Archive for abril 28th, 2011

Os Maiores Vampiros e Vampiras Amanhã no Banquete do Suor Humano em Londres

quinta-feira, abril 28th, 2011

Para mim não faz o menor sentido quando entro no bar para lanchar e a televisão ligada mostrando cenas de um casamento  em Londres onde todos e tôdas que aparecem nas imagens têm a cara e vestimentas dos parasitas da Humanidade. Quanta coisa inútil, quantas pessoas inúteis, que pêso, que fardo para os trabalhadores escravizados carregarem nas costas! O que a Humanidade vai ganhar com um casal anunciando que vão ter relações sexuais?! E porque bilhões de humanos vão ter que trabalhar algumas horas a mais, perdendo horas que poderia serem empregadas em suas melhorias materiais e evoluções mentais, para que suas produções sejam assim desperdiçadas como energia que se esvai pelo ralo?

Ainda se celebra desenvergonhadamente em Londres a herança animalesca dos humanos em que as feras ficam na sombra à espreita enquanto as ovelhas trabalham escravizadamente transformando as ervas em suas carnes para caírem enciima e colherem no momento oportuno tôdo o resultado daquela produção. De que adianta as sêdas, os cosméticos, as risadas para o publico ver, se cheiram mal como feras? Se ainda atuam como feras? Se ainda fazem questão de nos lembrar que são meros macacos melhorados? Mil vêzes assistir um Einstein subindo as escadas da escola de Princeon, aquilo sim, nos agrada, pois é um como um hino de vitória de exemplares da espécie que lutam contra suas heranças malcheirosas e vampirescas. Pergunto o que êsse casal produz de prático para nós, o que fizeram de benefício para a nossa espécie, e a resposta fica clara na face abobalhada da garçonete: “nada”!

Eu nunca ganhei um centavo de graça e o pior, não me devolveram em outros bens a metade do valor do que produzí trabalhando duro com as mangas arregaçadas. Se essa metade tivesse sido investida na satisfação de necessidades básicas e melhoria da educação de outras pessoas eu me sentiria realizado, mas ver o produto de meu suor ser desperdiçado dessa maneira me faz largar o trabalho inutilizado assim e de alguma maneira atuar para patentear que isso tem de acabar. Os amigos da Humanidade tem que se reunirem, debaterem e tomarem decisões para proteger os recursos de nossos territórios e fiscalizar o destino de nossas energias. Nada temos contra qualquer casal que queira trabalhar como burros para gastar sua produção em festas e rituais, apenas desprezamos estas irracionalidades. Nos dá asco, pois estas cenas nos lembra as festas dos porcos de George Orwell.

A Mente É Uma Substância? Está a Um Passo Nessa Confirmação a Matriz/DNA

quinta-feira, abril 28th, 2011

Dentro do cérebro acontecem cenas semelhantes às que vemos no céu: estalos de relâmpagos onde raios de energia se ramificam e se desfazem na substância gazoza das nuvens. Se aqui uma árvore com suas longas raízes submersas no solo atraem raios, no cérebro um neurônio com suas longas dendrites atraem os sinais elétricos das sinapses. A semelhança das cenas não é mera coincidência. Foi essa Natureza com raios e trovões que produziu o cérebro e logo, filho de peixe, peixinho parecerá.

Mas não temos os sentidos evoluídos para visualizar de fato o que são os nossos pensamentos, nossa mente foi fecundada ainda ontem nos tempos astronômicos e as ultimas notícias que nos vem das Ciências Neurológicas indicam que ela começou a apenas 200.000 anos atrás. A auto-consciência humana ainda não tem ou não ativou sua própria percepção visual para ver sua imagem refletida num espêlho, portanto se encontra na situação ainda, ou do feto que se forma, ou do recem-nascido que ainda não abriu os olhos e não tem idéia de como é seu corpo.

Mas temos a intuição de que nossa mente não é uma substância comum, palpavel e visivel aos nossos olhos nus. Ela representa mais um grande salto evolutivo, daquêles explicados por Steven Jay Gold em sua teoria do “puntuactun equillibrium”.

Como a Natureza produz novas substâncias que nunca existiram antes ao menos nestas regiões do tempo e espaço? É fácil entender se relembrar-mos como a Matriz/DNA explicou a origem da vida, ou seja, dos sistemas biológicos. Antes o mundo aqui era apenas constituído de esferas astronomicas organizadas num sistema mecânico porque, nossos ultimos ancestrais não-vivos, os sistemas astronomicos, foram confeccionados apenas com os estados sólido e gasôso da matéria. As relações e interações entre êles se resumiam às reações nucleares, radiações, jôgo de fôrças eletro-magnéticas, as quais, em seu conjunto, resultavam num sistema extrema e exclusivamente mecanizado, como o mecanismo de relógio Newtoniano. Mas como explica a Matriz/DNA, êstes sistemas estelares em suas interações produziram novas espécies de astros, como os quasares, pulsares, buracos negros, e daí se montou os sistemas galácticos. Ora, nossos modêlos dêstes sistemas revelam tôdas as premissas ou principios das propriedades vitais que surgiriam mais tarde, desde os processos digestivos à engenharia da reprodução sexual. Portanto as máquinas Newtonianas receberam uma cobertura biológica e estas produziram nas superficies de alguns planetas um novo estado da matéria, nunca existido antes: o líquido. Do liquido se originaram as reações químicas que produziram a “soft matter”, a matéria flexível, maleável, modelável e no fim todos sabemos o resultado; sistemas galácticos geraram sistemas celulares, à sua imagem e semelhança. Filho de peixe, peixinho parecerá.

A caverna puxou os trogloditas e gorilas para um convivio nuclear de cujas reações houve um salto evolutivo mental, e apesar de ainda não entender-mos como foi êsse processo, surgiu daí um novo estado da matéria, e com ela, essa ainda menina-criança que é a auto-consciência humana. Mas quando descemos mais no passado, esclarecidos agora com essa cosmovisão da Matriz/DNA, e munidos do conhecimento do elo entre a vida e a não-vida, não apenas chegamos a um Big Bang biológico como tendo sido um evento semelhante à fecundação reprodutiva, como tambem continuamos além, saímos das fronteiras do Universo e vamos ver os ancestrais da matéria, vórtices fantasmagóricos quânticos, funcionando como bits-informação ou genes do sistema que gerou êste Universo material.

Parece-nos estar-mos dentro de um Ôvo Cósmico, onde a matéria perceptivel seria a placenta, a matéria escura seria o amnion, e nós, sêres pensantes, os genes de nosso futuro e unico corpo… mental! Aleluia!

O problema é que tôda essa História Universal semelhante ao que acontece dentro da barriga de uma mulher grávida indica com fôrça intrigante que aquêle sistema criador misterioso já era… inteligente! Porque pai de peixinho, também peixe parecerá, e se somos como peixinhos inteligentes…

Portanto,  ou provavelmente, o sistema extra-universal, ex-machine, era, ou ainda é, auto-consciente, também deve ter uma substância mental, a qual talvez banhe todo o Cosmos como um oceano. Mas suas relações conosco devem ser naturais, sem milagres, e estamos sujeitos aos imprevistos assim como estávamos quando éramos embriões ainda no útero materno. Nosso mundo não parece ter sido inteligentemente desenhado, assim como os pais geradores de um embrião humano não precisaram de inteligência e não a aplicaram para fazê-lo, mas eram inteligentes.

No final disso tudo resta a dúvida: parece mesmo existir uma substância mental como as nuvens no céu, parece que ela é uma substância quase abstrata apesar de ter fôrça para atuar sôbre a matéria, movendo, dirigindo, nosso corpo material, mas teria ela sido criação ao acaso da matéria aqui ou teria ela uma existência extra-universal como uma dimensão à espera de que atingíssemos o grau evolutivo de sistemas biológicos para então se encarnar? Seria a subst6ancia mental uma espécie de característica herdada mas retrógrada, como daquêles genes que entram em ação mais tarde, produzindo bigode nos machos e ovulação nas fêmeas?

Enquanto essa questão me ocupa os pensamentos dia e noite, me fazendo às vêzes na pia do banheiro botar o creme dental no pente e lambuzando os cabelos, minhas mãos tentam trabalhar com os instrumentos disponíveis cada vez mais sofisticados na tentativa de alcançar essa substância. Mas precavido pela Razão de que posso retornar dessa busca deprimido com a possível prova de que ela não passou de mero sonho esperançoso de possuir uma alma que prolongue ao infinito nossa existência.

Certo que estamos abandonados nesta vida solitária mental e sujeitos a tragédias e predadores monstruosos, mas isso sempre aconteceu com todos nossos sistemas ancestrais. Até mesmo nas galáxias o ciclo de existência de um astro passa por duas fases: a primeira onde se vê como ôvo botado fora e abandonado à própria sorte flutuando nos frios espaços interestelares e a segunda onde se descobre que na verdade nunca fôra abandonado, que nunca saíra fora do sistema que o gerou, e que se vê confortavelmente instalado e protegido sob as asas gravitacionais de uma estrêla que o acalenta e o amamenta com sua energia radiosa. Nossa esperança é que a realidade daqui seja a mesma realidade do antes e alem das origens dêste Universo, que apesar de estarmos momentâneamente sujeitos aos desatinos das monstruosidades na matéria que talvez nossos próprios ancestrais ainda não biológicos criaram, na verdade nunca tenhamos sido abandonados por uma possível substância mental que exista naquela realidade além das dimensões quânticas. Oxalá! E graças meus pais extra-universais, pela nossa inteligência, que assim mantem esta vida como uma aventura interessante.

“Matrix”: O que é e como funciona a verdadeira “Matrix/DNA”

quinta-feira, abril 28th, 2011

Fui obrigado a “postar” um comentário num fórum do site abaixo devido a tanta discussão do tema. O comentário é uma nova maneira de explicar a Matriz/DNA.

http://www.adorocinema.com/filmes/matrix/comentarios/#Comment-63339

Louis C. Morelli em 28/04/2011

Vivemos numa realidade real ou virtual?  O que fazer para garantir sua liberdade.

É simples: se nós não criamo-mo-nos a nós próprios, fomos criados por algo e existimos sob a lei dêsse “algo”. Nenhum humano sabe com certeza o que é êsse algo, mas todos os fatos reais que conhecemos de fato são evidências para uma identificação dêsse algo: o mundo material. Êste é a “Matrix”. E nos resta apenas um caminho na busca da resposta: pesquisar êsse mundo material nas suas duas dimensões de tempo e espaço, ou seja, indo o mais longe possível no espaço e observar o futuro mais distante possível, além de tentar desvendar o passado mais longínquo possível. O resto, tôdas as crenças,… serão sempre meras conjecturas, teorias, opiniões. Ninguém de nós vai saber a verdade antes de morrer.

Nêsse meio tempo, devemos tentar elaborar teorias bem fundamentadas em fatos e eventos reais, naturais, que possam ser demonstrados, ou seja, cientificas. Por meu lado tentei elaborar uma teoria, já que nenhuma das existentes me satisfazem. E como resultado final se apresentou uma “Matrix”. Trata-se de uma fórmula natural, uma fórmula de sistema natural que tem se encaixado em todos os sistemas naturais conhecidos até agora, desde átomos, a galáxias, ao corpo humano. Eu a apresento no meu website na forma de um simples diagrama de software porque assim é fácil entendê-la. Essa fórmula tem sido a responsável por conduzir a matéria – ou ao menos uma porção dela – a se organizar em sistemas e cada vez mais complexos, o que indica a veracidade de existir uma evolução universal.

A maior surprêsa surgiu quando percebí que o DNA é essa mesma fórmula, porém apenas a versão biológica dela, sendo que detectamos suas versões electro-magnética, atômica, astronômica e inclusive, quântica. Por isso dei-lhe o nome de “Matrix-DNA”.

Então essa fórmula – que é nossa verdadeira criadora e de todo o ambiente em que existimos – é um código. E há muitos indícios de que seja um código elaborado por uma inteligência. Mas seja como for (e desde que sua versão mais longínqua no passado é a de vórtices não-materiais, aos quais demonstro como podem ser uma variação do DNA), ela veio de algo existente antes das origens dêste Universo material.

Portanto a idéia dos dois irmãos filósofos ao fazerem êste filme onde viveríamos uma existência não-autonoma, e relacionarem a Matriz com o código do DNA foi muito feliz. Mas eu havia registrado os direitos autorais da teoria e modêlos da “Matriz-DNA” no Brasil dêsde 1989, e depois requerí os copyrights nos EUA em 2002, portanto anos antes de sair o filme ( os numeros dos registros estão no meu website).

Em ambos os registros tive que enviar os originais, os quais ficam na Biblioteca Nacional dos dois países disponíveis ao publico. Óbviamente quando ví o filme me sentí lesado e desconfiado de plágio, mesmo porque tem havido muitas cópias e usos de meu material por laboratórios inclusive europeus, por outros websites, e até mesmo a Secretaria da Educação (sem saber que o trabalho é de autoria de um brasileiro, pois meu website é fundamentado nos EUA), usou minhas imagens para inserir nos livros escolares.

Mas eu não acredito em plágio e prefiro outra hipótese. Nós estamos atingindo um nível evolucionário em que nossa mente é um novo sistema e está se estruturando na mesma configuração da fórmula da Matriz/DNA. Isto porque também o cérebro apresenta a mesma configuração. Mas essa mente tem a capacidade de ser auto-consciente, ou seja, pela primeira vez na História Universal um sistema natural pode olhar-se a si mesmo e de fora perceber que existe no espaço e no tempo. Quando isso acontece, êsse sistema percebe em si a existência da fórmula, da Matriz. Ora, isso deve ocorrer a nível da Humanidade inteira, claro que, primeiro com os que estavam estudando isso. Mas para os atrasados nessa área quando vêm a fórmula deve ocorrer um processo de auto-identificação, mesmo tão sutíl que não se o perceba de imediato. A descoberta da existência dessa Matriz está ocorrendo em todos os lugares (basta digitar a palavra “matrix” no Google Search e ver quantos websites), apesar de que a maioria ainda só perceba sombras e não se desperte para o seu significado.

Se a “Matrix” que emergiu das minhas investigações fôr a correta, o filme torna-se uma intuição visionária surpreendentemente real. Porque a Matriz é como uma bactéria que tanto pode ser benéfica ou maléfica, dependendo do nosso livre-arbitrio a qual das suas duas faces somos acessíveis. E a face da Matriz que foi a real criadora dos sistemas biológicos já tinha se fixado como soberana na criação do sistema astronomico que nos envolve, à qual o nosso planeta pertence. É a sua face boa para nós, como sêres apenas materiais, mas má para nós, como seres mentalizados, auto-conscientes. É a face do paraíso eterno, do nosso planeta ajardinado do futuro, porem, mecanizado, robotizado. Sem a liberdade e autonomia da mente. Exatamente como no filme.

Portanto êsse filme, mais a fórmula que apresento, ao menos para mim, é o alerta e o ensinamento do que devemos fazer para receber o inevitável  futuro Brave New World, porem tomando as precauções para que êle não aprisione nossa mente também.

Se alguem estiver interessado em observar a fórmula digite no Google: “A Matriz Universal dos Sistemas Naturais e Ciclos Vitais”.

Atenciosamente, Louis Morelli