Archive for abril 18th, 2012

Mulheres terão a Bolsa da Fêmea Canguru, desenvolvida pela Engenharia Genética?!

quarta-feira, abril 18th, 2012
Kangaroo e a Seleção do que há de melhor no Cosmos

Kangaroo e a Seleção do que há de melhor no Cosmos

Canguru Revela Instinto Maternal Existente no Cosmos?!

Humanos se perguntam porque estão sujeitos a acidentes, tragédias. Os místicos não entendem porque Deus não os protegeram de uma tragédia,por exemplo, quando o teto da igreja desmoronou e matou seus familiares. Mas o que pensar quando a descoberta de uma Lei Natural revela que a Natureza ressuscita e realimenta a identidade anímica dos sistemas vivos naturais vítimas das ocorrencias do acaso? Seria uma descoberta revolucionária que iria mudar a mentalidade humana para sempre, não é? Pois essa Lei existe e é tão natural que os genes que a executam, quando podem se expressarem no seu esplendor, realizam façanhas como a de criar a bolsa protetora de filhotes na fêmea canguru. É uma lei natural responsável pela manutenção e perpetuação de uma espécie de sistema natural selecionado pela Natureza. Vamos mostra-la aqui. E isto significa tambem que nossa engenharia genética poderá, se o quiser, ajudar êstes genes a se expressarem na espécie humana, dotando a mulher com esta bolsa natural.

Temos observado que na evolução biológica os sêres começaram o processo reprodutivo pelo simples mecanismo de botar os ovos fora abandonando a prole à própria sorte, e numa segunda fase da evolução, quando esta chegou aos mamíferos, desenvolveu o instrumental para manter os ovos dentro e nutri-los até a formação completa do embrião. Esta segunda fase se extendeu ampliando ainda mais o periodo de proteção, chegando nas familias humanas ao cuidado familiar do novo nascido até às vêzes, alcançar a maioridade.

Então fomos buscar no passado, antes das origens da Vida, onde estavam os principios naturais que foram usados para estas caracteristicas evolucionarias que mais tarde surgiram aqui. Tudo o que existe aqui e agora, de natural, tem que ter tido seus principios simples no passado até o instante do Big Bang, pois o Universo não cria novas informações do nada. E sempre quando buscamos estes principios, recompo-mos a história total de um fenomeno natural, o que nos ajuda a entendê-lo melhor e assim manipula-lo de acôrdo com nossas conveniências. Pois os principios dos ovos fora e depois dos ovos dentro existiam antes das origens da vida, foram encontrados se expressando nas estrêlas! Manter os ovos dentro para garantir uma sorte melhor aos filhotes é um poder natural que já estava registrado no DNA desde as amebas, as primeiras formas de vida, apenas não as usaram, mas a fêmea canguru chegou ao extremo de usa-lo tanto que desenvolveu uma tecnologia como extensão de seu próprio corpo! Vamos investigar a psicologia do canguru para tentar descobrir o que esta espécie tem de especial em relação a isso que denominamos “instinto maternal”.

Como a Natureza possui os recursos para êstes dois métodos de reprodução? Temos descoberto que a História da Evolução Universal, que já conta com um tempo de 13,7 bilhões de anos, tem sido a história de um unico sistema natural que começou a se formar nos instantes após as origens do Universo.  Êste sistema surgiu pipocando numa substancia espacial que tinha a mesma função do liquido aminiótico dentro de um óvulo e depois a placenta dentro do saco embrionario. Surgiu brotando como bolhas que continham vórtices que eram bits informação de um sistema existente antes das origens do Universo, o qual foi fragmentado, assim como um corpo humano é convertido em sinais chamados genes que são seus fragmentos transmitidos de individuo a individuo. Naqueles vórtices já existiam na forma de fôrças brutas, as sete propriedades vitais que mais tarde compuseram os sistemas biológicos. O sistema universal se recompôs primitivamente na forma de sistema atômico, depois evoluiu para a forma de sistema astronomico, em seguida para a forma de sistema celular biológico e agora está se estruturando como sistema mental dentro desta espécie de ôvo que é a cabeça humana. Assim descobrimos que a História Universal é a mesma história de um ciclo vital idêntico ao que faz nossos corpos humanos apresentar várias formas diferentes durante nossa existência, desde a forma rustica de mórula até a de um idoso arquejado. Espetacular!

Portanto toda nova forma do sistema universal repete o mesmo processo de um ciclo vital universal. E este ciclo, no tocante ao processo da reprodução, é sempre composto pelas duas fases: espécies primitivas botam ovos fora e espécies seguintes passam a manter ovos dentro. Vamos mostrar como isso aconteceu com os sistemas astronomicos. Pois sim, as estrelas tambem botam ovos fora e tambem mantem seus ovos dentro, como boas ancestrais dos mamiferos que foram. Observe as figuras abaixo:

Ciclos Vitais Humano e Astronomico

Ciclos Vitais Humano e Astronomico

O corpo humano nasce de uma mulher grávida, passa por varias formas diferentes e termina como pó, retornando ao solo da Terra. Da mesma forma um astro surge de belo quasar envolvendo um buraco negro dentro, passa pelas formas de germe estelar, planeta, pulsar, estrêla supernova, gigante vermelha, cadáver estelar e retorna como poeira estelar para ser reciclado, quando nela surge um vórtice que reproduz todo o processo anterior. Porem, note que êste processo aconteceu na formação das primeiras galaxias e não deve ser o processo que aconteceu posteriormente, na reprodução dos sistemas estelares como o nosso sistema solar. Tambem o sistema celular têve um processo de formação original que depois mudou para o simples processo de replicação celular.

Mas na figura acima estão implicitas as duas fases de destino dos filhotes de um ciclo universal. Como? Vamos vê-lo melhor nesta mal desenhada figura no inferno torturante da selva amazônica quando me encontrava de joelhos na beira de um pantano buscando as fôrças e elementos que teriam criado a Vida na Terra:

Matrix/DNA no DNA, na Célula, no Cosmos, e no Circuíto Elétrico

Matrix/DNA no DNA, na Célula, no Cosmos, e no Circuíto Elétrico

Apesar de que nesta figura estejam representadas as formas de um astro sob ciclo vital, cada corpo pode ser visto como suas variações nos outros sistemas. Assim o corpo que executa a Função Universal numero 3 tanto pode ser um planeta no céu, como a base timina no nucleotideo, como o ribossomo na célula, como uma lampada acêsa nêste ponto de um circuito elétrico caseiro o qual é uma cópia tecnológica da fórmula da Matrix/DNA,  ou ainda como um corpo humano na faixa etária da adolescencia. No vórtice central relativo a F1,  a poeira resultante da morte de uma estrêla ( ou nas origens das galaxias, a nebulosa de átomos leves primordiais) sob a rotação da galaxia é quem cria o vórtice e êste funciona quase do mesmo jeito que três liquidificadores ligados em três diferentes velocidades, o que gera as fases de mórula, blastula, feto, quando então a poeira mais elementos energéticos como cometas são misturados e finalmente ejetados para fora na forma de um bólido esférico chamejante, o qual é o embrião ou germe de um novo astro. Repare que em tudo nós humanos imitamos o Cosmos, nada criamos do nada novo aqui. Até a vaidade feminina já existia antes das origens da vida: o utero cósmico se cobre com a bela plumagem luminosa na forma de um quasar que foi o fenomeno ancestral da beleza das flores, ou da beleza da mulher humana, e isto para atrair os cometas-espermatozóides lançados no espaço pelos masculinos pulsares.

Esta figura mostra que no Cosmos os ovos ou germes estelares são botados fora do aconchegante nucleo galáctico. O novo “ôvo” cai no espaço que é o horizonte de eventos cheio de poeira estelar e vai se distanciando do nucleo ( até mesmo porque o buraco negro interno vai se desfazendo assim como qualquer bolsa uterina se desfaz após a concepção), e esta poeira vai sendo agregada no bólido chamejante a qual vai se constituir na placenta porque esta poeira contem as particulas energéticas que será o material nutritivo que alimentará as reações nucleares das estrêlas. Mas conforme vai se aprofundando no espaço interestelar, o bódido agora coberto vai caindo nas regiões cada vez mais frias, as poeiras agora acrescentadas são na forma de gêlo, o que depois se tornará os oceanos planetarios. Mas então o germe do novo astro se arrisca a se congelar por completo e até “morrer”.  Repete assim as mesmas condições das formas primitivas de vida, quando até os répteis nascem como prole abandonada à própria sorte.

Porem, existe um importante detalhe que é um magistral golpe de genialidade da Natureza, o qual pode ser visto melhor na figura sequinte que é a fórmula da Matrix/DNA Universal:

Matrix/DNA e os Ancestrais Astronomicos dos Cromossomas Sexuais

Matrix/DNA e os Ancestrais Astronomicos dos Cromossomas Sexuais

( Por favor, clique na imagem para ver melhor)

Quando o “filhote” consegue sobreviver ao espaço congelado inter-estelar, passando pela F2, e alcança a idade-criança em F3, quase que forçosamente na sua queda espacial êle vai passar perto de alguma estrêla. Então se repete o mesmo processo que vemos acontecer antes, no passado da História Universal. quando átomos flutuando solitários e instáveis por falta ou excesso de energia interna se encontravam com outros átomos em situação de instabilidade pelo motivo oposto e os dois compartilhavam eletrons se unindo. O astro-criança se agarra nas saias da estrêla, as quais são seu majestoso e amplo manto gravitacional, e garante um lugar ao seu redor ficando ali orbitando até alcançar a maioridade. Nesta fase e na forma de planeta o astro filhote tem seu nucleo germinal chamejante alcançado pela energia estelar que o revive e começa suas próprias reações mucleares, até se rornar um pulsar. Bem, aí o pulsar se torna uma estrêla, uma supernova, sai fora da órbita daquela que lhe deu um teto e o nutriu, para se “casar” com uma quasar e formar sua própria familia com seus filhotes planetários.

O genial truque da Natureza se percebe ao observar melhor a fórmula da Matrix/DNA. Esta fórmula transmite a idéia de que se trata de um sistema concreto, manifestado materialmente, pois existe um circuito sistemico fechado em si mesmo. Um corpo nasce, diferencia-se em formas, cresce, morre, torna-se poeira e renasce, repetindo o mesmo circuito. Ora então na verdade os ovos nunca foram botados fora totalmente: estava determinado na formula que êles seriam nutridos e durante toda sua existencia. Pois o filhote nunca saiu do sistema, nem mesmo quando se tornou um idoso. Assim como aconteceu na evolução biológica na Terra, tambem na anterior evolução cosmógica houve a mesma sequencia dos ovos botados fora que na verdade eram mantidos dentro como se revela no resultado final do ciclo evolutivo. Espetacular!

E isto é sensacional, esta descoberta nos faz suspeitar inclusive que somos imortais. Pois agora aqui na Terra, aquêle mesmo  sistema universal que surgiu desde as origens do Universo está adquirindo uma nova forma em seu ciclo vital: a forma de sistema mental, ou “auto-consciência”. Observe a figura simples e real do que é o cérebro humano: o cérebro com seu conteudo dentro da cabeça humana tem uma forma ovalada com uma espécie de cauda que desce pea medula óssea. É a mesma imagem de um óvulo sendo fecundado por um espermatozóide, o qual ainda tem sua cauda para fora. Pois essa semelhança de imagens não é mera coincidencia, a Matrix tem sempre revelado que a Natureza tem seus métodos de fazer as coisas e sempre os repete, seja aqui no nosso meio ou no Cosmos. Agora o sistema da auto-consciência, que é um produto evolucionario desenvolvido a partir do cérebro humano, está sendo gestado pelo mesmo processo que foi gestado o corpo humano ou os astros no céu.

A auto-consciência humana surgiu aqui apenas alguns minutos atrás, em relação ao quase eterno tempo astronomico do Universo. Eu desconfio que ela nem mesmo ainda está totalmente formada como embrião, ou então, se já nasceu e veio à luz, o certo é que ela ainda nem abriu seus próprios olhos para ver o mundo em sua dimensão. Portanto, a existência da nossa mente deve repetir o mesmo processo do ciclo vital do Universo: como recem -nascida ou ainda dentro de um ovo em formação ela é, aqui e agora na Terra, um ôvo botado fora e abandonado à própria sorte. Por isso estamos sujeitos a tragédias, acidentes, predadores. Mas a Matrix está revelando: você nunca foi abandonado (a), você nunca foi apenas um ôvo botado fora, pois quando assim estavas, na verdade estava determinado que alcançarias o manto protetor de seus pais os quais você não os vês, como o filhote de astro quase congelado no espaço sempre acaba sob o manto protetor de uma estrêla, uma nova mãe que êle não podia anter ver.  O próprio sistema biológico, quando visto em toda sua história de evolução, em todas suas diferentes formas ancestrias, constata essa verdade. É incrivel e misterioso como a Vida conseguiu sobreviver s e se manter aqui nesta embarcação que flutua ao sabor do léu no espaço sideral. Se não houvesse essa lei natural das duas fases, é bem possivel que o sistema biologico, ou seja, a Vida, quando estava na sua forma de ovo abandonado e como dinossauros, teria desaparecido pelo impacto de tantos asteróides. Basta uma minima aceleração no giro daquela gigantesca fornalha nuclear que é o Sol para a sua matéria incandescente pender mais para um lado, se concentrar numa região e a emissão de jatos magnéticos nos destruir aqui em um minuto. Mas não, já se vão bilhões e bilhões de anos, nenhum dos bilhões de poderosos acasos possíveis conseguiu nos destruir. E nunca vão cinsegui-lo, diz a Matrix. Porque êste Universo é um ôvo cósmico dentro do qual está ocorrendo uma reprodução genética de um sistema formado de auto-consciencia que existia antes… e a auto-consciencia que agora está pipocando fragmentada em sete bilhões de fragmentos dentro de sete bilhões de cabeças humans será o embrião que deve e terá que nascer para um destino grandioso para alem dêste Universo. Tôda esta matéria será descartada como sempre o são toda placenta após o nascimento do baby.

A mamãe canguru deve ser descendendente de uma espécie, talvez de mamiferos/répteis que por algum motivo expressaram mais fortemente esta segunda fase da lei natural dos ovos dentro, que foi mais tarde traduzida pelo instinto maternal. Nela, o que acontece de fato mas nos é invisivel no céu, se manifestiou de forma material, de maneira que todos podemos ver com nossos próprios olhos. Olhos débeis como os meus, que por ter nascido órfão e menor abandonado, por não ter conhecido a graça de poder agarrar as saias de uma mãe, nem me lembrar do que era um colo paternal, sempre se enchem de lágrimas quando revejo um velho filme do meu arquivo e invejo o filhote de canguru que é carregado aos pulos e aos saltos pela atarefada mãe em busca de alimentos.

O novo sistema natural denominado “mente”  ou “auto-consciência” pode ter que mudar de formas de corpos muitas vêzes, corpos materiais que podem morrer e podem sofrer muitas tragédias, que podem experimentar as maiores torturas nas situações de miséria. O sistema natural universal já habitou em seu passado corpos que eram um mero sistema atômico, depois um gigantesco mas adormecido sistema astronomico, e depois muitas formas como sistema biológico, mas está registrado na Matrix, no DNA Universal, que se os corpos materiais vieram desde o Big Bang, o sistema universal agora na forma mental humana veio de antes, e caminhará à frente e chegará incólume ao seu grande dia, o dia do seu Big Birth.

Temos apenas uma teoria, e como agnóstico, não sei se é correta ou não. Mas ela faz sentido, tudo o que ela sugere se vê representado na Natureza,  é a visão de mundo mais lógica e racional que conheço. E ela me injeta esperanças. Oxalá a nossa capacidade racional esteja acertando com o caminho certo da verdade!