Archive for junho 20th, 2012

Imperdível Vídeo e Discussão Sôbre o Atual Entendimento da Síntese Moderna a Respeito da Evolução da Vida

quarta-feira, junho 20th, 2012

Ryan Gregory apresentou uma excelente palestra sõbre o legado de Stephen Jay Gold e uma síntese sõbre a moderna teoria darwiniana, denominada “Moderna Síntese”, revelando aspectos, dados e questões que a maioria de nós desconhecia. O link para o vídeo vai aqui ( https://www.youtube.com/watch?v=Ta8Rg4S4b7I&feature=player_embedded ) para quem não conseguir o vídeo diretamente pelo link abaixo. Mas note que a Matrix/DNA tem outra visão e diferentes explicações para cada detalhe mencionado no vídeo, e aqui abaixo vou tentar (sempre lutando contra a falta de tempo) listar e comentar cada item, cada grafico do vídeo:
xxx

xxx

Nossa primeira intervenção vem com êste comentário postado em Google+ na secção de Carl Zimmer.

Louis Charles Morelli6:55 PMEdit

Thanks a lot. I am very grateful for your job, keeping us with informations about what’s interesting. This talks is a complete actualization of Modern Synthesis’s state just now. Based in the models of Matrix/DNA Theory I have different explanation for each detail showed in the vídeo. For instance “what’s junk DNA”? It is the registration of informations about ancestral shapes of the universal natural system. These systems are encoded into different layers in the same order of universal evolution, and are expressed only if something inhibits the last layers. But if Ryan Gregory does not know about the ancestral cosmological and atomic systemic shapes that are encoded, he never will find a way for decoding it.Another true affirmation is Gold “we need a new hierarchy evolution theory” and I think that this gap will be fitted with something like Matrix/DNA Theory.Cheers…Louis Morelli

xxx

Tradução x Debate com Matrix/DNA

Evolutionary theory

Para entender a massiva variação no tamanho do genoma de eucariotes é necessário conhecer o genoma em si mesmo como im nivel de organização biológica forjado nos processos evolucionários atuando nos baixos niveis ( isto é, dentro do genoma). Todavia, o tamanho do genoma afeta e é influenciado por características dos altos niveis de organização biológica ( exemplos: metabolismo ou desenvolvimento). Como tal, o estudo da evolução do tamanho do genoma propicia uma ideal avenida para a construção de uma conceituação de infra-estrutura pluralistica e hierarquica para o entendimento da seleção naturaln e outros principios evolucionarios dos nultiplos níveis. Uma importante parte do nosso trabalho envolve o desenvolvimento desta abordagem hierarquica em relação ao temanho do genoma em particular, e uma exploração dde suas implicações para a teoria evolucionaria em geral.
xxx

Hierarchy  and Interactions among multiple levels of biological organization

Hierarchy and Interactions among multiple levels of biological organization


xxx
Interações entre multiplos níveis de organização biológica revelado através do estudo da evolução do tamanho do genoma. Nêste simplificado esquema, sequencias autonomas do DNA tais como os  “transposable” elementos ( DNA-egoísta) aumenta em numero dentro do genoma devido ao processo de seleção intragenomica. Isto influencia o tamanho do genoma, o qual então afeta varias caracteristicas celulares,  ecológicas e do organismo. Há tambem um caminho reverso de influencia desde o topo à base, com fatores ecológicos ompondo pressões seletivas mos organismos, e então nas células e finalmente nos genomas e seus elementos constituintes. Esta abordagem hierarquica ou de multiplos níveis em biologia evolucionaria é mais comum em discussões da paleontologia, mas é tambem indicada para o estudo da evolução em larga escala do genoma. From Gregory (2005).

Comentário da Matrix:

Primeiro é preciso entender o que é êsse “DNA-lixo”. Mas antes vamos explicar o que é informação natural. Acredito que existe “informação natural”. Nas origens do Universo pipocavam “bôlhas-vórtices” com vida muito curta. Eram divididas em dois gripos: um com rotação para a direita que nascia de um ponto e se enchia de energia até estourar por excesso; outro com rotação para a esquerda nascia cheia de energia e se esvaziava até tornar-se um ponto e desaparecer. Eram simétricas na forma e assimétricas, opostas, na carga de carater, intenção. Mas vórtices quando bem analisados apresentam espirais diferenciadas em tamanho e velocidade e supondo-se que os originais alcançavam sete voltas, detectamos nisso as sete fôrças brutas da natureza (fôrça nuclear forte, fraca, repulsão, atração, tendencia a movimento retilineo uniforme ou curveluneo acelerado, etc. Estas sete fôrças brutas evoluiram para tornarem-se as sete principais propriedades vitais nos organismos. Ora, provavelmente não havia um vírtice exatamente igual a outro, considerando-se que as sete forças variam e alem disso se cruzam gerando multiplos niveis de valores. Como êstes vórtices, com o resfriamento do Universo, passaram a se unirem aos seus simétricos do outro grupo e tornando-se estáveis de vida longa, foram formando as particulas, como qiarks, leptons e depois protons, eletrons, etc. Ora, cada vórtice era uma unidade de informação unica pois deram forma à matéria. Então informação natural é algo concreto, tem uma representação material. Foram se tornando pacotes de informações cada vez maiores e isto são os genes, pacotes de informações naturais.

Então formou-se o primeiro sistema natural, o átomo. E o Universo era constituido apenas dessa nebulosa de átomos, inicialmente os leves, gasosos. Creio que eram constituidos de pequenos pacotes de informação. Aqui deve ocorrer algo. Não creio que os vórtices originais mudem seu estado inicial, porque meus mod6elos sugerem que êste Universo é uma espécie de ôvo cósmico onde ocorre um processo de reprodução genética do sistema ex-machine, ou anterior e alem dêle/ que o gerou. Sendo assim os vórtices eram bits-informação genética para um sistema natural e cremos que uma vez ocorrida uma concepção os genes nela estabelecidos não mudam seu estado durante a gestação do sistema. Quanto aos pacotes de informação tenho a duvida se podem ou não mudar, mas seguindo o que se vê aqui na evolução biológica, podem mudar nas transmissões de um sistema para o próximo mais evoluido. Mas o estado do Universo ocupado pela nebulosa de átomos produziu um tipo de pacotes de informação especificos para aquela época e aquele estado. No entando, depois quando a nebulosa de átomos se tornou uma nebulosa de sistemas estelares, galácticos, aqu6eles pacotes de informação atômicos continuaram a existir e forma fazer parte das galáxias… como pacotes-lixo. Não determinam o nivel de organização da matéria na galaxia, mas a galaxia é constituida ainda de átomos, portanto, eles permaneceram em seu “genoma”.

No prosseguimento da evolução, os sistemas astronomicos geraram os sistemas celulares biológicos, mas como êstes sào constituidos de átomos,  são constituidos das informações sôbre sistemas mecãnicos newtonianos astronomicos e sistemas semi-biológicos como são os sistemas galácticos, a nova carga genética do sistema celular deve conter informações sôbre todos estes ancestrais, os quais devem estarem alinhados em forma de camadas. Não atuam mesmo porque o ambiente aqui não é o espaço sideral regido pela gravitação universal,nada teriam a construir aqui, a não ser que algo iniba a ultima camada dos 1,5% dos genes que representa os genes biológicos que produzem as proteínas e funções de regulamentos, e se vejam livres para se expressarem. Talvez até mesmo atuem expressando alguma caracteristica importante que seja comum a todas as formas do sustema natural.

A lógica indica que estas informações estão aqui inseridas na biosfera terrestre e vagando no ar na forma de fotons irradiados por estrelas e átomos. Êstes fotons penetram átomos e talvez tenham preferencias pelos átomos organizados biológicamente na forma de organismos vivos. Acontece então que algumas espécies são mais acessíveis aos fótons, ou possuem menas defesa contra êles, e isto determina o tamanho diferenciado dos genomas das diferentes espécies.

Bem… é o que estão sugerindo os modêlos da Matrix/DNA. Portanto é uma teoria, mas desde que estamos tratando de elementos concretos, está teoria pode ser testada cientificamente.

O quadro acima vem bem a calhar com o que tenho dito aqui. A biosfera terrestre foi construída pelas particulas-informação referentes ao tipo de organização do sistema galáctico, e estas informações dominaram o DNA dos seres vivos, de amebas a macacos e muito dos seres humanos. Sendo dirigidos por uma fôrça que vem de fora atuando dentro de nós e vem de dentro porque está registrada na nossa carga genética, por instinto temos a tendencia de reproduzir aqui um sistema social humano mecanicista, semi-biológico, algo como o “Amirável Mindo Novo” de Huxley. Porem o aparecimento em nós do fenomeno emergente denominado auto-consciência, para a qual  vasculhamos todos os nosso modêlos de galaxias e não encontramos informações naturais, e tambem certamente não existiam estas informações nos estados anteriores do Universo… só podemos deduzir que são informações vindas do sistema ex-machine, que até podiam estar por aqui como estão os genes retrógrados no corpo humano responsaveis para fazer o bigode aparecer aos 18 anos, etc., mas o fato é que se trata de uma mutação não prevista pela galáxia no seu esforço de reprodução aqui, e talvez estas informações desta mutação nos salve do terrivel destino de cair-mos no paraiso dos bestializados.

O genial Maxuell imaginou um esquema denominado “demonio” não sei de que (li isso ainda criança e não me lembro bem), mas de onde concluiu que não é muito dificil adquirir informações, porem a tragédia, o mais dificil é descarta-las, se livrar das informações adquiridas… e muitas são perniciosas. Não invejemos as criaturas que possuem genomas muitas vêzes maiores que o nosso, pois isso deve ter sido a causa de não terem evoluido. Consumiram as informações erradas, talvez sôbre as grandes massas de neutrons, ou dos astros da galaxia, que atuam anivel muito primitivo e podem fechar as portas à evolução do organismo.

Continuando a tradução: