Posts Tagged ‘estrelas’

Ferro-60: Possível prova do modelo teórico astronomico da Matrix/DNA

Friday, August 28th, 2020

Restos de supernova podem ser encontrados em bactérias pré-históricas

Um material que não se forma na Terra (isótopo Ferro-60) foi encontrado em 2004 no fundo do Oceano Pacífico e, de acordo com as análises da época, a fonte teria sido uma supernova ou, mais precisamente, seus restos que chegaram ao nosso planeta 2,2 milhões de anos atrás. 

Matrix/DNA: A parte da Teoria Geral da Matrix/DNA que trata de Astronomia sugere um diferente modelo teórico para formação das estrelas ( e dos outros tipos de astros). Neste modelo, germes de estrelas são produzidas num cone vorticial e são ejetados ao espaço como pequenas esferas constituídas principalmente de ferro incandescente. No espaço estes germes atravessam o horizonte de eventos ao redor do cone nuclear, o qual é constituído de poeira de estralas e outros astros “mortos”. Sobre o germe são agregadas estas poeiras que formam camadas diferenciadas pelas temperaturas e constituição da poeira e num desenvolvimento seguinte o bólido esta na forma de planeta. is to significa que planetas gestam em seu núcleo o germe de nova estrela, a qual vai se expressar mais tarde como está calculado no modelo. Esta noticia revela que foi encontrado nas profundidades marítimas o isotopo de Ferro-60, e segundo a noticia este elemento não é produzido na Terra, mas calcula-se que seja produzido em estrelas supernovas. É uma hipótese um tanto vaga pois não se aponta a estrela, não se sabe como uma estrela teria enviado este material à Terra. Ora, a teoria da Matrix/DNA, quando trata das origens da vida, sugere que material do núcleo terrestre tenha “subido” para a superfície, pois segundo os cálculos, 50% das informações para a vida teria vindo de astros na forma de planetas ( os outros 50% teriam vindo de formas de astros entre F6 e F7, nos quais se incluem as estrelas). Infelizmente não guardei uma leitura antiga que informava que existe uma troca de elementos entre a superfície e o núcleo do planeta, algo como carregados por lixivia, e subiriam como lavas vulcânicas. O fato do Ferro-60 ter sido encontrado nas profundezas marítimas, que esta mais perto do núcleo e tem ventos e lavas vulcânicas é indicativo favorável à Matrix/DNA. Porque procurar a causa a muitos anos-luz distante da Terra, se ela pode estar aqui mesmo, abaixo de nossos pés?

No entanto, há de se lembrar que a Matrix/DNA sugere dois tipos de formação de galaxias e não tem os cálculos das transformações do primeiro processo no segundo, o que pode anular planetas de segunda geração como a Terra de portar um germe estelar.

Plasma estelar: grande solução para um buraco na Matrix/DNA Theory

Thursday, December 12th, 2019

Tem sido nebulosa a imagem imaginada da poeira vinda de um cadaver estelar formando uma nuvem devido a gravidade mas rodopiando sobre si mesma e formando um cone espiralado. Esta imagem faz parte do processo da auto-reciclagem dos sistemas astronômicos. O que se concentraria tanto naquela nuvem para formar o bico pesado do cone? E como uma poeira dispersa em forma de nuvem com baixíssima densidade material iria elevar sua velocidade de giro?

Tenho mantido esta questão aberta por 30 anos sempre nela voltando tentando repensa-la e resolve-la.

Mas hoje, sem estar pensando nela, me venho uma intuição. Num debate na Internet alguém dizia que os acadêmicos afirmam que viemos de mera poeira estelar. Então respondi que “o que eles não fazem ideia é que no meio daquela poeira estelar, vinha a “alma das estrelas”, ou seja a formula da Matrix fragmentada em seus fótons, e foram estes fótons que reconstruíram o sistema estelar morto e mais tarde nos fizeram trabalhando os ingredientes fornecidos pelas estrelas. É o mesmo caso de alguém que vê chegar no centro de um ovulo uma geleia informe e depois assiste a montagem de organismo, ele não sabe que no meio da geleia do cromossoma está o DNA. Então devemos considerar a hipótese que das estrelas que morrem não resultam apenas fragmentos de poeira, mas também fragmentos de seu plasma incandescente, que é uma substancia normal das estrelas. Alias, não me esqueço que os vulcões emitem magma, uma espécie de plasma incandescente, e os gigantescos vulcões de pulsares emitem este magma que quando caem no espaço se tornam os cometas…”

E foi aqui que vi a similaridade entre a cena do cromossoma Y chegando no ovulo e porções de plasma estelar estar chegando no meio da nuvem de poeira. Os fótons-bits-informação estariam no plasma! E o plasma seria uma solução para o mecanismo da imagem nebulosa, pois ele seria denso, muito mais pesado que a poeira, por isso seria dirigido ao centro da nuvem, encurvando esse ponto da nuvem para baixo, tornando-se o bico do cone, e por ser denso, entende-se porque aumenta o giro de rotação da nuvem inteira.

Aí está mais uma solução mentalizada, teórica, para um dos detalhes não resolvidos que ainda existem no corpo da teoria geral. Boa solução porque espaldada num parâmetro real conhecido por todos, o cromossoma com sua carga genética. Agora tereis que pesquisar “plasma estelar” e rever todas as fotos do Hubble e etc. para ver se em algum momento foi detectado plasma espacial fora de estrelas ou no meio interestelar…

Entenda como recompensa o sacrifício na busca do conhecimento

Thursday, December 12th, 2019

No filme “O dia que Nietzsche chorou” ele diz a um estudante: “Se optar pelo prazer do conhecimento, prepare-se para sofrer. Quer menos dor? Vá, seja parte da massa…”

Vamos a um exemplo real. Quando caí por acidente no meio da selva amazônica sofri os horrores do inferno, mas quando voltei, não conseguia resistir ao prazer que me dava quando lembrava coisas que aprendi sobre a Natureza e significado das existências. Sentia ou recordava mais estes prazeres que os sofrimentos. Tanto que retornei por conta própria na selva para enfrentar o inferno mas sabendo que iria ter novos destes “orgasmos espirituais”. Ninguém pode imaginar o que sente um homem sentado numa pedra a meia noite no meio da selva vendo uma estrela e descobrindo que ela é sua ancestral que cumpriu sua missão evolucionaria entregando a tocha a ti, e de lá ela te observa esperançosa que você conduza a tocha até chegar ao destino onde ela se assentará na eternidade dentro de ti.

Por outro lado não sentem esse prazer os acadêmicos do ar condicionado que pertencem àquela massa que pensa dentro da caixa, quando afirmam que fomos feitos pela poeira das estrelas… ao contrario… isso veio de graça e por isso se desprezam a si mesmos e ás estrelas.