Archive for the ‘Philosophy’ Category

Porque a orquídea é violeta e surge nas florestas virgens, como a tropical do sul e a boreal do norte? A formula da Matrix/DNA sugere uma resposta

Wednesday, February 24th, 2021

No principio era o caos. As forças naturais eram brutas e se moviam ao acaso, colisões esquentando a temperatura do ambiente era o normal. Nada se construía, no sentido de juntar dois elementos conectados, e depois mais outro,… pois tudo era destruído logo no inicio. Mas neste contexto surgiu ( ou, desse contexto emergiu) uma outra força ( ou um grupo de forças ) que hoje na Teoria da Informação se dá o nome de Principio da Ordem. Muito fraco perante a maior força do caos, iniciou timidamente e conseguiu juntar dois, três, e mais elementos e assim conseguiu a primeira arquitetura natural, o primeiro sistema dentro de cujos limites havia ordem. Talvez tenha sido o primeiro átomo, o hidrogênio. mas o que as orquídeas tem a ver com isso?

Quando eu caminhava aos arrastos moribundo ardendo sob s febre da malária e tropeçando na folhagem encharcada eu caí. pensei em desistir e dali não mais me levantaria mas meus olhos abertos deram de cara com uma pequena flor, uma orquídea. Sozinha, frágil, naquele caos da selva infernal era o único elemento que não procurava tomar nada de ninguém, ao contrario, apenas dava, seu perfume, sua beleza, sua paz. Entrando no delírio do como uma frase ribombava na minha cabeça: o fluxo da ordem se levanta do caos. Surge aqui, morre ali, ressurge acolá, agora como dois elementos, depois três e acaba por envolver tudo na ordem como envolveu os astros em galáxias com a ordem mecânica celeste. Ela ia sucumbir na pesada chuva, sob folhas e galhos caindo, sob as patas de uma fera ou sob o arrastar da barriga de um crocodilo. Caí de amores, me apaixonei perdidamente. Eu tinha que salva-la. Levantei, tomei o resto da agua na garrafa, enchi-a de terra e nela depositei a plantinha, levando-a para a barraca. Consultei a formula da Matrix/DNA, qual o significado existencial, qual a função da flor num contexto sistêmico, para o Principio da Ordem? A cor violeta indicou sua posição na formula. O trajeto entre F7 e F1. Sim, era aquilo! F7 é o ultimo expirar do cadáver, o espaço até F1 é por onde circulam os fragmentos do cadáver e ali é a faixa da luz que corresponde “a cor violeta. Esse resquício do cadáver entra em F1 e começa um novo ciclo, agora mutado. O Tao da Física! O Ponto da Mutação! O caos cansado e vencido pela sua entropia, se retirando e dando o lugar para a ordem.

Me lembrando disso hoje ao deparar com um foto de uma orquídea ( me veio um profundo sentimento de gratidão, porque de certa forma, uma orquídea me acionou o lado guerreiro do filosofo naturalista o que me deu forças para salvar minha vida), vou abrindo mais esse artigo de pesquisa, quero saber tudo sobre a violeta, pois estarei aprendendo mais sobre a formula e este misterioso Principio da Ordem.

xxxx

The Calypso orchid grows in the shade of boreal forest. ( A orquidea cresce nas sombras da floresta boreal) https://en.wikipedia.org/wiki/Boreal_forest_of_Canada

 Não são plantas parasitas, nutrindo-se apenas de material em decomposição que cai das árvores e acumula-se ao emaranhar-se em suas raízes.

Apesar da grande maioria das espécies não serem vistosas, o formato intrigante de suas flores é muito atrativo aos aficcionados que prestam atenção às mini orquídeas.

Mini-orquidea, Cattleya walkeriana

xxxxx

Aqui a formula não tomou nenhum cuidado para se disfarçar, exivindo-se inteiramente. Apesar da cor diferente ser uma variedade produzida pelo homem, a presença do vortice vermelho no nucleo da flor como o vermelho do nucleo do planeta e as seis pétalas criadas pelas seis funções sistemicas estão óbvias….

xxxx

Porque a orquidea abaixo construiu um cone central se podia ter feito uma esfera, um cilindro ou outra forma qualquer? Porque sua mãe criadora que está no céu tem um cone central. Filha de peixes, peixinha será…

Laelia purpurata

(continuar pesquisa lendo o resto do Wikipedia, etc… )

Existe alguma lógica na existência deste Universo e nossa existência? Encontrei uma possível, pense nela

Sunday, February 21st, 2021

Na minha opinião de autodidata não acadêmico, existe neste Universo uma lógica, e apenas uma. Ela teria se manifestado no meio do caos pós-Big Bang”, como uma força natural imbuída de um “Princípio da Ordem”, o qual deflagrou a avalancha desta longa cadeia de causas e efeitos (que já conta 13,8 bilhões), interligados, construindo sistemas naturais com interiores ordenados, da qual seu último produto mais complexo nesta nossa região do tempo e o espaço é o sistema cérebro humano. A lógica se revelará quando descobrirmos o processo aplicado nessa evolução dos sistemas ordeiros. No processo sabemos que existe uma lógica (complexificar o simples inicial até que essa complexidade se torne autoconsciente: é o que os fatos reais nos demonstram aqui e agora). Se houver ou não uma inteligência no comando deste processo, vamos deduzir da qualidade da lógica extraída dele. Efetuando minha investigação particular por um método (anatomia comparada entre todos os sistemas naturais conhecidos, de átomos a galáxias a células e cérebros) resultou na indicação de um processo universal: reprodução genética. Ou seja, este Universo de células galácticas está imitando uma placenta cósmica onde está ocorrendo um processo de reprodução genética (também chamado computacional) daquilo desconhecido que deflagrou o Big Bang como um evento de fecundação. Pois existe uma fórmula essencial (como o DNA é para os sistemas biológicos) comum desde átomos a galáxias a vivos que vem evoluindo com as mesmas características dos ciclos vitais, e atuando como um genoma universal. Que a autoconsciência tenha se expressado neste estágio ainda embrionário indica que a coisa desconhecida seja autoconsciente. Que a lógica consiste em construir e complexificar sistemas naturais, deduz-se que a coisa desconhecida seja um sistema natural. E que a reprodução genética não requer nenhuma intervenção de inteligência, sendo um processo puramente natural transmitido entre os corpos dos reprodutores, a coisa desconhecida deve ser natural, um sistema, e autoconsciente. Que se reproduz sem aplicar lógica apesar de que na Natureza o processo de desenvolva sob uma lógica. A esta teoria, desta lógica, nomeei como “Teoria da Formula Universal Matrix/DNA dos Sistemas Naturais e Ciclos Vitais”

( Extraído do post que publiquei em 21/02/2021, no QUORA, no link:

https://pt.quora.com/q/filosofiapura

relativo a questão: O que é a lógica? )

O sentido da vida humana pela cosmovisão Matrix/DNA descrito num texto mais extenso

Thursday, February 11th, 2021

“Somos 8 bilhões de irmãos-genes semiconscientes que, juntamente com mais trilhões de outros irmãos genes espalhados neste Universo-placenta cujas células placentárias são estas galáxias e no qual está ocorrendo um simples processo de reprodução genética do sistema natural super-consciente de nós ainda desconhecido assim como o feto desconhece o pai e a mãe, que deflagrou o Big Bang como um evento de fecundação e portanto como genes cada um de nós estamos dentro do pequeno fractal do grande fractal universal ao qual denominamos cérebro-placenta dentro de uma cabeça-ovo, somos uma informação única, especifica, indispensável e intransferível, manifestada na forma de uma partícula da consciência cósmica e portanto como os genes que constroem um organismo sem saber o que estão construindo, nossa missão neste mundo é nutrir e desenvolver as condições para quando essa nossa partícula for inserida naquele que será Todos-em-Um na forma do grande baby que vai nascer para além deste Universo no dia do Big Birth. seja o baby mais saudável e perfeito possível para regozijo dos que nos aguardam esperançosos de braços abertos.” Fazer compras? Ora com tudo isso a construir e ainda sabendo que meu futuro depende também que outros cumpram suas missões portanto tenho que também ajudá-los, achas que tenho tempo para compras e que vou descer a este nível animalesco?

“Se o Princípio do Caos se impõe pela força (na marra), por que o Princípio da Ordem não se impõe?

Thursday, February 11th, 2021

Me surgiu uma pergunta intrigante para a qual não encontro resposta:
“Se o Princípio do Caos se impõe pela força (na marra), por que o Princípio da Ordem não se impõe?
Por exemplo: o Princípio do Caos é destrutivo e perturbador da ordem natural, ele produz as tragédias naturais, a corrupção entre humanos, os crimes, etc. Para o povo simples isso pode ser entendido como o “mal”. O princípio da Ordem é aquela força ainda desconhecida que surge na Natureza e que, com os elementos do ambiente, constrói algum tipo de sistema, como o atômico, o galáctico, o biológico etc., e dentro destes sistemas a tendência é evoluir para o estado de equilíbrio total, de ordem.
Para o povo simples isso pode ser entendido como o “bem”. Em palavras populares poderíamos trocar para: ” Se a Força do Mal se impõe com brutalidade e mais energia, por que a Força do Bem não se impõe da mesma maneira?”
Basta se lembrar de como este mundo tem funcionado para se destacar milhões de evidencias a favor do caos, e quando procuro evidencias a favor da ordem não vejo nenhuma na nossa microscópica dimensão, apenas pressinto-a quando observo o Cosmos e vejo galáxias – um sistema natural – se impondo ao todo, como vencedoras. Então talvez devêssemos trocar a pergunta:
“Porque no grande reina a Ordem e no pequeno reina o Caos?”,
… mas como não sabemos o que existe além das galáxias, também não podemos afirmar que a Ordem reina no grande.
Veja que esta parece ser uma questão alienante, abstrata, coisa apenas de filósofos e não do humano na sua luta com a vida pratica. Porem isto é engano. Nas Ciências Físicas e Matemáticas, estes princípios são estudados principalmente na Teoria da Informação. Em todos os eventos e lugares que formos agora nos ambientes da vida, vamos constatar sofrimento de humanos, de animais, de vegetais. Os quais eu poderia consertar num estalo se tivesse o poder de impor o Princípio da Ordem. Ora, estamos falando de forças naturais, natureza, e temos aprendido que com a Ciência já mudamos muita coisa na Natureza, já eliminamos muitos tipos de mal ao humano ( ex: a vacina matando os vírus que entram no corpo, foguetes da NASA podendo destruir no espaço meteoritos que iriam cair sobre a Terra, etc ), então nos aconselha o racional que procuremos cientificamente investigar o que é e de onde vem essa força do Princípio da Ordem, pois se descobrirmos isso, poderemos aplica-la eliminando todos os obstáculos e sofrimentos aos humanos… Esta é uma questão pratica, da vida real.

Alguém se aventura a refletir sobre isso? Se tiver algum insight, ou tese, por favor me avise nos comentários.

E para os ingleses:
If the Chaos Principle is imposed by force, why does the Order Principle is not imposed? For philosophers, religious, scientists.

Questão publicada no Reddit:

https://www.reddit.com/r/askscience/comments/lhqecj/if_the_chaos_principle_is_imposed_by_force_why/?utm_source=share&utm_medium=web2x&context=3

Publicada no Facebook em Fev/11/2021:

(20+) Louis Charles Morelli | Facebook

As origens das desigualdades sociais entre humanos a e tese de Rousseau

Wednesday, February 10th, 2021

Observei que os sistemas sociais humanos imitam os sistemas sociais entre outras criaturas, seja nos continentes, na agua e no ar. Daí deduzi que a espécie humana contem os três tipos de indivíduos tendentes aos três instintos básicos: grande predador, médio predador e presa.

Mas Rousseau me alertou para algo que não havia pensado. Na selva, entre irracionais, essa divisão acontece entre espécies diferentes, enquanto no caso humano, existe a mesma divisão mas dentro de uma espécie. Como resolver isso? O que aconteceu na evolução?

Parece que a espécie humana saiu da selva como a síntese de todas as espécies, algo como três-em-um.

Me parece que a espécie era apenas predadora na selva. Mesmo quando já formava tribos. Porque então surgiu os outros dois instintos?

Vou ter que pesquisar essa questão, se quero continuar com este discurso ligando os sistemas sociais e humanos aos animais irracionais.

E nesse caso, não há como não ler o pensador mais famosos neste assunto, o livro mais completo sobre isso, que é:

Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens – por Jean-Jacques Rousseau

Mensagem da Matrix/DNA a Nietzsche, o filósofo da poltrona

Friday, February 5th, 2021

Sobre debate ocorrendo no:

O Filósofo (@ofilosofo_) • Instagram photos and videos

Nietzsche em Ecce Homo:

” Minha formula para expressar a grandeza do homem é “Amor Fatti”: que ninguem queira nada de diferente, nem no passado nem no futuro, nem por toda eternidade. não sómente suportar o necessario, e meos ainda dissimulá-lo – todo udealismo é mentira diante da necessidade – mas amá-lo.”

Minha resposta:

Que absurdo! Nisso que dá o excesso do intelecto do pensador de poltrona. “Expresso a grandeza do homem como aquele que não quer nada diferente…” Se ele saísse da poltrona e fosse conhecer o meio da selva onde ainda existem as testemunhas das origens dessa “vida”, logo entenderia que essa biosfera foi criada pela força do caos, e não pela força do princípio da ordem, que reina no Cosmos acima de nossas cabeças. E humanos são produtos dessa biosfera, viemos desde bactérias a macacos, ao menos nossos corpos físicos. Portanto somos filhos do caos, agentes do caos, e isso explica este absurdo de civilização e sistemas sociais imitando o sistema social da selva. Claro que o homem tem que querer que tudo seja diferente, que a sua consciência seja o levantar do fluxo da ordem, que tentemos refazer, lapidar, organizar, cada detalhe do mundo material nesta superfície terrestre. A grandeza do homem está em entender que ele aqui veio, agraciado com a consciência que desceu sobre seu corpo-macaco, para transformar este inferno em céu com que presentear a fonte de luz criadora de sua consciência. Porque penso assim eu não suporto ficar inerte alimentando a eternidade dos necessários, a estes vou tentando transformar, superando-os, eliminando-os, para que não seja mais necessário porque uma das minhas piores dores é testemunhar humanos sendo torturados pela escassez do que lhes é necessário. Vai dormir, Nietzche… você é inútil para nossa causa…

Essa a diferença básica entre o meu idealismo e o niilismo de Nietzsche. Qual dos dois está certo? baseado nos conhecidos fatos científicos, ambos estão errados, humanos não possuem cérebro capazes de acertar com a Verdade. Mas tem os graus intermediários, uns estão mais próximos da verdade que outros. Porém não sou eu humano que poderei saber se eu ou Nietzsche está ganhando aqui. Então acho que existe isso de instinto genético, pois jamais aceitaria viver numa espécie que tenha como objetivo supremo o destino niilista. Preferiria o suicídio eterno… sabendo que também Nietzsche preferiria o suicídio eterno a viver com idealistas… Então sabe o que é mais sensato? Ao invés de combater, devemos torcer para que nossos adversários alcancem a Verdade. Se lá verem o Nada, nos resta o suicídio, mas pode ser que vejam o mundo teorizado por nós e venham correndo em nossa direção com a bandeira da paz alistando-se em nossa causa… Quem pode saber?

Vontade, motivação do ser humano: como esta Natureza criou este fenômeno?

Sunday, January 31st, 2021

Albert Einstein disse:

” HÁ UMA FORÇA MOTRIZ MAIS PODEROSA QUE O VAPOR, A ELETRICIDADE E A ENERGIA ATÔMICA: A VONTADE”

E eu não concordei com a palavra “motriz”:

Errado! Motriz é pura força física, que se move ou é movida ao léu, sem propósito, e se construir algo, nada mais será que séries de camadas de coisas simples, nada complexo. A vontade no organismo humano vem da vontade dos genes em construírem este organismo. Essa vontade é Matriz, Matrix, não Motriz. A Matrix avança com um proposito, está programada por um proposito, por isso ela constrói, ondas de complexidades. Foi o que resultou da minha investigação como filosofo naturalista, uma História Universal explicada satisfatoriamente por uma Matrix que é uma fórmula natural geradora do princípio da ordem sobre o caos e de todos os sistemas naturais, como corpos humanos. Uma Matrix que está encriptada na anatomia visível formada pelas ondas de uma luz que se propaga no tempo e no espaço desde o Big Bang. A vontade humana, nada mais é que a auto projeção daquela força que faz a onda de luz se propagar distribuindo suas propriedades físicas. Einstein investigou a luz com afinco, porem sob a tendência mecanicista da Física e da Matemática, por isso ele não percebeu na luz suas propriedades mais importantes que são notadas por outra tendência, a biologia vitalista.

Debate no Instagram (ofilósofo) em:

https://www.instagram.com/p/CKtjk9QDC28/

Apresentação no Facebook:

Apenas procurando conhecer e entender os detalhes do mundo natural, da nossa “Natureza”, vamos obtendo as informações que servem de alimento para expandir a consciência é transcender esta forma meramente animal. Na bíblia, às vezes teve algum escritor sábio que imaginando o que seu Deis diria, escreveu: ” Se queres Me conhecer, saber Quem sou, ou como penso, estude Minha Obra”. Sim, claro, pela obra se revela o caráter e estilo do artista. Irônico é que dizem sermos nós – os agnósticos filósofos naturalistas – como ateus, mas na verdade parece que procuramos e nos aproximamos mais de Deus que os religiosos, que são preguiçosos neste estudo da Sua Obra. Estudamos os efeitos e buscamos as causas longínquas de cada detalhe visto neste mundo natural, e a vontade humana é um destes detalhes. E o que encontramos? Luz!

Um método para ressuscitar na juventude estudantil moderna o espirito critico dos filosofos como Socrates

Sunday, January 17th, 2021

Baseado no artigo em:

https://www.bbc.com/portuguese/geral-55476570

Por que tantos jovens concluem estudos sem desenvolver verdadeiro espírito crítico

Precisamos desenvolver uma argumentação explicita dos motivos que estão eliminando a possibilidade de pensamento critico, e se possivel, a partir daí desenvolver o método para ressucita-lo. A seguir copiei meu post postado neste artigo no ramo da BBC.COM no Instagram, no link:

https://www.instagram.com/p/CKHejhmssaG/

louischarlesmorelli – Nos bancos escolares está morrendo o espírito crítico. A visão de mundo construída apenas pela Física e seu idioma, a Matematica, já desvendou todos os grandes mistérios, definindo o fio da meada que iniciou do nada, manifestou-se como um átomo minúsculo que explodiu num Big Bang e desencadeou a cadeia de acasos que criou a vida e tudo o mais que existe. Não tem espaço e nenhum sentido formular um pensamento crítico sobre um mundo tão simples. Os poucos que se arriscam são imediatamente exigidos apresentarem provas de fatos não constantes desse fio da meada. Ora, o espírito crítico teoriza a existência de fatos que seriam opostos aos fatos propagandeados, criando uma teoria e buscando experiencias que comprovem a realidade destes fatos imaginados. E isto exige inéditos métodos de investigação, porém, a academia não aceita criar as condições de investigação e experiencias que não sejam continuações retro alimentadoras das experiencias que embasam essa visão do mundo. Tão senhores dessa verdade e crentes nela estão que já declararam a morte da filosofia como cultura inútil. Nem os fenômenos “fora da caixa” na dimensão quântica abalaram essa visão pois, sem explicá-los, varreram tudo para debaixo do tapete confeccionado com o cálculo das probabilidades. Quando espalhei todos os fatos comprovados que suportam essa visão do mundo sobre a mesa e neles apliquei o pensamento crítico, percebi surpreso que existe na natureza uma variável que permeia toda a história da matéria universal e nunca foi detectada pela academia. Porém, apenas uma variável nova inserida no contexto geral muda tudo, o mundo definido plea física mecanicista se torna um mundo definido pela biologia vital. Mas para comprovar a existência dessa variável é necessário desenvolver outros instrumentos tecnológicos, de captação e medição, mas a academia jamais encontraria fundos para isso. Estamos definitivamente dentro de uma armadilha, caminhamos para o mundo dos zombies robotizados,

What type of ideology could possibly create unity?

Friday, January 15th, 2021

This question was posted in a forum and it is un discussion, here:

https://www.facebook.com/groups/799987083411428/

This is my post:

The one that emerges from Matrix/DNA world view. Resumed: ” We are 8 billion brothers-genes half-conscious that, with more zillions of other less or more conscious brother-genes spread in this Universe, are building and nurturing this fetus of extra-universal consciousness, located at our brain-placenta inside this head-egg. As a universal gene, each human, even the poorest, is a genetic information, unique, specific, indestructible, not transferable, it is the mission of each one to work and to insert his/her information into this great process of universal reproduction of the unknown thing that triggered that act of fecundation called Big Bang. If a unique brother in this Universe could not accomplish its mission, all of us that will be the baby born at the Day of the Big Birth, we would be a hand capped being… and I suspect that the unknown pregnant thing will take medicine for not permitting it. So, give to your life and behavior the meaning of existence of genes. Look to each human or conscious alien as how you look yourself and understand her/him as you understand yours desires, necessities, this is empathy. Never do anything that can prejudices a brother in the most faraway places of Africa or USA or any other place, which could limit its freedom or material capacity for accomplish its mission. And have a long, healthy, prosperous life my brother, because I need you happy in good standing as I need myself.” – This world view discovered this meaning of life applying the method of comparative anatomy among all-natural systems, from atoms, to galaxies, to living beings, so, there is no scientific or philosophical way to debunk it…

Mohan Katarki – The society cannot be united as one unit. However, unity in diversity can be achieved, if the freedom of individuals is recognised, if the dignity of individuals is respected and if the individuals are treated equally.

Answer by Louis Charles Morelli:

Mohan Katarki – Who will be in charge for judging and executing it? Diversity of groups are like distinct parts, pieces, organs of a unique system each one more specialized at one systemic function. Each system has a control identity, keeping the internal homeostasis, equilibrium. Who will be in the control? So, the unique way for a working unite will be no system at all, must have an international Congress, every decision being voted by all individuals. Oh… no… the majority always make mistakes… For example: I think it is wrong sending all money for food to the poorest and no money for spatial exploration like NASA. The majority will think another way… Really this is a difficult human dilema…

A Suprema busca existencial: ” Que é… EU ?!”

Wednesday, January 13th, 2021

Nesta prisão por esta pandemia, quando às vezes não temos o que fazer do nosso tempo”, eu resolvi experimentar, inventar uma meditação diferente de todas as que ensinam. E para minha surpresa esta meditação me levou a um mundo jamais imaginado, que, tenho certeza, vai ser relembrada em muitas futuras ocasiões. Eu daria tudo para ver outro humano tentando copiar essa experiência para ver onde ele vai dar… Se alguém se voluntariar, vá para a cama, apague a luz, deite relaxado, feche os olhos e comece, sentindo isso… :

Escuridão total à minha volta. Tudo negro, à frente, aos lados, acima, abaixo, atrás… sou cego. E não sinto mais nada…

O que é este cego, o que sou EU?

Uma palavra soa em mim: sensação. Eu sou uma sensação. Eu sinto. Sinto existir, ser. Ser… sou… alguma coisa, que não consigo entender. Então… s e n t i m e n t o… Sou uma sensação, uma coisa que sente sentimentos.

Sinto que estou pulsando. Isso vem de uma respiração que está acontecendo. Estou sentindo uma coisa, ligada a mim, que está respirando, me alimentando com energia, ar. Sinto que esta outra coisa está sentindo pressão de outra coisa, um peso, vindo da escuridão. Gravidade! Então tem mais coisas na escuridão…

Mas continuo cego, às escuras. E pior: sem poder me mover, entrar nesta escuridão, sair daqui, me mover. Mas como? Se não me sinto como algo real, nem vejo a minha substancia que me faz existir, como algo, como um corpo?

Estou me inflando, me energizando ou usando a energia que estou recebendo, tendo uma vontade, de apalpar a escuridão, de me mover na direção da escuridão. Mas como, se não tenho mãos para apalpar nada, nem pernas para me mover?

Epa!… Epa!!!… Apareceu uma luz! Luz! Um … milagre? As trevas sumiram, a luz me mostra o que existe, apareceram algumas coisas, onde era total escuridão!

Apareceu um lugar, um espaço, um mundo, cheio de coisas. Coisas que tem substancia, são feitas de uma substancia. Vou dar o nome a ela de “matéria”.

E agora? Que faço? Não posso me mover, tocar essas coisas, fico aqui parado só observando coisas?

Todas estas coisas estão cercadas por uma das formas dessa matéria, vou dar-lhe outro nome: “paredes”. A luz não vai além das paredes. Não mostra o que existe além delas, se é que existe mais alguma coisa.

Bem,… se tenho que ficar parado observando, vou me entreter dando nomes a estas coisas, nem sei para que?… “isso vai se chamar cama” , “isso será forro”, “mesa”, “estante”, “roupa”… e outro objeto aqui… muito perto de mim… vai se chamar “corpo”…”corpo de carne”… Tudo inerte, nada se move, de onde vieram estas coisas, o que as produziu, para que estas coisas estão aqui?!

Se eu não posso me mover na direção delas e elas não se movem na minha direção?! Não sinto nenhuma conexão entre mim e estas coisas, sou como uma nuvem, uma fumaça, no meio destas coisas densas…

Bem, deixa-me organizar-me para tentar entender o que aconteceu, o que está acontecendo. Eu era uma percepção de existência, no meio da escuridão, estática. Aí senti que recebia algo, de uma pulsação: agora dei nome às coisas que estava recebendo: ar, energia, sangue. Havia um movimento ao redor de “eu”, existindo. Então me surgiu uma vontade, que reuniu aquela energia, e fez aparecer uma luz ao redor. Aí… não… mas espera aí… antes da luz aparecer eu senti que houve um movimento fora de mim. E foi na minha frente… e agora percebo… foi no corpo de carne perto de mim. Algum ponto neste corpo de carne, ao qual vou dar o nome de “janela”. Houve um movimento na janela, foi quando a luz apareceu. A minha vontade move janelas?! E movimento nestas janelas faz luz aparecer? E luz faz um mundo de matéria aparecer?! Que absurdo! Um milagre atrás do outro, sem um milagroso, fazendo aparecer coisas do nada, no nada?! Claro… isso tudo só pode ser uma ilusão em relação ao “eu” que existo e como me sinto ser.

Então a existência consiste em constatar a existência deste mundo feito de milagres? E… só isso?

Milagres, mundo de ilusões, isto o que essa luz me mostra? Está bem, vamos entrar no jogo, ver onde isso vai dar…

Estou cansado de ficar observando isso, tudo estático, eu estático, acho que vou me apagar. Melhor assim, deixar de ser essa existência absurda, incomoda, indesejável, insustentável, assistindo um mundo irreal… não tocando e nem sendo tocado por ele…

Estou me apagando? Estou me desfazendo dessa coisa de ser existente? Voltando para o nada absoluto, para ser nada?

Parece que meio sim e meio não. Porque algo novo está acontecendo comigo, está me surgindo uma capacidade de ver mais coisas, mas sem aquela luz, pois as janelas estão fechadas… será outra janela sendo aberta? Vou dar o nome a esta sensação de “sonho”. Então estou sonhando.

E estou vendo um baby recém-nascido. Estou dentro deste baby, sinto tudo o que ele sente. Um desconforto que me faz chorar, cegueira que me cerca tudo na escuridão. Por enquanto o baby é igual ao que sou antes do sonho. Tudo igual ao que sinto que sou. Apenas entrei em outro mundo, o qual também sou um observador esfumaçado mas dentro de um corpo de um baby recém nascendo. Nascendo num outro mundo, onde tem outra luz, outras coisas… mas uma grande novidade: se tento me desligar do que estou sentindo, percebo movimentos na escuridão, tem coisas se movendo, percebo pressões no corpo do baby…

Êpa!… me foi aberta outra janela?! A escuridão em volta do baby está se desanuviando? Estou agora vendo através de janelas do corpo do baby? Este sonho está ficando interessante!

Sim, e tem coisas aqui, corpos, que se movem, tocam o baby… não sei como, mas sinto… Que corpos interessantes! Tem tentáculos, se torcem e contorcem, se viram, tem duas janelas… e tem um buraco embaixo das janelas que se abre e mostra outras coisas lá dentro… emitindo mais uma novidade que aparece… vou dar os nomes de “som”, “ruídos”, “vozes”… Este mundo tem som, ruídos… muito interessante! O baby está se perguntando de onde veio tudo isso? Do nada? Das trevas? Ou existe algo mais, muito mais, do que percebo, que produz estas coisas todas?

Ai…, ai… que sensação ruim… de onde vem? De baixo… Estou vendo: os tentáculos estão mexendo numa parte do corpo do baby, vou dar o nome de “pés”. Mas o baby não tem consciência do seu corpo, apenas está sentindo, também não sabe de onde e porque vem a sensação incomoda… O baby sente uma vontade de parar aquela sensação, a vontade reúne energias, e parte do corpo do baby se encolhe, saindo fora do alcance dos tentáculos da coisa movente com duas janelas.

Uau! O baby percebe que tem o poder para fazer isso! Mover matéria que está longe dele! Ele tenta repetir olhando a matéria da cama mas não consegue mover nada, nem o travesseiro. Então ele tenta mover partes do corpo de carne e… sim… ele consegue… aqueles pés, aquelas mãos, estão sob seu poder, são dele!. E o baby passa horas se curvando para as mãos pegarem os pés, mexer neles, e ri muito com isso. Que baby boboca! Se divertindo com os próprios pés! Que sonho interessante.

Quando penso nisso, lembro que estou tendo um sonho, de repente percebo que…

Mas… espera aí… eu estou vendo um corpo de carne perto de mim assim como o baby viu. E o baby moveu o corpo, se moveu a si mesmo! Então será que se eu quiser movo também este corpo e vou conseguir me mover no meio desta matéria? Apalpar coisas?

Sim, o corpo de carne está se movendo… e sob o meu comando, minhas ordens, minha vontade! Eu existo!!! Eu sou!!!

Sou de fato um baby boboca, mas não interessa, descobri que sou algo real!

Ou melhor: sou igual, sou parte das coisas do mundo que se escondia nas trevas, não sou de matéria, mas faço parte do mundo feito de matéria!

Mas não tenho, não sou matéria igual a tudo que está neste mundo. Não consigo sentir de qual substancia é feita meu corpo. Nem janelas próprias de ver eu tenho, preciso de janelas do corpo carnal, para através delas, ver uma luz e um mundo…

Entendi tudo! Eu sou, eu existo, mas eu sou um embrião de um baby. Cego ainda. Preso, prisioneiro dentro de uma cela, uma caixa craniana. Estou sendo nutrido, cuidado, recursos abstratos imateriais devem estar vindo de fora, não sei de onde, como, mas deve ser assim como o cérebro, esta placenta, está recebendo nutrição vindo de fora. Estou me mantendo e sendo mantido para ficar inativo, cego, dentro da casca óssea de um ovo chamada crânio e no meio de uma placenta chamada cérebro. Mas não inativo total, parece que a minha disposição existem um fios, uns cordéis, posso mover extensões desse corpo de carne e osso, como a uma marionete, posso “chutar a barriga do mundo externo”.

Embrião! Embrião ou feto? Preso e na escuridão, ignorante da sua substancia, e até da forma de seu corpo, se é que tem um corpo abstrato. Como um holograma? Se ignoram o mundo relacionado á sua substancia física, o mundo feito com a mesma substancia que eles são feitos… estão fora do mundo que estão sentindo, em que estão dentro… Assim descrevo bem o que sou, o que é este “eu”.

Mas então o que foi tudo isso de uma luz aparecer, um mundo material aparecer, eu me movendo e sendo movido? Um feto, um embrião não tem nada disso. Raios… o que está acontecendo comigo?

Já sei!… Descobri…!

Sou um feto que está sendo nutrido, cuidado, por recursos vindo do mundo igual a minha substancia, o qual ignoro totalmente, como todos os fetos. Mas como um feto, estou esperando, e sonhando. Nos meus sonhos estou dentro de um corpo que funciona como um carro, um veiculo. Sou um motorista cego que posso mover minhas mãos, apertar um botão no painel desse veículo, ele acende os faróis, a minha cegueira e a escuridão desaparecem, e vejo coisas na frente, cercadas por paredes, estou dentro de uma grande garagem. Não sou eu quem vê, e sim o carro, mas consigo me “encarnar” no carro, sentir o que o carro sente, e assim consigo ver o que o carro vê quando acende seus faróis… Interessante!

No sonho me vejo com mais vontades, as quais movem coisas do carro, o carro se move dentro da grande garagem, para a frente, para traz. Vejo uma base de abastecimento para o carro, dirijo o carro, abasteço-o. Parece que cresci, deixei de ser um feto e sou um adulto dentro de casa, me abastecendo na geladeira, a garagem é minha casa.

Agora volto do sonho, me desligo do carro, sou o “eu abstrato” novamente. As dadivas que estou recebendo não sei de onde vem, na minha escuridão sem olhos, mas essa dadiva me incentiva a vontade, a compreensão, de que devo fazer dadivas, e assim repassa-las ao corpo de carne. Aplicar minha inteligência para melhor abastece-lo, cuidar e protege-lo contra acidentes, etc.

Como o “eu feto” nada mais pode fazer a não ser esperar… esperar o que o tempo vai fazer comigo, esperar se vou receber a visita das coisas ocultas que estão cuidando de mim e fornecendo a energia que transformo em minhas vontades… vou me entretendo cuidando deste corpo, e nisto vou aprendendo um monte de coisas do mundo material.

Espera ai… A única vontade que estou conseguindo expressar e obter resultado é a vontade desse sonhar… Na verdade ultima sou o “eu feto”, que não está dirigindo carro nenhum, nem um corpo carnal… fetos não podem se moverem. nem podem ver luz, e nem um mundo revelado por alguma luz.

Então o que está acontecendo?!

Enquanto espera, o feto sonha. Um sonho onde ele dirige um corpo carnal, complexo, como se fosse um robot, ainda meio desengonçado, de geração atrasada, que não obedece direito os comandos do baby sonhando, mas vale estar sonhando este sonho, isso entretém o baby, digo, o feto, enquanto espera. Neste sonho eu me vejo e me sinto um agente se movendo e atuando sobre o mundo material. O sonho parece prazer sadomasoquista pois não tenho controle total nem sobre o meu computador-robot nem sobre o mundo material externo… assisto muitas muitas coisas ferindo o corpo do baby sem alcançarem o eu que sonha, mas prefiro assim, sofrendo um pouco, sentindo as dores que o computador-robot sente, prefiro esta forma de gastar meu tempo de espera. Não tenho melhor alternativa.

O que me satisfaz nesta existência é que assim aprendi que babyes nascem, para um mundo externo, uma nova luz, feito com a substancia que eles são feitos. Então sei que minha hora de nascer vai chegar, e vou nascer para o mundo feito com a substancia de que sou feito. Deve ser outro tipo de luz, outra dimensão. O mundo dos fetos é temporário, é a ilusão de que aquela limitada prisão seja toda a realidade, este mundo ilusório é sempre descartado como a placenta… quando então vemos a luz no fim do túnel…

FIM

O interessante no arremate final dessa meditação foi constatar que nela tudo bateu com os milhares de relatos de pessoas que tiveram experiências de quase morte. Sentem-se apenas como consciência, flutuam no espaço, veem uma luz num túnel, etc… e voltam falando que esse mundo é ilusório…