Archive for dezembro 19th, 2014

Me Chamam de Pseudocientista e os Chamo de Pseudonaturalistas

sexta-feira, dezembro 19th, 2014

Apesar de eu repetir sempre que possivel nos debates o que esta afirmado na introducao inicial do meu website ( a minha nao e uma obra cientifica e nao sou cientista. Sou filosofo naturalista), os materialistas que se apegam nas muletas das Ciencias Humanas desesperadamente para apoiar seus argumentos, vivem mencionando que meu trabalho `e pseudo-ciencia. Se nao `e sobre ciencia nao pode ser pseudo-ciencia. Mas quem milita ou pratica a vida professional em alguma area das ciencias, seja como professor ou autor de livros sobre ciencias,  se confessa ateu, nao pode ser um legitimo cientista. Pois cientistas afirmam fatos limitados ao que podem alcancar e provar, nunca afirmam e muito menos colocam sua fe em coisas muito distantes dos fatos que manipulam, como ‘e o caso de se existem deuses ou nao, ou se a materia sozinha e tal como ora conhecida por nos explica tudo ou nao. Estes certamente sao pseudocientistas. Mas o que eles sao em relacao as ciencias humanas nao me interessa muito. Me interessa o que sao em relacao ao meu objeto exclusivo de estudo, que e a Natureza. E todo aquele que tem fe em algo que metafisicamente ultrapassa a natureza que foi ate agora alcancada pela humanidade, ‘e um desertor do estudo da Natureza. `E um pseudo-naturalista. Como pensei e einventei esse nome agora, deixo isto aqui registrado para me lembrar como chamar os que me criticam.

Philosophical school called ordinary language philosophy

sexta-feira, dezembro 19th, 2014

Registrar isto para pesquisa. Me parece tema util para desconstrucao da cultura:

Dica obtida em : http://www.evolutionnews.org/2014/12/understanding_m092071.html

Mais dados: The ordinary language school included many very prominent philosophers — Gilbert Ryle and Ludwig Wittgenstein — and the movement continues today, with John Searle and Stanley Cavell among others. Their goal is laudable. They seek to clear up the morass of conceptual confusion in science and philosophy caused by use of language that did so much violence to the ordinary meanings of words that it had become nonsensical. In their view — a view to which I hold as well — the idiosyncratic use of words, divorced from logic and common sense, reduces to an attempt at private language, which Wittgenstein proposed was incoherent.