Teoria dos cometas: novos dados sugerem que o interior é “muito mole”.

Diferente da teoria acadêmica, os modelos astronômicos da Teoria da Matrix/DNA sugeriu, a 30 anos atrás, outro tipo de origem, formação e consistência dos cometas. Segundo estes modelos, lavas emitidas por gigantes vulcões em planetas velhos (pulsares), escapariam da gravidade do planeta e como esferas ou bólidos chamejantes cairiam no espaço sideral. Ao entrarem nas zonas geladas as esferas seriam cobertas de gelo ou não, dependendo da velocidade. Se com muita velocidade o cometa alcançaria algum vórtice nebular e sua inserção seria igual a um processo de fecundação, por um espermatozoide.

Por outro lado a teoria acadêmica sugere que cometas foram formados como os demais astros do sistema solar: havia uma nébula de poeira e gazes, as partículas foram se agregando por gravidade, os objetos resultantes são chamados de planetesimais. Os planetesimais menores seriam os asteroides, os maiores seriam os cometas e os maiores ainda seriam os planetas. Tudo isso pelo simples jogo das forças e elementos dentro da nébula, portanto os astros resultantes não obedeceriam a nenhum agente organizacional que vise formar sistemas dentro da linhagem evolucionaria universal. Em outras palavras tudo se formou sem qualquer propósito maior, tudo dentro de uma linhagem consistindo de eventos físicos sob o desproposito do acaso. Por esta teoria, a vida que foi formada dentro deste sistema solar também teria que estar na mesma linhagem física, ou seja, por acaso. Pois o sistema solar nada tem a ver com o primeiro sistema biológico, dito “vivo”, que foi um sistema celular. Sob outra intuição, a Teoria da Matrix/DNA suspeitou que o sistema celular seria uma cópia-filha deste sistema galáctico e pelo método da anatomia comparado encontrou um outro modelo teórico astronômico que se encaixa como criador e ancestral do primeiro sistema celular. Por isso nesta teoria, todos os sete tipos de astros conhecidos, inclusive os cometas, executariam funções semi-biológicas/semi-mecânicas. Os cometas inicialmente teriam seu interior constituído de lava incandescente ( um material “mole”) mas como espermatozoides que não fecundam e morrem, os cometas velhos poderiam ter seu interior enrijecido e duro, pelas camadas externas de gelo. A recente descoberta não confirma a teoria da Matrix/DNA do interior mole, porque os cientistas supõe que a “moleza” do interior se deve a material feito de gelo suave, como a neve. O que está previsto na Teoria da Matrix/DNA é que o gelo possa estar misturado com o material da lava apagada.

A Teoria Astronômica da Matrix/DNA está explicada em detalhes na categoria ” astronomia” neste website, em português, enquanto a Teoria Nebular pode ser vista mais completa neste link:

http://www.scienceclarified.com/scitech/Comets-and-Asteroids/How-Asteroids-and-Comets-Formed.html

Final Clues From Derelict Lander: Comet Interior “Extraordinarily Soft”

“The comet’s interior is “fluffier than froth on a cappuccino, or the foam found in a bubble bath.”

https://futurism.com/derelict-lander-comet-interior-extraordinarily-soft

How Asteroids And Comets Formed 2934
Photo by: Iuliia KOVALOVA

In 2014, the European Space Agency’s Rosetta spacecraft released a tiny lander called Philae over the surface of 67P/Churyumov-Gerasimenko, a comet of ice and rock some 370 million miles from Earth.

Philae crash-landed on the comet, failing to deploy its harpoons and bouncing off the surface before disappearing behind a cliff. But now, clues about its final minutes are providing unprecedented insight into the interior of the icy space object.

Conclusão dos acadêmicos:

“Philae had left us with one final mystery waiting to be solved,” ESA’s Laurence O’Rourke ….

Tags: ,

Comments are closed.