Archive for the ‘Astronomy’ Category

Terra: As Mudanças no núcleo e a importância do campo magnético para a vida.

Tuesday, September 1st, 2020

Os astrônomos discutem a idade do núcleo da Terra e teorias variam desde 4 bilhões de anos a 1,3 bilhão, supondo que a idade do núcleo solido não é a mesma idade do planeta. Este artigo divulga um estudo baseado no ferro liquido que concluiu pelos 1,3 bilhões de anos. Outro assunto interessante tratado aqui é: este planeta é o único do sistema solar que tem vida porque tem uma atmosfera respirável e na superfície não tem radiação. Mas estes predicados existem aqui graças a um outro fenômeno: o campo magnético da Terra. Se não fosse o campo magnético barrar a radiação vinda do Sol acima da atmosfera, esta radiação destruiria esta atmosfera. Mas este é o único planeta do sistema solar que tem campo magnético. Por isso é o único que cria e suporta a vida.

Earth’s core is a billion years old

https://www.space.com/earth-core-billion-years-old.html

Earth's layers shown in this modified NASA image.
(Image: © Shutterstock)

Artigo: Not much is known about the history of this 1,500-mile-wide (2,442 kilometers) iron ball that’s the Earth’s nucleus. Estimates of its age have ranged from half a billion years to more than 4 billion years, almost as old as 4.5-billion-year-old Earth itself. Now, researchers have squeezed a miniscule piece of iron between two diamonds and blasted it with lasers to arrive at a new estimate of 1 billion to 1.3 billion years old — a date range that coincides with a measurable strengthening of the Earth’s magnetic field that happened around the same time.

Matrix/DNA: Mas o que é 1,3 bilhão de anos, a substancia do núcleo ou o estado físico desta substancia – se solida. liquida? Eu não posso me arriscar a opinar porque não sei se esta galaxia e este sistema estelar é de primeira ou segunda geração, pois existiram dois processos diferentes de formação destes sistemas, assim como o sistema celular teve como primeiro processo a simbiose e depois disso aprendeu a se reproduzir… no caso dos sistemas astronômicos aprenderam a se reproduzirem auto-reciclando-se. Creio que no sistema celular a simbiose na formação das células modernas manteve-se encoberta: a partir das proteínas produzidas pelo DNA/RNA as organelas são produzidas numa sequencia e esta é a mesma sequencia do ciclo vital da primeira geração quando as organelas foram geradas fora da célula. Então a logica aconselha que na formação dos sistemas astronômicos modernos deve estar encoberto o processo da primeira geração, o qual está explicitado na formula Matrix/DNA.

E sugere esta teoria da primeira formação que os núcleos dos planetas são formados antes dos planetas, no estado liquido, depois são congelados tornando-se sólidos e depois voltam a serem líquidos, sempre variando pela variação da temperatura externa. Mas esta sequencia e esta variação é sugerida também quando aplicamos outro método de construção do nosso modelo teórico, o qual consiste em verificar o que este sistema astronomico produziu aqui quando criou os sistemas biológicos para calcular como teria sido a formação destes sistemas astronômicos, pois a ideia é que sistemas só sabem gerar outros sistemas pelo mesmo método que eles próprios foram gerados.

E o método para gerar i sistema biológico vegetal, que veio primeiro do que a célula animal, portanto sento mais fiel ao método do ancestral, começa pela formação da semente, que corresponde ao núcleo dos astros e ditas sementes de novas estrelas. pensamos como exemplo uma semente de milho. Ela é feita sob alta temperatura exposta ao sol, depois é esfriada quando inserida na terra, e depois volta a esquentar quando recebe novamente a energia solar pela água e o solo, quando então cresce e brota. Assim deve acontecer no aspecto astronomico quando desabrocha uma nova estrela. Não é por acaso que vindo por dois caminhos diferentes, dois métodos diferentes, chegamos um mesmo resultado: porque seja no processo de primeira geração, no processo da segunda, e no caso da semente vegetal, em todos os três casos a formula construtora é a mesma.

Artigo: Modern Earth is like a layer cake, with a solid outer crust, a hot, viscous mantle, a liquid outer core and a solid inner core. That solid inner core is growing slowly as the liquid iron in the core cools and crystallizes. This process helps power the churning motion of the liquid outer core, which in turn creates the magnetic field that surrounds Earth and helps protect the planet from harmful cosmic radiation. ( leia mais no link acima)

Ferro-60: Possível prova do modelo teórico astronomico da Matrix/DNA

Friday, August 28th, 2020

Restos de supernova podem ser encontrados em bactérias pré-históricas

Um material que não se forma na Terra (isótopo Ferro-60) foi encontrado em 2004 no fundo do Oceano Pacífico e, de acordo com as análises da época, a fonte teria sido uma supernova ou, mais precisamente, seus restos que chegaram ao nosso planeta 2,2 milhões de anos atrás. 

Matrix/DNA: A parte da Teoria Geral da Matrix/DNA que trata de Astronomia sugere um diferente modelo teórico para formação das estrelas ( e dos outros tipos de astros). Neste modelo, germes de estrelas são produzidas num cone vorticial e são ejetados ao espaço como pequenas esferas constituídas principalmente de ferro incandescente. No espaço estes germes atravessam o horizonte de eventos ao redor do cone nuclear, o qual é constituído de poeira de estralas e outros astros “mortos”. Sobre o germe são agregadas estas poeiras que formam camadas diferenciadas pelas temperaturas e constituição da poeira e num desenvolvimento seguinte o bólido esta na forma de planeta. is to significa que planetas gestam em seu núcleo o germe de nova estrela, a qual vai se expressar mais tarde como está calculado no modelo. Esta noticia revela que foi encontrado nas profundidades marítimas o isotopo de Ferro-60, e segundo a noticia este elemento não é produzido na Terra, mas calcula-se que seja produzido em estrelas supernovas. É uma hipótese um tanto vaga pois não se aponta a estrela, não se sabe como uma estrela teria enviado este material à Terra. Ora, a teoria da Matrix/DNA, quando trata das origens da vida, sugere que material do núcleo terrestre tenha “subido” para a superfície, pois segundo os cálculos, 50% das informações para a vida teria vindo de astros na forma de planetas ( os outros 50% teriam vindo de formas de astros entre F6 e F7, nos quais se incluem as estrelas). Infelizmente não guardei uma leitura antiga que informava que existe uma troca de elementos entre a superfície e o núcleo do planeta, algo como carregados por lixivia, e subiriam como lavas vulcânicas. O fato do Ferro-60 ter sido encontrado nas profundezas marítimas, que esta mais perto do núcleo e tem ventos e lavas vulcânicas é indicativo favorável à Matrix/DNA. Porque procurar a causa a muitos anos-luz distante da Terra, se ela pode estar aqui mesmo, abaixo de nossos pés?

No entanto, há de se lembrar que a Matrix/DNA sugere dois tipos de formação de galaxias e não tem os cálculos das transformações do primeiro processo no segundo, o que pode anular planetas de segunda geração como a Terra de portar um germe estelar.

Pista indica que LUCA estaria no centro da galaxia. Mais evidencias para Matrix/DNA

Friday, August 28th, 2020

Agora é oficial: somos mesmo feitos de poeira de estrela

https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2017/01/agora-e-oficial-somos-mesmo-feitos-de-poeira-de-estrela.html

https://www.universetoday.com/132791/confirmed-really-star-stuff/

Pesquisa mostra que tanto os seres humanos quanto os astros brilhantes possuem 97% do mesmo tipo de átomos

Constataram ainda que os elementos essenciais para a vida como a conhecemos (hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, fósforo e enxofre) são mais prevalecentes nas estrelas que estão no centro da galáxia.

Matrix/DNA: A teoria calculou um modelo astronomico do que deve ser o building block das galaxias e encontrou que existe muitas semelhanças com o building block do DNA. Assim dentro da teoria geral tem o capítulo que trata da procedência dos sistemas biológicos, sugerindo um link evolucionário entre esta galáxia e o primeiro DNA, cuja unidade de informação – segundo a teoria – é um sistema completo e funcional , como é o building block astronomico, segundo nosso modelo teórico. Note-se que o DNA tem todos estes tipos de átomos das estrelas: hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, fosforo e… não estou seguro que tenha enxofre ( a pesquisar ).

Image teorizada do nucleo de LUCA imitada na Terra como cone de chama de fogo azul

Monday, August 24th, 2020

Um “redemoinho de fogo azul” pode diminuir impacto ambiental

O novo tipo de chama tem potencial para ser uma melhor fonte de energia

Esse redemoinho de fogo azul é composto por quatro tipos diferentes de chamas, relatam os pesquisadores.
https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2020/08/redemoinho-de-fogo-azul.jpg?fit=1030%2C579&ssl=1
Surgimento das chamas.
O redemoinho azul apareceu quando os cientistas acenderam combustível líquido flutuando na água, dentro de um invólucro projetado, de modo que o sopro de ar crie um vórtice.
Um tornado de fogo queimou antes de se estabelecer como uma chama azul giratória com vários centímetros de altura.

Meu comentario postado no forum da Socientifica sobre artigo

Eu faria experimentos construindo uma plataforma no meio do cone da chama onde poria todos os materiais, fluidos, substâncias possíveis… para ver o que acontece. Afinal, essa imagem do cone azul bateu exato com a imagem do meu desenho calculando como deve ser o cone espiralado no centro de sistemas astronomicos, e, segundo  sugerem os calculos, dessa forma no meio do cone são criados o material de ferro incandescente que se tornara o nucleo de planetas e ao mesmo são as sementes das novas estrelas. Claro, o ambiente [e diferente…

Fascinante rocha de meteorito do espaço na Antártica poderia explicar o mistério da estranha assimetria na vida

Sunday, August 23rd, 2020

Astonishingly old Antarctic space rock could explain mystery of life’s weird asymmetry

https://www.space.com/pristine-antarctic-meteorite-amino-acid-chirality.html?utm_source=notification

An image of a piece of the Antarctic meteorite Asuka 12236 as seen through a microscope; the sample is about 0.3 inches (1 centimeter) across.

My comments published at the articles debate:

Well,.. the Matrix/DNA Theory has different suggestions:

1) Left handed amino acids are related to birth and grow, while right handed are related to the second phase of any natural system, entropy and death. Below is the universal formula of all natural systems. F1 is the initial source, then the systemic circuit goes clock-wise through left side till reaching F4. Since the circuit is built by the vital cycle process, when applied to a human body which is a system, F1 is the mother, F2 is the baby, F3 the teenage and F4 the young adult. From here, F4, begins entropy, the level of energy decreases, going to F6 ( old adult), to F7 (seniors) and the decomposed cadaver goes back to the source ( it is a closed system), or to other place ( if it is a opened system). At F4 begins the reproductive process and here life demonstrates its wisdom: i the first living system was complete with the two sides, never the first would to reproduce before dying. Pick up the phase of life growing and you will have life forever.

2) Information for left-handed ( F1 to F4) are delivered by planets nucleus reactions reaching the surface and right-handed are delivered by stars like the Sun. So, this meteorite must be from some destroyed planet.

Galáxias com núcleo vazios: evidencias para matrix/DNA

Thursday, July 16th, 2020

Aqueles que aprenderam que em todas as galáxias têm um buraco negro no centro, esqueçam: várias fotos mais recentes têm mostrado que tem galáxias inclusive com núcleos vazios, sem nada alem de gaz…

main article image

https://www.sciencealert.com/hubble-telescope-captured-this-stunning-fluffy-galaxy-with-an-oddly-empty-centre

Hubble Captures Photo of a Stunning ‘Fluffy’ Galaxy With an Oddly Empty Centre

MORGAN MCFALL-JOHNSEN, 11 JULY 2020

Universo visto pelas suas radiações de Raios-X

Saturday, June 20th, 2020
O Universo visto pelas suas radiações de Raios-X

https://hypescience.com/imagem-espetacular-do-ceu-atraves-dos-olhos-de-raios-x/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29

Imagem espetacular do céu através dos olhos de raios-X

Por Natasha Romanzoti, em 19.06.2020

Outra teoria cosmológica: Criação continua como sugeriu os diversos mitos esotéricos.

Thursday, June 4th, 2020
Genesis of the Cosmos: The Ancient Science of Continuous Creation
https://www.scribd.com/book/351487119/Genesis-of-the-Cosmos-The-Ancient-Science-of-Continuous-Creation

Provides compelling evidence that creation myths from the dawn of civilization correspond to cutting edge astronomical discoveries

• Exposes the contradictions in current cosmological theory and offers a scientific basis for the ancient myths and esoteric lore that encode a theory of continuous creation

• By the scientist who was the first to disprove the Big Bang theory on the basis of observational data

Recent developments in theoretical physics, including systems theory and chaos theory, are challenging long-held mechanistic views of the universe. Many thinkers have speculated that the remnants of an ancient science survive today in mythology and esoteric lore, but until now the scientific basis for this belief has remained cloaked in mystery. Paul LaViolette reveals the remarkable parallels between the cutting edge of scientific thought and creation myths from the dawn of civilization. With a scientific sophistication rare among mythologists, LaViolette deciphers the forgotten cosmology of ancient lore in a groundbreaking scientific tour de force. In direct, nontechnical language, he shows how these myths encode a theory of cosmology in which matter is continually growing from seeds of order that emerge spontaneously from the surrounding subquantum chaos.

Exposing the contradictions that bedevil the big bang theory, LaViolette offers both the specialist and the general reader a controversial and highly stimulating critique of prevailing misconceptions about the seldom-questioned superiority of modern science over ancient cosmology. By restoring and reanimating this ancient scientific worldview, Genesis of the Cosmos leads us beyond the restrictive metaphors of modern science and into a new science for the 21st century.

Testando a teoria cosmológica da Matrix/DNA: existe dois processos na formação de galaxias?

Thursday, June 4th, 2020

Esta noticia de que a primeira geração de estrelas ocorreu antes do que era suposto ( supunha-se que tivesse ocorrido entre 500 milhões e 1 bilhão de anos do Universo, mas não foi detectado isso agora o que leva a supor que o evento tenha ocorrido antes dos 500 milhões de anos), torna mais difícil a nossa busca de evidencias para nossa hipótese dos dois processos de formação. Mas tudo continua ainda no reino das hipóteses, como diz este trecho do artigo: ” The exploration of the very first galaxies remains a significant challenge in modern astronomy. We do not know when or how the first stars and galaxies in the Universe formed.” 

JUNE 4, 2020

Hubble makes surprising find in the early universe

https://phys.org/news/2020-06-hubble-early-universe.html

” Bhatawdekar and her team probed the early Universe from about 500 million to 1 billion years after the Big Bang by studying the cluster MACSJ0416 and its parallel field with the Hubble Space Telescope (with supporting data from NASA’s Spitzer Space Telescope and the ground-based Very Large Telescope of the European Southern Observatory). “We found no evidence of these first-generation Population III stars in this cosmic time interval” said Bhatawdekar of the new results.”

\meu comentario publicado no artigo em 04/06/20:

Morelli just added – “There are two different processes for formation of astronomic systems: the first by simbioses, the second by self-recycling. So one occurred before than the other” – Matrix/DNA Theory.

In an orange swirl, astronomers say humanity has its first look at the birth of a planet, as a prediction of Matrix/DNA Theory 30 years ago…

Wednesday, May 20th, 2020
The disc around the young AB Aurigae star, where the European Southern Observatory's Very Large Telescope has spotted signs of planet birth. Close to the center, in the inner region of the disc, is the "twist" (in very bright yellow) that scientists believe marks the spot where a planet is forming.

https://www.nbcnews.com/science/space/orange-swirl-astronomers-say-humanity-has-its-first-look-birth-n1211291?cid=eml_nbn_20200520

Obs.: Esta foto pode ser útil para a Matrix/DNA Theory, na pesquisa de como se tornou o segundo processo na formação das galaxias recentes.

Astronomers said the dramatic scene could help scientists better understand how planets come to exist around stars.

A candidate protoplanet located inside a spiral arm has already been claimed in an earlier study based on the same ALMA data.

Scientific paper:

Possible evidence of ongoing planet formation in AB Aurigae

A showcase of the SPHERE/ALMA synergy

A. Boccaletti1, E. Di Folco2, E. Pantin3, A. Dutrey2, S. Guilloteau2, Y. W. Tang4, V. Piétu5, E. Habart6, J. Milli8, T. L. Beck7 and A.-L. Maire9+

Received: 23 March 2020 Accepted: 29 April 2020

https://www.aanda.org/articles/aa/abs/2020/05/aa38008-20/aa38008-20.html

Estes dois desenhos foram feitos a 30 anos atras:

Matrix/DNA as Universal Configuration For All Natural Systems
Matrix/DNA as Universal Configuration For All Natural Systems
Formation and Vital Cycle of Astronomic Bodies

Em outros artigos aqui explicamos o processo calculado que resultou neste modelo. Este modelo teorico resultou quando calculávamos como seria o elo evolucionario entre a Evolução Cosmologica e a Evolução Biologica, ou mais exatamente, como esta galáxia (que foi o ultimo mais complexo da Evolução Cosmologica) produziu o primeiro elemento da Evolução Biologica ( que foi o primeiro sistema celular). Anatomia comparada entre os tipos e funções das sete organelas celulares foram comparadas com os tipos e funções dos sete tipos de astros conhecidos. para nossa surpresa, os sete astros se alinhavam numa sequencia perfeita explicando a origem e desenvolvimento de cada um e ao mesmo tempo sugerindo que todos eram formas de um unico astro inicial ao qual se aplicava o processo do ciclo vital. E em seguida descobrimos que justamente este desenho é idêntico a uma secção ou unidade fundamental de informação do DNA ( dois nucleotideos laterais com seis moléculas e mais a uracila, performando tambem sete partes de um sistema. Assim se explicava como e de onde veio o processo do ciclo vital nos sistemas biologicos. Mas não se vê de fora este sistema na galáxia, da mesma forma que não se vê de fora o DNA dentro de uma célula. Apesar de ser um modelo logico de acordo com as leis naturais conhecidas, quando procurávamos como prova-lo percebemos que este modelo existiu no espaço sideral na formação das primeiras galaxias, assim como a molécula do DNA existiu fora do sistema celular antes de formar este. E assim como a formação de uma celula obedeceu a dois processos diferentes ( o primeiro, a formação da primeira célula, por simbiose, e o segundo, quando a célula aprendeu a se replicar) assim tambem foi na formação das galaxias.)

Então no nisso modelo, os planetas são sim formados a partir de um vortex de poeira galáctica mais energia trazida por cometa, mas o vortex primeiro produz uma especie de semente de todos os astros, e esta semente tem agregada a si as poeiras congeladas do evento de horizonte que mais tarde vão formar rochas, continentes e oceanos, apenas então se caracterizando a forma de planeta. Portanto, pelo nosso modelo, enquanto o astro esta ainda dentro do circular horizonte de eventos, é um proto-planeta em formação, apenas quando é ejetado e cai na orbita de uma estrela ou no espaço sideral se torna um planeta maduro. Por isso os astrônomos viram em fotos anteriores proto-planetas dentro do vortex. É possivel que a foto acima seja da formação de planetas na segunda ou terceira geração de galaxias.

Enfim, a formula universal Matrix/DNA para todos os sistemas naturais conhecidos localiza, quando no plano astronomico, os planetas na função F3, como se vê abaixo:

The Matrix/DNA