Posts Tagged ‘cells’

New theory on the origin of dark matter

Monday, October 19th, 2020

by Lito Vilisoni Wilson, University of Melbourne

https://phys.org/news/2020-10-theory-dark.html

My comment published at the article:

Morelli – just added – 10/19/20

DARK MATTER = THE JUNK-UNIVERSE
Which is the existential meaning of dark-matter?
The investigative method of Matrix/DNA Theory says: “Ok,… look at this:
1 ) 97% of DNA is junk-DNA;
2) 90% of the brain are junk-glial cells;
3) 95% of the Universe is junk-matter.

Because, you know, when a species is transformed by evolution into a new shape, the internal essence-design is kept, as supporter of the new one. Glial cells are supporter of neurons for keeping neurons at their place. Junk bases of DNA keeps the active genes at their place. Dark-matter, the ancestral of light-matter, keeps galaxies, stars and planets in their places for not hitting themselves.

If you want to know more about dark-matter, look to properties and functions of junk-DNA and junk-neuronal cells. Like… one function of glials is interference and changing the pathways of synapses. maybe here is the secret of worm-holes. So, if you want to travel to another galaxy, see how and what glias does with synapses…

Meditação e saude: um fato real pode indicar que minha técnica funciona… ou não…

Saturday, February 8th, 2020

Fato real baseado no link para video:

https://www.youtube.com/watch?v=7Hk9jct2ozY

Uma molécula grande rodeada por liquido onde nadam ao acaso milhões de átomos/pequenas moléculas, de vários tipos diferentes. A molécula grande funcionando como a linha de montagem em serie de uma fabrica, montando um RNA, ou uma proteína, que são como maquinas complexas para produzirem carros, aviões. Como, me pergunto, em milhares de operações por cada minuto, entram no produto que corre na esteira de montagem, a peça certa, se existem dezenas, centenas de tipos diferentes chegando das fabricas externas de auto-peças, e todas jogadas num tanque de água onde ficam nadando por acaso?!

A explicação cosmológica, metafisica, que meus resultados estão indicando, é que toda essa fantastica movimentação que meu cérebro não consegue abarcar, é resultado da evolução de bilhões de anos progredindo sempre, quando, na origem do Universo, uma ou umas ondas de luz se propagou de uma fonte desconhecida, e essa onda seria constituída, segundo meu modelo teórico, de um sistema funcional semi-vivo, e ao dispersar da onda, fragmentando-se em partículas, cada partículas modelada em cada posição na onda tornou-se a informação especifica e funcional daquela posição na onda e a grande sina deste mundo é criada, no nível material, por essas-partículas fótons-bits-informação espalhadas no fim das ondas por dispersão tornam-se desesperadamente necessitadas de recompor ou reproduzir a onda original de onde vieram, e então vão se procurando as que eram vizinhas na onda, se juntando, formando tribos, comunidades, especializadas no tipo de função que tinham e vão voltando, fazendo o trajeto inverso de quando a onda se propagou, vão voltando e remontando a onda, tem como objetivo final retornar à fonte. Como tenho a cada dia que descubro mais informações na formula da onda de luz percebido que cada novo conhecimento desdobra-se num leque com mais mistérios, mais coisas a explicar do que existia antes, me faz crer que a complexidade encriptada na onda inicial está muito alem da capacidade de processamento do meu cérebro, então quando vejo esta incrível movimentação de átomos e moléculas a velocidades vertiginosas em precisão mecânica excepcional, não me surpreendo mais, pois o modelo teórico já me avisou que a complexidade é surpreendente e crescente. Os fótons da onda de luz, possuem em si um emaranhamento, uma extensão na forma de sinapse que apenas se conecta com a extensão sináptica do outro fótons que estava como seu vizinho na onda. Nada mais é que um sistema se refazendo exatamente igual como era antes de ser fragmentado. E aqui no nosso mundo material, estes fótons estão dentro das partículas dos átomos, usando-os como ferramentas, tratores, guindastes, etc. na remontagem do sistema. mas isto é minha metafisica, na qual não acredito, apenas a mantenho no ar enquanto vou testando se ela existe de fato.

Mas então, voltando ao fato real, como os elementos dispersos entram na linha de montagem no momento e posição exata?

Temos aqui três alternativas:

a) O controle funciona de fora para dentro. Como um comando geral vindo da entidade do sistema celular. Existira uma força fora da grande molécula com um exercito de forças funcionando como os empregados ou robots nesta fabrica, que precisam saber exatamente qual o tipo de átomo/pequena molécula inserir em qual exato momento. Na célula quem ou o que faz a função dos robots?

b) O controle funciona de dentro de dentro para fora: a grande molécula funciona como um pescador num rio cheio de seres aquáticos. O pescador tem em mãos uma lista de produtos a entregar nas lojas do mercado, cada loja quer um ser aquático especifico e tem ordem de hora para entrega. Então o pescador escolhe a cada momento um tipo especifico, colhe-o, embala-o num pacote com um numero e vai colocando os números em ordem na carga do veiculo.

c) Os átomos/pequenas moléculas nadando ao acaso querem entrar na grande molécula, mas só querem ficarem ao lado de outros tipos específicos de átomos, por isso escolhem o momento de entrar. Talvez estes átomos tenham receptores específicos para apenas outro átomo, mas isto já estou rebuscando na parte metafisica da minha teoria.

Na minha técnica de meditação se supõe o corpo humano constituído de duas copias de um sistema cuja anatomia fundamental é a formula da Matrix/DNA. Uma copia, bem mais evoluída, é o cérebro, a outra copia é o resto do corpo construído como extensão das funções cerebrais para carregar e manter o cérebro. Então imagina-se uma figura que tem um exemplar da formula, menor, que tem suas hastes abertas na sua posição F4, e as hastes se abrem e se estendem formando outra copia em tamanho maior, portanto na forma de escada em espiral. As duas formas da formula estão no seu estado original como quando surgiram nesta natureza universal, ondas de luz compostas de fótons. Circulando a copia menor funcionando como cérebro existe o espaço externo, locupleto de partículas fótons invisíveis aos olhos humanos. Existe grande diversidade de tipos de fótons, em varias cores diferentes. O corpo precisa destes fótons para alimentar, reparar, energizar toda essa estrutura, compor pensamentos, como a grande molécula na célula compõem estruturas em código. Sem saber qual das três alternativas funcionam, o individuo meditativo imagina os fótons do espaço, em momentos diferentes e cores diferentes sendo pescados e transportados em torvelinhos para dentro do corpo e sendo entregues nos locais da network da formula cujas cores em cada local recebem fótons de mesma cor. Para isso o meditador precisa conhecer a imagem teórica do seu interno corpo constituído pela network de fótons, que seria sua aura. As duas hastes do DNA em espiral se remexendo ondularmente como as duas serpentes do kundalini tendo no meio entre elas sete estrelas brilhantes de focos de fótons imitando os chacras que na verdade são as bases nitrogenadas de moléculas. mas tem que imaginar esta aura cansada pela luta diária, desfeita, enfraquecida, e pior, afetada pela dominância dos instintos e anatomias herdadas dos animais. As estrelas centrais quase apagadas emitem raios fracos ou falhando, mas como na figura estão alinhadas numa sequencia de cores que é a mesma sequencia das cores do arco-iris, o meditador sabe emitir comando da network mental para captar o foton na cor certa e envia-lo para a região de mesma cor., energizando as estrelas-chacras, fazendo os rais resplandecerem. Ao menos, não sei se por fato real ou por ilusão mental tipo efeito placebo, me sinto renovado, leve, energizado, e transbordando energia e saude. Que seja placebo, que seja coisa de louco estou ganhando com isso, me deem licença para ser louco pois assim me sinto mais muito bem comigo e com o mundo. O meu cérebro é constituído dessas células, estas células são muito menos capazes que meu cérebro, no entanto elas fazem isso, elas selecionam o tipo de elemento certo na posição exata, e talvez, sem me avisar, o cérebro faça isso também com mais facilidade, basta eu lhe dar ordem para faze-lo.

Ou seja, a Natureza de fato emprega este processo no nível biológico. O meditador supõe que o nível biológico é uma camada superficial de um nível mais sutil, não biológico. E que o nível biológico tem a capacidade de praticar este mecanismo porque o mesmo mecanismo existe no nível sutil.

Suposições, hipóteses, criadas tendo por base os resultados de uma investigação mental, não pratica laboratorial. Sendo racionalisticamente cético, desconfiado, o meditador não acredita que a técnica funciona e mesmo ainda desconfia se o nível sutil existe. O resultado final da investigação sugeriu esta figura geral e sugeriu que esta técnica deve funcionar. O meditador experimentou, como teste. E verificou que durante 40 anos praticando essa meditação teve uma saude perfeita, apesar de vida incontrolavelmente desregrada. Mas o meditador não tem fatos reais mostrando qual a causa dessa saude, se natural ou se provocada pela técnica.

DNA animations by wehi.tv for science-art exhibition

Para quem critica minha teoria de que a primeira célula foi criada a imagem e semelhança dos building blocks astronômicos

Saturday, February 8th, 2020

Esta imagem é da chamada “Nebulosa da Bolha”, ou Bubble Nebula

The Bubble Nebula - NGC 7635 - Heic1608a.jpg

NGC 7635, também conhecida de Nebulosa da Bolha, Bubble Nebula, ou Shaspless 162 e Caldwell 11 é uma nebulosa de emissão localizada na constelação de Cassiopeia a 11 mil anos luz da Terra. A bolha que caracteriza essa nebulosa é criada pelo forte vento estelas que provem de uma fonte de quente, que é uma estrela jovem (SAO 20575) de 8,7 magnitude e de massa solar de 15 ± 5. Essa nebulosa esta perto de uma grande nuvem molecular. A estrela jovem que esta em seu centro brilha e esta nebulosa emite o brilho da estrela. Foi descoberto em 1787 por Friedrich Wilhelm Herschel (Wikipedia)

Neste video ela é impressionante como algo pré-vivo no Cosmos…

GPS no hipocampo, mais evidencia para Matrix/DNA

Friday, January 31st, 2020

Tem sido um mistério para os neurologistas sobre quais celulas neuroniais produzem a imaginação, este fenomeno de aparência tão abstrata, e como o fazem. Um novo estudo adianta pesquisa:

Summary: Study shows how hippocampal cells can represent different hypothetical scenarios consistently and systematically over time. The findings shed new light on how place cells assist in decision making and imagination.

Brain’s ‘GPS system’ toggles between present and possible future paths in real time

Neuroscience NewsJanuary 30, 2020

https://neurosciencenews.com/brain-navigation-imagination-15607/

Claro, para mim sempre fica a duvida se são os neurônios e glândulas que produzem essa desconhecida e invisível imaginação ou se é o sistema cerebral como um todo que obedece a lei dos sistemas naturais dos quais emerge sua identidade própria, holística, localizada no todo, e que faz estas células entrarem em ação para ativar nervos, músculos.

Mas a ainda obscura interpretação do fato constatado ( sinalização intensa de células do hipocampo) sugere-me que parece a coisa ser de duas vias: a identidade do sistema reforça certas células que respondem em feed-back reforçando alguma propriedade da identidade. Pois o fenomeno tem a ver com criar cenas e eventos apenas em imagens, não reais, e projetados no futuro. E então busco na formula da Matrix/DNA, qual das suas propriedades poderiam estar envolvidas nisso. Na formula, existe um ponto que está conhecendo o passado, o presente e o futuro, não do mundo externo, mas do mundo interno ao sistema. É F1. Vamos trazer a formula, no seu aspecto desenhado na selva que melhor explica isso:

Matrix/DNA formula for astronomic building blocks and cell systems

Observe F1 à esquerda, sendo o turbilhão-bateria do sistema. Ele possui as informações para projetar um corpo no futuro até sua morte. Mas quando ocorre a morte, esse corpo de desintegra e suas informações vem para o cone, o que revela o passado do corpo. E faz tudo isso no presente.

Por outro lado, em nosso esforço em identificar cada região ou glândula do cérebro pela sua função com cada F da formula e ter um template total de sua anatomia, já temos certeza que o hipocampo se situa em F1. Estas chamadas “cells place” devem representar as nuvens do material degradado que rodeia o cone. Se as células disparadas estão produzindo uma visão do futuro devem se situarem a esquerda do hipocampo, se sobre o passado, se situam a direita.

Não estou gostando muito da sugestão encoberta nesta situação. Se minha interpretação da formula no tocante a este fenomeno estiver correta, fica a impressão que a formula criou a imaginação e isto só poderia ter sido feito atraves de sua ferramenta no caso, que é o cerebro. E isto daria razão aos pesquisadores em dizer que a imaginação é produzida pelo cérebro. Ou não, pois quem realmente a produz é uma formula que continha em si as propriedades para faze-lo e vem existindo desde o Big Bang, muito antes de existirem cérebros…

O estudo sugere mais uma evidencia para a Matrix/DNA, tem excelentes informações no avanço de nossas pesquisas, portanto fica aqui registrado…

Meu comentario enviado ao NeuroscienceNews ( aguardando moderação e acho que não será publicado porque faço publicidade do meu link), em 31/01/20

By my different theoretical approach, imagination is product of a process of feed-back between places cells and the brain´s systemic identity. For to know the functions and activities of the brain is good to have at hands the template creator of its anatomy, which is the universal Matrix/DNA spherical diagram for all natural systems.

In this formula we see and understand how a system has information of present, past and future, but only for its internal structure. The fact that the intense signals occurs in cells place in the hippocampus is exactly the point where the formula keeps these information, so, it was predicted by the formula. This new evolutionary jump, going to external world, must be self-projection of this old property. For those with curiosity, I wrote an article about this issue with more information, at https://theuniversalmatrix.com/en-us/articles/?p=1411

Células: Journal of Cell Science

Friday, October 11th, 2019

xxxxx

https://jcs.biologists.org/

Papers com livre acesso e muitas informações/imagens/videos, etc.

ll Journal of Cell Science content – including the entire archive dating back to 1853 – is available online, and is fully browsable and searchable. All Journal of Cell Science papers are freely available online six months after publication,