que passei pelas galáxias, tido produzido no mundo por uma formula invisível que parece ter surgido ao acaso?

Mas estava sempre descobrindo novos sistemas e como batiam com a formula, então os desenhava, até que tive a intuição de desenhar apenas o fluxo de energia que corria nas formas das peças variando de intensidade e montei a formula da energia dos sistemas. Obtive a mesma figura da senoide do espectro eletromagnético, e isso me fez eriçar os pelos do corpo todo… a LUZ!

Primeiro fez-se a Luz! Fiat Lux!

A luz? Sim, existiam ondas de luz antes do primeiro átomo e ela não apenas tem a mesma cara da formula como também cresce e morre mostrando as mesmas formas de energia e na mesma exata sequencia das frequências!

Dai veio o resto: o Big Bang foi um ato de fecundação, dele foi emitido uma onda de luz que contem o código da vida sendo uma forma de genoma, este Universo é formado por uma placenta de células galácticas e no meio desta placenta esta havendo um processo de reprodução genética daquilo que fecundou… Se em mim, meu DNA é de matéria biológica porque sou de matéria biológica, então um DNA de luz só pode vir de um corpo que tem luz… e etc.

Então voltei na figura do espectro magnético e acrescentei algumas coisas nele, como na figura a seguir. Botei as sete formas do corpo humano ali, na luz, onde elas merecem estar. E os astros, e as funções sistêmicas. Mas poderia botar tudo, as organelas das células, as moléculas do DNA, e até a mão humana, se por a palma como a barriga gravida e o dedo mindinho como o baby, vais descobrir que cada dedo representa uma frequência da onda de luz e suas mãos também foram feitas e desenhadas pelo ciclo vital.

THE ELECTRO MAGNETIC SPECTRUM – The template for all natural systems and Life´s cicles

Essa minha teoria também sugere que cada partícula de luz contem a onda toda. Ou seja, um fóton é uma partícula desprendida de uma onda e ele tem a mesma configuração de onda. Tem as sete formas de frequências, depende do observador se o vê fixo como partícula ou se movendo como onda.

E agora estudando a figura do experimento acima, tentei ver se a formula – que sempre foi meu oráculo – me socorre mais vez, pois ela nunca deixou pergunta sem resposta. Imaginei um experimento cujo resultado foi: enquanto os fótons correm nos circuitos se apresentam como partícula, quando o feixe é dividido, a partícula b se torna spin right, ou seja, gira para a direita, enquanto a partícula c se torna spin left. Se os dois spins se encontrarem em qualquer lugar, tenha ou não espelhos perfeitos ou refletores, os dois se juntem a será sempre uma onda. Mas porque a divisão em spins? Vamos imaginar o seguinte experimento:

Vamos pegar um corpo humano recém-nascido, fazer um clone dele e chamar de forma 1, depois fazemos outro clone quando for criança e chamamos de forma 2, assim:

clone 1 – forma baby > copía baby e deixa crescer

clone 2- forma criança > copia criança e deixa crescer

clone 3 – forma adolescente > copia adolescente e deixa crescer

clone 4 – forma adulto jovem > copia adulto jovem e //

clone 5 – forma adulto maduro > copia adulto maduro e deixa envelhecer

clone 6 – forma cadáver > copia cadáver e deixa desintegrar

( atenção: na formula aparecem sete funções, enquanto aqui delineamos seis funções. Isto porque a F5 é intermitente, responsável pela reprodução de sistemas, não entra aqui.)

Agora vamos fazer clones de cada forma de fóton ( fótons tem a forma geral da onda de luz, contem ao mesmo tempo todas as seis formas, mas expressa uma forma em cada momento dependendo do seu avanço no tempo e espaço)

clone 1 – Primeira (1*) frequência, raios gama > copia raios gama e deixa avançar (crescer)

clone 2 – X-rays – copia raios X e deixa avançar

clone 3 – ultravioleta – copia ultravioleta e… //

clone 4 – luz visível – copia luz visível e …

clone 5 – infravermelho – copia infravermelho e…

clone 6 – microwave – copia microwave e ….

clone 7 – radio wave – copia radio wave e …

Tudo bem… temos setes clones de fótons e seis de humanos ( Epa, cometi um erro acima: a primeira forma humana seria embrião, então corrija-se o esquema para ter os sete clones).

Se colocarmos as três primeiras formas humanas de mãos dadas, e depois outra fila separada com as quatro seguintes formas de mãos dadas… vamos observar o quadro e refletir. A força do ciclo vital estaria empurrando o adolescente a pegar na mão do adulto jovem. E de fato, ao avançar no tempo e espaço ele vai se transformar num adulto jovem. Não da para dividir isso em partes iguais como fizeram com os fótons, só se dividisse o adulto jovem em dias metades e desse uma metade para cada grupo.

Mas quando o espelho refletor dividiu o feixe de fótons em duas metades de 50% cada uma, o que aconteceu? Acertou o foton quando ele estava expressando sua forma de luz visivel. Mas o corpo dele tem as sete formas ao mesmo tempo. Então, sua forma de adulto atravessa o espelho como c e vai envelhecendo passando por adulto maduro, idoso, cadaver… enquanto a outra forma de adulto vai como b retroagindo pata adolescente, criança, baby…

Energia crescente é spin right, energia decrescente é spin left. Quando as duas metades se envcontram no segundo espelho, uma esta na forma de drone 1 e o outro de drone 7. Ora drone 7 constroi imediatamente F1 que se torna o elo do qual resulta em F2, o embrião, o baby… está recomposta e fechada a onda.

bem… nesta altura do campeonato já não aguento mais, estou com forme, sono, vou parar por aqui por hoje.

Mas será mesmo?! E então ? Escolha atrasada ou fóton sem definição possível? Talvez não seja nenhuma das duas, meus pobres e queridos amigos cientistas… A luz pode ser viva e se mover pela força do ciclo vital… Sei que vocês ririam a valer se soubessem deste texto, mas eu… vou manter esta hipótese no ar e testando-a.

Autoconsciência: é uma substancia universal inserida numa matéria ou algo que passa através de corpos materiais?

Sunday, November 8th, 2020

Lendo o seguinte debate, no fórum do link:

https://centerforinquiry.org/forums/topic/does-quantum-mechanics-lead-to-idealism/

Um debatedor dizia:

” But, if reality does not exists, it is only in consciousness, then it is our bodies that are in consciousness, not consciousness in our bodies.” (Mas,… se a realidade material não existe, ela está apenas na mente, então é nosso corpo que está na consciência, não a consciência em nosso corpo.”

Outro respondeu:

Answer: “Consciousness is a product of senses working in conjunction with neural networks – it is not a universal something that gets poured into stuff to make said stuff sentient.” ( Resposta: Consciência é um produto dos órgãos dos sentidos trabalhando em conjunção com a network neuronal – ela não é alguma coisa universal que se insere num corpo material para tornar o corpo consciente”.)

Alguém pode usar este argumento contra minha teoria. Primeiro preciso saber se minha teoria sugere que ” autoconsciência é uma coisa universal, uma substancia universal, que se insere na matéria para tornar tal matéria consciente” . Deixa-me ver: a teoria diz que “a consciência dorme no átomo, sonha na galáxia, começa a acordar no vegetal, desperta no animal, e se levanta no homem”. E isto tirei do ato conhecido em que “a consciência dorme na mórula, sonha no feto, começa a despertar no embrião e se levanta no baby”. Então,… os pais inseriram a consciência na matéria do baby? Ou,… a consciência passa através de todos os humanos, e de todos os sistemas naturais ancestrais do sistema humano… ? Vinda de onde? De algo que disparou o Big Bang? Então, ela se insere, é inserida, ou passa através? E quando o humano morre? Ela se “desinsere” do humano, continuando sua existência? Ou morre com o humano? Como acontece com o corpo? Não pode ser exato como acontece com o corpo, porque cada novo corpo não vem de uma inserção do corpo do pai e sim começa do zero.

Bem… a minha resposta deveria ser esta: “Não, a consciência não se insere na matéria, ela vem passando através da matéria”. Mas deveria devolver a malicia da critica com outra malicia. “Ok,… então o senhor geneticamente conseguiu produzir um humano no qual nenhum órgão de percepção trabalha, com isso não pode trabalhar em conjunção com a network neural. E o senhor obteve um individuo totalmente destituído de mente. Sim, porque para afirmar isso o senhor viu o fato. Porem, terá que repetir a experiência na nossa frente porque não acredito que o individuo não tenha consciência. Creio que seu cérebro estará apresentando sinapses da sua consciência em atividade produzindo as imaginações, os sonhos… ”

Mas pensando bem, como seria tal individuo? Ele não poderia falar, pois não teria ouvidos. Não poderia sentir nada em que tocasse ou pelo que fosse tocado, pois não teria tato. Não teria visão, olfato e paladar. Acho que nem poderia andar, pois não sentiria o tato com o piso. Como saberíamos se ele é consciente, se tem uma mente? Seu cérebro estaria operando, produzindo sinapses? Como e porque, se não recebe nenhuma informação, nenhum estimulo, nem do próprio corpo? Raios…. Mas ele receberia sangue, oxigênio, energia. Ahhhh…. a imaginação, os sonhos… Na meditação acho que nenhum dos meus sensores funcionam, e então o cérebro não para, a mente não desaparece, fica imaginando…

A quântica nos conduzindo ao idealismo? Matéria não existe, apenas a mente existe…?

Sunday, November 8th, 2020

Tomei conhecimento do autor deste livro no fórum com link abaixo onde está sendo debatido por skepticos que acusam de ser pseudociência. Mas o curriculum do autor ( abaixo) é muito bom. Vamos ler seus artigos, website, acompanhar o debate no fórum, para finalmente decidir se vale a pena comprar o livro.

xxxx

The Idea of the World: A Multi-Disciplinary Argument for the Mental Nature of Reality by [Bernardo Kastrup]
Livro em e-book, por U$ 14,00, guardei na wish list do Kundle-Amazon… decidir se compro. ( About the Author
Bernardo Kastrup has a Ph.D. in philosophy and another in computer engineering. He has been a scientist in some of the world’s foremost scientific laboratories. His main interests are metaphysics and philosophy of mind. )

CFI _ Center For Inquiry – Forum: Link:

DOES QUANTUM MECHANICS LEAD TO IDEALISM

Forums › General Discussion › Does Quantum Mechanics Lead to Idealism

xxxx

Physics Is Pointing Inexorably to Mind

Article by By Bernardo Kastrup on March 25, 2019

https://blogs.scientificamerican.com/observations/physics-is-pointing-inexorably-to-mind/

Physics Is Pointing Inexorably to Mind
Credit: Getty Images

Kastrup: ” Yet, as our understanding of physics progressed, we’ve realized that atoms themselves can be further divided into smaller bits, and those into yet smaller ones, and so on, until what is left lacks shape and solidity altogether. At the bottom of the chain of physical reduction there are only elusive, phantasmal entities we label as “energy” and “fields”—abstract conceptual tools for describing nature, which themselves seem to lack any real, concrete essence. ”

Matrix/DNA: Mas porque restam apenas energia e campos? E a luz? Porque não também a luz ? E nossa teoria encontrou que a base de toda matéria organizada, em sistemas, ou seja a informação fundamental para o Principio da Ordem Física, que é a formula da Matrix/DNA, surgiu neste Universo na forma de onda de luz.

Kastrup: “…  according to information realists, matter arises from information processing, not the other way around. Even mind—psyche, soul—is supposedly a derivative phenomenon of purely abstract information manipulation. But in such a case, what exactly is meant by the word “information,” since there is no physical or mental substrate to ground it? “

Matrix/DNA: Bem… a única “mente” que pensamos existir aqui, estamos vendo que ela surge feita por informação, mas esta informação está plenamente ancorada na realidade física da matéria: o DNA. De que mente e que informação ele está falando? Talvez ele respondesse estar falando da primeira mente do primeiro humano, que é a mesma que vemos nascer aqui em cada novo baby. Ele não deve aceitar a tese de que a mente é pura produção ou efeito das operações do cérebro ( e ele é neurocirurgião ). Para nós acontece que as informações encarnadas na matéria do DNA são de uma network de fótons, ou seja, luz.

Kastrup: “… it is one thing to state in language that information is primary and can, therefore, exist independently of mind and matter. But it is another thing entirely to explicitly and coherently conceive of what—if anything—this may mean.

Our intuitive understanding of the concept of information—as cogently captured by Claude Shannon in 1948—is that it is merely a measure of the number of possible states of an independently existing system. As such, information is a property ofan underlying substrate associated with the substrate’s possible configurations—not an entity unto itself.

To say that information exists in and of itself is akin to speaking of spin without the top, of ripples without water, of a dance without the dancer, or of the Cheshire Cat’s grin without the cat. It is a grammatically valid statement devoid of sense; a word game less meaningful than fantasy, for internally consistent fantasy can at least be explicitly and coherently conceived of as such.

Matrix/DNA: Preciso reler com mais atenção Claude Shannon e a origem desta definição de informação. Eu n~~ao posso concordar com esta definição. É mecanicismo antropomórfico, quando deveria ser geneticismo cósmico. Isto é colocar o homem no centro, quer dizer, o homem recebendo a informação de um sistema, pelo ato de medir. O sistema fornecendo a informação, quando o sistema é invadido e dele retirado, não a sua informação, e sim uma imagem de sua informação. . Ora, mas o sistema foi construído antes pela informação e ela não se extingue quando o sistema desaparece, quando muito, enquanto num sistema ela é um pacote de bits-informação, o pacote pode ser fragmentado e os bits espalhados aleatoriamente. No nosso caso, informação é “aquilo que dá forma a…”, a definição já está no próprio nome, que foi um feliz invento. E só pode dar uma forma a alguma coisa quem já é em si a própria forma. Se tem forma, tem respaldo no mundo material. Em todo caso, para nós toda informação dentro deste Universo vem de duas únicas fontes: das forças e campos do estado de caos e da força do Principio da Ordem Física que se apropria de elementos do caos para construir sistemas ordeiros. Não temos ideia de onde veio ou como existe o caos, mas o Princípio é a formula universal que existe já a 13,8 bilhões de anos, e por essa idade, sugere ser eterna. Mas apesar de ainda estarmos apenas no terreno de remotas especulações, nós imaginamos qual deve ser a fonte das informações do Principio Organizacional. E não é uma mente. Suponhamos que o Big Bang tenha sido um evento de processo igual ao que o Universo faz aqui, hoje e agora, perante nossos olhos, quando cria um novo sistema; o instante ou evento da fecundação. Então uma fonte desconhecida, a qual vamos inicialmente denominar de Fonte Geradora, emite uma receita que irá reproduzi-la, num sistema idêntico a ela. Foi isso que nossos pais como fonte geradora fizeram para nos conceber. Porem, a Fonte Geradora no Big Bang não é um sistema materializado, carnal ou material, apesar de ser um sistema natural. Tem um corpo constituído da substancia da luz que é banhada numa névoa de autoconsciência. Assim como nossos pais não usaram em momento algum sua mente ou inteligência para emitir seu genoma e se reproduzirem, assim também a Fonte Geradora que emite genomas nos espaços que possuem uma substancia espacial – a qual podemos dar qualquer nome, como éter, ou dark matter, etc. – não precisa usar a mente para isso. É tudo natural. bem, essa teoria será aprovada ou destruída quando podemos captar e tivermos pleno conhecimento do que são os fótons. Para nós são os bits-informação universais. O que liga dois átomos para formar compostos materiais são seus elétrons, e os fótons habitam os átomos, talvez sejam seus pilotos. A nossa principal diferença está em que, enquanto os materialistas acreditam que o esqueleto físico veio primeiro e produziu a vida, nós apostamos no inverso, ou seja, a vida teria criado o esqueleto físico. Ao menos estamos vendo aqui na Terra que a carne viva produz os ossos do esqueleto mecânico e não o contrario. E isso implica em especular que a Fonte Geradora era, ou ainda é, algo vivo.

Kastrup: ” Max Tegmark attributes existence solely to descriptions, while incongruously denying the very thing that is described in the first place. Matter is done away with and only information itself is taken to be ultimately real.

This abstract notion, called information realism is philosophical in character, but it has been associated with physics from its very inception. Most famously, information realism is a popular philosophical underpinning for digital physics…. Indeed, according to information realists, matter arises from information processing, not the other way around. Even mind—psyche, soul—is supposedly a derivative phenomenon of purely abstract information manipulation.

Matrix/DNA: Ok, então o que eles denominam de information realism é que nem matéria nem mente existe, apenas abstrata informação, apenas ela é real… No dia em que a Ciência botar um sistema, um gato, sobre a banca de um laboratório, extrair dele uma essência real que ela identifica como informação, e mostrar que o gato com sua matéria e mente sumiram da bancada, esta teoria estará provada. Kastrup critica esta teoria com o seguinte argumento: ” To say that information exists in and of itself is akin to speaking of spin without the top, of ripples without water, of a dance without the dancer, or of the Cheshire Cat’s grin without the cat. It is a grammatically valid statement devoid of sense …”

xxxxx

Bernardo Kastrup Website: https://www.bernardokastrup.com/

( continuar esta pesquisa )