Posts Tagged ‘RNA’

Ribossomos: Fabricas das Células que Rodam Softwares vindos do DNA produzindo proteinas; Planetas: Fabricas dos Sistemas Astronomicos que recebem softwares vindos da Matrix/DNA para produzirem as varias formas de Vida.

sábado, abril 4th, 2015

xxxx

Pois na formula da Matrix planetas estão posicionados no mesmo local que ribossomos ( F3). E as proteínas já foram identificadas como representantes biológicas de cada trecho do circuito esférico da formula. Em outras palavras, as 20 ou 30.000 espécies de proteínas produzidas nos ribossomos correspondem às milhares de espécies de vida primitiva na face da Terra. O resto – ou seja, como estas vidas primitivas ( fungos, líquens, algas,bactérias, etc), evoluíram – para chegar aos animais superiores, é pura evolução Darwiniana mais as variáveis da formula.

Este novo insight da Matrix/DNAfoi percebido ao ler esta frase:

“…During the process known as transcription, a RNA copy of a segment of DNA, or messenger RNA (mRNA), is made.  This strand of RNA can then be read by a ribosome to form a protein.

http://exploringorigins.org/rna.html

Para você ter uma idéia melhor de como um ribossomo num sistema celular executa a mesma função que um planeta num sistema estelar, observe a figura abaixo. Temos aí a forma de um ribossomo, o qual nada mais é que uma molécula complexa de ribozima, ou seja, apenas RNA e proteína.  Na figura, o strand ou cadeia de RNA vem nas cores azul ( a haste do RNA) e branca ( as bases nitrogenadas do RNA). A proteína vem na cor verde. A teoria cientifica do RNA-world está sugerindo ( e a teoria da Matrix/DNA tambem sugere a mesma coisa), que primeiro existia o RNA apenas ( o DNA veio depois), o qual já conseguia formar alguns micro-organismos muito primitivos porque ele já fazia não as proteinas , mas as mais simples moléculas de ribozimas. Quando a partir do RNA se desenvolveu o DNA este passou a capacitar o RNA a produzir proteinas, vindo então o pós- RNA-world.

Pois bem. Agora lembre-se que a Terra primitiva antes de ter sua superfície coberta pela vida ( verde, pois no principio foi a vegetação) ela era composta de continentes e água ( claro, tambem a invisível primitiva atmosfera de gazes). Nesse estágio a Terra se parecia com o primitivo ribossomo sem a proteina. Então pense nos continentes como sendo o branco, e na água como sendo o azul. A vegetação verde cobriu a Terra primitiva assim como uma proteína surge cobrindo o ribossomo. Isto aconteceu porque qualquer estrutura que ocupe uma das funções sistêmicas universais na formula da Matrix/DNA vai executar a mesma função,o mesmo método, processo e mecanismo em qualquer sistema natural, de átomos a galaxias a corpos humanos.  ( Se você for no link acima, veja esta figura e passe o mouse em cima dela para ver a imagem se animar e parecer como era antes e depois da proteína)

The ribosome, a large molecular machine that drives protein synthesis, is a ribozyme. Roll over to compare the ribosome structure with and without proteins. Proteins are shown in green, and RNA is shown in blue and white. (PDB #2HGR for the 30S subunit and #2HGU for the 50S subunit).

 

 

 

Origem da Vida, RNA Primordial usando Ferro ao invés de Oxigênio, evidencias da Matrix/DNA

quarta-feira, junho 26th, 2013

Oxygen-Free: RNA Was Capable of Catalyzing Electron Transfer on Early Earth with Iron’s Help, Study Suggests

http://www.gtresearchnews.gatech.edu/rna-was-capable-of-catalyzing-electron-transfer/

– – – – – – –

Pesquisa pela Matrix/DNA: ( Artigo em construção)

Oxigenio:

oxigénio  é um elemento químico de símbolo Onúmero atômico 8 (8 prótons e 8elétrons) com massa atômica 16 u.

Na sua forma molecular, O2, é um gás a temperatura ambiente, incolor (azul em estado líquido e sólido), insípido, inodoro, comburente, nãocombustível e pouco solúvel em água.

Representa aproximadamente 20% da composição da atmosfera terrestre. É um dos elementos mais importantes da química orgânica, participando de maneira relevante no ciclo energético dos seres vivos, sendo essencial na respiração celular dos organismos aeróbicos.

Uma outra molécula também formada por átomos de oxigênio é o ozônio (O3), cuja presença na atmosfera protege a Terra da incidência deradiação ultravioleta procedente do Sol.

Matrix/DNA: O Oxigenio representa a formula da Matrix/DNA que tem a Funcao 7 duplicada. Como esta Funcao ev a do final do circuito, ela fragmenta o cadaver , quer dizer, ev a funcao da morte,por isso ela ev oxidante.

Ferro:

ferro é um elemento químicosímbolo Fe, de número atômico 26 (26 prótons e 26 elétrons) e massa atómica 56 u. À temperatura ambiente, o ferro encontra-se no estado sólido. É extraído da natureza sob a forma de minério de ferro que, depois de passado para o estágio de ferro-gusa, através de processos de transformação, é usado na forma de lingotes. Controlando-se o teor de carbono (ocarbono ocorre de forma natural no minério de ferro) dá-se origem a várias formas de aço.

Este metal de transição é encontrado no grupo 8 (VIIIB) da Classificação Periódica dos Elementos. É o quarto elemento mais abundante da crosta terrestre (aproximadamente 5%) e, entre os metais, somente o alumínio é mais abundante.

É um dos elementos mais abundantes do Universo; o núcleo da Terra é formado principalmente por ferro e níquel (NiFe). Este ferro está em uma temperatura muito acima da temperatura de Curie do ferro, dessa forma, o núcleo da Terra não é ferromagnético.

Matrix/DNA: Existe uma relação antes da origem da vida entre ferro e o elemento ancestral do RNA. Pois RNA representa apenas a meia-face esquerda da Matrix, com seu circuito e  4 elementos. Seu numero atomico, 26, esta localizado na Matrix patricamente no centro da esfera, expressando fortemente a F5. Porque 26, significa 3 vezes o sistema inteiro de 7 funcoes – que resulta em 21, e mais uma volta que tem inicio na F1 e termina na F5, ou seja, 21 + 5 = 26.

Mas justamente ai nesta posicao esta tambem o numero PHI, 1, 618. O que o numero pHI teria com catalize da transferenci de eletron entre atomos para formar moleculas organicas?

A transferencia de um eletron de um elemento quimico para outro seria parte do mecanismo da bi-lateral simetria?

O RNA neste caso da origem da vida deveria estar fazendo reproducao. Justamente isso acontece porque  em primeira instancia o RNA   ev a meia-face esquerda e sua reproducao numa copia que inverte o sentido do circuito tornando-o decrescente, e dessa reproducao surge o DNA.

– – – – – – – – –

Artigo:

The study shows that RNA is capable of catalyzing electron transfer under conditions similar to those of the early Earth.

Because electron transfer, the moving of an electron from one chemical species to another, is involved in many biological processes – including photosynthesis, respiration and the reduction of RNA to DNA – the study’s findings suggest that complex biochemical transformations may have been possible when life began.

Mais duas sensacionais descobertas da Matrix/DNA: As origens do fosfato e pontes de hidrogenio do RNA e DNA !

sábado, março 16th, 2013

Origem da Vida: Não teria sido o Sol, mas estrelas velhas e distantes que enviaram os genes de LUCA, dentro destas moléculas em meteoritos e gás interestelar? A experiência cientifica relatada neste artigo levou-nos a formular esta questão, plausível segundo as formulas da Matrix/DNA, mas ao mesmo tempo nos levou a mais duas importantíssimas descobertas: De onde a matéria burra da Terra tirou a ideia, onde buscou o mecanismo no mundo não-vivo dos primórdios e como fez aparecer aqui as pontes de fosfato e de hidrogênio que conectam moléculas do RNA e DNA!!! 

Life’s First Spark Re-Created in the Laboratory

Mais uma vitoria para Matrix/DNA !

Wired Science

http://www.wired.com/wiredscience/2009/05/ribonucleotides/

Meu comentario postado no Youtube, video com mesmo titulo:

http://www.youtube.com/watch?v=m7cUr8mx2Qs

TheMatrixDNA   1 second ago

Great! Now human beings will pay attention to models of Matrix/DNA Theory, which designed a model of astronomic system for our galaxy that predicted this result 30 years ago: the basic elements came from clouds of stars and meteorites. If you see the pictures (as The Human Cosmic Code) at Matrix website you will understand what happened in the lab. Phosphate is like the tentacles that any piece of LUCA develops for getting food, so it really came later. The secret is at photons inside atoms.

XXXXXXXXX

Copia do artigo para analise:

A fundamental but elusive step in the early evolution of life on Earth has been replicated in a laboratory.

Researchers synthesized the basic ingredients of RNA, a molecule from which the simplest self-replicating structures are made. Until now, they couldn’t explain how these ingredients might have formed.

“It’s like molecular choreography, where the molecules choreograph their own behavior,” said organic chemist John Sutherland of the University of Manchester, co-author of a study in Nature Wednesday.

(Matrix/DNA: Exatamente como previu nossos modelos. Átomos ou moléculas terrestres, se invadidas pelos genes de LUCA, encontrarem-se juntas aqui, tendem automaticamente a se configurarem na mesma forma que estavam conectadas em LUCA. Assim como se tivéssemos sete fotografias de um único individuo,  misturadas e amontoadas ao caos, porem em diferentes idades, portanto diferente formas, cada fotografia se moveria para uma posição entre outras duas de maneira que no final o ciclo de vida do individuo estaria na ordem certa. Foi este o segredo da simbiose entre micro-organismos que juntaram as organelas dentro da célula e da formação da galáxia original. Moléculas possuídas pelos genes de LUCA coreografam sua dança)

RNA is now found in living cells, where it carries information between genes and protein-manufacturing cellular components. Scientists think RNA existed early in Earth’s history, providing a necessary intermediate platform between pre-biotic chemicals and DNA, its double-stranded, more-stable descendant.

(Matrix/DNA: O RNA foi uma plataforma intermediaria entre pre-bioticos químicos e o DNA, como indica nossos modelos, porque os genes de LUCA primeiro constroem a face esquerda (da função 1 ate função 4 e como o circuito continua no sentido horário, o fluxo salta para o lado direito continuando de 6 para 1. Ou pode ser 1>3 e depois 6>1, sendo que os elementos sexuais, 1,4 e 5 são intermitentes, so atuam na fase sexual ativa)

However, though researchers have been able to show how RNA’s component molecules, called ribonucleotides, could assemble into RNA, their many attempts to synthesize these ribonucleotides have failed. No matter how they combined the ingredients — a sugar, a phosphate, and one of four different nitrogenous molecules, or nucleobases  — ribonucleotides just wouldn’t form.

(Matrix/DNA: O açúcar, que esta pregado na haste dos RNA e DNA, já sabemos que representa a função 1. As quatro comuns bases nitrogenadas representam funções 2,3,6 e 7. O fosfato tem a função de ponte conectadora entre duas formas do mesmo corpo, essas pontes são representadas na formula da Matrix pelas setas do circuito esferico, são os espaços entre as partículas, que são apenas o aspecto onda da luz, que imprime o tempo do ciclo vital. Na fase evolucionaria biologica, devido os corpos-partículas representando as sete principais diferentes formas de um único corpo, existirem simultaneamente mesmo que separados, são atraídos e atraem suas formas seguintes da sequencia vital e para se conectarem biologicamente, quimicamente, estes corpos emitem tentáculos, que se tornam essas pontes. Porem, biologicamente surgiram dois tipos de pontes: as de fosfato e as de hidrogênio.

As Pontes de Fosfato: Como e porque surgiram

No céu, LUCA morria (ou ainda morre, se ainda existe) quando o circuito chegava na função 7 e se fragmentava. Essa poeira formava uma nuvem no espaço que girava rotacionalmente sobre seu próprio centro devido o movimento rotacional do todo em que se encontrava, talvez uma galáxia, ou talvez o próprio Universo. Isto criava um vórtice central e os fragmentos de LUCA, funcionando como genes, reconstruíam LUCA. Isto era auto-reciclagem dos sistemas perfeitos fechados em si mesmos. Assim LUCA, mesmo condenado a morrer pela forca degeneradora da entropia, se tornava quase-eterno. Mas o colapso interno destes genes, que começava pela periferia do sistema já na função 6, com a radiação estelar, fazia com que os primeiros genes decaidos ainda encontrassem em seu caminho na direção do centro, outros corpos existentes, na forma de planetas, e agregados a superfície destes, reiniciavam sua reprodução. Como agora a paisagem e condições ambientais eram diferentes do espaço vazio onde LUCA fora formado, houveram as mutações e ao invés dos genes reconstruírem o LUCA astronômico construíram o LUCA biológico, ou seja o sistema celular. Com essa evasão de genes a auto-reciclagem não mais funcionou e por fim LUCA pode ter morrido de fato. Os outros genes que vinham depois, ao inves de LUCA so tinham informações para construírem sistemas solares, faltando quasares, buracos negros, pulsares, cometas. O qual deve ser o caso dos sistemas solares modernos, como o nosso. Mas o elemento, a força que invisivelmente unia o LUCA morto com o novo LUCA vivo na auto-reciclagem, que era executada principalmente por cometas na função 5 , se tornou em biologia a base uracila, a única base intermitente no RNA que aparece e desaparece, como o cometa so aparece na fase de reprodução sexual do LUCA astronômico. Quando presente ela faz os ribonucleotideos, que são as unidades fundamentais de informação do RNA, e os pares horizontais de nucleotideos, que são as unidades fundamentais de informação do DNA, se multiplicarem, ou seja, ev o processo da auto-reciclagem mutado para multiplicação de nucleotídeos, o que faz a pilha deles, chamada RNA ou DNA, crescer. Mas como ligar um sistema fixo a outro sistema também fixo, quimicamente… A ponte de fosfato, que esta nas hastes. Esta ponte surge aplicando-se o mecanismo dos sistemas para criarem extensões em seus corpos, na forma de tentáculos, bracos e mãos, para agarrarem alimento ou transporte. Aqui o mecanismo foi usado no esforço do LUCA biológico de continuar sua auto-reciclagem, mutado para multiplicação linear, mas que de certa forma representa o mesmo processo de LUCA no ceur.  aos grupos em diferentes lugares e épocas por isso reconstroem pedaços de LUCA, o que formam os aminoácidos e proteínas, e os componentes separados de ribonucleotideos e nucleotídeos. Estes elementos são o açúcar, as bases guanina, timina, citosina, adenina e a intermitente uracila. Cada elemento representa uma das formas do corpo de LUCA, cada qual executando uma função sistêmica. Mas em seguida grupos de genes podem se encontrarem numa mesma sopa química e ocorre uma atracao automática entre eles no sentido de reconstruírem LUCA. Entao o grupo que consiste na base nitrogenada que representa a função 3, tendera a se conectar a direita com a base da função 2 e a esquerda com a base da função 4. Para fazer essa conexão criam de si uma extensão, um tentáculo, que quando alcanca sua base procurada, torna-se uma ponte fixa entre as duas. Já não e mais o caso de unir dois sistemas, como foi no caso da ponte de fosfato, mas sim de unir duas etapas do ciclo vital dentro de um único sistema.

A Origem das Pontes de Hidrogênio no DNA

Os genes de LUCA, caídos na superfície de um planeta, de forma dispersa no tempo e no espaço, não conseguem se reunirem todos num so ponto. Encontram-se aos grupos em diferentes lugares e épocas por isso reconstroem pedaços de LUCA, o que formam os aminoácidos e proteínas, e os componentes separados de ribonucleotideos e nucleotídeos. Estes elementos são o açúcar, as bases guanina, timina, citosina, adenina e a intermitente uracila. Cada elemento representa uma das formas do corpo de LUCA, cada qual executando uma função sistêmica. Mas em seguida grupos de genes podem se encontrarem numa mesma sopa química e ocorre uma atracao automática entre eles no sentido de reconstruírem LUCA. Entao o grupo que consiste na base nitrogenada que representa a função 3, tendera a se conectar a direita com a base da função 2 e a esquerda com a base da função 4. Para fazer essa conexão criam de si uma extensão, um tentáculo, que quando alcanca sua base procurada, torna-se uma ponte fixa entre as duas. Já não e mais o caso de unir dois sistemas, como foi no caso da ponte de fosfato, mas sim de unir duas etapas do ciclo vital dentro de um único sistema. A ponte de fosfato ev vertical, a ponte de hidrogênio ev horizontal, ela parte do açúcar na haste na posição horizontal e cria a estrutura intermediaria com o açúcar da haste lateral. As pontes de hidrogênio representam as setas entre funções na formula da Matrix.

Porque não estava se formando  os ribonucleotideos: porque em LUCA o corpo da função 1 (um quasar contendo o vórtice nuclear) liga-se num circuito esférico com a função 7 a direita e função 2 a esquerda. Quando LUCA astronômico se reproduz com a mutação para biológico, o circuito esférico continua, porem, ovalando-se e horizontalizando-se. E as ondas do tempo, que são as setas na formula, quando se horizontaliza, torna-se pontes de hidrogênio. São duas bases nitrogenadas a fase biologica

(continuar a partir daqui- não esquecer que as pontes foram os precursores quimicos das proteinas) 

 

Sutherland’s team took a different approach in what Harvard molecular biologist Jack Szostak called a “synthetic tour de force” in an accompanying commentary in Nature.

“By changing the way we mix the ingredients together, we managed to make ribonucleotides,” said Sutherland. “The chemistry works very effectively from simple precursors, and the conditions required are not distinct from what one might imagine took place on the early Earth.”

 

Like other would-be nucleotide synthesizers, Sutherland’s team included phosphate in their mix, but rather than adding it to sugars and nucleobases, they started with an array of even simpler molecules that were probably also in Earth’s primordial ooze.

They mixed the molecules in water, heated the solution, then allowed it to evaporate, leaving behind a residue of hybrid, half-sugar, half-nucleobase molecules. To this residue they again added water, heated it, allowed it evaporate, and then irradiated it.

At each stage of the cycle, the resulting molecules were more complex. At the final stage, Sutherland’s team added phosphate. “Remarkably, it transformed into the ribonucleotide!” said Sutherland.

According to Sutherland, these laboratory conditions resembled those of the life-originating “warm little pond” hypothesized by Charles Darwin if the pond “evaporated, got heated, and then it rained and the sun shone.”

Such conditions are plausible, and Szostak imagined the ongoing cycle of evaporation, heating and condensation providing “a kind of organic snow which could accumulate as a reservoir of material ready for the next step in RNA synthesis.”

Intriguingly, the precursor molecules used by Sutherland’s team have been identified in interstellar dust clouds and on meteorites.

“Ribonucleotides are simply an expression of the fundamental principles of organic chemistry,” said Sutherland. “They’re doing it unwittingly. The instructions for them to do it are inherent in the structure of the precursor materials. And if they can self-assemble so easily, perhaps they shouldn’t be viewed as complicated.”

Porque Todos os Seres Vivos São Baseados no RNA/DNA

sábado, outubro 29th, 2011

xxxx

DNA

Uma pergunta postada num forum me fêz pensar e resultou numa resposta que é uma boa síntese para o leitor entender rápidamente o que é, e como está hoje, a cosmovisão da Matrix/DNA.

A pergunta está no enderêço:

SUPER ABRIL. COM

http://super.abril.com.br/forum/Geral/Ciencia/Duvida-sobre-o-ADN-e-o-ARN

Feita por:

Théo de Freitas Neto
Duvida sobre o ADN e o ARN

Postado em 16/9/2011 13:42:48.

Porque o ADN e o ARN são os unicos tipos de código genético usados “em larga escala” pelos seres vivos (e os virus no caso do ARN)?

E a nossa resposta:

Louis C. Morelli

Postado em 29/10/2011 10:10:13.

Théo, eu penso que as Ciências Naturais se limitam a apresentarem fenômenos naturais e explicarem como funcionam, mas não respondem aos “porquês”, principalmente quando extrapolam o escopo dos fenômenos em si. Basta ver em Wikipedia a longa página sôbre DNA, ou “The RNA World”. “Porque?” é uma pergunta que pertence à Filosofia. Esta tenta responder os porquês procurando conectar num quadro inteligivel todos os dados empiricos mais os obtidos pelo método cientifico.

Existe alem da abiogenêsis a Teoria da Matrix/DNA a qual, em sua cosmovisão, apresenta uma explicação à sua pergunta. Vejamos:

Tanto o DNA como o RNA não são códigos, no sentido literal. São pilhas de cópias de um unico sistema natural, o qual é formado por um par lateral de nucleotideos. Tôdas as cópias possuem um item diferente de tôdas as demais. Se puséssemos os 7 bilhões de seres humanos de mãos dadas numa só fila, teriamos um código? Não, apenas teríamos um conjunto de 7 bilhões de cópias de um unico sistema – o corpo humano – nenhum exatamente igual a qualquer outro. Assim é o DNA.

Mas porque o RNA/DNA se tornou a unidade operativa fundamental de todos os seres vivos na Terra? A resposta está na unidade fundamental do DNA, aquêle par de nucleotideos inicial. O sistema-nucleotídeo é idêntico ao sistema fundamental da nossa galáxia. A galáxia é formada por sete tipos de astros, cada qual executando uma função sistêmica, e isto foi reproduzido na Terra com moléculas orgânicas através das sete moléculas do sistema-nucleotídeo. Mas procurando como esse sistema se tornou astronomico, galáctico, descobrimos que êle já existia antes, na forma de átomos. E agora estamos descobrindo que antes de ser átomo esse sistema era um mero vórtice, quase abstrato, provavelmente quantico. Qualquer vórtice natural, como o simples rodamoinho de vento, possui tôdas as propriedades da vida!

Portanto, a evolução nêste Universo tem sido a evolução de um unico sistema natural que apareceu com as origens do Universo, provavelmente vindo de algo existente antes dêle. Sabemos porque os seres vivos sào baseados no DNA/RNA. Seres vivos, ou Vida, é apenas mais uma forma evoluida do sistema universal, é a forma biológica dêste sistema. O DNA é a face biológica dêste sistema, ao qual denominamos “Matrix”. Não faz sentido dizer que sistemas biológicos são vivos e os seus ancestrais, como o sistemas atômicos, galácticos não o são: todos possuem as propriedades da vida.

Se respondemos porque os sistemas biológicos (seres vivos?) são baseados no RNA/DNA, não podemos responder porque o sistema universal é na forma da Matrix/DNA. Pois ela veio de fora do Universo e nossa inteligência não pode chegar a tanto, ainda.

Ultimamente descobrimos a fórmula fundamental que imprime o Ciclo Vital a corpos materiais: é a Luz Natural, qualquer onda de Luz Natural. Fantástico! A Matrix é feita de Luz! O tijolinho fundamental do DNA veio da luz pura! Porem o problema agora é: o que é, ou quem é, a fonte dessa Luz Natural Universal?! Quando o descobrir-mos, saberemos responder à sua pergunta.

Ahh… se quiser ver tudo isso desenhado em modêlos vá em http://theuniversalmatrix.com . Abraços…

RNA Catalizador:Quem foi seu Ancestral

quinta-feira, maio 14th, 2009

(tema descoberto hoje que deve ser desenvolvido)

Nas discussoes sobre origens da Vida entre intelectuais esta’ sendo muito mencionada a hipotese do “RNA World”: O RNA teria sido a primeira molecula organica e teria dado inicio `a  Vida.  Mas um problema tipo “quem surgiu primeiro, o ovo ou a galinha”, truncava esta ideia: qual teria vindo primeiro, as enzimas que fazem o trabalho das celulas ou os acidos nucleicos que possuem as informacoes requeridas para produzir as enzimas? A descoberta de que acidos nucleicos sao catalizadores (ribozima) resolve este problema e com isso a hipotese do “RNA World” foi fortalecida.

Mas porque o RNA tem a propriedade ou funcao catalizadora?

No modelo referente ao ancestral da Vida na Terra, da Teoria da Matriz, identificamos tres tipos de precursores do RNA. Um seria a metade do circuito `a direita, outro seria a metade `a esquerda e outro ainda seria o componente do sistema celular correspondente `a Funcao n.5,  que em LUCA e’ executada pelo COMETA. Alias este foi o primeiro identificado, pois e’ o agente que se move na celula, enquanto em LUCA o unico agente que se move e’ o cometa. Alem do fator movimento – tanto em LUCA como no sistema celular – sao eles os unicos que transferem informacoes entre as demais funcoes.

Ora, acontece que basta olhar para LUCA e notar que quem realmente aguenta e mantem o movimento rotatorio do seu corpo e’ o cometa: ele e’ movido pelas forcas magneticas espiraladas e `a medida que ele desce a espital mais aumenta sua velocidade ( e talvez ate’ tenha parte de sua massa, a qual e’ magma altamente energizado, transformado em energia), portanto, quando ele atinge o “bico do funil”, ele transfere sua trajetoria rotatoria ao proprio funil… ou buraco negro ( cujo giro e’ imprimido ao corpo inteiro). Ora, entao o tempo de um ciclo vital dependera’ da maior ou menor quantidade de cometas que chegam ao buraco negro. A velocidade de todas as informacoes que correm pelo circuito e, portanto de todas as reacoes do circuito, depende da quantidade de cometas produzidos pelo pulsar. Portanto, cometas sao os catalizadores do building block dos sistemas astronomicos e como sao os ancestrais do RNA, este nao poderia ser outra coisa senao tambem um catalista. E assim tambem – vendo a coisa tao mais clara no corpo de LUCA – torna-se mais mais facil para nos entender o que ‘e esse fenomeno denominado “catalise”, o qual tem sido um dos maiores alvos do investimento cientifico nas ultimas decadas devido principalmente ao seu interesse industrial.