O que é “dormir”? Como e porque a Natureza produziu o fenômeno do sono? A resposta estava escrita nas estrêlas!

Os animais são os bichos mais práticos do mundo. Eles aceitam tudo o que a Natureza apresenta sem fazer perguntas e se concentram em sobreviver e viver da melhor maneira possível aqui e agora. Os humanos que ainda mantem forte predominância da genética herdada do reino animal, portanto com intelecto menos desenvolvido também são muito práticos. Mas uma vez tendo garantida e satisfeitas as necessidades básicas, humanos começam a complicar a vida, a prestar atenção nos detalhes naturais, a querer saber o porque das coisas, ou seja, começam a filosofar, a buscar causas e significados existenciais.

Um dos fenômenos marcantes na existência dos seres vivos é o sono, ou o ato de  “dormir”. Aceitou-se por muito tempo, o sono, associado a sonhos, com uma aura mágica, como sendo algo criado pela inteligencia de Deus, para prover o merecido descanso dos seres humanos. Portanto não foi habitual prestar muita atenção a este fenômeno, muito menos se perguntar o que realmente significa dormir.  Para um filósofo naturalista, entretanto, a visão de um corpo vivo, mas inerte, olhos fechados, inconsciente, parece algo irracional e suscita muitas perguntas.  O que é o sono? Como e porque a Natureza inventou esse negócio de imobilizar um corpo vivo por cerca de 8 horas a cada 24 horas, mantendo as funções vitais?! Com que finalidade? Porque ela não fez as coisas de outra maneira de forma que um corpo vivo não apresentasse isso que parece ser um desperdício de tempo e vida?

A explicação sugerida pela fórmula da Matrix/DNA é surpreendente, algo jamais imaginado. Apenas para adiantar, não foi a Natureza que inventou esse fenômeno, e sim nós mesmos, na forma dos nossos ancestrais, mas ancestrais tão longínquos como as galaxias. Foi um êrro, um desvio dos caminhos da evolução universal, que iniciou esse processo de um sistema natural deixar de existir como tal, a intervalos, mas manter sua identidade e funcionalidade em estado potencial no meio material, para se levantar em seguida, como o mesmo sistema natural que era antes. Sim, os sistemas astronomicos já fazem isso a 10 bilhões de anos, o ato de dormir dos animais já estava previsto nas estrêlas.

O sono tem uma importância fundamental  na vida humana e entender porque ele existe, nos conduz a saber aproveita-lo para a melhor saúde do nosso corpo. Agora foi publicado uma pesquisa cientifica que descobriu que a falha no dormir correto causa a perda de neurônios, portanto prejudicando nossa saúde e eficiência fisica e intelectual. A pesquisa está no seguinte link:

Penn Medicine Researchers Show How Lost Sleep Leads to Lost Neurons

 http://www.uphs.upenn.edu/news/News_Releases/2014/03/veasey/

 

A leitura deste artigo me fêz notar que eu nunca havia feito aquelas perguntas acima sobre o ato de dormir.  Como sempre, procuro a explicação na fórmula da Matrix/DNA e para me acompanhatrm no raciocinio, vamos trazer dois modêlos da Matrix/DNA para cá:

 

Matrix/DNA: O template para todos os sistemas naturais, de átomos a nucleotideos a galáxias e células. O circuíto energético padrão.

Matrix/DNA: O template para todos os sistemas naturais, de átomos a nucleotideos a galáxias e células. O circuíto energético padrão.

 

The MatrixDNA as Astronomic Closed System

The MatrixDNA as Astronomic Closed System

Infelizmente meus recursos técnicos na selva eram precários o que prejudica seu entendimento, mas tentaremos. À esquerda se destaca o ciclo vital do building block dos sistemas galácticos originais, o qual é formado por um único corpo astronômico nascendo, crescendo, amadurecendo, degenerando, se desfazendo como cadáver e tendo sua poeira auto-reciclada, recomeçando o circuito sistêmico, recompondo o sistema morto. Deve-se clicar no desenho para amplia-lo e ver as funções desempenhadas por cada forma do corpo deste astro. Na figura à esquerda está a “alma” do building block, que é a Matrix Universal, e que foi obtida por mim ao perceber que todos os sistemas naturais possuem o mesmo padrão de circuito de sistema, a mesma configuração do hardware. Da f1 ( que no caso astronomico representa o nucleo do sistema onde tem um vórtice turbilhonar como um buraco negro envolto por uma auréola energética que é o quasar) à f4 ( pulsar) a energia está crescendo e em f6 ( estrela supernova) começa a decair pela entropia, entrando no estado de degeneração, assim como o nosso Sol está emitindo parte de seu corpo pela radiação. Quando esse sistema evoluiu e atingiu a forma de cérebro humano, esta fase em f6 representa o corpo e o cérebro cansado, já com os primeiros sinais de sono.  Em f7 o astro está em estado de decomposição. No cérebro humano isto representa a entrada no dominio do sono, onde sua atenção se desvai. A partir de f7 a poeira ou massa fragmentada estelar forma uma nébula esparsa mas girando sobre si mesma devido ao movimento rotativo universal. No cérebro esta fase representa o sono em si mesmo, as quase oito horas de sua duração. No centro desta nébula se forma um rodamoinho e a poeira circundante é absorvida dentro do turbilhão, o qual recebe ainda os cometas energéticos e com essa massa mais energia começa-se a recompor o corpo do astro. No cérebro esta fase representa o inicio do despertar, quando se tem as varias regiões neuroniais mais as glandulas, etc., sendo reconectadas. Em f2, do vortice nuclear nasce o astro-baby. No cérebro, completa-se o despertar e o corpo levanta-se.

O nosso ancestral celestial cometeu um erro gravíssimo, o de tornar-se um sistema fechado em si mesmo, cortando relações com o resto do mundo e fechando as portas à sua evolução. A Matrix/DNA sugere que este era nosso ancestral de corpo e alma, ou seja, composto de corpo material e consciência. Porem, assim como na reprodução humana, a consciência existe nos pais, os quais transmitem seu genoma, transcorre o estagio da embriogêneses, e apenas pelos sete ou oito meses a consciência se manifesta no embrião, assim é o embrião que esta sendo reproduzido no Universo, mas como o tempo cósmico é bilhões de vezes maior que o tempo humano, em termos de embrião universal este estagio de embriogêneses já tomou cerca de 13, 7 bilhões de anos. Pois apenas agora ela está começando a despertar aqui, e na espécie humana. Certamente essa consciência universal se encontra diversificada, fragmentada e em muitos outros mundos deste Universo ela deve estar acordando também. O que nos interessa aqui é saber que o nosso ancestral cometeu isto que foi uma espécie de pecado original, nas nossas origens, porque sua “alma” foi vencida pelos desejos da matéria compondo seu corpo. A matéria tem como objetivo supremo, para seu aspecto massa, alcançar o confortável estado de equilíbrio termodinâmico, e para seu aspecto energia, alcançar as máximas velocidades de movimento, o qual lhe dá um estado de êxtase orgásmico. Seria culpado de pecado um feto humano nos seus 2 ou 3 meses, se conseguisse estacionar sua evolução para permanecer naquele estado confortavel para toda a eternidade? Assim como aconteceu com nosso ancestral sistema, ele estava inconsciente, mas o erro aconteceu, e a consequência disso foi o Universo atacando com o processo de degeneração, o qual medimos como “entropia”. A punição para o erro foi o surgimento da morte. As galaxias ainda imperam no Universo, mas como os insetos ou os répteis na Terra, são nossos ancestrais que foram descartados, desviados do tronco da arvore da evolução.  Porem, nós herdamos o seu erro, as consequências, não apenas com o gene egoísta, com o estado de caos que ela criou, mas também herdamos o fenômeno da morte.

Mas se o ancestral celeste morre e se auto-recicla, não sei ainda quanto tempo dura essa “morte”. Se nós caímos no sono e depois levantamos, esse tempo nas medidas humanas é de 8 horas. Porque? Em outra parte da Matrix/DNA, existe uma total inédita re-interpretação do que é luz natural, para resumir, a luz foi o primeiro elemento “vital” a aparecer no Universo, e no gráfico do espectro eletro-magnético podes ver como ela é a fôrça que imprime o ciclo vital na matéria. A onda de luz natural foi a primeira forma com que a Matrix se manifestou aqui. Deduz-se disso que onde tem luz natural tem movimento, animação, vida, e na escuridão tudo torna-se inerte. Os sistemas biológicos obedecem a um ciclo diário, ficando acordados durante o dia, o qual é dia porque o Sol está nos alcançando diretamente, e dormindo na escuridão, a qual assim é porque a luz do Sol não nos alcança. Portanto, deduz-se que  estados de despertar e dormir estão fortemente relacionados com os estados de claridade natural e escuridão natural. Mas o principal a qui é perceber que a luz tem enorme influencia no fenômeno do dormir e isso tudo vem de dimensões profundas da Natureza.   Outra importante questão que parece ser respondida pela luz é: porque os sistemas biológicos tem um movimento de morte e ressuscitar em tempo curto, em paralelo com o movimento de morte definitiva com tempo longo? Porque nosso cérebro degenera (figurativamente) tão rapido, em apenas 16 horas? Creio que o ciclo entre noite e dia, presença e ausência da luz responde isso. Portanto o nosso cérebro deve ter propriedades operando diretamente com a luz. E mais: a luz solar.

( Artigo interrompido aqui, para continuar depois. O texto abaixo é reminiscência do primeiro rascunho, mantido ainda aqui para ver se aproveito algo dele)

 

O nosso ultimo ancestral semi-mecânico/semi-biológico se tornou um sistema fechado em si mesmo, enganando a morte: ao “morrer” ele se auto-recicla, levantando-se de novo da sua própria poeira, interestelar. Cada reciclagem acontece justamente num período de um terço da vida total do sistema, período este em que o sistema não existe de fato, mas está potencialmente existindo nos fragmentos de seu cadáver ( você pode entender melhor isto se observar os modelos dos ancestrais no meu web-site). Ora, quando este ultimo ancestral caiu na Terra e se tornou a primeira célula viva, não pôde repetir sua propriedade de sistema fechado, e assim tornou-se um sistema aberto a relações com o mundo externo. Ele não pode mais se auto-reciclar, se auto-reproduzir, e não pode evitar a sua entropia que causa degeneração e morte. Essa entropia o mataria em 24 horas na sua forma biológica. Porem, conservando bem ou mal suas propriedades celestiais, ele conseguiu contornar isso através deste fenômeno que denominamos “estado de dormência por 8 horas”, onde o corpo parece morrer, mas atividades do principio vital continuam existindo em potencial. Acontece que…

Acontece que nesta vida moderna maluca que estamos levando, não temos tempo para quase nada tratar do nosso corpo, e uma das primeiras coisas que estamos nos suprimindo, são estas 8 horas naturalmente necessárias de sono. Ora, este tempo corresponde ao nosso ancestral ajuntando sua poeira num vórtice turbilhonar, re-conectando cada fragmento e recompondo seu antigo corpo. Isto significa biologicamente que neste período de tempo o nosso cérebro – sem o stress das milhões de sinapses que acontecem quando estamos acordados – tem tempo de re-alimentar seus neurônios, e depois apronta-los para reiniciar as suas inter-conexões, da maneira que ele foi hard-wired, ou seja, configurado, antes. Quando ele termina todo esse trabalho ele desperta o corpo e estimula-o à levantar-se, a mover-se, pois o cérebro quer que o corpo saia à luta em busca de alimentos e conforto físico. Se o individuo não dá esse tempo ao cérebro, e ao contrário, é despertado por um despertador, levanta-se correndo e reinicia as atividades, o cérebro certamente não estava pronto, erros vão acontecer, decisões erradas serão tomadas, e as vezes podem serem fatais. Esse povo nessa correria parece aqueles motoristas jovens deslumbrados com a velocidade, que passam correndo perigosamente correndo atras do tempo e num belo dia os vemos envolvidos num acidente onde perderam todos aqueles minutos que ganharam na correria. Falta de sentido inteligente. Sei que estamos presos, escravos, de uma maquina imposta pelos grandes predadores, os quais querem sugar o máximo de nossas energias no trabalho e consumo, mas, quando ficares doente ou teres um acidente, eles não estarão ali para te ajudar. Apenas você pode cuidar de seu corpo, tente fazê-lo, dê ao seu cérebro o tempo que ele necessita para se refazer, pois se não fosse para obedecer-mos esse imperativo natural, a natureza não teria inventado o sono. Um grande e afetuoso abraço, amigo e amiga, e um bom sono… Mande os grandões irem pentear macacos no zoológico… E veja no artigo cientifico a seguir mais uma evidencia para nossas teorias sussurradas aos nossos ouvidos pela unica mestra realmente confiável: nossa mãe Natureza…

Tags: , , , , , ,