Porque conhecer a formula da Matrix/DNA

xxxx

Fórmula Matrix/DNA Universal

A navalha da razão (em inglês: The Occan Razor) é muito citada pelos cientificistas. Resumindo significa que a ideia mais simples é mais sensata e eficaz que as mais complicadas. A Natureza é um exemplo: em tudo que ela faz ela inicia pelo que custa menos, em energia, trabalho. Por isso insisto em que conheçam e tentem entender a figura abaixo, a que dei o nome de Matrix/DNA. Por exemplo, se um grupo de cientistas representassem tudo o que existe num corpo humano e toda a evolução universal que foi empregada para desenvolver o corpo humano, em uma equação matemática, esta equação precisaria de 200 páginas e envolvendo os símbolos e raciocínios mais complexos que poucos humanos conhecem. Mas se pedíssemos à natureza representar o corpo humano na sua linguagem natural, ela de supetão nos daria o desenho abaixo. Porque tudo o que a natureza construiu usando as forças e elementos do caos, todas as suas arquiteturas, às quais denomino de “sistemas naturais”, tudo isso está baseado nessa figura, que na verdade é uma fórmula natural, viva. Quer entender a anatomia e funcionamento do cérebro, inclusive como fluem os fluxos dos pensamentos? Está mostrado na fórmula. Quer entender por que e como a Natureza fez sua mão do jeito que é, porque não na forma de polvo com tentáculos que a mão seria mais eficiente, porque tem cinco dedos e não quatro ou seis, etc.? Está tudo mostrado na fórmula. Quer parar de apanhar e ficar incomodado quando falam em átomos, ondas de luz, galáxias, etc., porque você não vê estas coisas e não consegue entendê-las? Com dez minutos você entende como a fórmula funciona, como todas estas coisas se encaixam na formula, como a natureza aplicou esta mesma e univca formula para criar tudo isso. Conhecer ou não esta formula é o que separa humanos entre conscientes, em evolução, e alienados, estagnados. E quando você a entende, quando você pega o espirito da coisa, ela jamais vai te abandonar um dia sequer, porque a toda hora perante você surgem fenômenos e eventos que imediatamente te remetem a esta formula.

Me lembro quando viajando na Transamazônica o pagé que estava conosco numa camioneta Fiat disse: “´Pare aqui. É aqui. Pare e me espere”. Ele se embrenhou na mata cerrada e mais ou menos seis horas depois apareceu na estrada. Do mato vinha saindo humanos nus, assustados, medrosos, olhando surpresos a caminhoneta e claro, mais surpresos ainda quando viram os brancos pela primeira vez na vida. me divertindo com a curiosidade deles se aproximando com medo e tocando rapidamente de longe a lataria e pulando para traz, entrei no carro, funcionei, e o movi por uns dez metros. Aí acabei de fundir as cucas dos nativos. Que incrível animal vivo é este, o que ele come, será que ele morde… que patas redondas engraçadas !? Os nativos estavam perante a complexidade de um mundo ininteligível, e os segredos, as explicações do mundo estão nas suas profundidades, por isso abri o capô e mostrei o motor. Dez, vinte nativos se amontoaram em volta olhando aquela parafernália de peças e fios de materiais que nunca viram…Ei fiquei curioso querendo aprender como funciona o impacto e desenvolvimento do conhecimento das novidades nos cérebros primitivos e com o tempo fui ensinando alguns a dirigir e explicando o motor. Qual não foi minha surpresa quando 20 anos depois retornando a uma pequena vila na Amazônia encontrei um daqueles nativos que tinha acompanhado-nos a Serra Pelada, vivendo ali e trabalhando, como… mecânico! E feliz da vida, tenho certeza que agora ele me ensinaria muito de motor que eu não sei. Inclusive quando vi aquilo comentei com meus amigos: “Engraçado… enquanto a maioria das religiões creem num Deus que conserta os problemas dos humanos, esse nativo um dia acreditou que eu com meu carro era um Deus e hoje ele vive consertando os problemas de Deus… isto é o verdadeiro e genuíno fiel que Deus aprecia…”

O mundo é assim, um corpo humano é assim. À primeira vista é curioso demais, logo se entende e vê a aparência funcionar, pensa-se que se sabe tudo o que importa sobre o corpo, mas se tirar-mos toda a pele e mostrar o interior do corpo… aí surge em todo seu esplendor uma fantástica complexidade que nos atordoa. Mas existe uma técnica não aplicada pelas escolas que facilitaria muito a vida do aluno interessado em desvendar a complexidade. Ensina-se o que é uma célula – o building block, o tijolinho básico na construção do edifício que é o corpo humano. A partir dela ensina-se como dela se desenvolveu aquele corpo, como hoje cada subsistema, cada grande órgão do corpo são evoluções de cada subsistema, de cada organela da célula. Sete tipos de organelas? Sete tipos de grandes órgãos, cada qual representando e ampliando a função de uma das organelas da célula, é simples assim. Tudo num automóvel imita um corpo de cavalo puxando uma carroça. Isto porque o homem não cria nada do nada, mas sim, sua intuição, seu subconsciente entendendo-se como corpo e sabendo das utilidades deste corpo, e suas necessidades, foi desenvolvendo desde a roda à carruagem ao automóvel uma extensão de si mesmo com força multiplicada. Fica muito mais fácil entender toda a complexidade do motor e o resto de um automóvel quando ligamos cada peça dele com cada peça do corpo humano, porque já entendemos antes o corpo humano.

Pois esta formula na figura abaixo é a foto da célula, do tijolinho básico de todas as arquiteturas que a Natureza construiu neste Universo material. Conhece-la não vai colocar o Universo em suas mãos, não vais ter o poder de mexer e mudar o que quiseres deste Universo, mas foi compacta-lo, reduzi-lo ao tamanho de seu cérebro e coloca-lo todo em sua mente. Sua sabedoria, seu portal para sua transcendência. Isto é conhecer a verdade, eliminar todas as ignorâncias, e ser libertado por ela. Porque a humanidade já está a mais de 200 mil anos sendo torturada nestas condições de vida absurdas e continua indo por um caminho errado, desenvolvendo uma tecnologia anti-humana que não está libertando-a dessa condição. Isto por que a Humanidade não descobriu ainda, não conseguiu ver ainda, a estrela certa no céu que ilumine o caminho certo a seguir. Essa estrela-guia seria, para nós, a informação de qual o significado da existência deste mundo e da nossa existência dentro dele. Aprendendo este significado estaríamos aptos a traçar a rota que se sintoniza com o processo da evolução desta natureza e nos conectarmos, nos ajustarmos, nos sincronizarmos justamente com ela.

E basta entender esta fórmula, que se percebe tudo o que ela fez neste mundo desde o inicio dos tempos, que se vislumbra o seu método, e a sua meta final. Apenas para dar um vislumbre de qual o efeito produzido pelo conhecimento desta fórmula vou desafiá-lo para um teste baseado num assunto que interessa a todos humanos: o sexo.

Pense por um momento que você está num parque e vê um homem vindo pela sua direita e sorrindo para uma mulher que está vindo pela sua esquerda também sorrindo para o homem. Os dois se abraçam com um beijo apaixonado e saem caminhando abraçados. Tentando agir como um filosofo – estes caras malucos que ficam se perguntando quais as causas de tudo que veem – você se admira e se pergunta: “Raios, como a Natureza inventou esse fenômeno?! Que engenharia fantástica! Dois corpos separados no espaço, possuem exatamente os detalhes necessários que quando se fundem, produzem uma cópia-síntese dos dois! De onde a Natureza tirou a ideia para criar esse fenômeno natural, incrível, que parece ter o envolvimento de alguma inteligência muito superior à minha?

Deixa-me ver: os sistemas biológicos de hoje estão separados em dois corpos com dois sexos diferentes e complementares. Isto veio de corpos primordiais como as primeiras células que eram hermafroditas, ou seja, um corpo só tinha as duas parafernálias sexuais e daí para entender porque as coisas todas foram feitas em tamanhos certos correspondentes, onde um órgão executa metade do processo e outro executa a outra metade. Mas se continuasse assim para sempre não haveria evolução deste corpo, pois as cópias seriam sempre iguais aos originais. Alguma coisa aconteceu que funcionou como uma fenda separando as duas metades, e agora a evolução foi reaberta, estes corpos produzem copias diferentes dos originais. Mas antes, para fazer a célula hermafrodita com essa parafernália reprodutiva, a Natureza tem que ter trazido isso de algum lugar em que já funcionava algo antes, em forma mais simples, menos evoluída. este Universo, esta Natureza, não é mágica, eu nunca vi ela fazendo alguma coisa para a qual ela já não tinha informações, ela não cria informações novas do nada. de onde, meu Deus, a Natureza trouxe estas ideias, onde, antes da origem da vida da primeira célula, existia essa engenharia da reprodução funcionando? “…

Bem, a humanidade vem se fazendo estas perguntas a milhares de anos e não encontrou as respostas, tem muitas teorias, mas ninguém consegue provar nada. Como sou humano, tenho que me conformar que não serei eu a descobrir a resposta certa. Mas como filosofo naturalista ajoelhado em volta dos pântanos na Amazônia focando suas substancias com microscópios simples, buscando alguma luz nessas questões, eu percebi um padrão se repetindo em tudo e desenhei nesse padrão e percebi que funciona como uma fórmula, a qual se tornou meu oraculo que consulto sempre que um novo evento ou fenômeno real me aguça a curiosidade. Então vou consultar meu oraculo, observar e refletir sobre o desenho da formula, procurar uma nova teoria mais racional que me satisfaça mais, porque de todas as existentes por aí, nenhuma me convenceu. E qual o resultado da consulta?

A formula não é fixa, ela vem criando coisas complexas e se transforma para se ajustar ás novas realidades mais complexas, apenas assim ela continua a se complexificar. Ou seja, ela é o agente da evolução e como tal ela aplica essa evolução sobre si mesma. Exatamente como o DNA primordial vem fazendo nestes bilhões de anos da evolução biológica. Então preciso calcular a formula como ela deveria estar momentos antes de criar a primeira célula, pois nesta forma anterior tinha que já existir essa engenharia em estado mais simples. E qual era o estado do sistema mais evoluído momentos antes das origens da vida? Ora, este sistema astronômico dentro do qual esta vida apareceu e a qual teve que ser produzida com elementos existentes dentro do sistema. Era um planeta, mas planeta é parte, não sistema, então temos o sistema solar, que também é parte, ele está dentro de outro sistema mais complexo, esta galáxia. E claro a célula complexa foi feita pelo sistema mais complexo que existia na época. Bem, já tenho calculado e desenhado o estado da formula quando ela construiu esta galáxia. Um fator importante é notar que a formula pode produzir duas formas de sistemas, os abertos para interagir com o resto do mundo e os fechados em si mesmos. E as galáxias são os sistemas onde a formula quase chegou a se fechar por completo, são os sistemas que menos se interagem, então tenho aqui o desenho de um sistema fechado ( se fosse aberto não seria esférico). Onde, meu Deus, nesta figura está embutida toda a engenharia da reprodução sexual?

Tem que ser hermafrodita, pois sua filha direta, a primeira célula, saiu-se como hermafrodita. – ” Ohhhh…. !!! Tá tudo aqui, tô vendo tudo! Tão claro como as aguas cristalinas… tá tudo explicado aqui! Basta trocar na formula os símbolos das partes e fluxos pelos nomes das peças da engenharia reprodutora, e tudo se faz claro!” … Bem, aí eu redesenhei a fórmula fazendo as trocas e chamei a nova figura de “As origens dos cromossomas X e Y”. Vamos trazer a figura como ficou agora:

Mas se prepare. Esta busca vai mudar sua mente para sempre. vai te trazer grilos zunindo na cuca que você jamais imaginou. Por exemplo, nesta formula você vai aprender como funciona um paraíso para seres viventes biológicos: vida eterna pela auto-reciclagem, alimento gratuito porque come o que defeca, estado orgástico 24 horas por dia, segurança total, etc. E vai ver que ali naquele paraíso existiam ( e ainda existem) um elemento masculino e outro feminino. vai ver que as origens da vida aqui se deu por um evento envolvendo a entropia da galáxia, ou seja, o primeiro ser vivo foi o resultado de uma… queda… da galáxia como sistema fechado, para se reabrir para sua evolução. Vais ver que se tornar sistema fechado é o maior erro, o maior pecado que nos podemos cometer contra as leis naturais universais, pois mataria nossa evolução, levar-nos-ia para a extinção eterna. Na verdade aquela queda foi sua salvação, mesmo que de potentade celeste e majestosa, ela tenha sido obrigada a recomeçar se rastejando na superfície de planetas. E todos estes elementos, todos estes detalhes, como paraíso, um masculino e um feminino, genomas X e Y, queda, renascer, salvação… vai te incendiar uma tentação irresistível. A tal ponto que você não conseguirá evitar de escrever em cima das figuras X e Y os nomes Adão e Eva…

-” Como?! Mas isto é o que está escrito na Bíblia, é místico!” Sim, estava escrito, mas místico é a lenda metafórica, porque este ambiente com esta anatomia e este evento da queda realmente ocorreu conosco na pele de nossa forma ancestral. E isto tudo está registrado na memória do nosso DNA – ali naquela grande região que os desavisados acham que é DNA-lixo. Ora, estados alterados da consciência ou mentes mais primitivas ainda vazias das besteiras culturais de hoje podem ativar esta memória e ver flashes deste passado. Porem, como aqueles autores nada sabiam de galáxias, DNA, etc., conectaram os flashes ‘a sua maneira e interpretaram tudo conforme seu estado mental. O curioso é como dois caminhos de inquirições com métodos tão diferentes – um racional, naturalista – e outro, rememorização contemplativa, chegam ao mesmo e exato resultado.

Eu disse, isso vai te causar uma explosão mental semelhante aquelas explosões que vemos levantando os foguetes da NASA rumo ao espaço sideral. É a expansão da mente no seu novo salto evolutivo, abarcando o Universo. Tudo exigindo tão pouco: a observação e reflexão sobre uma formula simples.


Tags: , ,