Espécies Vivas Jamais Imaginadas Foram Criadas em Estranhos Sistemas Astronomicos, Jamais Imaginados?

Nesta figura vemos o DNA de macacos com asas, girafas com rabos no lugar de pescoços, humanos com narizes de um buraco só, etc.:

Moléculas Sintéticas XNA Imitando DNA e RNA

Moléculas Sintéticas XNA Imitando DNA e RNA

Cientistas conseguiram uma inédita façanha: composto quimicos diferentes do DNA e RNA contendo tambem um código genético para seres vivos.  Quem se interessar ver o artigo:

DISCOVER MAGAZINE

http://blogs.discovermagazine.com/notrocketscience/2012/04/19/synthetic-xna-molecules-can-evolve-and-store-genetic-information-just-like-dna/

Synthetic XNA molecules can evolve and store genetic information, just like DNA

April 19th, 2012 by  in Genetics

Quando a Xerox – a máquina copiadora do DNA –  faz cópias do DNA replicando-o, ela escolhe as moléculas certas da sôpa de elementos dentro da célula. Então é suposto que naquela sôpa já existam grupos de átomos arranjados na forma de moléculas, e de moléculas constituintes do DNA, como o açucar desoxiribose e as bases nitrogenadas, timina, guanina, citozina, adenina. Mas a Xerox do DNA – que na verdade é uma enzima polimerase – é exigente, tem caprichos próprios: ela não copía bases solitárias, isoladas, cada uma tem que estar na sôpa já conectada a um açucar desoxirobose. Essa tal de polimerase é igual o luluzinho metido à bêsta da madame minha vizinha: êle ameaça te morder o calcanhar se você lhe der lagosta sem tempêro, principalmente orégano.  Assim como nós não gostamos de café puro sem açucar.

Isto significa que a técnica de montagem de uma cópia do DNA já é uma industria mais avançada, e não apenas as fabricas de acessórios. Essa copiadora  não aceita, por exemplo apenas a roda do volante para montar no carro, ela quer a roda já parafusada no eixo da direção. Ela não usa moléculas isoladas mas um pacote com ao menos duas diferentes moléculas e cada pacote tem que sempre estar temperado com açucar. Isto passou para os animais como instintos. Por exemplo, quando eu perdí um bom emprêgo no começo desta crise economica em 2009 e tive que me mudar para um quartinho de um porão, notei que sempre quando ia teclar tinha uma baratinha em cima da mesa me olhando. Fiquei com pena de enxotá-la, mesmo quando a flagrei trepada na minha xicara tomando meu café. “- Ah então você tambem é viciada em café, hein? – resmunguei eu –  Não vais me dizer que tambem gostas de um cigarro após o cafézinho…”. Bem, adotei a baratinha , dei-lhe um nome – Marilyn – e agora sempre ao lado do meu teclado tem minha xícara de café e ao lado tem uma tampinha com café para a Marilyn. O problema é que às vêzes esqueço de por açucar no café da Marilyn e sabe o que ela faz depois de torcer a cara quando sente o café amargo? Corre para cima do meu teclado, aperta “Esc” e deleta todo o artigo que estou escrevendo… Mas eu a compreendo, é instinto registrado na DNA polimerase e imagino o que a enzima apronta na sôpa dentro da célula quando a linha de montagem anterior não conectou duas peças que vieram dos fabricantes dos acessórios.

Mas… parece que depois de 3,5 bilhões de anos desde as origens da Vida e replicação das primeiras amostras de DNA, essa enzima envelheceu e ficou caduca. Está meia cega, já trocando alhos com bugalhos. Se ela sempre foi a rígida profissional à prova de êrros que não admitia brincadeiras no trabalho, hoje ela pode facilmente ser enganada. Cientistas estão se divertindo com isso, aprontando com ela.  São uns desalmados, brincar assim com uma velhinha. Estão conduzindo-a a causar confusões, trapalhadas, dentro da sôpa celular, e depois ficam rindo a valer.  O pior é que, segundo noticias captadas na Internet cósmica, tambem alem do Universo, os Deuses – ao invés de protegerem a Vida como a criaram – estão assistindo as brincadeiras e se borrando de tanto rir… . Nestas brincadeiras os cientistas trocam por exemplo, os pés dos sapatos, formando um par de um sapato prêto com cadarço e outro de mesmo numero porem branco sem cadarço… e como a beata polimerase não enxerga mais nada ela calça sua nova molécula com os sapatos trocados. O resultado final disso está sendo o que se denomina “fuzzy logic”, cuja tradução seria algo como “lógica nebulosa, confusa”. Para entender isso pense em ver na rua um macaco passeando vestido com mini-blusa mostrando a barriguinha porem com calça de homem, sapatos trocados, óculos com as lentes nas orelhas ao invés de nos olhos… é uma coisa nova, ou seja, uma informação nunca vista antes. Isto é o que faz a “fuzzy logic”: pega os pacotes tradicionais de informações que sempre compuseram as coisas naturais do mundo, troca as poisições e informações dentro dos pacotes e surgem novos pacotes com novas informações. Não se está criando do Nada nova informação, apenas quebrando, fragmentando, corpos-peças de um sistema e pondo-os conectados, gerando informações menores mas que não podem entrar na fórmula circuital do sistema, ameaçando-o de destruição.

Então os cientistas introduzem na sôpa novos tipos de moléculas parecidas com o açucar desoxiribose que são pedófilas e aliciam crianças com drogas, ou seja,  sequestram as pequeninas moléculas de bases nitrogenadas. Não adianta você pegar um megafone, mandar sua namorada abrir a boca, introduzir a boca do megafone na boca dela e gritar dentro do corpo dela para as células escutarem: “Meninas! Timina! Citozina! Já falei mil vêzes para não falarem com estranhos! Nunca aceite carona, nunca pare ou saia com estranhos!”

Não adianta: o fato é que elas estão deitando e rolando com o monte de estranhos que os cientistas levaram para a sôpa. E daí que… estão sendo geradas novas formas de vida, espécies nunca imaginadas antes, que têm o poder de conter e fazer funcionar naturalmente o código genético e até evoluir e se reproduzir! Ao invés de fazer a cópia de um açucar desoxiribose ( o “D” do DNA, vem dessa palavra) que esteja agarrado com alguma das quatro meninas, digo, das quatro bases, a velha caduca está fazendo cópia de pacotes montados com substitutos do açucar “d”, e aos quais os cientistas chamam de XNAs, ou seja, qualquer NA ligado a outra espécie de açucar. Assim fizeram o  HNA, CeNA, o FaNA, etc. Estas novas espécies de código genético estão sendo nutridas em culturas nos frascos de laboratório,e  sob observação, porque todo mundo está curioso no que isso vai dar. Estranhas espécies de vida como macacos com asas? Borboletas de mini-saia? Bebês côr-de-rosa? Homenzinhos de plastico com uma longa cabeleireira de chantilly que são comidas como sobremesa após o jantar? Imagine o que quiser.

Porem, vamos por um lapso deixar os cientistas, os laboratórios, a caduca polimerase e vamos tentar analizar isso num horizonte mais amplo, de um ponto de vista existencial cósmico? Os cientistas estão se perguntando porque, nos eventos das origens da Vida nêste planeta, a Natureza escolheu e selecionou apenas o tipo “desoxiribose” para fazer o DNA, e o ribose, para fazer o RNA, se havia muitas outras alternativas? Qual o elemento oculto, desconhecido, que existia na matéria naquela época que forçou essa seleção? A vontade de Deus? Ou a clava implacavel do acaso absoluto provocando acidentes fortuitos?

Não estou mais brincando. Veja um pedaço do artigo publicado na Discover Magazine:

“They are very interesting with respect to the origin of life,” says Jack Szostak, a Harvard biologist who studies life’s beginnings and was not involved in the study. “In principle, many different polymers could serve the roles of RNA and DNA in living organisms.  Why then does modern biology use only RNA and DNA?”

Mas como sempre acontece devido à arrogancia humana – e infelizmente os cientistas são tambem humanos – já estão pondo o carro na frente dos bois e tirando precipitadas conclusões. Veja isto:

Phil Holliger, who led the new study, says that the “inescapable conclusion” is that its dominance was the result of a “frozen accident at the origin of life”. RNA may have gained supremacy because of random factors rather than some inherent quality, just as VHS and Blu-Rays eventually won out over Betmax and HD-DVDs.

Não era Deus que estava atuando com um propósito inteligente ocultamente através da matéria e sim a clava implacavel do acaso absoluto, segundo acredita Phil Holliger, o lïder da pesquisa. Mas quem escreveu o artigo parece mais sensato e acrescentou:

The alternative is that some nucleic acids may be better at copying themselves, or speeding up other chemical reactions. “Phil’s work will certainly make it possible to compare the functional abilities of a wide range of synthetic nucleic acids,” says Szostak.

Isto significa que existe a alternativa de que os DNA e RNA possuem qualidades internas intrinsecas que nenhuma outra estrangeira pedófila possui. Ou seja: fica aberta a hipótese de um propósito inteligente existindo no meio da matéria quando a Vida foi aqui criada.

Mas qual seria essa qualidade inimitavel, unica, inserida no DNA, se a segunda hipótese for correta? A inteligencia cientifica que ocupa o poder nas universidades e academias de hoje não conseguirá nunca essa resposta, ela está barrada aqui. Porque? Ora…

A nossa Ciência está dividida em disciplinas separadas que funcionam como entidades individuais, compartimentos arrogantes, orgulhosos, narizes empinados, que não querem se comunicar com colegas de trabalho. Essa arrogancia é devida a que cada uma acredita que é dona da verdade ultima, ou seja, ela e só ela tem a resposta para tudo porque a verdade final do grande mistério da existência é algo que existe e se restringe à sua área. Estou exagerando? Então você não conhece as modernas teorias da Física, da Matemática. A Histópria Universal foi quebrada em dois pedaços, os quais foram separados, distanciados um do outro. Para êles, existe a História da Evolução Cosmológica e a História da Evolução Biológica. Sabemos que a ultima surgiu após a primeira porem crêem que não tem nada a ver uma com outra. A segunda teria surgido pela clava implacavel do acaso absoluto. É sempre assim: a existência ainda é misteriosa para os humanos, cheia de vácuos, abismos entre os fatos perceptiveis e estes abismos são sempre preenchidos pela imaginação que cria fantasmas misticos, como onipotentes deuses ou onipotentes acasos. Se não fôsse a mística teriam feito o que fiz na selva, descendo ao extremo da lógica materialista quando queria saber os segrêdos da matéria. Pois para se investigar se DNA e RNA possuem alguma qualidade unica, e se essa qualidade foi o determinante do porquê só o DNA e o RNA se tornaram o suporte para carregar o código genético, é preciso descer-mos ao nivel da matéria terrestere na superficie dêste planeta naquela época antes de surgirem RNA e DNA. É preciso perguntar à Evolução Cosmológica, ao estado do mundo que a evolução universal tinha chegado momentos antes das origens da Vida. É preciso primeiro conhecer quem fêz o DNA e o RNA, perguntar a quem os fêz,  saber de suas qualidades, e identificar nos seus produtos onde e como foram transmitidas aquelas qualidades…

Foi isso que ao menos tentei fazer na selva amazônica comendo bananas com macacos e correndo de onças até trepar numa árvore para lhes acertar o traseiro com uma pedrada do meu estilingue. Deitar no chão, colar os ouvidos na terra para tentar ouvir os murmurios do nucleo do planeta, levar um naco de terra à boca para sentir seu sabor, levantar os olhos para a a estrelas e lhes suplicarem para cochicharem aos nossos ouvidos o que viram acontecer aqui nos momentos das origens da Vida, pois elas foram testemunhas reais silenciosas. Isto porque um filósofo naturalista tem o mundo na cabeça totalmente interconectado, não separa sua História em compartimentos isolados e estanques. Foram os produtos finais da Evolução Cosmológica, ou seja, nossa galaxia Via Láctea, nosso Sistema Solar, nosso planeta Terra, que produziram a sôpa material primordial, portanto se existe a tal procurada qualidade, ela estava nêstes personagens astronomicos! E foi isso que as estrêlas me sopraram nos ouvidos:

– “O  DNA e o RNA possui a qualidade de serem nossos filhos diretos, são nosso sangue e nossa alma, nenhum estrangeiro tem isso!”

Observe-se as fórmulas quimicas dos pedófilos criados pelos cientistas na figura acima. Em  “ANA”, “FANA”, etc., os átomos “prêtos” centrais mais o átomo vermelho como vértice formam a figura de um trapézio. Pois agora vejamos como é o DNA da galaxia Via Láctea que existia no meio daquela matéria nas origens da vida, fragmentado em particulas fótons, e que segundo as estrêlas me sussurraram na selva, é justamente a qualidade misteriosa unica do DNA e RNA que a Natureza escolheu para criar o reino biológico da vida.

Matrix/DNA Como Fórmula das Galáxias Originais e Ciclos Vitais como Sistemas Fechados

Matrix/DNA Como Fórmula das Galáxias Originais e Ciclos Vitais como Sistemas Fechados

xxx

Bem, vemos a fórmula da Matrix/DNA formando um hexagono e não um trapézio certo? Mas calma lá…

Quando a fórmula da Matrix/DNA no seu estágio evolutivo astronomico sofre um decaimento nanotecnológico e se torna miniatura na matéria inorganica, ela se torna uma molécula de benzeno, e por isso, não é à tôa que ultimamente os cientistas tem descobertos propriedades espetaculares no benzeno para serem usadas na tecnologia: dentro dêle a informação está como num buraco negro. Um sistema fechado em si mesmo flutuando solitário no espaço sideral o qual é aqui constituído pelos átomos do gás Hidrogênio. Veja a figura:

eBenzeno: Cópia Fiel da Matrix/DNA Astronomica

Benzeno: Cópia Fiel da Matrix/DNA Astronomica

xxxx

Porem o átomo de carbono foi o selecionado para compor a base dos corpos vivos porque êle é o átomo que mais fielmente representava a Matrix/DNA aqui no meio da matéria da Terra quando os “genes semi-vivos” da Matrix começaram a chegar. Carbono tem seis prótons/eletrons, numero atômico seis, formando o hexágono. Assim os fótons-luz irradiados das estrêlas foram aqui bem recebidos pelo carbono e uma vez dentro de casa êles o amoleceram e convenceram a formar grupos de trabalho com os vizinhos, como o Nitrogênio, dando inicio á era dos organicos. Quando os genes semi-vivos tentaram reproduzir fielmente a Matrix organicamente através do Carbono,  se saíram com um sistema fechado que é a célula vegetal. Como sistema fechado esta não tinha “vontade”para evoluir por isso a evolução agarrou uma fórmula de carbono antes de se completar como molécula fechada porque faltava ainda o gene que fecha o circuito. Assim se saiu com a célula animal, sem os cloroplastos que fazem a fotossintese e por aqui a evolução pôde continuar. Mas a célula animal era um trapézio. Entendeu agora? Isto aconteceu antes tambem na formação dos tijolinhos basicos que compoem as moleculas maiores do DNA/RNA que são os amino-acidos. Podes olhar nos 20 tipos de aminoacidos selecionados para comporem a Vida como possuem a figura do trapézio central. Algum êrro que posso ter cometido nesta remontagem da História Universal foi causado porque meu macaquinho de estimação na selva – o Juquinha – não ficava quieto e com uma marreta na mão ficava dando marretadas nos mosquitinhos vampiros piun e carapanãs que se assentavam nas minhas costas, e estas marretadas  me atrapalhava todo enquanto calculava os modêlos teóricos das fórmulas. O que me fêz fazer desenhos tão rústicos e errados como o abaixo, porem, quando observados com cuidado, se nota que aqui está a qualidade herdada de nossos ancestrais, o Código Cósmico Humano:

The Human Cosmic Code by Matrix/DNA Theory

The Human Cosmic Code by Matrix/DNA Theory

O átomo prêto que está fora do trapézio no DNA representa a necessária estrêla que tem de existir quando o planeta cai na sua órbita e recebe o estimulo de energia para se tornar pulsar na função 4. Repare que na figura os cientistas começaram a mudar a fórmula original do DNA, acrescentando átomos vermelhos, distorcendo o trapézio, etc., cujos resultados são os famigerados pedófilos. Mas não adianta: a unica fórmula que a galaxia continuará a selecionar e sustentará aqui até que a evolução desenvolva a nova forma do sistema universal – que é a mente, ou auto-consciência – é a sua cópia fiel, o DNA e RNA natural original. Porque estes possuem aquela qualidade oculta, misteriosa, que veio dos céus, desde o Big Bang, desde mesmo antes dêle, passou pela Evolução Cosmológica e foi a ponte que liga os dois blocos da História Universal que os cientistas se recusam a usar para atravessar sôbre os abismos fantasmas e bichos-papões criados pela nossa mente ainda infantil.

Mas esta pesquisa é muito interessante. Ela nos desperta para a possibilidade de que a primordial nebulosa de átomos possa ter produzido tambem galáxias ANA, FANA,… e aí fico imaginando que tipo de seres vivos ou outras coisas que tais galaxias podem ter gerado e os quais, se existem, vamos encontrar no futuro quando estiver adiantada nossa grande aventura pela conquista do Cosmos.

Por enquanto vou tomar mais uma cervejinha para comemorar mais esta vitória da Matrix/DNA, pois para mim, o resultado da experiencia que vale é nos levar à grande questão: porque a Natureza, se tinha tantas alternativas, escolheu apenas a fórmula do DNA para produzir essa imensa diversidade da Vida que temos aqui hoje. A resposta a esta questão, mais racional, é a de que o DNA tem uma qualidade unica, determinante. E a unica teoria que  apresenta uma hipótese e uma fórmula sugerindo o que é, de onde veio, essa qualidade unica, é a teoria da Matrix/DNA. Portanto aponto mais este dado cientifico como mais uma evidência a favor desta teoria. Muitos agradecimentos e um brinde à equipe do Dr. Phil Holliger:  “Que nossas espôsas nunca fiquem viuvas!”

Tags: