Posts Tagged ‘ciclo vital’

Célula: Ciclo Vital criado pela Formula Universal

Wednesday, December 11th, 2019

A evolução desde o sistema galáctico para os sistemas biológicos vivos teria que provocar uma drástica mutação nos processos internos do sistema devido aos ambientes e substancias de origens serem muito diferentes. Na comparação ente um sistema galáctico – pelo meu modelo teórico – e a primeira célula viva vemos que o significado geral dos sistemas foi mantido, a dinâmica do ciclo vital que veio com ondas de luz de alguma maneira se impôs. Temos que estudar como um sistema regido pela mecânica astronômica se torna um sistema pelo método biológico de organização da matéria. Não podemos esquecer que entre a mecânica astronômica e a organização biológica teve um elo, que foi a química orgânica. A mutação ocorreu nas formações químicas das moléculas orgânicas primitivas, aqui temos que desvendar como foi essa mutação. E a separação de um todo em pacotes de informações para depois serem juntados estes pacotes reproduzindo o todo permite muitas variações, em ambientes inéditos.

O circuito sistêmico sempre tem o mesmo desenho do ciclo vital, pois é o ciclo que vital que se torna um sistema.

Esta figura quando vista sob a perspectiva da visão de mundo pela Matrix/DNA lembra imediatamente a formula universal do sistema natural universal. Então vamos trazer a formula para cá:

Formula do Sistema Natural Universal

Na figura da célula notamos que o ciclo começa no topo de cima com a célula filha, então temos que inverter o sentido da figura da formula pondo F1 no lugar da célula filha, F2 onde a célula cresce, etc. Quando na Interfase, a célula começa ps preparativos para a bifurcação do circuito que acontecerá em F4 e para isso ela duplica o DNA que é o carregador da informação para um segundo fluxo do circuito de desprender. Ela está fazendo isso entre F2 e F3, por isso ela é dirigida pela formula a crescer ainda mais. Na Profase vemos o processo sexual hermafrodita se solidificar. A cromatina se condensa em cromossomos que é uma forma necessária para constituir os genomas sexuais e o desaparecimento do nucléolo tem que acontecer: até aqui, em F3, se impos a face feminina do processo, com a criação da célula filha pela femea em F1, mas em F4, que é a face masculina, a feminina sai e cede o lugar ao masculino.

Na prometafase se insere a F5 com seu ramo lateral e interno. Se na galaxia isto acontecia com os cometas retornando no espaço na direçâo onde vai se formar novamente F1, e na reprodução das seccões do DNA entra para isso a uracila, na célula são fabricados os centromeros e em lugar da linha do fluxo de F5 surgem os microtubulos. O que importa na formula é dividir o sistema ao meio, em face esquerda e direita, para que depois cada uma construa sua outra metade. A engenhosidade da formula aqui é extraordinaria, considerando-se que sua unica experiencia anterior era o mecanismo muito mais simples astronomico, mas nem por isso vamos personalizar a formula com inteligencia própria: creio que tudo ocorreu pelo forte impulso do fluxo avançar e obedecendo a formula que determinava a bifurcação. tudo deve ter ocorrido por processos naturais, como quando as águas das montanhas vão forçando a abertura de caminhos na sua descida. Mas ainda não tenho dados para decidir o que foi que realmente realizou o evento que resultou na extraordinária experimentação e confecção de extraordinary novos elementos.

Na fase Mitótica a membrana desaparece e isso não é surpresa pois já vimos acontecer isso nesta mesma posição nas galaxias: quando a femea está desativada, a poeira do horizonte de eventos, ou quasar, desaparece também. Na Metáfase fica uma questão. Qual o mecanismo e porque os cromossomas que estavam dispersos na cromatina se alinham em sequencia? Se logo a seguir eles se separam novamente em cromátides que vão para os dois lados da célula? A pesquisar…

Por fim F5 se torna Myosin II e completa a separação. Daqui a célula velha vai para sua morte, determinada por F6 e F7.

Portanto não foi a matéria simples e burra da superfície deste planetinha que inventou pela primeira vez no Universo esse método de tão extraordinária engenharia, e sim as partículas de luz que se infiltraram com o liquido nessa matéria e simplesmente caminharam como vem caminhando desde o Big Bang quando a onda de luz original caminhou no espaço sideral e se propagando no tempo ao ir montando seus órgãos anatômicos internos – ou suas faixas diferenciadas – na mesma sequencia do ciclo vital. E depois estavam infiltradas nesta estrela Sol de onde vieram recompostas como luz para dirigir os átomos terrestres a se subordinarem ao modelo de sistema que elas constituem.

Mas nem tudo ficou tão fácil de ser compreendido com a fórmula da Matrix/DNA. O ciclo dos centríolos, ou centrômeros, e a própria presença dos centríolos, continua muito complexo, inexplicável. Parece que outra coisa alem da formula estava fazendo as coisas nas origens da célula. Mas ao mesmo tempo os centríolos servem como um alerta e um alento: a formula ainda tem muitos segredos encriptados nela. Um desses segredos que não tenho informações vindas da Ciência é que a formula tem sua camada mais invisível, que é seu campo magnético. As imagens geradas pelo centríolo lembra os fusos do campo magnético do planeta, os seus polos magnéticos, etc. Vejamos a figura abaixo:

File:Centrosome Cycle.svg

Se existe uma camada subliminar da formula de consistência eletromagnética, atrelada a sua substancia de luz, e há já muita evidencia de que de fato existe, os polos norte e sul representam F1 e F4. Mas quem é quem? Qual o polo feminino e o masculino?

Suspeito que a compreensão de como as forças naturais construíram este processo dos centrômeros vai ser encontrada quando desenvolver-mos mais a epigenética. Este não é um processo genético, localizado nos elementos e partindo dos elementos, parece mais um efeito da identidade dos sistemas. Pois os passos na evolução deste ciclo dos centrômeros vão ocorrendo em paralelo aos passos na evolução dos cromossomas no núcleo celular e depois os dois elementos se conectam complementarmente. de onde veio a ideia de dotar um corpo, como o centríolo, de tentáculos, e depois dirigir estes tentáculos exatamente para cada secção dos cromossomas quando alinhados no eixo celular, e ainda mais… dotar os tentáculos de “mãos” moleculares para agarrarem e puxarem uma das hastes do DNA!!!. Isto parece a harmonia de uma orquestra tocando uma sinfonia, e toda orquestra tem que ter um maestro. Neste caso a identidade do sistema, por isso, aposto que a epigenética vai elucidar este mistério.