Posts Tagged ‘planetas’

Teoria planetária virada do avesso

Monday, September 28th, 2020

Descobertos vários sistemas estelares onde os planetas giram no sentido contrario ao de suas estrelas. Então a teoria acadêmica oficial de que estes sistemas, como o solar são formados de nebulosas de gases e poeira giratórias não se sustenta, pois todos os corpos deveriam girar na mesma direção da nuvem original. Quanto ao modelo astronomico da Teoria da Matrix/DNA, isto já estava previsto. (ver meu comentário abaixo).

http://www.astropt.org/2010/04/13/teoria-planetaria-virada-do-avesso/

eso 1016a
descoberta de nove novos exoplanetas em trânsito foi hoje anunciada no NAM2010.
Quando estes novos resultados foram combinados com observações anteriores de exoplanetas em trânsito, os astrónomos surpreenderam-se com o facto de seis deles, numa amostragem de 27, orbitarem na direção oposta à da rotação da estrela hospedeira – precisamente o contrário do que se passa no nosso Sistema Solar. Estas novas descobertas põem em causa, de maneira séria e inesperada, as atuais teorias de formação planetária. (ler mais…)

meu comentário enviado para modera~~ao em 9/28/20

Louis Morelli:

Ora, Carlos, elaborei um modelo teórico astronomico em que a migração planetária é a norma e possibilidade de planetas orbitarem na direção oposta à da rotação da estrela hospedeira ser comum. Isso a 35 anos atrás, tenho os copyright para confirmar e o modelo esta no meu website a 10 anos. Mas está se tornando comum a cada nova foto do Hubble ou novo dado descoberto vir acompanhado da observação ” isto não está de acordo com os cálculos do modelo teórico portanto teremos que rever a teoria”, enquanto todos tem reforçado meu modelo. Mas como seria possível que alguém sem diploma em astronomia e usando instrumentos simples pudesse acertar mais que os profissionais?
É possível para qualquer um desde que mantenha a logica racional pura tal como recebida pela Natureza, sem desviar a mente pelas fantasias imaginarias. Minha pesquisa começou com uma pergunta logica: ” O primeiro sistema biológico que apareceu na superfície da Terra só pode ter sido produzido por forças e elementos naturais contidos nesta galáxia. O primeiro sistema biológico – um sistema celular – tem que ter sido produzido por um sistema natural menos evoluído, porem, deve ter mantido suas características. Então onde estão estas forças e elementos no sistema galáctico? Se o modelo acadêmico não as encontrou, o modelo teórico deve estar equivocado. E deve bastar projetar o sistema celular sobre o quadro geral da galáxia sabendo que ambos são à imagem e semelhança para se obter um modelo da galáxia mais plausível.”
Encontrei fácil um modelo astronomico onde todas as forças, os elementos e as propriedades vitais já se encontravam nele, de forma mais simples. Agora, se uma humanidade inteira desvia sua razão para acreditar na mística de que houve uma origem da vida onde nunca houve nada parecido, que esta origem veio de sobrenaturais mágicos como um acaso absoluto ou um deus imaginário… vão certamente calcular formação de planetas e sistemas estelares sem nenhuma correspondência com a realidade. essa mente desviada vai acreditar num modelo teórico pseudocientífico e decretar que o modelo correto é pseudociência… mesmo que não possuam um fato real sequer para provar sua sentença.
Mas para entender o meu modelo tem um aviso. O sistema celular tem dois processos diferentes de formação. O primeiro processo foi por simbiose, e formada a primeira célula, ela aprendeu a se replicar, que é io segundo processo. isto não é por acaso, pois sua genitora, esta galáxia, teve igualmente os mesmos dois processos de formação. Infelizmente este nosso sistema solar parece ser de segunda ou terceira geração e o meu modelo se refere apenas ao primeiro processo. Mesmo assim, a diferença deve ser mínima.

Porque existem luas e planetas mortos

Friday, February 7th, 2020

Por que o “dínamo” da Lua se apagou, levando o satélite a perder seu campo magnético

https://www.uol.com.br/tilt/noticias/bbc/2020/01/24/dinamo-da-lua-se-apagou-levando-o-satelite-a-perder-seu-campo-magnetico.htm

Interessante explicação. Quando caem no espaço frio interestelar, a maioria dos planetas não alcançam estrelas a tempo de receber o calor e ativar seu núcleo, cristalizando-os. Mais ou menos como os espermatozoides, muitos são ejetados, mas poucos fecundam e florescem.